Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


“A Mafiosa – Le Clan”

por Francisco Carita Mata, em 23.02.17

Série Policial Francesa

RTP2

Temporada 4 – Episódios 5 e 6

 

Há algum tempo que não me debruço sobre a temática de séries. Praticamente este ano ainda mal abordei o tema. Não que não ande a seguir nenhuma. Que até tenho andado. Só que não me tem puxado para a escrita.

 

A última sobre que comentei foi A Fraude – Bedrag”. Vi os dois últimos episódios, mas também não perorei sobre os mesmos. Que deveria tê-lo feito. Mas fui adiando, preguiçando, e acabei por não falar sobre os mesmos. Talvez ainda, um dia, teça alguns comentários, pois apontei algumas notas e verifico nas visualizações, que a temática do seriado ainda é procurada. Pode ser que desentorpeça.

 

A “Mafiosa”, tenho acompanhado desde o início.

Mas a temática não me motivou muito para escrever. E ainda bem. Porque se fosse escrevendo, episódio a episódio, como tenho feito nos seriados que me motivam, por vezes nem saberia como pegar nos assuntos.

E, ao princípio, nem entendia muito bem toda a trama e os personagens sempre a mudarem. Sim, porque nesta série são tantas, mas tantas, as mortes violentas e macabras, melhor dizendo, os assassinatos, que os personagens estão sempre a mudar.

 

A série já vai na quarta temporada. São cinco, de oito episódios cada uma. Quarenta episódios no total. Chegou ao trigésimo ontem, 4ª feira, 22/02, 6º episódio da temporada em curso. Temporada que está quase a terminar, em princípio, na próxima 6ª feira. Na próxima semana iniciar-se-ão os episódios da 5ª e última.

 

mafiosa5 in.veja.abril.com.br.jpg

 

Mas vamos aos finalmentes. Deixemo-nos de entretantos.

 

A ação, na trama, decorre principalmente na Córsega, ilha mediterrânica, território francês. Pátria de Napoleão, o corso. Terra de corsos, nos vários sentidos da palavra.

Também Marselha e Paris acolhem cenas e excertos de episódios, à medida que os negócios dos Paoli se alargam e estendem ao território continental.

 

Sandra Paoli, desempenho de Héllène Fillières, é a personagem principal. Herdou os “negócios” do pai, François Paoli, que, oficialmente, seria seu tio.

Segredo que só lhe foi revelado em adulta.

Os “negócios” incluem todo o tipo de atividades lícitas e ilícitas, legais e não legais, ligadas ao submundo do crime organizado, na ilha e no continente. Portanto, predominantemente ilícitas e ilegais.

Não foi muito bem aceite a sua “legitimidade” nessa herda, dentro da própria família, nomeadamente, pelo “meio-irmão” Jean Michel Paoli. Ela foi-se entrosando no meio, construindo e conquistando esse “direito”, ao longo das primeiras temporadas, consolidando-o, e alargando-o até, afirmando-se como chefe do clã.

 

Essa construção assentou em dezenas de mortes “matadas”, assassinatos, por encomenda, por ordem sua, direta ou indireta, ou resultantes das guerras entre os vários gangs rivais, na Córsega e no território continental.

Nessa sua pretendida e conseguida afirmação, num mundo de “homens machos”, para além de ordenar mortes também as executou. Nem mais nem menos a de figuras poderosas no meio, “milieu”.

A de um dos chefes principais dos “nacionalistas” e a do próprio irmão.

Estas mortes trouxeram-lhe o almejado “respeito” e temor, mas também os ódios de muita gente e o enredar cada vez mais apertado nas malhas policiais.

 

Mas mais grave e forte e acutilante no seu ser, no seu sentir, no seu viver, foi o assassinato do irmão, às suas próprias mãos.

Foi esse assassínio, planeado e executado a sangue frio, por cupidez, vingança, calculismo, que a está a levar à sua auto destruição. Drogas, álcool, comportamentos psicóticos, visões, audição de vozes acusadoras, obsessão pela morte, fobia de perseguição, em todos vendo eventuais denunciantes.

Loucura que só engendra novas mortes, mesmo dos amigos indefetíveis, como Jean Santini, um pau mandado, “cão” fidelíssimo, que ela não teve pejo de mandar assassinar, nem os “amigos” de executarem a sentença.

 

Nesta quarta temporada assiste-se a esse caminhar inexorável para o abismo, à transfiguração física da sua própria personagem e imagem, cada vez mais masculinizada, andrógina, mórbida, cruel e vingativa, quase desprovida de sentimentos.

Às suas ordens tem uma série de assassinos, destacando-se Manu e Tony, capazes de matar qualquer um a sangue frio, despudoradamente.

 

Dos vários grupos envolvidos no enredo tem-nos praticamente todos contra ela. Os donos dos maiores casinos de jogo de Paris, os Acquaviva, mandantes do atentado que sofreu, mas que ela acaba por ter nas mãos, que além de um dos filhos do sócio principal, morto selvaticamente e queimado, também mandou executar o outro sócio.

O pequeno atentado que ela sofreu, executado por um dos destacados “nacionalistas”, para quem ela é um alvo a abater, também já foi retaliado, tendo sido esses nacionalistas também já vitimados pela ação dos “amigos” de Sandra. E o chefe principal também foi ameaçado para se remeter ao silêncio.

Pelo que, se no 5º episódio ela parecia até fisicamente em vias de derrotada, no sexto, parece ressurgir em toda a sua cruel criminalidade.

 

A polícia de Bastia, que para ali tem andado enredada nos novelos traçados pelos criminosos e pelas dificuldades de ação dimanadas na execução da Lei; finalmente, e pela ajuda preciosa de uma jovem polícia, tem um organigrama estruturado com o enredo das mortes, a partir de escutas e telemóveis. Aliás, eles já sabem, através da viúva de Jean Michel, que foi Sandra que o matou. Precisam de o confirmar e estruturar a informação, para eventualmente apresentarem em tribunal.

Isto se lá chegarem os criminosos. Que tanto se vão assassinando entre eles, que poucos restarão.

 

E será que Sandra lá chegará?! Certamente, que ainda está para vir a quinta temporada!

 

Internamente, parece que a própria estrutura ameaça ceder, pelas dissensões que vão surgindo entre alguns dos protagonistas.

 

Na própria família, o papel da sobrinha de Sandra e filha de Jean Michel, Carmen, está a ser relevante para o desenrolar e desfecho interno dos acontecimentos. Cada vez mais, questiona sobre a morte do pai, a todos interroga e pergunta, a todos os que sabem, mas não lhe dizem.

Até onde irá a sua capacidade de perguntar e até onde e quando os envolvidos e sabedores aguentarão as perguntas?!

Irão despachá-la como têm feito a todos os que os incomodam?

E até quando os que sabem irão guardar o segredo?

 

E a polícia conseguirá estruturar meios de prova contra os criminosos?

Haverá uma atitude pedagógica e didática na narrativa?!

 

E volto ao início, e à minha dificuldade em estruturar a minha escrita sobre o conteúdo da trama. Residia ela, entre outros aspetos, nos personagens principais e nas suas ações. Todos eles são execráveis. Não há ali ponta por onde se pegue. Não há a possibilidade de “pegar” nuns, contrapondo-os a outros. São todos, farinha do mesmo saco.

Só agora, a polícia parece estar a colocar alguma “ordem” na narrativa, com o surgimento daquela jovem idealista e cheia de genica!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:02

DIA M na Gulbenkian – “Rising Stars”

por Francisco Carita Mata, em 19.02.17

Dia da Música

 

“PORTAS ABERTAS – RISING STARS”

 

Fundação Calouste Gulbenkian – 19 de Fevereiro – Domingo

 

Portas-Abertas Claudia Hohne Rising stars.jpg

 (Imagem "Rising Stars" - cortesia Claudia Hohne)

 

*******

 

A “Gulbenkian Música” reeditou este ano “Portas Abertas”, hoje, domingo, 19 de Fevereiro. (Clique em "Portas Abertas", para conhecer o programa, se faz favor.)

 

Foi um evento memorável, pelo menos nos concertos a que assistimos.

 

No Grande Auditório, ouvimos Horácio Ferreira, em clarinete, acompanhado por Dávid Bekker, ao piano, pelas quinze horas.

Mariam Batsashvilli, ao piano, pelas dezassete.

Pelas dezanove, Tamsin Waley-Cohen, em violino, acompanhada ao piano por James Baillieu.

 

Não teve oportunidade de assistir a nenhum dos concertos ou outras atividades realizadas hoje na Gulbenkian?! Nem sabe o que perdeu!

 

Nunca me lembro de ter visto a Fundação com tanta gente. Em concomitância, decorre a Exposição sobre Almada Negreiros.

De modo que nem lhe digo. Imensa gente por todo o lado, na parte de tarde. De manhã, não sei!

De tarde, além da Música e atividades correlativas, gratuitas, a entrada nos Museus também é grátis.

Filas na restauração, filas nas atividades musicais, filas nos museus e respetivas entradas.

 

Gostámos especialmente do clarinetista, Horácio Ferreira, para que remetemos o seguinte link no youtube.

(Para além da música, não quero deixar de relator a postura do executante. Praticamente ele dança com o clarinete, com ele mesmo e com a pauta. Um aparte a registar.

A executante ao piano, Mariam Batsashvilli, para além da sua maestria enquanto artista, também é muito característica na sua expressão corporal. E executa várias peças sem pauta. De memória, certamente!)

 

Se não teve ocasião para assistir, no programa distribuído, referem que a RTP – Antena 2 gravou os “Concertos Rising Stars”. Aproveite. Não perca!

 

(Com tanta gente, acabam por ocorrer sempre os momentos caricatos:

Os inefáveis e inseparáveis telemóveis e, hoje, domingo, as imprescindíveis crianças “obrigadas” a participarem nestes acontecimentos. Pois, a quem os deixar, se é fim de semana?!)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Antologia da APP – Associação Portuguesa de Poetas (VII)

por Francisco Carita Mata, em 16.02.17

A Nossa Antologia

XX Volume - 2016

(57 Autores)

Editor: Euedito

 

*******

 

Tejo original DAPL 2016.jpg

 

Introdução:

 

Continuamos com a divulgação de Poemas da XX Antologia da APP - 2016. Um sétimo grupo de Poetas estruturam o post nº 491.

Damos a conhecer Poesia de Hérlon Cavalcanti, João Baptista Coelho, João Coelho dos Santos, João de Deus Rodrigues e João Francisco da Silva.

Cabe a Si, caro/a Leitor/a apreciar mais um conjunto de bela Poesia!

E, como estamos em Fevereiro, todos os Poemas versam o Amor.

 

 

*******

flor mandacaru in. recantodas letras.com.br.jpg 

HÉRLON CAVALCANTI

 

“FLOR DE MANDACARU, NO TEJO”

 

“De Terras longas que vim

de mar, de rios e florestas

trouxe um bocado de mim

pra me juntar nessa festa

cantando e fazendo versos

nessa vida que me resta

 

Ao Tejo corri pra ver

toda a cidade a correr

linda e misteriosa

No berço que vi nascer

Visitei a minha história

E tudo que vim a ser..

 

Na Terra de minha gente

No berço dos ancestrais

deitei uma flor no Tejo

sai sem olhar pra traz

Por aqueles que chegaram

e os que não existem mais.

 

Na flor de mandacaru

Trazida do meu país

visitei o mar azul

amei e fui muito feliz

E voltei a Caruaru

E agora conto pra tu

Tudo quanto eu aprendi.”

 

(Hérlon e Mabel Cavalcanti)

 

*******

 

Cacela Original DAPL 2016.jpg

 

JOÃO BAPTISTA COELHO

 

“ POEMA DE AMOR”

 

“Anda comigo, amor, p´la praia fora,

os dois, de mão na mão, pisando a areia.

Vem ver a luz do sol a ir-se embora

e a noite a converter-se em lua-cheia.

 

Irmãos do par de amantes, do outrora

- o cavaleiro triste e Dulcineia –

seremos, no instante dessa hora,

o nauta enfeitiçado e a sereia!

 

No mar e na fundura da neblina,

a nau dos meus desejos, à bolina,

navega em meu azul do pensamento.

 

Vem vê-la! Vem falar-lhe com teu canto!

E põe a paz suprema no meu pranto…

com beijos que trocarmos sob o vento.”

 

*******

 

JOÃO COELHO DOS SANTOS

 

“A MÚSICA E A ALMA”

 

“Deslumbrado, abri um pórtico de luz,

Que cresceu ou emergiu,

Como a música e a alma.

Compus expressão teatral,

E gargarejei um pueril libreto de ópera.

No gotejar nota a nota do violino,

Com a alma grávida de ilusões,

Ou no suave tanger da lira,

Ora patético e teatral,

Ora tranquilo e benevolente

Cantei em tom de falsete,

Soltei lágrimas de felicidade

E adormeci sereno e sossegado,

Com o vento a acariciar a música e a alma.”

 

*******

 

Troia original DAPL 2016.jpg

 

JOÃO DE DEUS RODRIGUES

 

“À PROCURA DO TEU PASSADO”

“(a saudade)”

 

“Passaram-se dias, meses e anos,

E fui à tua procura sem te encontrar.

Perguntei por ti a rios, mares e oceanos,

Mas nenhum parou, para me escutar.

 

Era enorme a minha vontade de te ver,

Para saber se continua moreno o teu rosto.

E se tudo aquilo que tens andado a fazer,

Te trouxe felicidade ou causou desgosto.

 

Mas encontrei desertas as ruas do passado,

E gastas as pedras da calçada que pisámos,

Quando abraçados cumpríamos o nosso fado,

 

A olhar para as estrelas que ora ainda vejo,

Tão trémulas, a cintilar no firmamento,

Como as do jardim da realização do desejo.”

 

*******

 

JOÃO FRANCISCO DA SILVA

 

“EXCELSA FORMOSURA”

 

“ Deslumbrante é tua excelsa formosura,

Charme de mulher em todo o seu esplendor;

Tens coração generoso e alma pura,

Simbolizas a beleza e o amor!

 

És mãe da emoção, musa do poema,

Cultora da paz e da fraternidade;

Tens no amor o teu preferido tema,

És a rainha da singularidade!

 

Muito humana, sentes carinho e doçura,

Fazes o bem, partilhas da alheia dor;

Teus encantos aumentam com a candura

Com que semeias simpatia e amor!

 

És personagem de romântica fita,

Doce e terna como pétala de flor;

Mas o mundo quando diz que és bonita

Almeja interesses, ao dar-te valor!

 

Pura filha da humana natureza,

Amas as gentes, cultivas a verdade;

Floresce-te no Ser a moral riqueza,

És fluente fonte de felicidade!

 

Desafias o fulgor de mil estrelas,

És poema, maravilha, cor e luz,

Subiste ao pódio das mulheres mais belas;

Deus, por ditosos caminhos te conduz!

 

Sabendo tu que encantas, que deslumbras,

Que és admirada de modo profundo,

Nunca te envolvas em opacas penumbras;

Continua a ser um exemplo p´ró mundo!”

 

 Notas Finais:

Este post é ilustrado com algumas fotografias, originais de D.A.P.L., 2016. Lamento, mas não consegui enquadrar todos os poemas com fotografias originais.

Também, para documentar a "flor de mandacaru", que eu não sabia o significado, pesquisei na net. Mandacaru é um tipo de cacto. Também tenho um exemplar deste tipo de plantas, cuja flor apenas floresce por um dia. Plantei-a em 2015. A primeira vez que deu flor foi nesse mesmo ano, pela noite de São João: 23 para 24 de Junho. Em 2016 não sei se deu flor ou não. Não tive oportunidade de presenciar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:20

Antologia da APP – Associação Portuguesa de Poetas (VI)

por Francisco Carita Mata, em 14.02.17

“A Nossa Antologia”

XX Volume - 2016

(57 Autores)

Editor: Euedito

 

*******

nuvens. Foto original DAPL 2016jpg

 

Introdução:

 

Finalmente consigo organizar-me para dar continuidade à divulgação de Poesia da XX Antologia da APP – 2016. Agora um sexto grupo, neste post nº 490.

Este será o grupo dos eFes, em que também me incluo.

Seguem-se os Poemas de: Feliciana Garcia, Felismina Mealha, Fernando Corte Real, Fernando Sousa, Filipe Papança, Filomena Fonseca e Francisco Carita Mata.

 

*******

 

Flor. Foto original DAPLjpg

 

FELICIANA GARCIA

(Maria do Tempo)

 

“POEMA DEDICADO À MINHA FILHA (MÃE)”

 

“Aquele pedacinho lindo

Que um dia de mim nasceu,

É hoje, mulher e mãe.

E tem tal e qual como eu,

Dois pedacinhos também.

 

Abençoai-nos Senhor,

São pedacinhos de mim

Gerados pela linda flor,

Que nasceu no meu jardim.”

 

*******

 

papoilas. Foto original DAPL 2016 jpg

 

FELISMINA MEALHA

 

“PEQUENA ODE AO BERÇO”

 

“Abres-te a Sul como quem diz:

“Sejam Bem-vindos!”

E, desde o Moinho do Nica

Desces pressurosa até à quinta!

Aí, espraias-te, como um mar chão…

E abres a nossos olhos, as belas terras do Pão!

Ferragial da Volta

Cerca Grande

Cerca do Sr. Loução…e,

Ao fundo… a Corte com a charneca…

Os Barrancões, a Crimeia…

E caminhas abrasada, até ao Garvão!

Por esses caminhos, quantas estórias

Meu irmão?

A Funcheira, em cujo cais, tantas lágrimas,

Foram ali derramadas

Em cada separação!

A escola! A algazarra!

A brancura das batas

As canções de roda

As Amoreiras, o muro

As letras… o futuro!

O tempo escuro, muito escuro…

Mas, ao fundo, a luz da esperança!

A casa! Oh, a casa!

Lugar onde sempre encontrei

A força, a coragem, a preocupação, a luta!

A abordagem dos temas, os lemas…

O carinho, a alegria, a segurança!

A vida, ofereceu-me sem reservas

Uns olhos de ver contente,

A minha terra, a minha gente!

O meu chão seco, ou florido,

E as aves voando em bando

Acordando este meu grito!

Ia atrás delas, voando

Com minhas asas de sonhos

Cheia de sonhos…cantando!

Havia naquela casa

Dois pares de olhos tão belos

e dois corações tão perfeitos,

que me fizeram pensar

Que o mundo se multiplicava

em corações e olhares

Daquele jeito… perfeito!

Oh! Como eu guardo dessa casa

E desses corações, as asas

Com que voei tanta vez,

até cair e acordar desse sonho tão bonito…

Tão perfeito, que o bendigo,

por dele me recordar!

Terra! terra de cheiros agrestes

da esteva, do rosmaninho,

do alecrim, da arruda…

Terra muda, mas gritando

a fome desses teus filhos,

Que desde muito novinhos,

Saudosos… te iam deixando!...

Terra, que tanta luz me ofereces-te

Tanta beleza me deste

Tanto verde salpicado de amarelo,

Aonde esse Sol tão belo, se revia namorado!

Oh terra onde nasci!

Nunca me esqueço de ti,

O meu presente…é passado!

Cantar-te-ei minha terra

Ao Sol nascente de Julho

Ao Sol poente de Agosto

Ao Sol rubro de Setembro, prometendo…

Um amadurecer dos frutos

E de homens resolutos

Que vão nascendo e morrendo

Tanto vermelho papoila

Gritando na Planície,

E desenhando nos trigais

Verdes-rubros, por de mais…

Uma Bandeira de esperança!

Uma Bandeira, Saudade,

dos meus dias de criança!”

 

 

*******

 

concha. Foto original DAPL 2016 jpg

 

FERNANDO CORTE REAL

 

“CASCA DE NOZ”

 

“Eu…

 

Que me sinto às vezes uma casca de noz

E como um barco desço o rio das madrugadas

Que tenho no teu corpo a mais bonita foz

Sou um tonto à deriva nestas águas inspiradas.

Eu…

Que por vezes não entendo os teus sinais

Nem tenho na distância o sabor da felicidade

Que desejava ver no silêncio dos meus ais…

Só me afundo no perfume de uma saudade.

Eu…

Que nesta vida não sou mais nem menos

Nem quero a distinção de quem passa por mim

Que a diferença só traz sonhos obscenos

E todos vamos caminhando para o mesmo fim.

Eu…

Que ando nesta selva de gritos prepotentes

Em que as árvores morrem sem saber porquê

E não é o vento que nos mata as sementes

Mas o poder com o machado que ninguém vê.

Eu…

Que já estou cansado de não ter o sossego…

A Paz que desejava quando quero aqui escrever

Não as palavras a que o mundo tem apego

Mas tudo o que me impede de ser livre e o dizer.

Eu…

Que levantei o rosto para ver a desgraça

Daqueles a quem são negados direitos universais

Navego por este rio e digo a quem passa…

Eu sou poeta, às vezes casca de noz, e nada mais.”

 

 

*******

Rio. Foto original DAPL jpg

 

 

FERNANDO SOUSA

 

“DESPRENDIMENTO”

 

“Deixo nas águas deste rio,

Em que me apraz navegar.

Ansiedades que viveram comigo,

Que jamais poderei guardar!

 

Sigam livres nestas águas,

Tristezas que não posso conter.

Recordações de sofridas mágoas.

Ressentimentos do meu viver!

 

Acompanhem estes barcos rabelos,

Para destinos de outros marinheiros.

São passados, que não quero contê-los,

Mesmo sendo meus velhos companheiros!

 

Ide! Naufragai nas águas deste rio,

Encontramo-nos no fundo do mar.

Companheiros de tempo perdido!

Recordações que não quero guardar!...”

 

 

*******

 

raio de luz. Foto original DAPLjpg

 

FILIPE PAPANÇA

 

“DIVINA MISERICÓRDIA”

 

“ Na penumbra da escuridão acende-se

uma pequena Luz…

 

Ó bondade infinita…

 

Beatífica visão…

Absoluto perdão!

 

Eterna saudade!

Sonho de eternidade…”

 

*******

 

casa. Foto original DAPL jpg

 

FILOMENA FONSECA

 

“RECORDAÇÕES”

 

“De regresso à velha casa

as trepadeiras decoram o telhado

e as velhas figueiras

lembram vazios nunca preenchidos.

 

Com um olhar firme

varre toda a sala

tantas vezes limpa

com suor e lágrimas da mãe.

 

Foi há muito tempo…

 

Mas não há tempo

no coração

duma criança. ”

 

 

*******

 

FRANCISCO CARITA MATA

 

EI-LOS QUE VÃO…”

 

(Como este poema já figura no blogue, fará o favor de clicar no respetivo título, para aceder à correspondente leitura. Obrigado!)

 

 E, como hoje é um Dia especial:

 Uma Flor!

 "Tempo de Poesia"

A Poesia de Jorge de Sena

Poesia em Régio 

 

 

As Fotografias são todas originais de D.A.P.L. - 2016, tiradas em vários locais do País: Alentejo, Algarve, Grande Lisboa. Fazem parte de um acervo de que disponho e com que, habitualmente, ilustro os posts. De uma forma bastante livre, é certo. O que se verificará também neste, no respeitante aos vários Poemas. Me desculpem os Poetas e Poetisas! Mas lembremo-nos do conceito: "Liberdade Poética"!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42

Poesias publicadas na Revista "Família Cristã"

por Francisco Carita Mata, em 08.02.17

"Lugar aos novos"

Obrigado!

 

Preâmbulo:

 

Caros/as  Leitores/Leitoras

 

Há algum tempo que não publicava. Outros afazeres. A inércia que, por vezes, me ataca: outro nome para a preguiça.

Este post que foi demorado a estruturar, até na divulgação online, pois que esta Introdução só nasceu após a divulgação dos poemas, embora as ideias já andassem a germinar há dias…

Assim, fui protelando, adiando…

 

Finalmente, chegou, hoje, o Dia!

 

Continuo e volto com a Poesia. Agora alguns textos meus.

(Não, não esqueci que ainda irei continuar com a XX Antologia da APP.)

 

Dos meus, que agora publico, a maioria já foi dada a conhecer no blogue.

Mas, então, questionar-me-ão: Porque divulgar novamente?!

 

Resolvi estruturar este post, com todos estes poemas, pelo facto de todos eles terem sido publicados, em suporte de papel, na Revista “Família Cristã”, nos anos oitenta: 84, 85, 86, 87 e 88.

 

Foi precisamente nesta Revista que comecei a divulgar alguns dos poemas que já tinha escrito.

Publicados na Secção “Lugar aos novos”, coordenação de Padre Agostinho Correia.

 

O 1º poema que publiquei foi precisamente “Realização”, na revista de Fevereiro de 1984.

Seguiram-se:

Desencontros” – Março 1985

Cavalo de Ferro” – Novembro 1985

A Esperança” – Abril 1986

Caminhadas” – Fevereiro 1987

Alma de Poeta” – Junho 1987

Somos Mar!” e “Um Quadro” – Fevereiro 1988.

 

Provavelmente, tudo isto, atualmente, nos tempos que correm, com todos os meios comunicacionais existentes, com o acesso à divulgação relativamente facilitado, parecerá uma simples redundância, algo irrelevante.

Mas não foi! Para mim, à data, foi extremamente importante. E gratificante!

Foi a primeira porta que se me abriu à divulgação do que escrevia.

E, foi por isso, para realçar a importância desse facto e também para agradecer essa possibilidade, que agora, com toda esta comodidade técnica existente, não será fácil ajuizar sobre o valor que, para mim, teve essa oportunidade!

Obrigado! Agradecer, nunca é demais.

 

A ordem na publicação não foi a que apresento no blogue.

No post, apresento os poemas por ordem cronológica da respetiva escrita, iniciando-se pelos mais recentes:

“Caminhadas”, “Somos Mar”, de 1986;

“A Esperança”, 1985;

“Cavalo de Ferro” e “Alma de Poeta”, 1982;

“Desencontros” e “Realização”, finais de 70 (?)

“Um Quadro”, 76/77.

 

São alguns dos poemas que escrevi neste período de tempo: 76/77 até 86.

Escrevi mais neste período. Alguns publicados noutros meios comunicacionais. Outros inéditos. Alguns nunca serão divulgados.

 

Bem, seguem-se os poemas, que a prosa já vai longa e estas minudências só a mim interessam. 

Alguns ilustradas por bonitas fotografias.

 

 

Caminhadas Foto original DAPL 2016.jpg

 

CAMINHADAS

 

Pouco a pouco, os Sonhos são quimeras

Arredados nos Caminhos percorridos em Outrora.

 

No tecido da urbe que habitamos

Os passos do presente registamos

Deixando sempre outros caminhos

Passos, ruas, por correr…

 

Entramos em casas, nunca em todas

Qu’impossível se torna estar em todas.

Saímos, fechando algumas portas

Que abertas, ficar deviam. Todas!

Mas nem sempre podem.

Vai havendo sempre novas portas

Para abrir.

Enquanto conseguimos.

E portas há que nunca abrimos

Fechadas “ab aeterno” pelos Deuses.

 

Mas cada vez mais quedados em nossas casas

Quando não no nosso quarto, já sem asas

Cada vez mais em si mesmo dados.

 

Por vezes nos achamos em becos sem saída

Ou em quartos sem janela

Nesta cidade cada vez menos construída

Para nós, Homens, vivermos nela.

 

Resta-nos rasgar paredes e, nelas

Inscrever o Sol, a Luz, o Mar de barcas – belas

O Tempo das calmarias sem procelas.

Sabendo que mais fácil é dizê-lo

Do que, todavia, será fazê-lo.

 

Marca-nos sempre ao Longe termos

O Campo, Santo que a Natureza (humana)

Povoou d’esguias árvores apontando

O Céu, o Astro, o Sol, a Vida!

 

E, enfim, os olhos descansaremos

Nessa imensidão Sem Fim, do Mundo!

 

 

(Escrito em 25/04/1986, comboio, Entroncamento ----» Aldeia da Mata

Publicado: Revista “Família Cristã”, rubrica “Lugar aos Novos”, Ano XXXIII, Fev. 1987 – Francisco Lopes.

Blogue: 25/01/2015)

 

*******

Somos Mar! Foto original DAPL 2016.jpg

 

 

SOMOS MAR!

 

Trazemos em nós um Mar

Corre o mar nas nossas veias

Nos percorre, nos irriga o corpo

Os neurónios, os sentidos!

 

Nas nossas costas batem ondas

Quebram-se aos nossos pés

Marulham aos nossos ouvidos.

Sabe-nos o sangue a sal

Cheiram-nos os cabelos a maresia.

 

Há em nós o apelo do Mar

O chamamento donde proviemos

O Início de que nascemos.

 

O mar nos traça os contornos

As formas, as enseadas

As falésias, os cabos e promontórios.

Faz correr os nossos rios!

Somos um mar circulando na Terra

Somos Água, água mineralizada.

                             Água do Mar.

Dois átomos de hidrogénio

E um de oxigénio. E cloreto

                               De sódio!

                                         E…

 

Somos água principalmente

                    Percentualmente.

Quase somos água. Quase!

                 H2O + ClNa + … + …

Somos Vida. Do Mar

                            Vinda!

 

 

(Escrito em 07/03/1986.

Publicado na Revista “Família Cristã”, rubrica “Lugar aos Novos”, Ano XXXIV, Fev. 1988 – (Francisco Lopes).

Blogue: 29/01/2015)

 

*******

A Esperança. Foto original DAPL 2016jpg

 

A ESPERANÇA

 

A Esperança criou asas

Abriu-as, pôs-se a voar.

Sobre a cidade e suas casas

As gentes foi saudar.

 

Desceu às ruas e ruelas

Cumprimentou as pessoas.

Fê-las sorrir, serem mais belas

Nos becos dessas lisboas.

 

Foi ao campo em missão

À gente mais conformada

Despertou-a, deu-lhe a mão.

 

Mais alto e mais longe, alada

Pandora afastou então.

E preparou nova alvorada.

 

(Escrito em 13/12/1985

Publicado em: Revista “Família Cristã”, Rubrica “Lugar aos novos”, Ano XXXII, Abril 1986, (Francisco Lopes).

Blogue: 27/12/2014)

 

*******

 

CAVALO de FERRO

 

Eh! Cavalo de ferro

Que malhas no ferro

Repisando no erro!

A campainha, já avisada

Anuncia a tua alvorada.

Trrim, Trrim, Trrim, Trrim,

Trrim, Trrim, Trrim…

Debita milhões de decibéis.

(Ralos, não vos raleis.

Vosso ralar já não rala.

Que outra Natureza nos fala!)

 

Ainda ao longe, relinchas.

Estremecem os teus compinchas

Lembrando a tua chegada.

ppppiiiiiiiiiIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

E galopas sobre as travessas

Maradas das tuas pressas.

catrapum, catraPUM, CATRAPUM

CATRAPUM, CATRApum, catrapum…

 

Te perdes no horizonte

Mal ultrapassas a ponte.

Não sendo mais que um ponto

Não se ouve já teu grito.

Tendes para infinito.

                ----------» ∞

 

(Escrito em 05/12/1982.

Aldeia da Mata.

Publicado em:

Revista Família Cristã”, rubrica “Lugar aos Novos” – Ano XXXI - Nov. 1985, (Manuel Francisco).

III Antologia de Poesia Contemporânea, de Luís Filipe Soares – 1986.

Blogue: 15/03/15.)

 

*******

Alma de Poeta Foto original DAPL 2016.jpg

 

ALMA de POETA

 

Tenho a Alma repleta

Deste sentir de poeta

Nesta enorme imensidão.

 

De tamanho oceano

Que se alarga cada ano

E me avassala o coração.

 

Desta Terra – Universo

Crescendo em cada verso

De Mercúrio a Plutão.

 

Deste cometa que passa

De prazer a dor e trespassa

“Esta minha condição”.

 

Na minha tão grande Alma

Cabe a tormenta e a calma

Cabe o Mundo na palma da mão.

 

 

(Escrito: 07/07/1982

Publicado em:

Revista “Família Cristã”, Rubrica “Lugar aos novos”, Ano XXXIII, Junho 1987.- (Francisco Lopes)

Bogue: 4/12/2014)

  

*******      

 

DesENCONTROS

 

Um dia qualquer, nos encontraremos.

Amar-nos-emos na primeira

e derradeira cama,

em lençóis negros de mortalha.

E para sempre ficaremos juntos.

Inseparáveis até ao Fim.

 

Que faremos?

Quantas vezes me pergunto.

Que faremos?

Que será de nós no Depois, no Amanhã?

Como eu gostaria de crer no Amanhã.

Ter Fé no Futuro, no Além.

Como eu invejo os que crêem!

Têm um sentido, um rumo, um fim,

Para além do dia-a-dia.

 

Quem sou eu?

Desenraizado, apátrida, ateu.

Não acredito em nada, nem ninguém.

Nem no Homem, nem em Deus.

Nem em mim mesmo.

Digo.

Falo.

Amanhã desdigo e contradigo-me.

 

Como eu gosto de retornar às origens,

à minha Pátria,

à minha terra,

ao seio materno.

Ouvir os primeiros vagidos,

tentar os primeiros passos,

beber na Fonte da Vida,

buscar a Luz da Existência,

apertar-me nos teus braços…

Até cansar-me.

 

E fugir.

De ti, de mim, de todos.

E começar tudo de novo.

Recomeçando este ciclo infernal.

Este circuito em espiral

até ao cansaço, à exaustão.

Para voltar ao Princípio,

à pureza inicial dos Sentidos

e da Razão.

… De novo.

 

[Escrito: finais de anos 70?

Publicado: Revista “Família Cristã – Rubrica “Lugar aos novos” – Ano XXXI, Março 1985 – (Manuel Francisco)]

 

*******

Nascer do sol Todos os dias Original DAPL 2016.jpg

 

  

REALIZAÇÃO

 

Todos os dias procuro encontrar-te

a ti, minha sombra esquecida,

minha luz vagamente amortecida

 

Mal te toco, das mãos me abalas.

 

Todas as manhãs, a mim prometo:

- Hoje, será um dia diferente.

Mas todos os dias me sinto preso

às peias do meio em que vivo.

Sinto que se me aperta em meu redor

a prisão que eu mesmo inventei.

Já nem sei se quero libertar-me,

tal é o torpor que me ataca.

Como único meio que me resta

salto a barreira do espaço.

Fujo para um mundo sem tempo

e aí construo o meu mundo,

sem fogo, água, nem ar.

Feito só de ilusão e sonhar.

 

[Escrito: finais dos anos 70?

Publicado: Revista “Família Cristã”, Rubrica “Lugar aos novos”, Ano XXX – Fev. 1984, (Manuel Francisco).]

 

*******

Um quadro em pano de vela Foto original DAPL.jpg

  

Um Quadro

 

Comprei um quadro, um quadro, uma tela

Um quadro, uma tela.

Pintado em pano, em pano de vela

Em pano de vela

De barco ou de caravela.

Barco já morto.

Pescado no Tejo

No Tejo a morrer.

Comprei um quadro, um quadro qualquer

Comprado no Rossio, a uma mulher

A uma Mulher.

Mulher, meia-idade, idade vivida.

Que está vendendo, vivendo sofrida.

Já teve um emprego.

Já esteve empregada.

Agora… Está no prego.

Vende quadros.

Mais nada!

 

 

[Escrito em 1976/77.

Lisboa.

Publicado em:

III Antologia de Poesia Contemporânea, de Luís Filipe Soares – 1986.

Revista “Família Cristã”, Rubrica “Lugar aos novos” – Fev. 1988, (Manuel Francisco).

Blogue:15/03/15.]

 

 *******       *******       *******

Notas Finais:

As fotografias são originais de D.A.P.L., de 2016, obtidas em vários locais de Portugal: Algarve e na Grande Lisboa, em 2016.

Não foram tiradas com o objetivo de ilustrarem este ou aquele poema específico. Não houve na objetiva fotográfica qualquer objetivo preciso. Constituem um acervo de fotos global que possuo e, de entre as disponíveis, seleciono as que, na minha visão personalizada, se adequarão mais ou menos à documentação do texto poético. Por vezes, certamente, só eu visualizarei a relação. Talvez!

De qualquer modo, atrevo-me a opinar que valorizam e enriquecem o texto. De forma livre, é certo!

Mas que é a Poesia sem a Liberdade (Poética)?! 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50

“Momentos de Poesia - Historial”: Poesias e Prosa (?)

por Francisco Carita Mata, em 24.01.17

*******

“BEM HAJAM!”

“MEU ALTO ALENTEJO” - “EM BUSCA DE MIM” - “OUVE!!!”

  “MINHAS TRANÇAS MORENAS”

 

*******

Alentejo Entardecer Foto original DAPL 2016.jpg

 

 

Preâmbulo:

 

Volto à divulgação de textos de poesia e de prosa (?), a partir de publicações editadas no âmbito de “Momentos de Poesia”.

Selecionei textos de “Momentos de Poesia - Historial e Poesia e Prosa de 48 Autores”, 2016.

Sendo que, habitualmente, de outros autores tenho divulgado textos poéticos. Neste post, todavia, inicio com um texto em prosa. Mas será exclusivamente um texto prosaico? Lerá, caro/a leitor/a, com atenção, se faz favor, e nele encontrará muita poesia.

Por outro lado, este texto explica-nos, de forma muito poética, o contexto e o móbil de “Momentos de Poesia”. E um dos seus enquadramentos temáticos: “…o nosso amado Alentejo!

Deste modo, e muito merecidamente, é ele que tem honras de abertura deste post, em que retorno à divulgação de Poesia de “Outros Poetas e Poetisas”.

Não tendo o texto um título, resolvi atribuir-lhe um, que sintetiza também o meu desejo face a todos os Antologiados: Bem hajam!

 

 

*******

 

“BEM HAJAM!”

 

 

"Quando há uns anos, a professora Deolinda solicitou o meu contributo para musicar um poema de sua autoria, que viria a ser o hino dos “Momentos de Poesia”, estava longe de saber (… santa ignorância…) que um grupo de pessoas de caráter altruístico dedicava a sua poesia ao arrebatante Alentejo!

Desde então, sempre que possível, assisto às tertúlias mensais promovidas pelos “Momentos de Poesia” que se revelam um bálsamo para a alma, uma elevação para o espírito. É, também, um espaço onde se declama a poesia dos consagrados! Também se dá voz ao repentista, ao anónimo poeta, a todos aqueles que de alguma forma contribuem para o enriquecimento destes encontros, sem pretensão de qualquer espécie.

A entoação da estrofe embala o coração, o recitar do verso inebria os sentidos, cada poema aviva as lembranças de uma infância feliz, pautada por dias amenos e fervilhantes das coloridas primaveras.

Vem à memória o canto simples do “papafigo” e a soberba melodia do rouxinol que, debaixo da frondosa sombra dos castanheiros, eu tentava imitar quase sempre sem êxito! Trepar às árvores para espreitar os ninhos, ou para vigiar uma vintena de cabras sempre em movimento, tinha como consequência a reprimenda da mãe, olhando com desespero para as calças rotas no joelho, ou o rasgão na camisa provocado pelo inoportuno galho!

Já não temos o Alentejo de outrora, derruído pelo tempo, quase votado ao ostracismo. As suas casas rasteiras, brancas, de largas chaminés, dão agora lugar às modernas construções para incrementar um turismo forte e atrativo, dizem uns, à descaraterização da secular paisagem, dizem outros. Mas, tudo se vai transformando, já se vislumbra, ainda que de forma ténue, a recuperação de velhas casas respeitando a sua traça.

Cantemos pois os versos dos nossos poetas, dos “Momentos de Poesia” que com sensibilidade e abnegação elevam sempre o nosso amado Alentejo!

 

Bem hajam!”

 

João Banheiro

 

*******

 

“MEU ALTO ALENTEJO”

 

“Oh! Meu Alentejo – meu Alto Alentejo,

Minha terra querida que me viste nascer!

Revivo em ti, instantes que pude viver

Num tempo de ouro – tu meu melhor ensejo.

 

Meu Alto Alentejo – minha casa amada

Meu canto sagrado – meu amparo e vida!

És sempre p´ra mim, a terra mais querida:

- Cidade ou campo, como és sempre adorada.

 

Oh! Como me sinto bem, estando aqui!

E sinto-o cada vez mais, morando em ti

Minha amorosa mãe, e minha saudade.

 

Sei que vou voltar a teus braços – querida!

Esses que encantam todos os meus sentidos

Cada vez mais e mais, a minha verdade.”

 

José Branquinho

 

*******

 

                                                                                    

“EM BUSCA DE MIM”

 

“Quem me dera voltar atrás

Àquela terra longínqua

Que talvez não passe de imaginária…

Lá veria o tempo passado e futuro

Filme sem palavras… mudo…

Abraço-me e sinto-me palpitar

Mas o que quero, não é o que sinto

E o que sinto, não sei contar

Então meus olhos fecho

Não quero que os vejam chorar

Eu que nasci por vulgar acaso

Pertenço ao signo do ar

Onde os deuses me tocam ao esvoaçar

E buscam como eu lugares para recordar

Dias perenes de felicidade

Tempos passados, lembrados

É assim que sinto e sei

Ao sentir que aqui não pertenço

Então pergunto a mim mesma

Vou para onde?”

 

Maria Helena Freire

 

*******

 

“OUVE!!!”

 

“Ouve-me aí, no longe.

Deixa-me falar-te de mim,

das cores do Tempo,

dos cheiros da cozinha aquecida,

dos mistérios da minh’alma.

 

Ouve-me aí, no longe.

Sem respostas,

sem críticas,

sem reservas,

sem receios.

 

Ouve-me aí, no longe,

acolhendo as palavras que calei

tempo demais…

 

Ouve-me aí, no longe,

nas palavras doridas e possíveis

eternamente adiadas…

 

Ouve-me aí, no longe.

E guarda o segredo que te digo!”

 

Maria Luísa Moreira

 

*******

 

“MINHAS TRANÇAS MORENAS”

 

“Às minhas tranças morenas

Chamaste lindas, um dia;

A quantas loiras pequenas,

Brancas como açucenas

Chamas Sol do meio-dia?

 

Estas tranças que dizias

Serem a vida p’ra ti

Indomáveis e bravias,

Caem p´los ombros vadias

Desde o dia em que te vi.

 

Já as não sei pentear

Nem arranjar como dantes;

Não vale a pena tentar,

Está longe o teu olhar

Nessas paragens distantes.

 

Pobres tranças, coitadinhas…

Por certo foram s’quecidas;

Se assim não fosse… tu vinhas.

Tristes delas… pobrezinhas

Qu’as ondas têm perdidas.

 

Bem m’importo eu já com elas,

Sejam ásp’ras ou serenas…

Se tu já não podes vê-las,

Nem dizer-me: - “São tão belas

As tuas tranças morenas.”

 

Teresa Helena Pascoal

 

*******

 

In. “Momentos de Poesia Historial (e Poesia e Prosa de 48 Autores)”, 2016.

Autora: Deolinda Milhano, Portalegre.

 

 

 Foto original de D.A.P.L., 2016 - Alentejo (Alto), ao entardecer / pôr do sol. Aldeia da Mata ("Fonte das Pulhas").

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29

“Consulta Pública sobre a Reforma das Florestas”

por Francisco Carita Mata, em 16.01.17

“Alteração ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios”

 

Algumas ideias / Algumas Sugestões

 

Este texto, que elaborei fundamentalmente para colaborar na temática em epígrafe, dimanada do XXI Governo Constitucional, baseia-se em reflexões que já teci sobre o assunto, nomeadamente publicadas no blogue.

Alguns subtemas, quiçá sugestões, estarão já consignados no projeto de Lei, outros poderão trazer algum novo contributo. É isso que espero e que me impeliu a organizar as ideias, que, aliás, já tinha idealizado estruturar e enviar para quem de direito. O que surge, agora, com propriedade.

Tenho a plena noção que é limitado e parcelar.

 

  • Sobre este assunto, a estratégia fundamental deverá assentar na PREVENÇÃO.
  • A Prevenção sempre, e em várias frentes.

 

I - Dotar, de meios e condições, as Instituições envolvidas no combate aos incêndios. Sim! Mas só, não basta. Há que agir antes de haver as ocorrências trágicas.

 

II - Envolver todas as Entidades, os Poderes Públicos: Governo Central, Governos Civis, Governos Regionais, Autarquias (Câmaras Municipais, Juntas de Freguesias).

Aliás, estas duas Entidades são as que têm que ser mais envolvidas, empenhadas e responsabilizadas, pois são as que estão no terreno e mais diretamente conhecedoras das situações, sob todos os aspetos.

As Autoridades, no terreno: GNR - Guarda Nacional Republicana; ANPC - Autoridade Nacional de Proteção Civil.

 

III - Envolver os Cidadãos, sempre. Têm uma enorme responsabilidade e, em última e primeira instância, os que mais sofrem com o ocorrido. Os que mais têm a ganhar com a Prevenção. A perder com as ocorrências trágicas.

 

IV - A Limpeza dos Terrenos é imprescindível.

1. - Dos campos, prioritariamente.

Obrigatória e coerciva, numa faixa definida (100 a 150 metros) das casas e das povoações.

Junto às localidades, especialmente as montanhosas e de zonas florestais, definir um perímetro em que terá que haver total erradicação de matos e árvores facilmente combustíveis.

Desmatação, aceiros, desbastes, cortes de matos.

 

A intervenção e fiscalização dos Poderes Locais é essencial.

Foto original DAPL 2016.jpg

 

2 - Mas não só nos campos. Nas cidades, nomeadamente nos designados “parques urbanos” é imperiosa. (Bastava ter-se visto como esteve Monsanto todo o Verão!)

3 -Terrenos baldios dentro dos perímetros urbanos. Tantos por limpar e com montureiras de lixos.

4 - As bermas das estradas e autoestradas: devidamente limpas, de raiz, não o arremedo de desbaste das ervas que é feito, ficando todo o substrato à mercê de uma ponta de cigarro.

5 - Os caminhos vicinais, nomeadamente os mais próximos das localidades, outrora muito utilizados, atualmente pouco usados, mas onde é sempre imprescindível limpeza: de ervas, de matos e de lixos.

 

Limpezas efetuadas como deve ser, a começar nas estradas e caminhos. Não esse arremedo de limpeza que se faz, em que se corta a erva maior, mas fica todo o substrato vegetal no solo.

Aí residiria o papel fundamental dos “cantoneiros”.

 

 

V - E nestas considerações, de que se depreende a intervenção dos Poderes instituídos, também se depreende a Ação Cívica dos Cidadãos.

Os Cidadãos têm muita ação a desempenhar na prevenção.

 

VI - No envolvimento dos Cidadãos é fundamental o papel dos “Media”.

  • Promoção de campanhas de sensibilização para as limpezas efetuadas ou a efetuar.
  • Envolver as pessoas na recolha dos lixos. Para terem atitudes cívicas face ao lixo.
  • Promoção da reciclagem seletiva.
  • Deposição do lixo nos locais adequados.
  • (Quanto lixo não é atirado borda fora, na berma das estradas, na beira do caminhos, nas margens de rios e ribeiras(?!).

Foto original DAPL 2016.jpg

 

Nas ruas e passeios. No meio dos campos e florestas. Com tantos contentores para todos os lixos: indiferenciados, embalagens, vidros, papelão, remédios, roupas e calçados, industriais, obras...)

 

VII - Neste aspeto, o papel dos meios de comunicação pode ser fundamental e também cívico.

  • Já que gostam de tanto “espetáculo”, que promovem na altura dos incêndios, melhor seria que atuassem preventiva e civicamente. É também um dever de cidadania que lhes assiste.
  • Ganharíamos todos, muito mais!
  • Incentivar os cidadãos para terem práticas ativas de respeito pelo meio ambiente, o que de todo não se verifica.
  • Basta ver como muitas pessoas lidam com o lixo e com os cigarros, cujas beatas atiram janela fora, em pleno Verão!

 

VIII - Envolver também os cidadãos nas ações práticas de limpeza de campos, matas, terrenos baldios, parques, ruas, estradas, caminhos, ribeiras e rios, caminhos vicinais…

  • Tanta gente desempregada.
  • Tanta gente a receber subsídios, podendo trabalhar.
  • Envolver, civicamente, toda essa população, que podendo trabalhar, recebe sem o fazer, sem retribuir nenhuma contrapartida à sociedade.
  • Neste campo, os media também podem ter uma ação pedagógica.
  • Estruturar profissionalmente agentes no terreno: guardas-florestais com funções fiscalizadoras, mas também com ação nas limpezas. E porque não recriar a profissão de cantoneiro com ação concreta de limpeza e “folha de serviço”?

 

 

IX - Envolver as Escolas em campanhas teóricas e práticas, na limpeza e remoção de lixos, na prevenção de fogos. Com concursos, com prémios. Estruturar ações, projetos, nesse sentido.

 

X - Envolver os Serviços militares – Forças Armadas, tanto em ações de prevenção, como cívicas, como na preparação para atuarem nas ocorrências de facto, nos fogos. Também na vigilância. Mas, sempre, e preferencialmente, na prevenção.

 

XI - Os serviços prisionais, os que pudessem agir nesse sentido.

 

XII - Outro campo em que tem que se agir preventivamente, refere-se aos incendiários conhecidos, alguns criminosos compulsivos, ainda que “doentes”.

Mantê-los vigiados, melhor, privados de liberdade de movimentos, acompanhá-los, de algum modo integrá-los em atividades socialmente úteis.

Durante as estações do Outono, do Inverno e na Primavera mantê-los “presos”, mas ocupados em atividades precisamente de limpezas e manutenção de campos, ou outras adequadas ao seu perfil.

No Verão, igualmente privados de liberdade, mas retidos em locais onde não seja suscetível de atear fogos.

 

XIII - Prevenção. Sim, é o fundamental. E trabalho, muito trabalho de campo.

Muito falta fazer. E neste aspeto não há grupos no Poder que se possam limpar uns aos outros, nem alijar responsabilidades, atirando para cima dos antecessores. Todos são, todos somos, corresponsáveis. Ou não?

Este é um dos assuntos/problemas deste País em que tem que haver uma unidade de esforços.

 

XIV - E não adianta defender que os fogos ateados, por mão criminosa, existem, independentemente da prevenção, porque, sendo essa afirmação verdadeira, apesar de tudo, havendo medidas preventivas os seus efeitos serão menos nefastos.

Prevenção, sim! Prevenção, como prioridade.

E a atuação sobre estes indivíduos também pode ser preventiva.

 

XV - E uma ideia que não é totalmente original no seu conteúdo, ainda que julgo sê-lo na sua metodologia.

Promover a criação de rebanhos de ovelhas e/ou de cabras ou mistos, que, num modelo ancestral, idêntico ao dos “rebanhos comunitários”, percorreriam terrenos abandonados, matas e matagais, caminhos antigos e vicinais, ribeiros e ribeiras, pastando, comendo os matos e, assim, de uma forma ecológica e amiga do ambiente, limpariam os terrenos e funcionariam preventivamente contra eventuais incêndios.

Um modelo que poderia ser organizado e gerido pelas Autarquias, com o apoio das populações locais, que poderiam ser cofinanciadoras dos projetos e, dessa forma, participarem na cogestão das atividades em todas as suas implicações.

Uma ação preventiva e fiscalizadora, suscetível de criar riqueza e trabalho.

 

XVI - Incentivar os particulares com rebanhos, especialmente de ovelhas, a desenvolverem essas práticas, que aliás alguns donos de gado já as implementam nos terrenos abandonados, nos caminhos, nas ribeiras.

 

XVII - Implementar a utilização de toda a matéria vegetal, obtida nas limpezas pelo País, na produção energética, incentivando precisamente as limpezas como fontes de rendimento, ao promover-se a venda do material lenhoso e vegetal a centrais energéticas ou outras finalidades, fertilizantes, estrumes, biomassa, etc.

Unidades industriais estrategicamente implantadas em zonas do Interior, onde é mais necessário criar riqueza, trabalho e fixar as populações.

 

!!! - E atenção aos negócios, aos negócios, aos negócios associados a estas questões dos fogos!

 

 

Prevenção! Prevenção! Prevenção é sempre imprescindível.

Feita como deve ser. E envolvendo toda a gente, todos os anos!

 

E, não esquecer!

Por mais legislação que possa haver, necessária é certo, mas se não houver ação concreta e preventiva no terreno, nada se conseguirá!

Tem que ser uma verdadeira luta.

 Nota Final: 

Tomei a liberdade de enviar este texto para os Senhores MInistros de:

- Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural;

- Administração Interna;

- Ambiente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07

ANTOLOGIA de POESIA do CNAP (XIV)

por Francisco Carita Mata, em 15.01.17

CÍRCULO NACIONAL D´ARTE E POESIA

C.N.A.P.

 

ANTOLOGIA DE POESIA

 

Este Post é especialmente destinado às Pessoas que, escrevendo Poesia, gostam de a divulgar, enquadrando-a numa Antologia.

 

Artemísia Foto original DAPL 2016.jpg

 

Participar numa Antologia é uma forma diferente de divulgação do que se escreve. Há um sentir-se mais irmanado, mais acompanhado, com outros poetas ou poetisas, que connosco partilham esse meio de comunicarmos e darmos a conhecer o que escrevemos.

 

Malmequeres campestres Foto original DAPL 2016.jpg

 

Por mais humildes que nos sintamos, que ajuizemos os nossos versos como simples e singelos malmequeres, que num campo de flores dão colorido à Natureza, na Antologia, porque coletiva, sentimo-nos mais seguros nesse irmanar de propósitos e sentimentos.

 

Novo Amanhecer Foto original DAPL 2016.jpg

 

Há sempre um sentir esperançoso face ao Livro que nos aguarda e que nós expectamos como se um novo alvorecer se anunciasse. É sempre algo que nasce, que nos nasce, e ainda que nos ultrapasse nesse nascer, nós também nos sentimos fazendo parte, comungando, desse mesmo Nascimento. É sempre um sinal de Esperança, como o são os Livros.

Um sinal de Juventude e de Futuro!

 

Entardecer. Foto original DAPL 2016.jpg

 

Mesmo que nós estejamos mais num tempo de outro tempo, ou sejamos menos jovens, porque o Tempo não nos perdoa e não retorna, por mais que o cantemos, mesmo assim, e precisamente porque assim, ao poetarmos, nós nos transcendemos, no Tempo.

E, apesar do escurecer do findar dos dias, há sempre um vislumbre de Luz, que nos prenuncia outra Madrugada e novo Alvorecer.

E o nosso Poema, os nossos Poemas, são Árvores altaneiras que, guardando a noite e pressagiando a madrugada, prenunciam e aguardam um outro Amanhecer!

 

E, finalmente, o Livro!

Um remansoso e calmo marulhar das ondas do mar!

 

Mar Remansoso. Foto original DAPL 2016. jpg

 

Escreve Poesia?

 

Porque espera?!

Seja Jovem ou menos Jovem, mas tendo em si o condão de escrever e expressar os seus Sentires através da Poesia,

Se está interessado(a) em divulgar o que escreve, participando numa ANTOLOGIA,

 

Contacte: 

CÍRCULO NACIONAL D´ARTE E POESIA

RUA MAESTRO ANTÓNIO TABORDA, Nº 37-2º

1200-714 LISBOA

dinizsampaio@gmail.com

 

 

P.S.

Para melhor se informar sobre o C.N.A.P.,

Remeto-o/a para os seguintes links, em que escrevo sobre o Círculo, sobre a XIII Antologia, e apresento as Antologias em que já participei, entre as quais se encontram aos do C.N.A.P.

 

 http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/xiii-antologia-de-poesia-do-cnap-poema

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/xiii-antologia-do-c-n-a-p-poema

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/xiii-antologia-do-circulo-nacional

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/circulo-nacional-darte-e-poesia

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/antologias-de-poesia

 

 

 

 

Atreva-se / Ouse participar!

 

 

Nota Final: As Fotos são originais de D.A.P.L. (2016), e que também já tem participado em Antologias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43

NÃO à Central Nuclear de Almaraz!

por Francisco Carita Mata, em 14.01.17

NÃO à Energia Nuclear!

 

Almaraz central nuclear In. público pt.jpg

 

A preocupação com a continuidade na utilização das Centrais Nucleares, para mais obsoletas, como a de Almaraz, supostamente seria um tema que deveria “inundar” as redes sociais.

 

Mas não. Nem parece ser um tema preocupante.

Mas é.

 

Daqui, modestamente, se apela às Entidades Governativas em Espanha que providenciem no sentido da desativação, com os necessários requisitos de segurança, da referida Central Nuclear.

É imperioso e urgente que o façam!

 

Será que um País com tantas horas de Sol não deverá, cada vez mais, promover a utilização dessa fonte energética inesgotável que é o Sol?!

E muitas outras Energias Alternativas podem ser utilizadas.

 

Não é a primeira vez que aqui, no blogue, me debruço sobre esta questão da substituição das energias poluentes por fontes de energia mais limpas.

É uma questão política, essencialmente. Só que é determinada por questões económicas e financeiras que lhe estão subjacentes e que a condicionam.

Quisessem os vários poderes instituídos e seria possível substituir cada vez mais as fontes energéticas poluentes e/ou perigosas, carvão, petróleo, nuclear, por outras mais limpas.

 

O SOL nasce todos os dias e fornece energia inesgotável, que não é aproveitada e que sendo, poderia facilmente prescindir-se da maioria das fontes energéticas poluentes e perigosas.

Alterar-se-ia muito a geoestratégia política e económica.

Uma estratégia financeira menos assente na obtenção do lucro fácil!

 

São possíveis outras fontes de energia, alternativas às fósseis, nomeadamente a solar, a eólica, a hídrica, a da biomassa, …

Já abordei este tema, em Gás de Xisto”, a 08/05/15.

 

Também se apela ao Governo Português que não desista de pressionar os Governantes Espanhóis para que estes se comprometam na desativação da referida central.

É sua Obrigação Moral. Portugal não usa a energia nuclear. Uma razão acrescida para não estar sujeito às consequências nefastas das centrais nucleares espanholas.

 

Sabe onde fica Almaraz?

 

In. Observador captura-de-ecra-2017-01-12.jpg

 

Como vê, bem perto de Portugal e à beira do “nosso” Tejo. Qualquer contaminação, o Rio seria, desde logo, afetado. Que a poluição não conhece limites geográficos nem fronteiras.

Lembremos Chernobyl!

 

Em Aquém-Tejo, queremos o “nosso” RIO cada vez menos poluído! 

http://observador.pt/explicadores/almaraz

http://arronchesemnoticias.blogspot.pt

http://rr.sapo.pt/artigo/73313/depois_de_almaraz_os_rios

 

SIM às Energias Alternativas

SIM às Energias Não Poluentes

SIM à Energia Solar

SIM à Energia Eólica.

...   ...

 

 http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/locais-pitorescos-do-alentejo-II

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:59

A Morte e a Vida! Sombras e Luz!

por Francisco Carita Mata, em 10.01.17

mario soares.in. museu da presidência da república jpg

 

Uma Vida "Predestinada":

- Jogos de sombra e de luz!

 

A Morte é de todas as certezas, a mais certa da Vida. É a única certeza que temos ao nascer.

Todos os dias se nasce e se morre e cada dia se nasce e se morre um pouco.

 

Neste blogue já aqui falei, por várias vezes, sobre a Morte, nomeadamente a lembrar a Morte de Pessoas Amigas ou de Familiares. Também da aproximação da Morte! Nestes casos, através de Poesia.

 

No ano transato, 2016, aconteceram mortes de vários cidadãos, personagens, alguns, bem carismáticos, de diversos domínios sociais, fosse da política, da arte, da música, do cinema…

Também terão morrido milhões de anónimos, milhares em condições bem trágicas e cruéis, muitos e muitas em idades bem precoces, em que não seria suposto morrer-se, ainda…

Mas as mortes dos que conhecemos dizem-nos sempre mais. O que é natural. Não que as dos desconhecidos, sejam menos morte que morte.

 

Nesta segunda semana do ano de 2017, têm as redes sociais, os jornais, as tvs, as rádios, a net, a media em geral, noticiado a morte de Drº Mário Soares.

 

(Não gosto muito de perorar sobre o que toda a gente perora, opina e desopina, na forma tão peculiar como nas redes os temas explodem. Em casos assim, até à exaustão. Mas, neste, não posso deixar de dizer algumas palavras, até porque, de uma forma muito indireta, dele, implicitamente se falou, quando abordei “políticas e politiquices…”.)

 

Personagem marcante da vida política portuguesa nestes últimos mais de quarenta anos, não posso deixar de assinalar esse facto. Goste-se ou não, tenha-se por ele admiração ou respeito, ou outros sentimentos, ou algum ódio de estimação, que ele também cultivava, dificilmente nos será indiferente.

Tal como todos nós, um ser humano de sombras e também de luz.

Mas é inegável reconhecer-se que foi uma figura incontornável na Democracia Portuguesa. Nesta “nossa Democracia” desempenhou um papel fulcral nestas mais de quatro décadas.

 

Era considerado como “animal político por excelência”.

Sem dúvida!

 

Diria que era um predestinado para a Política!

Atente-se na forma como ascendeu a Presidente da República, em 1986, precisamente graças aos seus adversários.

À partida, pareceria com poucas hipóteses de ir à 2ª volta, mas graças a um "erro" tático-estratégico dos seus mais “acirrados oponentes”, foi à segunda volta e, nela, esses mesmos “acirrados oponentes” viram-se na contingência de votarem nele, para que não ganhasse o candidato da Direita.

 

Ironias do Destino!

 

Mas isso, agora, pouco ou nada importa.

 

A Morte bate-nos à porta, a todos, mesmo aos mais predestinados para grandes voos. Só que estes ficam na História.

E, indubitavelmente, o Drº Mário Soares marcou a História de Portugal.

Goste-se ou não!

 

Se ele fosse crente, diria: “Paz à sua Alma”!

 

Não sendo…

Digo na mesma. Porque, após a Morte, cada Alma precisa de Descanso. Eterno!

 

Notas Finais:

Escolhi, para acompanhar o post, uma reprodução do quadro que figura na Galeria do Museu da Presidência da República, no Palácio de Belém, ilustrativo do Presidente da República, Drº Mário Soares, de Autoria do Pintor Júlio Pomar.

Não que eu goste especialmente do quadro, que não gosto, embora o ache cabalmente representativo do Personagem. Por isso escolhi esta imagem para compor o post.

 

(Já agora aproveito para referir que, na referida Galeria, a pintura que ilustra o Presidente da República, Drº Jorge Sampaio, ainda consegue ultrapassar a anterior pelo lado “esquerdo” da Estética. Desfavorece completamente o retratado. Não haveria outro pintor ou pintora a escolher que não a escolhida para pintar esse quadro?!

Esperemos que o atual Presidente saiba escolher o seu/a sua “retratista”.)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00


Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog