Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


“Consulta Pública sobre a Reforma das Florestas”

por Francisco Carita Mata, em 16.01.17

“Alteração ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios”

 

Algumas ideias / Algumas Sugestões

 

Este texto, que elaborei fundamentalmente para colaborar na temática em epígrafe, dimanada do XXI Governo Constitucional, baseia-se em reflexões que já teci sobre o assunto, nomeadamente publicadas no blogue.

Alguns subtemas, quiçá sugestões, estarão já consignados no projeto de Lei, outros poderão trazer algum novo contributo. É isso que espero e que me impeliu a organizar as ideias, que, aliás, já tinha idealizado estruturar e enviar para quem de direito. O que surge, agora, com propriedade.

Tenho a plena noção que é limitado e parcelar.

 

  • Sobre este assunto, a estratégia fundamental deverá assentar na PREVENÇÃO.
  • A Prevenção sempre, e em várias frentes.

 

I - Dotar, de meios e condições, as Instituições envolvidas no combate aos incêndios. Sim! Mas só, não basta. Há que agir antes de haver as ocorrências trágicas.

 

II - Envolver todas as Entidades, os Poderes Públicos: Governo Central, Governos Civis, Governos Regionais, Autarquias (Câmaras Municipais, Juntas de Freguesias).

Aliás, estas duas Entidades são as que têm que ser mais envolvidas, empenhadas e responsabilizadas, pois são as que estão no terreno e mais diretamente conhecedoras das situações, sob todos os aspetos.

As Autoridades, no terreno: GNR - Guarda Nacional Republicana; ANPC - Autoridade Nacional de Proteção Civil.

 

III - Envolver os Cidadãos, sempre. Têm uma enorme responsabilidade e, em última e primeira instância, os que mais sofrem com o ocorrido. Os que mais têm a ganhar com a Prevenção. A perder com as ocorrências trágicas.

 

IV - A Limpeza dos Terrenos é imprescindível.

1. - Dos campos, prioritariamente.

Obrigatória e coerciva, numa faixa definida (100 a 150 metros) das casas e das povoações.

Junto às localidades, especialmente as montanhosas e de zonas florestais, definir um perímetro em que terá que haver total erradicação de matos e árvores facilmente combustíveis.

Desmatação, aceiros, desbastes, cortes de matos.

 

A intervenção e fiscalização dos Poderes Locais é essencial.

Foto original DAPL 2016.jpg

 

2 - Mas não só nos campos. Nas cidades, nomeadamente nos designados “parques urbanos” é imperiosa. (Bastava ter-se visto como esteve Monsanto todo o Verão!)

3 -Terrenos baldios dentro dos perímetros urbanos. Tantos por limpar e com montureiras de lixos.

4 - As bermas das estradas e autoestradas: devidamente limpas, de raiz, não o arremedo de desbaste das ervas que é feito, ficando todo o substrato à mercê de uma ponta de cigarro.

5 - Os caminhos vicinais, nomeadamente os mais próximos das localidades, outrora muito utilizados, atualmente pouco usados, mas onde é sempre imprescindível limpeza: de ervas, de matos e de lixos.

 

Limpezas efetuadas como deve ser, a começar nas estradas e caminhos. Não esse arremedo de limpeza que se faz, em que se corta a erva maior, mas fica todo o substrato vegetal no solo.

Aí residiria o papel fundamental dos “cantoneiros”.

 

 

V - E nestas considerações, de que se depreende a intervenção dos Poderes instituídos, também se depreende a Ação Cívica dos Cidadãos.

Os Cidadãos têm muita ação a desempenhar na prevenção.

 

VI - No envolvimento dos Cidadãos é fundamental o papel dos “Media”.

  • Promoção de campanhas de sensibilização para as limpezas efetuadas ou a efetuar.
  • Envolver as pessoas na recolha dos lixos. Para terem atitudes cívicas face ao lixo.
  • Promoção da reciclagem seletiva.
  • Deposição do lixo nos locais adequados.
  • (Quanto lixo não é atirado borda fora, na berma das estradas, na beira do caminhos, nas margens de rios e ribeiras(?!).

Foto original DAPL 2016.jpg

 

Nas ruas e passeios. No meio dos campos e florestas. Com tantos contentores para todos os lixos: indiferenciados, embalagens, vidros, papelão, remédios, roupas e calçados, industriais, obras...)

 

VII - Neste aspeto, o papel dos meios de comunicação pode ser fundamental e também cívico.

  • Já que gostam de tanto “espetáculo”, que promovem na altura dos incêndios, melhor seria que atuassem preventiva e civicamente. É também um dever de cidadania que lhes assiste.
  • Ganharíamos todos, muito mais!
  • Incentivar os cidadãos para terem práticas ativas de respeito pelo meio ambiente, o que de todo não se verifica.
  • Basta ver como muitas pessoas lidam com o lixo e com os cigarros, cujas beatas atiram janela fora, em pleno Verão!

 

VIII - Envolver também os cidadãos nas ações práticas de limpeza de campos, matas, terrenos baldios, parques, ruas, estradas, caminhos, ribeiras e rios, caminhos vicinais…

  • Tanta gente desempregada.
  • Tanta gente a receber subsídios, podendo trabalhar.
  • Envolver, civicamente, toda essa população, que podendo trabalhar, recebe sem o fazer, sem retribuir nenhuma contrapartida à sociedade.
  • Neste campo, os media também podem ter uma ação pedagógica.
  • Estruturar profissionalmente agentes no terreno: guardas-florestais com funções fiscalizadoras, mas também com ação nas limpezas. E porque não recriar a profissão de cantoneiro com ação concreta de limpeza e “folha de serviço”?

 

 

IX - Envolver as Escolas em campanhas teóricas e práticas, na limpeza e remoção de lixos, na prevenção de fogos. Com concursos, com prémios. Estruturar ações, projetos, nesse sentido.

 

X - Envolver os Serviços militares – Forças Armadas, tanto em ações de prevenção, como cívicas, como na preparação para atuarem nas ocorrências de facto, nos fogos. Também na vigilância. Mas, sempre, e preferencialmente, na prevenção.

 

XI - Os serviços prisionais, os que pudessem agir nesse sentido.

 

XII - Outro campo em que tem que se agir preventivamente, refere-se aos incendiários conhecidos, alguns criminosos compulsivos, ainda que “doentes”.

Mantê-los vigiados, melhor, privados de liberdade de movimentos, acompanhá-los, de algum modo integrá-los em atividades socialmente úteis.

Durante as estações do Outono, do Inverno e na Primavera mantê-los “presos”, mas ocupados em atividades precisamente de limpezas e manutenção de campos, ou outras adequadas ao seu perfil.

No Verão, igualmente privados de liberdade, mas retidos em locais onde não seja suscetível de atear fogos.

 

XIII - Prevenção. Sim, é o fundamental. E trabalho, muito trabalho de campo.

Muito falta fazer. E neste aspeto não há grupos no Poder que se possam limpar uns aos outros, nem alijar responsabilidades, atirando para cima dos antecessores. Todos são, todos somos, corresponsáveis. Ou não?

Este é um dos assuntos/problemas deste País em que tem que haver uma unidade de esforços.

 

XIV - E não adianta defender que os fogos ateados, por mão criminosa, existem, independentemente da prevenção, porque, sendo essa afirmação verdadeira, apesar de tudo, havendo medidas preventivas os seus efeitos serão menos nefastos.

Prevenção, sim! Prevenção, como prioridade.

E a atuação sobre estes indivíduos também pode ser preventiva.

 

XV - E uma ideia que não é totalmente original no seu conteúdo, ainda que julgo sê-lo na sua metodologia.

Promover a criação de rebanhos de ovelhas e/ou de cabras ou mistos, que, num modelo ancestral, idêntico ao dos “rebanhos comunitários”, percorreriam terrenos abandonados, matas e matagais, caminhos antigos e vicinais, ribeiros e ribeiras, pastando, comendo os matos e, assim, de uma forma ecológica e amiga do ambiente, limpariam os terrenos e funcionariam preventivamente contra eventuais incêndios.

Um modelo que poderia ser organizado e gerido pelas Autarquias, com o apoio das populações locais, que poderiam ser cofinanciadoras dos projetos e, dessa forma, participarem na cogestão das atividades em todas as suas implicações.

Uma ação preventiva e fiscalizadora, suscetível de criar riqueza e trabalho.

 

XVI - Incentivar os particulares com rebanhos, especialmente de ovelhas, a desenvolverem essas práticas, que aliás alguns donos de gado já as implementam nos terrenos abandonados, nos caminhos, nas ribeiras.

 

XVII - Implementar a utilização de toda a matéria vegetal, obtida nas limpezas pelo País, na produção energética, incentivando precisamente as limpezas como fontes de rendimento, ao promover-se a venda do material lenhoso e vegetal a centrais energéticas ou outras finalidades, fertilizantes, estrumes, biomassa, etc.

Unidades industriais estrategicamente implantadas em zonas do Interior, onde é mais necessário criar riqueza, trabalho e fixar as populações.

 

!!! - E atenção aos negócios, aos negócios, aos negócios associados a estas questões dos fogos!

 

 

Prevenção! Prevenção! Prevenção é sempre imprescindível.

Feita como deve ser. E envolvendo toda a gente, todos os anos!

 

E, não esquecer!

Por mais legislação que possa haver, necessária é certo, mas se não houver ação concreta e preventiva no terreno, nada se conseguirá!

Tem que ser uma verdadeira luta.

 Nota Final: 

Tomei a liberdade de enviar este texto para os Senhores MInistros de:

- Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural;

- Administração Interna;

- Ambiente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07

ANTOLOGIA de POESIA do CNAP (XIV)

por Francisco Carita Mata, em 15.01.17

CÍRCULO NACIONAL D´ARTE E POESIA

C.N.A.P.

 

ANTOLOGIA DE POESIA

 

Este Post é especialmente destinado às Pessoas que, escrevendo Poesia, gostam de a divulgar, enquadrando-a numa Antologia.

 

Artemísia Foto original DAPL 2016.jpg

 

Participar numa Antologia é uma forma diferente de divulgação do que se escreve. Há um sentir-se mais irmanado, mais acompanhado, com outros poetas ou poetisas, que connosco partilham esse meio de comunicarmos e darmos a conhecer o que escrevemos.

 

Malmequeres campestres Foto original DAPL 2016.jpg

 

Por mais humildes que nos sintamos, que ajuizemos os nossos versos como simples e singelos malmequeres, que num campo de flores dão colorido à Natureza, na Antologia, porque coletiva, sentimo-nos mais seguros nesse irmanar de propósitos e sentimentos.

 

Novo Amanhecer Foto original DAPL 2016.jpg

 

Há sempre um sentir esperançoso face ao Livro que nos aguarda e que nós expectamos como se um novo alvorecer se anunciasse. É sempre algo que nasce, que nos nasce, e ainda que nos ultrapasse nesse nascer, nós também nos sentimos fazendo parte, comungando, desse mesmo Nascimento. É sempre um sinal de Esperança, como o são os Livros.

Um sinal de Juventude e de Futuro!

 

Entardecer. Foto original DAPL 2016.jpg

 

Mesmo que nós estejamos mais num tempo de outro tempo, ou sejamos menos jovens, porque o Tempo não nos perdoa e não retorna, por mais que o cantemos, mesmo assim, e precisamente porque assim, ao poetarmos, nós nos transcendemos, no Tempo.

E, apesar do escurecer do findar dos dias, há sempre um vislumbre de Luz, que nos prenuncia outra Madrugada e novo Alvorecer.

E o nosso Poema, os nossos Poemas, são Árvores altaneiras que, guardando a noite e pressagiando a madrugada, prenunciam e aguardam um outro Amanhecer!

 

E, finalmente, o Livro!

Um remansoso e calmo marulhar das ondas do mar!

 

Mar Remansoso. Foto original DAPL 2016. jpg

 

Escreve Poesia?

 

Porque espera?!

Seja Jovem ou menos Jovem, mas tendo em si o condão de escrever e expressar os seus Sentires através da Poesia,

Se está interessado(a) em divulgar o que escreve, participando numa ANTOLOGIA,

 

Contacte: 

CÍRCULO NACIONAL D´ARTE E POESIA

RUA MAESTRO ANTÓNIO TABORDA, Nº 37-2º

1200-714 LISBOA

dinizsampaio@gmail.com

 

 

P.S.

Para melhor se informar sobre o C.N.A.P.,

Remeto-o/a para os seguintes links, em que escrevo sobre o Círculo, sobre a XIII Antologia, e apresento as Antologias em que já participei, entre as quais se encontram aos do C.N.A.P.

 

 http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/xiii-antologia-de-poesia-do-cnap-poema

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/xiii-antologia-do-c-n-a-p-poema

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/xiii-antologia-do-circulo-nacional

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/circulo-nacional-darte-e-poesia

http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/antologias-de-poesia

 

 

 

 

Atreva-se / Ouse participar!

 

 

Nota Final: As Fotos são originais de D.A.P.L. (2016), e que também já tem participado em Antologias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43

NÃO à Central Nuclear de Almaraz!

por Francisco Carita Mata, em 14.01.17

NÃO à Energia Nuclear!

 

Almaraz central nuclear In. público pt.jpg

 

A preocupação com a continuidade na utilização das Centrais Nucleares, para mais obsoletas, como a de Almaraz, supostamente seria um tema que deveria “inundar” as redes sociais.

 

Mas não. Nem parece ser um tema preocupante.

Mas é.

 

Daqui, modestamente, se apela às Entidades Governativas em Espanha que providenciem no sentido da desativação, com os necessários requisitos de segurança, da referida Central Nuclear.

É imperioso e urgente que o façam!

 

Será que um País com tantas horas de Sol não deverá, cada vez mais, promover a utilização dessa fonte energética inesgotável que é o Sol?!

E muitas outras Energias Alternativas podem ser utilizadas.

 

Não é a primeira vez que aqui, no blogue, me debruço sobre esta questão da substituição das energias poluentes por fontes de energia mais limpas.

É uma questão política, essencialmente. Só que é determinada por questões económicas e financeiras que lhe estão subjacentes e que a condicionam.

Quisessem os vários poderes instituídos e seria possível substituir cada vez mais as fontes energéticas poluentes e/ou perigosas, carvão, petróleo, nuclear, por outras mais limpas.

 

O SOL nasce todos os dias e fornece energia inesgotável, que não é aproveitada e que sendo, poderia facilmente prescindir-se da maioria das fontes energéticas poluentes e perigosas.

Alterar-se-ia muito a geoestratégia política e económica.

Uma estratégia financeira menos assente na obtenção do lucro fácil!

 

São possíveis outras fontes de energia, alternativas às fósseis, nomeadamente a solar, a eólica, a hídrica, a da biomassa, …

Já abordei este tema, em Gás de Xisto”, a 08/05/15.

 

Também se apela ao Governo Português que não desista de pressionar os Governantes Espanhóis para que estes se comprometam na desativação da referida central.

É sua Obrigação Moral. Portugal não usa a energia nuclear. Uma razão acrescida para não estar sujeito às consequências nefastas das centrais nucleares espanholas.

 

Sabe onde fica Almaraz?

 

In. Observador captura-de-ecra-2017-01-12.jpg

 

Como vê, bem perto de Portugal e à beira do “nosso” Tejo. Qualquer contaminação, o Rio seria, desde logo, afetado. Que a poluição não conhece limites geográficos nem fronteiras.

Lembremos Chernobyl!

 

Em Aquém-Tejo, queremos o “nosso” RIO cada vez menos poluído! 

http://observador.pt/explicadores/almaraz

http://arronchesemnoticias.blogspot.pt

http://rr.sapo.pt/artigo/73313/depois_de_almaraz_os_rios

 

SIM às Energias Alternativas

SIM às Energias Não Poluentes

SIM à Energia Solar

SIM à Energia Eólica.

...   ...

 

 http://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/locais-pitorescos-do-alentejo-II

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:59

A Morte e a Vida! Sombras e Luz!

por Francisco Carita Mata, em 10.01.17

mario soares.in. museu da presidência da república jpg

 

Uma Vida "Predestinada":

- Jogos de sombra e de luz!

 

A Morte é de todas as certezas, a mais certa da Vida. É a única certeza que temos ao nascer.

Todos os dias se nasce e se morre e cada dia se nasce e se morre um pouco.

 

Neste blogue já aqui falei, por várias vezes, sobre a Morte, nomeadamente a lembrar a Morte de Pessoas Amigas ou de Familiares. Também da aproximação da Morte! Nestes casos, através de Poesia.

 

No ano transato, 2016, aconteceram mortes de vários cidadãos, personagens, alguns, bem carismáticos, de diversos domínios sociais, fosse da política, da arte, da música, do cinema…

Também terão morrido milhões de anónimos, milhares em condições bem trágicas e cruéis, muitos e muitas em idades bem precoces, em que não seria suposto morrer-se, ainda…

Mas as mortes dos que conhecemos dizem-nos sempre mais. O que é natural. Não que as dos desconhecidos, sejam menos morte que morte.

 

Nesta segunda semana do ano de 2017, têm as redes sociais, os jornais, as tvs, as rádios, a net, a media em geral, noticiado a morte de Drº Mário Soares.

 

(Não gosto muito de perorar sobre o que toda a gente perora, opina e desopina, na forma tão peculiar como nas redes os temas explodem. Em casos assim, até à exaustão. Mas, neste, não posso deixar de dizer algumas palavras, até porque, de uma forma muito indireta, dele, implicitamente se falou, quando abordei “políticas e politiquices…”.)

 

Personagem marcante da vida política portuguesa nestes últimos mais de quarenta anos, não posso deixar de assinalar esse facto. Goste-se ou não, tenha-se por ele admiração ou respeito, ou outros sentimentos, ou algum ódio de estimação, que ele também cultivava, dificilmente nos será indiferente.

Tal como todos nós, um ser humano de sombras e também de luz.

Mas é inegável reconhecer-se que foi uma figura incontornável na Democracia Portuguesa. Nesta “nossa Democracia” desempenhou um papel fulcral nestas mais de quatro décadas.

 

Era considerado como “animal político por excelência”.

Sem dúvida!

 

Diria que era um predestinado para a Política!

Atente-se na forma como ascendeu a Presidente da República, em 1986, precisamente graças aos seus adversários.

À partida, pareceria com poucas hipóteses de ir à 2ª volta, mas graças a um "erro" tático-estratégico dos seus mais “acirrados oponentes”, foi à segunda volta e, nela, esses mesmos “acirrados oponentes” viram-se na contingência de votarem nele, para que não ganhasse o candidato da Direita.

 

Ironias do Destino!

 

Mas isso, agora, pouco ou nada importa.

 

A Morte bate-nos à porta, a todos, mesmo aos mais predestinados para grandes voos. Só que estes ficam na História.

E, indubitavelmente, o Drº Mário Soares marcou a História de Portugal.

Goste-se ou não!

 

Se ele fosse crente, diria: “Paz à sua Alma”!

 

Não sendo…

Digo na mesma. Porque, após a Morte, cada Alma precisa de Descanso. Eterno!

 

Notas Finais:

Escolhi, para acompanhar o post, uma reprodução do quadro que figura na Galeria do Museu da Presidência da República, no Palácio de Belém, ilustrativo do Presidente da República, Drº Mário Soares, de Autoria do Pintor Júlio Pomar.

Não que eu goste especialmente do quadro, que não gosto, embora o ache cabalmente representativo do Personagem. Por isso escolhi esta imagem para compor o post.

 

(Já agora aproveito para referir que, na referida Galeria, a pintura que ilustra o Presidente da República, Drº Jorge Sampaio, ainda consegue ultrapassar a anterior pelo lado “esquerdo” da Estética. Desfavorece completamente o retratado. Não haveria outro pintor ou pintora a escolher que não a escolhida para pintar esse quadro?!

Esperemos que o atual Presidente saiba escolher o seu/a sua “retratista”.)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

APP - Associação Portuguesa de Poetas: Eventos de Janeiro - 2017

por Francisco Carita Mata, em 04.01.17

APP - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

EVENTOS DE JANEIRO

2017

AGENDA EVENTOS APP Janeiro 2017.jpg

 

 

Conversas de Café.png

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05

Antologia da APP – Associação Portuguesa de Poetas (V)

por Francisco Carita Mata, em 03.01.17

“A Nossa Antologia”

XX Volume - 2016

(57 Autores)

Editor: Euedito

Nascer Sol Tejo Foto original DAPL 2016.jpg

 

 

*******

 

Pontos Prévios:

Tinha-me proposto iniciar o Ano de 2017, com um post sobre Poesia.

Mas, afinal, comecei com um post, o nº 481, sobre uma série. Por acaso, ou não(?), sobre uma marcante: Hospital Real.

Terminei o ano de 2016, post nº 480, escrevendo também sobre a série em curso na RTP2, A Fraude / Bedrag, que julgo irá terminar hoje a 2ª temporada. Desconheço se haverá continuidade, o final nos dirá qualquer coisa…  

Agora, finalmente, posso voltar às publicações sobre Poesia, que é um dos meus propósitos para o blogue, neste Novo Ano.

Continuando, neste post nº 482, na divulgação de Poesias da XX Antologia da APP.

Agora, o 5º grupo de Antologiados que divulgo no blogue. A Poesia merece!

Seguem-se Poemas de: Damásia Pestana, Daniel Costa, Dilma França e Euclides Cavaco.

 

*******

 

DAMÁSIA PESTANA

 

“CLAMOR”

 

“Quando me for embora não chores

Peço-te em nome do nosso amor

Arranja outra não demores

Não é um pedido é um clamor

 

A felicidade que me deste outrora

É hoje um outono bem frio

Onde a criatividade já não mora

Como o mendigo junto do rio

 

Não existe o brilho dum sorriso

Terminou a nossa primavera

Em nós já nada faz sentido

Ficando apenas uma quimera”

 

*******

 

DANIEL COSTA

 

“MONTEMOR -o-VELHO”

 

“Da cultura é espelho,

Que se reflectiu no Munda,

Montemor-o-Velho

Rio Mondego de corrente fecunda,

Oh!... Munda de outrora, banhas o concelho,

Espraiando cultura profunda

Sentida, até nos arrozais com brilho

Que nos teus poetas é explicanda,

Afonso Duarte, poeta de moldura e caixilho,

Na casa que o seu espírito comanda,

Ereira que dos arrozais é, toalha

Biblioteca, veneranda

Tendo o poeta como evangelho

Poderá dizer-se, alma profunda!

O velho castelo, relíquia, estribilho

Cultura museológica é de leccionanda

A recordar árabes e moçárabes, trilho!

Abade João, voz ecoando, intervinda

Montemor-o-Velho,

Vila linda!”

 

*******

 

DILMA FRANÇA

 

“SONHOS DE NATAL”

 

“Eu gostaria de ver

Nem que fosse um minuto

Uma luz brilhar no céu

Anunciando a vinda

De Jesus, o Salvador!

Eu gostaria de ouvir

Nem que fosse um segundo

A voz do meu Redentor

Chamando os filhos seus

Para uma vida de amor!

Eu gostaria, não minto

De um mundo sem maldade

Sem ódio sem desigualdade

Onde a gente pudesse

Viver com serenidade!

Vendo os pássaros em revoada

Entoando cantos de amor!

Eu gostaria, é verdade

De uma vida promissora

De união entre irmãos

De paz para a humanidade

De respeito aos cidadãos!

E assim, quem sabe, um dia

Seríamos uma só família

Muito grande por sinal.

Seríamos um só rebanho

Teríamos um só pastor

E viveríamos, aqui mesmo

Glorificando o Senhor!”

 

 

*******

 

EUCLIDES CAVACO

 

“CANTO A PORTUGAL”

“PÁTRIA MÃE”

 

“Eu sou de Portugal onde a alvorada

Rompe primeiro os céus no Oriente

Onde chega mais cedo a madrugada

E ilumina as manhãs da minha Gente.

 

Eu sou de Portugal aonde as flores

Exalam mais perfume e são mais belas

Pátria de mil heróis descobridores

Que cruzaram os mares nas caravelas.

 

Eu sou de Portugal que ao mundo deu

Novos mundos com a sua majestade

Eu sou de Portugal onde nasceu

O fado e essa palavra saudade.

 

Eu sou de Portugal cheio de história

De gentes destemidas sem igual

Eu sinto no meu peito nobre glória

E brio de ter nascido em Portugal!...”

 

*******

 

Nota Final: Ilustra-se o post com uma Foto original de DAPL: o Sol a nascer no Tejo, "...onde a alvorada / rompe primeiro..."

num dia de Agosto de 2016.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:29

“HOSPITAL REAL” -Televisíon de Galicia - TVG - RTP2

por Francisco Carita Mata, em 02.01.17

 ELENCO

Atores/Atrizes - Personagens

 

Elenco Hospital Real. In. El Progreso. De Xoán Rey - EFE

 

A RTP2 continua a retransmitir esta Série Galega, da TVG, Televisíon de Galicia.

Dia 1 de Janeiro, domingo, deste novo ano de 2017, apresentaram o 12º episódio.

"Hospital Real" conta com um vasto elenco com atores e atrizes de grande qualidade.

Tenho-me debruçado sobre este seriado, desde que ele foi apresentado pela primeira vez em Portugal, em Setembro de 2015 .

Atualmente já vai na terceira transmissão.

 

Os Atores e Atrizes, dados os condicionalismos, constrangimentos e contingências inerentes ao facto de desempenharem papéis, ainda que excelentes, mas num contexto periférico em termos globais - uma televisão de uma Região Autónoma de Espanha -, acabam por ser pouco conhecidos.

 

Neste post, pretendo colmatar uma lacuna que sentira na primeira visualização: Identificar Atores/Atrizes e respetivos/as Personagens.

Efetuei alguma pesquisa, consultei sites de Galicia e consegui identificar a quase totalidade do que pretendia.

Apenas um ator, Federico Pérez, não consegui relacionar com o respetivo papel, não sei se é um dos padres, se o marido de Rebeca.

Seguem-se então as respetivas identificações.

Para saber mais sobre o conteúdo do seriado, segundo o desenvolvido em cada um dos capítulos e até um extra, de acordo com a minha visão e descrição pessoal, pode consultar o seguinte link.

 

No final, anexo igualmente links originais onde poderá aprofundar mais o conhecimento pretendido, visualizando imagens de cada ator e atriz.

 

preestrea de hospital real in. www.mariaroja.com

 

ATOR / ATRIZ – PERSONAGEM

 

Pedro FreijeiroDoutor Daniel Álvarez de Castro, médico no Hospital, em início de carreira; filho de Dom Leopoldo e Dona Elvira.

Mariña Sampedro – Aspirante de Enfermeira, Olalla  Taboada.

(Estes dois artistas são os protagonistas, formando o par amoroso da série.)

Francis LorenzoDom Leopoldo Álvarez de Castro, nobre, marido de Dona Elvira. Fez parte do conselho de administração do Hospital, até ser assassinado.

Sonia CasteloDona Elvira Santamaria, nobre, esposa de Dom Leopoldo, mãe de Dom Daniel e de Rebeca.

Este casal são os Duques de Bastavales.

Nerea BarrosRebeca, filha de Dom Leopoldo e Dona Elvira. Amante do capitão Ulloa.

Antonio Durán ´Morris´ - Doutor Sebastián Devesa, médico-chefe no Hospital.

Miguel de Lira – Alcaide Mendonza, aliás, 2º alcaide na cidade.

Camila BossaSor Alicia, noviça no Hospital.

Susana Dans – Dona Úrsula, freira e enfermeira mor do Hospital.

Javier Gutiérrez - Arcebispo Malvar.

Xosé BaratoDom Cristobal, boticário do Hospital.

Xúlio AbonjoDuarte, moço de recados do Hospital e assassino, a mando do alcaide.

Pedro AlonsoDom Andrés Osorio, administrador do Hospital. Pai de Clara Osorio.

Maria VázquezDona Irene Former de Cienfuegos, fornecedora de víveres ao Hospital.

Tamara CanosaEnfermeira Rosalia Castelo e namorada de Dom Cristobal.

Luis ZaheraGáspar Somoza, inquisidor mor do Santo Ofício, em Santiago de Compostela.

Carlos BlancoPadre Bernardo, capelão do Hospital, após o assassinato do Padre Damião (?).

Maria RojaClara Osorio, filha de Dom Andrés e esposa de Dom Daniel.

Victor DupláCapitán Rodrigo Ulloa, do exército de Sua Majestade e amante de Rebeca.

Federico Pérez -

*******

Sobre o enredo fui escrevendo ao longo da primeira apresentação, conforme já referi.

SE voltasse a escrever especificamente sobre cada episódio, talvez mudasse conteúdos. Mas na altura era o que me ocorria, desconhecendo o que viria a seguir. O que não sucederia agora. Mas ignorando os conteúdos seguintes tem muito mais interesse e dá muito mais pica. Pelo que pode ler ou reler nessa perspetiva, supondo-se no desconhecimento ou benéfica ignorância dos temas seguintes.

 

Continue a ver os restantes Episódios.

Não esqueça o 16º, que é um bónus, que eu ofereço!

 

Obrigado pelas sua leituras.

https://www.youtube.com/watch?v=sQc2zSMfAb4

http://www.crtvg.es:8011/tvg/programas/hospital-real

http://www.lavozdegalicia.es/noticia/television/2015/04/28/

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:33

“A Fraude” - “BEDRAG” - Episódios 17 e 18

por Francisco Carita Mata, em 31.12.16

Série Dinamarquesa

RTP2

Dez. 2016

 

Temporada 2 – Episódios 7 e 8

(5ª e 6ª Feira – 29 e 30/12/2016)

 

Absalon Bank in.bennybox.dk.jpg

 

Adquirido ou “integrado” (?), o Absalon Bank, no Nova Bank, revela-se a verdadeira face de KCC e a estratégia do banco glutão /canibal.

 

Aplica as intervenções que a maioria de nós desconhece, não cometendo propriamente ilegalidades, mas agindo de forma e de modo a destruir vidas, empresas, instituições, em benefício de poucos, arrastando milhares para a falência, criando falsas crises, de que todos nós conhecemos os efeitos, sem termos sido vistos e achados para a respetiva eclosão. E de que ainda, através da manipulação dos media, nos querem fazer sentir “culpados”, porque “vivemos acima das nossas posses”!

 

Os clientes do Absalon foram sendo transferidos para o gabinete de crise do Nova Bank.

Isto é, deixam de lhes conceder novos créditos, “renegoceiam” as dívidas, impõem-lhes juros altos, amortizações frequentes e, em escassos meses, levam-nos à falência.

Estes clientes, pessoas e vidas a crédito, são obrigados a vender os seus bens e propriedades a baixo preço, que empresas de fachada, mas pertencentes a KCC, irão adquirir, para posteriormente venderem a outros interessados. Ganham sempre os mesmos, com dinheiros “sem nome, nem dono, nem origem”, que correm para os paraísos fiscais, algures, numas ilhas virgens (!) quaisquer.

(Esquemas que, infelizmente, tão bem conhecemos aplicados não só às empresas, mas aos próprios países!)

Lançam boatos sobre a situação do Absalon e do banco francês, Crédit Vert, que aquele adquiriu, especulam financeiramente sobre as ações desse banco e tentam levar o Absalon à falência. Reúnem secretamente, incluem criminosos procurados pela Interpol, estruturam as suas acções maléficas. (…)

 

Simon acordou tarde para a catástrofe que ameaça o seu próprio Banco, embalou-se nos cantos de sereia de KCC, de que continuaria gestor autónomo do seu próprio banco, não quis dar ouvidos à irmã nem a Cláudia e, agora, chora o seu infortúnio. Que é apenas uma peça de uma máquina maior, à qual pertence, lhe disse o tubarão com placidez / cinismo, indiferente.

Será que Amanda, Cláudia e Simon ainda conseguirão salvar o seu próprio banco da falência iminente, perpetrada por KCC e o Nova Bank?!

 

Claudia in. bennybox.dk.jpg

 

Cláudia faz-se passar por aliada de KCC, mas a forma como este age, apenas a incrimina a ela na criação das empresas de fachada.

Isto lhe esclareceram Mads e Alf, com quem ela se aliou, para tentar apanhar o tubarão. Mas vai ser difícil, que ele não se compromete assinando papéis e praticamente já sabe de que ela não trabalha só para ele. Já mandou segui-la, por Nicky, que, agora, trabalha diretamente para si, que o Sueco reformou-se, embora continuando a fazer estragos…

 

Mads e Alf continuam a descobrir cada vez mais sobre todo o esquema fraudulento, as teias tecidas por KCC, mas é difícil incriminá-lo.

Aparentemente, tudo segue na lei e ele não toca nem assina papéis sujos.

 

Através das informações de Cláudia conseguem saber de Sander, do nome falso que usou para fugir da Dinamarca e de como foi parar ao Brasil, juntamente com o Sueco, Bo Petersson, que, aí, o assassinou à queima-roupa, como vimos em anterior episódio, não sei bem qual.

Este Sueco também foi quem atropelou Mia, a jornalista, em episódio que não vi.

 

Mads e Alf, com os seus métodos nem sempre muito ortodoxos, conseguem saber-lhe a morada, onde vão interrogá-lo. Ele, raposa matreira, faz-se de doente e, a pretexto de ir buscar comprimidos à wc, quase mata Alf.

Valeu-lhe Mads, que, para ajudar o colega, deixou fugir o Sueco.

Salvar-se-á Alf?!

 

Nicky foi promovido, veste fato e gravata, como se executivo fora, praticamente já não trabalha de mecânico, continua a matar, a agredir, a ameaçar, quase esquece a família e que fará ele quando invadir a casa de Kristina, mulher de Mads, à beira de ser mãe e em risco com a maternidade?!

 

Mads, assoberbado com o trabalho e as permanentes buscas e peripécias em que a sua missão o envolve, deixa a mulher muito sozinha.

 

Enquanto ele segue na ambulância com Alf, para o hospital, Nicky prepara-se para lhe invadir a casa e buscar uma pasta que Cláudia aí foi deixar.

 

O que acontecerá?!

 

Irão os agentes, Mads e Alf; Cláudia e os irmãos, Amanda e Simon, conseguir travar e engavetar os criminosos?!

 

Pois! Só já saberemos para o próximo ano.

 

E que os criminosos tenham o que merecem!

Na ficção e na realidade.

 

E… Votos de um excelente 2017.

Com boas séries televisivas!

Na RTP2. Ou noutro canal, que Você goste.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44

“A Fraude” - “BEDRAG” - Série Dinamarquesa

por Francisco Carita Mata, em 29.12.16

Série da RTP2

Dez. 2016

 

Temporada 2 – Episódio 6

(4ª Feira – 28/12/2016)

 

Bedrag saison II  in.IMDb.jpg

 

A Sìntese possível e o Enquadramento do Enredo e de Personagens

 

Mais uma Série Europeia!

A RTP2 tem-se especializado e esmerado nas séries dos países europeus e faz muito bem. Dizem-nos mais. Pelas suas temáticas, mesmo quando provindas dos Países Nórdicos, caso da Dinamarca, de que nos apresentaram, até agora, a inultrapassável “Borgen”, das que abordam temas atuais, e também a muito interessante “A Herança”.

 

A que atualmente projetam, “BEDRAG”, no original, certamente da palavra dinamarquesa “bedrageri”, fraude, e é esse o título em português: “A Fraude”.

 

Só peguei na série já na 2ª temporada.

Ocorreu ontem, 28/12/16, o 6º episódio da temporada em curso. Provavelmente estará quase a terminar.

 

Mundo atual, com todas as suas idiossincrasias. Alta finança, corrupção, canibalismo bancário, políticas e polícias anti fraude, os cordelinhos da lei, que permitem apanhar o peixe miúdo, mas o graúdo, passa pelas respetivas malhas. Aspetos da vida pessoal dos personagens mais marcantes…

 

Um banco poderoso, “Nova Bank”! (Onde já ouvi este nome tão original (?), e onde já se viu atribuir nome de novo ao que é tão velho?!)

 

Neste banco, um diretor /presidente / chefe / dono / acionista maioritário, que ainda não fui informado das respetivas funções no organigrama bancário, de nome Knud Carl Christensen  - KCC, está fartinho de fazer das suas, (dele!), no banco e na sua relação com clientes e outras instituições, inclusive tendo levado à morte de inocentes, mas que continua cá fora, numa boa, a comandar ações, de actos e ações, de finanças, usando outros como fautores do que é ilegal e/ou criminoso.

“Atualmente”, através do seu Nova Bank, prepara-se para engolir outro banco, com reputação de honestidade e valores diferentes (?!), o Absalon Bank, gerido até aqui, por dois irmãos gémeos, não verdadeiros, Amanda, o cérebro criativo e Simon, mais executivo.

 

A trabalhar com os dois irmãos, “mano & mana”, está Cláudia Moreno, advogada talentosa que fora tramada por KCC na primeira temporada, no contexto de fraudes ligadas a uma empresa de energia “Energreen”, trama que a levara à prisão com todas as sequelas subsequentes.

Agora, liberta, ainda sob liberdade condicional, procura retomar a sua vida profissional e também pessoal, em que se destaca a tentativa de conquista do afeto do filho, de quem se viu separada e, porque não?, também de um novo amor!

 

Convém frisar que a sigla KCC também define uma firma de uma holding, sediada nas Antilhas Holandesas. O esquema de que estamos pelos cabelos, de tanto o constatar nas nossas tristes realidades!

 

Cláudia está a fazer tudo por tudo, para que o dito cujo KCC seja apanhado, como merece. A sua associação aos manos vem nesse contexto e objetivo.

BEDRAG policias. in. IUDb. jpg

No combate à fraude, uma Unidade Anti Fraude, nela pontificando dois polícias Alf e Mads, que tudo fazem, com profissionalismo e algum sentido de missão e ideal, para conseguirem apanhar os criminosos, que estão muito bem blindados, com todos os suportes habituais nestes esquemas, infelizmente demasiado verdadeiros.

 

As investigações e perspetivas dos vários intervenientes, focalizadas em KCC, (uma espécie de DDT?) hão-de cruzar-se e, certamente, engavetar o manda chuva.

Assim esperamos a não ser que os guionistas queiram prolongar a temporada ou, para nossa desgraça e frustração, imitar a realidade.

 

Voltando a KCC, que manipula a narrativa da estória, ele dispõe de personagens que executam ou mandam executar as tarefas violentas e ilegais.

 

Um, marcante, intermediário primordial, é designado como Sueco, certamente devido à sua naturalidade: “Svenskeren”. Significa sueco em dinamarquês?

Este é o mandante das ações violentas, agindo às ordens de KCC.

Por sua vez, delega estes atos, pois tem às suas ordens um mecânico de automóveis, seu homem de mão nos atos de violência ou fora da lei: roubos, colocação de escutas, vigilância e entrada abusiva em domicílios, … E, por vezes, mortes. Que me parecem ter acontecido mais por acidente, descuido e inépcia do autor, rapaz meio destrambelhado, de nome Nicky, marcado por uma infância violenta, passivo de agressões paternas.

Este executa tudo quanto é ilegal, já tem à sua conta algumas mortes, ocorridas nem sempre de forma direta e intencional, e agressões, inclusive ao agente Mads.

Já se cruzaram várias vezes, esteve quase a ser descoberto, neste 16º episódio, na casa onde sequestrara a jovem que viria a morrer.

 

A narrativa encaminha-se para esse cruzamento acontecer, e quando tal ocorrer e simultaneamente a investigação dos agentes anti fraude se encontrar com os conhecimentos da advogada talentosa, Cláudia Moreno, e concernentes investigações, teremos o clímax do enredo.

 

Teremos?!

Depende do guião ou guiões previstos e do eventual, hipotético e sempre possível prosseguimento da narrativa em futuras temporadas.

Que os guionistas, quando tal lhes convém, esticam o conteúdo narrativo até ao limite, por vezes, enredando, por demais, o enredo!

 

Por agora, aguardemos o resultado da OPA do Nova Bank sobre o Absalon Bank.

 

E, como sempre, fica muito por contar. E personagens de que falar!

 

E como isto tudo soa a tão tristemente real!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47

“50 anos de Cantigas – 25 anos de Livros” - Almada

por Francisco Carita Mata, em 19.12.16

“Teatro Municipal Joaquim Benite” - Almada

17 de Dezembro de 2016

Homenagem a “Nuno Gomes dos Santos

 

50 anos de cantigas, 25 anos de livros in. rostos.pt/

 

“Vemos, Ouvimos e Lemos… Não podemos ignorar.”

Não previra escrever sobre este evento, mas parafraseando a letra da canção…

Falar de Almada é falar de Arte, Cinema, Desporto, Poesia, Cante, Atividades Recreativas, Artesanato…, ou seja, de Cultura, nas suas mais variadas vertentes.

 

Neste fim-de-semana, ocorreram diversas atividades pelas várias freguesias.

Só no centro da Cidade, aconteceram, que eu tivesse tido conhecimento: o “Mercado de Natal Amigo da Terra”, imperdível; o “7º Ciclo de Cinema Católico”, a que só assisti ao filme “A Lenda do Santo Bebedor”, de Ermanno Olmi, filme que eu subintitularia “Os Milagres da Santa”. Curioso que os filmes programados, neste ano, incidam mais na vertente especificamente católica!

E a Homenagem a “Nuno Gomes dos Santos: 50 anos de Cantigas – 25 anos de Livros”.

Este último evento ocorreu no Teatro Municipal Joaquim Benite, a 17 de Dezembro, sábado, pelas 17h., tendo terminado quase às 21 horas.

 

É sobre este extraordinário espetáculo que vos quero falar, nesta minha crónica.

Foi excepcional. E aqui, volto ao Normativo de escrita antes do famigerado “Acordo” de 1990, porque embora o tente aplicar, tente, há palavras que ficam muito melhor com as consoantes mudas e este evento foi mesmo excepcional, repito! E, atualmente, na prática, praticamente não há "acordo" nenhum, que cada um escreve como quer. Lembra-me as queixas de Almeida Garrett!

 

Nele participaram muitos Artistas de diferentes matizes, mas com um tronco comum, ligados à Música e ao dom da Palavra, na sua expressão musical e poética.

 

Para iniciar remeto-vos para um link com a canção “Pedra Filosofal”, Poema de António Gedeão, cantado por Manuel Freire, que esteve presente nesta homenagem.

 

Espetáculo apresentado predominantemente por Helena Isabel, Cândido Mota e Alberto Albuquerque, que desconhecia e que também disse Poesia, em que se destacou “Cântico Negro”, o celebérrimo Poema de José Régio, imortalizado por João Villaret e dito por muitos outros reputados Artistas.

Cândido Mota, com a sua voz inconfundível, apresentou-se em palco muito descontraidamente, aliás, como todos os participantes e foi sempre dizendo os seus oportunos apartes.

Helena Isabel foi a simpatia em pessoa, sempre cativante na sua dicção, e aqui cabe um aparte meu.

 

Neste evento tive a oportunidade de rever Artistas, alguns que não veria há dezenas de anos. De alguns deles, lembrava-me da sua “aparição” no saudoso “ZIP ZIP”, alguém ainda se recorda disso?! Dos Festivais da Canção, de finais de sessenta e princípios de setenta. E dos espetáculos de “Canto Livre”.

Falo-vos para além do Homenageado, Nuno Gomes dos Santos e do Grupo Intróito, de Carlos Alberto Moniz, Carlos Mendes, Francisco Fanhais, Manuel Freire, Samuel.

Interessante, agora, revermos pessoas que conhecíamos de jovens e observá-los, atualmente, marcados pelo Tempo. Cabelos brancos, carecas, gordos, barrigas… Neles nos olhamos também a nós mesmos, em que Cronos também nos vem deixando as respetivas cicatrizes!

E o aparte surge, porque onde nos parece que o dito cujo, o Tempo, parece ter feito sentir menos mossa é nas Senhoras.

Que o diga Helena Isabel, que aparece sempre com a mesma jovialidade de quando foi candidata a Misse. Lembram-se em que ano?!

 

Mas voltando aos cantores, onde o tempo não fez estrago foi nas respetivas vozes. Com que agrado os ouvimos em tão lindas, marcantes e chamativas canções que nos marcaram a Juventude. Os que tiveram o privilégio de vivê-la nos “sixties e seventies”.

Cantaram e encantaram.

 

E, aqui, volto a novo aparte e ao link inicial.

Manuel Freire, quem não se lembra de quantas vezes nos deslumbrou com a sua musicalização do Poema de Gedeão?!

Pois este Grande Artista, apresentou-se em palco para homenagear Nuno Gomes dos Santos, mas não conseguiu cantar. Explicou-nos que tivera um problema de saúde recente, ainda estivera a tentar ensaiar, mas quanto mais forçava a voz, pior ficava.

Foi um momento muito comovente, sensibilizou-nos a todos, a Vida prega-nos partidas, nas curvas da estrada, quando menos esperamos. O público compreendeu, começou a entoar a canção, a Banda tocou a música… Foram uns minutos lindos, pena o público ser um pouco fracote musicalmente. Por mim falo.

 

E, já que entrámos na Banda, referir que o maestro e pianista é João Balula Cid e os elementos, Nana Sousa Dias, saxofonista e João Maló, Nelson Oliveira, guitarras; Félix Souza, bateria. (Não sei se os nomes estão exatos. Se não forem, o meu pedido de desculpas!)

E que maestria!

 

E de entre os cantores mais próximos da minha geração, embora todos mais velhos que eu, destaco o Alentejano, Francisco Naia, sempre com a sua voz portentosa, o seu sentido altruísta e sem nunca esquecer de homenagear o querido Alentejo!

Outro Alentejano presente foi o “dizedor”, declamador, “diseur”, (nunca sei muito bem qual o termo que hei de dizer), Manuel Branco, que nos disse um poema de caráter social e outro de cariz amoroso, como fez questão de nos explicar.

 

E quão grato foi ouvir “Juliana”, Francisco Naia; “Vemos, ouvimos e lemos…”, Francisco Fanhais; “Ruas da minha cidade…”, Carlos Mendes, também ao piano e interessante a apresentação de Cândido Mota de o músico ter deixado Arquitetura e enveredado pela Música. Lembrar-nos-emos, os mais velhos, dessa história vir contada numa “Flama” antiga, quando ele venceu o festival de 68…

Samuel, “viver em país libre…”

E Carlos Alberto Moniz, que cantou “Veio um pastor lá da serra”, que o autor lembrou ser a primeira canção com que se apresentou vindo dos Açores, no já referido “Zip – Zip”; “Morte que mataste Lira”, “E um dia fez-se Abril”.

 

E o Coro “Consonantes” ou “Consenso”, não chego a consenso sobre o nome, que no prospeto vem um e no evento nomearam outro. Lembraram Violeta Parra e cantaram outras modas, que não consegui apreender tudo

Dirigido por Luís Pedro Faro, também um ex – Intróito, um total de onze elementos.

 

E, de entre os mais novos, que já não pertencem à minha geração, estarão para aí nos trintas (?), quarentas (?), digo eu, destaco Filipa Pais, que já conhecia de nome, mas também nunca ouvira ao vivo, que me lembre. Também lembrou Violeta Parra, quem não lembra? Cantou em dueto com Samuel… encantador. E cantou uma morna, em crioulo, para além de ter apresentado a banda. Pena eu ouvir mal e não conhecer muito bem os instrumentos, isto é, distinguir as guitarras.

 

E houve ainda a atuação do guitarrista clássico, Silvestre Fonseca, que também não conhecia.

 

E também houve mensagens de nomes sonantes do meio artístico, que não puderam estar presentes: Nuno Nazareth Fernandes, Eládio Clímaco e Luísa Ortigoso, em gravações de novela, que lhe mandou: “… toma lá um beijo, num abraço apertado.” (Bem, a Dona Olga de “Beirais” não poderá apertar muito o homem, que ele está tão magro!... Já o tinha visto algumas vezes em Almada. Impressiona a magreza…)

 

E aconteceu um “happening” tão à moda dos sixties – seventies, orientado por Urbano Oliveira, percussionista e baterista, que, após nos terem distribuído uma folha de papel A4 e uma baquete, nos pôs todos a “produzir” música, homenageando o homenageado: Nuno! Nuno! Um verdadeiro acontecimento!

 

E, no início, houve outros Artistas mais novos que também participaram na homenagem, mas que na altura eu não contava escrever nada, só depois me entusiasmei e comecei a apontar. E, sendo de gerações seguintes à minha, acabo por não os conhecer, que pertencem a épocas em que me desinteressei pela música dita ligeira, mais ou menos a partir de finais de oitenta, princípios de anos noventa.

E haverá também as “raparigas” que compuseram o “Intróito”, mas que não fixei os nomes.

No cartaz publicitário figuram os seguintes nomes: Alexandre Ribeiro, Ana S. Silva, Isabel Pires, Leonor Carrilho, Paulo Brissos, Renato Silva, Vitor Paulo.

 

O conjunto “Tabus” acompanhou Nuno Gomes dos Santos que finalizou o espetáculo com várias atuações.

De “gaita-de-beiços”, (harmónica, é mais bonito!), homenageou Bob Dylan tocando e cantando “Mister Tambourine Man”. Ainda e também “Stand by me”, de Ben E. king (?)

Da banda “Tabus”, também músicos de há quarenta anos, agora novamente regressados às lides musicais: Carlos Zé, baixo; João António, guitarra (quê?, que as não distingo!); João Coradinho, teclas; e João Vieira, bateria. E também um jovem baixista, Renato, sobrinho do homenageado.

 

E, nestas andanças de gerações e família, também participou a neta, Violante Carrilho, em flauta transversal, que enquadrada entre tantas sumidades e gentes bem mais velhas e naquele ambiente de palco se enervou bastante. Todos foram muito compreensivos, músicos e público, que o ambiente era de festa e solidariedade.

E a filha de Nuno também esteve muito bem na apresentação de excertos do espetáculo.

 

E assim se reviram, reouviram e reviveram cinquenta anos de canções, que nos deixaram maravilhados!

 

E todos foram chamados ao palco e todos cantaram e ainda a finalizar houve nova intervenção do Coro cujo nome não cheguei a “Consenso”.

 

E a Câmara Municipal patrocinou. Que o objetivo era homenagear o Artista e entregar-lhe uma medalha, entregue por Presidente da Câmara, o que aconteceu quando eu cheguei ao espetáculo, que me atrasei meia hora, mas isso foi logo no início.

Que ao princípio do princípio eu não assisti, mas julgo ter sido uma apresentação retrospetiva, não sei em que suporte, talvez vídeo, não vi, pois atrasei-me. Mas vi o que pretendia, que era o espetáculo.

 

Parabéns e que conte mais uns tantos, não direi cinquenta, mas mais alguns e que possamos estar cá nós também para ver.

 

E perante tão bons Artistas, tão bons Apresentadores, tão bom Espetáculo, tão boas Canções… surpreende-me sempre a fraqueza dos atuais programas das “nossas” Televisões.

Ou não?! Como é possível tanta mediocridade atual promovida às horas de maior audiência?!

 

De TVs presentes, a televisão de Almada.

Porquê só esta TV?! Não seria, este, um programa que mereceria uma projeção nacional?! Porque não filmam outras TVs?! Porquê?!

Muitas questões me perpassam…

… ? …?

*******

Hoje, dia 17 de Janeiro de 2017, em que faleceu o Maestro João Balula Cid, anexo este link

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43


Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog