Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“El Príncipe” – Série Espanhola - RTP 2 – (Reposição)

por Francisco Carita Mata, em 28.08.16

Alguns / Algumas Personagens

Tópicos do Enredo

 

A RTP 2 repõe a 1ª temporada desta série policial espanhola, desde a passada 4ª feira, 24 de Agosto.

Tudo faz prever que, de seguimento, apresentarão a segunda. Só faz sentido que assim seja, senão porque estar a retransmitir a primeira, pese embora seja essa a prática habitual deste canal, repetir a visualização de seriados. E, sendo eles de qualidade, porque não fazê-lo?! Antes isso que apresentar chachadas de programas.

 

E “El Príncipe” merece ser visto e revisto. É um seriado espanhol, cuja ação decorre na cidade de Ceuta, enclave espanhol no Norte de África, Marrocos.

 

Ceuta In. publico.pt.jpg(“Herança” de Portugal, diga-se de passagem. Cidade conquistada por Portugal, em 1415, no início da 2ª Dinastia, reinava Dom João I, com a qual foi começada a expansão territorial de Portugal além da Europa.

E como se tornou espanhola?!

Se quiser saber mais… para não nos perdermos na História.)

 

Já basta o Bairro labiríntico em que supostamente decorrem as principais cenas, precisamente “El Príncipe”, que, na realidade, funciona mais como cenário suposto, do que real.

Para além do bairro propriamente dito, dos seus becos e ruelas, as cenas decorrem na Esquadra do bairro; na casa dos “Ben Barek” , muçulmanos, “mouros”; no Centro Cívico; em presumíveis exteriores… e noutros locais variados e diversos.

 

O seriado tem todos os condimentos para atrair espetadores:

- Atualidade, na forma e no conteúdo; ação, intriga, suspense, enredo romanesco.

 

Desde logo, sinal de Amor, aparentemente impossível, que o Destino laça e desenlaça para a sua hipotética concretização.

Fátima e Javier Morey, separados por barreiras supostamente inultrapassáveis, cruzam-se de amores desde o início do primeiro episódio.

“- Se não entende um olhar, como entenderia uma longa explicação?!” Interpelação feita a Javier, pela mulher, Fátima, comprometida e casadoira; espanhola, mas muçulmana…

E este é um dos fios condutores da narrativa: o relacionamento entre o “herói” e a “mocinha”: Morey e Fátima.

Ligados, enleados também pela tentativa desesperada dela em encontrar o irmão "Abdu", desaparecido.

Que a polícia local pouco se tem esforçado nesse sentido, mas a que Morey vai dar um novo impulso. Socialmente, é esse aspeto que mais transparece do relacionamento entre ambos.

 

El_Principe in. www.senscritique.com

 

Morey vem, supostamente, superintender na esquadra, sendo que o seu objetivo principal é descobrir uma presumível rede de jhiadistas que existiria no bairro, a que a própria esquadra não seria alheia, bem pelo contrário, que nela haveria agentes infiltrados.

 

A esquadra cumpre, melhor ou pior, a sua função, zelar pela segurança dos cidadãos. Mas pelo modo como é dirigida e de facto funciona ou disfunciona (?), permite que, de forma mais ou menos velada, a corrupção possa estabelecer um certo status quo com o submundo do bairro. Neste, campeiam os tráficos ilícitos, em que o da droga, em desatino, inquieta as gentes honestas, a maioria dos que lá vivem.

 

Esta multiplicidade de situações verifica-se nas próprias famílias.

Um dos núcleos fundamentais do elenco é representado pela família “Ben Barek”.

Um dos sujeitos basilares deste grupo é Faruq, que simplesmente é o chefe de um dos bandos organizados do narcotráfico no bairro.

Muçulmano tradicionalista, controla parte do bairro, com os seus homens de mão, sendo aparentemente um bom chefe de família, na sua visão personalizada da vida.

Coabita num contexto de família alargada, apesar de ser casado com Leila, mas ainda sem filhos.

A mãe, Aisha Ben Barek e o pai, Hassan, donos da popular cafetaria do bairro, igualmente muçulmanos, são “pessoas de bem”, alheios (?) às negociatas do filho.

Contudo esta é a “realidade” ficcionada de “El Príncipe”. Crime organizado funciona paredes meias com a vida nos parâmetros da Lei.

Contrapondo-se a Faruq, a irmã, a “mocinha” e heroína da história, Fátima, que, no papel social de Professora no Centro Cívico, procura a regeneração, a integração social dos jovens, através da Educação.

 

El Príncipe personages in. www.vertele.com

Uma das características das personagens e entidades da série é o seu lado oculto, subterrâneo. A ligação entre o lado explícito, social, que está à superfície, que é visível e o que está escondido, oculto das vistas sociais.

E relativamente ao Centro Cívico, tal como já referi sobre a Esquadra, há personagens que se dedicam a outras funções não explícitas, e ilegais. Veremos.

 

E tornamos à Esquadra.

O chefe policial é “Fran”, Francisco Peyón, personagem marcado pelas experiências e frustrações da sua vida, a que não é estranho o assassinato do filho adolescente por um desordeiro delinquente e menor, recentemente saído do centro de recuperação, onde nem chegou a cumprir três anos.

Paradoxalmente assassinado no bairro onde ele, chefe de esquadra, deveria impor a ordem.

Coadjuvado por outros personagens não menos envolvidos nas negociatas dos comércios ilícitos: Quilez, “espanhol” e Hakim, “mouro”.

Personagens que têm muito que contar!

Que muito se irá desvendando.

Personagens que, a seu modo, sabem impor a lei, quando a Lei permite que delinquentes se bandeiem impunemente. Refiro-me ao assassino (?) anteriormente mencionado.

 

Se há algo que choca na série é a utilização de menores pelos criminosos, para executarem as suas “façanhas”. Situação tristemente real!

 

Ainda na esquadra: Matilde, “Mati”, também “espanhola” e loura, de Barcelona, jovem cheia de ambição, a que Morey dá a mão. E que “namora” com o “mouro” Hakim.

E Federico, “Fede”, personagem muito secundário, mas que introduz algumas piadas cómicas no enredo.

 

E, a propósito de comicidade, não posso deixar de nomear Pilar e Rocio, amigas de Fátima, também bastante secundárias, mas correspondendo ao estereótipo das “espanholas”, “chicas” de Almodôvar!

E já que de “chicas” se fala, realçar a mais “chica” de todas, a fogosa Marina, namorada de “Fran” e dona do bar de tapas, habitual poiso de recreio dos policiais e relax do chefe.

 

 

E sobre grupos de personagens reportamos também para os que estão ligados ao CNI. (Centro Nacional de Investigação?) (Em capítulo futuro, saberei que é Centro Nacional de Inteligência! Nem mais!)

Que agrega os que coordenam e orientam a investigação de Morey, e o motivo principal da sua ida para o Bairro.

Mas como eles trabalham na sombra e/ou à distância mantemo-los, ainda, nesse estado e estatuto.

Que muito ainda falta saber e descobrir sobre eles. Que também têm as suas sombras e lado escuro.

 

E sobre esse lado menos claro do enredo da série, mas cada vez mais visível e explícito, à medida que prossegue a narrativa, surge-nos o tema do terrorismo jhiadista, dos radicais islamitas, o papel de um grupo terrorista, Akrab, as suas ações na cidade, os tentáculos no bairro, o envolvimento de personagens aparentemente insuspeitos.

 

E voltamos a um dos leitmotiv do enredo: a descoberta do paradeiro do filho mais novo dos Ben Barek, preocupação da família e persistência de Fátima.

De nome Abdessalam Ben Barek, “Abdu”.

 

E ainda e já na família, mas querendo reforçar os laços de pertença, menciono Khaled Ashour, primo e pretendente à mão de Fátima. Que muito também nos irá contar e ganhará maior protagonismo na segunda temporada.

 

E terão estes dois personagens destacados algo a ver com o terrorismo?!

 

Mas deixemos este tema ou mantenhamo-nos nele e na violência tão presente no Bairro, tanto no plano real, como virtual e lembremos também duas personagens jovens, sujeitas e vivendo essa constante instabilidade e expondo-se a perigos vários: Nayat, a caçula dos Ben Barek e Ruth Peyon, filha de Raquel e Fran.

 

E estou a esquecer vários personagens importantes, tal como a namorada de Abdu e o terrorista que a assassinou? Aos olhos de Fátima e Javier! (Sempre unidos na trama: herói e mocinha!)

 

E vamos continuar a ver e/ou rever os episódios. São muito chamativos!

 

Episódio 4

Episódio 7

Episódio 8

Episódio 9

Episodio 10

Episodio 12

Episódio 13

Temporada 2 Episódio 1

Temporada 2 Episódio 5

Temporada 2 - Episódio 9

Temporada 2 Episódios 9 e 10

Temporada 2 Episódio 11

Temporada 2 Episódio 12

Temporada 2 Episódio 13

Temporada 2 Episódio 14

Temporada 2 Episódio 17 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16

Vergonhoso! Infame!

por Francisco Carita Mata, em 23.08.16

Chacina na Dinamarca!!! 

 

Desconhecia completamente que se praticava um ato desta barbaridade num país que até julgava civilizado.

E que até admirava!

Não há palavras para comentar tal desumanidade!

Na Dinamarca!!!

Como é possível admitirem-se tais práticas?!

Que Portugal também tem as sua nódoas!

 

ATT00157.jpg

 

ATT00154.jpg

 

ATT00148.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44

“O Roubo do Códice” - (Reposição)

por Francisco Carita Mata, em 23.08.16

Mini Série na RTP2

Agosto de 2016

 

Continua o calor. Persistem os fogos. Algumas notícias quentes, mesmo no Alentejo, habitualmente tão pacífico e com tantas festas e festivais.

Lá fora, as guerras, persistem... no tempo!

Crimes hediondos!

Codice Calistinnus in. www.wikiwand.com

 

Como é hábito, a RTP2 volta a transmitir programas já exibidos. Salutar, quando são interessantes! Desta vez, a mini série “ O Roubo do Códice”, “El Codice”, original da Televisão da Galiza, que transmitira em 2015, a seguir a “Hospital Real”.

Sobre os dois episódios escrevi algumas ideias, entrecruzando os personagens da série “Hospital…” com os da mini série “O Roubo…”. Nem sempre de forma direita, por vezes enviesando, como gosto de fazer e também não tendo identificado bem todos os personagens.

Ontem, após ter revisto o primeiro episódio, julgo ter reconhecido o “Padre Bernardo” do Hospital, no desempenho do Juiz, no “Roubo…”. E Alicia, a noviça do “Hospital…”, na empresária do bar, ex-jornalista, a colaborar com os antigos colegas.

Ainda não é desta que escrevo os nomes corretos dos artistas, para o que remeto também para este link, de Galiza.

elenco codice in. www.vertele.com

 

Apresento igualmente fotos do elenco, bem como do livro roubado.

Roubado?!

codice in. elpais.com

 

Veja ou revisite o 2º episódio.

manolo in. www.lavozdegalicia.es.jpg

 

Vale bem a pena, pelo conteúdo da história, a construção narrativa, o desempenho artístico, o contexto espacial e cénico… o enredo, o basear-se em factos reais.

Deão da Catedral in. media.rtp.pt.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44

Quadras Tradicionais IV - “Cantigas” de Amor e Desamor!

por Francisco Carita Mata, em 22.08.16

“São saias, meu bem, são saias…”

 

Preâmbulo:

Voltamos, no blogue, à Poesia.

À Poesia popular e tradicional.

 

Malva Rosa - Foto original DAPL 2016.jpg

 

“São saias, meu bem, são saias

São saias que andam na moda

Cautela-te amor, não caias

Que as saias não têm roda.

 

Gosto de ouvir cantar

Moças da fala toeira

Quando chegam aos arraiais

São as que ganham bandeira

 

Amar e saber amar

Amar e saber a quem

Amar a luz dos teus olhos

Não ter amor a mais ninguém.

 

Janelas avarandadas

Mora lá algum doutor

No caminho me disseram

Que era a mãe do meu amor.

 

Ó minha mãe, minha mãe

Ó minha mãe, minha amada

Quem tem uma mãe tem tudo

Quem não tem mãe não tem nada.

 

Eu gosto de ti, não sei

Não sei se isto é gostar

Sei que me sinto feliz

Quando te ouço falar.

 

Foste dizer ao meu pai

Que eu andava a namorar

O meu pai te respondeu

Que a inveja faz falar.

 

Foste dizer mal de mim

Ao rapaz que me namora

Se muito me queria antes

Muito mais me quer agora.

 

Malva rosa, malva rosa

Malva rosa sem ter pé

Quem te disse, ó malva rosa

Que o meu amor era José.

 

Maria, Isabel e Ana

Rosa, Teresa, Rosalina

Júlia, Josefa, Damásia

Antónia, Bernarda, Jaquina.

 

Francisco, por ti me arrisco

Por ti perco o meu valor

Se foras padre Francisco

Eras o meu confessor.”

 

 

NOTAS:

Estas quadras ou “cantigas” populares eram cantadas nos bailes e arraiais de Aldeia da Mata, nos anos quarenta, ainda nos anos cinquenta, do século XX, pelas raparigas, segundo a “moda e o estilo das saias”.

Os arraiais eram no meio da rua: Largo do Terreiro; no “Santo António”, perto da Cruz; à porta da Ti Rosa Bela.

Havia pessoas que cantavam muito bem: a Joaquina Amélia, a prima Rufina também cantava bem e, noutro tempo, também a Ti Natália cantava muito bem.

Nos arraiais habitualmente só se cantava. Umas cantavam melhor, outras pior.

Também cantavam ao desafio.

 

Os bailes eram feitos nos salões.

Nos salões eram fundamentalmente os tocadores de concertina que estruturavam os bailes.

Os salões que havia nessa época eram:

O Salão Martinho – era na Estrada Nova.

O Salão Trindade – era na Rua da Travessinha.

Nos bailes nos salões também se cantavam estas “cantigas”, nos intervalos em que descansava o tocador.

 

Havia também a “Sociedade”, que era para os “Mestres” e para as raparigas convidadas, era para as pessoas “consideradas mais finas”.

Na Sociedade também tocavam a grafonola.

 

E também se faziam bailes nas casas particulares, a que iam tocadores de harmónio.

Na Aldeia, os tocadores de harmónio, na época, eram: o Mestre Alfredo, o Ti Joaquim Branco, o Ti “Chanfana”.

 

Estas quadras, “cantigas”, eram fundamentalmente cantadas pelas raparigas, embora algumas pudessem ser cantadas indiferentemente por rapazes e raparigas.

Os rapazes cantavam outras.

E também cantavam ao desafio.

O Srº Manuel Mendes também cantava muito bem.

 

As raparigas também cantavam estas quadras / “cantigas”, quando andavam a trabalhar, tanto no campo, como em casa. E mesmo sem se estar a trabalhar, estando a conviver.

No campo: na azeitona, na monda, nas desfolhadas. E no caminho da ida e volta do trabalho também se cantava.

 

Toda esta recolha de “cantigas”, bem como estas informações, foram prestadas por D. Maria Belo Caldeira (04/11/1928).

 

Foto original de D.A.P.L. – “Malva Rosa” – 2016.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:35

Incêndios » » » Enxurradas

por Francisco Carita Mata, em 17.08.16

Questões Pertinentes e Perguntas lmpertinentes, mais uma vez!

 

Este é um daqueles temas sobre que preferia não me debruçar.

Aliás, alguém gostará?

Por vezes nem sei. O excessivo mediatismo associado ao assunto… Haverá necessidade que os media, especialmente as TVs, tanto vibrem perante essas ocorrências?! Uma certa contenção informativa não seria muito mais formativa?!

Não sei. O que acha?

 

Agora que o “fogo” informativo já acalmou mais, gostaria de debitar alguns bitaites.

 

Antes de mais, lembrar, o que toda a gente com facilidade já saberá, é que, agora, de imediato, para além de remediar e resolver todos os desastres resultantes dos fogos, haverá que começar a prevenir, desde já, as eventuais e hipotéticas, e previsíveis, enxurradas.

Agir no sentido dessa eventualidade. Preparar essa possível ocorrência.

Muito especialmente na Madeira, dada a orografia do terreno e a forma como está implantada toda a estrutura demográfica.

Mas, com tantas questões para solucionar, se calhar esses aspetos vão ficar para um plano secundário.

Esperemos que não!

 

Sobre toda esta temática, incêndios e enxurradas, no ano passado, divulguei um post, há um ano, a partir de uma estória que escrevera anos atrás.

No essencial as questões principais, infelizmente, mantêm-se.

 

Prevenção. Sim, é o fundamental. Muito falta fazer. E neste aspeto não há grupos no Poder que se possam limpar uns aos outros, nem alijar responsabilidades, atirando para cima dos antecessores. Todos são, todos somos, corresponsáveis. Ou não?

Os cidadãos também podiam ou não agir com maior sentido de responsabilidade?!

As tricas, as trocas e baldrocas partidárias, neste campo, não fazem qualquer sentido.

Este é um dos assuntos/problemas deste País em que tem que haver uma unidade de esforços, independentemente das cores de cada um.

(Outro, sobre que falarei um dia, é o da reconstrução do casco antigo das nossas cidades, vilas e aldeias.)

 

E não adianta defender que os fogos ateados por mão criminosa existem, independentemente da prevenção, porque, sendo essa afirmação verdadeira, apesar de tudo, havendo medidas preventivas os seus efeitos serão menos nefastos.

Prevenção, sim! Prevenção, como prioridade.

E, mesmo no caso dos criminosos que pegam fogos, também se pode agir preventivamente.

 

Prevenção, envolvendo todos:

- Poder Central, Poderes regionais, Poderes locais.

- Cidadãos, Pessoas, Populações. Todos. Dos campos, mas também das cidades.

- Com tantos festivais e festivaleiros, festas, festarolas e festanças, seria bom que as pessoas, todas, tomassem consciência da ação cívica que lhes compete e que a sua não participação em ações concretas, quanto mais não seja pela falta de cuidado e civismo, tem consequências indiretas ou mesmo diretas no descalabro a que se chegou.

 

E a propósito de cidadãos. (Cidadãos?!)

Aqueles sujeitos que, de forma propositada, alguns de forma reiterada, ateiam fogos, como proceder com eles?

Prendê-los temporariamente e libertá-los pouco tempo depois?

Não terá, apesar de tudo, muito menos custos sociais e económicos, mantê-los vigiados, melhor, privados de liberdade de movimentos, acompanhá-los, de algum modo integrá-los em atividades socialmente úteis?

Durante as estações do Outono, do Inverno e na Primavera mantê-los presos, mas ocupados em atividades precisamente de limpezas e manutenção de campos, ou outras adequadas ao seu perfil.

No Verão, igualmente privados de liberdade, mas retidos em locais que não sejam suscetíveis de atear fogos.

 

Ainda e a propósito de cidadania ativa, porque não colocar o pessoal “desempregado” na limpeza e manutenção de matas, caminhos vicinais, estradas, “ressuscitando” até funções e serviços que eram desempenhados, por ex., por cantoneiros e guardas-florestais?

De certeza, que o exercício destas funcionalidades traria muito mais vantagens, a todos os níveis, que os modelos vigentes.

 

E os Jovens nas Escolas serem também despertos e envolvidos em ações práticas de limpeza do meio ambiente. Estruturar ações, projetos, nesse sentido.

 

E o exercício da “tropa” precisamente para essas funções? Que este trabalho de limpeza e manutenção de campos e matas tem que ser uma verdadeira “guerra” ao fogo.

 

E os presidiários? Porque não ocupá-los também nessas tarefas?

 

Para além de os cidadãos terem práticas ativas de respeito pelo meio ambiente, o que de todo não se verifica.

Basta ver como muitas pessoas lidam com o lixo e com os cigarros!

 

E uma ideia que não é totalmente original no seu conteúdo, ainda que julgo sê-lo na sua metodologia.

Porque não criar, por ex., rebanhos de ovelhas e/ou de cabras ou mistos, que, num modelo ancestral, idêntico ao dos “rebanhos comunitários”, percorreriam terrenos abandonados, matas e matagais, caminhos antigos e vicinais, ribeiros e ribeiras, pastando, comendo os matos e, assim, de uma forma ecológica e amiga do ambiente, limpariam os terrenos e funcionariam preventivamente contra eventuais incêndios?

Um modelo que poderia ser organizado e gerido pelas autarquias, com o apoio das populações locais, que poderiam ser cofinanciadoras dos projetos e, dessa forma, participarem na cogestão das atividades em todas as suas implicações.

Uma ação preventiva e fiscalizadora, suscetível de criar riqueza e trabalho.

 

E porque não utilizar toda a matéria vegetal na produção energética, incentivando precisamente as limpezas como fontes de rendimento ao promover-se a venda do material lenhoso e vegetal a centrais energéticas?

 

Caminhos vicinais. Foto original DAPL 2016

 

Limpezas efetuadas como deve ser, a começar nas estradas e caminhos. Não esse arremedo de limpeza que se faz, em que se corta a erva maior, mas fica todo o substrato vegetal no solo.

Aí residiria o papel fundamental dos cantoneiros.

E junto às localidades, especialmente as montanhosas e de zonas florestais, definir um perímetro em que terá que haver total erradicação de matos e árvores facilmente combustíveis.

 

E atenção aos negócios, aos negócios, aos negócios associados a estas questões dos fogos!

 

E será necessário transformar todas estas tragédias ambientais e humanas em espetáculos mediáticos?!

Será?

 

Prevenção! Prevenção! Prevenção é sempre imprescindível.

Feita como deve ser e envolvendo toda a gente, todos os anos!

 

Porque, no final há tanta verba, tantos milhões e é sempre tão apelativo ouvir-se falar em milhões, mas de onde provêm todas essas milionarices?!

 

Tantos impostos!... Quem paga, quando se bebe uma simples bica?!

Pense nisso caríssimo/a leitor/a.

 

(Nota Final: Foto original de D.A.P.L. 2016. - Caminho vicinal, bordejado de "rosas loureiras" e a habitual erva seca.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:35

"11ª Mostra do Cinema Brasileiro" - "Simonal - Ninguém sabe o duro que dei."

por Francisco Carita Mata, em 11.08.16

Filme documental: “Simonal – Ninguém sabe o duro que dei.”

 

Fórum Municipal Romeu Correia

Auditório Fernando Lopes Graça

 

ALMADA

 

As “Mostras de Cinema Brasileiro” habitualmente contemplam filmes e documentários interessantes que nos reportam para a realidade do Brasil, perspetivando uma montra da filmografia mais ou menos atual daquele país.

Temos a oportunidade de apreciar enredos que focam um pouco do que se passa, tanto no aspeto social como político do país irmão, apresentados por artistas que muitos conhecemos das novelas e assim temos oportunidade de apreciar noutro registo artístico.

 

 

A 11 ª Mostra trazia-nos um leque variado desse cinema realizado no Brasil.

Fiquei aquém das visualizações previstas, houve alguns filmes que planeara ver, mas que não tive oportunidade.

Em Nome Da Lei”, “Sorria, Você Está Sendo Filmado” e “Trinta” eram filmes que gostaria de ter visto, não só pelas temáticas e registos abordados, como pelo leque de atores e atrizes presentes.

 

Ainda assim vi o documentário “Simonal – Ninguém sabe o duro que dei”.

 

Nunca ouviu falar sobre Wilson Simonal?

 

Simonal In. letras.com

 

É natural. Foi um cantor brasileiro, (1938 – 2000), que alcançou grande popularidade no Brasil e América Latina, na segunda metade da década de sessenta e ainda nos inícios da de setenta, mas que, mercê da má fama que se lhe colou à pele nessa época, foi praticamente banido da cultura musical brasileira, tanto da parte dos media, como pelos seus pares e pela classe sócio profissional ligada à música. Sendo ostracizado por muitos, por mais de vinte anos, meados de setenta a inícios de noventa, como se praticamente não tivesse existido.

 

Também não tenho propriamente memória do artista, mas há êxitos musicais de que me lembro, não sei se cantados na sua versão dos mesmos, se por outros comparsas.

Lembra-se de “País Tropical”, “Alegria, Alegria”, “A Tonga da Mironga do Kabuletê”?

 

Se quiser entender melhor sobre o artista consulte aqui, S.F.F.

 

Mas que “má fama” foi essa?

 

Ditadura in. pensata.ig.com.br.jpg

 

Na época, inícios de setenta, o Brasil vivia numa ditadura militar, (1964 – 1985), altamente repressiva e Wilson Simonal, na sequência de um processo mal esclarecido contra o contabilista da sua firma “Simonal Produções Artísticas”, haveria de ser acusado de informante do DOPS – Departamento de Ordem Política e Social, instrumento da ditadura na repressão aos opositores do regime.

Esse processo com o contabilista e a sequente acusação de delator destruiram quase completamente a sua carreira, que estava no auge.

 

E retornando ao documentário, de Cláudio Manoel, Micael Langer e Calvito Leal.

 

Este documento fílmico, de 2009, perspetiva a vida artística do cantor, dando-nos uma visão da sua qualidade musical e performativa, dos seus sucessos, da sua ascensão e queda e também da injustiça da acusação que lhe foi feita, atribuindo-lhe uma “nódoa comportamental” que praticamente nunca conseguiu limpar em vida e que o levou à destruição, enquanto artista e como ser humano, tendo morrido relativamente novo, sessenta e dois anos, vítima de depressão e alcoolismo.

 

Esse documentário apresenta a visão de diferentes personalidades que lidaram de muito perto com o cantor, privaram ou trabalharam com ele, em contextos diversos e ao longo da sua vida. Casos de Chico Anysio, Pelé, Nelson Motta, Luís Carlos Miele…

Também da segunda mulher e dos filhos do primeiro casamento, também ambos artistas.

Jornalistas do “Pasquim”, que tanto humorizaram sobre a hipotética delação, também testemunharam.

Bem como um depoimento do próprio Raphael Viviani, protagonista do célebre episódio do contabilista / “contador”.

Globalmente o documentário pretende resgatar a memória do artista e do homem, considerando-o injustamente “condenado” pelos media, pela opinião pública e pelos fazedores dessa mesma “opinião”.

 

É muitíssimo interessante de rever. E tem momentos sublimes de que destacaria o dueto com Sara Vaughan. A atuação no Maracanã. A canção dedicada a Martin Luther King.

E tantos mais…

(…)

 

 "Wilson Simonal e a ditabranca"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08

“Código do Crime” - “The Bletchley Circle”

por Francisco Carita Mata, em 10.08.16

Donas de Casa – Detetives por conta própria

 

Já imaginou que melhor tipo de série para iniciar em Agosto, quando o pessoal anda todo encalorado, a demolhar nos algarves e a transitar nas avenidas  marginais a degustar gelados de fruta e a mostrar as toiletes e o bronze?!

 

Pois que melhor que iniciar com uma série britânica, são proverbiais as suas qualidades, e tendo na base um serial – killer.

 

Bletchley Circle. In. epigrafe.org. jpg

 

Quatro senhoras, na casa dos trinta e quarenta, enfastiadas da sua vida de donas de casa, lideradas por Susan, casada e mãe de dois filhos, resolvem dedicar-se à investigação criminal!

 

Alto lá! Esta explicação está a ser muito linear.

Vamos então ao princípio.

 

A ação decorre na Inglaterra, no início dos anos cinquenta (1952 / 1953), anos de pós guerra, o país ainda em recuperação, sinais ainda evidentes de penúria (senhas de racionamento), escassez de petróleo… o mercado negro, de bens de luxo estrangeiros, cigarros, perfumes…

 

As quatro mulheres, Susan Gray, Millie, Lucy e Jean, tomaram esta iniciativa de se dedicarem a desvendar misteriosos crimes, insatisfeitas, é certo, no seu papel tradicional de senhoras, esposas dedicadas, mães extremosas, em suma, donas-de-casa, ao serviço dos maridos e família, as que a tinham, porque durante a guerra, em 1943, haviam trabalhado precisamente em Bletchley Park, na investigação altamente secreta das manobras dos exércitos alemães, face aos ataques e planeada invasão à Grã Bretanha.

Aí formaram uma equipa unida e estruturada, aproveitando as capacidades intelectuais específicas de cada uma delas, no sentido da análise e decifração dos códigos e sinais implicitamente enviados pelos serviços secretos do inimigo, descodificando-os e, deste modo, contribuiram para desvendar as respetivas ações, surpreendendo-os e tornando-as ineficazes.

Reporta-nos, supostamente, para o trabalho realmente realizado em Bletchley Park durante esses anos de guerra.

 

Nesse período de guerra, os homens aptos foram enviados para as frentes de batalha, as mulheres ficaram na retaguarda e passaram a exercer funções, trabalhos e serviços, até à época entregues ao sexo masculino. Foi este o caso específico que nos foi mostrado no prólogo do primeiro episódio em que estas mulheres exerciam estas funções altamente especializadas, até à data, atribuídas apenas aos homens.

Como aliás se verificava em muitas outras atividades e serviços, nas fábricas, nos bancos, nos transportes, nos campos, em que as mulheres passaram a desempenhar, em larga escala, atividades habitualmente ocupadas por homens.

Após o findar da guerra, foram as mulheres remetidas  para as funções  que tradicionalmente exerciam antes da guerra. Resumindo, ao papel de mulher “dona-de-casa”.

Foram?!

Sabemos que não foi assim tão linear e que este aspeto foi um dos que determinou parte das transformações sociais e económicas no pós guerra.

As mulheres a trabalharem também e cada vez mais fora  de casa.

 

Susan Gray, Millie, Lucy, e Jean lideram o elenco desta mini série de apenas sete episódios, que findou precisamente ontem, dia nove de Agosto, 3ª feira.

 

Nestes sete episódios, envolveram-se na pesquisa e decifração de crimes cujos autores passavam relativamente despercebidos às autoridades competentes (?), que demonstravam, de certo modo, alguma ineficácia, conformismo, inércia, auto satisfação pelo pouco que conseguiam, um certo “deixa andar”, contentes pelos resultados que obtinham, ainda que estes fossem falsos e daí resultassem condenações de inocentes.

Valeu a ação das damas, sempre bem compostas e aprumadas, como senhoras que se prezam, mala de mão e sapato alto, como se em vulgar passeio. Mercê da sua perspicácia, eficiência, trabalho de pesquisa, análise e reflexão aturadas, conseguiram chegar às conclusões certas, encontrar os verdadeiros criminosos e assim libertar a sociedade das teias do mal. Encontrando elas próprias, também e assim, realização e preenchimento das suas vidas, para além de contribuírem para o almejar do bem comum.

 

No desenrolar da ação não se coibiam de agir e confrontar diretamente o inimigo, expondo-se e colocando as suas próprias vidas em risco, o que por várias vezes sucedeu, valendo o seu trabalho de equipa e uma certa e proverbial intuição feminina, que lhes permitiu, digamos, farejar o perigo e ajudarem-se mutuamente, quando algo de anormal e perigoso ocorria.

Apesar da sua condição de mulheres, de senhoras, de damas recatadas e do lar, também sabiam usar a pistola e, quando foi necessário e imprescindível, atiraram a matar e, deste modo, enviaram o serial killer para as profundezas do demo.

 

Também o cientista e psicopata, maníaco das experiências químicas em seres humanos, foi apanhado em flagrante delito, este com a ajuda da polícia.

 

Igualmente apanhada foi a dama cínica e cruel, dirigente duma rede de contrabando de perfumes, cigarros estrangeiros e meias de nylon e de tráfico de raparigas dos Países de Leste, cujos pais, inocentemente, lhe pagavam para ela, supostamente, as libertar da designada “Cortina de Ferro”.

Mal sabendo que a criminosa as vendia para redes de prostituição em hotéis de luxo no Reino Unido.

Todo este enredo passava ao lado das autoridades e com a conivência de um alto dirigente da própria Scotland Yard.

Não fora a intervenção das senhoras detetives e a maléfica ainda andaria nessa ação nefasta.

 

Aliás ainda anda por aí muita gente dessa laia, negociando outros produtos muito mais prejudiciais à comunidade e traficando igualmente mulheres e crianças.

Outras detetives haverá por aí, certamente!  

Esperemos que sim!

 

Foi uma série que se visualizou com muito agrado. Pena já ter terminado!

 

Mas, e então foi tudo assim tão linear e simplista? poderá perguntar-me.

(...)

 

*******

 

Com difícil fim à vista estão os incêndios que lavram no País.

Depois do que ocorreu no “Andanças”... e, a propósito, já se descortinou o que esteve na base de tal ocorrência?!

 

Muitos “negócios” estão por detrás de tantos incêndios!

Aí está um campo de análise que seria urgente investigar com isenção.

 

E será necessária tanta e tão exagerada divulgação?!

 

Antes visualizar uma boa série.

 

*******

 

Bletchley Circle II in. pbs.org. jpg

 

Ainda, no referente a esta supracitada, convirá mencionar que, nos últimos episódios, a personagem Susan saiu de cena, que a atriz que a encarnou precisou de corporizar outros desempenhos.

Na ficção, criaram-lhe uma despedida, que ela se afastaria para seguir as pisadas do marido que precisava de sair de Londres, para um novo e mais vantajoso desempenho profissional.

E ela, Susan, como boa esposa e mãe, acompanhou -o.

Na série e para continuarem em quarteto, integraram a personagem que fora vítima inocente na segunda investigação, continuando com uma equipa em quadrado. Fizeram a quadratura de "Circle"!

 

E ao quadrado. Que a respetiva análise valia por equipas muito mais vastas numericamente e só com a respetiva ajuda a polícia chegava à descoberta dos crimes.

 

Bem, e por aqui nos fiquemos!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:17

Perplexidades! "À mulher de César..." Danças...

por Francisco Carita Mata, em 05.08.16

Mas esta gente não se enxerga?!

Danças e Contradanças…

 

Alagoa Algarve Julho 2016 Foto original DAPL.jpg

 

Anda o pessoal ainda a molhar os pés nas águas cálidas dos Algarves e somos surpreendidos por estas notícias sobre o IMI.

 

Então agora, tranquilamente nas nossas casas, nem podemos olhar a ver se descortinamos o mar e o sol e, pelo que lemos, hipoteticamente iremos pagar mais de imposto?!

Mas esta gente não tem mais com que enxergar para nos sacar ainda mais de alcavalas?

 

Muitas mais questões se nos levantam.

A situação é realmente assim como nos é apresentada ou é mais uma em que os media nos pretendem atirar areia para os olhos como, tantas vezes, é seu apanágio?

 

E sendo realmente assim, como será de futuro?...

Será melhor escolher sítios entaipados, esconsos e escuros, becos e travessas, para moradia?

 

E, debochando…

E quem tiver, da sua janela ou da respetiva varanda, umas vistas tipo estrelas de cinema glamorosas também irá pagar mais de IMI?

 

*******

Não satisfeitos... E ainda mal desligámos o televisor sobre o Euro de futebol e cai-nos mais uma bojarda. Ainda se fosse um golaço do Éder!

Mas não!

 

Então, mas esta gente não se enxerga?!

 

Não sabem que “à mulher de César não basta ser séria, há que parecê-lo”?!

 

Mas isto mudam as cores dos governantes, mas o resto prossegue na mesma?!

 

E este merece ou não o "destino" do das bofetadas virtuais?

 

E estes?!

 

*******

E dir-me-ão…

Mas que é tudo isso comparativamente com o que se passou no ”Andanças”?!

(…)

E os seguros vão cobrir todos os prejuízos?!

(...)   (...)

Ou haverão danças e contradanças?

 

Indispensável será saber-se o que despoletou tal acontecimento.

Para prevenir em outras ocorrências futuras.

 

E, felizmente, não houve desastres pessoais!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:47


Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog