Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Lei e Corrupção" - "Line of Duty"

por Francisco Carita Mata, em 20.06.17

Série Britânica

RTP2 

Line of duty in. amazon.co.uk.jpg

 

Já que hoje recomecei a escrever, de forma limitada, é certo, que o calor imenso torna qualquer tarefa insuportável… nada como retornar, escrevendo sobre a série atualmente em exibição na RTP2. (Séries!)

 

Line of Duty”, “Cumprimento do Dever”, série britânica, intitulada “Lei e Corrupção”.

 

Bem, não vou propriamente perorar muito sobre o respetivo conteúdo.

Reporto para alguns sites.

https://www.rtp.pt/programa/tv/

https://www.rtp.pt/programa/tv

 

A ação decorre essencialmente em Londres, megalópole multicultural.

Personagens carismáticos/as, enredo de desenrolar e desfechos imprevisíveis, já vai na terceira temporada. Julgo que serão quatro temporadas, cada uma de poucos episódios. Cinco?

 

Cada temporada centra-se na “busca” / “procura” / “perseguição”, de um suposto policial corrupto. Ação desenvolvida por uma equipa integrada numa Brigada Anti Corrupção.

 

Cada personagem, per si, tanto entre os “perseguidos” como entre os “perseguidores” é um verdadeiro “tratado”, em que a linha que separa o “cumprimento do dever” da transgressão é por demais difusa, quando não total e completamente ultrapassada!

 

Caso para parafrasear o célebre chavão: “Com policiais assim, para que nos serve haver criminosos?!”

 

Veja a série, S. F. F.!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:17

Incêndios…

por Francisco Carita Mata, em 20.06.17

PREVENÇÃO!

 

Há assuntos sobre os quais desejaria, de todo, não mais falar. Todavia e apesar de já ter abordado estas temáticas no blogue, ainda me vejo na contingência de escrever sobre o mesmo.

 

Antes de mais, manifestar a minha solidariedade e as minhas condolências.

 

Houve, neste caso, um conjunto de situações externas e incontroláveis, que, segundo os especialistas, terão provocado tão terrível catástrofe.

Temperaturas elevadíssimas, e ainda estávamos na Primavera; ventos quase ciclónicos e trovoadas secas. (Alterações climáticas?)

Circunstâncias incontroláveis, à escala humana.

Mas o rastilho estava lá.

 

Preste atenção, caro(a) leitor(a) nas fotografias seguintes.

In. JSF  Global Imagens. jpg

 

 

A floresta, além de ser de monocultura, ademais de pinheiro bravo, presumo, está praticamente dentro da estrada.

Nestes casos, as árvores não deveriam estar a, pelo menos, dez metros das bermas da estrada?!

Seria o mínimo a ser exigido.

In. BBCQkQQ.jpg

 

 

Além da floresta estar, a bem dizer, na estrada, também está completamente dentro das povoações.

Uma distância mínima das habitações, de cem a cento e cinquenta metros, de árvores altamente combustíveis, como são os pinheiros e os eucaliptos, é uma regra imprescindível de ser cumprida.

 

Nem falo dos matos e pastos secos que circundariam essas estradas e povoações devastadas.

 

E estas situações repetem-se por dezenas, centenas, milhares de povoações deste País, cada vez mais à beira mar plantado, mas que é urgente replantar no interior.

Prioritariamente, replantando outros tipos e modos florestais e outras maneiras de agir perante os campos.

 

Que esta tragédia, mais uma das que este País, periodicamente, se vê mergulhado, sirva para alertar todos, mas Todos, para a urgente necessidade de medidas preventivas, neste contexto, como noutros domínios.

 

Reporto para o que já escrevi anteriormente.

Prevenção! Prevenção!

 

E finalizo, reiterando a minha solidariedade e expressão de condolências!

 

Grato às Fontes das Imagens:

Fotografias in. JSF / Global Imagens.

BBCQkQQ

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:44

Fernando Pessoa - “Mensagem”

por Francisco Carita Mata, em 10.06.17

 

Prólogo

 

No blogue, já divulguei alguns dos Poetas e Poetisas consagrados/as que mais aprecio.

Já aqui apresentei abordagens sobre José Régio, Florbela Espanca, António Gedeão, Ary dos Santos, Luís Vaz de Camões, …

Hoje, “Dia de Portugal e de Camões”, divulgo Fernando Pessoa (1888 - 1935) e o início de “Mensagem”.

Post nº 535!

(…) (...)

 

*******

 

“Primeira Parte

Brasão

 

Os Campos

 

Primeiro

 

O Dos Castelos

8 – 12 – 1928”

 

*******

enciclopedia_sopena_1928_europa in. pasado en letras.com

 

«A Europa jaz, posta nos cotovelos:

De Oriente a Ocidente jaz, fitando,

E toldam-lhe românticos cabelos

Olhos gregos, lembrando.

 

O cotovelo esquerdo é recuado;

O direito é em ângulo disposto.

Aquele diz Itália onde é pousado;

Este diz Inglaterra onde, afastado,

A mão sustenta, em que se apoia o rosto.

 

Fita, com olhar esfíngico e fatal,

O Ocidente, futuro do passado.

 

O rosto com que fita é Portugal.»

 

 

In. “MENSAGEM - “Estante Editora” – 5ª edição - Aveiro – Agosto 2010.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:43

Central Nuclear de Almaraz, ainda!

por Francisco Carita Mata, em 09.06.17

Questões Pertinentes – Pergunta Impertinente?

Almaraz in. rr.sapo.pt.jpg

 

Já há algum tempo que os meios de comunicação divulgam informações sobre a citada Central Nuclear de Almaraz, dadas as problemáticas inerentes ao eventual prolongamento do seu funcionamento.

 

Também já aqui abordei o assunto no blogue.

 

Mas porque será que neste tema, e especialmente da parte das entidades responsáveis, o que acho é que têm passado o tempo a “atirar-nos areia para os olhos”?!

 sapo.pt/nao_inquietemos_as_pessoas_sobre_almaraz

*******

Relativamente aos "defensores" do nuclear, cito as palavras sábias da "primatóloga" Jane Goodall:

"Não herdámos o planeta dos nossos pais, pedimo-lo emprestado aos nossos filhos, mas o que está a acontecer é que estamos a roubá-lo aos nossos descendentes. (...)"

 

(...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:01

“E as Crianças, Senhor!”

por Francisco Carita Mata, em 08.06.17

Poesia de João de Deus Rodrigues

 

Fotografia original DAPL 2016. jpg

 

 

Prólogo

 

Antes de mais, constatar o óbvio.

Há quase um mês que não publicava no blogue. Retorno, agora!

 

Este é o meu primeiro post do mês de Junho. E como Junho se inicia com o “Dia da Criança” e porque todos os dias são “Dias de Criança”…

E porque a Poesia é uma das razões de ser deste blogue…

E porque é sempre imperioso e urgente lembrar a Poesia...

 

Reinicio a publicação no blogue com uma Poesia dedicada às Crianças.

 

Da Autoria de João de Deus Rodrigues, in Livro “O acordar das emoções” – Tartaruga Editora e in bloguePoetamos”.

 

 

 

«E as Crianças, Senhor!

 

 

Homens parem de gritar,

E ouçam o silêncio do vento.

E meditem nos segredos do mar,

E na imensidão do firmamento.

 

E contemplem, também,

A coisa mais preciosa que o mundo tem:

Uma criança.

 

Reparem na candura do sorriso dela, a brincar

No colo de sua mãe, no aconchego do doce lar.

 

Longe,

Bem longe, do alcance de déspotas avarentos,

Que passam momentos

A jurar que só querem o bem,

De todas as crianças que o mundo tem.

Porque elas, lindas e queridas,

São anjos inocentes, o melhor das suas vidas.

 

Mas, isso, é só ruído.

Palavras dolentes, sem sentido,

Dos que não querem ver

Tanta criança a sofrer,

Por esse mundo além,

Abraçadas ao peito da sua mãe,

Chupando peles gretadas,

Que a sede e a fome ressequiram,

E jazem sentadas, junto do seu amado Ser,

De olhos enxutos, sem lágrimas para verter.

 

Ó desumanidade!

Ó crueldade!

Ó Senhor meu Deus,

Dizei-me por favor,

Porque há tanta criança abandonada,

A perecer com sede e com fome,

Torturadas pela dor,

Com a complacência de parte da humanidade?

 

Enquanto ao som de trombetas,

Em salões forrados de veludo,

Há criaturas que fazem juras, e tudo,

Dizendo que só querem o bem

De todas as crianças,

Porque elas são o melhor que o mundo tem.

 

Ó desfaçatez!

Ó Ingratidão!

Porque não calam elas a sua usura,

E refreiam a sua ambição?

 

E não pensam, por uma vez, 

Que as migalhas que sobram da sua mesa,

E o escorrer das suas taças de cristal,

Bastavam para não morrerem,

Com fome, com sede e com mal,

Tantas crianças que juram amar.

 

Sim, ó vós?

Que em verdade sabeis,

Que elas estão a padecer.

Enquanto assobiais,

Julgando-vos imortais.

 

Que mundo cruel,

O vosso, com tão amargo fel!

 

Guardai as vossas lágrimas,

De serpente rastejante.

Guardai os vossos lamentos e ais,

Mas não venham dizer, de ora avante,

Ou jamais,

Que não sabeis, de verdade,

Dessas crianças com tanta necessidade.

 

Ou será que o fazeis,

Para melhor adormecerdes

Sobre o peso da vossa consciência!

Que julgais ser leve,

E pesa mais que o bronze.

Enquanto, não longe,

Se fina, num contínuo permanente,

Tanta criança inocente.

 

Não. Não venham com a falsa bondade,

Nem com a vossa sacra fé.

Porque isso mais não é

Que a negação da caridade.

 

O que me leva a acreditar,

Que nem os dóceis vermes da terra

Hão de querer tragar,

Os vossos corpos fedorentos.

E as moscas, e as formigas,

E até os ratos, seguirão tais intentos.

 

 Ide para os Infernos,

Criaturas com tais sentimentos.

 

Ah!, se eu pudesse lançar um raio

Aos vossos corações de besouro,

Que vos afogasse nos palácios de ouro,

Erguidos sobre o sofrimento de tanto inocente,

Eu o faria, num repente!

 

Sumam-se!

Porque até o doce mar profundo

Não vos há de querer sepultar.

Nem as flores silvestres,

Emprestar o seu perfume.

 

Evaporem-se,

Corja de malfeitores.

Para que haja um mundo melhor,

Mais generoso e fraterno,

No amor e na esperança,

Com o sorriso de uma criança!

 

Mas não vos esqueçais,

Que partis sem o perdão dos que cá ficam.

E sem a misericórdia e contemplação,

Dessas crianças que estão no Céu,

Enviadas pela vossa mão.»

 

      In Livro “O acordar das emoções” – Tartaruga Editora

In bloguePoetamos”.

 

***

 

(Fotografia original de D.A.P.L. – 2016.)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:57


Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog