Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Exposição Coletiva de Artes Plásticas do CNAP (I) - Câmara Municipal de Lisboa

por Francisco Carita Mata, em 27.07.17

Papoilas. Foto original DAPL 2017.jpg

 

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Um dos objetivos do C. N. A. P. – Círculo Nacional D’Arte e Poesia é, para além da divulgação e promoção da Poesia, também dar a conhecer, divulgar, promover e valorizar as Artes Plásticas e os seus Autores.

 

Nesse sentido e com esses propósitos, tem esta Instituição organizado, ao longo deste mais de quarto de século da sua existência, múltiplas e variadas exposições de Artistas seus associados, dando-lhes oportunidade de mostrarem as suas Obras.

 

Deste modo, aqui no blogue, informamos da futura realização de uma Exposição Coletiva, desta vez na Câmara Municipal de Lisboa, no Edifício Central do Município – Centro de Documentação - Campo Grande Nº 25.

 

Nela vão participar:

 

Catarina Malanho Semedo

 

Elmanu

 

Fernanda de Carvalho

 

Josefina Almeida

 

Olímpia Campos

 

Rita Parada dos Reis

 

Teresa Afonso / M. Teresa.

 

A inauguração será dia 1 de Agosto, pelas 17h. E decorrerá até 21 de Agosto - 18h.

(Dias úteis; 8h – 20h.)

 

(Nota Final: Resolvi ilustrar este post com uma foto original DAPL, 2017, com imagem de papoilas. Tema muitas vezes trabalhado nas Artes Plásticas.)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:50

Figos da Índia: Preparação para degustar!

por Francisco Carita Mata, em 22.07.17

Fruto exótico,de alto valor nutritivo!

 

Está-se aproximando a altura da colheita dos figos da Índia.

Há alguma dificuldade na respetiva preparação para serem comidos, pois estão sempre bem protegidos pelos celebérrimos picos, que, mal se vendo, teimam sempre em agarrar-nos, se nos descuidamos ao colher os frutos. Quando está calor, até saltam! Pelo que devem sempre ser colhidos, bem cedo, pela fresquinha, com luvas e munidos de faca ou tenaz para serem tirados para um balde, alguidar ou outro recipiente.

Cuidado, no colher, bem como na preparação para saborear!

Tocar neles, diretamente, o menos possível! (Embora, na net, tenha visto a serem colhidos diretamente, com boas luvas. Também me parece que há variedades de plantas menos espinhosas que outras…)

Hoje, vê-se com alguma frequência a respetiva venda ao público, nas mais diversas superfícies comerciais. São previamente muito bem lavados em água corrente, para que os picos caiam. Ou outro tratamento que desconheço.

Antigamente, ouvi contar, que os chamuscavam sobre o lume, de modo a queimar os picos.

Figos Índia Original DAPL 2016.jpg

 

Bom, mas estes que vos apresento, não foram nem lavados nem chamuscados, por isso necessitam de cuidados na preparação para serem degustados.

São um fruto muito saboroso, além de nutritivo e vitamínico.

 

Aqui temos um belo prato de frutos já preparados.

 

Figos descascados Original DAPL 2016.jpg

 

Mas como chegámos até este ponto?!

 

Eis os passos que vos apresento.

Na imagem seguinte observamos frutos aptos para serem comidos, paralelamente a outros ainda não descascados.

 

Figos: comparação. Original DAPL 2016.jpg

 

Indispensável: Uma faca para cortar as cascas e um garfo para apoio.

 

Figos:Preparação para corte. Original DAPL 2016.jpg

 

Início dos cortes laterais da casca.

Figo: 1º corte. Original DAPL. 2016.jpg

 

2º corte lateral da casca.

Figos: 2º corte lateral. Original DAPL 2016.jpg

Cortes laterais da casca concluídos

Figos: Cortes laterais concluídos. Original DAPL 2016.jpg

 

Início do corte longitudinal para, posteriormente, se poder abrir a casca.

Figos: Corte longitudinal. Original DAPL 2016.jpg

 

Abertura / separação da casca da respetiva polpa do fruto.

Figo: separação da casca. Original DAPL. 2016.jpg

Figo: Separação casca. Original DAPL. 2016.jpg

 

Conclusão do descasque.

Figo: Conclusão descasque. Original DAPL. 2016.jpg

 

Figo da Índia aberto e separada da casca, a parte comestível.

Figo descascado. Original DAPL. 2016.jpg

 

A polpa comestível do fruto, pronta a ser saboreada.

 

Figo descascado. Original DAPL. 2016.jpg

 

Figos totalmente descascados

Prontos a serem degustados, saboreados.

 

Prato de figos. Original DAPL 2016 .jpg

 

Sirva-se!

Obrigado, às Mãos habilidosas que executaram o trabalho e à fotógrafa, que registou os vários passos.

 

*******

 

E o que fazemos às cascas?!

Casca Figo. Original DAPL. 2016.jpg

 

Vão para a compostagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45

Versos semeados nas paredes (I): Fotografias

por Francisco Carita Mata, em 19.07.17

"Poesia na Rua"!

Lisboa – Olivais Velho – Calçadinha dos Olivais

 

Original FMCL. 20170414. jpg

 

Chegou, hoje, a oportunidade de divulgar as fotografias relativas ao graffiti "achado" nos Olivais Velho.

De quem será a autoria?!

(...)

Original FMCL. 20170414.jpg

 

 Consulte também o poema. SFF!

 

Original FMCL. 20170414.jpg

 

 Olivais Velho fica bem perto da sede da APP, que recentemente festejou o seu 32º Aniversário.

 

Original DAPL. 20170403. jpg

Viva a Poesia!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00

Trovoada seca? Mão criminosa? Descarga elétrica? (…)

por Francisco Carita Mata, em 17.07.17

E sobre os fogos florestais… Ainda!

E a Prevenção?!

 

Prólogo:

Este texto foi escrito bem no início de Julho e era para ter sido publicado logo, logo.

Não foi. É agora!

Infelizmente, mantem, ainda, demasiada atualidade.

Entretanto têm acontecido outras ocorrências mediáticas.

As “redes” sociais têm “ardido”, por acontecimentos, opiniões, mundivisões, atos e ações de maior ou menor relevância…

Não me vou debruçar sobre essas temáticas.

Volto a um tema quente, infelizmente, por demais.

 

Foto original DAPL 20170630 .jpg

 

Desenvolvimento:

Só este mês, Julho, se iniciou o período crítico respeitante aos fogos florestais. Paradoxalmente, todos nós sabemos o que aconteceu ainda na Primavera!

E sobre esse fogo, tanto se atenta na respetiva causa imediata.

Inicialmente, fora a trovoada seca, associada a altíssimas temperaturas, ventos ciclónicos e reduzida humidade no ar…

Posteriormente, falou-se em mão criminosa…

Também se falou em descarga elétrica de postos de alta tensão…

Todas causas imediatas possíveis.

Não sei se entretanto surgiu mais alguma explicação…

 

Mas a causa remota estava lá! E continua a permanecer por quase todo o nosso País. É só olhar com olhos de ver para o que nos rodeia.

Há que prevenir o que ainda pode vir a acontecer. Que os meses mais perigosos ainda estão para vir!

As limpezas de terrenos junto às povoações, os aceires, o corte das ervas e matos nas bermas das estradas, deveria ser uma das prioridades.

Sem os trabalhos e cuidados de limpezas, sem as ações preventivas, bem pode chover dinheiro!

Ter aproveitado o tempo mais fresco que ocorreu no final de Junho, para essas atividades. São Pedro deu uma ajuda. Choveu e esteve bastante fresco na véspera do Santo!

Agora, em Julho também têm vindo alguns dias propícios. Principalmente nas manhãs, bem cedinho. Alternados com outros, impossíveis, de calor!

Também tem chovido. (Pouco, pouco!) E as chuvas após os incêndios…

 

Fotografia original DAPL 20170630.jpg

 

Mas voltando às limpezas…

Quem fizer uma viagem pelo Interior do País constatará que a atitude dos diferentes poderes concelhios difere de uns para outros.

Verificará que se alguns têm as bermas das estradas limpas, noutros nem por isso.

E neste aspeto, falta de limpeza, não há qualquer diferença por orientação partidária.

Envolve praticamente todas as orientações partidárias.

É um daqueles assuntos locais e nacionais em que todos se devem envolver. Não adianta alijar responsabilidades, nem atirá-las para cima do vizinho.

As “politiquices”, nomeadamente face aos fogos, não fazem qualquer sentido! (Nem relativamente a outro qualquer assunto, frise-se!)

 

Agora só se fala em milhões e milhões.

Mas ouso questionar.

Se há tanto dinheiro, à posteriori, porque não terá havido para os trabalhos prévios?!

 

Se há tanta solidariedade, de tanto lado, de tanta gente, e ainda bem que há, porque não se envolvem os cidadãos em ações de prevenção, das mais diversas maneiras?!

(Já aqui abordei estes assuntos de cidadania em vários posts!)

 

E toda essa massa irá ter aos destinos certos?!

E irá ser usada da forma mais correta?!

Tanta desgraça se evitaria se houvesse uma verdadeira prevenção em que todos participassem!

Bem se pode, agora, falar e falar, perorar e perorar, tanta solução futura, tantas opiniões mágicas para daqui a anos, mas não havendo cuidados continuados e anuais…

Bem se pode falar em acabar ou reduzir as florestas de monocultura de espécies combustíveis (pinheiros e eucaliptos), que é imperioso executar; em reflorestar com espécies autóctones (carvalhais perenes e de folha caduca), indispensáveis, mas não havendo prevenção anual e atempada, de nada valerá tanta peroração!

(Tanta conversa é apenas “trovoada seca”!)

 

E é só nos campos?! Não!

Repare na sua Cidade!

Na minha Cidade, olho a serra a norte da Unidade de Saúde Distrital… e o mato que vejo!

Deus nos livre, de trovoadas secas! De mão criminosa ou descuidada! De uma beata de cigarro mal lançada… De descargas elétricas de alta tensão! Das altas temperaturas que continuarão. Que o Verão ainda mal começou!

E no perímetro urbano da Grande Cidade, em Lisboa, como é?!

 

Agora anda toda a gente nos festivais… Tanto festivaleiro para aqui, tanto festival para ali.

E tanto “cuidado” que há! Só se lembram quando há “Andanças”!

E como ficam os recintos após a festivalada?

Toneladas de lixo!!!

O papel e a responsabilidade dos cidadãos é inquestionável. Há que mudar hábitos, atitudes e comportamentos.

(http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/um-pais-a-arder-pelas-raizes)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:38

“… Témoins” – “As Testemunhas” – Série Policial Francesa – RTP2

por Francisco Carita Mata, em 04.07.17

Temporada 2 – Episódio 1

 

(2ª Feira – 3 de Julho de 2017)

 

Témoins 2 in. alllocine.fr.jpg

 

A RTP2 iniciou uma nova série, após terminar “Lei e Corrupção”.

 

As Testemunhas”, série francesa, agora numa 2ª temporada.

Reporto para o que escrevi sobre a primeira temporada, transmitida em 2016. E para dois sites franceses sobre o assunto.

https://fr.wikipedia.org

 https://www.google.pt/

A protagonista, a policial investigadora e detetive, Sandra Winckler.

Jovem profissional, divorciada, mãe de duas filhas, que tem à sua guarda, mas como difícil é conciliar profissão altamente exigente e absorvente e vida pessoal, em especial o exercício da maternidade…

 

Neste primeiro episódio, o surgimento de mais um crime macabro, com raios de surreal.

 

Num autocarro, estacionado numa estrada sem movimento, numa região quase deserta, encontravam-se quinze corpos de homens, congelados, sentados nos bancos, devidamente enfarpelados de fatos domingueiros, penteados, de rosa na abotoadeira, com ar festivo, como se aguardassem o início de uma viagem celebrativa e libertadora no Além…

 

Iniciadas as devidas investigações por toda uma equipa de vários técnicos especializados, de diferentes domínios, em diversos contextos, rapidamente (!) se cruzam as linhas investigadoras e se entroncam num ponto comum.

Todos eles haviam desaparecido, há pelo menos três anos e todos tinham em comum o conhecimento de uma mulher, fotógrafa de profissão, Catherine Keemer, também ela sem dar sinais de vida no mesmo espaço temporal. Que apenas dissera "adieu" ao marido e às filhas, acenando um adeus e até já e nunca mais ninguém lhe pusera a vista em cima…

 

Subitamente e nem a propósito, reaparece, perdida, amnésica, numa rua movimentada da cidade, não sei bem qual, saída de um carro, atarantada, perguntando: “Onde está ele? Onde está ele? …”

 

Perante a evidência dos factos, além de internada no hospital, também é presa…

 

(Cabe aqui um parêntesis.

Porque quem protagoniza esta personagem é nem mais nem menos que a talentosa atriz Audrey Fleurot, a célebre Josephine de “Um Crime, Um Castigo” e a celebérrima Hortense, de “Uma Aldeia Francesa”!

Promete esta 2ª temporada.)

 

Prosseguindo nas investigações…

Sandra Winckler descobriu a relação de semelhança deste crime com outro acontecido cinco anos antes.

Também um autocarro fantasma, onde fora encontrado também um corpo de homem congelado, também uma mulher envolvida, que à data, também fora recentemente mãe.

 

Ah, sim! Falta, entre muitas outras coisas que omito, dizer que, relativamente a Catherine Keemer, os médicos, nas observações que lhe fizeram, detetaram que ela fora recentemente mãe, há cerca de seis meses.

 

E este facto parece ser o elo que irá permitir à personagem ir recuperando a memória. (E à atriz compor o seu papel, que é sempre notável o desempenho de Audrey Fleurot.)

 

No final do episódio, enquanto Catherine, fugindo da enfermaria em que estava internada e prisioneira, se quedava extasiada a olhar os bebés na maternidade do hospital; Sandra investigava o autocarro fantasma de há cinco anos, abandonado num sucateiro de automóveis velhos.

 

Subitamente, como que por magia, ou descuido da investigadora que não apagara o cigarro (?), o dito autocarro fantasma incendiou-se…

 

(imagem. in. allocine.fr)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:09


Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog