Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“50 anos de Cantigas – 25 anos de Livros” - Almada

por Francisco Carita Mata, em 19.12.16

“Teatro Municipal Joaquim Benite” - Almada

17 de Dezembro de 2016

Homenagem a “Nuno Gomes dos Santos

 

50 anos de cantigas, 25 anos de livros in. rostos.pt/

 

“Vemos, Ouvimos e Lemos… Não podemos ignorar.”

Não previra escrever sobre este evento, mas parafraseando a letra da canção…

Falar de Almada é falar de Arte, Cinema, Desporto, Poesia, Cante, Atividades Recreativas, Artesanato…, ou seja, de Cultura, nas suas mais variadas vertentes.

 

Neste fim-de-semana, ocorreram diversas atividades pelas várias freguesias.

Só no centro da Cidade, aconteceram, que eu tivesse tido conhecimento: o “Mercado de Natal Amigo da Terra”, imperdível; o “7º Ciclo de Cinema Católico”, a que só assisti ao filme “A Lenda do Santo Bebedor”, de Ermanno Olmi, filme que eu subintitularia “Os Milagres da Santa”. Curioso que os filmes programados, neste ano, incidam mais na vertente especificamente católica!

E a Homenagem a “Nuno Gomes dos Santos: 50 anos de Cantigas – 25 anos de Livros”.

Este último evento ocorreu no Teatro Municipal Joaquim Benite, a 17 de Dezembro, sábado, pelas 17h., tendo terminado quase às 21 horas.

 

É sobre este extraordinário espetáculo que vos quero falar, nesta minha crónica.

Foi excepcional. E aqui, volto ao Normativo de escrita antes do famigerado “Acordo” de 1990, porque embora o tente aplicar, tente, há palavras que ficam muito melhor com as consoantes mudas e este evento foi mesmo excepcional, repito! E, atualmente, na prática, praticamente não há "acordo" nenhum, que cada um escreve como quer. Lembra-me as queixas de Almeida Garrett!

 

Nele participaram muitos Artistas de diferentes matizes, mas com um tronco comum, ligados à Música e ao dom da Palavra, na sua expressão musical e poética.

 

Para iniciar remeto-vos para um link com a canção “Pedra Filosofal”, Poema de António Gedeão, cantado por Manuel Freire, que esteve presente nesta homenagem.

 

Espetáculo apresentado predominantemente por Helena Isabel, Cândido Mota e Alberto Albuquerque, que desconhecia e que também disse Poesia, em que se destacou “Cântico Negro”, o celebérrimo Poema de José Régio, imortalizado por João Villaret e dito por muitos outros reputados Artistas.

Cândido Mota, com a sua voz inconfundível, apresentou-se em palco muito descontraidamente, aliás, como todos os participantes e foi sempre dizendo os seus oportunos apartes.

Helena Isabel foi a simpatia em pessoa, sempre cativante na sua dicção, e aqui cabe um aparte meu.

 

Neste evento tive a oportunidade de rever Artistas, alguns que não veria há dezenas de anos. De alguns deles, lembrava-me da sua “aparição” no saudoso “ZIP ZIP”, alguém ainda se recorda disso?! Dos Festivais da Canção, de finais de sessenta e princípios de setenta. E dos espetáculos de “Canto Livre”.

Falo-vos para além do Homenageado, Nuno Gomes dos Santos e do Grupo Intróito, de Carlos Alberto Moniz, Carlos Mendes, Francisco Fanhais, Manuel Freire, Samuel.

Interessante, agora, revermos pessoas que conhecíamos de jovens e observá-los, atualmente, marcados pelo Tempo. Cabelos brancos, carecas, gordos, barrigas… Neles nos olhamos também a nós mesmos, em que Cronos também nos vem deixando as respetivas cicatrizes!

E o aparte surge, porque onde nos parece que o dito cujo, o Tempo, parece ter feito sentir menos mossa é nas Senhoras.

Que o diga Helena Isabel, que aparece sempre com a mesma jovialidade de quando foi candidata a Misse. Lembram-se em que ano?!

 

Mas voltando aos cantores, onde o tempo não fez estrago foi nas respetivas vozes. Com que agrado os ouvimos em tão lindas, marcantes e chamativas canções que nos marcaram a Juventude. Os que tiveram o privilégio de vivê-la nos “sixties e seventies”.

Cantaram e encantaram.

 

E, aqui, volto a novo aparte e ao link inicial.

Manuel Freire, quem não se lembra de quantas vezes nos deslumbrou com a sua musicalização do Poema de Gedeão?!

Pois este Grande Artista, apresentou-se em palco para homenagear Nuno Gomes dos Santos, mas não conseguiu cantar. Explicou-nos que tivera um problema de saúde recente, ainda estivera a tentar ensaiar, mas quanto mais forçava a voz, pior ficava.

Foi um momento muito comovente, sensibilizou-nos a todos, a Vida prega-nos partidas, nas curvas da estrada, quando menos esperamos. O público compreendeu, começou a entoar a canção, a Banda tocou a música… Foram uns minutos lindos, pena o público ser um pouco fracote musicalmente. Por mim falo.

 

E, já que entrámos na Banda, referir que o maestro e pianista é João Balula Cid e os elementos, Nana Sousa Dias, saxofonista e João Maló, Nelson Oliveira, guitarras; Félix Souza, bateria. (Não sei se os nomes estão exatos. Se não forem, o meu pedido de desculpas!)

E que maestria!

 

E de entre os cantores mais próximos da minha geração, embora todos mais velhos que eu, destaco o Alentejano, Francisco Naia, sempre com a sua voz portentosa, o seu sentido altruísta e sem nunca esquecer de homenagear o querido Alentejo!

Outro Alentejano presente foi o “dizedor”, declamador, “diseur”, (nunca sei muito bem qual o termo que hei de dizer), Manuel Branco, que nos disse um poema de caráter social e outro de cariz amoroso, como fez questão de nos explicar.

 

E quão grato foi ouvir “Juliana”, Francisco Naia; “Vemos, ouvimos e lemos…”, Francisco Fanhais; “Ruas da minha cidade…”, Carlos Mendes, também ao piano e interessante a apresentação de Cândido Mota de o músico ter deixado Arquitetura e enveredado pela Música. Lembrar-nos-emos, os mais velhos, dessa história vir contada numa “Flama” antiga, quando ele venceu o festival de 68…

Samuel, “viver em país libre…”

E Carlos Alberto Moniz, que cantou “Veio um pastor lá da serra”, que o autor lembrou ser a primeira canção com que se apresentou vindo dos Açores, no já referido “Zip – Zip”; “Morte que mataste Lira”, “E um dia fez-se Abril”.

 

E o Coro “Consonantes” ou “Consenso”, não chego a consenso sobre o nome, que no prospeto vem um e no evento nomearam outro. Lembraram Violeta Parra e cantaram outras modas, que não consegui apreender tudo

Dirigido por Luís Pedro Faro, também um ex – Intróito, um total de onze elementos.

 

E, de entre os mais novos, que já não pertencem à minha geração, estarão para aí nos trintas (?), quarentas (?), digo eu, destaco Filipa Pais, que já conhecia de nome, mas também nunca ouvira ao vivo, que me lembre. Também lembrou Violeta Parra, quem não lembra? Cantou em dueto com Samuel… encantador. E cantou uma morna, em crioulo, para além de ter apresentado a banda. Pena eu ouvir mal e não conhecer muito bem os instrumentos, isto é, distinguir as guitarras.

 

E houve ainda a atuação do guitarrista clássico, Silvestre Fonseca, que também não conhecia.

 

E também houve mensagens de nomes sonantes do meio artístico, que não puderam estar presentes: Nuno Nazareth Fernandes, Eládio Clímaco e Luísa Ortigoso, em gravações de novela, que lhe mandou: “… toma lá um beijo, num abraço apertado.” (Bem, a Dona Olga de “Beirais” não poderá apertar muito o homem, que ele está tão magro!... Já o tinha visto algumas vezes em Almada. Impressiona a magreza…)

 

E aconteceu um “happening” tão à moda dos sixties – seventies, orientado por Urbano Oliveira, percussionista e baterista, que, após nos terem distribuído uma folha de papel A4 e uma baquete, nos pôs todos a “produzir” música, homenageando o homenageado: Nuno! Nuno! Um verdadeiro acontecimento!

 

E, no início, houve outros Artistas mais novos que também participaram na homenagem, mas que na altura eu não contava escrever nada, só depois me entusiasmei e comecei a apontar. E, sendo de gerações seguintes à minha, acabo por não os conhecer, que pertencem a épocas em que me desinteressei pela música dita ligeira, mais ou menos a partir de finais de oitenta, princípios de anos noventa.

E haverá também as “raparigas” que compuseram o “Intróito”, mas que não fixei os nomes.

No cartaz publicitário figuram os seguintes nomes: Alexandre Ribeiro, Ana S. Silva, Isabel Pires, Leonor Carrilho, Paulo Brissos, Renato Silva, Vitor Paulo.

 

O conjunto “Tabus” acompanhou Nuno Gomes dos Santos que finalizou o espetáculo com várias atuações.

De “gaita-de-beiços”, (harmónica, é mais bonito!), homenageou Bob Dylan tocando e cantando “Mister Tambourine Man”. Ainda e também “Stand by me”, de Ben E. king (?)

Da banda “Tabus”, também músicos de há quarenta anos, agora novamente regressados às lides musicais: Carlos Zé, baixo; João António, guitarra (quê?, que as não distingo!); João Coradinho, teclas; e João Vieira, bateria. E também um jovem baixista, Renato, sobrinho do homenageado.

 

E, nestas andanças de gerações e família, também participou a neta, Violante Carrilho, em flauta transversal, que enquadrada entre tantas sumidades e gentes bem mais velhas e naquele ambiente de palco se enervou bastante. Todos foram muito compreensivos, músicos e público, que o ambiente era de festa e solidariedade.

E a filha de Nuno também esteve muito bem na apresentação de excertos do espetáculo.

 

E assim se reviram, reouviram e reviveram cinquenta anos de canções, que nos deixaram maravilhados!

 

E todos foram chamados ao palco e todos cantaram e ainda a finalizar houve nova intervenção do Coro cujo nome não cheguei a “Consenso”.

 

E a Câmara Municipal patrocinou. Que o objetivo era homenagear o Artista e entregar-lhe uma medalha, entregue por Presidente da Câmara, o que aconteceu quando eu cheguei ao espetáculo, que me atrasei meia hora, mas isso foi logo no início.

Que ao princípio do princípio eu não assisti, mas julgo ter sido uma apresentação retrospetiva, não sei em que suporte, talvez vídeo, não vi, pois atrasei-me. Mas vi o que pretendia, que era o espetáculo.

 

Parabéns e que conte mais uns tantos, não direi cinquenta, mas mais alguns e que possamos estar cá nós também para ver.

 

E perante tão bons Artistas, tão bons Apresentadores, tão bom Espetáculo, tão boas Canções… surpreende-me sempre a fraqueza dos atuais programas das “nossas” Televisões.

Ou não?! Como é possível tanta mediocridade atual promovida às horas de maior audiência?!

 

De TVs presentes, a televisão de Almada.

Porquê só esta TV?! Não seria, este, um programa que mereceria uma projeção nacional?! Porque não filmam outras TVs?! Porquê?!

Muitas questões me perpassam…

… ? …?

*******

Hoje, dia 17 de Janeiro de 2017, em que faleceu o Maestro João Balula Cid, anexo este link

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog