Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“A Herança” – Série Dinamarquesa – 2º Episódio

por Francisco Carita Mata, em 05.03.16

 “Arvingerne” / “The Legacy”

 “A Herança”

(Reposição na RTP2)

(4 de Março 2016)

 

Solar in. nordicstylemag.com

 

Um Velório encenado em Festa de Passagem de Ano!

Que Artistas são Artistas!

 

E uma Artista de vanguarda, como fora Veronika, só podia ter um velório transmutado numa Festa. De Final de Ano. Um “happening”, acontecimento bebendo nos anos sessenta, ou não fossem esses os tempos e modos que enformassem o “modus vivendi” e os conceitos artísticos de Veronika Gronnegaard!

 

Conceito muito bem aproveitado pela filha Gro, uma personagem que sente com a cabeça. Fria. E calculista! Mas também sempre bem acompanhada de bons vinhos!

 

Mas voltando ao 1º episódio, introito de toda a narrativa. Que atirou ela à matriarca que a fez ficar com tantos remorsos e chorar desalmadamente perante o cadáver da mãe, no hospital? (Afinal não é tão fria assim, como aliás já nos mostrou quando se agarra a Robert...)

 

Quando a mãe se ufanou do facto, isto é, de ser Mãe, de amar, ser amada, que lhe arremessou a filha?

 

Que ser mãe era esse, que um filho, Frederik, não queria nada com ela e não colocava os pés naquela casa, há anos... Outro, Emil, só lhe ligava quando precisava de dinheiro... E, ela própria, Gro, não era mais que a sua secretária. E uma outra filha não fazia sequer ideia de quem ela era... Pois, que ser mãe, seria aquele?!

(Não terá sido exatamente assim, nesta sequência, que as palavras azedas e ressabiadas foram proferidas, mas o conceito será este.)

 

E estas palavras definem os sentimentos dos quatro filhos sobre a Mãe, Veronika.

E vão mostrar-se nessa encenação de velório, simultaneamente festa de fim de ano, final de ciclo de vida e projetos de ano futuro: “Ano Novo, Vida Nova!”. Na congeminação da posse da herança: o Solar. E tudo o que contém, as Obras e as Memórias da Artista.

 

Frederik acha-se nos direitos sobre o Solar, que afinal era do pai e da sua família há dois séculos, sendo ele o filho mais velho e com direitos de opção de compra.

Emil o que quer é dinheiro líquido. Que a mãe lhe prometeu, para ele investir em mais um projeto de esturrar a massa, agora na Tailândia.

Gro quer transformar tudo aquilo numa Fundação, o que até seria o projeto mais adequado, não fossem também os seus interesses particulares a sobreporem-se, pois, dessa forma, teria o controlo total sobre tudo, podendo continuar a brilhar, administrando o legado da matriarca, no fundo, continuando a ser a sua secretária.

 

E Signe, Sunshine?!

Pois, Sunshine ainda está alheada de tudo, vagueando de fato de trabalho naquele ambiente sofisticado de intelectuais de fim de ano. Apanhando memórias da infância, vendo fotos suas de criança, com a ajuda de Thomas, talvez o único personagem que sentiu a morte de Veronica e não se move por interesses materiais naquele contexto. Também não é herdeiro, diga-se.

 

Sunshine, Signe, está ainda fora da realidade.

Mas há quem não esteja. E, o pai, John, já tratou de mostrar a um advogado o papel que Veronika lhe escreveu e assinou, declarando-a como herdeira do Solar. Que é válido, comentou com o namorado daquela, Andreas.

Testamento no leito de morte! A casa, avaliada em dez milhões, é de Signe.

 

E estão lançados os dados, afiadas as garras, lançadas as armas, para a disputa da herança, na “Herança”!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:59



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog