Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De Portalegre, para Timor.

por Francisco Carita Mata, em 05.11.14

De Portalegre

Para Timor

 

Timor, Timor

Palavra que rima com dor

Com guerra e opressão

Genocídio, humilhação.

Mas também quadra com Amor.

Timor, Timor. Tanto horror!

 

Setembro, oito, noventa e nove

Portugal pára, não se move

Solidário por Timor

Irmanado pelo Amor

Partilhando sua Dor

Gente, Terra Portuguesa

Capaz de grande lhaneza.

 

Três em ponto, pela tarde

Calor sufocante, que arde

Alentejo, Portalegre

Cidade, port’alegre

Mas triste meu coração

Olhos choram de emoção.

Pouco faço. Estendo a mão

Daqui, pensando em Dili.

 

À sombra de plátano secular

Simbólica árvore, tutelar

Ouço sirene a tocar.

Um convite a respeitar

Três minutos de silêncio.

 

De silêncio, por Timor

Terra que quadra com Dor

Pátria rimando com Amor

Nação valente, sem temor.

 

Em Portalegre, cidade

Com respeito e dignidade

Por Timor! Por Liberdade!

 

Notas:

Este poema está publicado na Antologia "Portalegre em Momentos de Poesia", coord. Deolinda Milhano; Edições Colibri, Lisboa, Setembro 2011.

Também está publicado em Boletim Cultural de C.N.A.P. - Círculo Nacional D'Arte e Poesia, Maio/2000.

E no Boletim da A. P. P. - Associação Portuguesa de Poetas, Nov. 1999.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:10



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog