Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“El Príncipe” – Episódio 12

por Francisco Carita Mata, em 10.09.16

Série Espanhola na RTP2

(5ª feira – 08/09/16)

 

“Líneas Paralelas / Linhas Paralelas”

 

Porque terão designado o episódio de “Linhas Paralelas”?!

Paralelas ou cruzadas?!

Paralelas, porque aparentemente há um conjunto de caminhos que estruturam a narrativa, que, à priori, não se encontrariam? Mas como tal designação, se, de facto, se estão sempre a cruzar?

 

Elenco Principe in. movmag.com

 

Talvez porque, neste episódio, duas investigações decorreram paralelamente, ainda que os respetivos personagens se estivessem sempre a entrecruzar.

 

Na esquadra, Fran, Morey e Quílez, este conquistando a sua “reabilitação” perante Fran, vão descobrindo que a toupeira infiltrada pelo AKRAB é Akim.

Este, sabendo-se descoberto, recolhe os seus pertences, rouba um cartão memória com os nomes dos financiadores da organização terrorista, dá uma desculpa esfarrapada e ausenta-se, tentando fugir para Marrocos.

Surpresa, perplexidade dos agentes da esquadra que se recusam a acreditar em tal hipótese.

Mas factos são factos e não há como ignorar.

Reconstituindo alguns momentos marcantes: o corpo encontrado de cara irreconhecível, que atiraram ao mar como se fora Abdu; a pistola na posse de Farek; o x-ato com que um presidiário quase matou Harim na cela…

Em todas estas situações estava a mão de Akim.

E, inegável, a foto da reunião da célula terrorista, em que o agente, mouro, que bebia cerveja e comia carne de porco, era por demais reconhecível.

Mati, como referíramos anteriormente, fora a primeira a visualizar esse documento e, por esse motivo, o respetivo vídeo desaparecera.

Se a alguém custava acreditar era à jovem Mati, que, com ele dormira, que o amava, que iriam festejar o aniversário, receberia umas cuequinhas novas e muito sexies e pernoitariam num hotel Osíris! Nem mais.

Recusava-se a crer, que o amor é cego!

 

Paralelamente a esta investigação, decorria outra, incidindo sobre Faruq, narcotraficante do bairro, respeitante à morte de um dos seus capangas, “ o Polaco”, que o tentara assassinar, mas que fora morto pelo mais velho dos Ben Barek, na presença da irmã Fátima.

Que, na família, ninguém ignorava os serviços prestados pelo filho mais velho e de onde provinha o respetivo sustento e suporte financeiro!

 

E são estes mundos e submundos, aparentemente paralelos, que estão sistematicamente a cruzar-se: no bairro e na esquadra.

 

O próprio terrorismo jhiadista se financiava no mundo da droga. E ambos os submundos que, hipoteticamente paralelos, nunca se encontrariam, se cruzavam e interligavam.

E, na esquadra, que supostamente os combateria, ambos se acotovelavam nas secretárias, nos gabinetes, nos telemóveis e computadores. E nos personagens!

 

Também os caminhos romanescos de Fátima e Javier seguiriam, à partida, linhas paralelas que nunca se encontrariam, mas, contrariamente a todas as possibilidades, estão permanentemente a encontrar-se e se encaminham para um prosseguimento comum.

 

E foi também graças a esse romance que Faruq foi libertado, pese embora este não o reconheça nem o possa admitir no seu orgulho de macho, que o polícia “betinho”, Nabil, vindo da Península, tentou ferir e humilhar.

Mas sem a intervenção de Fátima, a providência de Morey, a falcatrua do CNI, a decisão e esperteza de Fran, ele, Faruq, iria ao Juiz e provavelmente faria umas férias à sombra, na cadeia.

Mas são estes os esquemas de “El Príncipe”!

Segundo Morey, e para não suscetibilizar o príncipe da droga, a sua libertação devia-se a que a respetiva colaboração era indispensável para capturar Akim!

 

Mas que nem necessária foi.

Que os polícias da esquadra, juntamente com Morey e o CNI, num esquema em que contaram com a colaboração involuntária de Mati, conseguiriam localizá-lo, sem, todavia, terem conseguido evitar um desfecho trágico.

O jovem, soldado de Alá, apesar de todos os esforços de Fran, que simultaneamente o procurou chamar à razão e ao sentimento, não vendo melhor saída para si mesmo e sem coragem para atirar nos colegas, acabou por se auto desferir um tiro na cabeça!

Cena marcante e arrebatadora, convulsão de Mati, que Fran conseguiu controlar e acalmar, como colega mais velho, chefe e pai, que são todos estes os papéis que ele desempenha um pouco na esquadra, com os seus subordinados.

 

Fátima e pretendentes In. teleprograma.fotogramas

 

Paralelamente a todos estes imbróglios, decorrem os preparativos da boda de Fátima com Khaled.

Realizar-se-á?!

Lembremos que ela o prometeu ao pai, Assan, na cama do hospital…

Mas também não esqueçamos que ela, igualmente, se comprometeu com Javier.

 

Então, em que ficamos?!

Aguardemos o episódio final, ou nem sei, a próxima temporada.

Que, na primeira, ficará tudo em aberto!

 

Então, o que acha, as narrativas dos personagens e ações são paralelas ou cruzadas?!

E o que me faltou percecionar sobre o assunto?

 

Lembrar, ainda, a cena final, no hospital onde convalescia o pai de Fátima, Assan, e em que Khaled aguardava, sentado junto à enfermaria.

Chegou o empregado do bar onde decorreu o encontro derradeiro de Akim com Mati. Que, muito disfarçadamente, comunicou que Akim fora morto.

“- Vão pagá-lo com sangue!” pronunciou entre dentes, rosnando, Khaled.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog