Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



“Festa do Cinema Italiano” – “8 e ½”

por Francisco Carita Mata, em 04.07.16

Filme de Frederico Fellini

Oito e Meio

(Fórum Romeu Correia - Almada)

- 29/06/16 -

 

in. portalnews.com.br.jpg

 

Um realizador de cinema em crise de identidade artística e pessoal vai passar umas férias para umas termas.

Aí, é permanentemente “assaltado/atormentado” pelos seus fantasmas e fantasias profissionais e da sua vida privada. De tal modo que o previsto descanso se tornou num pesadelo.

 

A obsessão por criar um filme atormentava-o, na pessoa de todos os intervenientes em filmografias anteriores.

Produtores apresentando orçamentos, planos de produção, financiamentos.

Que dinheiro havia.

Atrizes exigindo atribuição de papéis e personagens pedindo textos, falas e noção do enredo. Críticos questionando as poucas ideias que iam saindo da mente do criador e, este, em crise criativa.

Sem roteiro, sem ideias para o filme, sem enredo, sem texto, sem definição de papéis, sem falas para as personagens, sem uma narrativa consistente, sem um guião orientador. Angústia suprema de um criador: a ausência de ideias!

O projetado descanso tornou-se num frenesim criativo, entre o real, dos utentes das termas, desfilando por um copo de água miraculosa, da chegada da amante, seguida da mulher e amiga; e o imaginário de todos os envolvidos no processo criativo na construção de um filme.

 

fellini in. tasteofcinema.com

Neste, de Federico Fellini, um dos grandes mestres do Cinema, de quando a cinematografia europeia ombreava, sob todos os aspetos, com a americana; nesta película passam e perpassam as particularidades do Mestre, projetadas nas do realizador, ator no filme, personificado pelo ícone, Marcello Mastroianni, seu alter ego.

Filme a preto e branco, fantasiando e misturando a realidade e a ficção, na cabeça do ator/realizador, Guido Anselmi. Fantasmas imaginários (?) do subconsciente e pessoas reais.

A omnipresença das Mulheres: a mãe, a mulher, a amante, as atrizes dos filmes, a prostituta desencabelada do tugúrio da praia; a mulher ideal, personificada pela jovem, recatada e bela, Claudia Cardinali.

A relevância da censura, nomeadamente a religiosa, capaz de coartar a construção duma narrativa, da exposição de uma ideia, da apresentação de uma imagem, um corpo ou pose mais ousada de mulher, a presença e personificação do demónio.

A autocensura, fruto da educação de sotaina em instituição sacerdotal, (seminário? ou colégio de padres?). O castigo e suplício desmesurado, face ao desvirginar do olhar, perante a dança da prostituta, a troco de umas míseras moedas, arrebanhadas por crianças, à procura da sua iniciação sexual.

oito e meio in. cantodosclassicos.com

 

Todas estas imagens de um passado infantil, de uma educação castradora, recalcada no subconsciente, afloram na mente adulta do realizador Guido, constrangendo e tolhendo o ato criativo.

E todas estas dúvidas, perplexidades, hesitações, frustrações, reais e ficcionadas, constroem o próprio filme, na cabeça do realizador Guido e no projeto do Mestre Frederico.

E a cenografia sempre lá esteve à espera, os andaimes e as estruturas do derradeiro filme sempre lá estiveram, aguardando a redenção criadora de um guião, um roteiro, um enredo.

A construção megalómana e grandiosa do último filme ou de um próximo futuro (?), uma nave espacial em que no final desfilarão todos os personagens, atrizes, na maioria, que, durante o descanso ou devaneio (?) nas termas, foram atormentando o cineasta com as sua dúvidas, interrogações, formulação de desejos e pedidos.

E é vê-lo, o realizador Guido, projeção de Frederico, de megafone em punho, dirigindo todos aqueles atores e personagens reais, naquele desfile de loucos ou de crianças crescidas (?), nos passadiços da geringonça construída, ao som de uma mini orquestra de saltimbancos, tão ao gosto e saber de Fellini.

É um momento sublime e redentor! Verdadeiramente felliniano.

E a música de Nino Rota, outro ícone dos projetos fellinianos.

 

Filme datado?!

Não sei. Só sei que o filme tem que ser visualizado e usufruído atendendo ao seu aspeto formal e estético, contextualizado à época em que foi realizado. Ao enquadramento ideológico e político desses anos. Itália ainda do pós guerra, recuperando economicamente, com profundas assimetrias de desenvolvimento, em múltiplos fatores: sociais, regionais, económicos. Início dos anos sessenta do século XX, numa Itália governada pela Democracia Cristã, governos instáveis, com a oposição de um Partido Comunista forte e a omnipresença fortíssima da Igreja Católica.

Há situações que hoje nos parecerão talvez bizarrias. As discussões bizantinas com o intelectual hipercrítico, sobre a essência do filme, do papel do cineasta, da mensagem correta ou deturpada do texto, da função e móbil do cinema e da arte, talvez nos pareçam, atualmente, despropositadas e maçadoras, mas faziam parte da problemática ideológica, filosófica e estética, da época e do questionar do papel do Cinema enquanto Arte, ao serviço ou não de uma sociedade, e de uma classe social, ou não.

 

Há excertos do filme que se nos tornarão aborrecidos. Talvez.

Constatei que vários espetadores não regressaram do intervalo!

 

E esta análise não corresponde exatamente ao paradigma do que habitualmente é escrito sobre o filme?!

Foge aos cânones do consagrado e consignado sobre ele?!

Não?

Alguma da essência do filme nela perpassará... Atrevo-me eu.

“Que presunção e água benta...”

Caso assim não seja e eu tenha desvirtuado a mensagem do filme, que o Mestre Frederico me perdoe!

Leia também, S. F. F.!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:33


5 comentários

De fashion a 06.07.2016 às 11:33

Adoro Fellini e gostei muito do texto, parabéns!

De Francisco Carita Mata a 06.07.2016 às 14:52

Obrigado pela sua atenção. Fellini foi um Mestre. Então, quando dirigia a Mulher, Giulietta Masina...
Entre os realizadores italianos dessa época houve verdadeiros génios. Atualmente sabemos pouco, que a cinematografia europeia é pouco divulgada.
Volte sempre ao blogue. Há por aqui textos, pelo menos interessantes, sobre Cinema e Séries, passe a imodéstia.
Também naveguei no seu blogue. E também gostei.
Até à próxima.
Francisco.

De fashion a 06.07.2016 às 14:54

Um dos meus filmes preferidos é as "noites de cabíria". E a Strada? uiiii, é melhor ficarmos por aqui.

De Francisco Carita Mata a 06.07.2016 às 18:10

Não me lembro de ter visto "As noites de Cabíria". De "La Strada", sim. Ambos com Giulietta. Não há como esquecer aquele olhar da moça, criança alienada, transpirando Poesia. Lembra-me os quadros do pintor Júlio, ilustrativos dos poemas do irmão, Régio.
Obrigado pelas suas referências. Volte sempre, SFF.
Francisco.

De fashion a 06.07.2016 às 19:37

Tem de ver as noites de cabíria. :)

Comentar post



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog