Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“Fortitude” Série Britânica Episódio II

por Francisco Carita Mata, em 23.09.15

Série Britânica

Episódio II

3ª Feira – 22/09/2015

RTP2

 

Segundo Episódio?!

Bem! Como poderei falar sobre o 2º episódio desta série britânica se não tive oportunidade de o visualizar?!

Como tal e porque não quero deixar defraudados/as os/as eventuais leitores/as e porque também pretendo retomar a visualização dos episódios, logo que tenha oportunidade, resolvi pesquisar um dos sites sugeridos em post anterior, e que registo como fonte de pesquisa, no final do texto. Apesar de previamente ter já referido que não gosto de ir cuscar… mas nem sempre é tudo como se quer.

 

Por isso resolvi elaborar uma pequena sinopse que poderá ajudar a quem siga a série.

 

cultura.elpaís.com television.jpg

 

Relembrando...

A ação decorre nos tempos atuais, numa ilha remota, situada no arquipélago de Svalbard, ao largo da Noruega. Numa povoação nomeada precisamente “Fortitude”.

A série tem 12 episódios, é a 1ª temporada e foi filmada na Islândia e no Reino Unido.

 

No enredo da série, enredam-se três histórias de que não vou falar… Pelo menos por hoje.

 

Acho melhor referir ou pelo menos nomear os personagens, pois é sempre difícil ir fixando os nomes de todos, logo de início, apenas pelo decurso da narrativa. E cumulativamente a ação é suposto desenrolar-se num contexto de línguas mais afastadas da nossa: germânicas e eslavas.

 

Os personagens estruturam-se nalguns contextos socio profissionais, a saber:

 

Os mineiros, de que já referi o nome de Jason. Sendo o outro mineiro chamado de Ronnie, que é pai da menina, Carrie.

 

Carrie é amiga de Liam, criança cujo nome já designara, filho de Jules Sutter, que é esposa de Frank Sutter, afro-britânico, que opera no “Serviço de busca e resgate”.

 

O 2º grupo sócio profissional relevante é o dos cientistas, chefiados por Charlie Stoddard. Recém-chegado a este grupo, Vincent, que vem investigar sobre as alterações comportamentais nos animais da ilha, assunto sobre que já falara, mas não havia dado nome ao cientista. Pois agora já está batizado.

Natalie também compõe esta tríade!

 

O 3º grupo, esta série é mesmo uma trindade, é o dos polícias que, até ao começo da série, não tinham trabalho nenhum, que a comunidade era muito pacífica. Culpa das séries e da TV, os comportamentos alteraram-se.

Dan Anderssen, é o xerife do Departamento Policial. Não sei se o termo é mesmo xerife, mas é assim que é mencionado no site. Mas como este é brasileiro… Verei melhor.

É coadjuvado por Eric, que é marido de Hildur. Ainda compõem este conjunto Petra e Ingrid. Aqui temos um quarteto!

 

Isoladamente, mas interagindo, direta ou indiretamete, com todos os elementos dos outros grupos, temos:

 

Billy Pettigrew, minerador, que logo no início do primeiro episódio vimos ser morto involuntariamente por Henry, que ao tentar alvejar o urso que comia Billy, acabou por acertar no minerador.

Henry, também já referimos, é um fotógrafo, que documenta os ursos no seu habitat natural.

 

Morton, detetive enviado do Reino Unido para investigar a morte de Billy.

 

Há ainda, em último, mas não em último, Elena Ledesma, responsável pelo hotel da ilha…

 

E Hildurd Odegard, a governadora da ilha, chefe da polícia, certamente por inerência das funções de governadora e mulher de Eric.

 

E para finalizar esta sinopse e para se compreender todo o enquadramento.

 

Para se poder viver na cidade, há três regras básicas.

1 – “Obrigação de ter um emprego e moradia.”

2 – “Assistência aos três cientistas e às pesquisas que realizam.”

3 – “Ninguém pode ser enterrado na região, visto que os corpos não se decompõem.”

 

E terminamos esta trindade, tríade ou trinitá, que logo se projetará o terceto: terceiro episódio!

 

 

Fonte de Pesquisa:

Betaveja.com/colunista. Artigo de Fernanda Furquim; Opinião: “Fortitude”, primeira temporada, 26/04/2015.

Se quer saber mais!

Que esta série não é como a anterior

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog