Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“Momentos de Poesia - Historial”: Poesias e Prosa (?)

por Francisco Carita Mata, em 24.01.17

*******

“BEM HAJAM!”

“MEU ALTO ALENTEJO” - “EM BUSCA DE MIM” - “OUVE!!!”

  “MINHAS TRANÇAS MORENAS”

 

*******

Alentejo Entardecer Foto original DAPL 2016.jpg

 

 

Preâmbulo:

 

Volto à divulgação de textos de poesia e de prosa (?), a partir de publicações editadas no âmbito de “Momentos de Poesia”.

Selecionei textos de “Momentos de Poesia - Historial e Poesia e Prosa de 48 Autores”, 2016.

Sendo que, habitualmente, de outros autores tenho divulgado textos poéticos. Neste post, todavia, inicio com um texto em prosa. Mas será exclusivamente um texto prosaico? Lerá, caro/a leitor/a, com atenção, se faz favor, e nele encontrará muita poesia.

Por outro lado, este texto explica-nos, de forma muito poética, o contexto e o móbil de “Momentos de Poesia”. E um dos seus enquadramentos temáticos: “…o nosso amado Alentejo!

Deste modo, e muito merecidamente, é ele que tem honras de abertura deste post, em que retorno à divulgação de Poesia de “Outros Poetas e Poetisas”.

Não tendo o texto um título, resolvi atribuir-lhe um, que sintetiza também o meu desejo face a todos os Antologiados: Bem hajam!

 

 

*******

 

“BEM HAJAM!”

 

 

"Quando há uns anos, a professora Deolinda solicitou o meu contributo para musicar um poema de sua autoria, que viria a ser o hino dos “Momentos de Poesia”, estava longe de saber (… santa ignorância…) que um grupo de pessoas de caráter altruístico dedicava a sua poesia ao arrebatante Alentejo!

Desde então, sempre que possível, assisto às tertúlias mensais promovidas pelos “Momentos de Poesia” que se revelam um bálsamo para a alma, uma elevação para o espírito. É, também, um espaço onde se declama a poesia dos consagrados! Também se dá voz ao repentista, ao anónimo poeta, a todos aqueles que de alguma forma contribuem para o enriquecimento destes encontros, sem pretensão de qualquer espécie.

A entoação da estrofe embala o coração, o recitar do verso inebria os sentidos, cada poema aviva as lembranças de uma infância feliz, pautada por dias amenos e fervilhantes das coloridas primaveras.

Vem à memória o canto simples do “papafigo” e a soberba melodia do rouxinol que, debaixo da frondosa sombra dos castanheiros, eu tentava imitar quase sempre sem êxito! Trepar às árvores para espreitar os ninhos, ou para vigiar uma vintena de cabras sempre em movimento, tinha como consequência a reprimenda da mãe, olhando com desespero para as calças rotas no joelho, ou o rasgão na camisa provocado pelo inoportuno galho!

Já não temos o Alentejo de outrora, derruído pelo tempo, quase votado ao ostracismo. As suas casas rasteiras, brancas, de largas chaminés, dão agora lugar às modernas construções para incrementar um turismo forte e atrativo, dizem uns, à descaraterização da secular paisagem, dizem outros. Mas, tudo se vai transformando, já se vislumbra, ainda que de forma ténue, a recuperação de velhas casas respeitando a sua traça.

Cantemos pois os versos dos nossos poetas, dos “Momentos de Poesia” que com sensibilidade e abnegação elevam sempre o nosso amado Alentejo!

 

Bem hajam!”

 

João Banheiro

 

*******

 

“MEU ALTO ALENTEJO”

 

“Oh! Meu Alentejo – meu Alto Alentejo,

Minha terra querida que me viste nascer!

Revivo em ti, instantes que pude viver

Num tempo de ouro – tu meu melhor ensejo.

 

Meu Alto Alentejo – minha casa amada

Meu canto sagrado – meu amparo e vida!

És sempre p´ra mim, a terra mais querida:

- Cidade ou campo, como és sempre adorada.

 

Oh! Como me sinto bem, estando aqui!

E sinto-o cada vez mais, morando em ti

Minha amorosa mãe, e minha saudade.

 

Sei que vou voltar a teus braços – querida!

Esses que encantam todos os meus sentidos

Cada vez mais e mais, a minha verdade.”

 

José Branquinho

 

*******

 

                                                                                    

“EM BUSCA DE MIM”

 

“Quem me dera voltar atrás

Àquela terra longínqua

Que talvez não passe de imaginária…

Lá veria o tempo passado e futuro

Filme sem palavras… mudo…

Abraço-me e sinto-me palpitar

Mas o que quero, não é o que sinto

E o que sinto, não sei contar

Então meus olhos fecho

Não quero que os vejam chorar

Eu que nasci por vulgar acaso

Pertenço ao signo do ar

Onde os deuses me tocam ao esvoaçar

E buscam como eu lugares para recordar

Dias perenes de felicidade

Tempos passados, lembrados

É assim que sinto e sei

Ao sentir que aqui não pertenço

Então pergunto a mim mesma

Vou para onde?”

 

Maria Helena Freire

 

*******

 

“OUVE!!!”

 

“Ouve-me aí, no longe.

Deixa-me falar-te de mim,

das cores do Tempo,

dos cheiros da cozinha aquecida,

dos mistérios da minh’alma.

 

Ouve-me aí, no longe.

Sem respostas,

sem críticas,

sem reservas,

sem receios.

 

Ouve-me aí, no longe,

acolhendo as palavras que calei

tempo demais…

 

Ouve-me aí, no longe,

nas palavras doridas e possíveis

eternamente adiadas…

 

Ouve-me aí, no longe.

E guarda o segredo que te digo!”

 

Maria Luísa Moreira

 

*******

 

“MINHAS TRANÇAS MORENAS”

 

“Às minhas tranças morenas

Chamaste lindas, um dia;

A quantas loiras pequenas,

Brancas como açucenas

Chamas Sol do meio-dia?

 

Estas tranças que dizias

Serem a vida p’ra ti

Indomáveis e bravias,

Caem p´los ombros vadias

Desde o dia em que te vi.

 

Já as não sei pentear

Nem arranjar como dantes;

Não vale a pena tentar,

Está longe o teu olhar

Nessas paragens distantes.

 

Pobres tranças, coitadinhas…

Por certo foram s’quecidas;

Se assim não fosse… tu vinhas.

Tristes delas… pobrezinhas

Qu’as ondas têm perdidas.

 

Bem m’importo eu já com elas,

Sejam ásp’ras ou serenas…

Se tu já não podes vê-las,

Nem dizer-me: - “São tão belas

As tuas tranças morenas.”

 

Teresa Helena Pascoal

 

*******

 

In. “Momentos de Poesia Historial (e Poesia e Prosa de 48 Autores)”, 2016.

Autora: Deolinda Milhano, Portalegre.

 

 

 Foto original de D.A.P.L., 2016 - Alentejo (Alto), ao entardecer / pôr do sol. Aldeia da Mata ("Fonte das Pulhas").

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog