Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Série RTP2 – “Hospital Real”

por Francisco Carita Mata, em 03.09.15

 Episódio 3

Portal Hospital. in wikipédia.jpg

 

E o enredo vai-se desenrolando, desvendando…

 

Realmente o assassino é Duarte, o jovem (?) mudo que circula pelo Hospital e faz favores à enfermeira-chefe, prestando-se aos trabalhos sujos e criminosos. Ainda não consegui perceber bem qual é a sua função no contexto da Instituição!

 

O mandante é, de facto, o fidalgo falido, Dom Leopoldo Castro, homem sem escrúpulos, que não olha a meios para atingir os seus fins.

Já encomendou outra morte… A de Dona Irene, a fornecedora de víveres para o Hospital.

 

Por sua vez ele também “trabalha” a mando de outros: o Alcaide e demais poderosos da cidade compostelana.

O móbil dos crimes também já está explícito. Tomarem conta do fornecimento dos víveres para o Hospital Real!

Para isso há que afastar todos os obstáculos à concretização de tal fim.

O Hospital, devido ao Real Patronato e às rendas que possuía e aos serviços que prestava, seria, à época, um grande consumidor de bens essenciais e um excelente pagador. Pelo que havia interessados em serem seus fornecedores, pois essa atividade seria altamente lucrativa!

O "encosto ao Estado". tal como agora. Interessses privados a "mamarem" do Estado!

 

A enfermeira-chefe continua com a sua “agência de adoção”, recolhendo os expostos, comprando-os até e entregando-os a quem lhe pagasse. Isto é, vendendo-os.

Sempre chantageando. “O meu silêncio tem um preço!”

 

www.rtp.pt.jpg

 

Termino com uma frase dita por Doutor Devesa, cirurgião-mor do Hospital, que já fora médico do Rei Dom Carlos IV, para o seu assistente e novel médico, Dom Daniel, o herói do romance que perpassa na narrativa:

“As normas ainda que pareçam injustas, têm o seu sentido!”

Esta frase foi proferida na sequência de o jovem médico, puerilmente, ter admitido a entrada de uma mulher, contrariamente a todas as instruções e ordens estabelecidas no Hospital e que, posteriormente, se verificou ser portadora de varíola, o que, à data, era sentença de morte e risco de contágio para todos os outros utentes da Instituição.

 

E o herói e a mocinha continuam namoriscando…

…   ...   ...

 

 Ver também, se quiser ter essa amabilidade, claro!     2º Episódio

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:25



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog