Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“Viagens na Minha Terra” (Retorno)

por Francisco Carita Mata, em 23.05.16

“Pulverem Olympicum da praça de Sant’Ana...”

 

Relativamente ao Post nº 366, intitulado “Seres Humanos e Animais ...” com um subtítulo que não vou transcrever literalmente... referi que:

“ Sobre este assunto ainda voltarei e também, e novamente, e ainda, com um excerto do Clássico Almeida Garrett, sobre que ando há muito para trazer outra vez ao blogue. Os Mestres são assim! Conseguem cativar-nos mesmo passados séculos!

E, porque se trata de um Clássico, de uma pureza de linguagem dificilmente excedível, não transcrevi o subtítulo desse post, mas sim um pedaço de uma frase, incluindo latim, que de um Clássico se trata...  (Não concorda comigo?!...)

 

Por isso o subtítulo é: “Pulverem Olympicum da praça de Sant’Ana...”

 

Neste post, Nº 374, volto novamente a um excerto do livro “Viagens na Minha Terra”, de Almeida Garrett, da “Colecção de Clássicos Sá da Costa”, da “Livraria Sá da Costa Editora, Lisboa”, 1ª edição 1963, Reimpressão 1966.

Lembrar-nos-emos que o Autor, neste Livro, relata, de forma muito livre e expansiva, a sua viagem a Santarém, ocorrida em 1843, a convite do seu amigo Passos Manuel, que aí residia, numa casa, atual museu e onde fora o antigo alcácer de D. Afonso Henriques.

Iniciou-se a viagem a 17 de Julho desse ano, uma 2ª feira, bem cedo, pela manhã.

 

“... Seis horas da manhã a dar em S. Paulo, e eu a caminhar para o Terreiro do Paço.”, refere o Autor.

 

Aí tomaria, juntamente com os seus companheiros de viagem, o barco “Vila Nova”, que se dirigia até Vila Nova da Rainha, já no Ribatejo, de onde seguiriam por terra, para Santarém.

Lembramos que, à data, ainda não fora inaugurado o comboio, os automóveis eram ficção, as estradas, escassas e más, viajar por terra, perigoso, e a melhor maneira de viajar era usando o barco, nesta altura já a vapor, uma grande modernidade. Que aproveitaria também a subida da maré, para chegar a montante, no Rio Tejo. Não sei se também usaria velame. O Autor que explana imensas situações, reflexões, considerandos e considerações, durante esta narrativa da sua viagem, neste aspeto é quase totalmente omisso.

Também não é o que interessa neste propósito narrativo.

De barco, seria o modo mais rápido, cómodo e seguro meio de viajar.

 

O que pretendo transcrever, e deixar à reflexão, são alguns trechos apresentados a partir da p. 12 do Capítulo I, que relatam o ocorrido na viagem de barco.

 

« ... Era com efeito notável e interessante o grupo a que nos tínhamos chegado, e destacava pitorescamente do resto dos passageiros,...

Constava  ele de uns doze homens; cinco – eram desses famosos atletas da Alhandra, que vão todos os domingos colher o pulverem olympicum da praça de Sant’Ana,...

...

Voltavam à sua terra os meus cinco lutadores, ainda em trajo de praça, ainda esmurrados e cheios de glória da contenda da véspera.

Mas ao pé destes cinco e de altercação com eles – já direi porquê – estavam seis ou sete homens que em tudo pareciam os seus antípodas.

Em vez do calção amarelo e da jaqueta de ramagem, que caracterizam o homem do forcado, estes vestiam o amplo saiote grego dos varinos, e o tabardo arrequifado siciliano de pano de varas.

(...)

Ora os homens do Norte estavam disputando com os homens do Sul. A questão fora interrompida com a nossa chegada à proa do barco.

(...)

- Ora aqui está quem há-de decidir: vejam nos senhores. Eles, por agarrar um toiro, cuidam que são mais que ninguém, que não há quem lhes chegue. E os senhores, a serem cá de Lisboa, hão-de dizer que sim. Mas nós...

(...)

- A força é que se fala – tornou o campino, para estabelecer a questão em terreno que lhe convinha. – A força é que se fala: um homem do campo que se deita ali à cernelha de um toiro, que uma companhia inteira de varinos lhe não pegava, com perdão dos senhores, pelo rabo!...

E reforçou o argumento com uma gargalhada triunfante, que achou eco nos interessados circunstantes, que já se tinham apinhado a ouvir os debates.

Os Ílhavos ficaram um tanto abatidos; sem perderem a consciência da sua superioridade, mas acanhados pela algazarra.

Parecia a esquerda de um parlamento, quando vê sumir-se, no burburinho acintoso das turbas ministeriais, as melhores frases e as mais fortes razões dos seus oradores.

Mas o orador ílhavo não era homem de se dar assim por derrotado. Olhou para os seus, como quem os consultava e animava, com um gesto expressivo; e, voltando-se a nós, com a direita estendida aos seus antagonistas:

- Então agora, como é de força, quero eu saber, e estes senhores que digam, qual é que tem mais força, se é um toiro ou se é o mar.

- Essa agora!...

- Queríamos saber.

- É o mar.

- Pois nós, que brigamos com o mar, oito e dez dias a fio numa tormenta, de Aveiro a Lisboa, e estes, que brigam uma tarde com um toiro, qual é que tem mais força?

Os campinos ficaram cabisbaixos; o público imparcial aplaudiu por esta vez a oposição, e o Vouga triunfou do Tejo.»

 

Foto original  DAPL Rio TEJO 2014. jpg

 

São estes nacos de prosa, clara, límpida e esclarecedora, que deixo à V/ reflexão.

Omiti alguns pedaços desse belo texto, que merecem também ser lidos.

Todo o livro nos pode suscitar variadas reflexões. É um daqueles a que se pode voltar sempre! Para quem se interesse por Literatura, História, Política, Cidadania...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog