Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



XIII Antologia de Poesia do CNAP – Poema: “João de Carvalho (Entre o Palco e a Dor...)”

por Francisco Carita Mata, em 22.01.16

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

Continuamos na divulgação de Poemas da Antologia. Hoje, neste Post Nº 292, “João de Carvalho (Entre o Palco e a Dor...)”, de João Francisco da Silva (Poeta d’Arruda), de A – Do – Mourão, Arruda dos Vinhos.

 

João de Carvalho in. scas.aeestesc.net.jpg

“ (Ao Grande Actor e meu Querido Amigo,

Com um genuíno, fraterno e solidário abraço) ”

 

 

“João de Carvalho

(Entre o Palco e a Dor...)

 

I

Encontrou-se a família, a arte e a amizade,

Reforçando bons laços de afecto e harmonia;

Só um Grande Homem dá aos outros felicidade,

Transformando a dor em momentos de alegria!

 

II

Ana Marta, Diogo Tavares, Ricardo Gama,

O teu sobrinho Henrique, novo sangue do poema;

O público, teu amigo, que te admira e ama;

Por todos eles dou uso à minha humilde pena!

 

III

Surgiram poemas em erudito florilégio,

Grandes poetas ditos em sublimação;

Camões, Pessoa, Bocage, Espanca, Régio...

Gigantes que moram dentro do nosso coração!

 

IV

Onde a arte germina e o poema floresce...

Usas portentosas “garras e asas de condor”;

Entre genuínos abraços a amizade cresce

No teu nobre “Reino de Aquém e Além dor”!

 

V

Tens um extremoso pai, que te apoia e ama tanto,

Uma querida irmã, que é por ti apaixonada,

Os verdadeiros amigos, que te adoçam o pranto

Quando a vida é mais cruel e amargurada!

 

VI

À tua Leninha prestaste sentida homenagem;

Poesia e canto foram beijos de despedida...

Que a felicidade te acompanhe em viagem

Por todo o futuro, em cada palco da vida!”

 

“Auditório Sra. Boa Nova – Estoril, 12 de Abril de 2014”

 

João Francisco da Silva (Poeta d’Arruda), de A – Do – Mourão, Arruda dos Vinhos.

João de Carvalho

O Bom Pastor!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:58



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog