Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



XIII Antologia de Poesia do CNAP – Poema: “Que deleite os teus lábios ternos”

por Francisco Carita Mata, em 20.02.16

Círculo Nacional D'Arte e Poesia

 

Antologia

 

Continuo com a divulgação, no Blogue, das Poesias publicadas na Antologia.

Neste Post Nº 317, a Poesia que abre a Antologia. Sem título, realcei-a pelo primeiro verso, “Que deleite os teus lábios ternos...”, como é costume nestes casos. Da autoria de Adelaide de Freitas, de Porto da Cruz, Madeira.

Com esta Poesia, sendo a primeira da Antologia, e sendo a última a ser divulgada online, acaba por ficar também em primeiro lugar na estrutura do Blogue.

Através dos links que coloco em cada um dos posts apresentados é possível navegar em toda a Antologia e ficar a conhecer pelo menos um dos Poemas, de cada um dos Antologiados.

E, igualmente, espraiar-se também pelas diversas temáticas versadas no Blogue.

Segue-se o Poema:

 

 

“Que deleite os teus lábios ternos

Salteando o meu corpo trémulo

Pelo choque delirante do amor

Que invade o meu corpo nu

 

Que delícia a tua nudez na minha

O teu suor a seduzir-me até à loucura

Com a tua língua lambes os meus seios

Caindo nas profundezas de doces prazeres

 

Que sabor doce, salgado, místico

Que brota das minhas loucas emoções

Onde me estendo ao comprido

No vaivém deste sonho lindo”

 

Adelaide de Freitas, Porto da Cruz (Madeira)

 

 

maja in. pt.wikipedia.org..jpg

 

Resolvi ilustrar este Poema com a reprodução de uma Pintura célebre de um Génio desta Arte, GOYA, de que já apresentei reproduções no Blogue, respeitantes à série “Hospital Real.

Com as ilustrações pretendo sempre valorizar ainda mais os textos. O que julgo terá acontecido sempre.

Qualquer reparo que alguém tenha a fazer, agradeço que me dê conhecimento, se fizer favor!

Não sei se ainda voltarei a apresentar um último post sobre a Antologia...

Aguardemos a minha disponibilidade!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog