Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

«O Chamiço, antiga freguesia do Priorado do Crato» (III)

(Cap. III)

pelo Prof. Manuel Subtil

In. “A Mensagem”. p.5

(…)

«Em tais condições era impossível e até desnecessária a manutenção da paróquia, a qual foi, por esse motivo, extinta.

As imagens, a sineta e outros pertences da igreja foram, por determinação da autoridade eclesiástica, distribuídos pelas igrejas circunvizinhas.

A imagem do orago – S. Sebastião, como dissemos – foi para Vale do Pêso. A sua transferência constituiu motivo de grande regozijo para esta povoação, e realizou-se com a possível solenidade. Toda a gente que o pôde fazer se deslocou ao Chamiço e a imagem foi conduzida processionalmente, entoando-se, durante o percurso que é de quatro quilómetros, aproximadamente – a Ladainha de todos os Santos, dizem uns, ou o Bendito, afirmam outros – indo todos sempre com o maior respeito.

Ficou o Santo exposto à veneração dos fiéis no altar da Senhora do Rosário (c).

Pouco tempo passado, só residia no Chamiço uma lavradoura abastada e aqueles que a serviam permanentemente. Tinha o apelido de Carita.

Era uma senhora alta e clara, magra e simpática. Depois que acabou a freguesia do Chamiço, passou a ouvir missa, aos domingos, com alguns servos seus, na igreja de Vale do Pêso, talvez por aí se encontrar S. Sebastião do Chamiço, a quem ela tantas vezes teria dirigido suas preces em horas aflitivas; ou talvez, por ali morar uma sua amiga, lavradoura abastada também, pertencente a uma família ilustre de Vale do Pêso, D. Maria Caldeira Durão, ou Duroa, como o povo dizia, senhora que, ao contrário da sua amiga, era excessivamente baixa.

Depois da visita habitual, lá seguia a srª Carita para a deshabitada povoação, à qual só ela teimava em manter uns restos de vida e de movimento.

Mas foi curta essa teimosia, pois em breve teve ela também de abandonar a velha aldeia, porque foi assaltada e roubada.»

*******

«(c) - Foi há anos retirado e substituído pela imagem actual, por iniciativa do Revdo. Pároco Sr. Pe. João Cotrim, pároco da vila de Amieira.»

*******

Notas finais:

Termina, assim, a publicação desta excelente narrativa sobre o historial do Chamiço e da lavradora Carita. De Autoria de Prof. Manuel Subtil, uma Personalidade notável de Vale do Peso.

Continuo a não publicar fotos documentais, embora, hoje, já tenha na minha posse um considerável acervo de fotografias da "aldeia" do Chamiço.

Como as obtive?!

Ontem, dia 02/02/23, “Dia da Senhora das Candeias” convenci o Amigo Casimiro, mais que amigo, um amigão, a irmos visitar o “velho Chamiço”. Na sua carrinha, fomos, pelo caminho vicinal que parte da estrada Crato – Monte da Pedra, na direção Leste, até ao povoado em ruínas. (Este caminho está em muito mau estado, na sequência das chuvas.)

Mas a visita foi excelente, até porque tivemos Cicerone, também de excelência.

Publicarei próximos postais sobre a visita. Entretanto consulte os anteriores, SFF. Obrigado!

E, também.

 

«O Chamiço, antiga freguesia do Priorado do Crato» (II)

(Cap. II)

pelo Prof. Manuel Subtil

In. “A Mensagem”. p.5

(…)

«Como acabou a freguesia do Chamiço? Porque desapareceu uma povoação que, apesar de pobre e pequena, se manteve durante alguns séculos independente?

Vamos dizê-lo:

Viviam com certa dificuldade os habitantes do Chamiço, pela pobreza das terras e escassez dos rendimentos.

Agravava, em parte, essa dificuldade a circunstância de terem de pagar anualmente ao padre um moio de trigo.

Para atenuar essa precária situação, dirigiram ao Grão Prior do Crato, em 1760, uma petição, na qual ponderavam que, sendo apenas 22 vizinhos, não podiam pagar o moio de trigo ao pároco, por serem pobríssimos, pois apenas quatro deles tinham passagem pelo seu quotidiano trabalho. Que alguns tinham ido para terras vizinhas, por não poderem pagar a parte que lhes tocava, o que mais agravava a situação dos que ficavam, ameaçando, assim, despovoar-se a freguesia. Pediam, por isso, que o moio de trigo fosse pago pelo Grão Prior, como acontecia com a freguesia de Monte da Pedra.

Esta petição, provavelmente elaborada pelo pároco do Chamiço, que era então o Pe. Francisco Dias da Mota, têve o acolhimento desejado.

O Almoxarife do Crato, João Teixeira Carrilho, informou e confirmou o exposto; o Procurador e a Mesa Prioral conformaram-se e a petição foi deferida, em 16 de Julho de 1760 (b).

Assim, ficaram um pouco mais desafogados os moradores da pequena aldeia e lá se foram mantendo como puderam.

Mas na primeira metade do século XIX, isto é, decorrido menos de um século, depois daquela concessão, rebentou a Guerra Civil entre absolutistas e liberais.

O desfecho dessa guerra, pela deposição de D. Miguel, foi funesto para o Chamiço, pois tornou insustentável a situação dos seus habitantes.

O Priorado do Crato tinha sido anexado, há muito, à Casa do Infantado, da qual veio a ser último senhor o rei deposto. Extinta a Casa do Infantado, extintos foram os privilégios que os moradores do Priorado desfrutavam, desde épocas remotas, um dos quais era o regime de compáscuo, (a que já aludimos) para os seus gados.

Assim, sem terrenos baldios, como até então, os pobres pastores não podiam manter os seus pequenos pegulhais de cujos produtos viviam, embora pagando dízimo ao Grão Prior.

Esta circunstância tornou-lhes a vida insustentável naquele meio. Foi o comêço da debandada. Foi o princípio do êxodo.

Trataram de vender os seus gados e de fixar residência em terras próximas – Vale do Pêso, Monte da Pedra e Aldeia da Mata.

Apenas continuaram a residir no local os poucos que, por terem lavoura sua ou propriedades ali, tinham conveniência em permanecer no velho Chamiço.

Em tais condições era impossível e até desnecessária a manutenção da paróquia, a qual foi, por esse motivo, extinta.

(…)

(b) – Chanc.ª da C. do Infantado, L.o 82, fl 136.»

*******

(Nota: Os negritos são de minha lavra, bem como a divisão em capítulos.)

*******

E, hoje, dia 2 de Fevereiro é “Dia da Senhora das Candeias”. E está um dia de sol, embora esteja frio. “Senhora das Candeias a rir…”

E, também, SFF.

«O Chamiço, antiga freguesia do Priorado do Crato» (I)

 (Cap. I)

pelo Prof. Manuel Subtil

in. “A Mensagem”. p.5

«Em muitos mapas corográficos de Portugal, figura, ainda hoje, como freguesia do Crato, a velha povoação do Chamiço, situada a meio de uma linha recta cujos extremos são Vale do Pêso e Monte da Pedra.

E contudo o Chamiço desapareceu há muito tempo como povoação, e há mais tempo ainda como freguesia.

Quem, indo da Torre das Vargens, viajar pela linha de Cáceres, que atravessa o distrito de Portalegre, poderá ver, à esquerda, entre as estações da Cunheira e de Vale do Pêso, quando já se avista o perfil airoso da Serra de S. Mamede, uma espessa mancha de arvoredo, constituído por azinheiras, principalmente o cercado de velhas paredes. São as Tapadas do Chamiço.

Em tempos passados, essas tapadas denunciariam, logo de longe, a existência ali de uma povoação; porque no antigo Priorado do Crato, onde predominava o regime compáscuo, só eram permitidas tapadas nas proximidades dos povoados, para uso exclusivo dos seus habitantes. Tudo o mais era aberto e livre.

Situado num vale sem horizonte, em sítio pedregoso e triste, onde os terrenos são de fraca produção, o Chamiço foi sempre povoação pequena.

Assim, quando, em 1527, o rei D. João III ordenou que os Corregedores das seis Comarcas do reino mandassem proceder ao arrolamento de todos os moradores, achou-se que o Chamiço tinha trynta e seys moradores (a). Em 1708, segundo a Corografia Portuguesa do Pe. António Carvalho da Costa, tinha só 22 fogos.

Era, porém, freguesia mais antiga do que Monte da Pedra, que não existia ainda em 1527, e até mais antiga do que Flôr da Rosa, que só foi elevada a sede de freguesia em 21 de Setembro de 1749, por Decreto do Grão Prior Infante D. Pedro, irmão do rei D. José.

A igreja era pequena e só tinha três altares, no século XVI, com duas portas: uma na modesta fachada, outra lateral. Anexa à igreja havia uma pequena sacristia, em comunicação directa com o altar-mor.

Era orago da freguesia o mártir S. Sebastião, cuja imagem – que ainda existe, já retirada do culto, na igreja paroquial de Vale do Pêso – era muito venerada, como advogada contra as epidemias, tão frequentes naqueles tempos.

Não havia baptistério: a pia baptismal estava a um canto do corpo da igreja, à esquerda da porta principal, e esta era voltada para poente, como as da maioria dos templos católicos.

No vértice da empena da frontaria estava colocada a única sineta existente, sob uma pequena cúpula apoiada em quatro colunelos.

Os moradores do Chamiço eram, na sua maioria, pobres trabalhadores que, ou serviam como criados ou viviam de apascentar gado – lanígero principalmente – próprio ou alheio.

Como acabou a freguesia do Chamiço? Porque desapareceu uma povoação que, apesar de pobre e pequena, se manteve durante alguns séculos independente?»

(…)

*******

(a)– Mestrados e priorado do Crato em Alentejo – Arquivo Nac. Da T. do T. Gav.5, M.I, nº 47.

*******

(Notas: Segui o mais fielmente o original do Jornal. A divisão em capítulos pretende estruturar a leitura nos postais. Não tenho fotos de minha autoria do Chamiço.

Remeto para outros postais em Aquém Tejo e Apeadeiro da Mata. S.F.F.

E, também.)

Onde ficava o Sourinho?!

A propósito de um comentário e pedido de esclarecimento.

Relacionado com as “Memórias Paroquiais” de 1758.

Mapa Alentejo. Foto original. 29.01.23.

Face à solicitação que me foi formulada em comentário, no mencionado postal sobre as Memórias Paroquiais, resolvi publicar foto de documento que tenho na minha posse, fotocópia de “Mapa da Provincia do Alentejo”, de 1762.

Mapa Alentejo. Foto original. 29.01.23.

Obtive a fotocópia referida, em pesquisa efetuada, julgo que na Biblioteca Nacional – Lisboa – Portugal. Não me lembro a partir de que documento, que não encontrei ainda, entre os meus, os registos respetivos. Essa pesquisa terá sido realizada na década anterior, 2ª década, deste século XXI.

Neste mapa podem ser visualizadas referências a localidades existentes nessa data, atualmente extintas. A localidade do SOURINHO é uma delas.

Aldea da Mata. Foto original. 29.01.23.

Outra é a da Aldeia do "MONTE CAMISSO", sobre a qual tenho documentos escritos e narrativas orais que quero documentar no blogue “Apeadeiro da Matta” e também neste, “Aquém-Tejo”.

Este postal insere-se, desde já, nesse objetivo.

Para além das localidades citadas e extintas, figuram as que ainda existem, nomeadamente "Aldea da Mata".

Monte da Pedra ainda não existia. Sobre o facto, consultar as referidas “Memórias Paroquiais” de 1758.

Votos de boas leituras.

Voltarei ao tema da Aldeia do Monte Chamiço e da Família Carita.

Saúde, Paz, bons passeios. E, Poesia e Alegria!

 

Flores de Amendoeira e de Ameixoeira Brava!

Caminho do Porcozunho – Aldeia da Mata

Amendoeira. Foto original. 29.01.23.

Estamos no final de Janeiro. É tempo de as amendoeiras florirem.

Amendoeira. Foto original. 29.01.23.

Hoje apresento fotos de uma, em flor, no Caminho do Porcozunho. Não tem a exuberância da que mostrei no ano passado, foto tirada em Palmela. Lá estará, certamente, também este ano em floração. Mas nós estamos longe. Saudades!

Amendoeira. Foto original. 29.01.23.

A que enquadra este postal, está no Vale do Meio, junto à parede norte. Quem a terá plantado?! Não sei se é doce ou amarga, nunca lhe provei os frutos. A propriedade não é minha.  Mas não é propriamente por isso que nunca colhi das respetivas amêndoas. Verdadeiramente, não me recordo se alguma vez a presenciei frutificada. Ou terá estado em época que por lá não terei passado!

Não importa. Ficam as fotos. Singelas, é certo. Mas quem dá o que tem…

A foto final não é de amendoeira, mas de uma ameixoeira brava, que floriu em Outubro! Foto de 15/10/22! Também na Azinhaga do Porcozunho ou da Fonte das Pulhas!

Ameixoeira Brava. Foto Original. 15.10.22.

Hoje, retornado às lides campestres, andei remendando parede, por onde os javalis têm entrado para as raves! Precisamente, também na Azinhaga do Porcozunho!

Bons passeios, bom Inverno, muita saúde! E Paz!

 

XXVI Antologia de Poesia - APP - 2022

APP - Associação Portuguesa de Poetas

Convite para Lançamento da Antologia, na Sede:

(Rua Américo de Jesus Fernandes 16 - A - Olivais - Lisboa - Portugal) 

Domingo: 29 de Janeiro de 2023

Lançamento Antologia APP

associacao.poetas@gmail.com

Formulo Votos de que corra tudo pelo melhor.

Com muita Saúde e Paz!

Viva a Poesia!

Viva a APP!

 

A (H)era das rastas!

Era uma vez… um requinte de jardinagem!

Hera das rastas. Foto Original. 12.01.23.

Esta Hera é herdeira de um rebento que trouxe de Castanheira do Ribatejo. Do quintal da casa de Dona Júlia Paulino, uma excelente senhora, em cuja casa estive hospedado em 1979/1980. (Eram um casal muito simpático: a Dona Júlia e o Sr. Júlio. Excelentes pessoas!)

Hera das rastas. Foto Original. 12.01.23.

Plantei no “Quintal de Cima”. Fez-se um arbusto, quase árvore, que fui replicando no muro sul do quintal. Cobre o muro todo. Este excerto está acoplado a um poste de latada e forma esta estrutura original. Como vai tendo ramos a descair, resolvi entrançar alguns e formar uma espécie de rastas!

O trabalho ainda está no início e vamos ver no que dá o conjunto engenhoso de jardinagem!

Hera das rastas. Foto Original. 12.01.23.

Atendendo a que todos estes conjuntos, no muro, no poste, foram sendo obtidos sempre por replicação de ramos, rebentos, será que tenho a mesma planta ou diferentes plantas?!

O que acha o/a Caro/a Leitor/a?!

 

Em Comenda… Blogue a seguir.

http://emcomenda.blogspot.com/

Hoje, tive conhecimento deste blogue. Por demais interessante. Está noutra plataforma diferente do SAPO. Não dá para seguir com a facilidade com que se seguem os blogues “sapinhos” que nos interessam. É pena! Também não consegui deixar comentário! Daí ter criado este postal para divulgá-lo. Também como forma de agradecimento pela citação que fez do “Apeadeiro da Mata”.

De Autoria de Eugénio Queirós, depreendo centrado na Freguesia da Comenda. Mas motivado por temáticas da Região. Entrei, li alguns postais, fiquei interessado na forma e no conteúdo. Muitos Parabéns. Irei desbravando as leituras, mas fiquei, desde já, fã.

É especialmente importante haver plataformas que nos permitem dar a conhecer o nosso Património Regional, que também é nacional, nas suas variadas vertentes. Se não formos nós a dar valor ao que temos, quem o fará?!

Renovadas Felicitações e Agradecimentos.

 

“O Crime do Padre Amaro” – Série na RTP 1

Castelo de Leiria. Imagem retirada da net.

A RTP1 vai transmitir uma série sobre este célebre romance de Eça de Queirós.

Se quiser saber um pouco sobre a temática e enquadramento do romance, consulte aqui, SFF.

Segundo ouvi na publicidade, pretendem ser fiéis ao contexto espácio-temporal em que decorreu a ação da narrativa.

Algo que me intriga! Como irão passar ao écran, o conteúdo que realcei na crónica…

«…surge exacerbado um amor afogueado de um jovem padre, Amaro, correspondido por igual amor piegas de uma jovem beata, Amélia, eros que acha satisfação numa enxerga velha de uma cama podre, num quartinho de telha vã no 1º andar da casa do sineiro, nas traseiras da Sé.

Amor amaldiçoado por uma entrevada, filha do sineiro, que agarrada à cama onde jazia a sua invalidez, pressentia o aconchego dos amantes, como se fora “cio de cães”.»

*******

Que seja uma série interessante. Boas vistas da série!

(Sou fã de séries.)

 

Postal Nº 1111, em Aquém -Tejo!

Há pouco tempo atingi o 111 em “Apeadeiro da Mata”!

Vista geral. Foto Original. 07.05.22.

Acho piada a estas singularidades dos números! Mil cento e onze postais! Uns mais visitados, outros menos, certamente muitos ignorados. Uns mais interessantes que outros, de uma diversidade cromática, abrangendo variados matizes. Fica um registo documental de múltiplos temas sobre que me debrucei, nestes mais de oito anos em que tenho navegado no SAPO. Desde 08/10/2014.

Obrigado à Equipa SAPO, que nos proporciona esta possibilidade de expormos conceitos, ideias, assuntos. De nos expormos também, como é óbvio. Com aspetos positivos, alguns mais negativos.

Mas o balanço é extraordinariamente para o lado mais (+).

Muito Obrigado a todos os Visitantes, Visualizadores, Leitores, que de forma direta ou indireta, nos incentivam, valorizam o que vamos construindo, através destas comunicações.

A Si, Caro/a Leitor/a que nos comenta, opina, sugestiona, nos ensina, o meu muitíssimo Obrigado. O meu e o nosso Obrigado! Em nome de todas as pessoas que direta ou indiretamente nos ajudam, nos constroem estes postais, pois neles muitos trabalhos, nomeadamente em Poesia, não são de minha autoria. Muitas fotos também não. Embora, a partir de quando me entendi com o telemóvel, a grande maioria passou a ser de minha lavra.

Renovados agradecimentos. Votos de muita saúde. Que nos acompanhe por mais 1111 postais!

E que haja Paz!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D