Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

COVID – Dezembro/21 – Pós-Natal!

Urgências: “Pílula do dia seguinte”?!

 

Sobre isto da Covid, alguma coisa sabemos, mas muito nos falta saber.

Se alguma certeza há, é que o “bicho” finta as mais sabedoras cabeças. Desenvolve estratégias, cria mutações, que nos deixam indefesos e perplexos. Já vai em não sei quantas variantes, cada uma com origens regionais diferentes, mas com capacidade para alastrar pelo Mundo. Daí o seu efeito pandémico.

Sabemos que o Ser Humano não tendo sido certamente o seu hospedeiro inicial, se tornou no hospedeiro proverbial e providencial para o dito cujo. É o Ser Humano que o transporta e leva aos mais recônditos lugares deste nosso Universo habitado.

Como combatê-lo, como minorá-lo, nenhuma estratégia se revelou, ainda, cem por cento eficaz!

Do pouco que sabemos e sendo o Humano a providenciar a respetiva propagação, também constatamos que, quando em épocas propícias à respetiva difusão, o Homem também pode e deve minorar essa propagação. Precisamente, reduzindo os seus contactos sociais.

Por muito que isso nos custe. Por muito que muitos neguem essa correlação causal.

Os últimos números de novos casos, estão aí para demonstrar essa relação causa – efeito! 17172 novos casos, 3ª feira, 28/12 - - 26867 novos casos, 4ª feira, 29/12!

(Todos sabemos as movimentações internas e externas inerentes ao Natal!)

Constatamos também que o Inverno é a estação mais propícia à respetiva difusão, como qualquer “gripe sazonal”. Mas esta é uma variável sobre a qual não podemos interferir, a das estações do ano. A não ser tomar medidas pessoais mais adequadas.

Não existem medicamentos curativos.

Existem as vacinas. Com alguma eficácia preventiva, mas reduzida. Não nego a importância de as tomarmos. Devemos fazê-lo! Todavia, deveremos consciencializarmo-nos que, per si, não nos resolvem o problema! Outras medidas deveremos tomar. Precavendo-nos.

Ninguém está acima da contingência de “apanhar o vírus”.

Sobre a eficácia das vacinas, embora limitada, constatamos que defendem os respetivos tomadores. Veja-se, atualmente, a disseminação. Processa-se entre gente mais jovem, entre crianças, jovens alunos. Pessoal que não tomou qualquer vacina. Daí a necessidade de também as crianças e jovens serem vacinados.

É imprescindível, indispensável, alargar a vacinação a todo o Mundo. Enquanto nos países mais desenvolvidos já se fala na quarta dose, países menos desenvolvidos há, em que a maioria da população não tomou sequer primeira dose. Estas assimetrias, existentes nos mais diversos setores, têm de ser corrigidas.

O “bicho” não conhece fronteiras, não há muros, arames farpados que lhe resistam. É do mais “democrático” que há! Pode haver censura na divulgação de dados, mas mesmo nos países mais fechados, o bicho por lá andará.

Vem aí o Ano Novo. Que nos traga mais Esperança, melhores dias!

Quanto aos festejos de final de ano. Que sejam restringidos ao máximo, pelos mais diversos locais do mundo.

Muito boa e santa gente quer andar no laré, em festanças a abanar o capacete, por aqui e acolá. A encomendar testes e testes, para andarem no regabofe, ao laréu. Mas depois das festanças, como aconteceu nas natalícias, ao menor sintoma, lá vão a correr para as urgências, entupindo-as, como está acontecendo por todo o país!

(Acham que as urgências são assim uma espécie de pílula do dia seguinte!)

Pois! Restrinjam os contactos sociais, S.F.F.!

Amoreira Barca D'Alva. Foto original. 2021.12.01.jpg

Feliz 2022!

 

Abalaste, abalaste…/ Boa foi essa abalada…/

 Do Benfica abalaste… / Onde vais cantar balada?!

Pôr do sol. Foto Original. 2021.12.23.jpg

Negócios!??... “Business”!

Jota Jota saiu do Benfica. Mas alguma vez lá terá estado?! De alma e coração, diga-se! Não me admira que tenha abalado. Os sinais para abalar eram por demais evidentes. Só me admira que o tenham contratado.

Mas... Vendo bem, bem, nem isso me admira, vendo quem o contratou.

Estes futebóis e as futebolices… Os milhões que esta gente aufere, com tanta gente a contar tostões! Mas também é muita, muitíssima, dessa boa e santa gente que alimenta, fomenta toda essa futebolice!

Quando os jogadores, “craques”, “vedetas” embicam com um treinador, este está feito. E alguns põem-se a jeito. Jota Jota, por demais. É caso mesmo para cantar a balada.

Futebol é mesmo arrebol!

E o dinheiro com que essa gente se pavoneia, a ser necessário em tantos serviços essenciais. Saúde, Educação, Habitação…

 

Pôr-do-sol. Foto original. 2021.12.23.jpg

E os negócios que se nos preparam para o próximo ano de 2022?!

Eles são… aumentos daqui, aumentos dali, aumentos de acolá… Aumentos dos preços, frise-se.

E as “comichões” que isto me faz!

É caso para cantar outra “balada”: “Poema em verso controverso”!

“…Que a roubalheira é tanta / Que até se assarapanta / Este meu pensar /…”

E, por aqui me fico,

Que ainda quero escrever sobre “Isto da Covid”!

 

Começa, hoje, o Inverno.

Vistas de Sol Pôr! Ainda Outonais!

Pôr do Sol. Passadiço. Foto Original. 2021.12.15.jpg

O Pôr do Sol, na descida do “Passadiço”, provindo do “Miradouro”. Na “Cidade de Régio”.

Pôr do sol. Passadiço II. Foto original. 2021.12.15.jpg

No dia 15 de Dezembro, quase, quase Solstício de Inverno.

Pôr do sol. Passadiço III. Foto Original. 2021.12.15.jpg

E este a iniciar-se. Que será hoje.

Mas não começou, de facto, ontem, com a vinda da chuva?

(E a falta que ela fazia!)

Pois, Caro/a Leitor/a, contemple estas imagens "interessantes".

Bem sei que alguém sabedor, que pouco ou nada sei, com máquina fotográfica e não simples telemóvel, faria muitíssimo melhor que eu. Mas como se costuma dizer: “Quem dá o que tem…”

Renovados Votos de um Natal muito Feliz. Com muita e santa Saúde!

 

Respeitem os Imigrantes!

Não podemos nem devemos ignorar!

Portugal de país essencialmente de emigração, ao longo de séculos, a gesta dos Descobrimentos atesta-o, tornou-se muito principalmente a partir da Descolonização, finais da década de setenta, também num país de imigração.  Esta característica acentuou-se a partir de finais do século XX e neste milénio, mantendo embora a condição de país de emigrantes, ademais qualificados!

Mas quero voltar aos Imigrantes! Recentemente, noticiaram os abusos a que foram sujeitos imigrantes no Baixo Alentejo, por parte de profissionais da GNR. No mínimo, chocante!

Será do conhecimento de todos, as condições desumanas a que estas Pessoas, provenientes dos mais diversos países, estão sujeitas. Desde logo, nos seus próprios países de origem. As redes e os negócios e condições abusivas a que se sujeitam para almejarem um outro país e outros trabalhos, em que idealmente estarão melhor de vida. Para si e para os seus. Entes queridos que deixaram, a maioria das vezes “presos” também aos “contratos” a que se vincularam. Para quem supostamente iriam enviar dinheiro “europeu” para melhoria de vida. Pura Ilusão!

Ao chegarem ao país de destino, as redes em que estão envolvidos adensam-se ainda mais, prendem-nos e cerceiam-nos de todo, desconhecedores de língua e legislação autóctone. E criam outras, no nosso próprio país, desde o alojamento, aos pedidos de legalização, aos baixos salários auferidos, que mal dão para sobreviverem.

Mas são eles que nessa “nova agricultura intensiva”, na maioria de capitais estrangeiros, aproveitando os nossos recursos naturais, as nossas águas e terras, são eles, repito, que contribuem para as prateleiras dos “nossos” grandes supermercados estarem providas de legumes e muitas frutas frescas. Dos “nossos” e das muitas grandes superfícies europeias.

Face ao trabalho desenvolvido por estes “colaboradores”, nova “moda linguística” (?), em funções para as quais não há profissionais locais disponíveis, e para as quais não se disponibiliza muito boa e santa gente, abundante na “Grande Lisboa”, vadiando diariamente nas esplanadas suburbanas… seria suposto, deveria haver, maior cuidado, maior consideração, mais respeito e estima por parte das autoridades, ou melhor, dos agentes, todos os agentes, exercendo funções profissionais nesse âmbito.

Aos profissionais, a todos os profissionais dessas entidades oficiais, deverá caber o dever de salvaguarda dos direitos, no mínimo, dessas Pessoas que, de tão longe, vêm desempenhar atividades que nos fazem falta, prestando-nos serviços, contribuindo para a obtenção de bens que nos são necessários. Para além de outros benefícios colaterais.

Pois, não foi isso que aconteceu nalguns casos mediatizados. (Ainda bem que algum Jornalismo desempenha o respetivo papel!) Bem sei que são apenas alguns indivíduos. Mas são eles que mancham a honra das corporações em causa. A sonegação dos casos não adianta nada. E os indivíduos prevaricadores foram castigados e expulsos da Corporação? Esperemos e desejamos que sim.

Portugal e os Portugueses merecem dispor de Entidades competentes. E os Imigrantes também merecem e precisam de quem os defenda. E há tanto a fazer e as Autoridades dispõem de meios para tal, têm conhecimento e o dever de contribuir para um Portugal mais inclusivo e solidário. Tenho dito!

 

Árvores Icónicas de Aldeia da Mata!

Está a decorrer o Concurso “Árvore Europeia do Ano 2022”.  

Promovido pela UNAC – União da Floresta Mediterrânica – Rua Mestre Lima de Freitas, nº 1 – 1549 – 012 – Lisboa – Portugal.

Estão dez árvores a concurso de Portugal Continental e Ilhas.

https://portugal.treeoftheyear.eu/

Aldeia da Mata tem duas Árvores a concurso?!

Oliveira milenar. Foto Original. 2021.02.01.jpg

Não tem. Mas podia muito bem ter uma. Tem Árvores, algumas milenares, caso de algumas Oliveiras e uma Árvore que é um ícone identitário da Povoação.

Devemos... Temos de olhar para as nossas Árvores com outros olhos. “Com olhos de ver”!

Num futuro próximo, deveremos pensar em submeter uma das “nossas” Árvores a concurso

Neste ano 2021, a Árvore Nacional escolhida foi o célebre “Plátano do Rossio”, de Portalegre. Ganhou a nível nacional. Ficou em 3º lugar(?), a nível europeu.

Porque não candidatarmos também uma das Árvores da Aldeia?!

Uma questão a pensar. Um desafio que lanço.

As fotos documentam duas Árvores emblemáticas da nossa Aldeia.

Araucária e Torre. Foto Original. 2021.09.06.jpg

A Araucária de Norfolk, que rivaliza com a Torre da Igreja Matriz. Toda a gente sabe onde fica. Lembro-me de esta Árvore ser mais baixa que a Torre. (Há cerca de sessenta anos!) Atualmente, é mais alta.

Quantos anos terá?! Conhece o método de datação das Araucárias?! (…)

Caminho da Baganha e do Sabugueiro. Foto Original. 2021.02.01.jpg

A Oliveira?! Não sabe onde está plantada?!

Já foi à Fonte da Baganha?

Quantos anos terá?! Mais de mil, certamente.

Fica a sugestão e o desafio: Candidatar, num dos próximos anos, uma das “nossas” Árvores a concurso.

Torre e Araucária. Foto Original. 2021.09.01.jpg

Obrigado pela atenção. Muita Saúde. Votos de Feliz Natal!

 

Festas do Povo, Capotes e Samarras!

Rosa salmão. Foto original. 2021.10.09.jpg

Voltamos em “Aquém-Tejo”, a escrever sobre o nosso Alentejo.

Rosa rosa. Foto Original. 2021.10.19.jpg

Em primeiro lugar, felicitar o Povo de Campo Maior, pelo facto de as suas Festas terem sido, ontem, dia 15 de Dezembro, reconhecidas como “Património Cultural Imaterial da Humanidade”, pela UNESCO. Parabéns! Inteiramente merecido.

O Alentejo cada vez mais universal! Felicitações também a Portugal. O reconhecimento é também de Portugal.

(Só visitei uma vez este extraordinário acontecimento, no distante ano de 1982. Tenho fotos, tiradas com a antiga máquina. Lindíssimas!

Rosa. Foto Original. 2021.10.20.jpg

Não dispondo eu, no computador, de fotos minhas sobre as Festas, ilustro com fotos de rosas do meu quintal…)

Rosa rosa. Foto original. 2021.10.20.jpg

Outro tema também genuinamente Alentejano, é o que se refere a Capotes e Samarras. Penso que ninguém terá dúvidas sobre a idiossincrasia tipicamente alentejana destas vestimentas. Gosto imenso de ver pessoas usando este vestuário. Todavia, não tenho nenhum exemplar desta indumentária. Nem penso adquirir. Gosto de ver nos outros, mas não de usar. Não me sinto confortável. É como o vermelho ou encarnado, como quiser dizer. Gosto de ver nos outros, mas não gosto de me vestir de vermelho. Ou encarnado?! Mesmo sendo simpatizante do Benfica!

Mas que tem tudo isto a ver?!

Rosa Santa Terezinha. Foto Original. 2021.10.20.jpg

Pois, na semana passada, também noticiaram que um indivíduo do Norte resolveu patentear a fabricação de capotes e samarras e exigir direitos de autoria, aos fabricantes destas vestimentas, há dezenas de anos.

No mínimo, paradoxal! Sentido de oportunidade ou oportunismo?!

O que fazer?! As Entidades Regionais e Nacionais(?), ligadas à Cultura, providenciaram no sentido de anular tal situação. Conseguirão revertê-la?

E a atitude das entidades que patentearam tal bizarria?! Limitaram-se apenas a assinar de cruz?! Não seria suposto que, pessoas que superintendem em questões destas, tivessem conhecimentos sobre a originalidade do que subscrevem e aprovam?! Digo eu!

Desde já será fundamental que, na sequência do acontecido, estes produtos genuinamente alentejanos, sejam de facto patenteados como tal.

Vivemos num mundo global, com regras que nos ultrapassam nas boas vontades, no bem fazer sem interesses mesquinhos. Deverá haver precaução. O mundo está cheio de gente a querer enganar os outros. “Meio mundo a enganar outro meio”?

Patentear os produtos, como genuinamente alentejanos e reconhecimento factual de quem os vem produzindo há dezenas de anos.

Que não aconteça o mesmo que à célebre “Camisola Poveira”!

Rosa branca. Foto original. 2021.10.19.jpg

Tenho dito! Rosas e mais rosas... Que este mundo o que precisa é de mais flores, como nas Festas do Povo de Campo Maior!

Muita Saúde! Muito Obrigado!

 

Dia de rosas! Mês de rosas!

Rosas em Dezembro! No Quintal!

Rosa do Quintal da minha Avó!

Rosa da Avó. Foto Original. 2021.12.01.jpg

(Rosa de Alexandria não figura neste postal, porque já figurou noutro!)

*******

Rosa branca com ligeiro matizado.

Rosa branca matizada. Foto original. 2021.11.30.jpg

Não lhe sei o nome. Comprei a roseira há alguns anos. Plantei-a no Chão. Esta, transplantei-a para o Quintal, abacelando-a, a partir de um ramo da primitiva. De que também figuram fotos neste blogue. Mas em cor de rosa, a partir de enxerto que fiz na primeira roseira.

Votos de muita Saúde! Felicitações! Obrigado!

Plantem roseiras: Nos quintais, nos jardins, nos enquadramentos públicos e privados, nos locais em que elas podem engrandecer os espaços e o(s) tempo(s)!

 

Fonte D’Ordem! Aldeia da Mata

       Fonte da Ordem (De Malta!)

Carranca da Fonte. Foto Original. 2021.02.01. jpg

Reporto para “nova” Fonte, todavia e certamente a mais “velha” da Aldeia. Assunto a desenvolver em “Apeadeiro”.

Fonte integrada nos “Percursos Pedestres” do Alentejo: Histórico.

Estrutura da fonte. Foto original. 2021.12.01.jpg

Repare na “Carranca” que tutela o postal e na seguinte.

Carranca vista de lado Oeste. Foto Original. 2021.12.01.jpg

Primeira foto de Fevereiro, antes da limpeza da fonte e de Novembro, após a limpeza. Julgo não ser conveniente demasiada limpeza na carranca, pelo desgaste provocado. Já basta o que os tempo(s) fazem.

Até logo, em Apeadeiro. Compre, desde já, o bilhete de visita.

Saúde. Excelente semana.

 

Vamos à Fonte… do Boneco!

Fonte do Boneco?!

Fonte do Boneco. Foto Original. 2021.12.01.jpg

Uns bitaites sobre “Questões Pertinentes – Perguntas Impertinentes”!

Alguns provérbios e frases idiomáticas!

Se, ainda em pleno século XXI, houvesse por hábito e necessidade ir à fonte, como ainda o era, até meados dos anos sessenta do século XX, na minha Aldeia, qual seria o tema das conversas de hoje, dia quatro de Dezembro de dois mil e vinte e um?!

Vou tentar imaginar alguns assuntos que seriam abordados, hoje: 04/12/21. Como se as pessoas fossem às fontes buscar água para as necessidades diárias, principal ou quase exclusivamente as mulheres. Os homens iam mais com os animais, muares, vacas, a dar-lhes de beber, nos tanques anexos, que são bem visíveis nas imagens das fontes já apresentadas, em Aquém Tejo e no Apeadeiro. Fontes do Salto, da Bica, de Alter, bem como a do Boneco, para que nos reportamos hoje. Em todas estas o “tanque das bestas” é bem visível.

Temas plausíveis de destaque, no dia de hoje:

O jogo do Benfica – Sporting. O que posso perorar, sendo benfiquista?! “Futebol é arrebol” traduz, de certo modo, a minha perspetiva sobre futebol, futebóis e futebolices!

A questão do célebre “passageiro” que circulava de táxi(?!) num dia fatídico de há meses, na movimentadíssima Autoestrada seis (A6). (Também e em pleno, no meu Alentejo! Bem perto da Cidade sem Tempo...!) Que, finalmente, se ausentou da governação. É caso para dizer, que “mais vale tarde que nunca”!  É pela persistência, insistência, predominância de personagens assim e assado, na politiquice, que nos alheamos e fartamos da política!

E, “a talho de foice” viria a desnecessidade de eleições antecipadas!

E a Covid, que hoje quase atingiu os seis mil novos casos! (Há escassos meses, especialistas no assunto alertavam que, para Dezembro, atingiríamos os dois mil casos. Ora, esse valor foi atingido a 17 de Novembro. E, agora, já vamos quase nos 6000!!! Chegando o Inverno e lembrando, tristemente, Janeiro e Fevereiro deste 2021, o que poderá suceder nos correspondentes meses de 2022??  Vindo Natal e Ano Novo e toda a gente a andar no trolaró… Em Janeiro haverá restrições, já anunciadas. É caso para dizer que “após casa roubada, trancas à porta”.

Certamente viriam outras temáticas, treinadores de bancada é o que mais há, atualmente tanto homens como mulheres. Sobre o “idiomático e pertinente passageiro” muito mais se diria, muito se disse e escreveu nestes meses, nas redes virtuais. Os atuais pontos de encontro, cavaqueira, coscuvilhice, “mentideiros” … As fontes… de informação e verborreia, tantas vezes… De manipulação, também!

Também me fico por aqui. Já atingi uma página A4 de paleio. Vou convidar o/a Caro/a Leitor/a a apear-se… e irmos à Fonte do Boneco! Prosear ou apenas ver a paisagem.

Caminho da Fonte. Foto Original. 2021.12.01.jpg

Obrigado por me acompanhar até este momento. Votos de muita saúde!

 

Em Dezembro, uma rosa...!

Dezembro, será suposto que seja o "Mês das Rosas"?!

Rosa Alexandria. Foto original. 2021.11.30.jpg

Certamente que não! Esse será o "Mês de Maio"!

Mas aqui tem, Caro/a Leitor/a, a foto de uma Rosa de Alexandria, numa manhã orvalhada de trinta de Novembro e a mesma rosa no Dia 1 de Dezembro!

Rosa de Alexandria. Foto original. 2021.12.01.jpg

E, a mesma rosa, a vinte e oito de Novembro!

Rosa. foto original. 2021.1128_171227.jpg

Será o Milagre das Rosas?!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D