Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

2022 a despedir-se. 2023 a chegar!

E se me perguntassem sobre aspetos relevantes deste ano de 2022, a findar?!

Cheias na Ribeira. Foto Original. 20.12.22

Se me perguntassem, eu responderia. Não sem antes frisar que não tenho qualquer pretensão a ter uma opinião afinada sobre o assunto. Todavia, como qualquer cidadão, sou capaz de opinar, tendo ou não valor o que diga, seja ou não relevante o que perore! Cada um é como cada qual! E que valor ou interesse tem o que digo ou escrevo?! Adiante…

Cheias na Ribeira. Foto original. 20.12.22.

Um dos acontecimentos relevantes que destaco é o das Cheias, recentemente ocorridas na minha Aldeia. Em contraponto à Seca que vínhamos vivenciando há vários anos! Foi um acontecimento local, que observei, registei, “vi claramente visto”, parafraseando o Poeta. Sendo local, foi também regional. Choveu no Alto Alentejo, como há décadas não se presenciava. Igualmente nacional, que, por todo o País, São Pedro abriu as portas do Céu! E internacional, que por essas “Espanhas”, “nuestros hermanos” tiveram a bênção de receber água, que Deus a mandou (!), para encher barragens por esses Tejos, Guadianas e Douros! E assim dar um banho de chuva aos agricultores, à beira de uma taque de nervos, ameaçando uma guerra, não direi militar, nem convencional, que a última havida entre os dois países foi no distante 1801! (Também de raiz agrícola (??!!) Aparentemente: “Guerra das Laranjas”!!!!!!) 

E a propósito de malfadadas guerras, a “guerra da Ucrânia”, foi algo que negativamente nos marcou. Apesar da distância (?) sentimo-la demasiado próxima. Pela injustiça, insensatez, de tal ocorrência; despropósito, crueldade, destruição pura e dura! E dura. Parece nunca mais ter fim!

Positivamente, as mudanças atitudinais, comportamentais, face à Covid. Com as sucessivas vacinas de que temos beneficiado, podemos organizar as nossa vidas com relativa normalidade. Até nos esquecemos que o bicho anda por aí, duvido que alguma vez se vá definitivamente, mas vamos estando protegidos. E, deste modo, temos vida quase idêntica à da era pré-covid! Mas, não esqueçamos que, na China, como há três anos, o vírus circula em força.

Um aspeto negativo, no que respeita a este nosso querido País, e que me toca sobremaneira, é o desconserto / desconcerto que observamos face à Saúde e à Educação. Dois dos setores fundamentais ao progresso e desenvolvimento de qualquer nação, país, estado. Quase todos os dias nas “bocas do mundo” pelo lado negativo. Há que resolver o que realmente é preciso, por quem tem efetivamente competências para tal.

E por competências, choca, nas políticas, dominarem as politiquices, os casos e casinhos, a toda a hora. A “cunha”, agora com outros nomes: amiguismo, partidarismo, “rapazes e raparigas”, para traduzir “boys and girls”, nepotismo, portas giratórias, corrupção, esse o termo exato e preciso. Choca! Dói, a quem trabalha e é honesto!

(As entradas e saídas nas (des)governanças já não me dizem nada!)

Não falo nos milhões para aqui e para ali, dos governos para bancos, para tapes e outras coisas que tais. Das futebolices! Aí o pessoal nada em dinheiro. (Depende dos escalões, claro!)

E não vendo nós grandes créditos em quem nos governa ou desgoverna (?!), também não observamos melhores qualidades nos outros que nos querem governar. Governar?! Se…?!

E porque vivemos esta época natalícia / final do ano, não quero deixar de mencionar o nosso consumismo exagerado. Comprar, comprar, consumir, gastar, comer, comer… e tanta gente a passar fome, a viver na rua sem teto, sem abrigo, catando comida no lixo!

E, parece-me que vi principalmente “coisas” negativas! Que 2023 seja melhor!

 

Antologia Virtual II – Instituto Cultural de Évora.

Amoras… Espinhos… Carinhos…

(A propósito de Amoras, pintando ainda em Junho! ) 

Ontem, vindo em vicinais caminhos

Uns cachos de negras, negras amoras

Encontrei, pintando dois, três raminhos

Num silvado, pauta de rouxinol.

Colhi! Fruto agreste por que choras

Dádiva da Terra, da Luz do Sol!

E mesmo que nos piquem os espinhos

Que Vida seja ilusão arrebol

Se tu não vens, até se te demoras…

Que falta me fazem os teus carinhos!

******* 

(Décima, parcialmente escrita em 1 de Julho, a propósito de amoras pintando uns cachitos ainda em Junho, dia trinta!)

*******

"Natureza à Escuta"

Saiu a Antologia Virtual II – Instituto Cultural de Évora.

"Natureza à Escuta"

*******

Participo com o poema supracitado.

Em devido tempo, divulguei no blogue esta Antologia, incentivando a participar quem estivesse interessado. Em boa hora o fiz.

Festas Felizes!

Viva a Poesia!

 

Entrai pastores, entrai…

Feliz Natal!

Natal dos Pastores. Foto original. 20.12.22

“Entrai pastores, entrai

Por este portal sagrado

Vinde ver o Deus Menino

Numas palhinhas, deitado!”

Mãe e filhote. Foto Original. 20.12.22

*******

Para toda a Comunidade SAPO e muito especialmente para Si, Caro/a Leitor/a, que nos acompanha nestes postais, formulo Votos de um Santo e Feliz Natal!

*******

(Imagens sugestivas associadas à iconografia natalícia: ovelhas, faltam os pastores(!), mascimento, desvelos maternais... Faltam também os reis magos...)

 

Cheias nas Ribeiras – Aldeia da Mata

Ribeiras que são apenas uma Ribeira!

De Cujancas, nome oficial, mas com vários nomes particulares. Assim, como se fossem “anexins”!

A maior cheia de que há memória! 20 de Dezembro de 2022, 3ª feira.

Ribeira das Pedras!

Ribeira das Pedras. Foto original. 20.12.22

Ribeira do Salto!

Ribeira do Salto. Foto original. 20.12.22

Ribeira do Porcozunho!

Ribeira do Porcozunho.  Foto original. 20. 12.22

Quem me haveria de dizer que em Janeiro, deste ano, quando andei a limpar a pedra onde está gravado o registo das cheias de 1941 e de 1959, haveriam de ocorrer neste mesmo ano de 2022, cheias tão grandes! Sim, porque neste final de Outono, que findou ontem, já houvera outra no pretérito dia treze, 3ª feira. Também ainda no Outono, a findar. As fotos dão testemunho dos factos. E não são dos momentos maiores da cheia, que, quando fotografei, a água já teria descido cerca de um metro. De qualquer modo são elucidativas da grandeza, da força das águas e da Natureza!

Foto da pedra com os registos pictográficos de 1941 e de 1959 e, agora, assinalado a branco, o nível da cheia de 20/12/22.

Pedra com registos das cheias. Foto original. 21.12.22.

Sinal do nível das águas no poste e no muro da ponte.

Nível das águas. Foto original. 21.12.22

Quase chegou ao tabuleiro. Não o alcançou por pouco. Se o tivesse alcançado...?! Os parapeitos precisam de obras. A ponte precisa ser alargada, corrigida. Já referi isso noutros postais.

Ponte e arcos. Foto original. 21.12.22

Na foto anterior, apresentando imagem da ponte e respetivos arcos e parapeito de jusante, lado oeste, é por demais visível que são necessárias obras.

Quando andei fotografando as Ribeiras, percorrendo também os terrenos da margem esquerda, Tapada das Freiras, Tapada do Rescão, nunca me aproximei demasiado das águas.

Nem na Ribeira das Pedras me atrevi a passar a ponte, quando a cheia estava no auge.

Algo que, pelos vistos, não assustou o transeunte que  a foto documenta.

Ponte Ribeira das Pedras. Foto original. 20.12.22

É da Proteção Civil. Frise-se.

*******

Para si, Caro/a Leitor/a, que teve a amabilidade de nos acompanhar até aqui, Votos de um Excelente e Santo Natal!

E que venha menos chuva!

São Pedro...?!

Decorações Natalícias de Rua! Aldeia da Mata

Dezembro 2022

Pai Natal e Rena Ecológica. Foto Original. 19.12.22

Nestes tempos do Advento, tenho abordado nos blogues, alguns aspetos referentes aos preparativos do Natal: Coroas e Árvore de Natal, na porta da Casa-Museu; recolha de musgos para arranjar o Presépio e o próprio, estruturado em casa particular.

Um hábito que se tem vindo a enraizar nas mais diversas localidades é a colocação de coroas junto às portas. Como fiz na da Casa-Museu!

Ontem, dia ainda sem chuva, dei uma volta pela minha Aldeia, na sequência de outros afazeres. Gosto de percorrer as Ruas da minha Terra Natal! A intenção era também observar os enfeites natalinos existentes no exterior das habitações. Gostei de ver todas as decorações. A maioria delas, a quase totalidade, consiste em coroas previamente compradas. Pelo menos foi essa a perceção com que fiquei.

Decorações natalinas de porta. Foto original. 19.12.22

Mas entre todas as que tenho observado, está uma decoração que chama mais à atenção, fugindo do habitual. Resultou fundamentalmente de trabalho pessoal, criação artística peculiar e original, sugestionando e inspirando-se nos ícones natalícios.

As fotos testemunham as criações do Casal de Conterrâneos: Ana Maria e Carlos.

(Na minha Aldeia, na minha Rua, Rua onde nasci e vivi largos anos. Numa casa onde também morei, nos idos de 60! Séc. XX!)

Decorações originais. Foto Original. 19.12.22

As obras artísticas ficam à sua apreciação, através das fotos, Caro/a Leitor/a!

Parabéns aos Artistas! Que continuem a presentear-nos com as suas bonitas criações, por muitos anos!

Votos de Feliz Dezembro, de Feliz Natal, especialmente para si, que nos leu até aqui!

*******

(P.S. – Hoje, 20 de Dezembro, Outono quase a findar e Inverno a chegar, na sequência das chuvadas noturnas e matutinas, a Ribeira, as Ribeiras encheram como nunca ninguém se lembra. Uma grande cheia!  Ultrapassou, inclusive, a maior até aqui documentada: a de 1959!)

 

O Presépio de Dona Maria Constança – Aldeia da Mata

Evocar o Natal de antigamente numa casa ancestral!

Presépio. Foto original. 16.12.22.

Quando, em “Apeadeiro”, publiquei postal com um carrinho de mão carregado de musgos, logo alvitrei sobre a eventualidade de presépio.

Ele aí está! A foto não favorece especialmente o original, por defeito do fotógrafo. Mas o presépio vale por si mesmo e pelo trabalho e sentido narrativo e estético de suas Autoras: a Prima Maria Constança e a “neta adotiva”, Catarina.

A iconografia tradicional evocativa da quadra natalícia.

A tríade fundamental: Maria, José e o Menino. A cabana, desabrigada, como sugere a lenda. Nela, numas palhinhas deitado, Jesus, menino! José não se vê muito bem na foto, defeito de perspetiva fotográfica. Realçado o Pastor. Merece, que estamos em Terra e em Casa em que sempre houve criação de ovelhas.

Não me pareceu ver a vaquinha e o burrinho! Mas lá está um carrinho de bois. Nem a propósito, que na Casa ancestral sempre houve lavouras, há cabanais dessas épocas e neles ainda um carro de bovinos.

Na continuação da narrativa, lá vêm os três Reis Magos, provindo do seu castelo.

Espalhadas pelos campos, as ovelhas, que não pode haver pastor sem rebanho. O pasto? Os musgos de sempre. Os pequenos fetos sugerindo o arvoredo. Alguns elementos vegetais: os vasculhos ou gilbardeira, um ramo de espinheiro frutificado, embelezando a cabana.

Mais alguns itens peculiares: a ponte, o riacho, alguns animais, umas casinhas, uma choça(?) Se há pastor, terá de haver o abrigo habitual e contemporâneo do Nascimento. Há mais de dois mil anos não esquecer!

Mas tempos são tempos! E nestes tempos de evocação, não faltam as luzinhas tremeluzindo e estremecendo a paisagem natalina, as bolinhas coloridas, e… a Árvore de Natal!  Enfeitada, multicolorida, iluminada!

Natal é Natal! Parabéns aos Autores do Presépio. Que o António José também o construiu!

Feliz Natal para si, Caro/a Leitor/a que nos acompanhou até aqui.

Feliz Domingo! Feliz Dezembro!

 

Bufa de Lobo ou Bufa de Velha?!

 

A Saga dos Cogumelos: (III)

Estes, na Serra de São Mamede – 26/11/22 – (sábado)

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

Na sequência do mostruário sobre estes seres, em “Aquém-Tejo” e no “Apeadeiro da Matta”, apresento nova série.

Não sei o nome científico de nenhum. (Já havia referido essa minha lacuna?! Desculpe. Obrigado por me lembrar.)

Nomes comuns só sei o da 2ª foto, que pode ser designado como “Bufa de Lobo ou Bufa de Velha”. Terá outras nomenclaturas, conforme as regiões ou países. Antigamente, usavam os esporos deste cogumelo para sarar feridas.

Bufa de lobo. Foto Original. 26.11.22.

Não tutela o postal, apesar do título, porque não tem uma imagem muito apelativa.

Escolhi outro cogumelo que é mais fotogénico!

Repare não só no item fundamental, como em toda a envolvência. Sempre materiais em decomposição. Folhas variadas, alguns ramitos de árvores, que eles vão transformando. São decompositores.

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

O seguinte, enquadrado no mesmo ambiente: folhas de azinheira ou sobreiro, raminhos secos. E umas ervitas. Este até pode ser facilmente confundido com o tortulho. Mas não me parece que seja!

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

O que se segue, assemelha-se ao anterior, desabrochado. Será?! O mesmo enquadramento, mas com um novo elemento. Uma bolinha vermelha, à esquerda. (Se fosse à direita e na TV, sabíamos o que era!) Neste caso, nesta foto, o que será?! Adiante, SFF!

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

Na foto subsequente, a envolvência observa-se bem. Mas o cogumelo?! Está apenas "em botão" e, realmente, é difícil de descobrir!

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

A seguir, um bem original! Enquadrado por várias "bolinhas vermelhas". O que serão?! 

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

Pequeno, mas com um chapéu bem interessante!

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

Uma colónia de seres minúsculos, bem disfarçada no ambiente!

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

E este, será um tortulho?!

(Enquadra-o uma planta trepadeira, que conheço como pegamassa.)

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

Como pode observar, Caro/a Leitor/a, desconheço o nome científico de todos. A quase totalidade dos respetivos comuns. Além do mais, não sei sobre perigosidade, toxicidade, se venenosos ou não. Daí, os especiais cuidados. Não os apanhar! Não os colher! Fotografar, basta!

Se alguém, que ler este postal, souber os respetivos nomes científicos ou mesmo os comuns e quiser ter a amabilidade de os nomear, agradeço. Obrigado!

E, como escrevi em postal anterior, também sei o nome comum de um outro. Mas este ano ainda não encontrei nenhum. Tem um cheiro muito característico. Senti-o, quando andámos na Serra. Mas não localizei. Tem um nome comum muitíssimo peculiar e penso que o científico remete para a mesma significação. Mas... quando encontrar, postá-lo-ei. 

Obrigado pela sua atenção. Bons passeios Outonais, com menos chuva!

 

Cheias e Enxurradas no Alto Alentejo!

A Ribeira das Pedras e a Ribeira do Salto: uma e mesma Ribeira!

Ribeira e Fonte do Salto. Foto original. 14.11.22

Volto ao tema de postais recentes e da atualidade: Cheias e Enxurradas

Especialmente no Norte Alentejano. Nem a propósito, noticiaram que a Barragem do Maranhão – Ribeira de Seda – encheu em dois dias! Ontem, 3ª feira, começou a descarregar. Sendo uma barragem apenas para rega, acaba por se desperdiçar a água. Digo eu!

(Interessante! Algo que nunca me tinha ocorrido, face a uma célebre barragem “prometida” há seis décadas. A do Pisão! Também na referida Ribeira de Seda, a montante da do Maranhão. Face à situação de seca que temos presenciado nos últimos anos, eu considerava que a Barragem do Pisão seria de alguma redundância. Por mal chover, há anos, e ao facto de a do Maranhão estar regularmente muito vazia, também há vários anos. Muito especialmente após os olivais intensivos que a rodeiam em centenas, milhares (?), de hectares.

Face às chuvas que têm caído, revejo, de certo modo, a minha visão. A ser construída, a mencionada Barragem do Pisão, serviria para armazenar, a montante, muita da água caída, evitando desperdício a jusante. Digo eu!)

Pretendo abordar aspeto mais específico do assunto. Também fiz referência, no postal anterior, à Ribeira das Pedras, várias vezes abordada nos blogues. É sobre essa Ribeira que apresento fotos do respetivo caudal, hoje, a meio da tarde. Ainda corre bastante bem, mas menos do que ontem. Segundo me informaram, não chegou a tapar os arcos, mas transvasou para as hortas da margem esquerda, tapando parcialmente a nora.

Ribeira das pedras. Foto Original. 14.11.22.

Fui à margem direita, onde na rocha estão assinaladas marcas das cheias de 1941 e de 1959. Ficou bastante aquém dessas cheias.

É interessante assinalar estes factos, para percebermos que estas ocorrências de cheias acontecem. Já aconteceram em datas anteriores. E voltarão a ocorrer futuramente. Não sabemos quando, não as podemos prever com regularidade e periodicidade. Mas temos de estar conscientes que voltarão!

Ribeira das Pedras e Ponte. Foto original. 14.12.22.

Aliás, lembramo-nos das regulares cheias do Tejo, do Douro, do Mondego. Das enxurradas de 1967, na Grande Lisboa. De muitas outras situações.

Voltando à Ribeira das Pedras, a Mãe também se lembra de uma grande cheia em 1975.

Terá havido outras.

Este ano voltaram as Cheias!

Isto é para não dizermos que este País é uma grande Seca!

 

País de secas e de enxurradas!

Nestes últimos dias tem chovido água que Deus a mandou! Ou São Pedro!

"Deixa estar, que ela não fica lá". Dizia a Mãe, quase centenária, quando nos verões se falava da seca!

Tem chovido tanto que tem havido enxurradas pelos mais diversos lugares do nosso País. Este Outono tem tido características que, há vários anos, não observávamos. Depois de secas persistentes e de um ano particularmente quente no Verão, choveu ainda no final desta estação. Continuou chovendo regularmente, no Outono. As terras sequiosas foram absorvendo as águas. Pouco foi chegando às barragens, apesar de se irem compondo face à escassez de água que fomos lamentando todo este ano e anterior(es). Não chovia! As barragens não tinham água! Este drama atormentou-nos até há bem poucas semanas. E, era um facto!

Ponte moderna de Benavila. Foto Original. 03.10.19.

Posso exemplificar. Ainda no passado dia 7, do corrente mês, nem há oito dias vai, passámos por Benavila, junto à Barragem do Maranhão. Pudemos constatar como a represa estava vazia. A norte desta localidade, corre a Ribeira de Serrazola, que desagua na Ribeira de Seda, represada na mencionada Barragem, cujas águas chegam até bem longe de Benavila, quase até Seda, quando o reservatório está cheio. Não era, nem de longe nem de perto, o caso. Esse ramo poder-se-ia atravessar a pé, partindo do Santuário da Senhora D’Entre-Águas, localizado a norte, em colina sobranceira às duas ribeiras, que aí confluem. Ribeira de Serrazola desagua na Ribeira de Seda. A ponte antiga que atravessa aquela ribeira, habitualmente submersa, estava completamente descoberta. Permitiria atravessar, a quem o quisesse fazer. (Tive pena de não ter tirado foto, mas estávamos com muita pressa, já era tarde e estava ameaçando chuva, como já dura há dias. As fotos ficariam semelhantes às que tirei em Outubro de 2019, já postadas.)

Benavila. Barragem do Maranhão. Foto original. 03.10.19.

Em poucos dias, especialmente desde o final de semana, a chuva tem sido de tal intensidade que provocou estragos especialmente nas localidades. Particularmente nas ribeirinhas. Para essa situação, em especial na Grande Lisboa, contribui a orografia dos terrenos, sobremaneira o asfaltamento, a betonização. O deficiente Urbanismo! Mas o “mau tempo” continua por todo o lado.

Ontem, quando regressávamos a Portalegre, particularmente a partir de Estremoz, ainda mais após Monforte, os terrenos alagadíssimos. Regatos eram ribeiros! Estes, ribeiras! E aquelas, quase rios! Todas estas águas Monfortenses, Portalegrenses, irão desaguar direta ou indiretamente para a Ribeira de Seda e respetiva Barragem do Maranhão. Será que agora a barragem irá fazer o seu pleno?! Numa próxima viagem já a veremos completamente cheia?!

Av. Pio XII. Foto Original. 13.12.22.

Ainda Portalegre. Aqui as chuvas têm sido intensíssimas! Avenida Pio XII, descendo da Serra, tem parecido uma verdadeira ribeira!

Bem gostaria de ir ver a Ribeira das Pedras e do Salto – Aldeia da Mata - que já galgaram as respetivas pontes!

 

“Momentos de Poesia” – Crónica II

“Momentos de Poesia” – 26/11/2022. Portalegre - Hotel José Régio.

Portalegre. Foto Original. 26.11.22.

Começo por referir que sou péssimo "repórter" e "cronista". Mas pretendo desenvolver um pouco mais o assunto, nomeadamente referir os nomes dos participantes. Conheço a quase totalidade, vários participam habitualmente, todavia, não sei o nome de muitos.

Nesta intervenção, pela primeira vez nestes eventos, utilizei o telemóvel para documentar as intervenções. Consegui! Contudo nas gravações não ficaram explícitos os nomes.

Valeu-me a informação prestada pela Organizadora de “Momentos”, Drª Deolinda Milhano, que me referiu os participantes em Poesia:

- Antónia Guerreiro (vinda do Algarve) - Luísa Carrilho - Rosário Relvas - Abílio Mourato - Maria Ana Salgueiro (vinda de Castelo de Vide) - Madalena Tavares - Maria Luísa Silva - Deolinda Milhano - Isabel Salpico (Cantora) - João Banheiro (Cantor, Músico, Apresentador...) - Francisco Carita Mata.

Estes participantes disseram Poesia de sua autoria ou de outros autores, lendo, recitando, declamando, cantando, acompanhando-se à guitarra, João Banheiro, ou à capela, Isabel Salpico e Abílio Mourato.

Também vieram outras pessoas que, não participando na Tertúlia, assistiram, nomeadamente de Algés e de Portalegre.

O Sarau iniciou-se e foi encerrado com o Grupo Coral de “Momentos de Poesia”, cantando o respetivo hino. Participantes do coro:

Rosário Relvas - Isabel Salpico - Maria Ana - Deolinda Milhano - Madalena Tavares - Luísa Carrilho -Abílio Mourato - José Cardoso.

 

Portalegre. Foto Original. 26.11.22.

Também idealizei documentar esta narrativa com foto do Grupo Coral. Tirei duas fotos, mas constatei que, em ambas, me falta um dos elementos do grupo. De modo que ainda não é desta que documento com foto de participantes. (De certo modo esta falha vai de encontro à minha relutância em publicar fotografias com pessoas.) Para documentar o texto incluo mais uma foto da Cidade de Régio, o que corresponde a um dos desideratos de “Momentos de Poesia”: Homenagear Portalegre!

A sessão decorreu muito bem. Agradeço a possibilidade de ter assistido ao desempenho dos vários participantes. Todos, a seu modo, nos encantaram e engrandeceram. Também estou grato pela oportunidade de ter participado.

É muito bom haver na Cidade estas Tertúlias. Os tempos recentes que temos vivido nestes últimos anos, desde o início da pandemia, 2020, têm dificultado as respetivas realizações. As vidas de cada um, igualmente. Mas é importante que aconteçam!

Notei a ausência de algumas pessoas que eram presença habitual. Algumas já nos deixaram. As Vidas complicam-se.

Viva a Poesia! Que aconteçam mais “Momentos de Poesia”!

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D