Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

A 2ª Flor do Cacto!

Chão da Atafona - Aldeia da Mata

Cacto. Original. 06.07.23.

Hoje, 5ª feira, 6 de Julho, logo pela manhã, fui ao Chão da Atafona.

E lá estava, já, a segunda flor deste Cacto.

Cacto. Original. 06.07.23.

A primeira, como já mostrei ontem, estava fechada.

Esta secundina, bem aberta, como se observa na foto seguinte.

Cacto. Original. 06.07.23.

Floresceu de noite! Amanhã já estará certamente fechada, como parece ser costume nestas flores dos cactos. 24 horas!

Estas flores também darão frutos como as das figueiras da Índia?!

Terei de observar.

Como habitualmente os Gatos, Gil e Ricardina, fizeram companhia.

Gil e Ricardina. Original. 06.07.23.

(Mostrarei mais noutro postal.)

 

Flor do Cacto

Hoje fui surpreendido com o Cacto assim florido!

Cacto. Original. 04.07.23.

Surpresa relativa, porque, anteontem - 2 de julho, observara dois botões de flores!

Mas esquecera-me...

Cacto. Original. 02.07.23.

Hoje, 4 de Julho, um dos botões floriu!

Cacto. Original. 04.07.23.

Ei-lo, noutra perspectiva:

Cacto. Original. 04.07.23.

E, enquanto ando e cirando, pelo Chão, pelo Vale, quem me acompanha, me observa e se faz à foto?!...

Gato GIL. Foto original. 02.07.23.

O Gato Gil! 

Saúde, Paz e bons passeios. Cuidado com o calor!

 

Vai um figuinho?!

Da Figueira Alvar, no Caminho da Fonte das Pulhas – Aldeia da Mata.

Figo alvar. original. 21.06.23.

Plantada pelo Tio João Carita, segundo me disse o Pai, logo terá cerca de um século!

O nome foi-me dito pela Mãe. Estes figos são pretos por fora e branco – pérola, por dentro.

Este ano tem havido muitos figos nesta época de finais de Junho, quando abundam os designados de São João. (A figueira que temos desse tipo ainda não está em ação de dar. É criança.)

Em volta desta figueira, no Chão da Atafona, organizei uma espécie de jardim, onde semeei e plantei alguns arbustos.

Na imagem seguinte, destaca-se outro tipo de figueira: a Figueira da Índia.

Figueiras. Original. 21.06.23.

E consegue identificar os arbustos seguintes, por entre as folhas secas de oliveira?

Arbustos. original. 21.06.23.

Espargos e Loureiro, semeados por mim

e um trevo nascido espontaneamente e outra erva que desconheço.

E na foto seguinte:

Plantas. original. 21.06.23.

Roseira, de rosas de cheiro e Sanguinho.

Far-se-ão crescidos!

Vai um figuinho?!

 

Se eu fosse um Artista conceituado…

Instalação no Quintal. Original. 21.06.23

E esta “Instalação” estivesse exposta num daqueles locais icónicos…

…onde se expõe a Arte.

Estaríamos perante uma Obra / Instalação Artística!

(Ademais de "pernas para o ar"!)

Instalação no quintal. original. 19.06.23.

Mais uma Obra de Arte Efémera (IV).

Instalação. Original. 18.06.23.

Assim… de que se trata esta instalação?!

Tão só e apenas de uma “caranguejolice”, que engendrei para proteger as uvas duma videira por demais expostas à “torrina do sol”!

Videira. original. 18.06.23.

E acautelar algumas plantas envasadas do meu viveiro.

Plantas viveiro. original. 18.06.23

Boas fruições artísticas, com saúde e paz.

Um trabalho artístico?!

Trabalho artístico. Original.

Um enigma ou vários para decifrar!

(Um dos meus trabalhos de Verão, de quando tinha vagar, não havia estas coisas da internet para uma pessoa se entreter e tinha paciência e inspiração, e tempo...

Meados de anos oitenta do séc. XX!) 

Caro/a Leitor/a, neste postal de “Aquém-Tejo”, exponho mais um dos meus “trabalhos artísticos”. Artísticos, é como quem diz. “Presunção… cada um toma a que quer”!

(Galerias disponíveis para apresentarem os meus trabalhos é o que mais há, eu é que não tenho disponibilidade!)

Com ele, apresento alguns enigmas para decifrar.

Gostaria que tentasse responder a algumas questões, no sentido de encontrarmos a decifração do(s) enigma(s) subjacentes ao trabalho.

Veja se consegue, SFF! Obrigado pela sua colaboração.

Trabalho artístico. Original.

Onde, em que “objeto”, está o trabalho executado?

Qual o algarismo que se repete em cada figura desenhada?

Qual o significado global do “trabalho artístico”?

Quais os significados particulares de cada desenho?!

Quantos consegue decifrar?

Haverá algum significado oculto no(s) desenho(s)?!

(…)

Por aqui fico… Muito Obrigado pela atenção e colaboração!

(E haverá algum prémio para quem conseguir decifrar?!)

Saúde, Paz e Poesia!

 

Nascer do Sol, hoje!

Véspera de São Pedro - Aldeia da Mata.

Nascer do sol. Original. 28.06.23.

Já ocorreu depois das 6h e 20'. E também, parecendo envolvido por "manto" de poeira (?), fumo(?)

(Fotos tiradas da plataforma do Cruzeiro de São Pedro.)

A aurora anunciando-se! O Sol ainda dormindo!

Nascer do sol. Original. 28.06.23.

(A foto seguinte foi tirada da rampa de acesso ao "Cristo Rei"!)

Nascer do sol. Original. 28.06.23.

O Nascer do Sol enquadrado pelo Cruzeiro de São Pedro!

Nascer do sol. Original. 28.06.23.

Tirar fotos, ao nascer do sol, não é tarefa fácil! Calhou, hoje, 28 de Junho, véspera de São Pedro, oito dias depois do Solstício de Verão!

 

Posts em Aquém-Tejo e Tags

Que se passa com os posts de “aquém-tejo.blogs.sapo.pt” e as “tags”?!?!

Rosa singela. Original. 04.06.23.

Porque é que os postais do blogue “Aquém-Tejo” não aparecem nas “Tags” (Etiquetas) habituais?

Antes de mais, atrevo-me a afirmar que deverei ter feito alguma das minhas aselhices. Não sei! O que sei é que já há algum tempo, não sei precisar desde quando, publico postais neste blogue, e não surgem referenciados nas “etiquetas” / tags mais comuns e que registo.

Na tag “últimos posts” deveria surgir sempre por inerência funcional. Também coloco “poesia”, habitualmente “quotidiano”, por vezes “opinião”. Os postais não aparecem.

Já os que escrevo em “Apeadeiro da Mata” aparecem.

Gostaria que a Equipa que coordena o SAPO me esclarecesse e elucidasse para que eu pudesse resolver a situação. Se faz favor! (SFF!)

Muito obrigado!

(Era para ter publicado, ontem, este postal simultaneamente com o que publiquei em “Apeadeiro”, mas foi-me impossível.

Foto?! Também de uma rosa singela!

O Verão chega hoje?! Por aqui, já chuviscou. E está fresco. Gosto do Verão fresco!)

 

Despedidas do Verão?!

Açucenas ou Despedidas de Verão?!

Despedidas de Verão. Fonte do Salto. Foto Original.

Nós, melhor, eu gostaria de me despedir do Verão. O Verão é que não se quer despedir. Teima em prosseguir com este calor e eu, contrariado, terei de voltar a regar. Na realidade não me apetece muito. Preferia tempo mais fresco, mais outonal, com alguma chuva. E a Natureza, toda ela, precisa de chuva. De muita chuva, diga-se.

Bem, este postal serve para testemunhar a beleza destas lindas açucenas. Há quem assim lhes chame. Inclusive, numa povoação da Madeira, julgo que Campanário, fazem uma romaria, em que estas flores, designadas de açucenas, têm honras de altar.

Eu conheço-as por “Despedidas de Verão”. Só que o dito não se quer mesmo despedir. Fiquemos pelas açucenas.

Estas não estão no meu quintal. Estão perto da Fonte do Salto, num antigo hortejo, ou “canchoço”, mesmo junto à Ribeira. A pequeníssima propriedade, em ambas as margens da Ribeira, a montante da ponte, era pertença da Ti Raposinha. (Nome peculiar, Aquiliniano! Não sei se próprio, se anexim. )

Resquícios de tempos em que qualquer pedaço de terra era uma preciosidade. Para além do mais, com água da Ribeira, à mão de semear. Até aos anos sessenta era cultivado. Lembro-me de ver a senhora ir para a horta. Atualmente está tudo ao abandono. Mas ainda restam pedaços do tanque para acumular água e lavar roupa. E ficaram estas lindas açucenas, testemunhando esses tempos. Que no final de verão, inícios de outono, florescem em todo o seu esplendor.

E, falando na ponte da Ribeira do Salto, uma foto, como não a víamos há muito tempo.

Ponte da Ribeira do Salto. Aldeia da Mata. Foto original.

A Junta mandou limpar as árvores que lhe tapavam a visibilidade e, agora, podemos observar a respetiva arquitetura. Vista de montante, sensivelmente de Leste.

Voltarei a este assunto.

Saúde. Paz. Bons passeios. Visite a Fonte do Salto. A Ponte. A Ribeira.

A localidade?! Aldeia da Mata - Alto Alentejo.

Não deixe lixo, SFF!

(P. S. - As fotos são originais, mas não são de minha autoria. Parabéns à Autora. E, Obrigado.)

 

Um Figo da Índia muito especial!

Votos de saúde, e bons frutos.

Figo da Índia. Foto original.  2022.09.07. jpg

Habitualmente os figos inserem-se no tronco através de um pequeno pecíolo. Mas estão separados dos ramos a que estão ligados.

Neste, o ramo e o figo estão incorporados um no outro.

Mais uma particularidade desta planta já de si por demais peculiar.

Bons frutos!

Figos, figos da índia, uvas, amêndoas de casca. Não me lembro de alguma vez ter comido tantos frutos colhidos diretamente da Natureza. E muitos de plantas e árvores que eu próprio semeei, abacelei, plantei, arranjei, reguei, protegi das ovelhas… Eu sei lá!

E amoras silvestres!

Votos de um bom Setembro!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D