Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Árvores para Crescer!  Aves para Voar!

Educação para a Cidadania (III): Volto ainda a este Tema.

Foto Original. 2020. 01. jpg

 

Para quem não se tenha apercebido, os diplomas legais sobre a “criação” desta Disciplina reportam-se a 2012! Lembre-se quem exercia funções de Estado, tanto no Governo, como na Presidência!

(É caso para citar o aforismo: “Uns comem os figos, a outros rebenta-lhes a boca!”)

Frisar que concordo com a existência da mesma.

Repetir que, caso tivesse filhos em idade de a frequentar, mesmo não concordando, não os proibiria da respetiva frequência.

 

Precisamente porque, ao proibi-los, estava a privá-los do exercício da Cidadania. Não lhes permitindo opinar, discutir ideias com os seus pares, serem confrontados com ideias contrárias ou simplesmente diferentes; dialogar, perspetivar ideias e ideais, compartilhar com iguais, ou contrapor; defender valores, princípios, atitudes; crescer, desenvolver-se com os Outros; saber aceitar, compreender as diferenças ou emparelhar-se com os seus iguais. Contrapor, opor-se construtivamente, de forma democrática.

Proibindo-os da frequência, não lhes proporcionava o direito e o dever de aceitar ou impor o contraditório, com base no diálogo, perspetivando a sua construção pessoal e social.

 

Mas reconheço que, ao agir desse modo, estava a exercer um Direito meu, enquanto Pai. Mas será / seria, que estava / estaria a ser justo com o meu filho?!

 

Agora, supondo que eu exercia essa prerrogativa.

Proibir o meu Filho de frequentar uma disciplina obrigatória.

(Não esquecer e acentuar que fora eu que o matriculara, com conhecimento da respetiva estrutura curricular, pelo que fora eu que sujeitara o meu filho a essa situação.)

 

Será que, não cumprindo, esperaria não haver nenhuma sanção?!

 

E havendo, ela iria recair sobre quem?! Sobre mim, quem, de facto, decidiu?

 

Como seria de esperar, o ónus não era sobre mim que recairia. Seria sobre o meu filho, sujeito a reprovação.

Será que consideraria justo?!

Obviamente que não!

 

Também por tudo isto, eu, que estou escrevendo este postal, não o proibiria da frequência. Porque, se alguém devesse ser castigado era eu e não ele. Ele que é menor! O castigo recairia sobre a parte mais fraca!

A culpa iria recair sobre o elo mais fraco, sobre quem, de facto, não tem autonomia jurídica para decidir!

*******

E a Foto Original?! Os Ramos das Árvores são para Crescer. As Aves para Voar!

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D