Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

24.Mai.18

Cantares e Encantares do Alentejo!

Alentejanas visões e audições

31º Encontro de Cantares Alentejanos do Concelho de Almada 

Uma divulgação que também é uma crónica e uns desabafos de Alma! E uns provérbios…

 

Em Aquem-Tejo voltamos ao que nos canta na Alma e nos encanta. A Poesia, o Cante, a Música, … a Arte!

 

Não falamos do que os nossos mass-media nos inundam: futeboladas, futebulices, calinadas e caneladas.

Também aqui se gosta e se fala de futebol. Mas quando é Futebol! E de Desporto!

 

31º Encontro Cantares Alentejanos. Cartaz Organização Evento.png

 

Hoje, (finalmente!) parece que consigo desemperrar na publicação do post, visando a divulgação do 31º Encontro de Cantares Alentejanos do Concelho de Almada.

 

Alentejo e Almada… que nos ficam no coração!

 

Ponte de União. 2017. Original DAPL. jpg

Em dia de chuva, toda a manhã choveu, chuva bem chovida, como se diz no “nosso” Alentejo! Parecia um dia de Inverno. Também fresquinho!

Também dia de acidentes rodoviários. No cruzamento da Rua António Elvas, junto ao Mercado Municipal do Feijó, mais um. De vez em quando aí estão a acontecer. Normalmente aparatosos, mas os que tenho assistido, têm sido mais de chapa batida.

De qualquer modo e nomeadamente no Feijó, mas é uma atitude generalizada, a questão da velocidade tem que ser mais controlada.

Atravessar uma rua, mesmo numa passadeira, é um exercício de risco diário.

Há que equacionar e resolver, de algum modo, esta questão. Porque a Lei existe, mas ninguém cumpre!

E para quê, sempre, tanta pressa?! Não chegamos todos ao mesmo lado, mais tarde ou mais cedo?!

 

Nada há como ouvir, escutando, os belos Coros Alentejanos, quer sejam das profundezas das planícies, quer os da cintura industrial, que já não é, que já quase não existem indústrias na Grande Lisboa. Mas ficou-nos a memória.

 

E ainda voltando à chuva! E à Memória.

 

Lembrar-se-á, caro/a leitor/a que ainda no início de Março, nos queixávamos que não chovia, há três anos que mal chovia e a desgraça que fora todo ano passado e os incêndios e a falta de comida para o gado, e as barragens sem água…

Isto quem se preocupa com estas coisas. Quem sabe e consciencializa, que a água não nasce na torneira da cozinha, que os bifes não vêm já embalados diretamente das vaquinhas e ignora que elas até têm cornos!

(Ah! E a propósito de cornos ou chavelhos, também se pode dizer, que são palavras que figuram no Dicionário.

O PAN, não sabe o que é?! É o tal partido que propôs e conseguiu aprovar, abençoados Senhores Deputados!, que os cães e outros animais domésticos podem comer à mesa dos restaurantes, juntamente com os donos e os outros comensais, claro.

Pois, segundo li um destes dias, finalmente o PAN parece que se decidiu a apanhar o touro pelos cornos!

Não sabe o que significa esta metáfora?!

Parece, que finalmente vão propor uma Lei proibindo as touradas.

Não concorda?!

Pois, caro leitor/a, atente devidamente no sofrimento cruel e absurdo que é infringido aos pobres animais, que não têm culpa de nada!)

 

Mas a conversa vai longa. E eu só quero reforçar como é sempre cativante e marcante ouvir, escutando, os Coros Alentejanos. Não há vez alguma, quando presencio estes espetáculos, que não seja de algum modo tocado, pelas vozes telúricas que dimanam das profundezas da Planície, agora tão colorida de malmequeres, soajos, rosmaninhos e das garridas papoilas.

Ademais com estas chuvas, seguidas de tempos de sol. Que no Alentejo tem caído cada trovoada!

E ainda a propósito da dita. Quando nos lamentávamos da falta da mesma, a minha Mãe, na “Sua Sabedoria dos Velhos”, me dizia… “Deixa que ela não fica lá.”

E não ficou. Que ainda em Março e depois em Abril e até agora em Maio, ela nos tem visitado.

Pena, agora, são os fenos…

Mas isto já se sabe: “Não se pode ter sol na eira e chuva no nabal”!

 

 (Fotografia original DAPL 2017.)