Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

"... E Cai a Noite"!

Poesia de Rolando Amado Raimundo

 

Continuamos na "onda" da Poesia.

Hoje, divulgamos dois bonitos poemas do confrade supracitado: 

"Na cidade e cai a noite" e "Canção que transcende". Ambos de 2012.

 

Ginjal 2017. Original DAPL. jpg

 

       *******

 

«NA CIDADE E CAI A NOITE»

 

«A penumbra trouxe agora acalmia aparente

Já tudo se vestiu para a noite, como as aves

As portas trancadas, os alarmes precavidos

Lá ao longe

O grito de ambulância fere lancinante

Aproxima-se. Homem, mulher?

Quem lá irá, que lhe aconteceu

Acidente, algum suicídio, mais um?

Junto à linha férrea, ratinhos banqueteiam-se

Sem pejo nem temor

Nos caixotes da avenida.

Velhas espreitam atrás dos vidros

Pela vez derradeira

Janelas com luzes dentro

Onde se faz sexo

E talvez amor

Há promessas de não cumprir

Ou maquinações tenebrosas

Gente feliz, gente contente

Gente a nascer e gente a morrer

Menos carros indiferentes

Tudo a girar como a bola mundo.

 

Há insónias, rezas

Pensamentos impuros

Intenções fraternais

E pensamentos lúbricos

A lassidão é companhia

Como mulher que seduz

Lânguida, impulsiva, quase empurra

Para os braços de Morfeu

É hora dos bichos nocturnos e sua rotina

Dos olhos dos gatos reflectidos

Das ratazanas e dos ladrões

Tudo atento, em seu lugar

Perfeito, como em êxtase.

 

Nalguns cantos espetam-se seringas de raiva e de alívio

E de viagens, nem sempre de retorno

Há restolhar do oculto e de segredos

De árvores, de pedras, de espíritos

De dentro das casas

De dentro da alma das casas

 

Agarrados um casal, tropeça

De álcool ou algo mais.

 

Beijam-se, há desejos carnais

Iluminados pelo luar

Sedentos de prazer

Felizes de juventude, que o tempo foge

Com todos os sonhos possíveis.

 

Querem viver e embriagar-se disso e agora.

- Depressa, antes que amanheça.»

 

       *******

 

«CANÇÃO QUE TRANSCENDE»

 

«De súbito, como janela que se abre

A deixar entrar suave, suavemente

A fresca brisa que toca a reviver

Uma cantora vivencia e é sublime

Nessa voz que penetra fundo

Vai ao limbo do que sabemos nosso

Adormecido sono existencial.

 

E consola e abraça, como uma mãe

A cantar esses instantes

Esses sopros de vida remexidos

A despertar lembranças, sensações

 

Numa canção, todo esse mundo

Que revisitamos a pulsar

Voz de surpresa, canção que transcende

Voz tão suave, do coração

Tão perto e tão amiga

Voz que podíamos beijar…de gratidão.»

 

       *******

(Fotografia original DAPL - 2017: Cais do Ginjal, ao entardecer.)

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D