Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Futebol é arrebol!

Nascer Sol Tejo Foto original DAPL 2016.jpg

 

Futebol é arrebol!

 

Bye - Bye, Uruguai / Que você vai / Seguir avante

E eu vou ficar chorando / Aqui cantando / O meu descante.

 

Bye - Bye, Uruguai / Que já não vai / Seguir avante

Ficamos os dois, chorando / Aqui cantando / Nosso descante.

 

Quando a bola rola e rebola / No relvado

Você se sente herói / Quase um cow – boy

Cavalgando corcel alado!

 

Mas que tristeza… / Até vileza / Um mau resultado

Fica de certeza / De ego amarfanhado.

 

Mas, vale a pena / Tal cena / Tal desconforto

Se, quem joga no Benfica

Amanhã, se bem lhe fica

Já joga no Porto?!

 

Amigo, futebol é carcanhol! É milhões.

É arrebol, p’ra quem, de sol a sol / Se governa com tostões…

 

Mas que quer, amigo?!

Será sina? Talvez castigo

É ilusão… Também paixão

E, p´ra mim digo e desdigo / P´rós meus botões

Que´ ainda vou ganhar o Euromilhões!

 

E, agora vejo na televisão…

A bola rola e rebola

E vai ser mais um golão!

 

 

Pôr do Sol. Penha. Foto original DAPL. 2018.jpg

 

Este texto poético foi iniciado, em termos de inspiração, a trinta de Junho, quando Portugal jogou com Uruguai, e perdeu, no Mundial da Rússia – 2018. Deu origem ao 1º mote, em sentido lato. Uruguai que perdeu em seguida com a França. Surgiu o 2º mote, não seguindo estritamente o conceito formal da palavra.

O desenvolvimento do tema poético, contextualizado no seguimento de outros, que enquadro como “narrativas em verso” foi surgindo nos meses subsequentes. São poemas para serem ditos, para serem ouvidos, buscando o conceito de Poesia primordial, em que a palavra, versejando, contava e recontava narrativas, pensamentos, ensinamentos, de geração em geração…

Pretensão minha?!

(…)

Agora que o futebol voltou a estar na berra, que as futeboladas, as futebolices inundam os media… Chegou a altura de publicar no blogue… Continuando com a Poesia, que tem sido o tema dominante nestes últimos meses.

(As Fotos - originais DAPL, bonitas, reportam-nos para a noção de arrebol: ao nascer e pôr-do-sol, que o futebol inunda-nos toda noite e santo dia!)

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Francisco Carita Mata 21.09.2018 14:26

    Concordo consigo. Também vejo o futebol nessa perspetiva. Daí que algumas vezes escreva sobre as “futebolices”, as “reinaldices”, tal como sobre as “politiquices”.
    Todavia não deixo de gostar de ver os jogos mais interessantes, nas fases mais adiantadas das competições. No decurso dos campeonatos vou acompanhando os resultados e a evolução pontual. Jogos, jogos, vejo poucos ou nenhuns! E, a maioria das vezes, não na totalidade.
    Ao pensar escrever sobre o futebol, ainda pensei abordar, principalmente , essa perspetiva negativa, que, todavia, é trabalhada numa das estrofes. Mas no final resolvi valorizar, como conclusão, o lado lúdico, ainda que também alienante.
    Nestas “narrativas em verso” a que me tenho dedicado ultimamente, não perspetivo apenas a minha visão pessoal sobre as temáticas, que obviamente está sempre presente, mas procuro situar-me na visão dos “Outros” sobre o problema.
    Há temas que abordo sobre enquadramentos em que nem sequer navego. Por ex., escrevi “Amor do Facebook” e não uso esta ferramenta. Escrevi “Selfie” e nunca tirei nenhuma e nem tenho telemóvel. Observo a realidade à minha volta e escrevo, com alguma ironia, mas sem pretensão alguma, que já perdi as ilusões de que conseguirei mudar alguma coisa. Mas vou sempre deixando umas alfinetadas. Mas há problemáticas que também me chocam imenso: esse contraste entre os milhões ligados ao futebol e sabe-se lá de onde provêm e a miséria em que vivem milhões de seres humanos. A corrupção… eu sei lá!
    Eu é que peço desculpa por comentário tão longo, quase um post. As suas críticas são sempre muito bem vindas, porque construtivas.
    Muito Obrigado. E votos de saúde!
  • Imagem de perfil

    Maria João Brito de Sousa 21.09.2018 15:04

    Sou eu quem lhe agradece o facto de lhe ter merecido uma tão esclarecedora resposta, bem como os votos de saúde, amigo Francisco.
    Cada um de nós, por si próprio, pouco ou nada muda, mas... prosa aqui, poema ali,vamos sendo muitos e esses muitos já vão tendo algum peso . Eu sei que é um "peso" cada vez mais condicionado, porém qualquer coisa é bem melhor do que a desistência por desilusão.

    Abraço.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D