Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



“Gomorra” - 3ª T. - 'Veneno que mata'

por Francisco Carita Mata, em 03.01.18

 

3ª Temporada

Séries Europeias

Série Italiana

Nápoles e Vesúvio in. pt.dreamstime.com

A RTP 2 inicia este novo ano de 2018, logo no segundo dia, com uma série que entra na sua 3ª temporada: Gomorra.

 

(No dia um, também apresentaram um excelente filme cuja ação também decorre em Nápoles: “Reality”. Também do realizador do filme “Gomorra”: Matteo Garrone.

Uma metáfora da vida real e de como um aspirante à participação no “Big Brother” italiano, “Gran Fratello”, de nome Luciano, frustrado pela sua não seleção, mas sempre convicto que iria participar mais tarde ou mais cedo, molda e adapta toda a sua vida segundo essa expectativa, a ponto de se alienar da realidade e viver em função dessa aspiração e sonho. Que, pelo que li, se baseia num facto real. Ironias do Destino em que a ficção e o mundo virtual comandam o real!)

 

Em Gomorra também realidade e ficção parecem não se distinguir.

Todo um veneno que corrói cada personagem. E é o veneno que os leva a matar mesmo os familiares mais chegados.

 

No final da 2ª temporada, Dom Pietro Savastano fora morto por Ciro de Marzio, a mando do filho daquele, Genaro Savastano, Genny, numa ação muito para além da assunção do controle do “território” do pai. O príncipe que quer o poder do rei, assumir o seu papel, um vinho envenenado bebido duma tragédia grega ou dum drama shakespeareano.

Personagens transfigurados, Ciro e Genny, aliados, vestidos de negro, barbas crescidas de luto por Dom Ciro, como corvos buscando carniça, irão dividir entre si o território dos negócios associados às drogas?

Ciro “agarrado” a Nápoles?

Genny, de visão mais alargada, prepara-se para se lançar em mais aventuras além de Roma.

Outros mais poderosos, que não sujarão tanto as mãos na carniça, Dom Anillo, acompanhado dos netos e Dom Eduardo Arenella, negoceiam com Genaro a divisão territorial.

Lembram a emergência do controle da zona norte de Nápoles, agora desguarnecida da autoridade de Dom Pietro e do seu clã: um exército dedicado ao crime, subitamente sem chefe.

Comentam os bairros mais rentáveis…

Todo um clã sediado num território que “governa” a seu bel-prazer, segundo leis e regras próprias, como se fossem os antigos príncipes dos reinos italianos.

 

Das autoridades estaduais, do Estado Italiano, nem vislumbre de ação!

 

Ambiente de ação da narrativa: os bairros degradados ou as modernas construções sem qualidade onde moram os cidadãos, todos vivendo à volta do mundo dos negócios ilícitos, consumidos no vício das várias drogas, que querem espalhar e alargar a outros horizontes.

De parte da população, pelo menos na série, não se percebe um qualquer contestar da situação. Pelo contrário, ainda agradecem quando os “Dons …” arranjam “trabalho” para os maridos ou filhos.

Aceitam como natural um modo de vida em que sempre se terão encontrado.

 

Os chefões da droga, pelo menos os que vivem em Nápoles fazem questão de viver nesses mesmos bairros, aonde também estão mais protegidos, como no seu feudo; em casas exteriormente tão ou mais degradadas que as dos seus soldados, clientes e apaniguados, mas interiormente extremamente luxuosas. De um luxo mais ou menos sofisticado ou cabotino, conforme a sua ascendência social e cultural.

 

Genaro faz questão de viver em Roma, também em luxuosa moradia, mas moderna, sofisticada e bem situada na capital. De onde controla os seus negócios, que pretende expandir e alargar, a partir do porto de Nápoles.

Agora, pai de um recém-nascido, aliás supremamente extremoso, marido exemplar, preocupado com a família e apaixonado, dialoga com a esposa sobre as suas ações, o ser mandante da morte do próprio pai. A mulher aceita com calma naturalidade a situação.

(A prisão do seu próprio pai, por denúncia de Genaro, o marido, já víramos que por ela também fora facilmente incorporada no seu modo de vida habitual. Como se fosse a coisa mais natural deste mundo.)

E responde-lhe a moça, que ainda não lhe fixei o nome: “Agora somos só nós, Genaro. É isso que importa!!”

 

E o que importa também realçar é que o seriado, pelos vistos, tem tido sucesso, que os produtores se arriscaram numa nova temporada. Estes enredos sobre crimes são quase sempre bastante apelativos!

 

Ainda e para terminar os comentários sobre o conteúdo genérico da trama, frisar a típica religiosidade dos personagens.

Uma prática supersticiosa, cheia de fausto e aparato, em que se destacam os funerais e as procissões. Estas são oportunidades para ver e ser-se visto, encenações de expiação pública dos pecados assumidos, de maceração dos corpos, mas também ocasião para ajustes de contas, trágicos e aterradores. Estes são lições, exemplos e mensagens, para a comunidade!

Sempre presente o Culto da Morte, oportunidade para exacerbar esse modo de cultivar a religião!

 

Gomorra-serie-rtp2-reposicão

Imagem - in. pt.dreamstime.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:11


2 comentários

De simplesmente avô a 03.01.2018 às 18:31

Obrigado pela magnifica sugestão.
Vou ver.
Bom ano para si.

De Francisco Carita Mata a 20.01.2018 às 16:49

Obrigado também. Votos também de bom ano e de boa saúde.
Série com cenas problemáticas, mas espero que, caso tenha visto, tenha gostado.
Irei continuar a ler a 'sua história'!
Continuação de boas 'postagens'.
Francisco.

Comentar post



Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Temas

Poesia

Arquivos

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog