Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Jack Taylor – Uma série à moda antiga

Série IrlandesaRTP2

Todos as noites, a partir das 22h 10’. 1º episódio – 6ª feira – 9 de Agosto

A ação decorre na República da Irlanda, na cidade de Galway. A cidade mais calma da Irlanda, segundo a polícia local, sediada na esquadra de Main Street.

 

Jack Taylor, antigo guarda da referida esquadra, e mencionada polícia local, da qual se demitiu, por demasiado compulsivo, não se coibindo de agredir um ministro, que apanhou em excesso de velocidade, ademais corrupto. Jack acha-se no direito de fazer ele próprio justiça, já que a dita cuja não funciona e a esquadra policial só para inglês ver. E sabe-se o odioso da ocupação / colonização inglesa na Irlanda.

 

À moda antiga, que este justiceiro reedita cenas de cowboy, no século XXI, em espaços e contextos urbanos. Com todas os recursos atuais, desde os telemóveis às pesquisas internautas. E no que lhe falta de conhecimentos, agora colmata com a ajuda de colaborador, que a ele se juntou no 2º episódio. Uma equipa: Zorro e Tonto. A que já implicitamente pertencia uma jovem policial da esquadra, Kate, mais ou menos também enamorada de Jack. Não lhe faltam namoricos, mulheres de certo modo embeiçadas no personagem e na lenda que à sua volta vem criando. Tal qual as personagens lendárias desses seriados antigos, sem esquecer Robin dos Bosques, a exercer a justiça em localidade à beira mar. Ele também tem a sua Marian, de nome Anne, namoro que certamente se irá reeditando cada episódio.

 

Frise-se que cada episódio se fecha em si mesmo como estrutura narrativa, sendo conclusivo no seu findar. As especificidades de cada um são estruturadas de modo que no final se conclui a estória parcelar. Ao modo do seriado, é executada a justiça. De maneira muitíssimo discutível, é certo, mas era assim que funcionavam os seriados antigos, em que os justiceiros ou as sequências narrativas se concluíam, habitualmente com a morte dos criminosos. Os xerifes mal funcionam e a Justiça, a verdadeira Justiça como Ideal de Democracia, quase nem precisa de existir. (Talvez perigosa esta ideologia! Nos tempos que correm...)

 

Alguns dos chavões habituais: ineficácia policial, malandros de alta estirpe em concubinato com os poderes institucionais; sede e pressa na aplicação da justiça; desprotegidos: crianças, velhos, mendigos, deserdados de fortuna, jovens em stress, vítimas dos opressores. Ingredientes que caldeiam o pano de fundo da atuação de Jack, em prol do Bem. Ele próprio também vítima desses malfeitores, que vai descobrindo, de quem leva valentes tareias, mas depressa se cura. Talvez o álcool, o infalível uísque irlandês, que não sei se cura as feridas exteriores, mas certamente queima as interiores. Insaciável alcoólico. E lá está ele pronto para outra, sete vidas, após mais uma golada.

 

E esse ideal de Justiça é por demais premente e sentido pela população, que face à ineficácia da verdadeira Justiça não hesita em criar os seus próprios meios de a fazer exercer. Perigosamente! E foi este o enquadramento do 2º episódio. E Jack e ajudante foram cruciais na resolução.

Adiante!

 

Série com muitos dos clichés antigos, ideologicamente muito pueril, mas que se segue com muito interesse! Jovem e atual na sua narrativa.

Ademais com excelentes atores!

E o icónico sobretudo da Guarda. Que Jack não devolveu e que usa habitualmente. Não despiu a farda!

“Não matarás, Jack!”

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D