Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

O “meu momento” Amália! Ao Vivo!

"Fado – História de uma Cantadeira"

Foto Original. Homenagem Amália. Rosa. 2020. 04.jpg

 

No dia 23 de Julho, comemorou-se o centenário do nascimento de Amália Rodrigues. As redes sociais, como é hábito nestas situações, foram inundadas de notícias, reportagens, postais, sobre a Artista. Eu, como quase sempre, “atrasado, fora de modas”, só hoje vou abordar o “meu momento com Amália”.

Começo por referir que nunca assisti a nenhum concerto ao vivo de Amália. Também nunca fui a uma casa de fados ouvi-la. Assistir a fado, em casa típica, lembro-me de ter ido algumas vezes a uma casa de “fado vadio” que havia no Bairro Alto, em meados dos anos oitenta, que julgo se chamava “Arroz Doce”. Não tenho a certeza se era esse o nome ou se ainda existirá.

 

Então como aconteceu esse “momento Amália”?!

 

Também nessa segunda metade da década de oitenta, a Cinemateca Portuguesa passava vários ciclos de cinema temáticos. Centrados em géneros fílmicos, em atores / atrizes, realizadores, cinematografias por países, etc.

Em 1986, projetaram um conjunto de filmes enquadrados no tema “Encontro com o Cinema Português” - Ciclo “O Musical”. Para além da visualização do filme, proporcionavam sempre umas pagelas informativas sobre o mesmo, assinadas por especialistas, que procurava obter e colecionar, para aprender com quem sabia da poda.

 

Sobre esta temática, visualizei :

“A Severa” - 1931, de J. Leitão de Barros, com Dina Teresa, no papel de Severa. (Foi o 99º encontro – 9 Jan. 1986.)

“Capas Negras” - 1947, de Armando de Miranda, com Amália Rodrigues, no papel de Maria de Lisboa; contracenando, entre outros, com Alberto Ribeiro. (106º encontro – 6 de Março 1986.)

 

Fado – História de uma cantadeira” – 1947, de Perdigão Queiroga, com Amália, no papel de Ana Maria; contracenando com Virgílio Teixeira, entre outros atores de renome. (107º encontro – 13 de Março de 1986.)

Foi na sequência da projeção desse filme que ocorreu “o meu momento Amália”.

Como?!

Passarei a explicar…

 

(Mas primeiro quero mencionar que, também na Cinemateca, ainda assisti a outro filme de Amália como protagonista:

“Fado Corrido” – 1964, de Jorge Brum do Canto. Amália Rodrigues, no papel de Maria do Amparo, cantando alguns dos seus melhores trabalhos, “Gaivota”, “Madrugada de Alfama”, “Estranha forma de vida”, … Também Carlos Ramos, cantando fado titulando o filme. Direção musical de Shegundo Galarza; solos de piano, Carlos Paredes. (…)

Contracenando com Jorge Brum do Canto e muitos outros atores e atrizes de nomeada e gabarito.

A projeção deste filme ocorreu em 30 de Abril de 1990, e frise-se, num outro Ciclo de Cinema, este dedicado a “Isabel de Castro e os Cinemas Portugueses”, desempenhando esta atriz de renome, um papel secundário: “Mira”.)

 

Retorno a "Fado – História de uma cantadeira" e ao “meu momento Amália”.

 

Após a projeção, a visualização do genérico e audição das derradeiras sonoridades, e ao sair, tendo já debandado a maioria da assistência, reparo duas ou três filas atrás, uma senhora, ainda sentada, tentando passar despercebida. Não terá passado sem ser notada, certamente para a maioria dos espetadores, embora mais ninguém tivesse tido a minha lata. Era a protagonista do filme, acabado de transmitir: Amália.

Ultrapassando a minha proverbial timidez, dirigi-me à senhora, cumprimentei, dei os parabéns, elogiei o filme e a respetiva participação e, perdendo ainda mais a vergonha, atrevi-me a pedir-lhe um autógrafo, a que prontamente acedeu, e que ficou registado na pagela elucidativa sobre o filme. Pagela que ainda guardo como recordação, juntamente com a metade do bilhete de ingresso, que colei na primeira página do texto. (A propósito, o preço fora de 50$00 – 13 / 03 / 86.)

 

E este foi “o meu momento Amália”! Ao vivo!

 

Tenho o LP “Cantigas numa Língua Antiga”, Edição Círculo de Leitores, Lda. – 1979. Que ouço, quando tenho oportunidade. Hei - de falar nisso.

Da revista “Visão Biografia”, já aqui falei, bem como do fado “Estranha forma de vida”.

E de "Casa de Amália..."

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D