Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Tarde de CANTE no Feijó!

Saudades do Alentejo

 

Cante - Cultura - Cidadania!

 

Conforme divulguei em post de 16 de Março, realizou-se ontem, “Dia do Pai”, o espetáculo comemorativo do 30º Aniversário de “Associação Grupo Coral e Etnográfico Amigos do Alentejo do Feijó”, no CRF – Clube Recreativo do Feijó.

Uma comemoração aniversariante, em Dia também muito especial.

 

E, a propósito do Dia e da sua significação, e, no concernente ao Cante, se lhe atribuíssemos uma filiação, quem seria o Pai? Do Cante, diga-se. E supostamente tendo Pai, também terá Mãe. E quem será a Mãe?

Pois, penso não haver muita dúvida.

O Pai é o Alentejo! E a Mãe, pois, a Mãe é a Saudade! Não é o Cante irmão do Fado?! Atualmente até irmanados e perfilhados internacionalmente pela UNESCO, dando-lhes reconhecimento e foro de Cidadania Mundial.

O Pai do Cante é o “Alentejo” que, do dito, o espalhou também pela Grande Lisboa, com especial incidência na Margem Sul, e muito particularmente em Almada, Feijó!

 

Foto original DAPL Rosas no Feijó 2015.jpg

 

Alentejo que é sempre Aquém – Tejo! Geográfica e sentimentalmente e no plano identitário!

E de Identidade e de Sentimentos falamos, quando nos reportamos ao Cante.

E são sempre os Sentimentos que passam e perpassam e nos repassam de emoção, por vezes contendo as lágrimas, mas embargados por ela, quando escutamos as canções ou modas como são designadas, numa Sessão de Cante, num ambiente quente como o que se viveu na tarde passada, terminando já à noitinha. Que os Cantadores também sentem, e de que maneira! São os que mais sentem, ou não cantariam com a Alma e o Coração, como fazem!

Que até o tempo também sentiu, ouviu, escutando, aquelas vozes telúricas, se emocionou e não conteve as lágrimas. As ruas do Feijó estavam molhadas de comoção!

 

A Emoção, a Saudade, sempre a Saudade, a Nostalgia de tempos que muitos de nós vivenciaram mais pelas imagens e recordações das gentes que amámos, que, hoje, apenas lembramos, com Afeto, com Amor, com Saudade. Muito especialmente num dia dedicado aos Pais, que todos os dias o são!

Embora muitos de nós, ainda, tenhamos percorrido, trilhado, aqueles lugares, aqueles tempos, quanto mais não fosse, enquanto pastores, mesmo a tempo parcial.

Mas o Cante não é só Nostalgia. É também Alegria. Modas e cantares de trabalho e de festa!

 

Pelo Clube passaram as Cores do nosso Alentejo. A garridice das papoilas, o amarelo das searas da nossa memória.

Évora, Cidade, capital do Alto Alentejo, esteve bem presente, nas canções e no Grupo representativo. Misto. Etnográfico, compondo trajares e modas, de modos de vida que os nossos Pais e Mães usaram: pelicos, safões, calças de serrobeco, traje de mondadeira...

Palavras sábias do Mestre: “...É urgente dialogarmos com os novos Grupos...”

 

Sons místicos! Sons míticos! Ancestrais, quase religiosos, panteístas, quando o coro se empolga, transborda de sentimento, nos transporta a tempos de outros tempos, sem tempo, nem memória, porque intemporais, universais, comuns a toda a Humanidade, daí a categorização, quer se note ou não a sua importância...

 

E de Afetos e Sentimentos ainda falamos: de Amizade, Companheirismo, Camaradagem, nestes encontros de grupos corais, na troca de prendas e galhardetes, intercâmbio de modas. Nos agradecimentos a quem ajuda, a quem trabalha, que muito trabalho dá organizar estes eventos. Na felicitação ao Aniversariante. Momentos bonitos!

Até de apadrinhamento, à boa moda alentejana, diria portuguesa, também falamos. Que os Grupos Corais das Paivas e da Amadora apadrinharam, há trinta anos, o “Grupo de Cante do Feijó”! (Que, na minha modesta e irrelevante opinião, de leigo no assunto, a designação do Grupo precisaria de ser menos extensa...)

Estes dois Grupos não são etnográficos, pelo que trajam todos os elementos com o mesmo tipo de vestuário. O Grupo das Paivas tem a particularidade de se designar de “Operário”.

Sendo estes Grupos formados no contexto das migrações do Alentejo para a Grande Lisboa, a partir dos anos cinquenta do século XX, refletirão a composição sócio profissional inerente à zona onde estão sediados e aos locais de trabalho dos seus componentes.

Há certamente estudos feitos sobre o assunto.

(Em todos os Grupos também se nota uma caraterística comum, que é o nível etário elevado dos seus componentes.

Aliás, a assistência também é maioritariamente composta por cidadãos na 3ª idade ou próximos da mesma!)

 

Os Grupos, todos, etnográficos ou não, nos trouxeram lindas modas, em que também entoaram loas ao Amor, à Paixão, aos amores e desamores, à sublimação dos amores...

Às paisagens do nosso saudoso Alentejo, à neve que também cai na planície, quem não viu os campos transtaganos cobertos de neve, não tem uma experiência completa e inolvidável do mesmo... às flores, rosas, metáforas da Mulher. Recomendações e cuidados a ter na ida à fonte...

Foto original DAPL 2015 Fonte do Salto. Aldeia da Mata. jpg

 

A Poesia, sempre! Cada moda é sempre um Poema carregado de significações sentimentais. Por vezes mais particularmente. Num singelo e comovente Poema dedicado aos Pais. Noutro, peculiar, sobre “...a ceifeira de aço...”!

Na dedicatória e evocação de Poeta (Fialho de Almeida).

 

No confronto entre “ponto” e “alto”, no troar harmónico do coro, ecoando nas planuras de searas ondulantes, marulhando nos mares da “Charneca em flor!”.

 

E, para o final, o Grupo Anfitrião reservou-nos dois Grupos de Música Tradicional.

“Grupo de Trovas Campestres”, de Faro. (Há quem designe, sendo do Algarve, que os Algarvios são “Alentejanos destrambelhados”, cito.)

Quatro Artistas, trouxeram-nos a Alegria do Alentejo, sediada no Algarve!

Cantaram um “Hino ao Mineiro”, uma evocação sul-americana, reportando-nos para o Chile, de Allende?! (Merecia da assistência um outro escutar, mas já havia algum “destrambelhamento” entre o público, desculpa-se-lhes, que até se portaram muito bem, houve momentos de absoluto e cerimonial silêncio durante os outros cantares.)

Encerrou o “Grupo Comtradições”, da Cova da Piedade, com muita e muita Alegria!

E já muita gente dançava! Dançava!

Que para os participantes ainda haveria jantar.

E que bem que cheirava!

Cheiros de um tempo de outros tempos.

Cheiros que o tempo guarda!

 

Parabéns a todos os Participantes!

Parabéns a todos os Organizadores! E Colaboradores!

A todos os que trabalham na sombra para que estes Eventos sejam organizados e nos deleitem e emocionem com a sua Qualidade Artística.

Felicitações especiais ao Grupo Anfitrião e Aniversariante: “Associação Grupo Coral e Etnográfico Amigos do Alentejo do Feijó – Almada”!

(Grupo, além de Coral, também Etnográfico, documentando um memorial de trajares transtaganos, nas nossas recordações de infância e juventude.

Grupo que, aliás, teve a honra de abrir a Sessão com o brilhantismo que lhe é inerente e as vozes portentosas de que dispõe, também elas carregadas e emocionadas de Sentimentos!)

 

Foto original DAPL Almada Ginjal 2015.jpg

 

E, diga-me lá, se teve a simpatia de me ler até aqui, se Almada é ou não a Capital do Cante?

(Nota Final: Que acrescento, hoje, dia 21, Dia também tão especial.

As Fotos são originais de D.A.P.L. e reportam-se ao "meu Alentejo", que é sempre "Aquém - Tejo"!)

 

 

“A Herança” – Série Dinamarquesa - Temporada 2 – Episódio 2 (12º Episódio)

“Arvingerne” / “The Legacy”

A Herança

(18/03/16 – 6ª Feira)

 

"Família Gronnengaard

Especial "Dia Do Pai!"

 

Antes de começar numa abordagem a algumas ideias fundamentais do episódio, quero informar do seguinte.

Na 6 ª feira, constatei na programação da RTP2, que, ao referirem-se ao episódio dessa noite o etiquetavam como Temporada 2, Episódio 2. Eu não me apercebi dessa mudança de temporada, embora tivesse havido referência àquele hiato de “Um ano depois...”.

Logo, na 5ª feira, o episódio que numerei como 11º, é o 1º da Temporada 2.

O de 6ª feira é o segundo da segunda temporada. Mas vou ainda numerá-lo também como décimo segundo.

 

família. in. series2see.com

 

E vou narrar os acontecimentos principais, relativamente ao meu ponto de vista, que, como já explicitei anteriormente, é um foco de análise sempre parcelar, parcial, por vezes enviesada, conscientemente incompleta... para além de outras limitações que, agora, não me ocorrerão. Subjetiva, também!

 

O título do seriado continua o supracitado, não me apercebi de qualquer mudança.

Todavia, estando a questão da herança sempre presente na narrativa, esse aspeto vai-se desvanecendo simultaneamente que avança o enredo.

Não fora o título “Família ...” ser um estereotipo no “batismo” de dezenas de séries e filmes, eu atrever-me-ia a designar, melhor, subintitular, esta série, pelo menos a partir desta 2ª temporada, como “A Família Gronnengaard”.

 

E, neste episódio, o conceito de Família esteve sempre bem presente.

Conceito de Família no contexto e modo de funcionamento das famílias atuais. O modelo de família nuclear, tradicional, tentam Frederik e Solveig estruturar e manter. Com dificuldades, muitas dificuldades na 1ª temporada, agravadas com aquela cena do irmão “entrar”, “biblicamente” falando, na cunhada. Mas o disfuncionamento já existia antes desse facto.

Nesta 2ª temporada parecem muito entrosados. Frederik aparenta muito melhor aspeto, está muito mais descontraído, mais calmo, mais solto. Mais à vontade com todos, nomeadamente com os filhos. Moram numa casa de campo, mas também perto do mar ou de um braço de rio, ou canal. Lembremo-nos que a Dinamarca é formada por várias ilhas relativamente próximas.

Essa vivência no campo, longe do bulício da cidade, estar-lhe-á a fazer bem. Não sabemos se continuou ou não a fazer terapia, mas melhor, está, é evidente.

 

Mas ele, como todos os outros, se integra ou vive na órbita da “Família Gronnengaard”.

Um conceito de família alargada, disfuncional é certo, já no tempo de Veronika.

Neste início de temporada foi essa família alargada contemplada com mais um rebento, Melody.

Filha de mãe ausente, e doente mentalmente, Isa; de um pai babado, Thomas, extremoso, mas muito ocupado ultimamente, e com outra namorada, Leone, também integrante dessa grande família. Com duas mães substitutas, Gro, a “Grande-Mãe” e Signe, a madrinha, agora mãe de filha de outra mãe, ela que não quis assumir uma maternidade biológica com o namorado Andreas. (Sabemos, agora, que ele, Andreas, tão obcecado andava por ser Pai, hoje é 19 de Março, que até já se adiantou com a fisioterapeuta do clube, Mette, para esse papel. Não festeja é ainda neste ano, ela só está de meses...)

E a criança, Melody, anda sempre nesta roda-viva, de uns para outros, que é tudo gente muito ocupada. Signe, mesmo assim, paradoxalmente e, por ironia do destino, é a mais presente.

Emil, ausente fisicamente, porque preso nos calabouços tenebrosos da Tailândia, (reparei melhor, neste episódio, que os presos estão acorrentados nas pernas), como disse, Emil, embora ausente, está bem presente nas preocupações dos irmãos, muito acentuadamente em Gro, naquele seu instinto maternal.

Soube, agora, nós já soubéramos anteriormente, que o irmão foi acusado de traficante e que o castigo, que pensavam ser apenas uma multa, seria de prisão de vários anos.

Ela desdobra-se toda para conseguir a libertação do irmão, abandona uma reunião importante que coordenava, delega noutra pessoa essa função; vai falar com a advogada que contratara e, face ao não resultado obtido, despede-a; chateia o irmão Frederik para este lhe arranjar outro advogado melhor; este consegue um amigo, que, por favor, acede a analisar a situação, mas este lhe dá a mesma opinião da advogada recentemente despedida.

Finalmente e, após muita insistência e rogos, consegue que Frederik aceda a analisar o processo. Afinal ele é advogado de gabarito, apesar de ter jurado não querer nada com o irmão “traidor”, que lhe “comera” a mulher! (Comer é forma de falar que, a moça está bem vivinha da silva e Emil não é antropófago!)

Mas após analisar e verificar que no relatório policial constava a acusação de que Emil tinha oitenta charros, (oitenta!), ele pediu à irmã para saber que roupa ele trazia no dia em que fora preso.

E ela continuou no seu propósito, e conseguiu telefonar ao irmão e saber a password do seu e-mail e a hipótese de, no facebook do amigo Neil, haver alguma foto dele desse fatídico dia.

E, na posse desses dados, juntamente com Frederik, analisaram as fotos e a roupa e os bolsos da dita. E o irmão face ao tamanho de cada bolso e dos charros, que ele também conhecia, que Thomas os industriava nesses meandros, deduziu que era impossível Emil trazer na sua posse oitenta charros, mesmo que tivesse os bolsos todos completamente cheios. E esse seria o argumento a utilizar para rebater na polícia. E deu este trunfo à irmã, que partiria brevemente para a Tailândia, para aí analisar a situação com os advogados.

Mais tarde, já noite, e na posse da palavra passe, entrou, não biblicamente falando, no facebook do irmão e leu a respetiva correspondência, e aí achou a conversa entre ele e a sua mulher, agradecendo-lhe o que ela por ele fizera, pois, como sabemos, Solveig é que deu o dinheiro a Emil para ele viajar novamente para a Tailândia, para vender o empreendimento turístico.

Fiquei expectante sobre qual seria a respetiva reação, temi que estrambelhasse novamente, que voltasse àquele estado neurótico em que andara, mas não, manteve uma postura muito calma e tomou uma decisão muito racional, vindo ao de cima aquela função paternal que sempre tivera com o irmão mais novo e que o Pai, Carl, lhe recomendara.

Acordou a mulher, Solveig, por momentos pensei que faria algum disparate, despediu-se, deu recomendações aos filhos e informou que ia ter com Gro, que acompanharia à Tailândia.

E foi vê-los a encontrarem-se, e abraçarem-se, já no aeroporto, puxando as bagagens a caminho do avião. Para a Tailândia, mas não para Phuket! (E assim terminou este episódio. Veremos os resultados que obterão. Mas foi uma decisão sábia. E, mais uma vez, o conceito de Família a funcionar!)

E, lembrar, mais uma vez que todos os dias são “Dias de Pai”, mas, hoje, convencionou-se dedicar-lhes muito especialmente este Dia!

 

E, ficamos por aqui de enredo da série?!

 

Até poderíamos ficar e teríamos ficado com “chave de ouro”, lembrando este Dia!

Mas não!

 

Ainda referimos que Signe anda numa azáfama com a sua cultura do cânhamo, que precisa de ser regada, será verão, e teve que improvisar um aspersor com a ajuda de “Pai Tomás”, que faz papel de ambos os progenitores com a filha Melody.

Que a cultura, além da rega, ainda precisa de ser financiada e que o banco não lhe concedeu esse empréstimo, porque na Dinamarca ainda não perceberam as potencialidades do cânhamo como cultura industrial, sustentável e não poluente.

Que terá perdido Andreas, apesar de se amarem, mas ele com a pressa de ser Pai, que se aproximava Março, terá esquecido Signe, que não o esqueceu. Quem não a teria esquecido, palavras do próprio, teria sido um dos adjuntos do Pai de Signe, John, que continua arrastando a asa à jovem, que, por enquanto, parece não corresponder. Mas nunca se sabe, isto de enredo novelístico tem que conter romance, e o rapaz mostra-se persistente. “Ficas extremamente sensual, quando falas do cânhamo”, piropo que lhe ofertou o moço. (Piropo não é legalmente condenável naquele Reino, Estado muito liberal! E o cânhamo, quando usado com outros fins não industriais, também tem o efeito de soltar as pessoas e os afetos, que o diga Tomás, sempre a enroscar-se com Leone, que até Signe os encontrou naquele preparo!)

 

Ainda de Pai falamos, que nem a propósito. Quem chegou à trama da novela foi o pai de Isa, Henrik.

Signe, mais uma vez ela, telefonara-lhe, a saber de Isa, e ele foi ao Solar, no intuito de ajudar na criação da neta. Mas perante aquele panorama, ver Tomás a fumar um charro na presença de Melody, passou-se. Queria levar-lhe a criança e foi uma cena caricata ver Tomás a fugir com a menina na sacola, vestido com uma espécie de saia, também faz papel de mãe, e o avô da bebé, a correr atrás dele.

Explicaria que não podia ver tal coisa. Um Pai a tomar uma passa, que fora a partir do vício de fumar erva, que a filha se perdera e ele a perdera, que ela sofria de uma psicose induzida por cannabis!

Fosse qual a sua razão para o seu comportamento, foi corrido do Solar, por Gro, entretanto chegada, e ameaçado de polícia, caso ali torne.

 

E ainda de Família e de Afetos: maternais, filiais, fraternais, paternais, falamos; quando lembramos a partida de Gro e de Frederik para a Tailândia.

Para libertarem o irmão Emil.

 

E, Emil, naquela prisão atroz, mesmo sofrendo, ao ver outro preso em pior estado que o seu, com ele partilha a manta que da Embaixada lhe enviaram e lhe dá, um a um, dia a dia, os comprimidos de penicilina, também daí mandados.

Faz papel de irmão, também de pai, também de mãe, de amigo, de samaritano.

E lembra e conta ao prisioneiro a sua história e de como o irmão mais velho, Frederik, também dele cuidou, fazendo também de PAI, que praticamente Emil não conheceu!

 

 

 

 

 

Tarde de Cante! Feijó - Almada

Cante - Cultura - Cidadania!

 

A Cidade de Almada, Cidade de Arte e de Cultura, é ou não a Capital do Cante?

Pois, se quiser confirmar, é comparecer no próximo sábado, 19 de Março, "Dia do Pai", no Clube Recreativo do Feijó.

E assistir a mais um excelente espetáculo, como será o que aí irá decorrer, para comemorar os trinta anos do Grupo Coral e Etnográfico.

G. C. Amigos do Alentejo do Feijó 30º Aniversário 19 Março

No sábado passado, também aí decorreu outra sessão de Cante, quase exclusivamente de Grupos Femininos, com exceção do Grupo Anfitrião.

Também bonito o espetáculo, lindas modas, e agradáveis e empenhadas prestações.

Parabéns aos Organizadores.

Venha ouvir, melhor, escutar os Grupos Corais, alguns suscitam-me bastante curiosidade. Vinde vivenciar todo o evento, pois é um espetáculo total.

E, depois, diga-me onde fica a "Capital do Cante"?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D