Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

«Poesia foi só o pretexto»

Adiafa de Poesia – 1986 (III) 

Sala Experimental do Teatro D. Maria II – Lisboa - Portugal

(Balanço Final?)

«Cerca de doze horas de espectáculo, quase 70 novos poetas em cena, mais de 500 entradas. Eis alguns números globais da Adiafa, que se estendeu por sete dias na Sala Experimental do Teatro D. Maria II, em Lisboa: de 18 a 21 e de 26 a 28 de Dezembro. Mas a Adiafa foi, sobretudo, um fenómeno não quantificável: a comunicação. Dentro e fora da sala. Lá dentro, graças à enorme experiência de João d’Ávila, que conseguiu despistar todos os nervosismos e criar ambiente para curiosíssimos diálogos e variadíssimas manifestações de espontaneidade; cá fora, em virtude de simpatias geradas nas próprias sessões e por afinidades poéticas de mais longa data.

(…)

Não será despropositado dizer que para este entendimento, concorreram muito os laços criados no DN-Jovem que foi, como se sabe, um dos apoiantes da iniciativa, ao lado do JL, da Assírio & Alvim e do Centro Nacional de Cultura.

Os colaboradores deste suplemento vieram de toda a parte e estiveram em toda a parte (dentro e fora da sala). (…) »

Bordado de Nisa. Foto original. 2020. 01. jpg

O Jornalista nomeia cerca de trinta nomes de intervenientes nas sessões e respetivas localidades de origem, desde António Ladeira, de Sesimbra… a Daniel Pinto Rodrigues, “vindo expressamente do Porto”. “O Zé Manel, da Mata” também lá aparece no meio dessa lista.

Bordado de Nisa. Foto original. 2020. 01. jpg

«A poesia foi para todos quase só um pretexto para a comunicação.

O balanço desta primeira experiência foi muito positivo.  (…)

A Adiafa foi um acontecimento cultural, que seria uma pena não ter seguimento.»

 

In. Diário de Notícias, - DN Jovem, 06/01/1987 – (3ª Feira). Transcrição de parte da notícia sobre o acontecimento, citando Manuel Dias, Jornalista do referido Diário matutino e autor da reportagem.

(Negritos, de minha lavra.)

Houve seguimento em anos subsequentes? (…)

*******

Fotos? De "Bordados de Nisa": Verdadeiras "Poesias Visuais"!

Hei-de elaborar um postal sobre os mesmos.

*******

E porque, hoje, é “Dia do Pai”. Que Saudades!… Todos os dias são Dias dos Pais!

 

Adiafa de Poesia – 1986 (II)

Sala Experimental do Teatro D. Maria II – Lisboa - Portugal

«O momento mais divertido…

Vitor Perdigão (à esquerda) e Zé Manel protagonizaram o momento talvez mais divertido desta primeira série de sessões da adiafa. Enquanto Zé Manel se fez eco das preocupações do homem que busca um sentido para a vida, Vitor Perdigão assumiu uma visão mais superficial da existência. O confronto de opiniões deu origem a algumas respostas curiosas, revelando, sobretudo no seixalense, um feliz repentista. O frente-a-frente ocorreu na sexta-feira.»

In. Diário de Notícias, de 23/12/1986. Transcrição de parte da notícia sobre o acontecimento, citando Manuel Dias, Jornalista do referido Diário matutino e autor da reportagem.

(Este “momento mais divertido” terá sido assim como que uma espécie de dueto entre palhaço pobre e palhaço rico, digo eu, que não estive de fora para observar.

Zé Manel”, um dos personagens desse dueto, era o pseudónimo que usava, à data, e sob cuja identidade publiquei alguns textos no DN Jovem, nesses meados da década de oitenta do século XX.)

Este texto do “momento mais divertido” é a legenda de uma foto do Jornal, em que no centro da fotografia está uma mesa com folhas A4, com vários poemas escritos. À direita da foto está “Zé Manel” e à esquerda estão João d’Ávila, o “condutor / promotor” das sessões e Vitor Perdigão, o outro interveniente do “confronto de opiniões”.

 

Pisa Poemas SCALA. Foto Original. 20190921.jpg

(Agora e olhando para a foto do Jornal e para os poemas na mesa e lembrando-me dos trabalhos poéticos que produzi, a partir dessa segunda metade de oitenta, e que continuei mais tarde, faltariam sobre as folhas com os poemas alguns dos que estruturei no enquadramento da Poesia Visual. Os designados “Pisa Poemas”. Fotos que ilustram o postal. Alguns destes trabalhos figuraram em exposições que realizei em 2018, na sede da APP e em 2019, na sede da SCALA.)

Pisa Poemas SCALA. Foto Original. 20190921.jpg

 

Interessante a ideia que o jornalista recolheu sobre a minha perspetiva face à Poesia.

“…Zé Manel se fez eco das preocupações do homem que busca um sentido para a vida…”

De facto, nessa época, muita da poesia que escrevia enquadrava-se nessa preocupação/perspetiva, nesse modo de encarar a realidade e a construção poética.

Muitos dos meus poemas, dessa data e alguns publicados no blogue, vão de encontro a esse foco existencial.

Atualmente, embora focado nesse desiderato, o olhar o Outro, a realidade que me cerca, nomeadamente a social, é um dos objetivos, uma das temáticas dos textos poéticos e de prosa que escrevo.

(Os nossos focos sobre a realidade vão mudando…)

 

 

Adiafa de Poesia – 1986 (I)

Sala Experimental do Teatro D. Maria II – Lisboa - Portugal

 

Já abordei no blogue, pelo menos uma vez, a realização deste evento de natureza poética, de divulgação de Poesia, realizado no final de 1986, Dezembro, no Teatro Nacional Dona Maria II, em Lisboa – Portugal.

Uma rosa rosa. Foto original. 2020. 01. jpg

A partir do Diário de Notícias, de 23/12/1986, 3ª feira, quando saía o DN Jovem, transcrevo parte da notícia sobre o acontecimento, citando Manuel Dias, Jornalista do referido Diário matutino e autor da reportagem.

 

«No Teatro D. Maria II

Trinta e cinco poetas entraram em cena nos primeiros quatro dias da Adiafa, que prosseguirá na sexta-feira (às 21 e 45) e no sábado e domingo (às 16 e 30) na Sala Experimental do Teatro D. Maria II, em Lisboa. A iniciativa, que visa divulgar a poesia de autores consagrados e iniciados, é da responsabilidade do actor-declamador João d’Ávila, em colaboração com «DN Jovem», «JL», Assírio e Alvim («Anuário de Poesia») e Centro Nacional de Cultura.

A condução das sessões (quinta, sexta, sábado e domingo) evidenciou a extraordinária capacidade de João d’Ávila para estabelecer a comunicação entre as pessoas, mas concedeu talvez ao lado humano das questões uma projecção mais acentuada do que esperávamos. Feito este pequeno reparo, só justificado pelo desejo de que a Adiafa possa ter ainda melhor nível, é preciso dizer que se assistiu a bons momentos de poesia e a curiosos apontamentos de comunicação, teatralidade e testemunho de vivências.»

(…)

«…nomes dos que leram ou deram a ler poemas seus…

Sexta-feira – José Silva Teixeira, Cecília Rodrigues, Paulo Garcia, Luís Graça, Joaquim António Oliveira, Vitor Perdigão, Zé Manel, Domingos Galamba e Armindo Silva. (…)»

In. Diário de Notícias Jovem 1986/12/23 (3ª Feira)

 

Notas Finais:

A notícia é acompanhada com fotos de vários intervenientes.

(Negritos, de minha lavra.)

Eu participei na 6ª feira, 19 de Dezembro, de 1986. (Pseudónimo: Zé Manel)

Que poema(s) terei lido? Li mesmo ou dei a ler a João d’Ávila?

Não me lembro. Tentarei ainda pesquisar em apontamentos meus… Mas já lá vão quase quarenta anos…

Alguns poemas que escrevi em 1986…

Caminhadas

Ícaro

Um pouco mais...

Fachada

Somos Mar

 

Foto? Original. Um botão de  Rosa, sinal de Poesia e de Primavera, que vem aí!

 

CAMINHADAS

 CAMINHADAS

 

Pouco a pouco, os Sonhos são quimeras

Arredados nos Caminhos percorridos em Outrora.

 

No tecido da urbe que habitamos

Os passos do presente registamos

Deixando sempre outros caminhos

Passos, ruas, por correr…

 

Entramos em casas, nunca em todas

Qu’impossível se torna estar em todas.

Saímos, fechando algumas portas

Que abertas, ficar deviam. Todas!

Mas nem sempre podem.

Vai havendo sempre novas portas

Para abrir.

Enquanto conseguimos.

E portas há que nunca abrimos

Fechadas “ab aeterno” pelos Deuses.

 

Mas cada vez mais quedados em nossas casas

Quando não no nosso quarto, já sem asas

Cada vez mais em si mesmo dados.

 

Por vezes nos achamos em becos sem saída

Ou em quartos sem janela

Nesta cidade cada vez menos construída

Para nós, Homens, vivermos nela.

 

Resta-nos rasgar paredes e, nelas

Inscrever o Sol, a Luz, o Mar de barcas – belas

O Tempo das calmarias sem procelas.

Sabendo que mais fácil é dizê-lo

Do que, todavia, será fazê-lo.

 

Marca-nos sempre ao Longe termos

O Campo Santo que a Natureza 

Povoou d’esguias árvores apontando

O Céu, o Astro, o Sol, a Vida!

 

E, enfim, os olhos descansaremos

Nessa imensidão Sem Fim, do Mundo!

 

 

Escrito em1986.

Publicado: Revista “Família Cristã”, rubrica “Lugar aos Novos”, Fev. 1987.

"A Nossa Antologia" - APP - XIII Vol. 2006 

 

Caminhadas. Foto de D.A.P.L. 2014

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D