Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Descortiçamento: Trabalho Agrícola peculiar!

Ervedal – Aldeia da Mata – 15 junho 2022

Descortiçamento. Ervedal. Foto Original. 2022.06.15.jpg

Volto a escrever sobre esta atividade agrícola tão peculiar.

Ao observarmos estes trabalhadores a desenvolverem esta labuta, há algo que se releva de imediato. Para além do esforço físico exigido, a maestria do desempenho, o empenhamento e cuidados que se observam, esta tarefa é puramente humana, com recurso a um instrumento elementar: a machadinha. Basicamente temos: a Árvore, o Homem e a Ferramenta! Uma interação entre três elementos, numa luta desigual, em que o sobreiro, numa postura aparentemente passiva, premeia a capacidade do profissional que o enfrenta neste combate. Ofertando-lhe, como prémio, a preciosidade da sua casca, da sua couraça protetora: a cortiça!

A tecnologia é por demais rudimentar. Apenas a machada. Ela mesma também tão original e tão adaptada à função a exercer e à dimensão do seu possuidor e dono. A lâmina de corte é em forma de meia-lua. Para, ao cortar, ao vincar os cortes longitudinais ou transversais, ao descascar, permitir o descasque, sem ferir, sem magoar a planta. É uma ação de luta, mas também se vislumbram sentimentos de carinho, de consideração, ousaria dizer até de amor pela árvore, que resiste, mas também se entrega a quem a abraça, sim, para medir o tronco, conhecer as possibilidades de agir ou não, também se abraçam as árvores! E sempre, sempre, o ser humano - o trabalhador; o ser vegetal e o utensílio humano aliado à sabedoria, à técnica, ao fazer, ao saber fazer. Ancestral! Medieval! Centenário! Milenar?!

O cabo de madeira, de azinho(?), termina não cilindricamente, mas num espigão, para penetrar a casca, para a descascar, retirar a cortiça do tronco, sem o ferir. Com a machadinha, tanto se usa a lâmina, quanto o espigão, numa alternância funcional, para se obter o resultado final: o sobreiro descascado, descortiçado. Descortiçamento!

Finalizando este postal: num mundo em que a tecnologia invadiu todos os modos de produção, seja na agricultura, na pecuária, agropecuária, agroindústria, em todas as indústrias, em todos os setores económicos: secundário, terciário; esta função, labuta, faina agrícola, mantém-se artesanal. Artística, até!

Até quando?! Até quando haverá Homens capazes de exercer este mister ancestral?!

(Esta pergunta, dúvida, inquietação, foi-me transmitida, de certo modo, pelas vozes de alguns dos intervenientes neste processo, quando fomos conversando.)

(Apresento mais uma foto documental, em que se observam dois dos intervenientes diretos: o Eng. Nuno, da Sertã e outro senhor, da Cunheira, de que ainda não consegui saber o nome. E as respetivas machadinhas em funcionamento, labutando com o sobreiro. Também se repara noutro senhor, do Crato, que se encarregava de acarretar as pranchas da preciosa cortiça para a camioneta. Aqui, sim, já as modernidades são usadas, há décadas. Não os antigos carros de bois, até aos anos cinquenta, quiçá inícios de sessenta, do século XX, mas as furgonetas.)

Ainda apresentarei foto global com todos os participantes, interventores diretos ou não.

Obrigado e Saúde!

*******

Hoje, terceiro dia de Verão, este vem envergonhadíssimo! Que até no Alentejo chove! Mais parece uma Primavera retardada. Um mês de Março ludibriado!

 

Percurso Histórico: Flor da Rosa - Aldeia da Mata (II)

Início: Mosteiro de Flor da Rosa – Término: Anta do Tapadão

Túnel arbóreo Percurso Pedestre. Foto Original. 2022.05.18.jpg

No dia dezoito de Maio, na caminhada até à Horta do Carrasqueiro, utilizámos parte do mencionado Percurso Pedestre Histórico. Concretamente, a parte final, desde a Fonte da Bica até às Alminhas, temas que já abordámos nos blogues.

Neste excerto do percurso há uma verdadeira imersão com o espaço natural. A Natureza no seu esplendor! As hortas, espelho do trabalho humano. A Fonte, as respetivas funcionalidades e apetrechos de abastecimento.  A vegetação autóctone, a passarada em permanente chilreio, os gados. Elementos arquitetónicos remanescentes de antigos processos agrícolas: uma eira, um redondel. As vistas da Aldeia, lado Leste, sempre com os dois itens iconográficos: a torre sineira da Igreja Matriz e a araucária. Trabalhos nos lajedos de pedra granítica, para facilitar a caminhada, de quando este percurso seria uma das entradas na Aldeia, há séculos.

Mas voltando aos tempos presentes e sendo este trajeto parte de um “Percurso Pedestre” homologado oficialmente, ele necessita de ser mais bem tratado, preservado, conservado.

Isto é, precisa de ser limpo. E, à data, não estava.

Bem sei que quase ninguém liga a estas coisas. De caminhar, de andar a pé, de fazer percursos ancestrais, ademais fora dos circuitos da moda.

O pessoal gosta é de andar nas estradas, mesmo sem passeios, arriscando a própria vida, em vez de passear, caminhar por trilhos percorridos pelos nossos ascendentes, há séculos, há milénios. Carregados de História e de histórias. Que eles os calcorrearam a trabalhar!

(Que muito boa e santa gente nem isso faz. As passeatas são apenas nas esplanadas!)

Mas adiante…

 

Mas… se os caminhos estiverem, pelo menos devidamente limpos e minimamente transitáveis, tornam-se mais apetecíveis.

E é imprescindível que as entidades competentes os promovam e divulguem!

 

A foto, titulando o postal, ilustra parte do Percurso não devidamente arranjado, mas mesmo assim apelativo, formando um túnel arbóreo, de plantas autóctones.

 

Na guerra, o preconceito racial.

Direito à compaixão e Amor!

 

Apelo às guardas ucranianas!

Sejam mais empáticas e humanas

Que também há gentes alentejanas

Parecendo pessoas africanas!

 

Mesmo que africanas elas sejam

Se a Liberdade elas almejam

Lhes concedam o que elas desejam.

Que as defendam! E até protejam!

 

Não protelem direito de sair

Não discriminem! Autorizem ir

Procurar futuro, outro porvir!

 

Todos temos sangue da mesma cor

Todos sofremos, todos temos dor

Direito à compaixão e Amor!

 

Um poema de denúncia do atropelo aos direitos de seres humanos que, por serem “negros”, estão a ser impedidos de sair da Ucrânia, sendo preteridos face a outros que são “brancos”.

(Este postal não segue necessariamente os cânones do considerado “politicamente correto”!)

A guerra leva aos maiores flagelos da Humanidade e a desumanidade vem ao de cima, pelas mais diversas razões e por variadas formas.

O racismo é bem expresso nestas atitudes dos guardas.

Há jovens portugueses, estudantes de Erasmus, de Medicina. Um até é alentejano, de Évora e até viveu em Portalegre. Distrito onde até temos Médicos ucranianos, que muito estimamos!

E também há cidadãos de outros países a sofrerem pela mesma razão discriminatória!

 

Eleições Legislativas Antecipadas: Epílogo!

Trinta de Janeiro de dois mil e vinte e dois.

Quase um Trinte e Um!

Conclusões: Questões Pertinentes - Perguntas Impertinentes

Concluído o ato eleitoral, acabam-se estas eleições, são divulgados os resultados.

Alguém esperava por este resultado?! Uma maioria absoluta?!

E as sondagens?! Para que servem, além do efeito de tentar manipular?! Os eleitores ainda vão em conversas?! Em perorações e mais perorações?!

Não me vou alongar em questões, que nunca mais acabavam. E há por aí muito boa e santa gente que sabe mais da poda do que eu!

O que quero acentuar, tão somente, é que o exercício do Poder é para Servir. SERVIR! SERVIR!

Que saibam negociar com todos os partidos, com todos os que valha a pena realizar negociações. Procurar consensos em questões fundamentais de Estado. Em medidas para que resulte Melhoria, Progresso, Desenvolvimento do nosso País.

Que não haja euforia desajustada. Eleições não são jogos de futebol. Ganhar?! Perder?! Isso é no futebol. Deixem-se de futebolices e politiquices!

Equacionarei algumas questões que julgo importantes para o meu Distrito, para o nosso Alentejo, para o nosso País, algumas já referenciadas nos blogues, e enviarei para os Deputados do meu Distrito. Num próximo postal.

Que entre os Personagens que venham a escolher para o desempenho de cargos ministeriais, escolham gente menos desastrada do que alguns que por lá estiveram.

E a Covid?! As atividades eleitorais terão tido reflexos na respetiva disseminação?!

Que abrande! Mas não esqueçamos que nós também temos um papel importante nessa situação, com os nossos comportamentos e atitudes.

Muita Saúde e muito obrigado!

 

Amoreira da Barca D’Alva (II)

O Maná da Natureza!

Amoreira Barca D'Alva. Foto Original. 2021.05.22.jpg

(Árvore com História!)

Amoreira Barca D'Alva. Foto original. 2021.12.01.jpg

Nas fotos dos postais anteriores, e neste, pudemos e podemos observar as mudanças na fisionomia da Amoreira da Barca D’Alva. Na foto anterior, quase, quase no Inverno, a árvore está praticamente despida de folhagem. Agora, já em plena estação, estará completamente desprovida das folhas. Que estarão, maioritariamente, atapetando o chão, decompondo-se em matéria orgânica, carbono e outros elementos minerais, que as chuvas transportarão às raízes, nutrindo e abastecendo a planta.

Amoreira Barca D'Alva III. Foto original. 2021.05.15.jpg

Em Maio, em pleno e “maduro Maio”, chegará a vez de ser a Amoreira a alimentar outros seres vivos. Carregadinha de frutos, “amoras de pau”, é um maná para a passarada. Melros, vestidos de preto acetinado, bico amarelo, os machos; em voo rápido e fugaz, são um constante ir e vir, abastecendo-se dos saborosos frutos pretos. Estorninhos vão numa revoada, este passaredo em bandos, pousando nos ramos, debicando amoras. Outras aves, de menor porte, cujo nome desconheço, também visitam a secção da frutaria deste supermercado gratuito. Dá gosto ver! E ainda mais ouvir a chilreada. Ademais os rouxinóis com o seu melodioso cantar! (Gravei vídeos, mas ainda não sei transpô-los para o blogue! Adiante…)

E assim esta Árvore cumpre um dos seus papéis. Alimenta passarolos, passarinhos e passarocos, e estes também cumprirão a função que o vegetal lhes destina. Comendo as amoras, espalharão as sementes da árvore, nos mais diversos locais da campina.

Amoreira Barca D'Alva IV. Foto Original. 2021.10.05.jpg

Mas como chegou esta planta da Barca D’Alva ao Alentejo?!

Não veio por semente, não foram os passarolos que a trouxeram. Também não foram as cegonhas! Veio de comboio. Mas não como árvore completa, com tronco, raiz e folhas.

Veio apenas um pedaço de um ramo, aliás dois ou três pedaços de ramos, que abacelei no quintal, em 1979. Passados dois ou três anos, o ramo que vingou, criando raízes e folhas, transplantei-o para o “Vale de Baixo”, bem no início dos anos oitenta, do século XX. E aí está a Amoreira, provinda da Estação de comboio da Barca D’Alva, um clone de árvore que por lá estava à data. Ainda por lá haverá alguma Amoreira?!

Mas faltam fios no novelo desta história…

Em 1979, trabalhava no Norte de Portugal, bastante longe do meu Alentejo. Praticamente só vinha à terra com intervalos de meses. Nos fins de semana, quando tinha tempo, aproveitava para turistar. O Norte tem imenso para visitar.

No Carnaval, aproveitei para ir ver as “Amendoeiras floridas”, que formavam e certamente ainda formarão uma paisagem de incontornável beleza natural. Fazendo a viagem de comboio do Porto até à Barca D’Alva. Nessa data ainda havia comboio até esta estação e até seguiria para Espanha. Portugal ainda não fazia parte da CEE, nem a Espanha. Ambos os países haviam saído, há escassos anos, das ditaduras. Ainda não havia a liberdade de circulação hoje existente. (... Hoje?!)

Fiz a viagem de ida e aguardei por outro comboio para regressar ao Porto. Tive algum tempo de espera, não sei precisar quanto, mas foi suficiente para obter alguns ramos de uma amoreira que havia na estação. Terei pedido certamente a algum funcionário da CP. Naquele tempo, nas estações de comboio havia sempre moradores, funcionários, chefe de estação, guarda da passagem de nível, outros trabalhadores. Eram quase todas ajardinadas, arborizadas e relativamente bonitas.

De regresso, aos ramos obtidos, embrulhei-os em jornais embebidos em água, para os manter humedecidos. Ainda voltei ao Alentejo e então abacelei os ramos, dos quais um vingou. Esse é o clone de Amoreira que havia ou ainda haverá na Estação da Barca D’Alva. Término, à data, da lindíssima Linha do Douro.

Falam em reabrir os troços que fecharam na década de oitenta. Um crime?! Falta de visão e estratégia?! Aconteceu por todo o País.

Mas ali, no Douro!...

Mais tarde, já neste século, sobrevieram os reconhecimentos internacionais: Douro Vinhateiro - Gravuras de Foz Côa.

Por aqui me fico, que ainda faremos a visita de comboio.

Continuação de Excelente Ano Novo. Ano Bom!

 

Amoreira da Barca D’Alva (I)

A Sabedoria da Natureza!

(Árvore com História?!)

Amoreira I. Foto Original. 2021.12.09.jpg

No último postal sobre a temática “Covid”, finalizei com uma foto de uma Amoreira. Que designo por “Amoreira da Barca D’Alva”. Precisamente porque é originária dessa localidade, no recôndito “Douro Interior”, quando o majestoso Rio entra completamente em terras portuguesas.

Já falei no blogue sobre esta região, o célebre comboio, a emblemática "Linha do Douro" que do Porto seguia até esta vila, prosseguindo por terras de Espanha até Salamanca. E daí para as mais diversas regiões espanholas e Franças e Araganças.

Amoreira plantada em pleno Alentejo!

Amoreira II. Foto original. 2021.10.05. jpg

E a viagem que ela fez?!

A razão de escolha da foto, com a Árvore despida de folhagem, quase, quase no Inverno, foi precisamente para testemunhar a “Sabedoria da Natureza”! Aproximando-se o Inverno, com os seus rigores previsíveis e habituais, a planta reduz a sua atividade aos mínimos possíveis. Que lhe permitam viver e sobreviver às inclemências do tempo. Não morre, mas protege-se.

(Foi também uma mensagem indireta e metafórica para os Humanos: que se resguardassem mais no Inverno!....)

Ressuscitará… a Amoreira, mal provenha a Primavera.

Amoreira III. Foto original. 2021.04.02.jpg

Atingirá a respetiva plenitude...

... em finais de Maio.

Amoreira V. Foto Original. 2021.05.22.jpg

(As diversas fotos documentam o facto.)

São também os meus votos para 2022! Para Si, Caro/a Leitor/a,

Para todo o Mundo:

Um Ano, de 2022, pleno de Realizações Positivas. De Felicidade! De Excelência e Otimismo!

A Primavera chegará, tal como esperamos também na Amoreira.

(Cuja saga continuará em próximo postal!)

Com muita Saúde!

 

Festas do Povo, Capotes e Samarras!

Rosa salmão. Foto original. 2021.10.09.jpg

Voltamos em “Aquém-Tejo”, a escrever sobre o nosso Alentejo.

Rosa rosa. Foto Original. 2021.10.19.jpg

Em primeiro lugar, felicitar o Povo de Campo Maior, pelo facto de as suas Festas terem sido, ontem, dia 15 de Dezembro, reconhecidas como “Património Cultural Imaterial da Humanidade”, pela UNESCO. Parabéns! Inteiramente merecido.

O Alentejo cada vez mais universal! Felicitações também a Portugal. O reconhecimento é também de Portugal.

(Só visitei uma vez este extraordinário acontecimento, no distante ano de 1982. Tenho fotos, tiradas com a antiga máquina. Lindíssimas!

Rosa. Foto Original. 2021.10.20.jpg

Não dispondo eu, no computador, de fotos minhas sobre as Festas, ilustro com fotos de rosas do meu quintal…)

Rosa rosa. Foto original. 2021.10.20.jpg

Outro tema também genuinamente Alentejano, é o que se refere a Capotes e Samarras. Penso que ninguém terá dúvidas sobre a idiossincrasia tipicamente alentejana destas vestimentas. Gosto imenso de ver pessoas usando este vestuário. Todavia, não tenho nenhum exemplar desta indumentária. Nem penso adquirir. Gosto de ver nos outros, mas não de usar. Não me sinto confortável. É como o vermelho ou encarnado, como quiser dizer. Gosto de ver nos outros, mas não gosto de me vestir de vermelho. Ou encarnado?! Mesmo sendo simpatizante do Benfica!

Mas que tem tudo isto a ver?!

Rosa Santa Terezinha. Foto Original. 2021.10.20.jpg

Pois, na semana passada, também noticiaram que um indivíduo do Norte resolveu patentear a fabricação de capotes e samarras e exigir direitos de autoria, aos fabricantes destas vestimentas, há dezenas de anos.

No mínimo, paradoxal! Sentido de oportunidade ou oportunismo?!

O que fazer?! As Entidades Regionais e Nacionais(?), ligadas à Cultura, providenciaram no sentido de anular tal situação. Conseguirão revertê-la?

E a atitude das entidades que patentearam tal bizarria?! Limitaram-se apenas a assinar de cruz?! Não seria suposto que, pessoas que superintendem em questões destas, tivessem conhecimentos sobre a originalidade do que subscrevem e aprovam?! Digo eu!

Desde já será fundamental que, na sequência do acontecido, estes produtos genuinamente alentejanos, sejam de facto patenteados como tal.

Vivemos num mundo global, com regras que nos ultrapassam nas boas vontades, no bem fazer sem interesses mesquinhos. Deverá haver precaução. O mundo está cheio de gente a querer enganar os outros. “Meio mundo a enganar outro meio”?

Patentear os produtos, como genuinamente alentejanos e reconhecimento factual de quem os vem produzindo há dezenas de anos.

Que não aconteça o mesmo que à célebre “Camisola Poveira”!

Rosa branca. Foto original. 2021.10.19.jpg

Tenho dito! Rosas e mais rosas... Que este mundo o que precisa é de mais flores, como nas Festas do Povo de Campo Maior!

Muita Saúde! Muito Obrigado!

 

Não nos tirem as vistas!

Algo que a "Cidade de Régio" tem de inigualável: as Vistas!

Serra da Penha. Foto original. 2021.07.22.jpg

Poderá dizer: Que interessa isso das vistas?! A gente não come com os olhos!

Por acaso, os olhos também comem. “Não olhes para mim, não olhes…”, cantava a eterna Amália, no célebre “Fadinho da Ti Maria Benta”, parafraseando uma cantiga tradicional que no Norte Alentejano também era cantada. No livro “De Altemira Fiz Um Ramo” é uma das quadras que recolhi.

(Não esquecer que os pais de Amália eram da Beira Baixa. E a interligação global que têm estas duas Regiões de Portugal: Beira Baixa e Norte Alentejano. Que o Tejo simultaneamente divide e une.)

Voltando à Cidade de Régio… e às vistas.

Uma vista da "Serra da Penha" tutela o postal, com direito a bis.

Na forma, lembra um vulcão. Será que teve origem vulcânica?! Não sei!

Vistas da Cidade e Serra, a partir das proximidades de saída antiga: a “Porta do Crato.”

Vistas. Serra. Palácio Amarelo. Foto Original.2021.07.22.jpg

Também se vê o “Palácio Amarelo”. Tão desaproveitado estará… Um quintal, onde pontifica uma nogueira colossal.

Faz falta, na Cidade, a disponibilização de acesso a vários locais emblemáticos, nomeadamente a vários excertos do conjunto de muralhas.

Interligar esses espaços, nem que fosse temporariamente; permitir visitas, mesmo periódicas, era algo que engrandeceria a urbe.

Vista do “Arco do Bispo” ou “Porta do Crato”.

Arco do Bispo. Foto Original. 2021.07.22.jpg

Vislumbra-se que uma parte da encosta sudeste da Serra da Penha está queimada. Alertas que tenho vindo a fazer sobre as encostas da Serra. Há locais pertíssimo da Cidade, que metem medo ao susto. As encostas do "Cabeço do Mouro" precisam de limpezas e desbaste da floresta de pinheiros.

Não nos tirem as vistas.

Senhores Autarcas, Senhores Urbanistas, quem diz Senhores, diz Senhoras, como é evidente…

Meus Senhores e minhas Senhoras, quando pensarem e executarem sobre a Cidade, não se esqueçam das vistas panorâmicas. As vistas não têm preço, mas têm muito, imenso valor.

Este apelo não se aplica só à Cidade de Régio, do Sul. (Bem sei que há outra Cidade de Régio, no Norte: Vila do Conde.)

Aplica-se a todas as Cidades de Portugal. Que o digam as Cidades do Litoral e os verdadeiros atentados urbanísticos que se foram cometendo ao longo de décadas, tapando as vistas do Mar, com mamarrachos ao longo da costa. Na Costa, também.

(E, a propósito de Costa, como é que o “Primo Costa” se desenrascará com o Orçamento?!

Vejam lá se aprovam o orçamento, que não queremos cá eleições antecipadas. Tenho dito!)

 

Pedras… Pedras… Pedras… (III)

Rolantes? Roliças? Cogumelos?...

Intervenções: Naturais!

Neste postal, apresento imagens de rochas que, de algum modo, foram sujeitas a intervenções. Do Homem, ou da própria Natureza. Esta, aliás, modelou-as a todas, de alguma forma. Podendo o Ser Humano ter intervindo também, de alguma maneira.

Neste Postal Nº 976, apresento rochas predominantemente "intervencionadas" naturalmente!

 Acho-as muito peculiares. Até as batizei! Se quiser, também lhes pode acrescentar nomes. SFF!

A seguinte, intitulo-a de: “Beijo”!

Rocha Beijo. Foto original. 2021.10.09.jpg

Esta de: “Marrada”!

Marrada. Foto original. 2021.10.09.jpg

“Pedra Parideira??”!

Pedra Parideira. Foto Original. 2021.10.09.jpg

“Dedos de Gigante: Impressão Digital”!

Impressões digitais. Foto Original. 2021.10.09.jpg

A "Baleia"!

Rocha Baleia. Foto Original. 2021.10.09. jpg

Sobre esta não lhe encontrava um título adequado. Mas acho-a original. Entretanto ocorreu-me, talvez "Crokete"ou "Pastel de Bacalhau"!

Croquete. Foto Original. 2021.10.09.jpg

A verdadeira "Pedra Parideira" ou a "Galinha dos Ovos de Pedra"!

Pedra Parideira. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Obrigado pela sua leitura.

Quer tentar batizá-las também?!

Se visitar, respeite a Natureza. Não deixe lixo, SFF!

 

Pedras… Pedras… (II)

Rolantes?! Roliças?!... Cogumelos Gigantes!

Rocha cogumelo I. Foto original. 2021.10.09.jpg

Neste postal, o novecentos e setenta e cinco, continuo divulgando imagens das rochas peculiares do Norte Alentejano. Neste caso, figurando Cogumelos! Gigantes!

Rocha cogumelo II. Foto Original. 2021.10.09.jpg

As focagens permitem perspetivas diferentes.

Rochas cogumelos I. Foto original. 2021.10.09.jpg

Rochas cogumelos. Outra perspetiva

Rochas Cogumelos II. Foto original. 2021.10.09.jpg

Nalgumas verifica-se intervenção humana. Estes granitos tinham muita utilidade e nem sempre a perceção dos povos sobre a Natureza é estética ou artística. Ou transcendental!

Rocha intervencionada. Foto Original. 2021.10.09.jpg

A maioria das vezes é utilitária.

Rochas e parede. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Mas, por vezes, essa intervenção resulta interessante esteticamente, como na quinta foto!

Outras Imagens e paisagens:

Cogumelos na paisagem. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Cogumelo com sobreiro em fundo. Brincando ao esconde, esconde.

Cogumelo e sobreiro. Foto original. 2021.10.09.jpg

Rocha cogumelo agindo na sua função decompositora sobre sobreiro morto!

Cogumelo e sobreiro morto. Foto original. 2021.10.09.jpg

Paisagem: Rochas cogumelos e sobreiros.

Paisagem e rochas cogumelos. Foto original. 2021.10.09.jpg

Rocha Cogumelo à sombra!

Rocha Cogumelo à sombra. Foto original. 2021.10.09.jpg

Gostou? Bonitas paisagens, não são?!

Faça passeios, pela sua Saúde.

Obrigado!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D