Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Não caiu ninguém do avião?!

É para admirar!

Enganam-se assim no(s) aeroporto(s)…

Voa de um lado para o outro… Não conhece a rota de navegação… Não sabe em que aeroporto aterrar…Ele é o aeroporto X… depois é o Y… Afinal fica no mesmo sítio! Num assunto desta envergadura, uma argolada deste tamanho... nem dá para perceber!

Tinha um bom paraquedas, já se vê!

Eu nem sei o que isto parece. Estamos na primária?! (… Não dá mesmo para interiorizar, percecionar este assunto! Ficamos simplesmente abismados!)

Andam em andas e bolandas com esta estória do aeroporto de Lisboa e não mais se resolvem! Que me lembre, neste meio século em que falam e tornam a falar nesta coisa do aeroporto, já abordaram, não necessariamente por esta ordem: Ota, Monte Real, Rio Frio, Montijo, Alcochete, eu sei lá mais o quê!

E nunca mais se resolvem.

Eu, cá por mim, dito mesmo assim, ia de bandas para Beja! Falo mesmo a sério. Que isto das proximidades ou distâncias são cada vez mais relativas. E encurtam-se distâncias com todas as tecnologias sempre em aceleração. O que, hoje, parece distante, amanhã é mesmo aqui ao pé. Porque se andará, há meio século, a querer mudar um aeroporto, mas situá-lo sempre no espaço urbano da Grande Lisboa? Pensem em futuro! Equacionem outras “centralidades”. Beja, não tarda muito, fica mesmo aqui ao pé!

Porque se haverá de “pensar/equacionar” Lisboa só e apenas no respetivo espaço concelhio?!

Porque é que muitos serviços, que atraem cidadãos de todo o país, não hão de ser instalados fora da cidade propriamente dita?

Falo, por ex., e nomeadamente, dos “Grandes Hospitais”, por ex. o que irá substituir o de “São José”.

E outros casos.

Beja, daqui a nada, fica mais perto do que chegar ou partir para Sintra, para a Margem Sul…, em horas de ponta.

É necessário criar outras centralidades, fora da “Grande Lisboa". E isso é promover a descentralização.

Eu ando nestas ladainhas já alguns anos. Escrevendo sobre estes temas em vários postais. Deixando comentários noutros blogues.

Mas ando mesmo a “pregar no deserto”. Ninguém liga ao que eu digo. (?!?!)

Estes pessoais dos governos são quase todos das Lisboas. Nados e criados.

Veem, observam, analisam o país, exclusivamente a partir desse umbigo que é a capital!

E, Portugal não é só Lisboa.

Eu, cá por mim, dito mesmo assim, partia para Beja!

Depressa, que se faz tarde.

Saúde, que a Covid anda novamente em força.

E o pessoal tem responsabilidades, sim, tem!

E as “governanças” que dão péssimos exemplos!

 

Debate A. Costa versus A. Ventura!

Gato escondido. Foto Original. 2021.12.25.jpg

Questões pertinentes – Perguntas impertinentes!

Gato a saltar. Foto original. 2021.12.24.jpg

E mais alguns bitaites.

 

Vi o debate entre A. Costa e A. Ventura, no dia seis de Janeiro de 2022, 5ª feira. (Foi “Dia de Reis”, mas eles, de reis, não têm nada. São republicanos.)

Se gostei? Não, não gostei.

Se acho que valeu a pena? Não, não valeu. Face à finalidade de um debate.

Demasiados “ataques pessoais”, alguns sem muito sentido e até desenquadrados.

Os temas fundamentais, que foram aflorados, depressa foram enrolados na “discussão” perniciosa.

Essa disputa exaltada foi ganhando energia, culminando na interrupção “forçada” do debate, pelo limite de tempo.

Protagonistas e moderador ensurdeciam-se, na vozearia em que a “contenda” terminou.

Se irei continuar a ver debates? Não me parece que tal venha a acontecer. Talvez um ou outro excerto.

Se fazem sentido? Talvez façam. Há certamente quem goste. Quem aprenda. Quem tire proveito. Quem se decida, através deles. Não sei! Cada Pessoa é uma Pessoa!

Atentei na expressão facial / corporal dos candidatos. António Costa parecia que ia ao sacrifício.  André Ventura lembra aqueles miúdos no recreio sempre prontos para darem bicadas nos outros. Na sala de aula, à espera da melhor oportunidade, para confrontar o professor.

Posturas…

No que respeita a escolhas…

(Entre estes dois?... António Costa e o respetivo partido andam há dezenas de anos nestas lides. Toda a gente conhece. Para o bem e para o mal!

André Ventura, aparentemente, anda há pouco tempo nisto. Mas já sabe a música toda. Traz no ADN, a carga genética mais negativa da política, isto é, vem submerso em demagogia. Vale tudo e o seu contrário.)

Há muito por onde escolher. Pelo que contei, há quase uma dezena de candidatos a primeiro-ministro. Todavia, só um poderá ser. E, na prática, só dois eventualmente terão alguma hipótese.

Não gosto do discurso, à posteriori. Fulano ganhou. Beltrano perdeu.

E ainda menos deste tipo de discurso face aos resultados eleitorais. Quem vai para o exercício das funções políticas, deverá ir com o espírito de servir. De servir, friso. Com humildade. Esse espírito de “cantar vitória” deverá ser de outros contextos.

 

Que a Covid abrande, é o que mais desejamos. Assim como está… se a abstenção já é grande…

Faz-me alguma confusão que, havendo tantos casos, não haja alguma contenção das pessoas.

 

Anteontem ouvi comentários sobre nova sondagem. Será impressão minha, ou as sondagens e respetiva divulgação e escalpelização minuciosa, por comentadores encartados, funciona mais como condicionamento, manipulação, do que informação?!

 

E sobre abstenção. Quando reorganizam os cadernos eleitorais? Quando operacionalizam novas modalidades de votação?

 

Votos de muita Saúde. Livres da Covid!

 

Lisboa precisa ser "pensada" de outro modo. Bitaites!

Porque é que serviços fundamentais a todo o País hão - de estar todos sediados em Lisboa?!  (…)

 

Na sequência da Tertúlia do CNAP, no Café Império, voltei a viajar na Fertagus, ao final da tarde, perto das 19h, no sentido Norte - Sul. No início da tarde, viajara no sentido Sul – Norte.

Ponte 25 Abril. Foto original. 2015.jpg

 

Os comboios em qualquer dos sentidos não foram a abarrotar, como noutras ocasiões. Valeu-me também, no regresso à Margem Sul, ter tomado o comboio em Roma Areeiro. Situação que, aliás, muito boa gente usa. (Só encheu em Sete Rios!)

Antes de o comboio arrancar, aproveitei para conversar com o “parceiro” da frente, questionando-o sobre o respetivo percurso diário. Situação cada vez mais rara, a conversa entre passageiros, que vai todo o mundo “preso / agarrado” no telemóvel. Nem para a paisagem olham! E Lisboa é bem bonita, muito especialmente a travessia da Ponte, ademais ao início da noite, com toda a iluminação na Zona Oriental, o rio, os monumentos e o casario a rebrilharem, os carros circulando de luzes acesas…! (Alguns resistentes ainda leem!)

 

Situação do senhor: casa dos 30 / 40, mulato, angolano. Vinha de Paço de Arcos, concelho de Oeiras, onde trabalha na construção civil e dirige-se para Quinta do Conde, concelho de Sesimbra onde mora! Apanha o comboio da Linha (Cascais) até Alcântara – Mar. Aí sai e vai apanhar o comboio a Alcântara – Terra, que se dirige para Castanheira do Ribatejo. Sai em Campolide, onde deveria ficar para depois tomar o da Fertagus para a Coina (Margem Sul), mas como o comboio vem sempre cheio e teria que ir de pé, segue também num da Fertagus, mas no sentido inverso do que pretende, até Roma – Areeiro. Aproveita o respetivo retorno para a Coina, indo assim já sentado no respetivo percurso. Chegando a Coina apanhará um autocarro até Quinta do Conde!

Faz estes percursos diariamente!

Como ele, muitos milhares todos os dias, nos mais diversos transportes, provenientes das várias linhas de comboio, autocarros, barcos, metros, de carro, até Lisboa, provindos dos variados concelhos, desde Cascais, Oeiras, Sintra, Amadora, Odivelas, Mafra, Loures, Vila Franca, Azambuja, Alcochete, Montijo, Moita, Setúbal, Palmela, Sesimbra, Barreiro, Seixal, Almada, estes os mais próximos, que há quem venha de mais longe ainda!

Todos os dias! Em ambos os sentidos, num movimento pendular diário.

 

E se a Fertagus seguisse até à Gare do Oriente?! Bem jeito daria a muito boa gente. Mas a situação como resultaria?! Mas que dava jeito, dava.

 

Por ex. o aeroporto não deveria sair da Grande Lisboa!? Sendo um obra de grande envergadura e de longo prazo, porque não fazer, por ex. em Beja, aproveitando o que já está feito? A longo prazo, a distância relativizar-se-á. Traria novas centralidades. Bem sei que este assunto já dura há décadas, muito dinheiro já por aí tem corrido por muitos bolsos, com tantos adiamentos, projetos, estudos, anulações. Mas, no Montijo, fica à beira do estuário, em zona de muitos impactos ambientais negativos, a uma altitude muito baixa, também num espaço muito povoado, já demasiado desenvolvido.

 

E a promoção de habitabilidade em Lisboa? Rendas acessíveis, para quem lá trabalha. Facilidades de crédito, para quem queira comprar.

Porquê este modelo de desenvolvimento, com a permanente expulsão dos cidadãos cada vez mais para as periferias das periferias?! A quem interessa? Petrolíferas & Associados?!

 

Porquê o previsto Hospital, substituindo o de São José, não poderia sair de Lisboa, por ex. para Sul, concelho de Palmela, com acesso a várias linhas de comboio e de auto estradas? Quase ninguém mora em Lisboa. Os utentes vêm de todo o País…

 

Isto são…  só bitaites! Hei - de voltar! Políticas!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D