Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

“Urbanidades”?!?!

Questões Pertinentes: Perguntas Impertinentes?!

Poejo na rua. Foto original. 2021.05.22. jpg

“Urbanidades: … cortesia, boa educação, civilidade…” In. Dicionário de Língua Portuguesa – Porto Editora – 6ª Edição.

(Começo por frisar que o termo “Urbanidades” é perigosamente falacioso. Então quem é do Campo, duma Aldeia, não é bem-educado?! Aqui lavro o meu protesto. Poderá reparar, SFF, se neste blogue se escrevem palavrões!)

Olhos de Mocho. Foto Original. 2021.05.17.jpg

Covid 19

Não gostaria de estar novamente a escrever sobre o tema. Mas impõe-se. A situação está a agravar-se. O pessoal anda novamente tudo no regabofe, festas, festinhas e festarolas... Os casos aumentam. Progride o índice de transmissibilidade. O facto de estarmos vacinados não indica que estamos 100% imunizados. Devemos continuar a ter cuidados. Quem não está vacinado, ainda mais. Muito mais!

As nossas “Governanças”?! Deixam muito a desejar em todo este processo. Tanto andam para a frente, como às arrecuas.

Malmequeres. Foto Original. 2021.05.16.jpg

Futebóis e Euro: 2020?! 2021!

Os futebóis?! Tanta “futebolice” haveria também de dar alguns “frutos” nestes campos das infeções. Tanta gente a circular por aí, por esse Portugal e Europa, só podia dar esta frutaria podre.

E a atitude das nossas “Governanças” relativamente à seleção?! Tanto salamaleque para quê?! Perderam?! Porque jogaram bem, com garra?! Acha?!

Se não visse nem acreditava: Ronaldo a dar pontapés na braçadeira de capitão! Ninguém lhe chama à atenção?! Dona Dolores, faça favor de puxar as orelhas ao seu “menino”. Se faz favor!

Papoilas. Foto Original. 2021.05.22.jpg

O atropelamento na A6

Senhor ou Senhor(es) Governante(s)

Fazei o “obséquio” de assumir as vossas obrigações. De esclarecer o assunto devidamente. Assumam as responsabilidades que vos cabem. (Sem favor. É um dever!)

*******       *******       *******

E essa figura sinistra, vestida de preto, urubu da cultura, vai ser julgada?! E presa?! Pecará por tardia tal detenção.

E os que o avalizaram nos milhões?!

Estamos, nós, pobres Portugueses, a pagar mensalmente comissões à Caixa, aos Bancos…

Comissões?! Outro nome lhes chamo eu!

*******       *******       *******       *******

A entrega de dados pessoais de manifestantes às embaixadas?! É algo que não se faz.

 

Foto Original. 2021.05.17.jpg

E dos fogos, a respetiva prevenção?! Também se esquece?! Bem, lá para os meus lados, na Serra, neste outono, inverno, primavera, têm trabalhado no assunto. Parabéns.

*******

Fotos?! Todas originais. Se as utilizar, cite a fonte, SFF.

Todas de plantas silvestres. Propositadamente, dos campos da minha Aldeia!

 

Setúbal – Jun. 21: Urbanidades!

Passeios e Passeatas (II)

Arte(s) Urbana(s) e Comentários.

Vivenda Setúbal. Foto Original. 2021.06.22.jpg

Continuamos a viajar por Setúbal. Atividades que não têm nada a ver com passeios propriamente ditos…Mas aproveitamos para passear.

Pela primeira vez, após termos entrado nisto da pandemia da Covid, da qual ainda não saímos, frise-se… sentámo-nos numa esplanada.

Numa pastelaria, com boas guloseimas, de fabrico próprio. Não fixei o nome, hei-de saber. Pessoal muito simpático, atencioso e prestável. Fica numa Praça, cujo nome também não fixei, mas onde figura um obelisco relacionado com o Marquês. (Marquês?! Não o da “Operação Marquês”, mas sim o de Pombal!)

Fica o registo fotográfico e documental, do “amesendamento”.

Esplanada Setúbal. Foto Original. 2021.06.23.jpg

No postal anterior, focámos Arte Urbana, na entrada da Cidade, na Estrada de São Luís da Serra – EN10.

A “Arte Urbana” é um registo artístico, prevalecente, na Cidade Sadina. Também terra natal de Bocage, diga-se. E, a propósito de Elmano Sadino, constato que não tenho nenhum texto deste Poeta no blogue. (Também tenho um poema meu, aos modos de Bocage, mas que nunca me atrevi a divulgá-lo.)

Adiante…

Arte urbana Setúbal. Foto Original. 2021.06.21.jpg

A Arte Urbana, de rua, atual, expressa-se seja sobre a forma de grafiti, quer aos modos de pintura nos mais diversos contextos materiais urbanos, conforme documentei. Hoje, apresento duas outras Obras, uma na parede de um prédio, junto à Avenida Luísa Todi, (Luísa Todi!) e outra numa estrutura da eletricidade ou telefones, ou lá o que seja…

A proliferação deste tipo de Arte que, de facto, embeleza e enriquece qualquer localidade, é também um sinal de que há muita arquitetura degradada nessa cidade, vila ou aldeia. Uma forma de tornar o feio, bonito.

Arte urbana Setúbal. Foto original. 2021.06.21.jpg

Em Setúbal, há muita construção a caminho do descalabro. Propositadamente, apresentei, no início, a imagem de uma vivenda, talvez de há cem anos ou mais, quando estaria no seu auge. Deixar degradar uma peça artística como esta…

Bem sei que essa atitude é frequentíssima por esse Portugal afora. Peças “Arte Nova, Art Déco”, que o diga Lisboa, que deitou quase toda a Avenida da República abaixo.

Em contrapartida, se tiver um dia oportunidade… Entre no hall da Câmara Municipal e observe, com olhos de ver…

Por vezes, o melhor é mesmo tapar os olhos, como nos diz a peça seguinte.

Praça Setúbal. Foto Original. 2021.06.21.jpg

 

E, por Urbanidades, a foto seguinte: duas senhoras e um cavalheiro, numa bonita e tradicional rua da Cidade. O retomar da "normalidade", em tempos de Covid.

(Não sou apologista de colocar fotos, com Pessoas, mas esta é peculiar. Obrigado e me desculpem os transeuntes.)

Rua de Setúbal. Foto Original. 2021.06.21.jpg

Uma peça comum em qualquer cidade atual: as trotinetas.

Trotineta Setúbal. Foto original. 2021.06.21.jpg

Acho-as um empecilho, bem como as bicicletas, um perigo nos passeios. Já bastam os cães, que me fazem saltar para a via e os respetivos “presentes”, que me fazem ir sempre a olhar para o chão.

Ficamos por aqui, nesta viagem limitada, limitadíssima.

Algumas questões me ficam sobre “Urbanidades”. Noutro sentido. Talvez noutro postal.

 

Passeios e Passeatas (I): Setúbal (Jun. 21)

Algumas particularidades observadas na Cidade.

Alguns apelos a Autarcas e Munícipes.

Painel Setúbal. Foto original. 2021.06.21.jpg

No postal anterior, ontem, escrevi que Setúbal é a Princesa do Sado. Não sei se esse é um título que lhe é atribuído, mas poderá bem ser.

Um privilégio que Setúbal tem. Os cidadãos podem pegar nas respetivas trouxas de praia e, a pé, dirigirem-se a banhos, praticamente dentro da Cidade, usufruindo das águas límpidas do Sado. Um sortilégio que Lisboa há muito perdeu.

A envolvência da Serra da Arrábida, nas suas ramificações, é outra das suas especificidades, de realce positivo. Nem refiro Tróia, ali mesmo em frente!

Setubalenses, não se deixem espoliar destas maravilhas naturais que engrandecem a Cidade e vos beneficiam a todos.

Painel Setúbal. Sardinha. Foto original. 2021.06.21.jpg

Outra peculiaridade que observámos pela Cidade é a designada “Arte Urbana”.

A fotos anteriores são precisamente excertos de painel urbano que embeleza a entrada na Cidade Sadina, na “Estrada de S. Luís da Serra”, lado Sul, que não é nem mais nem menos que uma parte da EN10.

Estrada S. Luís da Serra. Foto original. 2021.06.21.jpg

Esse painel enquadra-se na temática evocativa do Mar e da Natureza, conforme documenta a foto seguinte. (E que ermida é aquela que espreita na foto, entre os arbustos?!)

Jardim evocativo mar. Foto original. 2021.06.21.jpg

Um pequeno jardim de hortênsias, lantanas e outras flores, estrutura toda essa envolvência evocativa da Natureza, não apenas a marítima, mas também a terrestre, não apenas a vegetal, mas também a animal. A mineral é a base do próprio painel, o esqueleto: a parede onde ele assenta.

Jardim hortênsias. Foto original. 2021.06.21.jpg

No assento onde figuram as letras de S-E-T-U-B-A-L, toda uma gravilha de materiais minerais, parecendo-me de origem vulcânica.

SETUBAL Painel. Foto Original. 2021.06.21.jpg

(Perdoe-me o Autor da Obra, reproduzir excertos, sem o nomear, mas não consegui alcançar o nome.  Obrigado e parabéns!)

EN10 Setúbal. Foto Original. 2021.06.21.jpg

Tendo percorrido parte desse trajeto da EN10 de, e para os Hospitais, o da Luz e o Anexo do Hospital São Bernardo, pudemos observar a imensidade de tráfego que o percorre. Em ambos os sentidos e em velocidades sempre excessivas.

Já que estamos em maré de eleições autárquicas, aproveito para algumas sugestões, a quem de direito: munícipes e autarcas, independentemente das cores partidárias.

(O passeio que acompanha o painel é importante. Além de bonito.)

Mas é imperioso que haja um passeio de cada lado da EN10 até aos Hospitais, de preferência até à Estação de Serviço da BP.

Lancem-se nessa obra. Munícipes, exijam-na!

É imperioso que haja redução de velocidade. Sinalização a partir da Estação de Serviço. Semáforos em frente do Hospital da Luz.

Alargamento da estrada, barreiras de proteção.

Estacionamentos em todo o lado descendente da EN10 - lado Sul.

(Desde a Estação de Serviço é praticamente possível, não direi em toda a extensão, mas em grande parte dela.)

E, por agora, e por Setúbal, fico por aqui. Mas haverá mais.

 

Euro 2020 ou Euro 2021?!

Futebol, futebóis…e outros arrebóis

Se calhar, uma série de disparates desconexos!

 

Malmequeres. Foto original. 2021.05.jpg

 

Começo por referir que pouco percebo de futebol.

Gosto de ver alguns jogos.

Gosto que Portugal ganhe e que jogue bem.

Também gosto do Benfica.

Gosto que as equipas portuguesas ganhem às estrangeiras.

Embora, atualmente, cada equipa portuguesa seja tão ou mais estrangeira que as ditas como tal. Enquanto nas da estranja podem jogar mais portugueses que nas nacionais. Enfim… Questões da globalização e do mercado dos futebóis.

Que o diga Ronaldo, Rei Naldo dos futebóis, na estranja, que só jogou em equipa portuguesa, no início de carreira. Mas que é imprescindível e motor de combustão na nossa seleção.

E, sim, sou fã de Ronaldo, e desejo que ele bata os recordes que puder, neste Euro. (2020? Ou 2021?)

E, até agora, ainda não vi nenhum dos jogos.

Comecei por embirrar com o aproveitamento de "politiquices" das nossas “governanças”. A deslocarem-se para aqui e para ali, para verem os jogos…ao vivo e a cores. A cores?!

Numa fase em que a Vida de tanta e tão boa gente, está no preto e no branco. E, sim, não apenas por causa da Covid, mas também por isso.

Por isso mesmo se exigiria um pouco mais de recato.

E, amanhã, também não sei se irei ver o jogo com a Bélgica.

Que não quero presenciar o mesmo que ocorreu com o Uruguai, em 2018, no Mundial na Rússia. Vai fazer três anos (30/06).

Bye, Bye, Uruguai”, poesia que escrevi, inspirado no universo futebolístico.

 

E, a propósito de Poesia, a SCALA, hoje, vai organizar a Tertúlia “Poesia à Solta”. Desejo tudo do melhor aos Tertulianos e Scalanos. Muita Saúde. Que a Poesia é sempre engrandecida!

 

Voltando aos futebóis… Euro 2020 ou 2021?!

Também não conto ir a Sevilha. Nem percebo, no contexto em que vivemos, que haja gente importante e bem pensante (!), que pense nisso.

Ir a Sevilha?!

Se for… não se esqueça, de levar castanholas. E trazer caramelos… (Isso era antigamente, e era de Badajoz!)

Também não entendo este modelo em diversos países. (Herança de Platini?! Ora bem…) Deambular de seleções, ademais com a Covid, outras jogando em casa… E público nos estádios… Bem sei que futebol sem público, nem é bem futebol! Mas, e a Covid?!

E também discordo que o “Reino Unido” nestas coisas de desporto esteja dividido. Unido para umas coisas, desunido para outras. Eu percebo. São resquícios ainda do “imperialismo britânico”.

E fico por aqui. Euro 2020 ou 2021?!

E que Portugal ganhe, claro.

(Foto: um campo pleno de bem-me-queres! Que a seleção nos proporcione um dia assim belo, como este campo de malmequeres. Ou bem-me-queres?!)

 

Visualizações dos Postais no SAPO (II)

Aquém – Tejo: Análise e algumas considerações

Altemira no quintal. Foto original. 2021.05.jpg

 

A 31/05/21, registei as visualizações a mais de dois anos.

Apresentavam os seguintes resultados, desde Nov 2016 a 31 Maio 2021 (Quase 5 anos!)

Páginas mais visitadas:

 

Algumas considerações:

As Séries ocupam lugar de destaque. Onze postais entre os vinte primeiros lugares, sendo os dois posts mais visualizados precisamente dois da Série “El Princípe”, sobre que escrevi em 2016. Outras séries também: “Uma Aldeia Francesa” e “Agência Clandestina”, sobre as quais escrevi, também em 2016, mas continuam a ser visualizadas. (Sempre que a RTP as repete ou são passadas, por ex. no Brasil, recomeçam as visualizações dos postais.

Aliás, na Origem das Visualizações, outra funcionalidade SAPO, é dominante a proveniência de Lisboa e do Brasil. Dia 24/06/21, respetivamente: Lx = 13108 e Brasil = 11518. No mesmo enquadramento temporal já referido: vários anos.)

Mas as Séries perdem realce nas visualizações referentes ao último ano.

 

Há um item cujo significado, na realidade, não descortino muito bem que é “Aquém–Tejo”!

 

O postal sobre a “Cremação”, de 2017, tem tido uma pesquisa constante, mas veio aumentando bastante a partir de 2020. Ano da Covid e do aumento das cremações.

Peculiar que esse ano da Covid também tenha sido aquele em que a problemática da cremação mais se tenha acentuado. (Também gostaria de passar pelo Cemitério dos Olivais e perceber se os constrangimentos que observei na altura terão sido modificados.)

 

O postal “Ter um Limoeiro à Porta” escrito em Março, também de 2020, digamos que “assentou que nem uma luva” na fase que vivíamos de início da pandemia. Muitas dúvidas e inquietações sobre como nos prevenirmos face ao Corona. Simultaneamente e talvez também por isso, a Equipa SAPO destacou o postal. Esse fator potenciou a respetiva subida exponencial de visualizações.

Todavia foi um caso pontual, específico desse mês de Março de 2020, tendo “inflacionado” as inerentes visualizações (4616).

Mas foi um fenómeno típico e inerente às condições ocorridas nessa data da pandemia e ao destaque inerente.

Nos meses seguintes praticamente deixou de ser visualizado, conforme podemos observar nos dados estatísticos de um ano: de Maio 2020 a 31 de Maio de 2021. Este item já aí não figura.

 

“Alentejo, Meu Alentejo”, poema lindíssimo de Dona Maria Águeda, publicado em 07/10/17, mantem uma “procura” crescente e tenho observado que após a situação de ter sido proposto para gravação editorial de Fadista José da Câmara, a respetiva pesquisa vem-se mantendo regular e aumentativa.

(Pena tenho eu que não queiram gravar nenhum dos meus poemas, apesar da Equipa SAPO já ter destacado: “Venceremos”, “Selfie 2ª versão” e “Primavera das Flores”.)

 

Vou observando mensalmente, e verifico que alguns itens têm “procura” periódica.

As poesias dedicadas às “Mães” têm habitualmente mais visualizações no mês de Maio.

As “Quadras Tradicionais” aumentam as visualizações na proximidade e no próprio mês de Junho.

Mas mantem-se uma constância na “procura”, desde que foram publicadas, em 2015 e 2016. Mantêm visualizações tanto nos cinco anos transatos, como no último.

 

A "Amendoeira na história da arte e dos jardins", também é visualizada regularmente. Há muita gente interessada na questão das Plantas, da Natureza. O que é bom sinal!

 

Tempo de Poesia”, de António Gedeão mantém “procura” mais ou menos constante, desde que foi publicado em 2016. O mesmo direi de Florbela Espanca: “Torre de Névoa”, também de 2016.

 

Dados referentes ao Último Ano

Data de recolha: Desde Maio 2020 a 31 de Maio 2021, inclusive

13.912 Visitas – 36 Média diária de visitas

24.947 Visualizações - 64 Média diária de visualizações

Páginas mais visitadas:

 

(As rubricas a negrito são algumas das que foram destacadas neste espaço de tempo.)

 

Talvez, para Si, Caro/a Leitor/a, que teve a amabilidade de ler até aqui...

Tudo isto sejam manias minhas, idiossincrasias, talvez "deformação profissional". Talvez!

Mas eu quero ter estes dados e reflexões para me poder "orientar" neste espaço de intervenção a que me propus. Porque o blogue ultrapassou, de certo modo, o que eu esperava.

E não me esqueço do que escrevi no postal anterior e por analogia com o futebol. Jogo nem na 3ªdivisão. Sou simplesmente um amador, na equipa dos reformados.

E ainda sobre futebol... Se for a Sevilha, leve castanholas!

Grato à Equipa SAPO.

Os "Destaques" são uma boa medida para incentivar os "SAPOS". Incentivem também os Sapinhos, como eu e outros que vão escrevendo por aqui! Grato.

A Si, Caro/a Leitor/a que me motiva à escrita e análise, o meu Muito Obrigado!

(Foto? Original. De Altemira fiz um ramo... Evocação das Quadras Tradicionais.)

 

Percurso do Salão Frio (III): Conclusão

3º Capítulo da Narrativa

Finalmente, o Atalaião!

Passada a contrariedade dos cães, que, na altura, nem avaliei devidamente, continuámos.

Caminho a seguir. Foto original. 2021.05.12.jpg

Em breve chegámos à estrada que nos levaria ao Atalaião.

Passámos pela “Quinta D’Matinhos”!

Por outras quintas abandonadas…

Quinta abandonada. Foto original. 2021.05.12. jpg

Pela Estação de Meteorologia, também abandonada.

Estação de Meteorologia. Foto Original. 2021.05.12. jpg

(Lembro-me de uma visita de estudo, quando aluno do Liceu, para aí em 71 ou 72, no âmbito de Geografia!)

Roseiras na estação meteorológica. Foto original. 2021.05.12.jpg

Mas com lindos roseirais!

E, finalmente, o fortim que batiza este Bairro da Cidade: “Atalaião”.

Fortim Atalaião. Foto original. 2021.05.12.jpg

Também abandonado?! Particular? Fechado? Sem hipótese de visitas?

(Também me lembro de, quando jovem aluno, nesses idos iniciais de setenta, termos ido, de motu próprio, em visita espontânea.)

Rosa enjeitada. Foto original. 2021.05.12.jpg

E uma rosa, bordejando uma casa também meio abandonada, mas persistindo na sua vida e função primaveril. (“Dirá a corola para o gineceu!”)

E o último sinal do percurso!

Virar à direita. Foto original. 2021.05.12. jpg

Ou o primeiro?! Se quiser e se se sentir com forças de novamente subir a Estrada da Serra, até à Fonte dos Amores, até ao Miradouro e por aí, nesse percurso pedestre, por demais interessante.

Mas que ficará para outra oportunidade.

 

Até breve. Faça caminhadas. Mas, agora com o calor, selecione devidamente os percursos, a hora, leve sempre água e companhia. E abrande no ritmo e na velocidade! E atenção aos cães!

SAÚDE! Muita!

 

Início de percurso. Foto original. 2021.05.jpg

(P. S. – No dia dez, “Dia de Camões”, passei pelo local de início de percurso, frente à Rádio, para saber o nome da Avenida.

À entrada do caminho, deparei-me com lixo e porcarias. Para além de um dos pinheirões mansos, parcialmente cortado.

Digamos que, para suposto caminheiro, deparando-se com essa primeira imagem desagradável, não será estimulante realizar caminhadas!

Há por aí muita gente que não merece a beleza que a Terra proporciona aos humanos. Destroem e conspurcam tudo com o lixo! Esquecem que o Mundo é um todo! E depois admiram-se de tanta lixeira nas praias!)

 

Cidade de Régio: Vistas de agrado e desagrado!

Da Serra, encosta a norte da Cidade, até ao Hospital, pela Avenida Pio XII.

Portalegre vista da Serra. Foto original. 2021. 05. jpg

O que acha desta imagem?

Uma vista da Cidade, a partir de encosta da Serra. O núcleo antigo, pontilhado pela Sé e pelo Castelo. Ao fundo, a campina alentejana. No enquadramento da foto, os sobreiros, árvores autóctones e os pinheirais, há séculos adaptados às nossas geografias. O céu pontilhado de nuvens. Na encosta descendente para a urbe, a vegetação herbácea, típica das nossas paisagens alentejanas. Em primeiríssimo plano, as boninas / “boninhas”, vulgo malmequeres, amarelos e brancos, a flor azul do soajo, falsas aveias e milhentas ervas que compõem os prados nesta época primaveril, inícios de Maio, à data da foto.

Um festival de cor, aguardando inspirado pintor!

E, por pintura, aprecie a foto seguinte.

Campo de boninas. Foto original. 2021. 05. jpg

Ainda as célebres boninas amarelas, compondo uma verdadeira tela impressionista. Na mesma vertente da Serra, mas no lado noroeste. Uma explosão dourada, descendo na direção do Boi D’Água.

Este é um dos aspetos que apreciamos na Cidade e que é um privilégio, que nem todas as localidades possuem. Percorrer a Serra, enquanto é Primavera, que vindo o Verão, o calor não convida tanto a passeios.

Enquanto é tempo, relaxa-se, faz-se exercício, observam-se paisagens lindas, a Natureza e a Cidade irmanadas. Manda-se o confinamento “às malvas”. (Que também se observam estas plantas, frise-se!)

Realizado o passeio pela Serra, descendo à Cidade, pela Avenida Pio XII, deparam-se-nos as imagens seguintes. Contrastantes com as anteriores.

Foto Original. 2021. 05. jpg

Tanto lixo!

Foto original. 2021. 05. jpg

Justificável?!

De modo algum!

Foto Original. 2021. 05. jpg

E se lhe disser que, no espaço para além do gradeamento, se situa o Hospital?!

Ainda mais chocado/a ficará, certamente.

E, se frisar que, nessa Avenida, nesse mesmo lado do passeio, existem dois conjuntos de contentores para lixos recicláveis e para lixo comum?!

Parece impossível, não acha?!

E quem serão os/as autores/as?! Talvez “artistas”, julgando-se supostamente produtores de alguma obra de “trash art”! Digo eu, sei lá!

Serão certamente transeuntes que por ali passam, provavelmente muitos dirigindo-se ou vindo dos serviços hospitalares, que por aí se acede ou provem das urgências. Pessoal indo ou vindo do centro comercial. Outros que me escapam, certamente.

Mas que não é bem feito, não é.

Mas esta situação é específica da Cidade?

De modo algum! É, infelizmente, por demais recorrente por este nosso País e pelo Mundo afora.

Cidade vista da Serra. Foto original. 2021. 05. jpg

Às vezes sinto que há quem não mereça a beleza de País que temos. Nem a riqueza do nosso querido Planeta Azul!

 

“Europa Social”, no Porto…

...Imigrantes explorados em Odemira!

Desabafos de Maio 2021

Rosas da minha Avó. Foto Original. 2021. 05. jpg

 

Logo agora que foi aprovada a designada “Europa Social”, no Porto e em início de Maio, mês de “Dia do Trabalhador”…

Pois, nem de propósito, a situação de escravidão, em que vivem trabalhadores das atividades nas estufas das agriculturas intensivas, ganhou foros de manchete nos meios de comunicação.

Era algo que se sabia, não é situação nova, não é específica do Alentejo, noutras regiões de Portugal existem casos semelhantes; em Espanha, França, Itália também proliferam casos idênticos. Por esse mundo afora…

Alguns desses trabalhadores migrantes, nas mãos de máfias organizadas, até serão levados de umas regiões para outras.

Nada justifica estas posições, a não ser a ganância de alguns, em detrimento de quem pouco ou nada tem.

A génese destes problemas até estará nos países de origem destes e doutros migrantes, dos que atravessam oceanos em fuga. Portugal já foi porto de origem de situações semelhantes, hoje é porto de destino.

Em todas elas a tónica dominante é a exploração desenfreada de pessoas, em modo de escravidão, sem o mínimo de condições que respeitem a dignidade humana.

O cinismo com que este assunto foi abordado em diversos contextos, a forma como foi tentado de resolver apressadamente, também não terá sido de louvar.

Todas as Pessoas têm direito a serem respeitadas, a sua condição de seres humanos valorizada, a uma remuneração digna, a condições de vida satisfatórias, para si e seus familiares.

Que resolvam a situação de modo que estes trabalhadores, vindos dos mais diversos locais do mundo, sejam considerados e valorizados pelo seu trabalho.

Que são eles que executam tarefas que portugueses não querem fazer.

Que permitem aos supermercados terem muitos dos produtos hortícolas que consumimos, nós e muita da Europa, “Social” ou não.

Que as Entidades, públicas e privadas, que tutelam os vários enquadramentos em que se processa o trabalho destes migrantes, sejam responsáveis. Que atuem! Que ajam!

(Toda a gente sabia, mas fingiam que não.)

Não fora a Covid e a “utilização” de um resort turístico, que tanta celeuma levantou, ademais já várias vezes falido, não sei onde vão buscar o dinheiro e ainda mais o que lhe fazem, não fora tudo isso e continuavam a assobiar e olhar para o lado.

Tratem de reconhecer a dignidade devida aos trabalhadores! Destes e dos milhares de portugueses também em trabalhos precários.

 

(Adenda: Os restos do foguetão chinês caíram lá para o Índico, não vieram cá para os lados de Portugal, e ainda bem. Já basta o Corona!)

Rosa da Avó Rosa. Foto original. 2021. 05. jpg

E as fotos originais? Maio, é mês das rosas! E fica o mote para próximo postal, que agora tenho um grande acervo de rosas.

 

 

 

Que aconteceu ao Jardim na Cidade?!

Questões Pertinentes – Perguntas Impertinentes – Antes de Vinte e Cinco! 

Bem te Queremos, Liberdade!

Bem me queres. Foto original. 2021. 04. pg

A pergunta, titulando o postal, poderá ser encarada numa perspetiva genérica e questionar sobre a efetiva e na prática quase inexistência de “Jardins nas Cidades”. Na verdade, e atualmente, o que os decisores políticos criam, nas nossas cidades, são parques.

Jardins, jardins, persistem alguns mais antigos, nalgumas das nossas localidades.

Jardim Feijó. Foto Original. 2021. 04. jpg

Mas esta pergunta é mais específica. Reporta-se a um jardim peculiar que havia num enquadramento entre prédios, de uma rua no Feijó, Cidade de Almada: (Foto anterior).

Peço-lhe Caro/a Leitor/a que faça o favor de ler um postal antigo que escrevi no blogue, em 18/11/2014, bem no princípio destas narrativas internáuticas e que intitulei precisamente Um Jardim na Cidade – O Jardim de Dona Vanda”.

Pois, que aconteceu a este singelo e peculiar Jardim?!

Passei por ali recentemente, já neste mês, já por ali não passaria há mais de um ano, e constatei que foi transformado no espaço de parque que documento fotograficamente.

(O antigo Jardim ficava no espaço entre os dois prédios, a meio da fotografia seguinte. Correspondente ao espaço da foto anterior.)

Parque Feijó. Foto Original. 2021. 04. jpg

No conjunto, todo aquele espaço foi valorizado. O que ali estava era uma espécie de buraco, nas traseiras de várias urbanizações e agora há um espaço arrelvado, arborizado, caminhos de fácil percurso pedestre, um jardim infantil. Globalmente, houve melhorias, não tenho quaisquer dúvidas.

Parque Infantil. Foto original. 2021. 04.jpg

Mas não teria sido possível manter o pequeno e modesto Jardim, integrando-o no contexto global do parque?! Digo eu…sei lá!

E para quando deixarem de arrelvar, e construírem efetivamente jardins?! Jardins de “flores”, com roseirais, arbustos autóctones, que floresçam nas épocas próprias.

Sempre os espaços de relvas. Manutenção cara, muito gasto de água e… para que servem?!

Já sabemos! Para que os/as modernos/as chiques levem os canídeos a defecar. Que até tirei fotos, precisamente no local do dito jardim. Que não mostro, evidentemente.

O que vale é que a Natureza floresce sempre, como provam as papoilas e os bem-me-queres!

Papoilas no Jardim. Foto original. 2021. 04. jpg

Porque é que os nossos políticos, da nossa Democracia, decidem sempre de cima para baixo, não contemplam as decisões tomadas de motu próprio pelas populações?! Só pensam em nós para votarmos. Daí tantas vezes o desinteresse…

Estas são exclusivamente opiniões minhas.

Que era possível, viável e desejável que, embora construindo aquele parque, se mantivesse o Jardim, era! Espaço ajardinado, bem peculiar, simples, natural, trabalhoso, traduzindo o espírito de Cidadania de quem o idealizou. De quem o construiu, criou, manteve, sustentou de água que faltava, de espécies bonitas e florescentes que, na altura própria, coloriam aquele canto meio abandonado a que davam Vida! Era possível manter, sim!

E é ou não importante que os “nossos” políticos atendam também às vontades dos Cidadãos nestas pequenas e também grandes coisas e causas?!

E estarei ou não a exercer um dos Direitos fundamentais que o 25 de Abril nos proporcionou?

Eleições – Obras – Promessas – Ilusões!

Questões Pertinentes – Perguntas Impertinentes?!

Ginjal. Arte de Rua. Foto original DAPL Out 2015.jpg

Este ano, lá mais para o final, dependendo da Covid (?), haverá novamente eleições. Desta vez Autárquicas.

E já vai por aí um rebuliço! Cada cromo a candidatar-se… Cromos e cromas. Alguns e algumas dinossáurios/as, que saltitam de concelho para concelho! Não vou comentar. Não vou por aí. Cada um é que sabe na camisa em que se mete.

 

Ano de eleições é ano de obras. E é vê-las... Há de tudo. Umas mais necessárias, outras nem tanto. Passeios, estradas, ruas e ruelas, por cidades, vilas e aldeias.

Autarca que se preze tem obra para final de mandato. As inevitáveis rotundas… Há localidades acrescentando à coleção das que já dispõem. Estremoz tem mais uma em construção! E o que vai sair do espaço antecedendo a Porta de Santa Catarina?!

Em Estremoz, o que faz falta é uma variante que permita ir ou vir do Norte, para a auto estrada A6 ou a estrada Elvas / Badajoz – Lisboa e vice-versa, sem entrar na cidade e fazer toda aquela coleção de rotundas. Obra mais do que necessária, não acha?!

 

Nesta época, aparecem sempre novos projetos megalómanos, ou continuam a fomentar os que já vêm idealizando / prometendo há anos.

 

O aeroporto de Lisboa(?) anda em bolandas há décadas. Há quarenta ou cinquenta anos, saltitando de lugar para lugar. Ora! Ponham o de Beja a funcionar devidamente!

 

As obras em Lisboa, na Praça de Espanha, na Segunda Circular, há meses que não vou à capital, já terminaram?! É para ali uma gastadeira de dinheiro!

E mais uns metros do Metro? Linha Circular? Se resultar como a de Madrid, é uma confusão de ligações!

E no Porto falam em nova ponte! Tanta ponte?!

 

Em Almada, para além das obras no eixo central da Cidade, falam num projeto megalómano de uma espécie de Nova Cidade, com tudo e mais alguma coisa, do mais modernaço que há, a construir entre o Monte da Caparica e o Porto Brandão!

Bem lá no alto, aonde dificilmente chegarão os efeitos previsíveis da subida do nível médio das águas dos mares!

Provavelmente para esquecer o mais que célebre projeto que andaram anos a promover, de uma “Cidade da Água”, “Manhattan de Cacilhas”, a construir nos terrenos dos antigos estaleiros da Lisnave! Digo, eu. Sei lá!

Relativamente a esse hipotético novo projeto, os especialistas que o estudam, estão a equacionar os problemas dos transportes públicos e privados, no acesso à Ponte 25 de Abril?! Aspeto de pormenor?! Outros haverá, que quem projeta sabe mais do que eu!

Almada Velha. Foto original. 2019. 07. jpg

Em relação a novas cidades e construções, continuo a defender o que venho alertando, não só para a Cidade A, B, ou C. Para todas!

Recuperação dos milhares e milhares de casas abandonadas por todas as nossas cidades, vilas e aldeias. Um verdadeiro projeto nacional, envolvendo todas as entidades. Destinadas às Pessoas, sem esquecer que, hoje, toda a gente tem carro.

(Já abordei este assunto em diferentes postais.)

Ferramentas. C. Arte Moderna. Foto Original. 2020. 02. 02. jpg

 

Caro/a Leitor/a, aí pelos seus lados…

Que obras andam a fazer? E que projetos querem “vender”?!

Obrigado pela sua leitura. Grato pela sua atenção.

Votos de muita Saúde e excelente Primavera!

*******

Fotos?

A 1ª é do Ginjal - Almada, de 2015! Local que bem precisa de Obras! Já prometidas... 

A 2ª, de 2019. Almada Velha.

A 3ª, de 2020/02/02, de Exposição do Centro De Arte Moderna: ferramentas. Pode haver obras sem ferramentas?! Antes do Centro entrar em Obras e desta confusão da Covid. Saudades de ir passear à Gulbenkian: jardins, exposições e belos almoços no snack do Centro de Arte Moderna!

P. S. - Se utilizar, por bem, alguma destas fotos, cite a origem, SFF! Obrigado!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D