Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Incêndios » » » Enxurradas

Questões Pertinentes e Perguntas lmpertinentes, mais uma vez!

 

Este é um daqueles temas sobre que preferia não me debruçar.

Aliás, alguém gostará?

Por vezes nem sei. O excessivo mediatismo associado ao assunto… Haverá necessidade que os media, especialmente as TVs, tanto vibrem perante essas ocorrências?! Uma certa contenção informativa não seria muito mais formativa?!

Não sei. O que acha?

 

Agora que o “fogo” informativo já acalmou mais, gostaria de debitar alguns bitaites.

 

Antes de mais, lembrar, o que toda a gente com facilidade já saberá, é que, agora, de imediato, para além de remediar e resolver todos os desastres resultantes dos fogos, haverá que começar a prevenir, desde já, as eventuais e hipotéticas, e previsíveis, enxurradas.

Agir no sentido dessa eventualidade. Preparar essa possível ocorrência.

Muito especialmente na Madeira, dada a orografia do terreno e a forma como está implantada toda a estrutura demográfica.

Mas, com tantas questões para solucionar, se calhar esses aspetos vão ficar para um plano secundário.

Esperemos que não!

 

Sobre toda esta temática, incêndios e enxurradas, no ano passado, divulguei um post, há um ano, a partir de uma estória que escrevera anos atrás.

No essencial as questões principais, infelizmente, mantêm-se.

 

Prevenção. Sim, é o fundamental. Muito falta fazer. E neste aspeto não há grupos no Poder que se possam limpar uns aos outros, nem alijar responsabilidades, atirando para cima dos antecessores. Todos são, todos somos, corresponsáveis. Ou não?

Os cidadãos também podiam ou não agir com maior sentido de responsabilidade?!

As tricas, as trocas e baldrocas partidárias, neste campo, não fazem qualquer sentido.

Este é um dos assuntos/problemas deste País em que tem que haver uma unidade de esforços, independentemente das cores de cada um.

(Outro, sobre que falarei um dia, é o da reconstrução do casco antigo das nossas cidades, vilas e aldeias.)

 

E não adianta defender que os fogos ateados por mão criminosa existem, independentemente da prevenção, porque, sendo essa afirmação verdadeira, apesar de tudo, havendo medidas preventivas os seus efeitos serão menos nefastos.

Prevenção, sim! Prevenção, como prioridade.

E, mesmo no caso dos criminosos que pegam fogos, também se pode agir preventivamente.

 

Prevenção, envolvendo todos:

- Poder Central, Poderes regionais, Poderes locais.

- Cidadãos, Pessoas, Populações. Todos. Dos campos, mas também das cidades.

- Com tantos festivais e festivaleiros, festas, festarolas e festanças, seria bom que as pessoas, todas, tomassem consciência da ação cívica que lhes compete e que a sua não participação em ações concretas, quanto mais não seja pela falta de cuidado e civismo, tem consequências indiretas ou mesmo diretas no descalabro a que se chegou.

 

E a propósito de cidadãos. (Cidadãos?!)

Aqueles sujeitos que, de forma propositada, alguns de forma reiterada, ateiam fogos, como proceder com eles?

Prendê-los temporariamente e libertá-los pouco tempo depois?

Não terá, apesar de tudo, muito menos custos sociais e económicos, mantê-los vigiados, melhor, privados de liberdade de movimentos, acompanhá-los, de algum modo integrá-los em atividades socialmente úteis?

Durante as estações do Outono, do Inverno e na Primavera mantê-los presos, mas ocupados em atividades precisamente de limpezas e manutenção de campos, ou outras adequadas ao seu perfil.

No Verão, igualmente privados de liberdade, mas retidos em locais que não sejam suscetíveis de atear fogos.

 

Ainda e a propósito de cidadania ativa, porque não colocar o pessoal “desempregado” na limpeza e manutenção de matas, caminhos vicinais, estradas, “ressuscitando” até funções e serviços que eram desempenhados, por ex., por cantoneiros e guardas-florestais?

De certeza, que o exercício destas funcionalidades traria muito mais vantagens, a todos os níveis, que os modelos vigentes.

 

E os Jovens nas Escolas serem também despertos e envolvidos em ações práticas de limpeza do meio ambiente. Estruturar ações, projetos, nesse sentido.

 

E o exercício da “tropa” precisamente para essas funções? Que este trabalho de limpeza e manutenção de campos e matas tem que ser uma verdadeira “guerra” ao fogo.

 

E os presidiários? Porque não ocupá-los também nessas tarefas?

 

Para além de os cidadãos terem práticas ativas de respeito pelo meio ambiente, o que de todo não se verifica.

Basta ver como muitas pessoas lidam com o lixo e com os cigarros!

 

E uma ideia que não é totalmente original no seu conteúdo, ainda que julgo sê-lo na sua metodologia.

Porque não criar, por ex., rebanhos de ovelhas e/ou de cabras ou mistos, que, num modelo ancestral, idêntico ao dos “rebanhos comunitários”, percorreriam terrenos abandonados, matas e matagais, caminhos antigos e vicinais, ribeiros e ribeiras, pastando, comendo os matos e, assim, de uma forma ecológica e amiga do ambiente, limpariam os terrenos e funcionariam preventivamente contra eventuais incêndios?

Um modelo que poderia ser organizado e gerido pelas autarquias, com o apoio das populações locais, que poderiam ser cofinanciadoras dos projetos e, dessa forma, participarem na cogestão das atividades em todas as suas implicações.

Uma ação preventiva e fiscalizadora, suscetível de criar riqueza e trabalho.

 

E porque não utilizar toda a matéria vegetal na produção energética, incentivando precisamente as limpezas como fontes de rendimento ao promover-se a venda do material lenhoso e vegetal a centrais energéticas?

 

Caminhos vicinais. Foto original DAPL 2016

 

Limpezas efetuadas como deve ser, a começar nas estradas e caminhos. Não esse arremedo de limpeza que se faz, em que se corta a erva maior, mas fica todo o substrato vegetal no solo.

Aí residiria o papel fundamental dos cantoneiros.

E junto às localidades, especialmente as montanhosas e de zonas florestais, definir um perímetro em que terá que haver total erradicação de matos e árvores facilmente combustíveis.

 

E atenção aos negócios, aos negócios, aos negócios associados a estas questões dos fogos!

 

E será necessário transformar todas estas tragédias ambientais e humanas em espetáculos mediáticos?!

Será?

 

Prevenção! Prevenção! Prevenção é sempre imprescindível.

Feita como deve ser e envolvendo toda a gente, todos os anos!

 

Porque, no final há tanta verba, tantos milhões e é sempre tão apelativo ouvir-se falar em milhões, mas de onde provêm todas essas milionarices?!

 

Tantos impostos!... Quem paga, quando se bebe uma simples bica?!

Pense nisso caríssimo/a leitor/a.

 

(Nota Final: Foto original de D.A.P.L. 2016. - Caminho vicinal, bordejado de "rosas loureiras" e a habitual erva seca.)

“A Herança” – Série Dinamarquesa - 6º Episódio

“Arvingerne” / “The Legacy” 

The Legacy In. www.pinterest.com

 “A Herança

(10/03/16 – 5ª Feira)

Preparativos para o Julgamento

 

Neste sexto episódio, ultimam-se os preparativos, as estratégias, as táticas, “afiam-se as espadas” para a luta. Vai haver julgamento sobre a herança da Casa/Solar Gronnengaard.

Os dois lados estão extremados nas suas posições.

 

Frederik, sócio num Escritório de Advogados, (num Escritório de Advogados!), consegue ter nas mãos Emil, que o quer dinheiro, (voltou a ser ameaçado pela “máfia oriental”); e Gro, ameaçada de polícia pelo próprio irmão.

Continua desvairado, desatinado, ainda mais agora que a mulher, Solveig, se foi embora, ainda que apenas por alguns dias. Mas a sua obstinação, doentia, é a posse do Solar!

Vive obcecado pela Casa, pelos seus fantasmas na Casa e da Casa, da Mãe, inconscientemente realizará uma catarse da sua vida passada, relativamente aos progenitores, ao espaço e tempo em que aí viveu. Tentará, digo eu, através da obtenção da Casa, alcançar alguma “libertação”, paz interior e purificação emocional!

No fundo, também uma afirmação do seu Poder, que, pelo menos até agora, está a consegui-lo.

 

Signe, obstinada, também já aprendeu com os irmãos e também já coloca a ambição da Casa acima de tudo, apesar de ter sido a única que propusera uma solução em que todos eram contemplados. Sentindo-se, de facto, rejeitada por eles, mas também querendo ser reconhecida como igual, como irmã, como membro da Família, também vai de armas e bagagens à luta. E de ingénua, tornou-se audaz e conseguiu o documento em que declarava ceder a Casa à pretensa Fundação! Elemento fundamental para comprovar a sua ação desinteressada.

Não aceita as ofertas de dinheiro, 2,5 milhões, aumentados para 3, 5 milhões. (Confronta o próprio irmão, que não a reconhece como tal, que já lhe arremessou esse seu sentimento, na própria cara.

E que também o explicitou aos próprios colegas advogados, advogando que quer ser ele o representante da Firma neste caso.

Quer vencer e afirmar-se em todas as frentes!)

Signe tem como aliados a Família Adotiva, Lise também resolveu testemunhar a seu favor, para além do Pai, John, o namorado, Andreas, e o advogado do Clube. Tem também como suporte uma boa advogada, que lhe equaciona, explicita e explica os dados fundamentais do processo a ser julgado.

 

 

Nestes julgamentos valem, (valem?!), todas as armas e, Frederik, não se poupa a meios para atingir o seu móbil.

Uma campanha falaciosa na comunicação social, (já aqui abordei no blogue a questão de os “Media” terem “dono”), denegrindo a atitude de Signe, na obtenção da famigerada carta que Veronika lhe deu antes de morrer.

E, não hesitará em manchar a imagem da própria Matriarca, para conseguir o seu fito.

 

Mas temos que frisar que a teimosia, a cegueira ambiciosa, são o apanágio desta gente! Mas também, se não fosse assim, esses desenlaces terminariam com a série. E não é isso que interessa, não acha?!

 

Aguardemos o Julgamento em que irá haver todo um remexer no passado e sobre tudo o que se terá abordado ou poderá vir a sê-lo. E aguarda-se muito estilhaçar de jarras de flores e de cinzas de mortos, primordialmente de Memórias e lembranças que sairão conspurcadas. E muita coisa, e muita gente viva será enlameada. E será entre os vivos que mais se refletirão esses estilhaços. Que os Mortos estão mortos!

 

Ah! E Gro?!

Gro estava literalmente na fossa, sem sair de Casa, na cama, sem comer.

Valeu-lhe a vinda de Robert, que se deslocou propositadamente à Dinamarca, para que ela não faltasse à entrega de um prestigiado prémio, que ela também ajudara a criar, em Copenhague.

E convenceu-a a ir. E é vermos a transfiguração de Gro naqueles ambientes de “Alta Cultura”! Toda ela é pose e charme, como já o fora em anterior episódio na apresentação do “Livro da Mãe”!

Mas depressa se deixou cair, quando tentando reatar com Kim, não sei bem as funções deste personagem, mas deve ser “Algo relacionado com as Altas Culturas”, quando tentando abordá-lo de forma civilizada e humilde, este não lhe deu troco, não consentiu na abordagem, foi grosseiro com ela e teve até o desplante de lhe arremessar: “Talvez tu não valhas nada sem Ela!” (Referia-se à Mãe de Gro, Veronika, a Verdadeira e Incomensurável Artista, em cuja sombra e aproveitando-se, sempre Gro vivera e de quem fora apenas a “Secretária”!

Que estas “Personagens” das Culturas, principalmente das ”Altas Culturas”, têm muito que se lhe diga! E não é só nas Séries. Infelizmente! A Comunicação Social tem relatado, ultimamente, casos bem paradigmáticos!

E que fez Gro?!

Pois, refugiou-se nos copos, emporcalhou-se toda na camisa e até agarrou numa garrafa, para completar o cenário, não fora Robert “agarrar” nela e levá-la para o apartamento, onde lhe valeu o apoio de Emil, entretanto chegado, e que a ajudou a aliviar a bebedeira!

 

Mas aguardemos o Julgamento, que espero seja hoje e podermos ver como todos estes personagens, mais ou menos desequilibrados, vão reagir!

 

O Reino Unido pondera a possibilidade de sair da União Europeia!

Reino Unido: Europa – Sim / Não

map of United Kingdom in google maps.png

 

Esta tem sido uma informação recentemente veiculada pela Comunicação Social, referindo nomeadamente que esta situação será colocada como referendo ao povo britânico, a 23 de Junho, deste ano de 2016.

 

Referem também que o 1º Ministro britânico, David Cameron, conseguiu um “acordo com os 27 parceiros europeus que garante ao país um estatuto especial dentro da União” no sentido de reforçar essa permanência. Também têm sido mencionados alguns dos “notáveis” britânicos que defendem essa saída, nomeadamente membros do governo atual, contrariamente à posição do 1º Ministro britânico, que defende a permanência na União.

Esta situação suscita muitas questões, algumas colocadas nos media.

 

Sobre o Acordo...

Este refere-se fundamentalmente a questões de funcionamento interno no Reino Unido ou também na forma como esse Estado se relaciona com os outros Estados, no contexto da União?

E favorece esse Estado e desfavorece os outros? Ou mantem-nos todos em pé de igualdade?

E foi “negociado” com todos os outros 27 Estados membros ou preferencialmente apenas com os “principais”?

 

Sobre o Reino Unido:

Será que o Reino Unido alguma vez esteve de “alma e coração” na União Europeia?!

Note-se que este Estado/País não aderiu nem à Zona Euro, a moeda continua sendo a libra esterlina, nem integra o Espaço Schengen.

 

Aliás, o Reino Unido, globalmente sempre se terá considerado um pouco além da Europa, diga-se do Continente, já que sempre se consideraram como as “Ilhas”.

 

Quando se fala de Reino Unido temos que esclarecer que este é o termo para designar o Estado constituído pela Inglaterra, Escócia, País de Gales, Irlanda do Norte e mais umas quantas Ilhas no Mar do Norte e no Canal da Mancha, com estatuto especial.

Que no que respeita a este Estado há sempre muitas particularidades, nomeadamente o facto de ser uma monarquia, o que desde logo determina haver questões do Estado e questões da Coroa. Mesmo territorialmente!

E ainda vários territórios ultramarinos, espalhados pelo Mundo, resquícios do famoso Império Britânico, British Empire, como sejam as Ilhas Malvinas / Falkland Islands, Gibraltar, etc, etc, são mais de uma dezena, que esse Império se espalhava por todos os Continentes e Oceanos.

 

Isabel I in wikipedia.jpg

 

E este é um dos aspetos que sempre ressalta, quando se fala deste Estado/Reino.

Senhor de um Império assente no domínio dos mares e com territórios nos cinco continentes, que foi iniciado com Isabel I, na segunda metade do século XVI, se estruturou no século XVII e consolidou no século XVIII, tornando-se hegemónico no século XIX, ainda preponderante na primeira metade do século XX, mas que se extinguiu após a II Grande Guerra, com a independência das várias colónias na Ásia e na África.

Ficaram contudo múltiplos territórios espalhados pelos cinco continentes, como “remanescentes” desse Império, e que fazem parte desse Reino Unido.

Ficou também a organização intergovernamental designada “Commonwealth” que engloba 53 estados independentes como países membros, na quase totalidade pertencentes ao antigo Império.

E essa matriz identitária de detentores e integrantes de um Império tem condicionado a visão britânica do Mundo, no contexto da sua relação com outros Estados e Povos.

 

Estado possuidor de um grande poderio económico e financeiro, ainda atualmente. A “City” é o maior centro financeiro da Europa.

O Reino Unido sempre sentiu que contribuiria talvez demais para a Comunidade e pouco ganharia em troca.

Contudo gostaria de realçar um facto, que li há alguns anos, sobre a questão das verbas obtidas pelos agricultores europeus, na sequência das medidas de financiamento à agricultura, atribuídas à data em função das áreas dos terrenos.

Pois sabem quem era a Personalidade na Europa que mais recebia segundo esse critério?!

Pois, precisamente, a Rainha de Inglaterra!

 

E penso que estes têm sido alguns dos aspetos que, à partida, e de algum modo funcionando como marcos e preconceitos identitários, têm definido a adesão do Reino Unido, primeiro à Comunidade Europeia, 1973, e, posteriormente, à integração, sempre limitada e condicionada, na União.

 

Para além destes aspetos, ressalto também as idiossincrasias próprias dos britânicos. Circulação rodoviária pela esquerda, adesão tardia ao sistema decimal, tanto no dinheiro, como nas medidas e pesos, sistema métrico. Penso que a aceitação do sistema decimal terá sido na sequência da adesão à CEE, já na década de setenta do século XX.

 

Muitos destes aspetos são de natureza essencialmente cultural, mas condicionantes do relacionamento britânico com os europeus do Continente.

 

Como se diz em linguagem corrente, “sempre com um pé dentro e outro fora”.

 

(Que existem outros contextos em que os britânicos gostam de usufruir de estatutos especiais. Veja-se no futebol, não sei se em todos os desportos. Os britânicos têm representações da Inglaterra, da Escócia, do País de Gales, da Irlanda do Norte. Não sei se também das Ilhas de Jersey e de Guernsey!

Imaginam a Espanha a ter representações da Catalunha, do País Basco? ... Das Ilhas Baleares... Era um bailado flamenco!)

 

Atualmente com as “Crises” instaladas, o melhor será abandonar o barco?! ...

(Reporto-me especificamente à “Crise financeira e económica” e nomeadamente à “Crise dos Refugiados”.)

 

Mas gostaria de questionar:

Qual o papel que o Reino Unido terá tido no despoletar dessas mesmas Crises?

 

No respeitante à “Crise Financeira”, qual o desempenho que terão tido os decisores e “manipuladores de decisões”, sejam eles Bancos ou “Agências do que quer que seja”, instalados na sua “City”?!

 

No referente aos milhares e milhares de Refugiados, fugindo às Guerras do Médio Oriente.

 

Que papel terá tido o Reino Unido, primeiro, enquanto potência imperial, na sequência da I Grande Guerra (1914 – 18), na forma como, juntamente com a França, potências vencedoras, “dividiram” entre si o Médio Oriente em zonas de influência, criando Estados desconectados da realidade cultural da região, sem respeitarem o anseio de povos e nações culturalmente autónomas?

Basta atentar-se nas fronteiras desses Estados e reparar como foram traçadas “a régua e esquadro”. (Aliás, o mesmo se verifica em África, frise-se.)

 

Em segundo lugar, e após o finalizar da II Grande Guerra (1939 – 1945), o modo como essa região continuou a ser determinada e estruturada territorialmente pelas potências vencedoras, neste caso já não apenas as mencionadas, mas igualmente os E.U.A. e a U.R.S.S.?

 

E qual o papel das empresas petrolíferas e financeiras, a elas interligadas, em todas as contínuas Guerras travadas na região, desde então?

 

E qual o papel do Reino Unido na invasão do Iraque, em 2003, na busca das célebres armas químicas, ao tempo de Tony Blair?

 

Todas estas situações e decisões e mais as que desconheço e/ou não refiro e omito, estão na base da constante e contínua instabilidade do Médio Oriente. Agravadas nestes últimos anos pela Guerra na Síria, que é paradigmática sob todos estes aspetos.

 

 E que papel do Reino Unido em todas estas situações? Repito!

 

Tantas perguntas... Tantas questões... Tantas dúvidas... E tão incompleta esta análise...

(Dir-se-á que nesta minha limitada análise também perpassam alguns preconceitos sobre os “britânicos/ingleses”. Talvez... Talvez um dia escreva sobre isso...)

 

E ainda...

 

E, se o Reino Unido decidir democraticamente, através da auscultação dos seus “súbditos”, deixar de pertencer à União Europeia, que consequências daí advirão? Nomeada e especialmente para a União Europeia.

 

E ainda outra questão.

 

E independentemente dessa saída ou qualquer outra entrada, a União Europeia, a Europa Unida, sob este modelo vigente ou outro, é uma realidade com prazo de validade? Mais ou menos curto?!

É uma estrutura organizativa que, mais tarde ou mais cedo, se “desmoronará”?

Ou, apesar de todas as contrariedades, este modelo de organização e estruturação da EUROPA continuará vigente ainda por várias gerações?

 

Penso que, infelizmente, a situação de “desmoronamento” será a que ocorrerá, mais tarde ou mais cedo. Embora não seja esta a situação que eu desejaria que acontecesse. No Mundo existem espaços territoriais tão ou mais vastos que a Europa que constituem Estados únicos, caso precisamente dos Estados Unidos (E.U.A./U.S.A.) e, ainda mais paradigmático, a China, em que para além da extensão territorial tem uma enorme diversidade cultural (racial, étnica, religiosa, linguística,...). Mas forma uma unidade de Estado, há séculos! A Índia também.

 

E termino, por hoje, estas minhas reflexões, “extraordinárias”, neste dia também extraordinário: 29 de Fevereiro, de 2016. Ano bissexto. Ano de Jogos Olímpicos!

No Rio de Janeiro, Brasil, também um Estado Federal, de grande extensão territorial e grande diversidade cultural, embora com uma matriz quase única na Língua, aliás como os E. U. A. / U.S.A.

 

europa in pt.wikipedia.org..jpg

 

É claro que tenho plena consciência que, na Europa há muitas, muitas outras questões que nos separam.

Lembremos que os Povos Europeus têm passado os últimos dois mil anos em constantes e permanentes guerras entre si!

E Visionários e Idealistas como os Políticos Sábios que delinearam e iniciaram a “Construção Europeia já não existem.

Atualmente apenas conta o Deve e o Haver!

E, nestas coisas de dinheiro, mesmo os irmãos mais irmãos...

Veja também S.F.F.

Tomada de Posse do Presidente da República - “Celebração ecuménica / Celebração inter-religiosa”

Mesquita de Lisboa

9 de Março

 

Mesquita Lisboa in snpcultura.org.jpg

 

Segundo informações veiculadas pela Comunicação Social, a partir de notícia do Jornal “Público”, de 23/02/2016, o futuro Presidente da República, Professor Marcelo Rebelo de Sousa, no dia da tomada de posse, 9 de Março, entre outras ações, irá a um ofício religioso, de caráter ecuménico, “celebração ecuménica/celebração inter-religiosa”, que se realizará na Mesquita de Lisboa.

 

A este evento comparecerão representantes de diversas confissões religiosas. Além de muçulmanos e católicos, também representantes de outras confissões cristãs (adventistas, evangelistas, ...). E de outras confissões religiosas: judeus, budistas... Num total de cerca de duas dezenas de Igrejas.

 

Desconheço a totalidade e especificidade de todas as Igrejas representadas, mas, por acaso, tenho curiosidade em saber.

Bem como gostaria de conhecer exatamente em que vai consistir essa “celebração inter-religiosa”.

 

Esta iniciativa tem como objetivo alertar para a necessidade de “entendimento entre religiões e culturas”... para a “busca de uma solução para o drama dos refugiados do Médio Oriente...” Significando também “...uma manifestação contra os ataques terroristas...”

 

O que dizer desta iniciativa inédita, no contexto em que se insere?!

Pois, direi que é de louvar!

 

Portugal, atualmente, é um País e um Estado em que existe Liberdade, Liberdade de Expressão e especificamente de Expressão Religiosa. Como disse: actualmente!

 

Contrariamente ao que se passa em muitos, demasiados, Países, por esse Mundo fora. Em que não existe Liberdade. Nomeada e especialmente Liberdade Religiosa. E, noutros países, aparentemente onde existe Liberdade, nomeadamente Religiosa, coexiste também e simultaneamente muita, mas muita intolerância. Religiosa e não só! Que onde prolifera a intolerância religiosa ela propaga-se a todos os setores e modos de vida da sociedade.

E, esta situação é muito mais corrente do que seria desejável.

E é causa de muitos conflitos. Alguns arrastando-se há dezenas de anos.

Embora, muitas vezes, conflitos que superficialmente aparentam ser de caráter religioso, têm na sua génese e base também outros motivos e razões.

 

Por isso, uma realização deste tipo, promovida por um Presidente da República, ainda que de um País relativamente pouco importante no contexto internacional, é de louvar.

 

Fundamental será que iniciativas deste tipo, busca do Diálogo inter - cultural e religioso, sejam promovidas e operacionalizadas num contexto de Política Internacional, no sentido de que conflitos que se eternizam, em que o fator religioso é um dos sustentáculos, busquem no acordo, no consenso, na negociação, a solução para os problemas conflituosos.

Infelizmente, o que nós assistimos é que ações idênticas foram promovidas por agentes decisores, até de maior relevância que o Presidente da República de Portugal, mas, depois, os resultados tardaram a visualizar-se ou sequer vislumbrar-se.

 

Formulemos votos que o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto Presidente da República Portuguesa, continue a promover, na sua atuação futura, este desiderato: a construção de um Diálogo Inter Cultural. A promoção do Diálogo, da Cooperação, do Consenso, do Acordo, e a começar por Portugal, onde, aliás, poderá ter maior capacidade de intervenção.

 

(Como apontamento final e no âmbito desta notícia, mas focalizando a forma como é veiculada e algumas expressões utilizadas, anexo este link, para frisar como, por vezes, alguns orgãos de comunicação social informam mal...)

Eleições Presidenciais – Rescaldo!

Volto ainda a comentar sobre as Eleições para a Presidência da República.

 

Antes de tudo o mais referir que, no último post, em cima do acontecimento mediático que foi a cobertura televisiva da votação de um dos candidatos, me equivoquei no que concerne ao número de Portugueses com direito a voto. São, de facto, cerca de 9,4 milhões. Sinceramente pensava que seriam bastante menos e que esse valor corresponderia à População Total. Erro meu. E o meu pedido de desculpas pelo equívoco!

Quanto à manipulação, só não vê quem não quiser ver! A forma como toda esta campanha foi conduzida pela Comunicação Social, logo na fase de pré campanha. E o uso e abuso das sondagens!

No referente ao episódio comunicacional ocorrido cerca das 13h de ontem, a própria CNE – Comissão Nacional de Eleições, considerou que a “cobertura da RTP à votação de Marcelo teve duração desmesurada”. Esta consideração só peca por defeito. Porque não foi apenas a RTP. Foram as três televisões generalistas, em simultâneo. Se este comportamento não é manipulação, não sei o que será. Isenção, talvez!

Também, e ainda, no respeitante a manipulação, como categorizar um comentário feito por um ex-político (?), e recentemente ex-governante, de que a  Comunicação Social também fez eco?

Pois, como sói dizer-se, “para bom entendedor meia palavra basta”!

O que é grave é que nesta campanha, a tentativa de manipulação dos eleitores foi uma constante. De que os episódios supra citados, no decurso do próprio ato eleitoral, foram o culminar!

 

Se tiver oportunidade, ainda explanarei alguns tópicos sobre os resultados.

 

E também tentarei elaborar um post sobre “A Família Krupp”, de que foi ontem transmitido o episódio quatro, que não vira na 1ª apresentação da mini série.

Uma Vergonha!

Uma vergonha a forma como a Comunicação Social procura manipular os Eleitores!

Os três Canais de TDT acabam de fazer campanha eleitoral descarada a um dos candidatos, que teve a "esperteza" de ir votar às 13 horas!

Para além dos erros informativos que cometem.

Não são 9,4 milhões de Portugueses chamados a votar! Os portugueses eleitores são bastante menos!

Uma vergonha, a manipulação! E a desinformação.

Ele e Ele! A propósito de uma célebre gaffe!

Ele e Ele!

Ou como um “fait-divers” adquire foros de Cidadania!

In. pt.wikipedia.org.jpg

 

Sobre uma célebre gaffe recentemente ocorrida num meio de comunicação social, gostaria de formular a seguinte pergunta.

Se o dito que foi dito por um conhecido Pivot / Jornalista do Telejornal da RTP, tivesse sido dito por outra Pessoa e se reportasse também a qualquer outra Pessoa, ainda que ocorresse no mesmo contexto comunicacional, será que tinha tido a repercussão que teve?!

O que acha?!

…  …   …

Provavelmente responderá o mesmo que eu. Que, mesmo que o contexto comunicacional fosse idêntico, se os personagens tivessem sido outros, a gaffe não teria passado disso.

O que prova que a força dos Pré Conceitos tem muito peso, nos mais variados enquadramentos e contextos! E nos mais diversificados espaços e tempos!

Ah! E muitíssimo importante. O jornalista pediu, publicamente, desculpa. Parabéns!

Aqui!

Para amenizar a conversa, sugiro-vos, com a devida vénia, e com o mais puro dos propósitos, um vídeo retirado da net com a célebre canção “Ele e Ela”.

Aqui! www.youtube.com

Uma Anedota de mau gosto! Propositadamente!

A Volta pelos Mercados…

 

mercados de peixe in peregrinacultural.wordpress.com. jpg

 

E, agora, porque já começou a “Volta dos Mercados”… em que cada um dos participantes se aprimora…

 

Avisamos, desde já, que este texto pode ferir algumas susceptilidades…

 

Uma anedota, lida, algures, num almanaque, não sei quando, nem há quanto tempo!

Infelizmente, julgo que tem alguma atualidade, agora que já começaram as tournées pelos mercados… E que já alguns impropérios foram lançados… E alguns tiros nos pés foram arremetidos… E antes que mais atoardas sejam atiradas nas mais diversas vias comunicacionais…

 

 

Dir-me-ão que a historieta é de algum mau gosto e até me disponho a admitir que sim.

Mas e então os Mercados e as Pessoas que neles trabalham não merecem mais consideração?

E a temática que a Ida aos Mercados representa e simboliza não merece também mais consideração?!

E quem lhe tira essa consideração, inteiramente merecida, não serão os seus principais protagonistas que nela se envolvem, que se desrespeitam uns aos outros e a nós a quem querem vender a mercadoria?!

 

E vamos, então, à Anedota!

 

mulheres mercado in www.canstockphoto.com.br.jpg

“Num Mercado, duas raparigas discutiam. Uma porque torna, a outra porque deixa, cada uma se aprimorava no que dizia à outra. A mãe de uma delas, que acompanhava a discussão, dizia para a respetiva filha:

Oh filha, chama-lhe!

Oh, filha, chama-lhe…

Perante a insistência da mãe, a filha dirige-se-lhe e pergunta:

Oh mãe, chamo-lhe, mas chamo-lhe o quê?!

Oh, filha, chama-lhe p***, antes que ela te chame a ti!”

 

E dita e escrita a anedota, que me andava “engasgada” há tanto tempo, que “para bom entendedor, meia palavra basta” e, nós somos seres inteligentes, formulo ainda um pedido, aos diversos Orgãos de Comunicação Social:

Não nos encham de sondagens e mais sondagens! Não nos tentem manipular!

Nós NÃO SOMOS MENTECAPTOS!

 

 

 

“Ronaldo à venda por 100 milhões”

Ponto Prévio:

Ao escrever num blog, ainda que fazendo-o da forma peculiar como o faço, um pouco arredio do “modus operandi” deste contexto comunicacional, não posso deixar de, por vezes, “interferir” nesse mesmo enquadramento de comunicação e refletir ou opinar sobre acontecimentos mais ou menos mediáticos, de caráter universalista e global.

E haverá assunto mais universal e global que o futebol e especificamente quando se trata do jogador Cristiano Ronaldo?!

Daí que não posso deixar de comentar a seguinte notícia:

 

“Ronaldo à venda por 100 milhões”

Correio da Manhã

Pedro Carreira

15/05/15

“O Real Madrid está disposto a deixar sair Cristiano Ronaldo no final da época. A direção liderada por Florentino Pérez já deu indicação a Jorge Mendes, agente do jogador, para começar a tratar da venda, mas nunca por menos de 100 milhões de euros.” (…)

 

ronaldo cmjornal.xl.pt.jpg

 

 

Não posso deixar de frisar. Chocante, não?!

Não só pelo valor numérico. 100.000.000 de euros!! São muitos zeros à direita de cem.

 

Mas pela situação, em si mesma.

À VENDA!!! Uma Pessoa à venda, pois é suposto que de uma Pessoa se trata, que é posta à venda como se de uma mercadoria qualquer se tratasse.

Bem sei, que não é uma qualquer mercadoria.

Mas o sujeito em questão é posto à venda pelo clube a que pertence, através do seu presidente de direção que transmitiu essa intenção ao intermediário das vendas. Como se fosse um produto, de alto valor diga-se, mas um objeto de uso, que deixa de interessar. Para todos os efeitos é disso que a venda trata.

O facto de a futura e provável transação envolver pelo menos cem milhões de euros, valor de troca, deixa de ser a venda e compra de uma pessoa? Um “dono” que vende e outro que irá comprar?

O facto de envolver uma organização importante, neste caso, um clube de nomeada, deixa de ser uma pessoa, representante de uma empresa, a vender outra pessoa sobre a qual tem posse, tem direitos de propriedade?!

Como se designa uma estrutura social em que pessoas são donas de outras pessoas?! Tem um nome não tem?! (…)

 

Bem sei que no futebol é assim que funciona “grosso modo”, que os jogadores assinam contratos, que tomam decisões, têm agentes é certo, mas em última instância são os próprios que decidem, mas de quem é o “passe”?!

Qual o contexto de autonomia que tem o jogador na tomada de decisão?

Os clubes têm ou não “direitos de propriedade” sobre os jogadores?!

É um contrato negocial inter-pares em plano de igualdade e reciprocidade ou os clubes têm efetivamente o direito de “posse” sobre os jogadores?

Será que o modelo negocial e funcional do futebol não poderá comportar uma estrutura mais civilizacional, mais democrática, menos a lembrar modelos de sociedades ancestrais em que homens eram donos de outros homens?! Quicá!

 

Ler também:

Parabéns Ronaldo

E a Irina?

P.S.

– Não deve ser fácil a um qualquer jogador de renome e valor mundial viver a permanente pressão a que está sujeito, não só no contexto de execução das suas funções, o jogo em si mesmo, o desporto propriamente dito, com todas as acutilâncias que o definem, mas todo o enquadramento social, mediático, todas as vivências associadas e os reflexos que têm no jogador enquanto ser humano, pessoa com todas as suas forças e fraquezas…

Em que medida a ida da “partenaire” se terá refletido no rapaz? E vê-la e sabê-la, que os media estão sempre a comentar, já “noutra onda”, que reflexos teve no seu mar?!

Enquanto durou o “affaire”, ganharam ambos, mas não venha ela dizer que não “cresceu” profissionalmente através da “ligação” que manteve com o “craque”…

Mas tudo isto são “fait-divers”… Mas, por vezes, também temos que “entrar nestas ondas”.

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais Comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D