Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Primavera e Desconfinamento!

Fotos de Boninas e Questões (Im)Pertinentes!

Oficialmente, a Primavera ainda não chegou, mas ela já por aí está! É só olhar e ver. As mais diversas plantas estão floridas ou em vias de tal ocorrência anual.

Boninhas amarelas. Foto original. 2020.04.jpg

Apresento duas fotos de flores - plantas singelas, simples ervas, mas que, com a sua beleza, harmonia e garridice, bem personificam esta estação do ano.

Chamam-lhes malmequeres, boninas. Na minha Aldeia, “boninhas”, especialmente às amarelas. Era com estas flores que se faziam os célebres colares das Maias, quando as ditas eram comemoradas na Aldeia. Consulte também, SFF!

E porque aos malmequeres não chamar, de preferência, bem-me-queres?!

Malmequeres brancos. Foto original. 2020. 04. jpg

Paralelamente, também a situação de confinamento vai ser alterada, a partir da próxima segunda feira, dia 15 de Março 21.

Que este confinamento funcionou de um modo um pouco especial. Uma parte significativa do pessoal andou quase sempre desconfinado. Nos mais diversos enquadramentos.

Finalmente e antecipando a Primavera, aí vem o tão desejado desconfinamento.

Mas, não podemos esquecer, que os cuidados primários e fundamentais, devem continuar a ser seguidos.

Para seu bem! Para nosso bem! Para o bem de todos nós!

 

Mais uma questão:

Para além da correlação, evidente, entre os confinamentos e a diminuição de novos casos; haverá ou não também relação entre a melhoria das condições climatéricas, isto é, aproximação da Primavera, tempo mais quente, e a diminuição desses mesmos novos casos?!

(Pergunto, eu, sei lá!)

 

Notas Finais:

As fotos das “Boninhas” são do ano passado. Mas elas, as boninas, também já andam por aí. Nos mais diversos contextos: nos campos, nos jardins, nos quintais, nos espaços citadinos, parques, terrenos não urbanizados... É só olhar, com olhos de ver!

Aproveite a melhoria do tempo, a maior liberdade de circulação e vá observando a Natureza, mesmo na Cidade! SFF!

 

 

Bancos Interditados!

De confinamento, conversados!

Bancos Interditados. Foto original. 2021. 02. 13. jpg

As fotos apresentam um panorama comum a muitas das cidades, vilas e aldeias de Portugal.

Praça F. L. Graça. Foto Original. 2021. 02. 13. jpg

Bancos, (de sentar), impedidos de exercerem a sua mais banal e primitiva função. Permitirem aos habituais caminhantes, descansarem os cus no tabuado.

Centro de Saúde. Foto Original. 2021. 02. 13. jpg

Com esta coisa da Covid, o pessoal das conversadeiras de café, não só não tem os ditos cujos, nem as proverbiais esplanadas e nem sequer os bancos de jardim!

 

A mim não me faz qualquer diferença. Gosto de caminhar, mas não tenho hábito de me amesendar em quaisquer dos citados utensílios.

 

E, sim! Se estamos de confinamento não é hora, nem tempo de abancar. (O tempo até tem estado de chuva! Que também nunca mais acaba! Já estamos fartos de tanto chover!)

 

E sobre o confinamento, sim, aguentem-se até depois da Páscoa. Depois, sim, iniciem o desconfinamento, mas gradual e de forma faseada.

 

E estudem bem os assuntos, aliás têm tido muito tempo para isso. Não façam as coisas precipitadas e atabalhoadas.

 

E por aqui me fico!

 

E sobre bancos, os que precisavam de serem interditados, bem sei eu quais são.

Ai! As comissões… as comichões que me fazem!

*******

As fotos?!

Bem... As fotos seguirão quando o sistema me permitir efetuar a transferência do computador para o postal. Ultimamente anda com imensa dificuldade em efetuar essa operação. Não sei o que se passa. Bem sei que as fotos não são por aí além... mas funcionam como documentais. Tenho que perguntar à Equipa SAPO. 

Bem... Finalmente! Já depois das 21 horas e após uma viagem, e consequente mudança de local, consegui transferir as fotos documentais, para o postal. 

Obrigado pela atenção e amabilidade de ler este postal. Votos de Muita Saúde!

 

Confinamento e Chuva!

Crónica de Confinamento - 1ª de Fevereiro 21

 

Os dias de chuva continuam. Não é sempre igual em todo o lado, mas parece que onde estamos e quando estamos, é tempo de chover. A Senhora das Candeias ou se enganou ou nos trocou as voltas bem voltadas. Seja lá como for ou pelo que for, continua a chover. Aquela chuva miudinha, todos os dias, quase todo o dia. A chamada “molha parvos”!

 

Parvos ou não, cá estamos em confinamento. E certo seja que, gostemos ou não, observa-se correlação entre confinamentos e diminuição do número de novos casos Covid 19. E com as temperaturas haverá alguma correlação?!

Não se apressem a desconfinar. Deixem estar as coisas como estão, por enquanto, sem pressas nem atropelos, nem folias carnavalescas. Mascarem-se online!

 

As Escolas, a não funcionarem presencialmente, colocam objetivamente muito menos gente a circular.

 

Em dias de confinamento, sai-se para o indispensável. Compras, principalmente.

E, saindo, mesmo à hora de almoço, muito menos gente se observa. A rapaziada das escolas, pura e simplesmente, não circula. Os papás e as mamãs também não. Não precisam ir a correr nos popós, buscar e levar meninos e meninas. O trânsito é muitíssimo menos.

Em dias de aulas presenciais, na hora de almoço, nas ruas de acesso aos estabelecimentos de ensino, é um ver se te avias e um castigo ter de atravessar as passadeiras. Agora não. Uma calmaria! “Há males que vêm por bem”!

 

Compras a um dos supermercados mais antigos da povoação. Antes de todas as grandes superfícies, de lojas por todo o país e estrangeiro. Bem antes do Fórum.

Este, a que chamo sempre “Europa”, mas cujo nome de registo é diferente atualmente, já nem sei há quantos anos. Para mim é sempre “O Europa”.  Gestão da mesma família há vários anos. Já numa segunda geração.

Indo a este supermercado, dou, com muito gosto, uma volta maior, ando mais a pé e percorro a povoação e “vejo as montras”. Isto como quem diz. Que impressiona tantas lojas, cafés, serviços vários, restaurantes, fechados.

Alguns destes últimos, em serviço de comida para fora, mas com muitíssimo menos movimento, sem os habituais comedores e bebedores, em cavaqueiras amenas. Enfim, tempos… Sem as esplanadas.

As lojas das raspadinhas, lotarias e afins têm sempre filas. Ele há pessoal que tem cá uma fezada! São lojas indispensáveis?! Para onde vai todo esse dinheirame dos jogos de fortuna e azar?

 

Mas há sempre gente a circular ou “confinados” em grupinhos, debaixo das arcadas ou das varandas, resguardando-se da chuvinha. Pessoal de “negócios”!

Também há quem não se coíba de cavaquear no meio do passeio, impedindo a passagem dos transeuntes.

Ainda os habitués passeantes de canídeos. Nem sei como tão boa e santa gente consegue colocar cães enormes, nos modestos apartamentos que possuímos! Animal sofre!

Sol e Aloés. Foto Original. 2020. 01. jpg

E, a gente também sofre. Tomara que isto da Covid acabe! E venha o Sol!

Deixem o Alentejo em Paz!

Portalegre. Foto original. 2021. 01. jpg

Presidenciais 2021: Rescaldo, ainda!

Ramalhete de Questões: 7º de 2021

 

Algumas Questões que formulo a quem de direito:

Ventura teve maior percentagem eleitoral em que concelhos Alentejanos?!

Haverá alguma relação com o respetivo discurso contra determinada etnia e a existência de comunidades desse grupo étnico nessas localidades concelhias?

Terá algo a ver com etnocentrismo, discriminação, estigmatização? Algo com racismo? Não? Há racismo em Portugal?

E as políticas de Integração?! E as condições em que vivem as comunidades?!

Mas para quê tanto ódio?! Tanta divisão? Tanto exacerbamento! Ademais neste contexto pandémico em que estamos todos sujeitos ao mesmo.

Quem quer ser Presidente, tem de unir! Estruturar laços entre os Portugueses. Não desuni-los.

Interessante agora que, na América, Trump perdeu as eleições, surja em Portugal um aprendiz dos respetivos métodos, invocando também dádiva de Deus. Absurdo! Até nestes aspetos Portugal anda atrasado! 

Aproveito para felicitar Joe Biden. (Não vá ele ler o blogue… e este "fique mal na foto".) 

Ainda…

As sociedades e os diversos contextos sociais são imutáveis? Serão ou não naturais as consequentes mudanças na orientação de voto?

E ainda no Alentejo, de que tanto se tem falado…

No distrito de PortalegreAlto Alentejo - qual o partido que foi maioritariamente vencedor nas diferentes legislativas, ao longo destes quase cinquenta anos de Democracia?

Que partidos têm dado “Deputados à Nação”, a partir do Distrito?

Não esqueça também que Ventura foi 2º lugar em mais distritos, para além dos Alentejanos.

E lembrar ainda: Na legislatura em vigor, ele foi eleito deputado pelo Alentejo?

 

Deixem o Alentejo em Paz! Se Fazem Favor!

Visitem, sim, mas quando isto da Covid acabar.

Até lá, vão tirando as vossas Selfies, mas nos vossos confinamentos! SFF!

 

(Notas Finais:

Não esquecer também que os dados eleitorais são apresentados percentualmente face aos votantes e a abstenção ultrapassou os 60%. Logo, os eleitores votantes foram menos de 40%.

E ao "sétimo" ramalhete, "descanso"!

E... este postal segue o "politicamente correcto".)

Confinamentos e Reflexões

Hoje é dia de não sair à rua. Amanhã, logo se vê.

Ramalhete de Questões: o 4º de 2021

Covid 19 – Vacinas - Presidenciais

Luz na escuridão. 2019. 09. jpg

Ontem, adquirimos bens essenciais, para não ter de sair hoje. Percorrer ruas habituais e ver encerrados estabelecimentos conhecidos. Impressiona! Alguns, se calhar, de vez. Outros, raros, conseguem ardilosamente iludir a proibição de abrir. (Num país de séculos de inquisições, pinas maniques, fascismo, ditaduras, salazarismo, perseguições religiosas, sociais e políticas, aprendeu-se a contornar proibições. Ademais em democracia!)

 

Mas vivemos tempos terríveis, com isto da Covid. Novos casos a subirem acima de dez mil. E mortes a ultrapassarem os duzentos. Diariamente! (Ontem, 13987 novos casos, 234 mortes. Últimas 24 horas:15333 novos casos e 274 óbitos!) Janeiro tem sido terrível. Falam em 3ª vaga. Pouco importa. Nem sei se importa realçar o que se tem escrito sobre o papel do Natal e Ano Novo. Sobre o papel das Escolas, dos convívios, eu sei mais lá o quê, na propagação da virulência e letalidade. O papel de cada um e o falhanço das nossas governanças. Neste campo, tanto os governantes quanto as oposições merecem críticas. (Nas decisões fundamentais, as oposições são ou não consultadas a opinar, para aconselhar, sugerir?!)

Não é uma situação para politiquices, para aproveitamentos políticos. Nem das Governanças nem das Oposições.

Nem para mudanças de governo, antes do cumprimento da legislatura. O que precisamos é de estabilidade. Inteligência e cabeça fria para tomada de decisões consequentes. Sem lugar a oportunismos.

 

As vacinas demoram na produção. Não é fácil produzir à escala das necessidades. A oferta não acompanha a procura. Até todo o País estar vacinado, todo o Mundo, ainda vai tardar. E a eficácia será total? E quem ficar vacinado, quem já esteve infetado, vai ficar imunizado? E as sequelas de quem já teve o vírus?!

Resguardemo-nos todos e cada um.

Vivemos tempos conturbados. Acontecimentos que nos ultrapassam completamente.

Que nunca saibamos o que é passar pela situação em si, de estarmos afetados pelo vírus.

 

E as Presidenciais?

Então, mas hoje não é para reflexão? Mas se toda a gente manda bitaites…

Como não foram adiadas, como maioritariamente os candidatos não suspenderam a campanha presencial, e também pouco vimos, mesmo assim… Votemos!

Preste atenção, SFF. No boletim, o 1º candidato não conta. Logo o primeiro. Não me pergunte, que não sei porque carga de água lá aparece.

Não esqueça: Deverá levar máscara, caneta e gel para se desinfetar. (Não o voto!)

(O candidato que se fartou de berrar, de achincalhar tudo e todos, que muito foi contestado, a meu ver, não teria valido a pena. Nestas coisas o melhor é ignorar. A indiferença face ao insulto gratuito é o melhor remédio. No penúltimo dia de campanha ainda foi novamente “atacado”! Ação verdadeira ou encenada? Estes atos, se pretendem contestá-lo, só o favorecem. Digo eu!)

Que ganhe a estabilidade!

E, por estabilidade, o célebre Rabiruivo Preto, todos os dias debica por debaixo do prédio!

(Passarinho que dá gosto observar. Não os passarões que por aí andam...)

(A foto?! Luz! Que precisamos na escuridão!)

Gratidão para quem trabalha!

Ramalhete e Flores. Foto original. 2020. 05. jpg

Ramalhete de Questões. Terceiro de 2021!

Medidas… Atitudes… Solidariedade… Campanhas… Links

 

O Governo resolveu-se a aplicar medidas mais duras. Não sei se irão dar resultado. O que sei é que, de Domingo (10385) para Segunda (6702) o número de novos casos diminuiu. Consequência de, no domingo, ter havido menor circulação das pessoas?

De ontem, 2ª feira, para hoje, 3ª feira (10455), os novos casos voltaram a aumentar. O facto de ontem, dia de trabalho, de funcionamento das escolas, haver mais pessoas em circulação, terá originado o ressurgimento de maior número de pessoas infetadas?

Aguardemos o dia de amanhã e observemos os números.

Que as pessoas se deviam restringir às saídas imprescindíveis é atitude que defendo e comportamento que procuramos seguir. Basta-nos quem tem de trabalhar, em contexto de risco, em contacto com outras pessoas, no enquadramento de pacientes. Basta-nos! Quem pode resguardar-se, deve fazê-lo. Por si mesmo. Pelos seus próximos, familiares, vizinhos, amigos… Por todos. Deixemo-nos de egoísmos estúpidos.

Quando se iniciou esta coisa de Covid, em Março 2020 e começou o 1º confinamento, o pessoal foi muito mais ordeiro. Também mais altruísta. Solidário. Assertivo. Posteriormente começou tudo a andar ao molho… No final do ano, descarrilharam de vez. O Corona aproveitou. Cavalgou por tudo quanto é sítio.

Atualmente, atrevo-me a afirmar que certamente não haverá nenhum portuga que não conheça outro ou outros portugas que estão ou estiveram infetados. Familiares, amigos, vizinhos, conhecidos, mais perto ou mais longe, certamente todos conhecemos.  Se observarmos os focos de que temos conhecimento, conseguimos aferir algumas constâncias na propagação. E, em muitas delas, quase todas, a interação familiar ou relacional e/ou funcional de proximidade, caso dos lares, foi determinante.

Faça esse exercício mental, SFF. E tire as suas próprias conclusões. (É claro que escrevo sobre o que conheço e não julgo que o que conheça seja paradigma global.)

No 1º confinamento, as pessoas, os cidadãos souberam ser gratos com quem para eles trabalha. Profissionais de Saúde. Trabalhadores que nos asseguram os bens e serviços que nos são indispensáveis no dia a dia.

E, agora, neste 2021 que se inicia e com muito mais perigo, muitos mais casos, não há lugar ao agradecimento e ao aplauso?! Bem sei que tudo isso foi fogo de artifício!

E os candidatos presidenciais vão continuar em campanha presencial, terra a terra, rua a rua, casa a casa, comício a comício, jantar a jantar?! …?!

Houvesse sensatez, que não se compra nem vende, todos eles, sem exceção, teriam terminado essas ações. Dão péssimo exemplo. Todos, todos os que andam nessa roda.

Ide antes bater palmas para quem trabalha em locais e contextos de perigo. Relevância para os Profissionais de Saúde!

E, as Escolas vão continuar a funcionar presencialmente?!

Deixo umas ligações sobre trabalhos poéticos ou outros sobre o Corona e Covid, eles próprios também refletindo a evolução das minhas perspetivas sobre o tema. Ultimamente pouco tenho produzido de artístico sobre o assunto. Talvez, também cansaço. O mesmo que se observa em muita, boa e santa gente, por aí.

Votos de muita e santíssima Saúde! Para todos!

 

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/tens-c-roa-de-rei-em-reino-de-terror-199673

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/reclusao-forcada-expressao-artistica-199894

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/corona-conection-200097

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/venceremos-200578

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/da-janela-o-hospital-vejo-201917

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/poema-em-verso-desconverso-221488

 

Confinamento de Janeiro de 2021?

2º Ramalhete de Questões de 2021: Algumas com Resposta.

Covid? Escolas abertas? Campanha Eleitoral? Vacinas?

Líquenes. Foto original. 2020. 01. jpg

Neste início de ano 2021, os números de novos casos de covid e de mortes associadas vêm atingindo números record.

Entrámos na 6ª feira, 15 de Janeiro, em novo confinamento.

Contrariamente ao anterior, este é bastante suave. Saindo à rua, de tarde, na Cidade de Régio, pouco se notou de diferente dos dias anteriores. Havia gente por todo o lado. Escolas abertas, não faltava rapaziada nos locais habituais. São mais as exceções que a regra de confinar. Talvez por isso tanta gente tenha andado à vontade.

No sábado não passeámos por aí. Apenas visitas à família. E ida ao quintal. Mas, nos noticiários da noite, relataram esse deambular das gentes por tudo quanto era sítio, se especialmente agradável para os “passeios higiénicos”.

Hoje, domingo, o confinamento notou-se bastante bem no tráfego automóvel. Muitíssimo menos trânsito. Muito menos! Tanto no IP2, quanto nas autoestradas!

Escolas abertas: Percebo que o ensino à distância não se compara com o presencial. Mas não serão as escolas fontes de contágio? E as condições em que se trabalha?

Campanha eleitoral: faz algum sentido?

Confina-se, mas no dia das eleições, 24 de Janeiro, pode andar tudo à vontade. E há candidatos que fazem campanha presencial, de rua em rua, de terra em terra.

Neste aspeto, o candidato Vitorino é o que apresenta mais Tino!

Seria necessário haver tantos candidatos? Percebo que vários funcionam como correias de transmissão dos respetivos partidos e são um meio de fazer publicidade e obtenção de financiamentos. Acaba por se desvirtuar o conceito de candidato a Presidente da República. A campanha também adquiriu o ar de atração de feira, pela mercê de um candidato que tudo tem feito para achincalhar. E os outros e outras têm-se deixado levar. Perdem todos. Perdemos nós também. Seria conveniente devolver dignidade a estas eleições, mas já a perderam em definitivo.

A atuação das nossas governanças na gestão da pandemia, a partir do fim do primeiro confinamento, deixou muito a desejar, é certo. Mas nós, cada um de nós tem de consciencializar que nos cabe um papel fundamental na contenção do vírus. Natal foi o que foi e Ano Novo não ficou atrás. Agora todos reclamam do descalabro.

Muito boa e santa gente, até com muita responsabilidade, antes do Natal, fartou-se de mandar vir porque o Governo queria impedir os santos convívios natalinos.

Agora, aproveitam para malhar, porque a pandemia parece descontrolar-se.

O Governo e o Presidente bem podem apelar ao civismo das pessoas, que quase ninguém faz caso. Então com a campanha eleitoral em que Professor Marcelo é simultaneamente “Presidente de todos os Portugueses” e candidato a futuro presidente e, neste papel, é saco de pancada de todos, bem pode invocar a respetiva condição de Supremo Magistrado da Nação, que o pessoal não liga.

Neste contexto, nem Governo nem Presidente se atrevem a impor medidas mais duras. E, assim, o confinamento nem é nem deixa de ser.

(É neste aspeto que entendo os monárquicos, o Rei não precisando de se sujeitar a plebiscitos. Se a realeza é bem aceite no país, mesmo sendo folclore demasiado caro.)

E as vacinas?! Vão começar com a segunda dose. É importante essa aplicação, mas não podem deixar de ter cuidado, mesmo vacinados. 

E, por hoje, aqui fico. Que há dias que não escrevia.

(Foto? Imagem de líquenes em propagação numa talha no quintal. Uma(s) metáfora(s)!)

Confinamento… Pássaro Preto… Natal… Prendas

Mais um fim de semana de confinamento.

Oportunidade para não sair de casa. E observar. E escrever!

 

Na rua abaixo, nos estendais, as roupas esticadas ensaiam bailados com o vento.

O peculiar pássaro preto, agora com identidade, Rabirruivo Preto, saltita da olaia para a parede do quintal, daí para o chão, dos carros para os marcos anti estacionamento. Debica alguns grãos, ou insetos, ou outros bichitos, que desconheço os seus hábitos alimentares. Debuta tremeliques nervosos com a cauda, elegantes, frise-se. Parece querer interagir connosco. Rivaliza em rapidez com o melro, mas ganha-lhe em graciosidade. Perde nos cânticos, que nunca consegui ainda ouvi-los.

 

Aproxima-se o Natal.

As inevitáveis prendas.

Para as Velhotas foram sugeridos livros.

Livros, sim! Gostam de ler. Um deles deveria ser alguma biografia ou autobiografia, de alguma personalidade, mulher famosa. À partida excluída a da “Dita Cuja - Acima de Não Sei o Quê”. Certo!

Cova da Piedade. Foto original. 2018. 05. jpg

Anteontem dirigi-me à Cova da Piedade, aonde não ia há meses, antes destas cenas de Covid.

(Ainda andava em obras, toda a envolvente do Chalet, ali ao pé, o jardim. Agora tudo arranjado. A rua em frente já não tem estacionamentos, mais espaçosa, aparentemente. O Chalet renovado. Já estava. Agora falta o edifício da SFUAP. Não menos merecedor. Esperemos que um dia seja melhorado. As casas, a leste, de inspiração pombalina, também renovadas. O Largo fica bonito, parece mais espaçoso… Não gostei do chão e parece pouco durável.)

SFUAP. Foto Original. 2018. 05. jpg

Mas eu ia comprar uns livrosÀ Livraria Escriba, uma pequena livraria, num pequeno centro comercial, dos de antigamente, mas com um portfólio de obras por demais interessantes. Arranjam-se sempre bons livros. Iremos lá, talvez há vinte anos. Ultimamente menos.

Referi o que pretendia, como habitualmente faço em qualquer compra. Quero isto, assim, deste modo, com estas características. Excluo aquilo, aqueloutro…

A proprietária apresentou-me o que estava mais a jeito… um livro de “… Castel Branco”, que rejeitei à partida.

A Srª observou mais alguns escaparates, pegou no escadote, retirou uns livros do alto das estantes.

O primeiro que me mostrou era sobre a Simone.

Não é preciso mais, também gosto da Simone, calha mesmo bem o livro e antes de oferecer, primeiro vou eu lê-lo.

Rosa na SFUAP. Foto Original. 2018. 05. jpg

“SIMONE, Força de Viver” – Simone de Oliveira com Patrícia Reis – 3ª Edição: Novembro de 2013, Matéria-Prima Edições. (14 E.)

Ramos de Tília. Foto original. 2018. 05. jpg

 

O Intrigante Pássaro Preto!

Ainda quero voltar a escrever sobre o Natal!

Mas antes vou cronicar sobre este confinamento. E pássaros…!

 

Mais um sábado de confinamento. O mesmo silêncio estranho. Por um lado, agradável, mas também algo inquietante e até opressivo. Os donos de cães são dos poucos transeuntes. (A sujarem os passeios, não todos os donos, mas um número significativo deles.)

As aves não querem saber. Fazem as suas vidas, voando. Já basta as desgraçadas que têm de estar permanentemente confinadas em gaiolas.

Não entendo quem diz gostar de animais, para ter pássaros sempre presos! Além das tradicionais aves exóticas e canoras, há gerações enfiadas em prisões de arame…há quem tenha corvos, sim! Corvos! Melros, enfiados em estruturas aramadas. Permanentemente! Se isto é gostar de animais, vou ali, já venho.

(Acho que este confinamento a que estamos sujeitos, esta reclusão forçada deveria provocar-lhes reflexão. Digo eu. Sei lá!)

Rabirruivo Preto Avifauna Jardim Gulbenkian pt Dez 20

O intrigante pássaro preto, do tamanho de pardal, saltitante; que parece querer interagir connosco, que faz ninhos em parapeitos, algerozes, estruturas de telhados; com a parte inferior da cauda arruivada, que com a dita cauda, parece fazer uns tremeliques… bem, parece que já sabemos o nome.

Sugestão de blogue: “Danny, The Fox”! Só alguém com a perspicácia de raposo, poderia decifrar. Rabirruivo Preto!

A partir do que pesquisei na net e com a observação efetuada esta tarde, concordo. Apesar do meu conhecimento deficiente de pássaros.

Esta informação também a partilho com “Arca de Darwin”, com quem tinha compartilhado informação sobre esta ave e com Modesto Viegas, com quem também tinha falado numa Exposição na SCALA – Almada. São ambos apaixonados pela Natureza, com blogues em que expõem as suas pesquisas fotográficas. Dignos de navegação!

Obrigado pela vossa atenção!

E, por agora, fico por aqui. Ainda escreverei sobre O Natal.

A foto não é da minha autoria. Não tenho competência, nem meios, para fotografar aves, sempre tão fugidias. (In. Avifauna / Jardim Gulbenkian.pt!) (Que saudades!)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D