Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Poema em Verso Desconverso!

Poema em 3 - 9 – 9 ou 27 Versos controversos!

 

Com isto de Covid

Não há quem nos convide

Para irmos passear

 

Vai-se a qualquer lado

Anda tudo mascarado

Dá para desconfiar

 

Com tanta mascarilha

Mais parece uma quadrilha

Que nos quer roubar

 

E por falar em roubo

Deu-se-me um arroubo

Pus-me a versejar

 

Que a roubalheira é tanta

Que até se assarapanta

Este meu pensar

 

E, pensando o pensamento

Pensei, breve momento

Em me despoetar

 

Mas pode a Poesia

Nossa maior Alegria

A gente abandonar

 

E por falar em abandono

Tirou-se-me o sono

E vou rematar

 

Que isto de Covid

Pode crer, não duvide

Vai um dia acabar!

 

Poema em 3 x 9 = 27 ou 3 / 9 / 9

9 estrofes de 3 versos (tercetos) – 27 versos controversos.

(Este postal também é o 797!)

 

Costa Caparica Foto Original. 2020. 08. jpg

Dado por concluído no dia em que terminou o Verão e começou o Outono – 22 de Setembro, de 2020. (22 / 09 / 20). (Esta é a 1ª versão deste texto poético, para ser “Dito” oralmente. Assim haja oportunidade. Que, com isto de Covid…)

(A foto, original, é da Costa. Da Caparica! As gaivotas, em volta dos restos do pescado, da "Pesca de arrasto", num dia de final de tarde, de finais de Agosto.)

Futebol - Covid - Politiquices - Cidadania

Política - Anda tudo ao molho… Jogatana de amigalhaços!

Figos Índia. Foto Original. 2019. 05. jpg

 

Quando os casos de Covid aumentam… No futebol jogos são suspensos, por haver contagiados nos plantéis, mas “o futebol não pode parar”… anunciam uma verdadeira futebolice ou futebolada: uma jogatana de amigalhaços.

A. Costa e F. Medina fazem parte da lista de honra de L. F. Vieira.

 

Isto só visto! Mas esta gente não se enxerga?! Não têm a noção dos cargos e funções que ocupam?! Que lá diz o aforismo: “À mulher de César…”

Há pouco tempo havia sido lá para o lado dos azuis. Agora dos encarnados. Até me custa acreditar!

Ainda há quem rejeite as Aulas de Cidadania. O que mais falta faz, a muito boa gente, é frequentar Aulas de Cidadania obrigatórias! Encarnados, azuis… Se calhar, de futuro, também verdes, todas as cores.

E como pode esta gente querer que se cumpram ordens de restrição das liberdades e garantias individuais, como as que sistematicamente impõem, quando dão exemplos destes?! (Para além dos que já deram.)

Misturam tudo. Confundem-se nos diversos papéis que representam, julgam-se acima de quaisquer críticas, não mostram coerência nas atitudes e comportamentos. Eu sei lá!

*******

A Foto?! - Original. Agora está no tempo de colher figos da Índia. Era o castigo que dava ao pessoal das politiquices e futebolices. Irem apanhar figos da Índia que, agora, já estão maduros.

(Sim! Alterei este postal. Quero organizar outro, com a temática de "Os Durrell". Obrigado pela atenção e o meu pedido de desculpas.)

Afasta-te, Covid!

Não percebo nada de apps, nem sei para que servem.

 

Redes. Desenho Original 2020. 03. jpg

 

Como funciona a app StayAway Covid?

 

Para que serve esta aplicação?!

 

Para uma eventual “Caça as bruxas”?! Caça aos pokemons?” Caça aos infetados com covid?!

 

E ouvir o Senhor Primeiro Ministro, Drº António Costa, a incentivar os Portugueses a instalarem esta aplicação, a dizer que é um dever cívico, deixou-me perplexo.

 

Mas têm realmente a noção no que se pode tornar a utilização generalizada de uma coisa deste género?!

 

Quando, há seis meses, entrámos nesta confusão de Covid, acreditei, e parecia, que as pessoas se tornavam mais solidárias, mais conscientes da necessidade de entreajuda, numa atitude de empatia entre si e com os outros.

Atualmente, verifica-se precisamente o contrário.

É acompanhar as redes sociais, e observar a destilação do "ódio virtual".

 

Impactos. Desenho Original. 2020. 03. jpg

 

É este o meu receio na utilização generalizada dessa aplicação.

 

Imaginem que, numa viagem de comboio, por ex., os detentores dessa aplicação começam a observar os resultados nos mostruários dos telemóveis e a confrontarem-se perante supostas pessoas presentes com sintomatologias…

Com o medo, o ódio recalcado que por aí abunda…

 

Bem… esperemos que não aconteça nada!

 

*******

E, não!

Não concordo com festas, festinhas e festarolas, que por aí se realizam. Venho escrevendo isto em vários postais.

Devia haver mais bom senso, logo desde quem nos dirige, não autorizando. Sim, não autorizando!

Mas quem organiza, também deveria ter logo a sensatez, de não ter organizado.

Mas vá lá a gente, entender esta gente!

 

*******

Resguarde-se, sim!

E vão recomeçar as aulas, agora presenciais.

E os transportes sempre tão cheios…

E quem trabalha em profissões de risco…

 

Afasta-te, Covid!

Um postal contra a corrente!

Na internet, na comunicação social, na "politiquice", anda tudo aos "tabefes" virtuais!

 

Andam todos indignados com tudo e mais alguma coisa. Mas é sol de pouca dura. Depressa partem para outra “luta”.

Quando as coisas correm bem ninguém fala. É por omissão que sabemos.

Bem sei, até demais, que os nossos políticos, ademais os dirigentes máximos, falam por demais. E quem muito fala, lá diz o ditado… Ou como dizia o outro que agora está não sei para onde… “Porque não te calas?!...”

Foto Original. 2020. 06. jpg

 

Estamos em finais de Agosto. As férias letivas estão em vias de terminar e iniciar-se novo ano letivo.

O ano de 2019/20 decorreu, grande parte do tempo, em modelo virtual. O que todos desejamos é que o próximo ano se concretize o mais possível com aulas presenciais.

 

No blogue, comecei a escrever sobre Covid, a 8 de Março.

A 16 de Abril, debrucei-me sobre Educação, Aulas Presenciais, Avaliação, Exames.

Perspetivei a análise com base nas premissas de incerteza e de desconhecimento que à data dispunha, melhor, dispúnhamos. Ainda hoje, a incerteza e o relativo desconhecimento são a tónica dominante da perceção do problema. Aos mais diversos níveis e enquadramentos.

 

Na altura, manifestei bastantes receios sobre o recomeço das atividades letivas e subsequentes ações, mas também desejando que tudo viesse a correr pelo melhor.

 

Quero constatar e frisar que o ano letivo transato, apesar de todas as “anomalias”, foi concluído com êxito, dentro das suas peculiaridades.

Decorreram as aulas virtuais para os anos de escolaridade em que foram exclusivas, concluíram–se as avaliações.

Para os anos terminais do Secundário, 11º e 12º anos, também se realizaram as aulas presenciais, as avaliações, os exames finais.

 

Ao longo deste processo, no decurso dos três meses anteriores, não ocorreram situações de monta, de cariz problemático, nomeadamente existência de casos de contágio, que significativamente tivessem levado ao disfuncionamento do sistema educativo.

 

Quero realçar satisfatoriamente esse aspeto.

 

Quero felicitar todos os Professores, Alunos, Funcionários, Encarregados de Educação, Ministério de Educação, Entidades envolvidas no processo educativo, pois apesar de todas as limitações e condicionamentos concluiu-se o ano com êxito.

Formulo votos que o próximo ano letivo possa realizar-se o máximo dentro da normalidade possível e também com redobrado êxito.

 

Porque todos merecemos o melhor!

 

A Educação como a Saúde são dois setores fundamentais ao desenvolvimento das Sociedades.

Nestes, como noutros campos de atividade, é imperioso e urgente diminuir as desigualdades existentes entre pessoas.

É necessário proporcionar aos jovens deste País um futuro promissor, reconhecer as suas competências, no seu e nosso País!

Tanta Casa Abandonada!!! (?)

Mais uma sugestão de medida para recuperação de Portugal

(Plano de Recuperação Económica e Social de Portugal - II)

Foto Original. 2019. jpg

É algo que se verifica pelas nossas cidades, vilas e aldeias. Numerosas casas abandonadas, em ruínas muitas delas ou em vias disso. Em todas as localidades que conheço, nomeadamente nas grandes cidades, Lisboa, Porto, Almada, Setúbal, Covilhã, Portalegre, Ponte de Sor, Estremoz, e outras mais, este é um panorama tristemente comum. Nalgumas destas cidades assistiu-se a uma certa recuperação, muita dela com o objetivo de transformar em alojamentos locais. Que com a Covid, foi ar que lhes deu!

Paralelamente assistiu-se ao erradicar de pessoas, vivendo vidas inteiras em bairros históricos, para as periferias dessas cidades. Esse despovoamento dos centros históricos não é de agora, já dura há décadas. Também as finalidades nem sempre foram as recentes. Tem sido um processo com consequências nefastas, principalmente para os moradores, para quem trabalha, em última instância para todos. Para as próprias cidades, na sua essência.

É esse modelo de desenvolvimento que convém alterar. Criar medidas legais, processuais, operacionais, que voltem a colocar populações a viver nos centros históricos das Cidades, Vilas e Aldeias. Esse é um processo que envolve múltiplas e variadas instâncias: entidades particulares e públicas, IPSS; nacionais, regionais, locais; grandes, médias e pequenas empresas, indivíduos e famílias, praticamente todo o país, de norte a sul, do litoral ao interior.

Transformar este objetivo num desiderato nacional. Voltar a dar vida aos centros históricos das nossas Cidades. Princípio a interiorizar na mente dos Decisores!

E esse objetivo a concretizar, poderá, deverá assentar precisamente nessa recuperação dos milhares de habitações abandonadas ou negligenciadas. Em linguagem comum, será um trabalho com “pano para mangas”. Dará imenso trabalho, para muita gente. Ocupará tempo e dinheiro, mas trará imenso valor acrescentado, especialmente nas grandes cidades, pois transformará, de forma muito positiva, a respetiva vivência diária, a curto, médio e longo prazo.

Este é um dos itens que defendo para a reestruturação de Portugal.

No referente a estas ações, algumas medidas elementares:

Recuperar, sim, mas para habitação.

Nessa recuperação ter em conta que se destina a Pessoas.

Atender que muitas Pessoas têm dificuldades de locomoção.

A recuperação arquitetónica deve ter em conta o enquadramento do prédio ou prédios na zona em que se insere, de modo a criar um todo harmonioso. Não construir obras completamente desarticuladas do contexto geral. (Alguns profissionais têm essa mania!)

Atender que, atualmente, quase toda a gente tem carro. Garagens e / ou locais para estacionamento são sempre imprescindíveis. As caves existentes ou a criar devem ser para esse fim e não para habitação.

(Na prossecução destas finalidades e respetiva operacionalização é que os profissionais, especialistas e artistas devem ser imaginativos!)

(Estes assuntos já foram por diversas vezes abordados no blogue.)

 

Reparos finais, sempre:

Erradicar a corrupção.

Recriar um País mais homogéneo, menos assimétrico sob todos os aspetos.

E face a Covid: maiores cautelas, mais resguardo das populações, lembrar que cada ação individual tem reflexo no coletivo; manifestações, festas e festarolas, seja qual o caráter, devem restringir-se ao mínimo dos mínimos. A teimosia de alguns dirigentes políticos não faz qualquer sentido. Agora estamos em férias, que em breve vão acabar e já basta quem tem de trabalhar em profissões de risco, quem tem de andar nos transportes públicos… Portanto, resguardem-se!

Covid: Portugal – Espanha – Inglaterra – Brasil

“Cada macaco no seu galho...”

 

Um postal com este título até parece que estamos num grupo do campeonato mundial de futebol. Que seria o “grupo da morte”, já se vê.

 

Voltamos ao blogue, que ando a adiar este postal há dias. Estou farto do Covid, por isso retardo em escrever. Espero que o faça de forma sintética. Tanta a coisa a dizer…

Figueira da Índia. 2019. 05.jpg

 

Caro/a Leitor/a, já sabe que eu sou contra estes desconfinamentos apressados, cujos resultados negativos estão bem à vista. Só não vê quem não quer ver!

 

Relativamente à nossa Vizinha Espanha, que o digamos nós, aqui mesmo ao pé e bem que gostamos de dar um pulinho a Valência. Tal como “nuestros hermanos” gostam de vir a este lado. Estas visitas entre vizinhos serão frequentes por toda a raia, digo eu. Mas dadas as circunstâncias pandémicas em que vivemos, acho melhor que cada um no seu lado. Como diz o ditado: “Cada rato no seu buraco…”

Por isso não vejo o porquê de tanta celebração e regozijo pela (re)abertura das fronteiras terrestres com Espanha. Já basta os que por cá andam sem quaisquer cuidados. Digo eu! Que até gosto muito de Espanha.

 

Menos ainda vejo razão para o “despeito” face ao facto de o Reino Unido não ter incluído Portugal no corredor aéreo para acesso direto ao reino de Sua Majestade. (Eu nomeei Inglaterra propositadamente.)

Mas o que esperavam?!

Em Portugal, em certos círculos bem pensantes, acha-se que entre Portugal e Inglaterra há (?) a “Velha Aliança de Séculos” a ligar-nos à Velha Albion. Uma relação privilegiada?! (…)

Vindo para factos mais recentes. Já este mês, foi divulgada uma foto, em que o atual Primeiro Ministro britânico recebia o enfermeiro português e a enfermeira neo zelandesa, que o acompanharam no respetivo “covidamento”, os três numa risota pegada. Riso, talvez pela ironia do destino, de quem tanto desvalorizou o corona e de quem se serviu dos argumentos anti imigração, para levar os ingleses ao Brexit! E acabaram por ser imigrantes quem o ajudou. Digo eu! Que não decifro pensamentos de ninguém.

 

Quanto ao nosso “País Irmão” - Brasil, não vamos lá como quem vai à vizinha Espanha. Aliás nunca lá fui. Mas posso dizer que estou a reler “Tieta, hei-de escrevinhar sobre o romance.

Bem, nesse querido País, o respetivo “Manda Chuva”, isto foi ele que disse sobre o dito corona, que ele diz que o infetou e que é como se fosse uma chuva… O cara é um tratado para inventar ideias metafóricas, um poeta certamente, pois, para cúmulo de delírio, anunciou publicamente, ao modo e como só ele sabe, que está contagiado pelo Covid!

Para ser sincero, e até prova em contrário, não acredito!

O dito cujo “Manda Chuva” tem no nome Messias, mas julga-se MESSIAS! E mais não digo, nem falo.

 

E para finalizar, volto ao Rincão Natal.

Acham que os transportes públicos não contribuem para disseminação do vírus?!

Pois façam o favor de os frequentar nas horas de ponta. É ver pra crer!

 

E as rapaziadas e festas do covid?!

E as manifestações sem jeito nestes tempos que correm?!

 

Pois, mantenham-se resguardados, saiam para o que é realmente preciso. Protejam-se. Protejam os Outros.

E não nos façam a vida ainda mais cara, pois, para além da propagação… estão todas as despesas referentes a testes, internamentos, eu sei lá…

E quando a fatura nos for apresentada?!

Porque vai ser. E com juros. Não pense que é tudo de graça, como agora…

 

Todavia e para finalizar, friso, que percebo que é preciso desbloquear a Economia. Pôr o País a funcionar. Mas nas atividades realmente necessárias e importantes.

E é preciso reequacionar o País, para ser mais de produção do que prestação de serviços.

Veja-se o turismo, os alojamentos locais…

 

E a foto?!

É para dar umas palmatoadas ao pessoal que anda nas festanças e quejandos de covid e associados.

Umas palmadas de figueiras da índia, nesta época de calor… não lhe digo nem lhe conto!

 

Boi D’Água: Uma Visita Virtual! Botânica?!

Um passeio para desconfinar: Boi D’Água?!

 

Desde logo a toponímia. Peculiar! Não conheço a respetiva etimologia. Pessoa amiga me disse ser assim designado, esse espaço entre Cidade e Campo. Povoamento de algumas casas, dispersas, tão diferente do território regional em que se insere: Alentejo, melhor, Aquém – Tejo!

O nome?! Entendo que será devido à fartura de água. Que é uma das suas peculiaridades. A água escorre pelas faldas da montanha, o murmurejar nas valetas, nas pequenas cascatas, no ribeiro que escoa na direção do Bonfim, para a Ribeira da Lixosa; mais a jusante irá para a Ribeira de Seda, desta para a da Raia, daí para o Sorraia, e depois, muito depois, lá irá parar ao Tejo, para os lados do Porto Alto! Muito corre a água!

 

Um local que estando na Cidade, deduzo que faz parte da freguesia urbana, portando citadino, na realidade não está na cidade. É campo, espaços de cultivo, hortas, floresta autóctone: sobreiros, carvalhos, loureiros, salgueiros; árvores de fruto: nogueiras, macieiras, aveleiras, figueiras; arbustos: giestas, lentiscos, troviscos, estevas e estevinhas, rosmaninhos, alecrins; medronheiro, de porte arbóreo; heras pelas paredes e carvalhais, rivalizando com o pegamassa… Muitas e variadas plantas que desconheço.

Floresta de pinheiros, enormes, mansos e bravos, adaptados aos nossos climas, há séculos. Floresta, a necessitar de limpeza, nalguns locais. Espaços tão dentro da Cidade, envolvendo – a, cercando – a, mas perigosamente muito sujos.

 

Um espaço territorial que estando em Aquém Tejo, é montanhoso, lembrando os territórios do Norte, pela orografia, o relevo, o arvoredo verdejante, a correnteza das águas.

 

É a este espaço que propomos uma Visita Virtual. Também Botânica! Utilizarei algumas fotos do ano passado, que as deste ano ainda não foram trabalhadas.

 

Este postal está conjeturado há algum tempo, tal como os anteriores sobre estas temáticas de visitas virtuais, funciona para descomprimir e talvez anteceder algum hiato na comunicação bloguista, espero que não tão demorado como o anterior, que foi quase um mês.

Interessante que nos últimos dias, 24 e 25 Junho, o postal mais visualizado no blogue foi Portalegre tem um Passadiço?!” Coincidências? (A quem se terá devido a divulgação?!...)

 

Vista da Cidade

Foto original. A Cidade. 2019. 07. jpg

 

Uma Avelã

Avelã. 2019. 07. jpg

 

Um Feto das Paredes

Foto Original. Feto. 2019. 05. jpg

 

Um Pegamassa ou Bardana

Foto original. Pegamassa. 2019. 05. jpg

 

Uma planta que desconheço o nome

Foto original. 2019. 05. jpg

 

Um sinal de caminheiros. Sabe o que significa?!

Foto original. Sinal de Caminheiros. 2019. 05. jpg

 

O Caminho!

Foto original. Caminho. 2019. 05. jpg

 

E as aves a cantar? E as ovelhas, os balidos? Os chocalhos? Os cheiros dos trevos, quando as ovelhas passam?

Vá, por si, Se Faz Favor! SFF! Experimente! Caminhe!

 

Ah! Um Mirone!

Foto original. Um mirone. 2019. 07.jpg

 

 

Confinamentos e Mensagens Contraditórias!

Começou o Verão, no sábado passado, dia 20 de Junho. E o calor… e os fogos!

 

Continuamos com a Covid, que não há meio de nos largar.

 

Ontem, 2ª feira, dia 22, o Senhor Primeiro Ministro anunciou o retomar dos “confinamentos”, nalguns dos concelhos da Grande Lisboa, após reunião com os respetivos Autarcas: Lisboa, Sintra, Amadora, Loures, Odivelas.

Finalmente, diria eu!

 

Medida incongruente, que acaba por passar, novamente, uma mensagem dúbia e contraditória. Dado que se centra num contexto espacial, em zonas urbanas de grande densidade populacional e interligadas. Nalgumas regiões, numa rua ou avenida de um concelho “confinado”, segue-se imediatamente essa mesma rua ou avenida em concelho “não confinado”.  Basta dar dois passos e os normativos são completamente diferentes. Não faz sentido. Não há uma coerência comportamental, uma mensagem clara e precisa. Vai tudo continuar “ao molho e fé em Deus”!

Ademais, pelo que li, essas ações de confinamentos contextualizam-se em freguesias! (?)

A mensagem deve centrar-se na possibilidade de contágio pelo corona, probabilidade de aumentar em função dos contactos estabelecidos.

Tem que haver muita, muitíssima responsabilidade das pessoas, de cada pessoa, a ação de cada um tem reflexos, consequências, nos outros.

 

Por isso, Caríssimos, mantenham-se calmos, não desconfinem demasiado.

Já basta o que temos que fazer impreterivelmente, o que não podemos adiar…

Quem tem que andar em transportes públicos, nomeadamente comboios e metros da Grande Lisboa, continua sardinha em lata, na hora de ponta?! (...)

 

Hoje, 23, é véspera de S. João. “S. João, S. João, dá-me um balão…”

Jogam Porto e Boavista…

Seja qual for o resultado… Não façam manifs!

Há que escolher o Caminho certo!

Foto original. Percurso pedestre. 20190520. jpg

 

 

Até logo… ainda gostaria de enviar outro postal, hoje.

 

Saúde para todos/as!

Futebol – “Champions”: Tapar o sol com a peneira!

Que viva o futebol! Isto é uma assombração! Futebol é arrebol: Areia para os olhos!

 

Que maravilha, princesa ervilha. A “Champions”, a final, em Portugal. Que bestial! É a salvação nacional. Não ligas a futebol?! É arrebol?! Não és bom português! Só tu não vês.

 

A Liga dos Campeões, a Taça dos Campeões Europeus, cá prós plebeus. Dá direito ao regozijo institucional, dos Altos Representantes da Nação. É quase uma assombração.

 

Em Lisboa! Que importa a Covid aumentar?! A Champions nos vai safar. A Grande Lisboa, o Corona a exportar?! Para locais improváveis?! São, da ciência, imponderáveis!

 

É, também, a irresponsabilidade das pessoas. É! A falta das zaragatoas. É! Culpa do Povinho, do Zé. Também é. Cada ação individual tem reflexos no geral. Porque tem! Mas não convém.

 

Festas e festarolas?! Manifs e manifs?! Venham os “bifes”. Turista está a vir. Fronteiras, abrir.

 

E os Bancos, aos solavancos?!

 

E o Algarve vai fechar?! E onde me vou banhar? Que o Verão vai chegar.

 

Que outros países nos ponham no vermelho?! Isso é dor de escaravelho. “Nós somos o melhor destino do mundo”. O resto é poço sem fundo.

 

E os das festas promotores vão ser indiciados? Isso é justo. São mais que culpados. E quem lá vai não é?! Quem paga é o Zé!

 

A situação está mais que controlada. Dizem os DDTs, para a manada!

 

*******

 

Hoje, deu-me para escrever assim. Tem sido uma semana muito stressante, apesar das coisas, por enquanto, terem corrido melhor do que temíamos.

 

Tenho alertado para as “desconfinaçõesapressadas e vejo coisas tão assombrosas! Surgir o “bichoonde nunca esperei ou imaginei.

 

E, esta do futebol, da “Champions” em Lisboa! É atirarem-nos areia para os olhos. Tapar o sol com a peneira!

O Poder instituído acaba por passar mensagens contraditórias!

 

Mas cada um de nós tem a obrigação de ser responsável. Ações individuais têm reflexo no coletivo.

 

Prémio aos profissionais de saúde”?! Mais trabalho e aumentarem-lhes os riscos, é que é.  

 

Saúde para quem está doente. Melhoras! Mas mantenham-se confinados, como é vosso dever!

Ricochetes de Covid?!

Padre António Vieira?!

 

Quando publiquei o postal “Passeio Virtual por Cidades… e Aldeias”, em Maio, fi-lo precisamente porque estava e estou, farto de Covid. E quem não estará? Escrever sobre o dito cujo ainda me saturava e satura mais.

 

Entretanto passaram-se tantas coisas e qual delas mais estranha.

O “desconfinamento” atingiu proporções, a meu ver, exageradas e não só em Portugal.

 

Manifestações, de motivações justas, mas que descambaram em efeitos injustificados.

Em Portugal, as ações têm sempre uma escala proporcional à nossa dimensão. Alguns cartazes despropositados.

 

Nos States, após aqueles descalabros, previsíveis, dadas as assimetrias gritantes entre estratos populacionais, acentuadas pelos efeitos de Covid; na Velha Albion, onde a Covid também tem feito grande mossa; inépcia e incoerência dos respetivos governantes, em ambos os estados anglófonos, deu-lhes, aos manifestantes, para derribarem e apearem estátuas. (Não haviam bastado os talibans!…)

Sem qualquer sentido.

Porque, reflita, SFF. Que seria da América se não tivesse havido Colombo? Ou de Inglaterra sem colonialismo(s)? Onde estariam esses sujeitos a quem lhes dá esses amoques?! Existiriam sequer, enquanto seres humanos?!

Porque se fossem os contestatários, ameríndios nos States; ou os anglos, ou os saxões, ou os celtas, em Inglaterra, ainda se perceberia… mas sendo quem são, que seria dos ditos se não tivesse havido todos esses horrores, que de facto foram: escravatura, esclavagismo, colonialismo, tráfico negreiro… Que não defendo nenhum destes retrocessos históricos, friso!

Que existem atualmente, sim! Com outras variantes e cambiantes, sim!

 

A História não se apaga, não deixa de existir por ser negada ou escondida ou submersa nos rios, enterrada nos pântanos da ignorância. Bem pelo contrário! Deve estar visível para ser aprendida, apreendida, interpretada, estudada, ensinada. Para ajuizarmos com discernimento e espírito crítico o que tem valor ou não, ao nosso olhar atual, sem deixar de perceber o enquadramento epocal.

Tudo o que é Humano tem que ser contextualizado no tempo e no espaço. Não se pode emendar o que foi ou deixou de ser mal feito em tempos passados, porque o “tempo não volta para trás”!

 

Cá pelo burgo, melhor, na Grande Cidade, também lhes deu para vandalizarem monumentos! E logo do Padre António Vieira!

Não sou especialmente apreciador de estatuária laudatória na via pública. Muita é inestética, mal colocada no espaço, os respetivos personagens suscetíveis de valoração ou não, positiva ou negativa. Todavia, já que expostos, permitem-nos opinar, ajuizar sobre os mesmos. São lições de História!

Não têm que ser consensuais. Muito menos estragados, destruídos. Para estragação e achincalhamento, basta o que lhes fazem os pombos, diária e continuadamente.

Que nos digam os Grandes: Camões, lá do alto do seu pedestal e Eça, mais terra a terra, mais a sua Verdade, um pouco mais em baixo.

De modo que, e um pouco mais acima, esborratar o Vieira é completamente incongruente.

Açucenas quintal. 2019. 05. jpg

 

António Vieira (Lisboa – 1608 / Baía – 1697): Orador e Escritor português. De pais de condição modesta, sua avó paterna era mestiça, serviçal na casa dos condes de Unhão.

Foi para o Brasil aos 6 anos. Estudou no Colégio dos Jesuítas, na Baía. Entrou na respetiva Companhia.

Distinguiu-se na catequese dos índios, de quem foi defensor intransigente.

De 1641 a 1652, esteve na Europa, nomeadamente ao serviço de D. João IV, de quem foi embaixador em França, Holanda e Itália.

Voltou ao Brasil, onde permaneceu de 1652 a 1661.

Levou o decreto real de libertação dos "índios", que provocou violentas reações dos colonos e o seu desterro para Lisboa.

Na sua segunda estada na Europa, 1661 – 1681, foi preso em Coimbra, em 1665, nos cárceres da Inquisição.

Viveu em Roma de 1669 – 1675. Regressaria ao Brasil em 1681, onde morreria em 1697.

Foi um Cidadão do Mundo, atravessou sete vezes o Atlântico, percorreu milhares de quilómetros, muitas vezes a pé.

Distinguiu-se especialmente nos sermões. Profundo conhecedor do coração humano. F. Pessoa o intitulou “Imperador da Língua Portuguesa”. Elogiado por A. Sérgio “nunca se escreveu em português mais claro, mais próprio, mais natural…”

Arrebatava tanto a gente inculta do Brasil, como o requintado mundo dos cardeais da Cúria Romana.

“Expoente da oratória sacra portuguesa e um dos maiores da oratória universal, foi político, missionário, defensor dos fracos, crítico audaz dos poderosos e patriota visionário.”

*******

(Para este excerto sobre P. António Vieira, mais uma vez, me baseei na Lexicoteca – Moderna Enciclopédia Universal – Círculo de Leitores - Tomo XVIII – pag.s 164, 165, 166.

Manias pré históricas!!!)

*******

E ainda...

Relacionado com o postal anterior, dizer que continuei com Tieta. Apaixonante a narração. Dá vontade de não parar. É sempre assim com Jorge Amado.

*******

E a foto?!

Original, como gosto que sejam. De flores, ou de plantas, pela(s) sua(s) simbologia(s).

Repare, SFF:

Hoje é dia 13 de Junho. Dia de Sto António. A respetiva flor simbólica é o lírio branco. (Na minha terra, também chamamos a estes lírios, açucenas.) E qual foi o celebérrimo sermão de Padre António Vieira? De Santo António... aos peixes. Que é isso que também ando a fazer... Mais valia ao pessoal que, em vez de desconfinar por dá cá aquela pallha, fosse tratar de jardins, que bem precisam. Nem sabem como é relaxante, tratar de um jardim ou de uma horta. Experimente, SFF.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D