Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

José, Mourinho e … Eva!

 

José, Mourinho e … Eva!

 

De certo modo já me tinha imposto não voltar a escrever sobre Futebol.

 

Mas é lá isso possível?! Consigo lá resistir a deixar um comentário nalgum post de algum blogue que ache mais interessante?!

 

Foi o que ocorreu, anteontem, dia dezoito, quando li alguns posts sobre a “bomba” há muito anunciada e esperada, que rebentou lá para Londres, para os lados de Chelsea… e que estilhaçou à escala global. E cujos ecos também aterraram neste blogue!

 

Mourinho fora despedido…

 

E, ao ler os posts:  “O Exemplo José Mourinho”, no Blogue “Rabiscos de um Maldisposto”; “Mourinho…Real?”, no Blogue “Lados AB” e “José e o pecado original”, no Blogue “Bolas e Letras”; não resisti a deixar alguns comentários.

 

E, é com base nesses comentários que quero “alinhavar” algumas ideias avulsas sobre o tema… num post específico em “Aquém-Tejo”!

 

A ocorrência da saída de Mourinho vinha-se anunciando… A situação internamente era insustentável! Diria até, péssima! Apesar das imagens de auto e hetero confianças mútuas…

 

Só se aguentou tanto tempo, porque... envolvia  muitos milhões, conforme se viu na sequência do despedimento. Fora a situação outra, e as "partes" não se teriam aguentado tanto tempo, nem a "corda teria esticado" tanto! Mais cedo teria havido a famigerada "chicotada psicológica".


Porque, hoje, no futebol, o que conta é só e apenas o Dinheiro. "Money! Money!"

 

E nenhuma das partes quereria abrir mão do dinheiro… Finalmente lá terão chegado a acordo.

 

Quanto a regressar a Madrid ou a outro qualquer Clube de topo, o “metal” soará sempre mais alto. A publicidade, o marketing, o merchandising… O Real Madrid é uma montra, cheia de manequins e modelos, em todos os sentidos. Se o "pilim" troar a jeito, vai para Madrid ou outro lado qualquer, que não lhe faltarão clubes...

 

Quem dera a todos os desempregados, por esse Mundo fora, terem indemnizações milionárias e empregos à espera...

 

Que são esses mesmos "desempregados" que também alimentam "Treinadores Únicos" e "CRsetes"!

 

Quanto a Eva estar na origem do “pecado original”, na “origem de todos os males”, é o que diz a “mitologia” judaico-cristã! E também a islamita, acho eu, pois temos todos de ascendente o "Patriarca Abraão", cuja ascendência primitiva seria precisamente o "Pai Adão e a Mãe Eva"!

 

No caso vertente… a questão com a médica terá sido o despoletar de muitas situações, nomeadamente no balneário, ou não?! Estarei enganado?!

 

Como dizem os franceses… “Cherchez la femme!”

 

Pelo menos, e por agora, o clube voltou às vitórias.

 

E ao afirmar isto, com tudo isto, friso, que não deixo de ser admirador de Mourinho!

 

Adão e Eva, Masaccio In wikipédia.jpg

 

Resolvo ilustrar este tema, não com alguma imagem futebolística, mas, talvez paradoxalmente (?), com a reprodução de uma pintura de MASACCIO, representando “Adão e Eva a serem expulsos do Paraíso”!

E esta imagem é plena de metáforas.

Que isto da Vida não é só futebol... Também é Arte!

E  o Futebol tamém será uma Arte?!

(...)

E, mais uma vez, Feliz Natal!

E uma imagem do Presépio, com José e Maria e o Menino e a vaquinha e o burrinho, também não ficaria mal. Fica para a próxima.

 

 

 

Nova pergunta dirigida ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Educação

2ª Pergunta

 

Partindo ainda do pressuposto da questão formulada ontem, isto é, que Sua Excelência o Senhor Ministro da Educação, o atual ou o que provavelmente se seguirá numa próxima legislatura, nunca irá ler a pergunta que coloco hoje…

Assente nessa premissa, e apesar disso, não deixo de questionar novamente.

 

E lecionar numa Escola de uma Zona Suburbana, maioritariamente enquadrada em Bairros Sociais, turmas de início de 2º Ciclo, 5º ano, com alunos provenientes de diferentes Escolas do 1º Ciclo, maioritariamente habitantes desses bairros, de famílias com bastantes dificuldades das mais diversas ordens: económicas, sociais, de integração. Alunos carenciados inclusive na alimentação básica, para além das carências afetivas e relacionais, tão comuns nessas idades e meios; provenientes de famílias disfuncionais, muitas monoparentais, progenitores ausentes física e psicologicamente; pertencentes a etnias, raças diversas; de diferentes nacionalidades e língua materna de base também diferente; de religiões também diferentes.

E com todas as dificuldades acrescidas nestes tempos de Crise: Progenitores desempregados, falta de meios de subsistência…

E, acrescente-se, integrar um naipe assim diversificado e constituir uma turma de 30 alunos!

Terá, Sua Excelência, o Senhor Ministro de Educação, ideia do que é ser Professor e ser Aluno numa Turma assim constituída?!

E ser Pai e ter Filhos numa Turma assim de 30 alunos?

 

ALENTEJO

Divulgamos hoje o nosso post nº 50. Que é também o 1º trabalho que colocamos em 2015. E, como não podia deixar de ser, pois também é esse o nosso propósito, damos a conhecer neste enquadramento uma poesia sobre o nosso Alentejo.

Este conjunto de vinte e seis quadras foi escrito em 1982, numa época em que trabalhava no Alentejo e resultaram da observação poética da planície transtagana nessa altura. Alguns aspetos ter-se-ão modificado. Atualmente há realidades que, à data, eram ainda ficção científica. De qualquer modo é um flash desse tempo nesse espaço, que nos é tão querido e idealizado.

 

 

 

ALENTEJO

 

Horizontes infinitos

Extensões de montados

Manchas de olivais bonitos

No meio, campos lavrados.

 

Campos a perder de vista

Vista do cimo do monte

Altaneiro como crista.

No vale, a horta e a fonte.

 

Montes quase abandonados

Sem caseiro nem patrão

Pois carros motorizados

A casa trazem o aldeão.

 

Casas de branco caiadas

Barras azuis e amarelas

Cheias de esmero, asseadas

Alegra os olhos vê-las.

 

Rasteiras, bem alinhadas

De quando em vez solarengas

Varandas, janelas bordadas

Casas, nossas avoengas.

 

Chaminés de sol e lua

Portas de cantaria

Abrindo a casa à rua

Dão beleza à frontaria.

 

Ruas de casas juntinhas

Fazem terras afastadas.

De noite é ver as luzinhas

Dar vida à planura, encantadas.

  

De dia banhadas pelo sol

Alegria e tormento

A brancura dum lençol

A secar na planície, ao vento.

 

Do Alentejo aldeias

De gente calma e fagueira

Amiga de trocar ideias

Embora nem sempre à primeira.

 

Gente mais moça abalando

P’ra Lisboa e outras bandas.

Os mais velhos vão ficando

Até que Deus queira, em bolandas.

 

Pela manhã, o Destino

Os leva à soalheira

Aquecer sangue latino

Que já falta companheira.

 

Durante a manhã, as comadres

Dominam as ruas mercando

E estando fora os compadres

Com as amigas vão conversando.

 

À tarde e à noitinha

Após um dia de trabalho

Homens enchem a tendinha

Causa de brigas e ralho.

 

Mas após tanta fadiga

No campo, a maioria

Faz bem beber uma pinga

Dá esquecimento e alegria.

 

Terminar a cavaqueira

Que à janta a mulher chamou.

Esperar sentado à lareira

Que a novela começou.

 

Migas, açorda e mais

Sopa de cachola e tomate

De miolos, gaspacho, é demais

Tanto pão e tanta arte.

 

Hoje não é tanto assim

Comida vai variando.

Borba, Redondo, enfim

Rico tinto acompanhando.

  

Após a janta, o descanso

Que amanhã é de trabalho.

Antes, um breve remanso

Aquecendo-se ao borralho.

 

De manhã o sol levanta

Trabalhador para a jornada.

Dantes a pé, agora espanta

A quem tem motorizada.

 

Lavoura, azeitona e cortiça

São trabalhos desde outrora.

Conforme a época, a liça

Novas culturas agora.

 

O tomate, o girassol

Culturas de regadio.

As barragens são um rol

Mas não chegam p’ró sequio.

 

Os serviços na cidade

Algumas indústrias também.

Desemprego, ansiedade

De quem quer algum vintém.

 

Pau bucho, chifres, cabaças

Argila, pedrinhas e linho

Nelas, flores e sonhos traças

Objetos de amor e carinho.

 

Trabalho feito com as mãos

Na cortiça, ferro ou barro.

Homens de arte, artesãos

Ourives de bilha e tarro.

 

Mas artistas todos são

De pincel ou de trator

Na tela ou terra chão.

Basta trabalhar com amor.

 

Amor que a nós, Homens, une

E à terra que nos viu nascer.

Mais nos liga que nos desune

Todos juntos a conviver.

 

 

 

Escrito nos inícios de 1982.

Publicado na VII Antologia do Círculo Nacional D’Arte e Poesia, 2003.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D