Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

1975 - 2015: Passaram-se quarenta anos!

 Ainda a propósito de “Mad Men”. 

E de um acontecimento de 1975.

 

E volto ao blogue e ao post em que abordei um acontecimento real ocorrido em 1975, a propósito dos “Homens Loucos” de Madison Avenue, N. Y. C., “Mad Men”. E dos computadores, na altura uns verdadeiros “monstros”, não só na forma, como no conteúdo, pela perspetiva de como eram vistos e percecionados, mesmo por quem lidava de perto com eles nos escritórios, mas não sendo especialista no assunto. Mais ainda para quem era completamente desconhecedor das suas funcionalidades e modus operandi.

Agora em que, a propósito de alguns acontecimentos mediáticos da política portuguesa atual, tanto se tem falado de 1975

 

Gostaria de deixar registado neste blogue alguns aspetos relevantes de algumas mudanças significativas deste Portugal de início século XXI, 2015, relativamente a esse findar do 3º quartel do século XX, 1975.

 

Neste Portugal atual, e apesar da tão apregoada Crise, vive-se significativamente melhor do que nessa data já longínqua de setenta e cinco.

Em termos de Consumo, os portugueses têm genericamente acesso a um cabaz de compras de bens mais ou menos essenciais muito mais vasto e diversificado não só pelos bens suscetíveis e acessíveis à sua bolsa, como pela existência e proliferação de locais de compra. Tanto de bens de consumo imediato, como duradoiro.

Vivemos numa Democracia consolidada. A Liberdade também é um Valor inquestionável!

O acesso a bens e serviços englobados no contexto da Educação, da Saúde, da Habitação, é um Direito também estruturado. Apesar de algum retrocesso que se tem verificado nomeadamente no campo da Saúde, face ao que já adquiríramos entretanto.

Portugal vive em Paz, apesar dos medos que hoje se sentem e pressentem, resultantes do alastrar à Europa de Guerras, que, até há poucos anos, pareciam confinadas a Países distantes… Que não deixavam de ser Guerras por isso…

 

in. escreveretriste.jpg

 

Estas são algumas situações em que, no plano interno, se constatam diferenças positivas relativamente há quarenta anos atrás.

 

E, no plano externo?!

 

Constate-se.

Portugal está integrado na União Europeia.

Faz parte da Zona Euro.

Não existe o “Muro de Berlim”, apesar de muitos outros muros que têm sido criados, por esse mundo afora. Físicos e psicológicos, culturais e sociais…

Não existe “Cortina de Ferro”.

Não existe “Pacto de Varsóvia”.

Não existe a URSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas!

 

Thefalloftheberlinwall1989 in wikipedia.JPG

 

Vivemos num Mundo substancialmente diferente, mas…

Em que apesar de a designada “Guerra Fria” ter terminado, vivemos atualmente numa tensão e medo ainda maior. Em que a “Guerra” atual, há quem fale que vivemos numa “Terceira Guerra Mundial”, uma Guerra com contornos diferentes das anteriores, em que essa “Guerra” invadiu diretamente a Europa. E indiretamente chegou ao Continente Europeu através dos refugiados das Guerras por essas Áfricas e Médio Oriente.

 

E quem “produziu” essas “Guerras”?

Quem as alimenta com armas de todos os tipos?

Quem as financia?!

E com que fins?!

Quem as semeou e continua a sustentar, a adubar e fertilizar, com armas, munições, tanques e explosivos e carne para canhão de tantos inocentes?!

E quais os meios utilizados para obtenção de dinheiro para sustentar essas “Guerras”, umas “Grandes” e outras pequenas?

 

in imdb.com

 

Por vezes questiono-me e lembrando a “Família Krupp”, e a “Queda do Terceiro Reich”, se as pessoas que de facto alimentam as guerras, produzindo e financiando o armamento, mas vivem afastadas dos locais de conflito, quando ocorrem situações como as que têm acontecido por essa Europa, não se interrogam sobre o seu papel no Mundo…! Sobre a sua ação destrutiva da Humanidade!

 

E voltamos ao ponto de partida.

Vale a pena comparar 1975 com 2015?!

Apesar do pessimismo recente, vivemos ou não num Portugal substancialmente melhor?!

É ou não possível haver em Portugal abertura a novas e diversas perspetivas de “conduzir” este barco “Portugal” a bom porto?!

Que não faltarão as tempestades, os ventos alterosos, as borrascas…

 

Ah! E não posso esquecer o Imperialismo!

E o Imperialismo ainda existe ou não?!

Os Estados Unidos da América continuam a ser uma nação imperial, mesmo e apesar de terem um Presidente Obama?

E a Rússia, a nova Rússia, continua a ser também um Estado imperial, como o foi a antiga U.R.S.S., talvez o maior império à face da terra? Tal como fora também um império a antiga Rússia czarista?!

E o Reino Unido? E a França? E a Alemanha? São ou não nações imperialistas ou vivem apenas na nostalgia dos respetivos impérios passados?!

E a China?! É a terceira potência militar mundial, já detentora de enorme poder e liquidez financeira, “proprietária” e “co-proprietária” de variados setores estratégicos por esse Mundo fora, a nação mais populosa, com “colonos” espalhados também por todo esse Mundo, ocupando setores variados, talvez a maior produtora e fornecedora de bens utilitários de maior ou menor préstimo, mas que os Ocidentais, na sua febre consumista, tudo compram...

E o imperialismo das grandes multinacionais, dos grandes grupos financeiros, das grandes petrolíferas?!

(…)

E voltamos a interrogar:

O Imperialismo continua a existir ou não?

E Portugal e os Pequenos Países podem ou não tomar decisões e tomar conta do seu Destino fugindo às garras do Imperialismo?!

 

E com esta pergunta nos ficamos, por Hoje!

E terei esquecido o E. I.??!!

 

 NOTA Final:

HOJE, dia 24/11/2015, tomei conhecimento deste texto publicado na Revista "Visão" sobre o "financiamento" desta "Guerra" em curso.

Imprescindível LER!

 

Locais Pitorescos do Alentejo II.

Recantos Mágicos de Aldeia!

 

E voltamos a visitar locais interessantes do nosso Alentejo, que merecem ficar registados numa imagem, caso tivéssemos talento para pintar ou desenhar, em pintura, ou como agora dispomos desta possibilidade de registar digitalmente… fotografamos com essa maravilha da técnica de guardar memórias e registos que são os telemóveis. Simples mas preciosos portáteis, de que já ninguém prescinde, num qualquer bolso das calças ou casaco.

 

Assim guardamos imagens e memórias de locais que muitas vezes nos passam despercebidos, desconhecidos de muitos de nós.

 

Hoje, neste post nº 200, voltamos à nossa Aldeia.

E retornamos a um lugar, aonde estivemos imensas vezes, muitos anos atrás, e que também já divulgámos neste blogue, com uma foto bem mais antiga, noutro tempo e com outro tempo.

E, neste documento apresentamos um registo fotográfico de um lugar mágico de Aldeia, agora visto pelos olhos e através do telemóvel de um Amigo: Marco Rego. Que não sendo propriamente de Aldeia, mas tendo aqui parte da ascendência; outro ramo, o paterno do saudoso Srº Agostinho, é de outro lugar também de grande magia, a linda cidade de Ponte de Lima, no Minho, sempre verdinho! Mas que embora não sendo, já é, de afeto e coração e também porque no concelho reside, no distrito trabalha, aqui constrói a sua Família e vive o seu dia-a-dia!

 

Pois comecemos por visualizar a primeira foto, original de Marco Rego.

Foto original de Marco Rego 2015.JPG

 

Conhece?! Reconhece?

Pois, trata-se do “Moinho do Ti Luís Belo”!

Moinho, porque moía os cereais, o trigo, o milho, o centeio, mas que, de facto, seria mais correto chamar-lhe Azenha. Que isto das palavras tem muito que se lhe diga.

Moinho é um conceito muito genérico, no sentido de “engenho ou máquina de moer grãos ou triturar determinadas substâncias” ou a “casa onde esse engenho ou máquina está instalada”(1). Neste contexto genérico inclui, portanto, as azenhas. E também os designados moinhos de vento, habitual e genericamente apenas designados de Moinhos.

Moinhos de Vento e Azenhas tinham a mesma função já enunciada, moer cereais. Só que a fonte energética era diferente. Nos Moinhos de vento, era essa a fonte de energia. Nas Azenhas, a fonte motriz era a água, ambas energias limpas de poluição e ambas renováveis. Portanto e pelo que dissemos, sendo antigas são muito modernas, pois que agora, e cada vez mais no futuro, a Humanidade se voltará para as energias não poluentes, por isso mesmo e, porque sendo renováveis, não se esgotam. Contrariamente às energias fosséis.

 

E continuamos com as fotos de Marco Rego.

Esta 2ª foto mostra-nos o canal adutor, condutor da água da represa para o rodízio, que fazia mover as mós na azenha, a casa ao fundo.

Foto original de Marco Rego 2015.JPG

 

 

A 3ª foto mostra-nos parte da parede do referido canal e o parapeito superior da represa.

20150922_122112.JPG

 

A 4ª foto apresenta o paredão que possibilita a represa da água. Quando a há! Que, neste ano de extrema secura, não se observa uma gotinha de água. As fotos foram tiradas ontem, 22 de Setembro, último dia de Verão, num ano excecionalmente seco, pois praticamente não choveu nada. O que se reflete na “Praia do Ti Luís Belo”, que não tem absolutamente nada de água. Nos campos circundantes também se pode observar a sequidão das plantas, espalhadas pelas escarpas graníticas. Esperemos que o Outono, que começa hoje, traga alguma chuva!

20150922_122148.JPG

A foto, como todas as fotos aliás, acaba por ser também um registo documental, de uma ocorrência no(s) tempo(s): cronológico e meteorológico.

Cabe-nos agradecer a colaboração de Marco Rego, que não sendo propriamente fotógrafo, também acaba por sê-lo. Obrigado! Voltaremos a cooperar.

Também gostaria de incluir neste post, em que se nomeia o “Moinho do Ti Luís Belo”, um texto que li, há tempos, no “Jornal A Mensagem”, sobre o mencionado moleiro “Ti Luís Belo”, mas terei que falar com quem de direito!

 

E abordando a questão de “direito”.

Não devemos esquecer que todas as fotos originais são exatamente isso: originais. Pelo que se alguém se interessar por elas e as retirar, utilizando-as noutro contexto, deverá fazê-lo tão só e apenas com motivos construtivos e altruístas. E citando sempre a respetiva fonte, o blogue, e a correspondente autoria.

O mesmo se reporta aos Textos. Bons ou maus, melhores ou piores, até ao momento têm só uma Autoria, que a serem utilizados, deve ser sempre citada e a correspondente fonte.

E quando não são de minha autoria, procuro sempre referir as fontes:

 

Nota Final - (1) - Citações de “Dicionário da Língua Portuguesa”, Porto Editora, 2011.

 

P.S. - E ainda, porque "... a César o que é de César" e já após ter publicado o post me lembrei, que o célebre "Moinho do Ti Luís Belo", continuo assim a nomeá-lo , porque sempre o ouvi assim chamar; que o dito Moinho já não é pertença do referido moleiro, que já faleceu há dezenas de anos. Agora, segundo julgo saber, é propriedade de um Srº, familar do Amigo Casimiro, e sobrinho dos saudosos Ti Marcelino e Srª D. Maria Águeda. De que hei-de saber o nome.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais Comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D