Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

“Passadiço” de Portalegre e Limpeza dos Terrenos

Cidade de Régio: Estrada da Serra – Encosta Norte do Colégio

Percurso do Passadiço. Foto Original. 2021.01. jpg

Um passeio, caminhando “Passadiço” acima, é sempre algo relaxante, por demais, quando em confinamento.

Terreno Limpo. Foto Original. 2021. 01. jpg

Em Janeiro, realizámos uma dessas caminhadas pelo “Passadiço”.

Lado Leste Estrada limpo. Foto Original. 2021.01. jpg

E pudemos constatar algo de muito positivo. Terrenos marginando a Estrada da Serra, limpos de matos, como forma de prevenção dos fogos. Foi tema que já abordáramos algumas vezes no blogue, em relatos de anteriores passeatas.

Sobreiral limpo. Foto Original. 2021. 01. jpg

Pois, agora podemos constatar que houve limpezas em vários dos locais em que eram necessárias. Por ex., na Fonte dos Amores as encostas a montante, lado Leste, foram desbastadas das matas. Também os sobreirais a jusante, lado Oeste da estrada, se encontram limpos.

Parabéns às entidades competentes que providenciaram essas limpezas, aos trabalhadores que as executaram. As fotos documentam esses factos.

Passadiço. Vista. Foto original. 2021. 01. jpg

E aproveitamos também para divulgar alguns excertos dos espaços que nos interpelam a atenção.

Escadaria Miradouro. Foto original. 2021.01. jpg

Deixamos à sua consideração apreciar as vistas e, quem sabe, realizar também alguma vez esse passeio - caminhada. Não se arrependerá.

Miradouro. Vistas. Foto Original. 2021.01. jpg

 

E por falar em limpezas, de matos.

Constatamos igualmente, agora, em Fevereiro, que um território que vinha pedindo limpeza há anos se encontra em processo de desmatação. Refiro-me à encosta da Serra, a norte do Hospital e do Colégio, que vê modificada a sua fisionomia, e bem, para melhor. Andam cortando e queimando os matos.

 

Difícil, difícil é erradicar as célebres acácias mimosas, agora floridas de amarelo, mas que sendo exóticas e infestantes, enxameiam os terrenos e são um obstáculo a uma limpeza eficaz.

No respeitante a estas árvores, o ideal é nunca plantá-las, mas uma vez efetuada essa plantação é uma trabalheira para nos vermos livres delas. Nem sei se conseguimos. É observar os terrenos a montante do Colégio, novamente cheios de ainda mais mimosas!

 

Sugestões:

Cortá-las verdes, é certo que passados meses estão em processo de rebentação. Queimá-las, ainda pior.

Experimentem, descascar-lhes o tronco, cerca de um metro a partir da base e deixar que elas se sequem, o que em princípio acontecerá. Depois de secas, então podem cortá-las. Não sei se será sempre eficaz. Todavia nalguns locais procedem desse modo.

 

E relembro as matas a Noroeste do Boi D’Água: pinheirais e matagais a pedirem limpezas.

 

E para quando as Entidades Nacionais, Públicas ou Privadas, implementam meios técnicos, industriais, para reaproveitar os matos, as lenhas dos desbastes efetuados? Por ex. produção de energia, a partir da biomassa.

*******

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/arvore-europeia-do-ano-2021

https://aquem-tejo.blogs.sapo.pt/passeio-virtual-na-cidade-de-regio

Locais Pitorescos do Alentejo II.

Recantos Mágicos de Aldeia!

 

E voltamos a visitar locais interessantes do nosso Alentejo, que merecem ficar registados numa imagem, caso tivéssemos talento para pintar ou desenhar, em pintura, ou como agora dispomos desta possibilidade de registar digitalmente… fotografamos com essa maravilha da técnica de guardar memórias e registos que são os telemóveis. Simples mas preciosos portáteis, de que já ninguém prescinde, num qualquer bolso das calças ou casaco.

 

Assim guardamos imagens e memórias de locais que muitas vezes nos passam despercebidos, desconhecidos de muitos de nós.

 

Hoje, neste post nº 200, voltamos à nossa Aldeia.

E retornamos a um lugar, aonde estivemos imensas vezes, muitos anos atrás, e que também já divulgámos neste blogue, com uma foto bem mais antiga, noutro tempo e com outro tempo.

E, neste documento apresentamos um registo fotográfico de um lugar mágico de Aldeia, agora visto pelos olhos e através do telemóvel de um Amigo: Marco Rego. Que não sendo propriamente de Aldeia, mas tendo aqui parte da ascendência; outro ramo, o paterno do saudoso Srº Agostinho, é de outro lugar também de grande magia, a linda cidade de Ponte de Lima, no Minho, sempre verdinho! Mas que embora não sendo, já é, de afeto e coração e também porque no concelho reside, no distrito trabalha, aqui constrói a sua Família e vive o seu dia-a-dia!

 

Pois comecemos por visualizar a primeira foto, original de Marco Rego.

Foto original de Marco Rego 2015.JPG

 

Conhece?! Reconhece?

Pois, trata-se do “Moinho do Ti Luís Belo”!

Moinho, porque moía os cereais, o trigo, o milho, o centeio, mas que, de facto, seria mais correto chamar-lhe Azenha. Que isto das palavras tem muito que se lhe diga.

Moinho é um conceito muito genérico, no sentido de “engenho ou máquina de moer grãos ou triturar determinadas substâncias” ou a “casa onde esse engenho ou máquina está instalada”(1). Neste contexto genérico inclui, portanto, as azenhas. E também os designados moinhos de vento, habitual e genericamente apenas designados de Moinhos.

Moinhos de Vento e Azenhas tinham a mesma função já enunciada, moer cereais. Só que a fonte energética era diferente. Nos Moinhos de vento, era essa a fonte de energia. Nas Azenhas, a fonte motriz era a água, ambas energias limpas de poluição e ambas renováveis. Portanto e pelo que dissemos, sendo antigas são muito modernas, pois que agora, e cada vez mais no futuro, a Humanidade se voltará para as energias não poluentes, por isso mesmo e, porque sendo renováveis, não se esgotam. Contrariamente às energias fosséis.

 

E continuamos com as fotos de Marco Rego.

Esta 2ª foto mostra-nos o canal adutor, condutor da água da represa para o rodízio, que fazia mover as mós na azenha, a casa ao fundo.

Foto original de Marco Rego 2015.JPG

 

 

A 3ª foto mostra-nos parte da parede do referido canal e o parapeito superior da represa.

20150922_122112.JPG

 

A 4ª foto apresenta o paredão que possibilita a represa da água. Quando a há! Que, neste ano de extrema secura, não se observa uma gotinha de água. As fotos foram tiradas ontem, 22 de Setembro, último dia de Verão, num ano excecionalmente seco, pois praticamente não choveu nada. O que se reflete na “Praia do Ti Luís Belo”, que não tem absolutamente nada de água. Nos campos circundantes também se pode observar a sequidão das plantas, espalhadas pelas escarpas graníticas. Esperemos que o Outono, que começa hoje, traga alguma chuva!

20150922_122148.JPG

A foto, como todas as fotos aliás, acaba por ser também um registo documental, de uma ocorrência no(s) tempo(s): cronológico e meteorológico.

Cabe-nos agradecer a colaboração de Marco Rego, que não sendo propriamente fotógrafo, também acaba por sê-lo. Obrigado! Voltaremos a cooperar.

Também gostaria de incluir neste post, em que se nomeia o “Moinho do Ti Luís Belo”, um texto que li, há tempos, no “Jornal A Mensagem”, sobre o mencionado moleiro “Ti Luís Belo”, mas terei que falar com quem de direito!

 

E abordando a questão de “direito”.

Não devemos esquecer que todas as fotos originais são exatamente isso: originais. Pelo que se alguém se interessar por elas e as retirar, utilizando-as noutro contexto, deverá fazê-lo tão só e apenas com motivos construtivos e altruístas. E citando sempre a respetiva fonte, o blogue, e a correspondente autoria.

O mesmo se reporta aos Textos. Bons ou maus, melhores ou piores, até ao momento têm só uma Autoria, que a serem utilizados, deve ser sempre citada e a correspondente fonte.

E quando não são de minha autoria, procuro sempre referir as fontes:

 

Nota Final - (1) - Citações de “Dicionário da Língua Portuguesa”, Porto Editora, 2011.

 

P.S. - E ainda, porque "... a César o que é de César" e já após ter publicado o post me lembrei, que o célebre "Moinho do Ti Luís Belo", continuo assim a nomeá-lo , porque sempre o ouvi assim chamar; que o dito Moinho já não é pertença do referido moleiro, que já faleceu há dezenas de anos. Agora, segundo julgo saber, é propriedade de um Srº, familar do Amigo Casimiro, e sobrinho dos saudosos Ti Marcelino e Srª D. Maria Águeda. De que hei-de saber o nome.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais Comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D