Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

“A Família Krupp” (Reposição) - Teil II

Série Alemã na RTP 2

Episódio II

 

familia krupp in zdf entreprises.de.jpg

 

“A Educação de Alfried” / “O Peso de um Nome – O Poder de um Símbolo”

 

 

Na RTP 2, passaram ontem, domingo, dia 10 de Janeiro, após o excelente documentário, “Maravilha das Maravilhas” o 2º episódio da mini - série “A Família Krupp”, numa reposição do que haviam apresentado em Outubro e sobre a qual já escrevi neste blogue.

 

Volto a rever a série, até porque não tive oportunidade de ver um episódio na primeira transmissão. Por outro lado, esta é uma daquelas séries que me “enchem as medidas”, e que se revê sempre com muito agrado, há sempre aspetos que nos escapam numa primeira visualização, tanto mais quando se quer escrever sobre a mesma. Volto, igualmente, a escrever sobre a temática, reportando também para o que já escrevi anteriormente.

 

Uma série excelente sob todos os aspetos, antes de tudo o mais pela temática abordada, a vida de uma “Família”, num sentido muitíssimo alargado, não esqueçamos o conceito de “Kruppianos”, que para o bem e para o mal, muito mais para este lado, infelizmente, se entrosou indelevelmente com a História da Alemanha, da Europa e do Mundo! 

 

Por onde começar a escrever?

 

Realço um dos aspetos sobre o qual, na primeira visualização, não me debrucei, nem prestei a atenção merecida. A Música! Esta enleva-nos e leva-nos na narrativa, guiando-nos de forma mais ou menos subtil, de modo mais ou menos declarado e acentuado, pelo enredo, de acordo com a ação e as personagens, até ao genérico final. Pena tenho que, sendo muito apreciador de música, pouco dela conheça, a ponto de identificar a sua origem, a sua autoria, e no genérico pouco se pode “apanhar” sobre estes dados, a não ser continuar a ouvir, como se as imagens não tivessem deixado de fluir. Nos filmes, também gosto sempre de ler os genéricos, quanto mais não seja para continuar “saboreando” o “enredo” musical. Quando a música agrada e o conteúdo da narrativa também, fica-se naquele torpor existencial, de quem esteve a “viver” uma ficção, uma irrealidade, de que se tem consciência, mas da qual não nos apetece ausentar.

 

Para além da realização, Carlo Rola, destaco as personagens e os seus intérpretes. Para além da temática por demais elucidativa e atraente.

Os atores são excepcionais! (E como esta palavra exprime muito melhor o seu significado quando escrita com p.) Mas quem os conhece?! É esse o nosso problema com as séries do Continente Europeu, sejam elas as espanholas, as francesas, as italianas, as dinamarquesas, as alemãs. Nos últimos quarenta anos, fomos sendo gradualmente arredados da filmografia europeia continental. De modo que, pouco conhecemos de atores e realizadores.

Iris Berben/Bertha, Barbara Auer/Margareth, Benjamin Sadler/Alfried, … Alguém conhece?

 

Bem, para continuar na temática deste 2º episódio, talvez abordar o assunto segundo o subtítulo que atribuí a este episódio. “A Educação de Alfried” / “O Peso de um Nome – O Poder de um Símbolo”.

 

Alfried Bertha harald in tv.orf.at.jpg

 

A narradora principal é Bertha Krupp (1886 – 1957), a mãe de Alfried (1907 – 1967), que ela prepara, desde criança, para dirigir os destinos da firma. Este é um segundo narrador, que, de algum modo, contrapõe ou propõe, também a sua versão dos factos, à medida que vai crescendo e ganhando maior peso na estrutura narrativa, bem como na vida da própria Família.

 

Em todos os episódios, o presente da narrativa ocorre sempre em 1957. Neste, Bertha já à beira da morte, que sofreu um AVC, na sequência precisamente de discussão azeda que teve com o filho, esperando que ele chegue para se reconciliar (?); para que ele lhe peça desculpa, como lhe ordenou, ou dar-lhe as últimas instruções sucessórias, dado que foi para isso que ela o educou e se imiscuiu sempre na sua vida?

Simultaneamente são-nos apresentadas cenas marcantes da vida pessoal da Família, contrapondo à vida no exterior, nas fábricas e na Alemanha. E estes são tempos conturbados.

 

Em 1915, Gustav von Bohlen (1870 – 1950) e o Kaiser Guilherme II (1859 – 1941), num campo de treinos, testam o novo canhão, elucidativamente batizado de “Bertha”, com um alcance de vários quilómetros e uma precisão milimétrica. Com ele, haveriam de bombardear à distância, nas frentes de batalha e a cidade de Paris.

 

Em 1916, imagens de Verdun, corpos destroçados e agonizantes, os horrores da Guerra, um cavalo branco vagueia na paisagem juncada de cadáveres e homens mutilados. Ouve-se o grasnar de corvos, necrófagos.

 

Seguidamente, e ao som de música que não pode ser mais serena, ouvem-se acordes de piano, e, na Vila Huguell, anuncia-se e prepara-se a vinda do Kaiser, na sua décima visita aos Krupp. Alfried ainda criança, vestido de marujo, mas já a aprender, para as suas funções sociais.

Mais tarde, em conversa na caserna, o Kaiser desabafa com os seus generais sobre o que pensa dos Krupp, “que enriquecem com cada granada, que vendem armas a todos os contendores, uns mesquinhos…”

Paralelamente, Bertha e o marido Gustav, na alcova, em refrega de amor, numa guerra bem mais proveitosa, tiveram sete filhos, também comentam essa visita do Imperador. Gozando e antegozando o momento triunfal do orgasmo.

 

Que a Guerra, essa, foi perdida pela Alemanha, pelo Kaiser, não pelos Krupp, como a mãe Bertha ensina ao filho. Que também supervisiona nas suas lições, dadas em casa, por uma preceptora. Grego, Latim, Matemática… “Não podes cometer erros… Tu és o nº 1! E sempre serás! A perfeição é um Dever. Tens que ser forte. Mais forte que os outros. (...)”

 

Que a Guerra, para os Krupp era um negócio, como o próprio Imperador frisou para o seu Estado-Maior, já desalentado, por não ver avanços na mesma e constatar a “falta de patriotismo” dos mesmos.

E foi, desse negócio, que Gustav, marido de Bertha e pai de Alfried, gestor da firma, quis ver as contas saldadas, exigindo à firma inglesa “Vickers Limited” o pagamento de 250.000 libras pelo fornecimento de armamento.

Os “Senhores da Guerra” são assim mesmo!

 

Berlin,_Novemberrevolution in wikipedia.jpg

E surgem os tempos críticos da Revolução Alemã (1918 – 1919), e a fuga para a Áustria, para a Villa Bluhnbach, nos Alpes. Antes houve que queimar toda a papelada eventualmente comprometedora…

E passar por uma rusga do Exército Revolucionário do Ruhr, serem aprendidos os valores, relógio, carteira, anel, mas perante o símbolo, tudo lhes foi devolvido e passaram livremente. O poder de um Nome e de um Símbolo!

Em 1920, nos Alpes, no palácio, no campo, na cidade tranquila, Alfried, continuava a sua aprendizagem para a vida.

Em família, o nascimento de mais uma irmã; no campo, à caça de um veado, com o pai; igualmente com este, assistindo a negociações com russos, que Lenine precisava de instalar vias férreas, milhares de quilómetros de aço, que a Alemanha, em crise do pós guerra e sujeita às restrições que lhe foram impostas pelos vencedores, não podia expandir-se. E Lenine pagava, não com promessas, mas com ouro. E na Alemanha, milhares de Kruppianos não tinham trabalho, que é como quem diz, pão para a boca. Relutante, perante este negócio do marido, face ao comprador e à origem do dinheiro, que Bertha era a verdadeira dona da firma, mas convencida pela necessidade de salvar a firma, não apenas com o seu património pessoal, a mulher lá se convenceu, o negócio ter-se-á realizado e as fábricas terão sido salvas e milhares de bocas terão saciado a fome, com o dinheiro dos russos.

 

E, novamente em 1957, no leito, aguardando a vinda do filho querido, em conversa com a criada de quarto, Bertha lembra a educação que incutiu aos filhos, primordialmente a Alfried, com aquelas regras todas, segundo a criada, motivo talvez de pena, mas segundo a narradora, perfeitamente naturais, que ninguém nunca recebeu tanto dos pais como Alfried e nenhum filho saiu da linha. “Como pode ele acusar-me de que lhe destruí o casamento?!”

 

E vai novamente “arrumando as memórias”, ainda em 1920, mas já em Essen, na Villa Huguell  e relembrando as revisões das lições de Latim, que fazia com o filho, enquanto bebia chá e, ele, desastrado, derrubava a chávena: nominativo, genitivo, acusativo, ablativo. 

E na série, alternando-se as memórias e o confronto de ideias, entre a mãe e o filho. A visão dicotómica de cada um deles.

E Alfried, 13 anos, quis ir para uma Escola Pública, ele que tinha um preceptor particular em casa, podendo estudar ao seu ritmo muito mais avançado que o de outros eventuais colegas de Escola Pública, em que os mais lentos é que determinam o ritmo. Mas foi. Correu e brincou com os outros miúdos, que futuramente seriam seus subordinados na fábrica, jogou, estatelou-se no chão lamacento, rasgou as calças, foi com um colega, filho de operário, acolhido na respetiva casa, aí a patroa coseu-lhe o rasgão, regressou à Villa de cara enlameada e aí ouviu a avó: “Mas que tempos estes!... Queres continuar a ir à cidade? À escola?!... Nós somos os teus pares…Só nós!

Não sabemos se foi, porque não nos mostraram, mas acham que terá ido? Estávamos em 1920, República de Weimar, mas aproximavam-se, vertiginosamente, outros tempos.

 

E a narrativa, sob a perspetiva de Alfried, salta para 1932.

Em Munique, na Escola de Aviação e na Universidade, que frequentava. Teria 25 anos. Não queria ser chamado de Krupp, que era von Bohlen, nome do pai, que a mãe é que era Krupp.

Que o nome tinha poderes, abria-lhe todas as portas, mal fosse pronunciado. Conforme constatou no baile de máscaras, com Vera, que, primeiro, não lhe ligou, mas, após saber o nome mágico, escancarou-lhe as portas do paraíso… ao alcance das mãos. Tivesse ele querido…

 

E agora no Clube dos Industriais, com Tyssen, outro grande industrial alemão, este já rendido aos encantos de Hitler, tentando convencer Gustav Von Bohlen, pai de Alfried, marido de Bertha krupp, a deixar-se enfeitiçar também pelos encantos de Adolfo! “Temos que apoiar Hitler.” “Na Villa Huguell não se discute política.” “Hitler fascina as pessoas. Deixe que lhe apresente Hitler. Ficará convencido.” “Fazemos a nossa política externa.” Estes alguns dos excertos travados entre os dois industriais, de duas firmas distintas à época e que, atualmente, fazem parte do mesmo conglomerado de empresas.

Paralelamente, e agora através dos olhos narrativos de Alfried, assistimos à propaganda agressiva dos apoiantes de Hitler, nas escadarias da Universidade.

Quem não votar em Hitler, estará a apoiar os comunistas!” Quantas vezes este slogan não tem já sido repetido, explícita ou implicitamente, em outros variados e diversos contextos?!

“Hitler é a nossa última esperança!” “Rumamos a uma nova Alemanha!”

 

Paralelamente, Gustav Von Bohlen, que era o administrador da firma Krupp, cujo apelido usava por deferência do Kaiser Guilherme II, quando se casara com Bertha e com a prerrogativa de o poder transmitir aos seus herdeiros, via-se cada vez com mais dificuldades de gerir a empresa, por falta de encomendas, vendo-se na contingência de ter que transferir novamente fundos do património pessoal de Bertha, para as empresas de Kiel, certamente para os estaleiros navais.  

Precisava de começar a receber encomendas de Hitler.

“Há que convidar Hitler, para vir a nossa casa. É o Reich da Alemanha.”, dizia Gustav para Bertha.

Bertha muito relutante em aceitar tal situação: “Hitler é um campónio… gente dessa nunca entrará em nossa casa.”

Esta situação ocorreria a meados dos anos trinta.

 

Em 1936, vemos novamente Alfried, cada vez mais protagonista, no campo de aviação, no avião, a ser abordado por uma loura, frágil, qual Marlene, de nome Anneliese Bahr, que procurava o instrutor de voo, julgando que seria Alfried. Não tendo ele esta função, mas sabendo pilotar, prontamente se ofereceu, para tal tarefa, que aparentemente terá sido aceite.

E apresentou-se.

Alfried… só Alfried!

 

Poderíamos parafrasear : “A importância de se chamar Alfried!”

 

alfried anneliese in programm.orf.at.jpg

 

Será que Alfried vai dar lições de voo a Anneliese?!

Aguardemos o 3º, não sei se último, episódio!

 

 

 

“CÓDICE” Television de Galicia Episódio II

“CÓDICE”

Episódio II

RTP2

5ª Feira 8/10/2015

 

Final de uma História Real!

 

Neste 2º episódio há que constatar que, nas informações sobre a mini série já corrigiram o nome errado "O Roubo do Cálice”, atribuindo-lhe o nome verdadeiro: “CÓDICE”.

 

Quanto ao conteúdo da série, como já referi, ela aborda uma situação verdadeira, a do roubo do “Códice Calistinus”, em 2011, tendo sido recuperado só passado um ano.

 

A ação decorre em Santiago de Compostela e situa-se maioritariamente nos espaços da Catedral; nos gabinetes da Polícia de investigação, não sei se é designada Judiciária; na sede do jornal, no café, casas particulares dos envolvidos; casa de Manolo, o eletricista, desempenhado pelo “nosso Alcaide Mendonza” e nalguns espaços de ar livre, ruas e jardins da cidade.

O tempo cronológico situa-se, inicialmente, nos finais de setenta do século XX e já no século XXI, 2006 e 2011, pelo menos lembro-me destas datas.

 

codice in www.formulatv.com.jpg

 

Os contextos e a narrativa centram-se na investigação, inicialmente do desaparecimento do Codex, mas logo se aperceberam que fora roubo. Equacionadas hipóteses de possíveis ladrões, face às pessoas que poderiam ter acesso ao Arquivo onde se guardava o Códice, e que eram muito poucas.

O organista da Catedral foi uma delas, mas após inquéritos preliminares foi descartado.

O próprio deão, diácono, Dom José Maria, “o nosso Drº Devesa”, estudioso e guardião do livro manuscrito, foi outra das pessoas inicial e possivelmente suspeitas, mas logo foi também descartado pelos investigadores. Embora ele seja uma das peças chave em todo o processo, mas não como criminoso!

 

Dom José Maria, deão, diácono da Catedral, esteve sujeito a chantagem e extorsão de um Fernando Miranda, que inicialmente os jornalistas e os investigadores supunham pudesse ser o recetador do Livro. E que foi o motivo da cena rocambolesca, despoletada pelo “nosso boticário, Cristobal”, agora investigador policial, no seu afã de apanhar o suposto recetador do livro manuscrito roubado, ocorrida no final do 1º episódio.

 

Este Fernando Miranda, não cheguei a perceber muito bem qual a sua função social, mas na narrativa figurava como extorsionista, chantagista. E foi nesse enquadramento que acabou por ser preso em flagrante, neste 2º episódio, quando se reunia com o Deão, num café, após tê-lo chantageado, exigindo vinte e cinco mil euros pelo seu silêncio. Cena que os jornalistas também documentavam fotograficamente, contrariamente às ordens do Juiz e às ameaças do próprio Fernandito.

Neste 2º episódio, o papel dos jornalistas resumiu-se fundamentalmente à ação do famigerado “Inquisidor, Somoza”, que era jornalista fotógrafo, free lancer, e da jornalista loura, de cabelos compridos, cujo nome não fixei na narrativa e por isso assim a designo na narração.

Se futuramente a RTP2 continuar a transmitir séries galegas, que acho que valem bem a pena, irei fixar os nomes verdadeiros dos atores, pois revelam-nos excelentes desempenhos e merecem que os nomeie. Desta vez passa, pois nem chega a ser propriamente uma série.

 

Depois da trapalhada de “Cristobal” a investigação regressou à estaca zero.

A equipa ficou um pouco desorientada, mas a argúcia e serenidade da inspetora, a nossa conhecida “Dona Irene”, cujo nome de personagem não consegui reter, foi direcionando a investigação e os investigadores para os locais e pessoa certa: a Catedral, atenção aos pormenores que foram escapando na 1ª investigação, nomeadamente visualizando, de novo, todas as fitas de anos atrás; vistoriando novamente nos locais certos do templo. E foram sendo descobertos elementos aparentemente acessórios, provas documentais não valorizadas na 1ª investigação, mas que acabaram por tornar-se primordiais. Um resto de fita mal gravada em que o eletricista aparecia de costas, no arquivo. Uma caixa de chás, em que encontraram uma chave do arquivo, escondida num fundo falso e na etiqueta a letra manuscrita era também de Manolo.

E estes elementos foram conduzindo a investigação para o “nosso ex – Alcaide Mendonza”, cuja personagem se chamava, Manuel Carvalheiro, conhecido por Manolo.

A inquirição com a inspetora, “rei preto e rainha branca” frente a frente, foi um portento de jogo de xadrez tático estratégico entre dois adversários inteligentes, que às perguntas sábias da investigadora, Manolo respondia sempre capciosa e evasiva, mas certeiramente. Respostas que sendo respostas, acabavam por ser não respostas. O “rei”fugia como uma enguia entre as mãos da “rainha”. “Muchas gracias, senhor Carvalheiro!”, se despediu a dama, do rei!

Que uma das características mais valorizadoras destas séries galegas são os diálogos entre as personagens.

 

manolo in www.audiovisual.com.betafilm.jpg

 

A investigação prosseguiu em diferentes contextos e enquadramentos, mas já com uma certeza confirmada de que o autor do roubo fora o ex eletricista da Catedral, Manolo, que passara a vida a roubar, não só no Templo, mas inclusive até de contas bancárias de um suposto amigo(?). E que muito recentemente comprara dois apartamentos, a pronto pagamento, nas Rias Galegas.

Envolvendo também outros personagens, em que o Deão era uma peça chave, porque durante as dezenas de anos em que Manolo trabalhara na Catedral, tivera oportunidade de ir conhecendo o seu mau caráter, apesar de o ir protegendo, por que acreditava na sua redenção. Até que em 2006, tantas foram as falcatruas, desde os anos setenta do século XX, que resolveram despedi-lo, através do administrador, um leigo, Dom Pedro, que ao comunicar-lhe o despedimento nunca o olhou de frente! Tal seria o “medo” que este homem inspirava. Talvez resquícios de quando fora “Alcaide Mendonza”!

Mesmo depois de despedido, ele continuava a ir frequentemente à Catedral, a diferentes pretextos, nomeadamente enquanto fiel, mas também a massacrar o Deão para este o admitir no seu trabalho de eletricista na Catedral.

Entretanto foi preparando o golpe. E um dia, já em 2011, lhe aparecerá no próprio Arquivo onde não podia estar, nem era suposto ter chave para o fazer, continuou a insistir na sua readmissão e, com veemência, exigiu que, mesmo ali, o Deão o ouvisse em confissão, que foi uma forma de o silenciar sobre o que lhe contou, que terá sido sobre as falcatruas que fizera e o dinheiro que desviara.

E como Dom José Maria não o quisesse readmitir, ameaçou-o que ele, Manolo, perdia o seu lugar, mas o Deão também perderia o seu.

Mas o cerco foi-se apertando, como se uma caçada se realizasse, o criminoso foi sendo direcionado para o local onde poderia ser capturado, como se de animal acossado se tratasse. Que o receio era que ele pudesse destruir o “Codex”, peça de valor incalculável, no seu valor material, mas muito especialmente no plano imaterial, pelo seu valor documental, histórico, formativo e informativo, que ainda continua a ser estudado.

E que melhor local para apanhar o criminoso e presa, senão o local do crime?!

Conhecidas as suas rotinas, já cartografadas há muito, a Polícia foi apanhá-lo precisamente na Catedral de Santiago, local mítico na cultura ocidental cristã e quase berço, lar e casulo de Manolo, onde se movia como peixe na água, mas também onde estaria mais fragilizado emocionalmente.

Para esta estratégia psicológica, de o ir enredando nas teias da investigação e direcionando-o para ser capturado, muito contribuiu o papel da inspetora, a seu perspicácia, a sua intuição, o seu saber e conhecimento da alma humana.

E foi precisamente na Catedral e na missa celebrada por Dom José Maria que ele confessou à inspetora, que ao lado dele se juntara na bancada do Templo, a autoria do roubo e que não destruíra o livro, que não era um destruidor.

Na entrada da majestosa Igreja de Santiago, estavam os restantes policiais, nossos conhecidos, talvez com receio que ele fugisse.

E, à hora da comunhão ele saiu da bancada, mas dizendo a “Dona Irene”, desculpem-me voltar a este nome, mas continuamos nos mesmos espaços míticos de Compostela, dizendo à inspetora que não se ia embora.

E não foi! Foi simplesmente comungar, que Dom José Maria distribuía a comunhão e, com hesitação, dúvida, lhe deu o sacramento.

 

E a série terminaria, paralelamente com a prisão dos familiares de Manolo, que também estavam envolvidos, em maior ou menor grau, nos roubos efetuados.

E a localização do Códice resguardado e embrulhado, numa garagem, com as múltiplas tralhas que se guardam nas garagens e alguns objetos, de menor valor, que ele também trouxera do local de trabalho.

 

E, como é uma série que trata de casos reais, informaram-nos do prosseguimento da vida das pessoas, aqui representadas neste filme de dois episódios.

Os criminosos, após julgados, foram condenados, com diferentes condenações, que também a gravidade dos crimes praticados foi diversa.

Os investigadores continuaram a investigar; o Juiz, a julgar; os jornalistas terão continuado a pesquisar e informar; o diácono/deão retirou-se da Catedral e da Cidade de Compostela, que já atingira a idade de se reformar.

 

E nós também vamos terminar.

 

Só nos faltou sabermos e fora uma boa oportunidade de perguntar, se vão apresentar mais alguma temporada de “Hospital Real”, que ficou tanto por concluir.

 

E reforço o que já referi. Se voltarem a apresentar mais alguma série galega, com estes atores, vou tentar saber os respetivos nomes, ainda que possa sempre reportar-me ao “Hospital”, como referência e também com um pouco de fantasia! Que, no fundo, é sempre o que são as séries.

 

A legendagem final deveria ser mais nítida, as letras muito pequeninas eram totalmente ilegíveis. Que eu gosto de ler o que posso, enquanto ouço a música.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D