Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Aulas Presenciais – Exames - Avaliação!

Medidas Cautelares…

Mas supondo que tudo vai prosseguir numa relativa, muito relativa “normalidade”, isto é, que pelo menos vão haver aulas de esclarecimento de dúvidas para exames e os respetivos ditos cujos, todas estas ações implicarão medidas cautelares diversas.

 

Desinfeção de Escolas, antes e depois das aulas, antes e depois de cada exame. Corredores, salas de aulas, casas de banho, mesas e cadeiras e outros equipamentos nas salas…

Controle à entrada e saída das Escolas, de todas as Pessoas, como têm feito noutros países, com a medição da temperatura?!

Toda a gente, todos os agentes educativos ou não, de máscara e luvas.

(Fatos especiais se a situação se agravar?!

Neste caso de agravamento, suspender-se-ia todo o processo a meio?!)

E os alunos que já estejam doentes ou neles seja detetada, no processo de controle, temperatura acima do normal?

 

E no caso dos exames, os respetivos enunciados, envelopes que os contêm e as respetivas provas resolvidas, tudo também devidamente desinfetado?!

E depois seguem para Escola centralizadora do processo e daí para casa dos respetivos professores corretores e os procedimentos e cautelas anteriores são todos seguidos?!

 

E na sala de exames ou na sala das aulas presenciais, quantas pessoas presentes?! Mais que dez, são demais.

Nos exames, como convém estarem dois professores, oito alunos por sala?!

Para os exames com mais alunos, Português, por ex., quase não chega a Escola.

 

Bem sei que estou apresentando um cenário um pouco pessimista, quando tudo parece dar indicações que irá melhorar a curto prazo?! Irá?!

E os exames, a realizarem-se, serão só lá para final de Junho, início de Julho… até lá…queremos que tudo isto vá passar… Queremos… Mas podemos?!

 

Eu penso, fraca opinião, que esta ideia de manter exames previstos, como habitualmente e como se nada estivesse acontecendo de anormal, é um pouco precipitada.

Bem sei que no início de Maio vão reanalisar a situação. E tem mesmo que se planificar e prever situações…

 

E a avaliação interna, nos vários anos, como vai funcionar?!

Vai ter que haver muito bom senso de todas as partes envolvidas. Vai haver, de certeza, muita condescendência, só pode haver, mas também vai haver alguma injustiça. Porque muitos, a maioria dos Alunos, corresponderão de forma interessada e empenhada, mas também muito boa gente se estará completamente baldando.

Situação que não é específica deste momento insólito e virtual, mas que também era comum no contexto transato e real!

 

E na hora da avaliação?!

Na prática e embora não convenha afirmar isso, o que acabará por acontecer será a ocorrência, ou quase, de muitas “passagens administrativas”.

 

Vai ser prejudicial para todos, mas também não sei de saída mais “airosa”!

Eu, muito sinceramente, agora, não queria estar no papel de Professor!

 

Relativamente a Exames penso, muito sinceramente, que na prática talvez nem se devessem realizar. Acediam ao Ensino Superior com as avaliações do 11º e 10º ano. Para o próximo ano equacionariam novo modelo de acesso ou reformulariam o atual. Contariam as notas do 10º, 12º e exames desse último ano.

 

Mas percebo que tomar essa atitude já, aqui e agora, era mandar tudo para a balda!

 

Se tudo der para o melhor, vier a decorrer em normalidade, sou o primeiro a desejar e congratular-me com isso.

Se tudo o que escrevi anteriormente de negativo e pessimista não se vier a concretizar, ótimo, que é o que mais desejo, que voltemos à “normalidade”, o mais rápido e melhor possível!

 

Ainda mais uma questão.

E como irão processar-se as deslocações dos estudantes para aulas e exames?!

Uma boa parte dos Alunos ia de transporte público para a Escola. Na Província, implica deslocação entre localidades e concelhos e muitos transportes têm sido suspensos.

(…)

 

Foto original. Açucena 2019. 05.jpg

 

Meus Caros Leitores/as!

O que escrevi são apenas desabafos de alma.

O que mais desejo é que tudo decorra na melhor das normalidades!

 

E a propósito de desabafos de Alma... Lamento muito o falecimento do escritor Luís Sepúlveda!

A flor que ilustra o postal é-lhe dedicada.

Política – Eleições – e Algumas Questões Pertinentes

Educação... E não só!

 

Escola pública in. pt.wikipedia.org.jpg

 

Pontos Prévios:

 

0 – Volto a interromper a divulgação dos Poemas da XIII Antologia do C.N.A.P., para expor alguns aspetos sobre outras temáticas.

Também penso ainda voltar às Séries. Que até me informaram que se iniciou “Guerra e Paz”!

 

1 - Já que me debrucei em dois posts sobre questões de política, numa perspetiva “tout court”, isto é, no sentido imediato do termo, não vou deixar de continuar a debruçar-me sobre alguns temas que me despertem mais a atenção, quando achar conveniente. A não ser que me desiluda completamente…

Friso e repito, que essa é uma forma de expressão da Liberdade, que a Democracia nos deu e que a Internet permite exercer num contexto alargado.

 

2 - Esta nova Governação, bem como a nova Legislatura, dada a sua novidade formal, trouxera-me algumas esperanças, quiçá ilusões, que alguma coisa mudasse em termos de conteúdo.

Mas o que tenho observado, nomeadamente na Educação, deixa-me algumas perplexidades.

 

3 - Será que algum dos candidatos a próximo Presidente da República conseguirá pôr cobro a esta situação que é a de nos mais diversos campos e muito especificamente na Educação a legislação estar sempre a mudar?! Será?!

 

4 - Mudou o Governo, mudou bastante o enquadramento político partidário que sustenta esta governação, criou-se até um suporte governativo inédito em Portugal, algo que se suponha ser impensável, todavia, as metodologias, as estratégias governativas não mudaram nada.

 

5 - Mal tomou posse, este Governo logo tratou de alterar as Políticas legislativas onde mal tinham começado, especialmente na Educação. Onde era preciso haver alguma estabilidade, dado que o ano letivo já havia arrancado, em Setembro, quando o Governo tomou posse bem mais tarde, assim como a entrada em funcionamento da nova Assembleia da República.

Além de que o Ano Letivo começa a ser preparado pelos principais Agentes Educativos, bem antes de começar. Em muitos aspetos, de um ano letivo para o outro.

E as eleições para a Assembleia da República foram só a 4 De Outubro!

Mas não, mal se iniciou esta Legislatura e este Governo tomou posse trataram logo de alterar questões fundamentais como seja a da Avaliação.

 

Questão principal:

 

- Não teria sido possível manter o que estava em funcionamento, deixar correr o ano letivo normalmente, ir fazendo análises e auscultações periódicas sobre o que eventualmente se pensasse mudar, no final fazer uma avaliação global e parcelar sobre os aspetos considerados críticos, e decidir então se haveria mudanças ou não e, caso fosse necessário mudar global ou parcialmente, implementar essas mudanças apenas no próximo ano letivo (2016/2017)?!

 

 

Algumas Inferências:

- Se há algo que tem sido pernicioso ao longo destes quarenta anos de Democracia e concretamente na Educação, têm sido as constantes mudanças que têm havido. Muda o governo, muda a legislação, mudam completamente os procedimentos, mesmo já tendo o ano letivo começado.

 

- Não há uma coerência estruturante na Educação. Não há um Projeto Educativo consistente, não há um pensar global sobre a Educação, se se pretende uma Escola Pública de qualidade, se o Ensino Privado deve ou não continuar a ser financiado pelo Estado, qual o modelo de Avaliação a implementar… (…)

 

Escola primária in pt.wikipedia.org.jpg

 

E, já agora, gostaria de levantar outras Questões.

 

- Será que os Exames fazem assim tanto “mal” aos alunos? Provas escritas, provas orais são assim tão traumatizantes?! Não serão também formas de aprender, de aprender a agir, de agir num contexto específico, sem dúvida alguma mais rigoroso do que é habitual numa sala de aula… Mas não será também essa uma outra forma de aprender, nomeadamente a saber estar nesse contexto específico de maior rigor e exigência?!

 

- A exigência e o rigor serão prejudiciais ao desenvolvimento, ao crescimento harmónico, dos jovens alunos?! Ao longo da Vida nunca irão vivenciar situações de stresse semelhantes ou muito mais desafiantes até, do que aquelas que se vivem numa sala de exames?

 

- Rigor e exigência promovem a desigualdade?

 

- O trabalho mata os Cidadãos?

 

Futuramente, voltarei ainda, talvez noutro dia, novamente a mais algumas proposições ou questões sobre Educação. Talvez…

 

Mas agora quero deixar mais algumas questões de âmbito mais alargado:

 

1 – Continua a fazer sentido persistir em “dividir”, este País tão pequeno, em “Esquerdas” e “Direitas”, como se não fossemos todos Cidadãos Nacionais de pleno Direito?!

2 – E insistir em criar e executar políticas sempre sob este prisma reducionista, de divisão, de malquerenças e equívocos?!

 

3 – Não haverão questões, situações, de tal ordem importantes que justifiquem uma abordagem nacional, independentemente de divisões e questiúnculas político-partidárias, que justifiquem “um sentar à mesa” de Pessoas capazes e avalizadas para a resolução de problemas globais e nacionais?!

 

Se os nossos políticos não reparam, nem quando andam de feira em feira, de mercado em mercado, sugiro que observem o estado calamitoso em que estão os cascos antigos de muitas das nossas Cidades, Vilas e Aldeias.

Chalet Cova Piedade Foto original de DAPL 2014.jpg

 

É só passearem-se, com olhos de ver, e repararem como se encontram muitos dos bairros antigos e zonas emblemáticas das nossas povoações.

A começar pela Capital!

 

Praça da Figueira Lisboa Photo original FMCL 2015 .jpg

 

Este é um campo que deveria ser um desígnio nacional!

Recuperar e investir nas zonas antigas das nossas povoações!

E este seria um trabalho sem fim que envolveria Todos, a todos os níveis.

Lisboa Avenidas Novas Foto original de FMCL 2015 .jpg

 

Voltarei a este assunto?!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais Comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D