Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Boi D’Água: Uma Visita Virtual! Botânica?!

Um passeio para desconfinar: Boi D’Água?!

 

Desde logo a toponímia. Peculiar! Não conheço a respetiva etimologia. Pessoa amiga me disse ser assim designado, esse espaço entre Cidade e Campo. Povoamento de algumas casas, dispersas, tão diferente do território regional em que se insere: Alentejo, melhor, Aquém – Tejo!

O nome?! Entendo que será devido à fartura de água. Que é uma das suas peculiaridades. A água escorre pelas faldas da montanha, o murmurejar nas valetas, nas pequenas cascatas, no ribeiro que escoa na direção do Bonfim, para a Ribeira da Lixosa; mais a jusante irá para a Ribeira de Seda, desta para a da Raia, daí para o Sorraia, e depois, muito depois, lá irá parar ao Tejo, para os lados do Porto Alto! Muito corre a água!

 

Um local que estando na Cidade, deduzo que faz parte da freguesia urbana, portando citadino, na realidade não está na cidade. É campo, espaços de cultivo, hortas, floresta autóctone: sobreiros, carvalhos, loureiros, salgueiros; árvores de fruto: nogueiras, macieiras, aveleiras, figueiras; arbustos: giestas, lentiscos, troviscos, estevas e estevinhas, rosmaninhos, alecrins; medronheiro, de porte arbóreo; heras pelas paredes e carvalhais, rivalizando com o pegamassa… Muitas e variadas plantas que desconheço.

Floresta de pinheiros, enormes, mansos e bravos, adaptados aos nossos climas, há séculos. Floresta, a necessitar de limpeza, nalguns locais. Espaços tão dentro da Cidade, envolvendo – a, cercando – a, mas perigosamente muito sujos.

 

Um espaço territorial que estando em Aquém Tejo, é montanhoso, lembrando os territórios do Norte, pela orografia, o relevo, o arvoredo verdejante, a correnteza das águas.

 

É a este espaço que propomos uma Visita Virtual. Também Botânica! Utilizarei algumas fotos do ano passado, que as deste ano ainda não foram trabalhadas.

 

Este postal está conjeturado há algum tempo, tal como os anteriores sobre estas temáticas de visitas virtuais, funciona para descomprimir e talvez anteceder algum hiato na comunicação bloguista, espero que não tão demorado como o anterior, que foi quase um mês.

Interessante que nos últimos dias, 24 e 25 Junho, o postal mais visualizado no blogue foi Portalegre tem um Passadiço?!” Coincidências? (A quem se terá devido a divulgação?!...)

 

Vista da Cidade

Foto original. A Cidade. 2019. 07. jpg

 

Uma Avelã

Avelã. 2019. 07. jpg

 

Um Feto das Paredes

Foto Original. Feto. 2019. 05. jpg

 

Um Pegamassa ou Bardana

Foto original. Pegamassa. 2019. 05. jpg

 

Uma planta que desconheço o nome

Foto original. 2019. 05. jpg

 

Um sinal de caminheiros. Sabe o que significa?!

Foto original. Sinal de Caminheiros. 2019. 05. jpg

 

O Caminho!

Foto original. Caminho. 2019. 05. jpg

 

E as aves a cantar? E as ovelhas, os balidos? Os chocalhos? Os cheiros dos trevos, quando as ovelhas passam?

Vá, por si, Se Faz Favor! SFF! Experimente! Caminhe!

 

Ah! Um Mirone!

Foto original. Um mirone. 2019. 07.jpg

 

 

Passeio Virtual por Cidades... e Aldeias

Não é um Passeio por "Cidades e Serras"...

Mas pela Natureza nas Cidades, Vilas e Aldeias, em "Aquém - Tejo"!

Volto a modelo de postal que já apresentei várias vezes, inicialmente sob o título Locais Pitorescos…” e que, no último post sobre o tema, intitulei de “Passeio Virtual na Cidade! Já ando para elaborar este, há semanas. Sai hoje!

 

Nestes tempos de passeios problematizados, recordamos algumas imagens de passeios já realizados. Propositadamente não explicito onde se situam as imagens. São todas de Aquém Tejo! Em todas elas a Natureza se apresenta na sua beleza e magia, nos locais mais inimagináveis e na sua simplicidade aparente, mas também na sua enigmática riqueza. A ação humana também nelas se apresenta, explícita ou implicitamente.

Foto original. Azinhaga Atafona. jpg

A 1ª imagem é de um local de todos os dias. “Azinhaga da Atafona”, assim se nomeia. Azinhaga – caminho estreito e antigo. Atafona – antigo lagar, puxado a animais. Não há memória de tal indústria artesanal no dito caminho, mas dado que o nome persiste, provavelmente terá havido em tempos por demais recuados. Persistência da memória e tradição oral, provavelmente...

Caminho bordejado de papoilas. Sabe que às plantas que dão as lindas flores das papoilas se chamam “papoilegos”? (Será certamente um regionalismo.)

A foto será de há três anos. Nos últimos dois, pelo menos, já o caminho não se bordejou com tal garridice, porque a autarquia persiste em “adubar” o espaço com um daqueles produtos maravilhosos que secam as plantas. Detesto este procedimento!

 

Foto Original. Castelo Sesimbra. 2019. 04.jpg

A 2ª imagem é de duas plantas floridas num local bem distante do primeiro, junto ao mar, e num castelo. Vila, com porto de pesca e excelentes praias, abrigadas pela serra. (2019)

Duas plantas nascidas entre as pedras da muralha. A Natureza tem destas peculiaridades.

A do 1º plano conheço bem. Costuma chamar-se “Coelhos” ou “Bocas de Lobo”. São cultivadas nos jardins, mas também nascem muito espontaneamente, caso desta. A planta, em segundo plano, que foi a que me motivou para a foto, não conheço de todo.

 

Foto Original. Romeira. 2018.jpg

A 3ª imagem é de um pequeno jardim, particular, mas na rua, um “alegrete”, com duas plantas do mesmo tipo, em tons rosa e branco. Conheço-as por malmequeres. Num bairro popular, duma Cidade, com rio e mar, na freguesia da Pietá! A foto foi colhida em 2018, por ocasião de uma celebração tradicional, habitualmente evocada a 1 de Maio!

Foto original. Alter Pedroso. 2018. 02.jpg

A 4ª imagem (2018) - com junquilhos e alecrim, também num alegrete, numa aldeola antiga, situada numa colina, no meio da planície, com uma vista incomensurável. Tem topónimo replicado na Vila, situada no plaino.

Foto Original. Gulbenkian. 2019. 03. jpg

E esta 5ª imagem?!

Num local icónico da Grande Cidade - 2019. Espaço natural, mas construído pelo Homem, tentando seguir a Natureza. As espécies animais presentes também foram introduzidas pelo Homem. O pato não tenho a certeza.

Foto Original. Maranhão. 2019. 10. jpg

A 6ª imagem é de uma Barragem, à data, Outubro 2019, quase completamente seca. Entretanto, Dezembro, choveu e voltou a encher-se. A estrutura central, sempre submersa, intriga-me sobremaneira.

Foto Original. Cidade. 2018. 03 .jpg

A 7ª. Uma bela laranjeira carregada. (2018) - Junto a muro de antigo cinema ao ar livre, na Cidade. Que é o que mais jeito dá agora. Eventos ao ar livre, mas com lugares marcados e devidamente distanciados.

Foto Original. Costa. 2019. 02. jpg

A 8ªMar. Na Cidade de rio e mar!

Foto Original. A flor da 1ª do Ano. 2019. 02. jpg

A 9ª fecha o ciclo com que abrimos. Bem perto do local da 1ª imagem.

Já viu que extraordinário o nascimento de tão peculiar, como singela e bela flor, brotando na própria parede centenária?!

Atente bem, SFF!

Que flor? É a primeira do ano…

 

E, deste modo, com a primeira flor, terminamos este Passeio Virtual pela Natureza, em Cidades, Vilas e Aldeias deste Portugal de Aquém Tejo!

 

Ter um Limoeiro à Porta…

Foto original Limoeiro I 2018.jpg

 

É como ter um Médico em casa!

 

Dizia-me o meu Pai (1926 – 2008), que lhe dizia o Ti Zé Tabaco, que “ter um limoeiro à porta é como ter um médico em casa”.

 

Foto Original Limoeiro II 2018.02jpg

Nestes tempos ou contratempos de reclusão forçada, tenho aproveitado também para arrumar o acervo de fotos tiradas com o telemóvel nestes últimos anos.

Entre elas, várias do Limoeiro que temos no quintal.

Foto Original Limão 2018. 02.jpg

Não sei porquê, acho por bem divulgar e publicar algumas delas e, deste modo, constituir este postal.

Foto Original Limão 2018. 02.jpg

 

(Algumas notas finais:

O Ti Zé Tabaco era de uma geração anterior à do meu Pai. Terá nascido nos inícios do século XX ou mesmo no século XIX. Não sei. Não éramos de família. “Ti” é expressão comum nas Aldeias. Morava numa quinta frente à Horta do Carrasqueiro, ainda existente, com uma casa bem bonita, pintada de uma cor quase salmão, que me lembra paisagens de outros países.

 

Ainda sobre o limão, todos sabemos da sua componente Vitamina C e do respetivo poder preventivo que tem nas defesas do organismo.

 

Realço ainda a expressão “ O meu Pai dizia, que lhe dizia…”, forma tradicional de transmissão do conhecimento, em épocas transatas e entre Pessoas que maioritariamente não sabiam ler ou escrever, nem havia acesso generalizado a livros ou jornais, quanto mais a todas estas novas tecnologias e a este “informar” (?) segundo a segundo, em ene meios de comunicação!

E os limões lembram-me também as canções: "Limão, verde limão..." e a "Rosinha dos limões...", da Amália?)

Vai uma limonada ou um chá de limão?!

Foto Original.Limão Limonada 2018. 02.*jpg

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D