Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Bom Verão! Boas Férias!

Costa Caparica. Foto Original. 2020.08.24.jpg

Não! Estas fotos não são deste ano. São de 2020, de Agosto, 24 e Setembro, 28.

Costa Caparica. Foto Original. 2020.09.28.jpg

Que, ontem, 24 de Agosto, o Sol resolveu não aparecer.

A Serra de Sintra mandou o nevoeiro, lá das suas encostas brumosas. Este desceu ao Tejo, alastrou à Costa da Caparica, terá seguido à Fonte da Telha, certamente à Lagoa de Albufeira, se calhar ao Espichel e Sesimbra, talvez a Setúbal, que não sei!

O que sei é que a neblina cobria o areal da Costa, o nevoeiro tapava o sol e a cacimba caía-nos nos ombros e embaciava os óculos.

E estava frio, mas a praia estava cheia, imensas crianças, a água até nem estava má, que só molhei os pés, a maré estava vazia, de manhã, como gostamos, para podermos passear.

Primeiro dia, com hipótese de praia, resultou numa bela caminhada, Sul - Norte, até ao primeiro paredão da Costa, um gelado para cada um e regresso, Norte – Sul, ao ponto de partida: Praia da Rainha.

Não me perguntem a que Rainha se refere a Praia, que não sei. Se calhar, à Rainha do Sabá!

E, hoje, vai pelo mesmo. O tempo! Que a Rainha não sei!

Haja Saúde. Boa praia, para quem a tiver. Que esteja fresco, no Alentejo também e parece que está.

Máscaras e cuidados… “caldos de galinha” não apetecem, que é Verão.

E a Covid anda aí com força, outra vez.

Vacinem-se! SFF!

Já bastam os que vivem em países, mais que muitos, que gostariam de serem vacinados e não são, porque a pobreza é mais que muita por aí.

Bom Verão. Boas Férias!

 

A Fonte do Salto!

Fonte do Salto. Foto Original. 2021.07.11.jpg

Uma sugestão de passeio. Ou passeata!

Ponte do Salto. Acesso a Fonte. Foto original. 2021.07.11.jpg

Bem sei que fica longe do seu percurso de Vida, Caro/a Leitor/a. Mas para quem está por perto, proporciona um passeio bem sugestivo. A fonte está lindíssima. Ademais, agora, pintada. Tem uma água ótima. Muito fresca.

Perspetiva da Fonte. Foto Original. 2021.07.11.jpg

Para quem está longe, proporciono esta viagem virtual. Aprecie a arquitetura, singela, mas peculiar, apelativa, tradicional.

A bacia de receção da água e de colocação dos asados, simples, mas artística!

Bacia receção água. Fonte original. 2021.07.11.jpg

Há sempre, em qualquer localidade, uma fonte perto, mesmo nas cidades, por maiores que sejam.

Aliás, quanto maiores e mais opulentas as urbes, mais majestosas as fontes: a Fonte Luminosa, a Fonte Monumental, a Fonte da Boneca, a Fonte dos Amores, eu sei lá… a Fonte do Ídolo…  a Fontana de Trevi!

Na sua localidade qual a fonte que mais se destaca?!

Por aqui, pela Aldeia, eu evidencio esta, a Fonte do Salto! Nome original.

Perspetiva diferente. Foto original. 2021.07.11.jpg

Aventure-se e aprecie, SFF!

Pena não poder oferecer-lhe um copo de água num cocho.

Obrigado e muita saúde!

 

Sabe que planta é / são esta(s)? – XV

Ainda no Jardim da Gulbenkian

(Piquenique 1 de Agosto 2021 - III)

Roca da Velha. Foto original. 2021.08.01.jpg

O Jardim – Parque da Gulbenkian é um oásis em Lisboa.

Surpreendente a floresta criada no meio da Cidade. (A Praça de Espanha também está bastante diferente, mas ainda não deu para uma apreciação global e avaliativa. Mas, na questão de circulação automóvel, pareceu-me melhor. Mas ainda terei que ajuizar com mais atenção.)

Voltemos à Gulbenkian e apreciação do coberto vegetal do Jardim. Alguns aspetos de pormenor e outros de por maior. De algumas plantas conheço nome vulgar, de outras não. Nomes científicos, mais corretos, em latim, não conheço. Lamento!

A foto de capa: Roca da Velha

Imagem de por maior: Canavial, de Canas da Índia

Canavial Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Lantana

Lantana Gulbenkian. Foto Original. 2021.08.01.jpg

Roseira florida.

Rosa na Gulbenkian. Foto Original. 2021.08.01.jpg

Rosas muito bonitas existem no Roseiral da Gulbenkian. Mas perdem muito do fulgor dos roseirais, porque o arvoredo que limita o espaço a sul – sudoeste cresceu imenso e priva-as de luz solar. Digo eu… Jardim ou parque sem roseiral, não é jardim nem parque, em Portugal!

Azevinho

Azevinho. Gulbenkian. Foto Original. 2021.08.01.jpg

Acanto

Acanto. Foto Original. 2021.08.01.jpg

As imagens seguintes são de plantas cujo nome desconheço.

Jardim Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Sabe os respetivos nomes?!

Jardim Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Se souber, agradecemos que os nomeie, Se Faz Favor!

Jardim Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Obrigado. Muita Saúde. Bons Passeios e Passeatas. E Piqueniques!

 

Caril de Camarão e Arroz Basmati

Centro Interpretativo. Foto original. 2021.08.01.jpg

 

Piquenique no Jardim da Gulbenkian (II)

Afinal, o caril não era de gambas, mas de camarão. Correção feita!

 

Chegados ao Jardim para o piquenique, depressa os preconceitos voaram. O que mais havia era gente a piquenicar. As mesas junto aos eucaliptos estavam ocupadas, precisamente com pessoal a comer. Os bancos em redor, vários deles, em idêntica funcionalidade. Pela relva, também havia grupos, na função digestiva. Debaixo das sombrosas árvores, várias pessoas observei, comendo.

Um dos preconceitos: o “cesto do supermercado”. No final da visita, observaria um senhor, todo descontraído, com um desses cestos a tiracolo, onde levava o que sobrara do piquenicar que ele e a família haviam feito num dos bancos de cimento, debaixo dos eucaliptos!

Não tenho memória, se antes da eclosão da pandemia, era costume ver-se tanto pessoal a almoçar pelo parque. A hora de almoço costumávamos passá-la nessa função.

Comemos, piquenicando, divertimo-nos e tivemos direito a sobremesa, após termos arrumado os apetrechos, conforme foto do postal anterior. Não deixámos restos, nem papéis. Não demos nada, nem aos pombos, nem aos patos, que, gulosos, nos abordaram, enquanto comíamos. Seguimos as instruções que nos interpelam logo à entrada leste do parque, junto ao Centro Interpretativo Ribeiro Teles, conforme foto documental.

Instruções Parque. Foto original. 2021.08.01.jpg

 

Foi precisamente na gelataria que pedimos a sobremesa. Por mim, decidi-me por gelado de alfarroba, nunca havia provado. Gostei. Sou guloso! Mas também houve de morango e de chocolate. Para mim, triviais.

E houve direito a café, para quem quis, com ou sem açúcar! Em chávena. Havia quem não bebesse assim café, há imeeennso tempo! Na bandeja, levei-os para a sombra do exterior, que no espaço interior, apenas se podia ficar tendo o tal certificado. Devolvi a bandeja à origem, claro!

Passeata Jardim. Foto Original. 2021.08.01.jpg

 

Uma tarde muitíssimo bem passada. Passeata no jardim. Exercícios, à moda olímpica. Aproveito para felicitar os nossos atletas, os medalhados e os não medalhados, que também se esforçaram para tal.

Parque Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

 

O Jardim oferece excelentes sombras, nalguns locais, verdadeira floresta temperada, sempre bem irrigada. Ouve-se a passarada. Pareceu-me rouxinol, quando chegámos. Gaio também me pareceu no seu “grasnar”?

Candeeiro Joana Vasconcelos. Foto Original. 2021.08.01.jpg

 

Não me atrevi a visitar a exposição na galeria principal.

O candeeiro da “prima” Joana está exposto num dos átrios principais. É tão grande que não passa nada despercebido.

A fila para o museu manteve-se sempre crescida até depois das cinco, quando partimos.  Também não queríamos visitar. Já o fizemos por diversas vezes.

As esplanadas, a do restaurante do Museu e a do Centro Interpretativo, estavam cheias.

A quase totalidade do pessoal andava de máscara, aonde ela era devida. Nós, inclusive.

Casal Gulbenkian. Foto Original. 2021.08.01.jpg

 

No final da visita, encontrámos este casal, bem simpático. Entre oitenta e noventa. Com a devida autorização, fotografei-os. Não costumo colocar, no blogue, fotos com Pessoas. Mas não resisto a esta. Há sempre uma excepção, o que só confirma a regra.

Flor Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

 

Também fotos de plantas. Esta de uma plantinha minúscula. Para contrapor ao tamanho do candeeiro da “prima”! Há beleza e harmonia em toda a Arte. A natural e a humana, que “copia” a da Natureza?!

 

 

Piquenique no Jardim!

Gulbenkian, 1 de Agosto 2021

Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01. jpg

Ontem, 1 de Agosto de 2021, entrámos em espírito de férias. Olha, que grande admiração, ó meu! Dirá. Agosto é mês habitual de férias, vacanças, holidays…

Sem dúvida! Mas para quem está “reformado”, serão férias todo o ano… Todavia, fica sempre essa reminiscência. Mas, se para o núcleo familiar fundamental a situação habitual é essa, há quem tenha tido e irá continuar a ter, um ano de muito trabalho e compromissos. Por etapas, que vão sendo concluídas. Adiante…

Comida embalada. Foto Original. 2021.08.01. jpg

Resolvemos fazer algo diferente. E o quê?!

Já não íamos à Gulbenkian - Lisboa, há mais de um ano. Desde antes da pandemia. Aos domingos, costumávamos ir com alguma regularidade, desde há cerca de trinta anos!

As saudades de passear no jardim – parque, ainda mais de ir almoçar ao restaurante do Centro de Arte Moderna, são mais que muitas.

Mas o Centro está em obras, acabarão lá para 2022? E o restaurante reabrirá?! E o que será feito do Pessoal sempre tão simpático e atencioso?! (Saudações cordiais!)

Bem… E se fossemos fazer um pique nique no Jardim?! Ideia lançada no sábado e prontamente aceite em família.

Cantinho onde comemos. Foto original. 2021.08.01.jpg

Confesso que tinha algum preconceito, apesar de achar a proposta excelente. Como estaria o ambiente? A vivência humana? Será que pareceríamos uns extraterrestres?! E o que levar para comer? E como? E onde comer? Como abancar?!... Aquelas dúvidas que nos assaltam e moem, perante algo inusitado.

(E essa coisa da Covid?!)

 

Tomada a decisão, aceite, passámos à concretização.

O principal: a comida. Decidimos juntar dois em um. Encomendar no "Nepalês", que é como o nomeamos. Mas cujo nome de batismo é “Everest Montanha”!

Restaurante nepalês. Foto original. 2021.08.01.jpg

Um restaurante, com esta origem e comida condizente, situado na Avenida do Brasil – Lisboa. Apreciamos a paparoca. Caril de gambas, sem picante, que ao natural já pica. Arroz basmati, uma delícia. E pão. Um com alho! (Ai o Quim Barreiros!)

A comida a servir. Foto original. 2021.08.01.jpg

De véspera, havíamos aprontado os apetrechos: toalha, guardanapos, talheres, garrafas de água, recipientes para acondicionar os alimentos e sacos para levar a comida e acessórios. (Não queria levar um daqueles sacos das compras dos supermercados.)

Os apetrechos já após repasto. Foto Original. 2021.08.01.jpg

Bem! Ficaram algumas imagens ilustrativas e abordarei pormenores noutro postal.

Posso dizer que foi ótimo. Achámos um piadão. A comida era excelente. Comemos muitíssimo bem. Até tivemos sobremesa e digestivo.

 

(Aventure-se também num piquenicar num Jardim, perto de sua casa. Ou longe!)

 

Ah! E, neste dia muito especial, também tivemos o grato prazer de rever dois Amigos que não víamos, desde antes da eclosão da pandemia. O João e a Fatinha! Valeu!

 

 

Trabalhos de e pós férias... Pisa - Poemas

Para quem apanhou conchas na praia...

 

Foto original de D.A.P.L. .jpg

 

 

SOMOS MAR!

 

Trazemos em nós um Mar.

 

Corre o mar nas nossas veias. Nos percorre, nos irriga o corpo, os neurónios, os sentidos!

 

Nas nossas costas batem ondas. Quebram-se aos nossos pés. Marulham aos nossos ouvidos.

 

Sabe-nos o sangue a sal.

 

Cheiram-nos os cabelos a maresia.

 

Há em nós o apelo do Mar O chamamento donde proviemos O Início de que nascemos.

 

O mar nos traça os contornos, as formas, as enseadas, as falésias, os cabos e promontórios.

 

Faz correr os nossos rios!

 

Somos um mar circulando na Terra.

 

Somos Água, água mineralizada. Água do Mar.

 

Dois átomos de hidrogénio. E um de oxigénio. E cloreto… De sódio! E…

 

Somos água principalmente. Percentualmente.

 

Quase somos água. Quase! H2O + ClNa + … + …

 

Somos Vida. Do Mar Vinda!

 

Do Mar

 

Cais da Saudade

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D