Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Resiliência nos Profissionais de Saúde!

Reflexões a partir de afirmações de Doutora Marta Temido!

Questões Pertinentes – Perguntas Impertinentes?!

 

«Resiliência - … 3 (fig.) – Capacidade de defesa e recuperação de uma pessoa perante fatores ou condições adversos. (Do lat. resilientia …)»

In. Dicionário da Língua Portuguesa. 2011. Porto Editora. (pag.1384)

 

Como qualificar as afirmações de Sua Excelência a Senhora Ministra da Saúde, Doutora Marta Temido, sobre a questão da necessidade de resiliência por parte dos Profissionais de Saúde?!

Talvez do mesmo modo que atribuir qualificação a afirmações, de igualou teor ou semelhante, de Sua Excelência o Senhor Ministro do Ensino Superior, Professor Doutor Manuel Heitor, a propósito dos Médicos de MGF – Medicina Geral e Familiar.

 

Se há capacidade, competência de que os Profissionais de Saúde dispõem, à partida, é a da resiliência.

 

No respeitante a Médicos, que é a vertente que melhor conheço:

Basta observar o trabalho, as atitudes e comportamentos, dos jovens “aspirantes” a Medicina, ainda no Ensino Secundário, continuando no Superior.

E na vida profissional subsequente, em que todos podemos observar o modo de vida dos médicos, seja nos hospitais, seja nos centros de saúde e as competências que têm que dispor no exercício das respetivas funções.

 

(Importante seria que houvesse valorização do SNS - Serviço Nacional de Saúde, nas suas mais diversas vertentes, nomeadamente dos respetivos Profissionais.)

 

E que estes Senhores Ministros, ou quem lhes venha a suceder, equacionassem resolução para algumas questões candentes, nomeadamente:

Que o número de vagas para acesso às Especialidades corresponda ao número de

Médicos que se formam anualmente. Para que todos os profissionais tenham possibilidade de ter uma especialidade.

Criando especialidades em subsetores da medicina em que elas ainda não existem. Por ex. no âmbito das Urgências. (Digo eu…)

Abrir mais vagas em MGM – Medicina Geral e Familiar. Há tantas Pessoas sem Médico de Família! Então não será uma grande contradição que existam profissionais sem especialidade e tantos doentes sem médico de família?!

Abrir vagas noutros campos já existentes ou inovadores que me escapam, que sou apenas leigo no assunto, utente do SNS, paciente ou doente como qualquer um de nós.

Por outro lado, o Senhor Ministro M. Heitor também anunciou a abertura de mais Cursos de Medicina, concretamente em Évora, Vila Real e Aveiro. Logo haverá mais alunos formados, maior necessidade de mais vagas de especializações. Bem sei que isso será lá para as “calendas…”

Sobre os variados campos de Outras Profissões do ramo de Saúde, muitas mais questões haverá que equacionar. Que me escapam, que sou apenas leigo na matéria.

 

Caro/a Leitor/a conhece situações, aspetos importantes de resolver no campo da Saúde?!

Elas serão mais que muitas! (…)

Rosas de Cheiro. Foto original.2021.05.02.jpg

(Entretanto a Senhora Doutora já formulou pedido de desculpas. E fez muito bem. Só prova que tem bom coração! E que também é resiliente. Bem-haja e não se esqueça das minhas sugestões e de as transmitir ao seu colega Ministro. Que não nos falte a Saúde!

Saúde e Educação são dois campos fundamentais de melhoria das condições de vida de uma nação.)

Foto?! - "Rosas de Cheiro", no quintal. São de Maio. Mas, ainda anteontem, observei algumas na roseira. Bem lá no alto da planta!

 

Eleições antecipadas: 30 de Janeiro de 2022!

E, a seguir, um 31?! De Janeiro! "Um trinta e um"!?

Uns bitaites, umas metáforas, uns provérbios… e sondagens.

Questões pertinentes ou perguntas impertinentes?

Arco do bispo. Foto original. 2021.07.22.jpg

31 de Janeiro?! Até há uma rua, na “Cidade de Régio”, com a designação de “Rua 31 de Janeiro”, antiga “Rua dos Canastreiros”! Com a República e como forma de “condicionar/doutrinar” à causa republicana, muitas ruas, artérias e avenidas adquiriram outros nomes: Ruas ou Avenidas da República, de Cinco de Outubro é o que mais há por aí ... Em Lisboa, nem se fala. Mas essa “moda” ou imposição (?) foi reproduzida por todo o país.

E sabe a que ano se reporta esse 31 de Janeiro?! Pois, a 1891! Um trinta e um, a noventa e um!

Mas na Monarquia também os nomes das ruas identificavam o regime. A Avenida Almirante Reis era Dona Amélia. Qual seria o nome mais bonito, para a Avenida: Almirante Reis ou Rainha Dona Amélia?

Mas tudo isto a propósito do trinta e um e do trinta de Janeiro. E, a seguir... Um 31?!

Já o afirmei. Não concordo nada com estas eleições antecipadas. Fossem os interesses do país que norteassem os partidos e eles teriam deixado passar o orçamento. Como?! Abstinham-se, pura e simplesmente, os que votaram contra.

Só alguns?! Não! Todos! E o orçamento teria passado.

Se as afirmações de Sua Excelência, o Senhor Presidente, tiveram influência? O que acha?!

Quanto ao discurso de Sua Excelência, o Senhor Presidente, a 4 de Novembro, é com se costuma dizer: “Fala bem, mas não me alegra”! Que o Senhor Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa “sabe mais que o Mestre da Música”!

Agora já anda tudo num rebuliço.

E uma das “pragas” das campanhas eleitorais e pré-eleitorais, são as sondagens.

Mal foi decidida a data das eleições, logo a RTP1 apresentou uma. Pelo célebre pivot… dos Santos. Foi cá uma peroração!

Uma pergunta impertinente, melhor, várias perguntas impertinentes.

A escalpelização minuciosa, pormenor a pormenor, conjetura a conjetura, pergunta a pergunta, questão a questão, será notícia?! Será informação? Ou será, preferencialmente, propaganda, manipulação, condicionamento informativo e especulativo?!

O que acha, Caro/a Leitor/a?!

E por aqui me fico, que ainda faltam praticamente três meses até à concretização do ato eleitoral. Até lá, que haja paciência, benevolência e muita saúde! Sem Covid!

*******

A foto?! Não, não se reporta à Rua 31 de Janeiro. Não tenho nenhuma foto disponível. É Na "Cidade de Régio". É o "Arco do Bispo", antiga "Porta do Crato".

Não sei se será uma metáfora ou várias, sobre este nosso País. Precisamos de alguma "Luz ao fundo do túnel" ou do Arco, neste caso. Menos "terra queimada", como a que avistamos, ao fundo da imagem, na Serra. Da Penha. Mais portas que se abram ao futuro deste nosso querido e risonho País!

 

Sabe que Planta é esta? (XVI)

Sabe que planta XVI. Foto Original. 2021.08.02. jpg

Não sabe?!

Deixo-lhe algumas dicas.

Foi fotografada na Serra, da Cidade de Régio. Em 2 de Agosto de 2021, no decorrer de um “Passeio em Família”. É ainda uma planta muito jovem, a da foto, conforme se pode ver. Quando adultas, embora possam ser consideradas arbustos, podem fazer-se árvores de algum porte.

Agora, em pleno Outono, as Árvores desta família, adultas, estão carregadas de frutos. Vermelhos alaranjados.

São muito saborosos. Mas convém não abusar, não lhe apliquem o teste de alcoolémia, caso vá conduzir, após se banquetear.

Também existem muitas árvores deste tipo pelas Serras Algarvias. Têm fama esses frutos pelas “águas” que produzem. De Monchique?! Ardentes?!

... ...   ...

Já sabe o nome da Planta?!

Parabéns. E Obrigado pela sua colaboração.

Muita Saúde!

 

Almas Gémeas: Florbela e Maria João

“dialogando com… e glosando Florbela Espanca”

Rosas. Malvas rosas. Malvas sardinhas. Foto Original. 2021.04.29.

«EU

Eu sou a que no mundo anda perdida,

Eu sou a que na vida não tem norte,

Sou a irmã do Sonho, e desta sorte

Sou a crucificada… a dolorida…

 

Sombra de névoa ténue e esvaecida,

E que o destino amargo, triste e forte,

Impele brutalmente para a morte!

Alma de luto sempre incompreendida!...

 

Sou aquela que passa e ninguém vê…

Sou a que chamam triste sem o ser…

Sou a que chora sem saber porquê…

 

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,

Alguém que veio ao mundo pra me ver

E que nunca na vida me encontrou!»

 

Florbela Espanca, In. “Livro de Mágoas”

 

*******

«EU

Eu, em contrapartida, sei quem sou;

Poeta, fui-o sempre, a vida inteira,

Dos versos dedicada companheira,

Rocha, ou papoila, que do chão brotou

 

E, depressa demais, desabrochou,

Tomando a sua própria dianteira

Na caminhada junto à ribanceira

Em que o passo apressado a colocou,

 

Mas vive, agora muito lentamente,

Um tempo mais incerto e mais urgente

Que teima em não parar pr’a repousar

 

E que passa por ela e segue em frente,

Sem dar conta do mal que faz à gente

Que vai estando cansada de passar…»

 

“Maria João Brito de Sousa – 28.01.2016 – 11.00h”

*******

In. “Almas Gémeas – Maria João Brito de SousaFlorbela Espanca – pag.s 8 e 9

EUEDITO – www.euedito.com – 2016

Editor: Joaquim Sustelo

 

A propósito do Afeganistão… Guerras sem fim.

 Questões Pertinentes: Perguntas Impertinentes. Um tema recorrente.

E a propósito do Afeganistão, pouco percebo de geopolítica. Se quiser aprofundar sobre o tema, pode ler: Autoria de quem sabe.

Rosa Alexandria. Foto original. 2021.05.02.jpg

Não sabendo especificamente muito sobre o assunto, não deixo de ter alguma opinião, enquanto cidadão. Algo que observo de comum, no Afeganistão a outros países, referidos em postais anteriores, Síria, Iraque, Iémen, vários países africanos, é idêntica situação de base. Isto é, estes conflitos assentam em "guerras civis". Em que forças militares de países estrangeiros intervêm apoiando os contendores. De certo modo, projetando as respetivas rivalidades no grupo ou grupos que mais lhes interessam. Será uma forma simplista de equacionar a análise, reconheço. A ordem dos fatores não será sempre a explicitada anteriormente. Poderá ser o contrário. O fomento das guerras civis poderá ter partido do exterior, poderá ser simultâneo.

São conflitos que se eternizam e cujas soluções não têm final à vista. Porque o ódio cego que sustenta os beligerantes primários, os autóctones, não tem controlo. Porque os interesses de quem sustenta realmente as guerras, no interior e no exterior, não se esgotam. E só a respetiva continuidade e proliferação lhes interessa.

E a quem interessam as guerras?

A quem vive no terreno, nos países, nas aldeias, vilas e cidades, que tem a sua vida vulgar, como qualquer um de nós? Que o que pretende é poder acordar vivo, seguir ao seu trabalho, ou descanso, criar os filhos em segurança, ter os seus dias e horas de lazer, seguir as suas orientações religiosas, culturais, públicas ou privadas, os seus modos de vida e fazer uma vida “normal” de todos os dias?!

Obviamente que não!

Nem tenho bem a certeza que interesse realmente a quem ande de armas na mão, a disparar, mas também a estar sujeito a levar um tiro, a rebentar-lhe uma mina ou bomba, e partir desta para melhor.

Bem, a quem acredite que partindo desta maneira, encontrará uma vida melhor além-túmulo, talvez interesse. A quem ache que libertará o seu país da opressão de forças estrangeiras, também acredito. A quem ideologicamente se reveja na guerra, idem.

E o que alimenta as guerras?!

O armamento, sem dúvida.

E quem produz o armamento? E quem o distribui? O vende? O comercializa? Quem financia todas essas atividades em conexão?

Muito boa e santa gente, completamente insuspeita, no mais recôndito dos seus lares, no conforto dos seus gabinetes, dão ordens, com os instrumentos eletrónicos, financeiros, comunicacionais, mais sofisticados, para que essas guerras aconteçam a milhas dos seus paraísos, fiscais ou não. Enquanto, à beira das suas piscinas, na posse dos seus canais comunicacionais, olham, indiferentes, os milhares de afegãos, afegãs, sírios e sírias, iemenitas, africanos e africanas, clamando por um lugar num avião ou barco, em fuga desesperada para a Liberdade!

(Texto escrito também no Direito de Expressão da Liberdade!)

*******

Ilustração?! Uma foto original.

Uma rosa, simbologia de Paz! Nome sugestivo. Rosa de Alexandria, assim a conheço. Também designada Rosa de Damasco ou Rosa Damascena. Como a Paz, a rosa é bela, mas frágil. Mas, partindo da roseira mãe, é resiliente, vencendo as adversidades. É esse desiderato que almejamos para os Países onde a Paz é vacilante. Haja Saúde! E Paz!

 

COVID – 19: Ainda! Agosto 2021

Análise do Gráfico disponibilizado em “Visão Saúde” – 14/08/2021 – 19h.05´

(Evolução Linear)

Novos casos confirmados: Portugal atingiu e ultrapassou o número Um Milhão!

*******

Dados Fundamentais na Análise do Quadro:

26 Fev 2020: 1º caso de infeção confirmado.

19 Out. 2020: Portugal ultrapassou os 100 mil novos casos. 101.860 novos casos.

Desde que a “Epidemia” se iniciou em Fevereiro, até meados de Outubro, decorrem oito meses, em que houve um crescimento lento do número de novos casos, nesta 1ª fase de evolução da pandemia em Portugal

*******

17 Fev. 2021: 790.885 novos casos.

24 Fev. 2021: Portugal ultrapassou os 800 mil novos casos.

A curva, conforme se pode observar no gráfico, apresenta um crescimento acentuado e acelerado.

De meados de Outubro 2020 a meados de Fevereiro 2021, foram os quatro meses de maior ascensão de novos casos. De 100 mil passou-se para 800 mil novos casos! Nesta 2ª fase de evolução da pandemia em Portugal.

*******

8 de Julho 2021: 899.295 novos casos.

9 de Julho ultrapassou os 900 mil: 902.489 novos casos.

De meados de Fevereiro até princípios de Julho, cerca de cinco meses, o crescimento foi relativamente lento. A curva, digamos, esteve numa “fase de planalto”, como se pode observar no gráfico.

Consideramos, esta, uma 3ª fase de evolução da pandemia em Portugal?

*******

Em 14 de Agosto de 2021, atingiu e ultrapassou o milhão de casos: 1.001.118 novos casos.

Neste intervalo de tempo, sensivelmente um mês, de meados de Julho a meados de Agosto, a curva voltou a fase de crescimento acentuado.

Os casos aumentaram muito neste espaço de tempo de um mês.

Uma 4ª fase de evolução da pandemia em Portugal?

A tendência da curva e evolução das infeções, isto é, de novos casos, será de continuar o crescimento?!

Voltaremos ao assunto?!

*******

(Foto documental e original: Uma Rosa!

Rosa Estação. Foto original. 2021.05.02.jpg

Simbolicamente, um milhar de rosas, um milhão, para todos os Profissionais, que, em diferentes contextos e variadas atividades e diversificadas Profissões, têm contribuído com o seu labor, o seu saber, para debelar a “Pandemia”.

Obrigado!

 

Euro 2020 ou Euro 2021?!

Futebol, futebóis…e outros arrebóis

Se calhar, uma série de disparates desconexos!

 

Malmequeres. Foto original. 2021.05.jpg

 

Começo por referir que pouco percebo de futebol.

Gosto de ver alguns jogos.

Gosto que Portugal ganhe e que jogue bem.

Também gosto do Benfica.

Gosto que as equipas portuguesas ganhem às estrangeiras.

Embora, atualmente, cada equipa portuguesa seja tão ou mais estrangeira que as ditas como tal. Enquanto nas da estranja podem jogar mais portugueses que nas nacionais. Enfim… Questões da globalização e do mercado dos futebóis.

Que o diga Ronaldo, Rei Naldo dos futebóis, na estranja, que só jogou em equipa portuguesa, no início de carreira. Mas que é imprescindível e motor de combustão na nossa seleção.

E, sim, sou fã de Ronaldo, e desejo que ele bata os recordes que puder, neste Euro. (2020? Ou 2021?)

E, até agora, ainda não vi nenhum dos jogos.

Comecei por embirrar com o aproveitamento de "politiquices" das nossas “governanças”. A deslocarem-se para aqui e para ali, para verem os jogos…ao vivo e a cores. A cores?!

Numa fase em que a Vida de tanta e tão boa gente, está no preto e no branco. E, sim, não apenas por causa da Covid, mas também por isso.

Por isso mesmo se exigiria um pouco mais de recato.

E, amanhã, também não sei se irei ver o jogo com a Bélgica.

Que não quero presenciar o mesmo que ocorreu com o Uruguai, em 2018, no Mundial na Rússia. Vai fazer três anos (30/06).

Bye, Bye, Uruguai”, poesia que escrevi, inspirado no universo futebolístico.

 

E, a propósito de Poesia, a SCALA, hoje, vai organizar a Tertúlia “Poesia à Solta”. Desejo tudo do melhor aos Tertulianos e Scalanos. Muita Saúde. Que a Poesia é sempre engrandecida!

 

Voltando aos futebóis… Euro 2020 ou 2021?!

Também não conto ir a Sevilha. Nem percebo, no contexto em que vivemos, que haja gente importante e bem pensante (!), que pense nisso.

Ir a Sevilha?!

Se for… não se esqueça, de levar castanholas. E trazer caramelos… (Isso era antigamente, e era de Badajoz!)

Também não entendo este modelo em diversos países. (Herança de Platini?! Ora bem…) Deambular de seleções, ademais com a Covid, outras jogando em casa… E público nos estádios… Bem sei que futebol sem público, nem é bem futebol! Mas, e a Covid?!

E também discordo que o “Reino Unido” nestas coisas de desporto esteja dividido. Unido para umas coisas, desunido para outras. Eu percebo. São resquícios ainda do “imperialismo britânico”.

E fico por aqui. Euro 2020 ou 2021?!

E que Portugal ganhe, claro.

(Foto: um campo pleno de bem-me-queres! Que a seleção nos proporcione um dia assim belo, como este campo de malmequeres. Ou bem-me-queres?!)

 

Os Cardos são Nardos na Primavera!

Hino à Vida! 

Cardos com vista para a Cidade. Foto original. 2021.05.11. jpg

 

Os cardos são nardos na Primavera.

Lá vem o Estio, lá vem o Verão…

Cada tempo, seu tempo, sua era

Cardos floridos não sei onde ‘stão!

 

A Vida foi… já não é como era

O Destino tem sina, tem condão

O presente vai, futuro não espera

Que o passado volte de roldão.

 

Cardos e nardos só por ironia

Imagem poética, direi eu

Flores tão diversas no dia-a-dia

Primavera, Verão, ar que lhes deu.

Viva a Vida! Viva a Poesia!

Dirá a corola ao gineceu.

 

 

Os Cardos são Nardos!

Cardos floridos na Serra. Foto original. 2021.05. jpg

 

Os cardos são nardos

Os cardos são nardos

Nesta Primavera.

Mas…

Lá vem o Estio

Lá vem o Verão

E os cardos floridos

Não sei onde estão…

Não sei onde estão!

 

Este “poemeto” em verso livre, desestruturado e liberto de quaisquer “amarras” formais ou de conteúdo, escrevi-o há algumas décadas. Tê-lo-ei escrito em suporte de papel, mas não sei onde. Lembro-me, de cor, de alguns dos versos, estes que apresento.

É acompanhado de fotos de “Cardos Floridos”, que na Primavera poderão poeticamente sugerir Nardos, em jeito de metáfora.

E Saudades que já temos da Primavera, ademais esta, em que esteve tudo florido e verde quase até Junho!

 

A partir destes versos vou “construir” um outro poema, estruturado formalmente. Duas estrofes já estão concluídas. Publicarei noutros postais.

 

Caro/a Leitor/a, não quererá também elaborar uma quadra a partir das frases “Cardos são nardos” ou “Cardos floridos”?!

 

Aventure-se, SFF!

 

(P.S. – Afinal, depois de já ter este texto escrito, pronto a publicar, lembrei-me de onde teria o poema total sobre o tema dos “Cardos são nardos”.

Consultei-o, tem mais estrofes do que eu me lembrava e irei publicá-lo, mas apenas depois de ter concluído o poema que me propus criar de novo. Guardei-o, para não me sentir influenciado.)

 

1ª Viagem de transporte público, neste “Mundo Covid”

“Mundo Zombie, com máscara”

Passados os tempos de reclusão mais acentuada, só hoje voltei a andar de transporte público, que não andava para aí desde Fevereiro ou inícios de Março, quando começou esta coisa de Covid.

Reclusão forçada. Verão. Trabalho e foto originais. 2020.03.jpg

Voltei a locais aonde não ia há mais de um ano. Imensa gente. As aulas ainda a funcionar, logo muitos jovens em grupos. Pode-se dizer que anda toda a gente de máscara. O Metro cheio. Muito, muito trânsito automóvel. Muito movimento.

Julgava que tinha dois bilhetes num cartão. Aparentemente tinha, só que não eram daquele “servidor”.  Não sei de que transporte serão. Obriguei-me a sair na estação seguinte, comprar novo bilhete, aguardar novo metro e seguir. Claro, já cheguei atrasado à reunião. Também foi o primeiro convívio de grupo alargado em que participei. Tudo segundo os conformes da pandemia, regras gerais e específicas cumpridas.

 

De regresso, usei o mesmo bilhete, conforme estabelecido, o bilhete dá para uma hora. As carruagens ainda mais cheias. Regresso(s) múltiplos e diversos às periferias da periferia. Tudo de máscara.

 

Já a meio do percurso entram os vigilantes do metro. Entram, mas não atuam. Com o comboio tão cheio, cheio, é mais sensato não conferir bilhetes. Argúcia experienciada. Ultrapassada a estação mais central, aonde saíram, quiçá, dois terços dos passageiros, carruagens bem folgadas e livres, começaram então a verificar os títulos de transporte. É melhor assim, não vá o “diabo tecê-las”. E olhem que eles eram dois corpanzis, mas não quiseram arriscar o cabedal ou, no mínimo, foram sensatos.

 

Concluída a viagem, voltei à rotina: supermercado, que fica em caminho.

 

Conclusão desta viagem: Se já antes e muitas vezes nas multidões de gentes, eu achava que vivia num “mundo zombie”, agora julgo cada vez mais andar num “mundo zombie com máscara”.

 

Nota marcante: os jacarandás estão exuberantes! Mas não levei telemóvel, não tirei fotos.

 

A imagem?! Trabalho realizado no ano passado, Março, durante a “Reclusão forçada”. Faz parte de um conjunto de quatro, quatro estações(?), e este representará o Verão, quase, quase a chegar.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D