Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Os Cardos são Nardos na Primavera!

Hino à Vida! 

Cardos com vista para a Cidade. Foto original. 2021.05.11. jpg

 

Os cardos são nardos na Primavera.

Lá vem o Estio, lá vem o Verão…

Cada tempo, seu tempo, sua era

Cardos floridos não sei onde ‘stão!

 

A Vida foi… já não é como era

O Destino tem sina, tem condão

O presente vai, futuro não espera

Que o passado volte de roldão.

 

Cardos e nardos só por ironia

Imagem poética, direi eu

Flores tão diversas no dia-a-dia

Primavera, Verão, ar que lhes deu.

Viva a Vida! Viva a Poesia!

Dirá a corola ao gineceu.

 

 

Os Cardos são Nardos!

Cardos floridos na Serra. Foto original. 2021.05. jpg

 

Os cardos são nardos

Os cardos são nardos

Nesta Primavera.

Mas…

Lá vem o Estio

Lá vem o Verão

E os cardos floridos

Não sei onde estão…

Não sei onde estão!

 

Este “poemeto” em verso livre, desestruturado e liberto de quaisquer “amarras” formais ou de conteúdo, escrevi-o há algumas décadas. Tê-lo-ei escrito em suporte de papel, mas não sei onde. Lembro-me, de cor, de alguns dos versos, estes que apresento.

É acompanhado de fotos de “Cardos Floridos”, que na Primavera poderão poeticamente sugerir Nardos, em jeito de metáfora.

E Saudades que já temos da Primavera, ademais esta, em que esteve tudo florido e verde quase até Junho!

 

A partir destes versos vou “construir” um outro poema, estruturado formalmente. Duas estrofes já estão concluídas. Publicarei noutros postais.

 

Caro/a Leitor/a, não quererá também elaborar uma quadra a partir das frases “Cardos são nardos” ou “Cardos floridos”?!

 

Aventure-se, SFF!

 

(P.S. – Afinal, depois de já ter este texto escrito, pronto a publicar, lembrei-me de onde teria o poema total sobre o tema dos “Cardos são nardos”.

Consultei-o, tem mais estrofes do que eu me lembrava e irei publicá-lo, mas apenas depois de ter concluído o poema que me propus criar de novo. Guardei-o, para não me sentir influenciado.)

 

1ª Viagem de transporte público, neste “Mundo Covid”

“Mundo Zombie, com máscara”

Passados os tempos de reclusão mais acentuada, só hoje voltei a andar de transporte público, que não andava para aí desde Fevereiro ou inícios de Março, quando começou esta coisa de Covid.

Reclusão forçada. Verão. Trabalho e foto originais. 2020.03.jpg

Voltei a locais aonde não ia há mais de um ano. Imensa gente. As aulas ainda a funcionar, logo muitos jovens em grupos. Pode-se dizer que anda toda a gente de máscara. O Metro cheio. Muito, muito trânsito automóvel. Muito movimento.

Julgava que tinha dois bilhetes num cartão. Aparentemente tinha, só que não eram daquele “servidor”.  Não sei de que transporte serão. Obriguei-me a sair na estação seguinte, comprar novo bilhete, aguardar novo metro e seguir. Claro, já cheguei atrasado à reunião. Também foi o primeiro convívio de grupo alargado em que participei. Tudo segundo os conformes da pandemia, regras gerais e específicas cumpridas.

 

De regresso, usei o mesmo bilhete, conforme estabelecido, o bilhete dá para uma hora. As carruagens ainda mais cheias. Regresso(s) múltiplos e diversos às periferias da periferia. Tudo de máscara.

 

Já a meio do percurso entram os vigilantes do metro. Entram, mas não atuam. Com o comboio tão cheio, cheio, é mais sensato não conferir bilhetes. Argúcia experienciada. Ultrapassada a estação mais central, aonde saíram, quiçá, dois terços dos passageiros, carruagens bem folgadas e livres, começaram então a verificar os títulos de transporte. É melhor assim, não vá o “diabo tecê-las”. E olhem que eles eram dois corpanzis, mas não quiseram arriscar o cabedal ou, no mínimo, foram sensatos.

 

Concluída a viagem, voltei à rotina: supermercado, que fica em caminho.

 

Conclusão desta viagem: Se já antes e muitas vezes nas multidões de gentes, eu achava que vivia num “mundo zombie”, agora julgo cada vez mais andar num “mundo zombie com máscara”.

 

Nota marcante: os jacarandás estão exuberantes! Mas não levei telemóvel, não tirei fotos.

 

A imagem?! Trabalho realizado no ano passado, Março, durante a “Reclusão forçada”. Faz parte de um conjunto de quatro, quatro estações(?), e este representará o Verão, quase, quase a chegar.

 

Glosas com Rosas (III)

“Sabores da minha cozinha”!

Rosa. Foto original. 2021. 04. jpg

 

Rosa, não te chames rosa

Se da rosa tens ciúme

Belo é o teu jardim rosa

Lugar do mais belo perfume

 

Esta é a quadra criada por Margarida, detentora do blogue “Sabores da minha cozinha”.

Aí, são apresentados vários pitéus, variados doces, perdição dos gulosos, como eu.

A estruturação do postal inclui uma descrição da iguaria, a especificação dos respetivos ingredientes, o modo ou modos de confeção e preparação, nomeadamente o tradicional.

Todo este processo é acompanhado de sugestivas fotografias originais e autenticadas.

 

O que falta?!

O que falta mesmo é só a possibilidade de degustação dos acepipes.

 

Margarida também nos brinda com excelente Poesia, partilhando Poetas consagrados: Mia Couto, Miguel Torga…

 

O/A Caro/a Leitor/a fará o favor de navegar, apreciar e ajuizar.

Boas degustações, com muita saúde.

Não abuse dos doces, SFF.

https://saboresdaminhacozinha.blogs.sapo.pt/

 

Glosas com Rosas (II)

“Cheia” e “Sociedade Perfeita”

 

Após alguns dias sem possibilidade de publicar, volto ao tema das “Glosas com Rosas”.

Hoje, à quadra criada por Cheia”.

Rosas. Foto original. 2018. 05. jpg

“Dá picada dolorosa”

Muito bonita e airosa

Tem perfume, e é uma rosa

Uma flor amorosa!

 

“Cheia” é um dos blogues criados por José Silva Costa, que, além deste, tem também “Sociedade Perfeita”.

São dois blogues que circulam nestas plataformas comunicacionais, com acerto e regularidade e que têm “Gente” dentro. Neles, perceciona-se o lado humano, que importa realçar na comunicação, mesmo virtual.

Aí perpassam histórias de Vida: “Vidas”, “Amor & Guerra”.

Também Poesia.

“Vidas”: Relatos de experiências supostamente ficcionadas, mas em que a vivência do seu Autor está nelas plasmada.

O Alentejo do Sul interior, quase serra algarvia, dos finais de cinquenta, princípios de sessenta, da vida de crianças e famílias nessa época; a vinda e a vida em Lisboa de um jovem marçano e a sua sede e senda de progresso. (…)

Amor & Guerra”: o início da guerra do Ultramar, em Angola. A experiência ou inexperiência de um jovem soldado, aí desembarcado… As peripécias desenroladas, o Amor…

Bem… fica muito por contar, nem esse é o meu propósito.

 

A leitura das narrativas compete-lhe a si, Caro/a Leitor/a.

Aventure-se! Avalie por si mesmo. Não se sentirá defraudado/a.

Obrigado pela sua atenção!

 

Glosas com Rosas (I)

Poetaporkedeusker

Os últimos postais tenho-os dedicado à Poesia!

Caro/a Leitor/a, a divulgação da Poesia foi um dos motivos principais na criação deste blogue.

(Um ligeiro desvio no raciocínio… Já reparou a quantidade de postais em que já não falo da pandemia, nem sequer apresento a etiqueta “Covid 19”? É saudável!)

Voltando ao teor principal da narrativa.

Rosa e Malvas Rosas. Foto original. 2021. 04. jpg

Quando publiquei as duas quadras do texto poético, no penúltimo postal, sob o títuloTem perfume, é olorosa”, Maria João Brito de Sousa, de “motu próprio”, criou uma quadra, a partir do último verso da minha segunda Daí lhe vem azedume”.

 

Achando a ideia original, passei a propor às Pessoas que comentaram o postal, que criassem também uma quadra a partir de um verso, das duas que eu divulgara.

CheiaeMargarida tiveram a amabilidade de responder à sugestão.

Logo pensei como lhes agradecer aos três…

Para esse fim, resolvi publicar um postal para cada uma das criações.

 

Hoje, neste postal, apresentamos em destaque a quadra de Maria João Brito de Sousa:

 

“Daí lhe vem azedume”

Porque inda que frágil sendo,

Ganhou a rosa o costume

De tentar-se ir defendendo…

 

 *******

Mª João Brito de Sousa tem vários blogues, entre os quais:  Poetaporkedeusker 

 

É o blogue que tem mais ativo, onde praticamente todos os dias patenteia a sua classe inexcedível de poetar, na estrutura formal e de conteúdo mais perfeita de “respirar” Poesia: o Soneto!

Aventure-se a navegar e avalie por si. SFF!

Obrigado pela sua atenção e amabilidade.

 

/… rosas de perfume…/

Duas Quadras soltas nunca vêm sós!

Duas Quadras e uma Sextilha ou Duas Quadras e Dois tercetos?  

Rosa rosa. Foto original. 2021. 04. 29. jpg

 

Rosa, não te chames rosa

Se da rosa tens ciúme

Por a rosa ser formosa

Pela rosa ter perfume.

 

Tem perfume, é olorosa

Do espinho tem queixume

Dá picada dolorosa

Daí lhe vem azedume.

 

Rosa, não sejas vaidosa

Que vaidade é vaga-lume

Lá por rosa bem cheirosa

Não ardas em qualquer lume

Nem te faças caprichosa

Que ciúme é negrume!

*******

E ainda... SFF. Obrigado!

Sabe que planta é esta (V)?

E em que Castelo está implantada?!

Planta. Castelo Sesimbra. Foto original. 2019. 04. jpg

Esta é uma pergunta de genuína ignorância. Na verdade, eu também não sei, nem conheço esta extraordinária planta. Nunca tinha visto, até à data, tal exemplar herbáceo (?), com floração tão peculiar. Nascida nas muralhas de um castelo de uma Vila piscatória, a sul do Tejo.

Foto tirada há cerca de dois anos, também neste mês de Abril, de 2019. Num passeio pelos castelos de que Portugal possui excelentes testemunhos por todo o País.

São também os meus Votos de Excelentes Festividades Pascais, neste enquadramento tão peculiar em que se devem processar, uma vez mais neste ano.

Muita Saúde! Feliz Páscoa!

Sabe-que-planta-e-esta VI? 

Sabe que planta é esta (III)?

Glicínia. Foto Original. 2019. 04. jpg

Volto a este registo de identificação das plantas. Esta é uma trepadeira, que deve ser bem antiga.

Encostada a uma casa, certamente também cheia de história(s).

Numa localidade também ela repleta de História.

Sabe em que localidade?! Posso dizer que fica Além Tejo. (Não se esqueça que estamos no blogue Aquém-Tejo!)

É uma Vila muito visitada, antes desta coisa da Covid. Estivémos lá em 2019. Também já aqui apresentei fotos da mesma.

Hei-de organizar um postal específico.

Até lá, ou até próximo postal. Com muita saúde. Resguarde-se, apesar de tudo. Que andam por aí uns malucos a negarem o vírus e a espalhá-lo, que é o que fazem.

Mas ninguém tem mão neles?!

 

Adiafa de Poesia – 1986 (I)

Sala Experimental do Teatro D. Maria II – Lisboa - Portugal

 

Já abordei no blogue, pelo menos uma vez, a realização deste evento de natureza poética, de divulgação de Poesia, realizado no final de 1986, Dezembro, no Teatro Nacional Dona Maria II, em Lisboa – Portugal.

Uma rosa rosa. Foto original. 2020. 01. jpg

A partir do Diário de Notícias, de 23/12/1986, 3ª feira, quando saía o DN Jovem, transcrevo parte da notícia sobre o acontecimento, citando Manuel Dias, Jornalista do referido Diário matutino e autor da reportagem.

 

«No Teatro D. Maria II

Trinta e cinco poetas entraram em cena nos primeiros quatro dias da Adiafa, que prosseguirá na sexta-feira (às 21 e 45) e no sábado e domingo (às 16 e 30) na Sala Experimental do Teatro D. Maria II, em Lisboa. A iniciativa, que visa divulgar a poesia de autores consagrados e iniciados, é da responsabilidade do actor-declamador João d’Ávila, em colaboração com «DN Jovem», «JL», Assírio e Alvim («Anuário de Poesia») e Centro Nacional de Cultura.

A condução das sessões (quinta, sexta, sábado e domingo) evidenciou a extraordinária capacidade de João d’Ávila para estabelecer a comunicação entre as pessoas, mas concedeu talvez ao lado humano das questões uma projecção mais acentuada do que esperávamos. Feito este pequeno reparo, só justificado pelo desejo de que a Adiafa possa ter ainda melhor nível, é preciso dizer que se assistiu a bons momentos de poesia e a curiosos apontamentos de comunicação, teatralidade e testemunho de vivências.»

(…)

«…nomes dos que leram ou deram a ler poemas seus…

Sexta-feira – José Silva Teixeira, Cecília Rodrigues, Paulo Garcia, Luís Graça, Joaquim António Oliveira, Vitor Perdigão, Zé Manel, Domingos Galamba e Armindo Silva. (…)»

In. Diário de Notícias Jovem 1986/12/23 (3ª Feira)

 

Notas Finais:

A notícia é acompanhada com fotos de vários intervenientes.

(Negritos, de minha lavra.)

Eu participei na 6ª feira, 19 de Dezembro, de 1986. (Pseudónimo: Zé Manel)

Que poema(s) terei lido? Li mesmo ou dei a ler a João d’Ávila?

Não me lembro. Tentarei ainda pesquisar em apontamentos meus… Mas já lá vão quase quarenta anos…

Alguns poemas que escrevi em 1986…

Caminhadas

Ícaro

Um pouco mais...

Fachada

Somos Mar

 

Foto? Original. Um botão de  Rosa, sinal de Poesia e de Primavera, que vem aí!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D