Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

“Gomorra” - 3ª Temporada: ‘Quem com ferros mata…’

Série Italiana

 

Episódios 2, 3 e 4 e mais alguns episódios… E final!

 

 

(Notas Iniciais:

 

Caro/a Leitor/a

Estive vários dias com dificuldades de aceder ao trabalho com o computador.

Também não pude visualizar todos os episódios.

Todavia sobre alguns deles escrevi.

Por isso não pude deixar de publicar, apesar de tarde…

Espero que venha a gostar!)

 

*******

 

2º Episódio: Negócios…

 

Em Roma, Genaro trabalha de perto com Gégé, contabilista, gestor financeiro, motorista, seu braço direito e pau para toda a obra. Investe no imobiliário.

Com o sogro na prisão trata-lhe dos negócios.

 

E por negócios, sempre se lançou no mundo e encetou negociatas com um hondurenho, Joaquin, que se deslocou de jato privado a Roma, com a mercadoria, que se calcula o que será!

Face aos obstáculos colocados por outros negociantes, Genaro e esse tal de Joaquin não estiveram com meias medidas. Armam-lhes uma cilada num supermercado, onde os fazem matar a tiro, por uns capangas que se ausentam, após o trabalho efetuado.

Genaro e Joaquin encarregam-se de os arrastar para o açougue, onde os cortam aos bocados, como se fossem porcos ou vitelos, colocando os pedaços em sacos de plástico. Gégé faz as limpezas do chão e vomita na casa-de-banho, que ele é uma alma sensível e não é pessoa para carnificinas. Ainda tem que filmar Joaquin ameaçando possíveis concorrentes e mostrando a cabeça de um dos assassinados num saco plástico. (!!!)

Em seguida, ensacam esta nova ‘mercadoria’ em malas de viagem que irão lançar para o fundo de um lago.

 

Enquanto o sogro esteve na prisão, Genaro foi-lhe tratando dos negócios. Ao seu jeito, com a ajuda de Gégé.

Saído o pai de Azurra para prisão domiciliária, teve o genro que lhe prestar contas, não sem antes avisar Gegé, como gestor financeiro, de que ele deveria engrandecer a riqueza acumulada, omitindo o que Geny terá lucrado para si mesmo.

Mas o velho não é nada parvo e ficou desconfiado desde o início, naquele universo ninguém confia em ninguém e nem ele sabe da missa metade. Apertou com Gégé, após ter ameaçado o respetivo namorado e a filha e o contabilista vomitou novamente, desta vez que Genaro enganava o pai da mulher, seu sogro e avô do seu rebento.

E, por enquanto, para Genaro estas são duas garantias de que dispõe: a mulher, Azurra e o filho, Pietro, seus seguros de vida. Que, de contrário, a vida dele não valia um chavo!

Mas o sogro já está a par de tudo, das transferências que faz e de como os anda a enganar a todos: napolitanos e romanos.

 

Em Nápoles, Patrizia é contactada por um apaniguado de Scianel, que está presa, (afinal o Estado sempre intervém, digo); é-lhe pedida ajuda para ela procurar e interceder junto de Marinela, a ex-nora da antiga traficante de bairro, para que a jovem intervenha com um depoimento para libertarem a ex-sogra.

Patrizia que vive pobre como sempre, e o que quer é uma vida honesta para si e para os irmãos, com quem não pode contatar, informa Genaro que irá interceder, na condição de este arranjar emprego decente para o seu mano, que cuida das irmãs e que desempregado corre o risco de as crianças lhe serem retiradas pela assistência social e ela nunca mais as ver. (Repito, afinal o Estado age, contrariamente ao que eu tinha mencionado no 1º episódio. E também naquele meio há pessoas que o que querem é viver honestamente e não se iludem com riquezas e grandezas.)

Apesar de todos os pruridos e com o apoio e ajuda de Genaro, Patrizia vai à procura de Marinela, que acha num cabeleiro e que agora se chama Irene e tenta seduzi-la com uma mala com trinta mil, agora, trinta mil futuros, quando se concretizar o desfecho.

Veremos no que darão estes desfechos, e de como os entrementes se transformarão em tantos e quantos!

 

3º Episódio: Libertação

Culpa, Expiação, Arrependimento

 

Este 3º episódio, de 5ª feira, dia 4, foi fundamentalmente dedicado a Ciro de Marzio.

 

Não ‘vive’ nem “trabalha” em Itália, nem quer negócios com italianos, ademais napolitanos. Pelo desenrolar da narrativa vai-se percebendo que ‘trabalha’ num País de Leste, dos Balcãs. Ainda pensei na Bulgária, mas deduzo que seja na Macedónia.

Dedica-se aos negócios mais problemáticos e horrendos: tráfico de mulheres, melhor, raparigas albanesas e heroína. Pelo meio, dinheiro falso.

Os esquemas hediondos e habituais: confiscação dos passaportes às moças; completo isolamento, na verdade, prisão domiciliária em casas degradadas, de onde expulsaram os moradores; exercício de ‘atividades’ em discotecas…

Ele, cada vez mais transfigurado, aquela cara de fuinha barbuda; cumpre e expia a sua pena fora da prisão, que, como disse a Genaro, não tem perdão.

 

Mladen, certamente um natural do país, é o seu sócio neste negócio, que perante o seu comportamento tão inabitual face ao contexto, lhe diz não o perceber. “Não bebes, não fornicas, vives numa pocilga que até enoja putas albanesas, tens medo dos teus conterrâneos. Desaparece! Não consigo ver o que o meu pai vê em ti!”

E este comportamento de Ciro, cada vez mais desesperado e fora de si, leva-o sempre mais fundo na sua expiação, que só lava com sangue.

 

Face a um negócio gorado em que se percebeu traído e tramado pelo sócio, não se ficou no meio termo.

 

Com atos de maestria, face ao ambiente criminoso em que sempre viveu, cada vez mais tresloucado, dirige-se ao ginásio do pai de Mladen, após uma conversa sem sentido, mata este, os outros adultos presentes e em seguida dirige-se ao apartamento do filho, onde ele se snifa e se prepara para ‘desfrutar’ de uma albanesa, mata-o também e aos seguranças que o guardavam.

Uma carnificina! Sem dó nem piedade.

 

Para exercer um supremo ato de redenção, de ‘justiça’, a seu modo, que de outra maneira a Justiça não funciona, ademais naqueles territórios e naqueles contextos e enquadramentos!

 

Retirado o passaporte da rapariga, de entre os que estavam confiscados, pouco importa que ela seja Ana e que o que ele tenha trazido seja de Elvana, ou o contrário; pega nela, mesmo nua com as roupitas debaixo do braço, entretanto ela veste-se, empresta-lhe o casaco, passam a fronteira da Macedónia para a Albânia, assenta num restaurante de comida rápida, contempla-a a comer com gosto, que muita fome há de ter passado, dá-lhe um maço de notas e um telemóvel e deixa-a no seu país, cumprindo assim talvez uma promessa a si mesmo.

 

A seu ver, tê-la-á libertado, ter-se-á sentido, de certa maneira, algo redimido, menos culpabilizado!

 

Que não pode esquecer-se que ele se acha culpado da morte da filha e aquelas raparigas, tão novas, só lhe poderão lembrar a sua, morta na segunda temporada às mãos de Mallamore, vice de Dom Pietro Savastano.

Mas por sua culpa, por seu pecado!

 

4º Episódio

'Quem com ferros mata…'

Os filhos que regressam a casa.

 

(Neste episódio a narrativa estruturou-se de forma mais complexa.)

 

Marinela sujeitou-se a alterar o depoimento de que resultou a libertação de Scianel, aliás Dona Annalisa.

Patrizia serviu de intermediária, entregando-lhe o dinheiro restante.

Annalisa vem afogueada da prisão, desejosa de retomar o negócio de bairro que detinha, às ordens de Genaro, com quem volta a negociar, estabelecendo-se a quota e a percentagem de cada um. Nenhum confia no outro. Patrizia intermedeia e aconselha, novamente.

 

Ciro regressa encapotado, afinal sempre esteve na Bulgária, como me pareceu, pela Igreja Ortodoxa que surgiu nalgumas imagens.

Também quer recomeçar o negócio. Contacta o napolitano que fora à Bulgária, mas cujo trato ficara sem efeito, devido a terem levado dinheiro falso. Este é o neto do “Santo”, pelos vistos um emérito contrabandista de outros tempos. Enzo, assim se chama o neto, compõe uma trupe de jovens “esfarrapados”, cheios de genica para se lançarem no mercado, mas falta-lhes uma cabeça, um chefe que os comande, um ‘condottieri’ que os oriente nas batalhas. A oferta/pedido foi feita a Ciro.

Este é um general que precisa de um exército. Para entrar na guerra.

A ver vamos, que no final do episódio ele aparece naquela sua pose de desesperado…

 

Genaro está na mó de cima. Poderoso, mas sempre inseguro que estes ‘generais’ vivem em constante sobressalto, como no antigo Império.

Tem plena consciência que o sogro, agora solto, o quer apanhar.

Espera o célebre carregamento do hondurenho, que virá de barco.

Informa Gégé do facto, do onde e do quando. Barco “Esperanza”, bonito nome. Bandeira do Panamá.

Como veremos, dá-lhe informação falsa, pois uns quantos ‘soldados’, a soldo de Avitabile, este é o nome do sogro, vão ao molhe mencionado, hora e local determinado, mas nada de droga!

Entretanto já Genaro, com outros dois rapazes do seu bairro natal, recolhia o material no alto mar, entrando terra adentro por um braço de rio ou canal.

Acondicionado o produto em local isolado, depressa negoceia com calabreses desconfiados, mas com quem chega a acordo.

 

Quando Gégé regressa, de noite, a casa, nela à espera tem Genaro.

Não é preciso dizer ao que o chefe ali estava, nem como foi a admoestação do patronato.

Entregue o relógio, penhor de confiança familiar que Dom Pietro dera a Gégé, quando este se formara, foi com ele no punho, a fazer de soqueira, que Genaro deu em Gégé até lhe desfazer completamente a cara.

Não sabemos se o deixou morto, se quase.

Um verdadeiro mastim, este Genaro.

Lavadas as mãos, segue a sua vida, triunfante, rumo ao negócio combinado com os calabreses.

Mal sabe ao que irá!

 

Entretanto o sogro, Avitabile, já quase sufocara a própria filha, que, de facto, a raptara da casa do genro antes que ela fugisse, conforme Genaro lhe recomendara.

Genaro foi ao negócio, sim, foi ao negócio…

Mas também foi ao engano, com os seus dois jovens amigos.

No local do encontro combinado, mais uma vez se fez cemitério, local de morte. Os dois amigos aí ficaram estendidos.

E Genaro não ficou, porque tem os seguros de vida de que falei no capítulo anterior: Azurra, a mulher e Pietro, o filho.

Mas foi raptado, levado sob ameaça de arma, para outro local, julgo que uma propriedade isolada do sogro, onde uns seus capangas dele fizeram saco de pancada, nada que ele não tivesse já feito a outros.

Ficou um monte de carne amassada, ouviu ainda do sogro, que não suja mãos nem pés com sangue, que não o queria ver nem pintado fora de Nápoles, apenas no seu bairro natal, Secondliano, que todo o negócio da droga pertencia ao grupo de Avitabile, que ao hondurenho executaram com a mesma sentença que ele a outros fizera, cabeça cortada, e, a ele, Genaro, só não lho faziam, por causa dos seguros de vida!

E que o havia denunciado às finanças, anonimamente, sobre as empresas falsas e testas de ferro, para que fique sem um tostão.

(Tem sido assim que, apesar de tudo, a justiça italiana tem conseguido entrar nalguns destes esquemas criminais.)

E foram mesmo depositá-lo ao seu bairro natal.

 

Aonde também já chegara, desterrado e desiludido, Ciro.

Recomeço e nova parceria?!

 

(Entretanto já Avitabile ameaçara a própria filha, Azurra, sobre a hipotética e eventual possibilidade de Genaro a procurar. Que a tal acontecer e jurou “pela Virgem Maria”, mais uma vez a tal religiosidade exacerbada e supersticiosa, jurou que cortaria a cabeça ao genro.)

 

Como se depreende, a carnificina irá continuar.

 

(E eu que nas duas temporadas anteriores não me propusera de escrever…)

 

 

*******

Restantes Episódios…

 

A série nesta fase está quase a acabar a 3ª temporada. Na passada 6ª feira, dia 12/01, já decorreu o nono episódio. Presumo que sejam dez.

Destes episódios anteriores não vi vários.

Apenas visualizei o sétimo e o nono.

Com base no que observei, alguns dos aspetos sugestionados em episódios anteriores verificaram-se.

 

Ciro tomou conta daqueles jovens em busca de um chefe e conduziu-os a um mundo em que se sentem uns senhores.

Organizados e dirigidos por Enzo, estruturaram todo um negócio de distribuição do ‘material’, um exército de lambretas, levando o ‘produto’ ao domicílio dos clientes, como se fosse uma qualquer telepiza.

Intitulam-se “Sangue Azul”, não sei se por alguns dos chefes estarem ligados a uma qualquer nobreza italiana.

Mas entram em choque com outros traficantes já instalados, “Os Confederados” e a coisa deu para o torto.

 

O esquema habitual: ameaças, agressões, negociatas, mortes, assassinatos pelo meio.

 

Genaro chegou ao seu bairro napolitano feito num trapo. Voltou-se para Ciro, foi fazendo dupla com este seu compincha e reergueu-se, pronto a enfrentar o sogro, Avitabile.

 

Encontra apoio na mulher, Azurra, com quem quer recomeçar, encontra-se secretamente com ela, numa cave dum cinema. Pretende reatar os laços familiares e criar o filho.

E criá-lo para quê?!

 

E a propósito de criação…

A irmã de Enzo, também com um filho, Casimiro, um adolescente, desejoso de copiar o tio e os amigos, mas ela não quer que ele siga as pisadas do irmão. "Que ele sairá do bairro e irá estudar…"

Mas foi assassinada, enquanto experimentava um vestido e telefonava para o filho, preocupada com o que ele andaria a fazer.

Enzo, numa de vingança, é este o modus operandi desta gente, acaba por ser ele também ferido, enquanto atirava sobre um dos capangas principais dum grupo rival e dominante na zona em que concorriam no tráfico. (Don Edoardo, “O Charmoso”.)

Casimiro, ele também ferido, psicologicamente, por estes golpes de morte, resolve lançar-se também na aventura do crime.

E é vê-lo, na motoreta com outro amigo, ambos de pistolas aos tiros, pelas ruas da cidade, no final do 9º episódio.

 

E é assim a série.

Morrem uns. Renascem outros. A violência é como uma hidra de sete cabeças.

Cortam uma, nascem sete.

 

Aguardemos o décimo episódio.

 

(Mas ou eu esteja enganado ou acho que a série, apesar do investimento nela feito, não teve assim um impacto tão forte como teriam esperado.

Digo eu!

E eu também sou sincero. Gostei, mas não foi das minhas preferidas. Embora ache que ela é super, demasiado, realista.

E a propósito…

Quando se equacionarão políticas realistas para tratar estas problemáticas das drogas de um modo diferente?!

Que a forma como o assunto é tratado, deveras complexo, é certo, não tem resolvido de nada o problema.)

 

*******

 

Afinal a Série teve 12 episódios.

 

Nos três episódios finais, 10º, 11º e 12º, ocorridos dias 13, 14 e 15 de Janeiro, concluíram-se alguns aspetos que vinham sendo aflorados anteriormente.

Ciro afirmou-se como verdadeiro chefe e mentor do grupo de jovens criminosos dirigidos por Enzo,Sangue Azul”. Sempre irmanado com Genaro.

Os conflitos com os grupos já instalados “Os Confederados” são permanentes.

A mão vingadora de Avitabile, sogro de Genaro, pai de Azurra, avô de Pietro, está sempre presente. Os crimes de todos e de cada um são mais que muitos, mortes e mais mortes.

Guerreiam-se, fazem acordos, cobram e pagam dívidas uns aos outros. Traem-se, na primeira oportunidade!

Patrizia intermedeia entre os vários grupos.

Scianel, Dona Annalisa, aspira a ser “Rainha de Secondliano” e fazer de Patrizia a sua Princesa. Denuncia, bajula, trai, na mira de alcançar os seus objetivos. (Acabei por não perceber o que lhe aconteceu.)

Azurra e o filho, Pietro, são negociados e trocados, para que Genaro fique com eles, após entregar vultuosíssima maquia em dinheiro.

Em todas estas trocas e baldrocas entre os vários grupos e interesses em confronto, sempre o papel de Patrizia.

A desconfiança, a traição, o ódio, os sentimentos maus, sempre presentes.

Os interesses, que os sentimentos bons não contam.

Dividem territórios para exploração dos negócios das drogas.

Teoricamente, chegaram a um acordo que satisfaria todas as partes.

Mas, mal puderam, todos traíram esse suposto e selado acordo.

 

No final, Ciro cumpriu o seu destino intuído.

Praticamente ofereceu-se como vítima, como cordeiro a ser imolado, sacrificado, em vez do seu alter-ego, Genaro. E foi este que, perante a ordem de Enzo, ainda que contrariado, disparou sobre Ciro e o matou, concluindo assim a respetiva expiação que ele vinha vivendo, desde que matara a própria mulher e deixara que lhe matassem a filha querida.

 

E a série terminou assim com a imagem de Ciro, baleado, e a escorrer sangue, a afundar-se e a descer nas águas para o lodo da baía de Nápoles!

…   ...   ...   ...   ...   ...   ...

 

E fica muito por contar?! Muitíssimo?!

 

Ora se fica!

 

*******

 

Como grupos dominantes, para uma futura, eventual e hipotética 4ª temporada, que não sei se haverá ou valerá a pena equacionar, que não sou visto nem achado, também não digo que me entusiasmaria muito, pois não foi de todo uma das minhas séries preferidas…

 

Mas não deixo de sintetizar que, do que observei, Genaro voltou à mó de cima, apesar de debilitado, digo eu, pela morte do verdadeiro amigo, Ciro. A mulher, Azurra, também o colocou de espada à parede, que ou ele abandonava aquela vida e se iam embora dali, Nápoles, ou ela o abandonava a ele. (Seria um ponto interessante a explorar, futuramente.)

 

O gangue “Sangue Azul” conquistou a independência e também ficou como um grupo relevante.

 

De entre “Os Confederados” as cabeças foram todas cortadas, Don Rudgero, de forma macabra, por dois irmãos, que ocupavam lugares subalternos naquelas hierarquias criminais, mas, desse modo, terão ascendido às cúpulas. (Não lhes fixei os nomes.)

 

(Não me apercebi bem o que aconteceu a Patrizia nem a Scianel, nem outros personagens menores.

Também não se perde nada com isso!

 

E volto ao que já frisei anteriormente.

 

Quando se equacionarão, oficialmente, políticas realistas para tratar estas problemáticas das drogas de um modo diferente?!

Que a forma como o assunto é tratado, deveras complexo, é certo, não tem resolvido de nada o problema.)

 

 *******

(Nota Final:

Caro/a Leitor/a

Espero que tenha gostado!

Ah! E não se esqueça que recomeçaram "Uma Aldeia Francesa".)

gomorra-3a-t-veneno-que-mata

gomorra-o-ressurgimento

gomorra-serie-rtp2-reposicao

serie-italiana-na-rtp2

 

“Gomorra” - 3ª T. - 'Veneno que mata'

 

3ª Temporada

Séries Europeias

Série Italiana

Nápoles e Vesúvio in. pt.dreamstime.com

A RTP 2 inicia este novo ano de 2018, logo no segundo dia, com uma série que entra na sua 3ª temporada: Gomorra.

 

(No dia um, também apresentaram um excelente filme cuja ação também decorre em Nápoles: “Reality”. Também do realizador do filme “Gomorra”: Matteo Garrone.

Uma metáfora da vida real e de como um aspirante à participação no “Big Brother” italiano, “Gran Fratello”, de nome Luciano, frustrado pela sua não seleção, mas sempre convicto que iria participar mais tarde ou mais cedo, molda e adapta toda a sua vida segundo essa expectativa, a ponto de se alienar da realidade e viver em função dessa aspiração e sonho. Que, pelo que li, se baseia num facto real. Ironias do Destino em que a ficção e o mundo virtual comandam o real!)

 

Em Gomorra também realidade e ficção parecem não se distinguir.

Todo um veneno que corrói cada personagem. E é o veneno que os leva a matar mesmo os familiares mais chegados.

 

No final da 2ª temporada, Dom Pietro Savastano fora morto por Ciro de Marzio, a mando do filho daquele, Genaro Savastano, Genny, numa ação muito para além da assunção do controle do “território” do pai. O príncipe que quer o poder do rei, assumir o seu papel, um vinho envenenado bebido duma tragédia grega ou dum drama shakespeareano.

Personagens transfigurados, Ciro e Genny, aliados, vestidos de negro, barbas crescidas de luto por Dom Ciro, como corvos buscando carniça, irão dividir entre si o território dos negócios associados às drogas?

Ciro “agarrado” a Nápoles?

Genny, de visão mais alargada, prepara-se para se lançar em mais aventuras além de Roma.

Outros mais poderosos, que não sujarão tanto as mãos na carniça, Dom Anillo, acompanhado dos netos e Dom Eduardo Arenella, negoceiam com Genaro a divisão territorial.

Lembram a emergência do controle da zona norte de Nápoles, agora desguarnecida da autoridade de Dom Pietro e do seu clã: um exército dedicado ao crime, subitamente sem chefe.

Comentam os bairros mais rentáveis…

Todo um clã sediado num território que “governa” a seu bel-prazer, segundo leis e regras próprias, como se fossem os antigos príncipes dos reinos italianos.

 

Das autoridades estaduais, do Estado Italiano, nem vislumbre de ação!

 

Ambiente de ação da narrativa: os bairros degradados ou as modernas construções sem qualidade onde moram os cidadãos, todos vivendo à volta do mundo dos negócios ilícitos, consumidos no vício das várias drogas, que querem espalhar e alargar a outros horizontes.

De parte da população, pelo menos na série, não se percebe um qualquer contestar da situação. Pelo contrário, ainda agradecem quando os “Dons …” arranjam “trabalho” para os maridos ou filhos.

Aceitam como natural um modo de vida em que sempre se terão encontrado.

 

Os chefões da droga, pelo menos os que vivem em Nápoles fazem questão de viver nesses mesmos bairros, aonde também estão mais protegidos, como no seu feudo; em casas exteriormente tão ou mais degradadas que as dos seus soldados, clientes e apaniguados, mas interiormente extremamente luxuosas. De um luxo mais ou menos sofisticado ou cabotino, conforme a sua ascendência social e cultural.

 

Genaro faz questão de viver em Roma, também em luxuosa moradia, mas moderna, sofisticada e bem situada na capital. De onde controla os seus negócios, que pretende expandir e alargar, a partir do porto de Nápoles.

Agora, pai de um recém-nascido, aliás supremamente extremoso, marido exemplar, preocupado com a família e apaixonado, dialoga com a esposa sobre as suas ações, o ser mandante da morte do próprio pai. A mulher aceita com calma naturalidade a situação.

(A prisão do seu próprio pai, por denúncia de Genaro, o marido, já víramos que por ela também fora facilmente incorporada no seu modo de vida habitual. Como se fosse a coisa mais natural deste mundo.)

E responde-lhe a moça, que ainda não lhe fixei o nome: “Agora somos só nós, Genaro. É isso que importa!!”

 

E o que importa também realçar é que o seriado, pelos vistos, tem tido sucesso, que os produtores se arriscaram numa nova temporada. Estes enredos sobre crimes são quase sempre bastante apelativos!

 

Ainda e para terminar os comentários sobre o conteúdo genérico da trama, frisar a típica religiosidade dos personagens.

Uma prática supersticiosa, cheia de fausto e aparato, em que se destacam os funerais e as procissões. Estas são oportunidades para ver e ser-se visto, encenações de expiação pública dos pecados assumidos, de maceração dos corpos, mas também ocasião para ajustes de contas, trágicos e aterradores. Estes são lições, exemplos e mensagens, para a comunidade!

Sempre presente o Culto da Morte, oportunidade para exacerbar esse modo de cultivar a religião!

 

Gomorra-serie-rtp2-reposicão

Imagem - in. pt.dreamstime.com

Crime? Ou Castigo?

Séries Europeias na RTP2

 

Diz o ditado que se volta sempre ao local do crime. Ou ao local em que fomos felizes…

Ou, o bom filho à casa torna…

 

Na RTP2, após as excelentes séries que foram sendo transmitidas, baseadas em temáticas europeias

 

gomorra. in rtp2.png

Após Gomorra, de que não vi o derradeiro episódio, presumo que a família Savastano, como que terá ressuscitado. Exceto Imacolata, claro…

 No final do penúltimo episódio, Gennaro, que aparentemente ficara morto, começou a mexer os dedos.

O pai, Pietro, que na prisão de alta segurança já parecia um morto vivo, um velho de chinelos a aguardar a morte num asilo, quando foi transferido, num golpe combinado para a sua libertação, transfigurou-se, ganhou vida e pareceu voltar aos velhos tempos.

Terá sido assim?! Terão os Savastano tomado conta dos negócios?!

Negócios?!

Não sei. Não vi o último episódio, só posso imaginar.

E não vou ver na internet, há certamente esse recurso disponível, mas recuso-me a pesquisar. Prefiro imaginar como se terá processado o hipotético desenlace final…

Terá ficado tudo em aberto como noutras séries?!

 

Na finalização desta série, repetiram a mini, designada Anna Karenina, baseada no livro homónimo de Leão Tolstoi.

Apenas revi o 1º episódio, já vira os episódios na 1ª transmissão, e também não tinha muita paciência para rever aquela atração fatal, daqueles amores românticos contrariados e vilipendiados socialmente, numa época em que casamentos eram supostamente eternos, adultérios repudiados.

E aquele puxar para o destino final e fatal da heroína que se suicida debaixo do comboio, símbolo máximo do progresso, à época.

(Lembremos que a ação ocorre em 1870, segunda metade do séc. XIX, na Rússia czarista, e na Germania, durante a guerra franco – prussiana, ainda antes do nascimento da Alemanha enquanto Estado unificado, sob a égide da Prússia vitoriosa, em 1871.

Unificado?! A História parece repetir-se? Não? Sim?

Em 1990, foi a reunificação, esclareça-se a questão do prefixo. Sendo que o prefixo foram duas Grandes Guerras Mundiais: a I e a II! Para além da chamada “Guerra Fria”.)

 

Scheherazade. Pintura séc. XIX, de Sophie Anderso

 

Depois desta mini, série, iniciaram outra também italiana, baseada nas 1001 Noites, de que vi também apenas parte do 1º episódio, pois a minha TV prega-me destas partidas. Começa a transfigurar as imagens, que se desfazem como se fossem elementos pictóricos de uma tela impressionista, desvanecendo-se gradual mas eficazmente, ficando apenas as cores, arco-íris desfeito, até que desaparece na totalidade qualquer cor, qualquer imagem. Resta apenas escrito um recado: sem sinal!

E deste modo não vi sequer esse 1º episódio completo em que a bela Sherazade contava as suas estórias dos seus amores com Aladino, como forma de escapar à morte anunciada pelo seu carrasco, o próprio Aladino disfarçado? Bem, não sei, como querem que saiba se depois não tive mais oportunidade de ver TV?!

 

Certo, certo, é que em cada fatura da EDP, lá vem um montante da taxa do audiovisual.

Até já escrevi, melhor, enviei um mail, para o Provedor do telespetador… a referir que pago a taxa e, de vez em quando, estou impedido de ver TV. E, como eu, estão milhares de telespetadores por esse país fora, que eu sei que estão!

Bem, mas nós nesta croniqueta, estamos a falar de ficção e não da realidade.

 

Seguidamente, na semana passada, a RTP2 apresentou dois excelentes filmes documentários da N.G.C., sobre os assassinatos de dois presidentes americanos: Lincoln e JFK. De realizadores de referência e também com excelentes atores.

“Killing Lincoln”, com narração de Tom Hanks e “Killing Kennedy”, em que o ator principal é Rob Lowe.

Vi apenas o segundo. Não vi o primeiro, mas não foi devido à TV. Não vi, porque não pude, por outras razões.

Deixo as ligações:

https://www.google.pt/ lincoln

segundos-que-mudaram-a-america

 

Nesta semana, na 2ª feira dia 20 de Julho, iniciaram um documentário “Mares e Oceanos”, de 2008, da TV Valenciana. Também muito interessante, é um género de temas que muito me agradam, mas de que já se têm visto muitos programas diversificados, em diferentes canais, desde os tempos de J. Cousteau.

 

E eu pensando que não haveria mais séries, quando me surpreendem com um “Coração das Trevas”, “Heartless”, embora ache que a série seja originária de um país nórdico, pela língua que ouvi no pouco tempo que tive paciência para seguir algumas cenas. Não percebi bem de qual, pois decididamente este género não faz a minha onda.

Temas em que o enredo supostamente se desenrole à volta de almas do outro mundo, vampiros, mortos vivos, zombies, bruxarias, fantasmagorias diversas, e afins, não são a minha praia. Não aprecio, não gosto, não vejo!

Gosto de ver filmes, embora consciente de que estou a ver ficção, mas em que há um substrato de realidade. Se as narrativas se baseiam ou documentam casos reais, embora ficcionando como sempre acontece num filme, então tanto melhor! Por isso é que apreciei especialmente as séries que têm vindo a ser transmitidas.

 

Borgen in RTP2.jpg

 

Desde que, por acaso, comecei a ver Borgen. E que me prendeu ao écran, a ponto de, sempre que me é possível, continuar a rever os episódios que estão a ser repetidos aos domingos, pelas 22h.

E, no domingo passado, dezanove de Julho, ocorreu um dos episódios que mais me tocaram. Aquele em que os media invadiram vergonhosamente o espaço completamente privado e mais sagrado a que qualquer cidadão, ainda que desempenhando cargos públicos, tem direito. A vida da filha da protagonista. Que foi exposta no seu lado mais frágil, já que a adolescente está em sofrimento, tratando-se de doença psiquiátrica e foi exposta da forma e do modo como as cenas mostraram. Regredindo no tratamento e com todas as consequências que se seguiram.

No desenlace do episódio, a protagonista conseguiu encontrar uma solução feliz. Interromper temporariamente as suas funções políticas, para se dedicar ao tratamento da filha.

Solução original e moderna, provavelmente só possível em Democracias avançadas. Mas precursora de hipotéticos casos a eventualmente acontecerem no futuro.

Aliás, para quem não possa valorizar o poder dos media em influenciar os comportamentos dos cidadãos, refira-se que a Dinamarca teve, pela primeira vez, uma mulher como Primeiro-Ministro, após esta série de grande êxito. Coincidências?!

E fazendo um pouco de cusquice, termo comum das duas jornalistas louras, só louras… do elenco, esta Primeiro-Ministro é a célebre dita cuja, que tanto furor causou nas redes sociais, no decurso das cerimónias do funeral do aclamado Nélson Mandela, por causa do celebérrimo Presidente Obama! Que até a querida Michelle ficou incomodada!

 

Sobre o papel imprescindível em Democracia, mas por vezes perigoso, da Comunicação Social, o 4º Poder, será um tema que iremos sempre abordando, direta ou indiretamente, nestas postagens.

 

Ainda a propósito da separação entre o privado e o público das figuras públicas e das eventuais ou reais consequências do que os media veiculam sobre as mesmas, principalmente quando elas estão fragilizadas, ainda hoje, precisamente, as redes noticiam um acontecimento ocorrido com uma figura pública nacional a que não terá sido alheia essa situação…

 

E já que pegamos em canais televisivos…

Muitas vezes me questiono para que nos serve termos dois canais privados que se copiam, por vezes mal e… Transmitindo programas indigentes, do mesmo tipo, à mesma hora, cronometrados até na publicidade enganosa, nas vergonhosas chamadas de valor acrescentado para encherem o bolso das operadoras de telecomunicações, com novelas que até no nome se repetem… E baseando-me no que também foi veiculado recentemente, agora até vão programar a realização de duas novelas ao mesmo tempo, no mesmo espaço geográfico?!

Falta de imaginação, diga-se, pese embora o cenário seja amplamente merecedor, é certo!

 

Mas é este o País que temos!

 

E terminamos a crónica que, como sempre, é longa de mais.

 

Obrigado, a quem tenha paciência para me ler até ao fim!

 

E, aproveito e peço desculpa pelo abuso, mas publicito também o que é meu!

Até porque já temos saudades da nossa querida capitã Laure Berthaud e dos seus Mosqueteiros! E temos tantas perguntas para lhes fazer... Mas ficam para outra ocasião.

E passe a publicidade.

serie-italiana-na-rtp2

desenlace-final-da-5a-temporada

sérieseuropeias-na-rtp-2-

borgen

Gomorra: Série Italiana na RTP2

gomorra. media.rtp.pt.png

 

A saga das séries europeias continua na RTP2. E ainda bem!

Depois de séries dinamarquesas, francesas e uma espanhola, chegou a vez de uma série do país transalpino.

 

De nome sugestivo: Gomorra.

Remetendo-nos, pelo título, simultaneamente para dois registos trágicos.

 

Aparentemente para o episódio bíblico de Génesis 19, embora com um cariz diferente. Provavelmente reportando-se para a subjacente noção de castigo e expiação, face aos incomensuráveis crimes relatados no livro, no filme e, agora também na série, numa sociedade, aparentemente, sem remissão possível. Inevitável esse castigo? Improvável?! Implacável?!

 

“Então o Senhor fez chover enxofre e fogo do Senhor, desde os céus…”

In Génesis, 19, 24.

 

Prioritariamente para a sua analogia com o conceito, o modus vivendi, que de facto retrata e descreve: Camorra. Mas que não terá sido conveniente explicitar tão claramente no título da obra.

 

A série baseia-se no enredo do livro com o mesmo título, escrito por Roberto Saviano, em 2006.  Que é uma “viagem ao império económico e ao sonho de domínio da máfia napolitana” - Camorra, onde o escritor se infiltrou como jornalista. Livro que foi vencedor do Prémio Viarregio.

E por cuja publicação foi o escritor perseguido e ameaçado de morte, tal qual Salman Rushdie. Vive em parte incerta, oculto e com escolta policial permanente.

Porque no livro chamou as coisas pelos nomes, designando os intervenientes e os locais de ação e denunciou a situação vivida especialmente no sul de Itália, mas com braços em toda a Península e tentáculos pelo mundo fora.

Apesar de no título do livro não figurar o nome exato da entidade retratada, o respetivo conteúdo explicita-o totalmente. Daí a perseguição de que o escritor ainda é alvo. A subsequente mediatização do livro, do filme e agora da série, apesar do seu sucesso, não abrandaram essa perseguição. O autor continua “jurado de morte” pela máfia napolitana, protegido por sete guarda-costas em dois carros blindados. Recentissimamente cancelou viagem ao Brasil, por não considerar ser segura essa ida.

 

Deste livro já fora produzido um filme com a mesma designação, em 2008, realizado por Matteo Garrone. Com vários prémios: David di Donatello, melhor filme; Satellite Awards; prémio da crítica, em Cannes.

 

Posteriormente o seriado, agora a passar na RTP2, na habitual 22ª hora.

 

City of Naples with Mount Vesuvius at sunset. In w

“…

Íamos a caminho do Vesúvio. De súbito, surgem os vulcões com cores escuras. O Vesúvio é verde. Observando-o de longe, parece um manto infinito de musgo…”

In pag. 43, do livro citado.

 

“ …

E o monstro adormecido por longos anos, subitamente vomitou enxofre, expeliu terra ardente, línguas de fogo… Vociferou hiroshimas do futuro…

E do cume escorreu lava ardente pelas encostas, até ao vale. E nos céus subiu uma nuvem mortal de fumo, de pedras-pomes e cinzas incandescentes, que rapidamente se espalharam pelas planícies circundantes. Assentaram nas cidades e taparam com um manto de toneladas de um pó acre, ardente e venenoso, todas as vidas em redor.

E gases raivosos brotaram das faldas da montanha, que como que sucumbiu aos estrondos das explosões de bombas de napalm e hidrogénio, sobre a planura estendida até ao mar.

E um calor abrasador, de milhões de fogos, ardeu e queimou todo o ser vivente à sua volta.

E Pompeia e Herculano, e quantos nelas moravam, homens e animais, ficaram soterrados nos escombros dos tetos abatidos entre as paredes. E ficaram dormindo, eternamente, o sono dos justos. (…) ”

Excerto de texto apócrifo, atribuível hipoteticamente a algum dos Plínios, o Moço ou o Velho.

 

Erupção do Vesúvio 1817 - William Turner - The British Art Center

 

 

Mas que tem tudo isto a ver com o enredo da série?!

 

Pois, se puderem e quiserem fazer o favor, passe a publicidade, vejam-na!

 

Avaliem o nível de desumanidade de todas aquelas personagens principais. Personagens?

 

Leiam o livro e poderão aprofundar e ter ainda outra perspetiva mais assombrosa do respetivo enredo e conteúdo.

 

gomorra-estreia-na-rtp2

gomorra-3a-temporada-quem-com-ferros-

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D