Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Que aconteceu ao Jardim na Cidade?!

Questões Pertinentes – Perguntas Impertinentes – Antes de Vinte e Cinco! 

Bem te Queremos, Liberdade!

Bem me queres. Foto original. 2021. 04. pg

A pergunta, titulando o postal, poderá ser encarada numa perspetiva genérica e questionar sobre a efetiva e na prática quase inexistência de “Jardins nas Cidades”. Na verdade, e atualmente, o que os decisores políticos criam, nas nossas cidades, são parques.

Jardins, jardins, persistem alguns mais antigos, nalgumas das nossas localidades.

Jardim Feijó. Foto Original. 2021. 04. jpg

Mas esta pergunta é mais específica. Reporta-se a um jardim peculiar que havia num enquadramento entre prédios, de uma rua no Feijó, Cidade de Almada: (Foto anterior).

Peço-lhe Caro/a Leitor/a que faça o favor de ler um postal antigo que escrevi no blogue, em 18/11/2014, bem no princípio destas narrativas internáuticas e que intitulei precisamente Um Jardim na Cidade – O Jardim de Dona Vanda”.

Pois, que aconteceu a este singelo e peculiar Jardim?!

Passei por ali recentemente, já neste mês, já por ali não passaria há mais de um ano, e constatei que foi transformado no espaço de parque que documento fotograficamente.

(O antigo Jardim ficava no espaço entre os dois prédios, a meio da fotografia seguinte. Correspondente ao espaço da foto anterior.)

Parque Feijó. Foto Original. 2021. 04. jpg

No conjunto, todo aquele espaço foi valorizado. O que ali estava era uma espécie de buraco, nas traseiras de várias urbanizações e agora há um espaço arrelvado, arborizado, caminhos de fácil percurso pedestre, um jardim infantil. Globalmente, houve melhorias, não tenho quaisquer dúvidas.

Parque Infantil. Foto original. 2021. 04.jpg

Mas não teria sido possível manter o pequeno e modesto Jardim, integrando-o no contexto global do parque?! Digo eu…sei lá!

E para quando deixarem de arrelvar, e construírem efetivamente jardins?! Jardins de “flores”, com roseirais, arbustos autóctones, que floresçam nas épocas próprias.

Sempre os espaços de relvas. Manutenção cara, muito gasto de água e… para que servem?!

Já sabemos! Para que os/as modernos/as chiques levem os canídeos a defecar. Que até tirei fotos, precisamente no local do dito jardim. Que não mostro, evidentemente.

O que vale é que a Natureza floresce sempre, como provam as papoilas e os bem-me-queres!

Papoilas no Jardim. Foto original. 2021. 04. jpg

Porque é que os nossos políticos, da nossa Democracia, decidem sempre de cima para baixo, não contemplam as decisões tomadas de motu próprio pelas populações?! Só pensam em nós para votarmos. Daí tantas vezes o desinteresse…

Estas são exclusivamente opiniões minhas.

Que era possível, viável e desejável que, embora construindo aquele parque, se mantivesse o Jardim, era! Espaço ajardinado, bem peculiar, simples, natural, trabalhoso, traduzindo o espírito de Cidadania de quem o idealizou. De quem o construiu, criou, manteve, sustentou de água que faltava, de espécies bonitas e florescentes que, na altura própria, coloriam aquele canto meio abandonado a que davam Vida! Era possível manter, sim!

E é ou não importante que os “nossos” políticos atendam também às vontades dos Cidadãos nestas pequenas e também grandes coisas e causas?!

E estarei ou não a exercer um dos Direitos fundamentais que o 25 de Abril nos proporcionou?

Jardins e Rosas!

Para desanuviar de Covid!

Rosa de Alexandria. Foto original. 2019. 05. jpg

“Gardens and Roses”

Rosa Encarnada. Foto original. 2020. 04. jpg

Entrámos ontem, 23h., novamente em confinamento. Esperemos que o nº de casos novos diminua. Que os dados de hoje apontam para mais de seis mil!

(Ontem, ao final da tarde, princípio da noite, o trânsito provindo de Lisboa, na direção sul, era imenso. Quererá dizer que muito boa gente saiu para aproveitar o fim de semana alargado? Quando regressarão? Esperemos que não aumentem os casos!)

Rosa Vermelha. Foto Original. 2020. 04.jpg

Pondo um pouco de lado estas questões de Covid e, para descontrair, publico um postal dedicado a jardins e rosas.

Botão de Rosa de Santa Teresinha. Foto original. 2020. 01. jpg

Já tenho abordado que nos nossos jardins e parques faltam roseirais.

Rosas de Santa Teresinha. Foto original. 2020. 05. jpg

(Rosas de Santa Teresinha)

Temos um clima magnífico, pelo menos no Sul, no Centro e mesmo na maior parte das regiões do Norte. Em Portugal, as roseiras dão-se muito bem e florescem durante quase todo o ano, embora os meses de exuberância sejam Abril e Maio, auge da Primavera.

Rosa Salmão. Foto original. 2019. 05. jpg

 

(Em Portugal, há algumas dezenas de anos, virou moda arrelvar quase tudo quanto é espaço de parques e jardins. É importante, mas a relva exige muita manutenção, imenso gasto de água. Faz sentido haver esses espaços livres, mas podiam deixar crescer a vegetação herbácea natural, cortando-a periodicamente e deixar seguir o curso habitual das estações. Poupava-se imensa água!

E, vendo bem, como estão atualmente a ser usados os espaços relvados, verdejantes?! Observe com atenção, SFF, e veja bem onde coloca os pés, caso entre nesses espaços, há alguns anos tão convidativos para se correr e brincar com as nossas crianças…)

Deixemos estas considerações e voltemos às rosas.

Rosa. Foto original. 2019. 05. jpgRosa. Foto original. 2019. 05. jpg

São, na quase totalidade, do quintal, plantadas por mim, a grande maioria, a partir de bacelos que vou obtendo nos mais diversos lugares por onde passeio. Algumas roseiras deram-mas, caso da que se segue, de rosas brancas. (As roseiras das duas rosas anteriores, comprei-as.)

Rosa Branca. Foto original. 2019. 05. jpg

Rosa Branca. Foto original. 2020. 05. jpg

A seguinte, designo-a por Rosa de Cheiro, exatamente pelo perfume. É de roseira que colhi no campo, é de uma matriz bem antiga. Não sei se até não se desenvolveria mais ou menos espontaneamente nos campos. Desfolha-se com imensa facilidade, mas é extremamente olorosa e propaga-se com imensa facilidade.

Rosa de Cheiro. Foto original. jpeg

Todas as rosas anteriores são compostas. A que apresento a seguir é singela. E não é do meu quintal. Estava no Jardim da Gulbenkian, junto ao Centro de Arte Moderna. (Que saudades!) Também existem exemplares desta roseira no setor norte do jardim, perto da entrada do Museu e da Sede da Fundação. (Destas roseiras, colhi alguns frutos que semeei.Tenho um exemplar no quintal. Também já floriu.)

Rosa Singela. Gulbenkian. Foto original. 2020. 01. jpgNa Gulbenkian também há um roseiral, plantado na ala sudoeste do Jardim. Tem exemplares bem bonitos. Está bem direcionado ao sul e exposto ao sol, protegido a norte, pelo edifício da sede. As árvores que delimitam o espaço a sul, tendo crescido imenso, cerceiam-lhe bastante a exposição solar.

Roseiral Gulbenkian. Foto original. 2020. 01. jpg

E por rosas, termino com a foto de uma rosa, cor de rosa-claro. A roseira mãe foi obtida por enxertia que fiz de uma roseira cor de rosa, numa roseira brava, de cor branca, que serviu de porta enxerto.

Rosa rosa. Foto Original. 2020.10. jpg

E... bom fim de semana! Confine-se, SFF!

Solar dos Zagallos - Almada

FESTA no SOLAR

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015.jpg

 

Almada é uma Cidade com uma vida cultural excecional e dotada de variados equipamentos para diversificados fins ou para esse fim adaptados.

Com diversos eventos, distribuídos ao longo do ano, por diferentes locais da cidade, desde o desporto, de variadas modalidades, ao cinema e teatro, à música, literatura, poesia, ciência, festivais, empreendedorismo, recreação, lazer, artes plásticas, dança…

É uma verdadeira Cidade, no sentido global do termo, com vida própria. Com eventos que se expandem nomeadamente à cidade de Lisboa, de que era subsidiária até há alguns anos, mas que, agora, vem à Cidade de Almada, ao teatro, aos concertos de música, aos acontecimentos desportivos, para além da catedral do consumo, o Fórum Almada, que até fica no Feijó!

E ainda a insubstituível Costa da Caparica… que, agora, também já não é só e apenas praia. E que praia!

 

Para esta dotação de equipamentos, funcionalidades, acontecimentos, teve um papel decisivo a ação dos Executivos Camarários, nestes últimos quarenta anos. Registe-se, de inteira justiça!

 

Num outro plano, o da riqueza paisagística, Almada também é inultrapassável.

Limitada a oeste pelo mar, tem na frente atlântica, da Cova do Vapor à Fonte da Telha, praias ideais, um mar que é um forte atrativo ao banho, ao desporto, ao usufruto da água, fria, mas sempre apetecível.

E a arriba fóssil, monumento natural, impagável, um legado de milhões de anos, muito antes de qualquer sinal de humanidade.

A norte e leste delimita-a o Estuário do Tejo. Per si, também um monumento! Natural!

E quem nunca visitou o Cristo-Rei ou, pelo menos, atravessou a Ponte sobre o Tejo? Ou fez a travessia de barco num cacilheiro, Cais do Sodré – Cacilhas ou no sentido contrário?!

Quem já o fez sabe do que falo, da beleza inigualável destes espaços de paisagens naturais, mas também amplamente urbanizadas pela intervenção humana. Mas que no seu todo constituem um quadro artístico, num enquadramento e simbiose natureza – humanidade / urbanidade esteticamente inimitável!

Vários outros espaços culturais, para além dos mencionados, permitem usufruir desta beleza estética, além de acontecimentos de cultura diversificada. Mencionaria, por ex., o Convento dos Capuchos, a  Casa da Cerca, o Convento de S. Paulo / Seminário, …

E muitos outros equipamentos, pelas várias freguesias, as Bibliotecas, os Pavilhões Gimno Desportivos, as Sociedades de Cultura e Recreio, os Grupos Recreativos e Desportivos por todo o concelho, as próprias sedes das Juntas de Freguesia, Cafés, em todos eles se promovem e realizam atividades culturais, ao longo de todo o ano.

Para além da Arte enquadrada em vários locais, materializada em esculturas, em espaços emblemáticos.

E… E não posso esquecer, neste breve apontamento, o Parque da Paz!

 

E até existe divulgação padronizada, estruturada na A – Agenda – Almada, editada mensalmente pela Câmara, no modelo atual, Nº 153, Jul./Ago. 2015, de distribuição gratuita.

 

Bem, mas o texto já vai longo, muito ainda fica por referir, de bem, mas também algumas coisas de menos bem, que ficam para outra ocasião.

 

Foto original de D.A.P.L. Junho  2015. jpg

 

De entre os espaços que referi e os que não mencionei, hoje, quero falar brevemente de um local emblemático da Cidade, localizado na Sobreda: o Solar dos Zagallos.

 

Enquadra-se nas premissas referidas.

Foi adquirido pela Câmara Municipal de Almada, em 1982, recuperado, remodelado e restaurado.

Está aberto ao público e periodicamente nele são organizados eventos culturais. Que me lembre, pelo menos, no Natal e no Verão, nas Festas da Cidade, no final de Junho.

 

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015.jpg

 

Foi precisamente no dia 27 de Junho, sábado, que o visitámos, já no final de um dia quentíssimo.

Visita que foi documentada pelas fotos apresentadas, da autoria de D.A.P.L.

 

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015.jpg

 

Deambulámos pelos jardins, lindíssimos e frescos, ainda assistimos a um concerto de piano e voz.

Visitámos várias salas e salões do edifício, uma casa apalaçada do século XVIII, com elementos artísticos barrocos, rococó, neoclássicos de influência pombalina e modernistas.

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015.jpg

 

Merece uma visita mais demorada e com mais detalhe que ficará para outra oportunidade. De preferência e também, num dia de festa.

 

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015. jpg

 

Nele, entre outros aspetos de interesse, figura uma exposição de olaria tradicional portuguesa, com peças artísticas e utilitárias, desde o Norte, Barcelos; até Alentejo, Nisa, Estremoz, entre outras regiões do País.

 

Azulejos das épocas referidas.

Esta linda capela toda forrada nessa nobre e sublime arte centenária, tão grata aos portugueses.

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015jpg

 

 

E sinais da “Festa do Solar”, este ano subordinada à temática dos célebres “Anos Vinte”, do século XX!

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015. jpg

 

E os jardins convidativos ao passeio calmo e sossegado e uma alternativa mesmo à praia, para quem quiser relaxar, evitar a demasiado exposição solar, em tardes de maior calor e bulício da época estival.

 

Foto original de D.A.P.L. Junho 2015.jpg

 Fotos originais de D.A.P.L.

 

Para quem pretenda aprofundar mais a história do Solar ou preparar uma Visita, anexo sites consultados.

Câmara Alamada - Solar Zagallos

- Almada solar zagallos

jf-charnecacaparica-sobreda -solar-dos-zagallos

Cada Dia é Dia de NATAL!

Uma Flor

Foto0475.jpg

   

Uma flor

Uma flor vai nascer

Vai nascer do Amor

Do Amor vai nascer uma Flor.

 

Um botão

De rosa ou de cravo não sei.

No jardim vai brotar uma Flor

Uma flor de Amor.

 

Em Novembro

Primavera vai ser

Vai florir o jardim

De alfazema ou alecrim.

 

Em Novembro

Ou Dezembro

Se Deus quiser

Primavera vai ser.

Vai florir o jardim

De camélia ou jasmim

Porque Deus quer

Alegrar-nos assim!

  

Escrito em 1993

Publicado em:

 Boletim Cultural nº 66 do CNAP – Círculo Nacional D’Arte e Poesia, Dezembro 2003.

Boletim da APP –Associação Portuguesa de Poetas, Set./Out 2003.

Sete Quadras Soltas

  Banco de jardim 

Aqui pasmado neste jardim

À espera que chegue Amigo

Que bem sentado em mim

Possa prosear comigo.

  

Correm dias… 

Correm dias, fogem anos

São ondas desfeitas no mar

São ilusões desenganos

São lágrimas no teu olhar.

  

Fado e solidão 

De mão na mão, de braço dado

Segue o Fado na desventura

Com ternura lado a lado

Vai solidão numa aventura.

  

Mar Português 

Desbravaram meu corpo caravelas

Em tempos idos na Lusa memória

Sou calmaria, tempestade, procelas

De povo à beira mar sou História!

 

 Pão e Paz

Pão, em casa, é harmonia

Do Amor mantendo a chama

Trinado – breve, melodia

Da Paz que o Homem reclama.

  

Paz 

De Paz e Amor foi o tema

De muitas e lindas canções

Que Amor e Paz seja o lema

Que norteie os corações.

 

Sete Rios… 

Sete rios, sete fontes

Sete bicas a correr

Sete linhas, sete pontes

Sete vias p’ra te ver.

Um Jardim na Cidade!

O Jardim de Dona Vanda!

 

Muitas vezes havia passado na Rua Almada Negreiros, no Feijó.  

 

Entre dois prédios, de um conjunto habitacional de uma conhecida construtora do concelho de Almada, num espaço vago, terreno saibroso e pobre, alguém construiu um bonito jardim, bem delineado, harmónico, simples mas sugestivo, contrastando pela positiva com o espaço em que se enquadra, preenchendo um vazio, uma ausência tão caraterística nestas zonas suburbanas em que a megalomania construtiva das últimas décadas foi subitamente interrompida pela “Crise”, deixando múltiplos espaços projetados, mas não concluídos ou nem sequer iniciados.

Jardim de Dona Vanda 4. Foto de F.M.C.L.

Quando por ali passava, quase sempre me quedava admirando a obra executada, e me inquiria sobre quem seria o artista daquela peça de artesanato campestre no meio da “selva urbana”! Refletindo, agora, de algum modo lembrava-me a Rua onde nasci na minha Aldeia no tempo em que era criança e as vizinhas tinham às portas uns vasos de flores, quando não um alegrete, onde pontificavam roseiras, malmequeres, begónias, malvas sardinhas, craveiros…

Mas nunca aconteceu ver alguém que me pudesse esclarecer sobre o autor da peça artística ali exposta à contemplação dos passantes.

Jardim de Dona Vanda 1. Foto de F.M.C.L.

Tive essa grata oportunidade no passado domingo, quase sol-posto, lusco-fusco, como é o entardecer e anoitecer repentinos em meados de Novembro.

 

Ao passar a alguma distância apercebi-me que havia uma pessoa debruçada sobre o terreno, num enquadramento típico de quem estava a mondar as ervas daninhas.

 Dirigi-me ao local, constatei ser uma senhora, a quem cumprimentei e com quem tive o prazer de ter uns nacos de prosa sobre o Jardim.

 

Além das plantas já mencionadas tem ainda uns pés de alecrim, que pegam por estaca, como referiu, e eu bem sei; umas flores semelhantes às “alegrias da casa” e que me autorizou a tirar alguns pés, quando forem maiores, sem estragar; um pé de boldo, planta terapêutica e muito boa para chás, que também me prometeu dar um pedaço; umas flores amarelas a que chamam malmequeres, mas que não são e de que tenho também muitos exemplares no quintal, mas de que também não sei o nome; duas macieiras, uma bananeira, gladíolos, jarros, goivos, boas noites e mais “flores”  e outras plantas que  não sei identificar…

Jardim de Dona Vanda 3. Foto de F.M.C.L.

Elogiei o jardim, que inclusive, segundo lhe contou um filho, “está no facebook”. Também ali esteve um senhor da Câmara, que ficou encantado e a quem pediu um fontanário, que daria muito jeito, mas que não pode ser, pois o terreno é particular…

 

Levando eu umas landes, o fruto do sobreiro, para semear no Vale, logo lhe propus semear ali uns exemplares. Não se fazem árvores grandes?! Sim, farão se nascerem e se as deixarem crescer, mas levam ainda trinta anos, tempo em que, se Deus quiser, já cá não estaremos. E muito provavelmente este espaço, que é particular, será urbanizado entretanto, mas que demore ainda muito tempo para que o jardim se conserve e nós não vejamos a sua destruição… E lá foram semeadas as landes.

 

Foi uma conversa muito construtiva sobre as plantas, que a senhora também consulta e estuda sobre as mesmas, falámos também sobre as suas origens, os desaires e vicissitudes da vida, as dificuldades, as mudanças abruptas, mas também os recomeços sempre com novas forças e esperanças, sem se deixar abater pelas contrariedades do destino.

 

Finalmente e após tantas vezes por ali ter passado, soube de quem era a autoria da Obra de Arte: Dona Vanda - um exemplo, um modelo a seguir, simultaneamente arquiteta paisagista e jardineira do lugar.

 

Se nas nossas Cidades todos tivéssemos a iniciativa de embelezar os tantos espaços desaproveitados que por aí abundam e com tanto vagar desleixado que por aí anda à solta, como as nossas ruas, aldeias, vilas e cidades ficariam bem mais bonitas e agradáveis. Porque esta função não pode ser apenas das autarquias. Que no caso de Almada, até é uma câmara muito preocupada com estas questões! Mas o papel de cada um também é imprescindível!

Jardim de Dona Vanda 2. Foto de F.M.CL.

 

Obrigado, Dona Vanda, por construir um Jardim tão bonito para deleite e usufruto de vizinhos e passeantes!

Novembro: Mês de Celebração!

Mês de Novembro é mês de lembranças, de recordações...

Mas também é de celebração. Celebração e comemoração de quem faz faz, hoje, oitenta e seis Primaveras.

Foto0935.jpg

 Melhor dizendo, oitenta e seis Outonos, que é o Outono que comemoramos.

Palavras?! Que palavras, para descrever a Juventude, a frescura de quem está sempre pronta para oferecer um ramo de cheiros e frescos do Quintal - Horta - Jardim - Pomar?

Dar de mãos cheias: verduras - acelgas, couves, espinafres; ramo de cheiros - hortelã, salsa, coentros, tomilho, poejo, mangerona... Frutas - laranjas, limões, mirtilos, medronhos... Flores - rosas, tantas rosas! Crisântemos, esta flor outonal, uns ramos de hera, iris, malva sardinha, malva rosa, malva de cheiro, malva Amor... 

Foto0941.jpg

 

Rosas! Um ramo, um regaço de rosas...Rosas brancas de Santa Maria, rosas rosas de Santa Teresinha, rosas de cheiro bravias, rosas amarelas, vermelhas, salmão, brancas, rosas rosas e cheirosas... Rosas!

Foto0468.jpg

Quem está sempre pronta para dar. Dar é uma forma de Amar! Um Amor sem condição, incondicional.

Foto0469.jpg

Palavras?!

As triviais: Parabéns! Felicidades! São os votos que formulamos.

Foto0476.jpg

Não há palavras para o que sentimos.

Foto0919.jpg

 

Obrigado por tudo o que lhe devemos, pelas dádivas que de Si recebemos, pelo que nunca lhe pagamos.

Um muito obrigado de todos nós!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D