Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Locais Pitorescos do Alentejo II.

Recantos Mágicos de Aldeia!

 

E voltamos a visitar locais interessantes do nosso Alentejo, que merecem ficar registados numa imagem, caso tivéssemos talento para pintar ou desenhar, em pintura, ou como agora dispomos desta possibilidade de registar digitalmente… fotografamos com essa maravilha da técnica de guardar memórias e registos que são os telemóveis. Simples mas preciosos portáteis, de que já ninguém prescinde, num qualquer bolso das calças ou casaco.

 

Assim guardamos imagens e memórias de locais que muitas vezes nos passam despercebidos, desconhecidos de muitos de nós.

 

Hoje, neste post nº 200, voltamos à nossa Aldeia.

E retornamos a um lugar, aonde estivemos imensas vezes, muitos anos atrás, e que também já divulgámos neste blogue, com uma foto bem mais antiga, noutro tempo e com outro tempo.

E, neste documento apresentamos um registo fotográfico de um lugar mágico de Aldeia, agora visto pelos olhos e através do telemóvel de um Amigo: Marco Rego. Que não sendo propriamente de Aldeia, mas tendo aqui parte da ascendência; outro ramo, o paterno do saudoso Srº Agostinho, é de outro lugar também de grande magia, a linda cidade de Ponte de Lima, no Minho, sempre verdinho! Mas que embora não sendo, já é, de afeto e coração e também porque no concelho reside, no distrito trabalha, aqui constrói a sua Família e vive o seu dia-a-dia!

 

Pois comecemos por visualizar a primeira foto, original de Marco Rego.

Foto original de Marco Rego 2015.JPG

 

Conhece?! Reconhece?

Pois, trata-se do “Moinho do Ti Luís Belo”!

Moinho, porque moía os cereais, o trigo, o milho, o centeio, mas que, de facto, seria mais correto chamar-lhe Azenha. Que isto das palavras tem muito que se lhe diga.

Moinho é um conceito muito genérico, no sentido de “engenho ou máquina de moer grãos ou triturar determinadas substâncias” ou a “casa onde esse engenho ou máquina está instalada”(1). Neste contexto genérico inclui, portanto, as azenhas. E também os designados moinhos de vento, habitual e genericamente apenas designados de Moinhos.

Moinhos de Vento e Azenhas tinham a mesma função já enunciada, moer cereais. Só que a fonte energética era diferente. Nos Moinhos de vento, era essa a fonte de energia. Nas Azenhas, a fonte motriz era a água, ambas energias limpas de poluição e ambas renováveis. Portanto e pelo que dissemos, sendo antigas são muito modernas, pois que agora, e cada vez mais no futuro, a Humanidade se voltará para as energias não poluentes, por isso mesmo e, porque sendo renováveis, não se esgotam. Contrariamente às energias fosséis.

 

E continuamos com as fotos de Marco Rego.

Esta 2ª foto mostra-nos o canal adutor, condutor da água da represa para o rodízio, que fazia mover as mós na azenha, a casa ao fundo.

Foto original de Marco Rego 2015.JPG

 

 

A 3ª foto mostra-nos parte da parede do referido canal e o parapeito superior da represa.

20150922_122112.JPG

 

A 4ª foto apresenta o paredão que possibilita a represa da água. Quando a há! Que, neste ano de extrema secura, não se observa uma gotinha de água. As fotos foram tiradas ontem, 22 de Setembro, último dia de Verão, num ano excecionalmente seco, pois praticamente não choveu nada. O que se reflete na “Praia do Ti Luís Belo”, que não tem absolutamente nada de água. Nos campos circundantes também se pode observar a sequidão das plantas, espalhadas pelas escarpas graníticas. Esperemos que o Outono, que começa hoje, traga alguma chuva!

20150922_122148.JPG

A foto, como todas as fotos aliás, acaba por ser também um registo documental, de uma ocorrência no(s) tempo(s): cronológico e meteorológico.

Cabe-nos agradecer a colaboração de Marco Rego, que não sendo propriamente fotógrafo, também acaba por sê-lo. Obrigado! Voltaremos a cooperar.

Também gostaria de incluir neste post, em que se nomeia o “Moinho do Ti Luís Belo”, um texto que li, há tempos, no “Jornal A Mensagem”, sobre o mencionado moleiro “Ti Luís Belo”, mas terei que falar com quem de direito!

 

E abordando a questão de “direito”.

Não devemos esquecer que todas as fotos originais são exatamente isso: originais. Pelo que se alguém se interessar por elas e as retirar, utilizando-as noutro contexto, deverá fazê-lo tão só e apenas com motivos construtivos e altruístas. E citando sempre a respetiva fonte, o blogue, e a correspondente autoria.

O mesmo se reporta aos Textos. Bons ou maus, melhores ou piores, até ao momento têm só uma Autoria, que a serem utilizados, deve ser sempre citada e a correspondente fonte.

E quando não são de minha autoria, procuro sempre referir as fontes:

 

Nota Final - (1) - Citações de “Dicionário da Língua Portuguesa”, Porto Editora, 2011.

 

P.S. - E ainda, porque "... a César o que é de César" e já após ter publicado o post me lembrei, que o célebre "Moinho do Ti Luís Belo", continuo assim a nomeá-lo , porque sempre o ouvi assim chamar; que o dito Moinho já não é pertença do referido moleiro, que já faleceu há dezenas de anos. Agora, segundo julgo saber, é propriedade de um Srº, familar do Amigo Casimiro, e sobrinho dos saudosos Ti Marcelino e Srª D. Maria Águeda. De que hei-de saber o nome.

 

 

10 ª Mostra de Cinema Brasileiro - Almada (conclusão)

 

Vendo ou Alugo” / “Divã” / “Os 12 Trabalhos” / “Tapete Vermelho” 

Nós Somos um Poema” / “Língua – Vidas em Português

Augusto Boal e o Teatro do Oprimido

 

INTRÓITO

 

Terminou no domingo, 26 de Julho, a 10ª Mostra do Cinema Brasileiro, no Auditório Fernando Lopes-Graça, no Fórum Romeu Correia – Almada.

Estão de parabéns os organizadores pois proporcionaram a oportunidade de visualização de excelentes filmes e documentários sobre temáticas atuais ou relativamente recentes, assistir a prestações/representações de grandes artistas, alguns de nomeada, mas também outros que me eram praticamente desconhecidos. Oportunidade de relembrar músicas e canções, algumas integrantes do imaginário coletivo, desde os anos sessenta e setenta do século passado. Presenciar autores, atores, cantores e compositores, músicos, escritores, dramaturgos, cidadãos anónimos que, de viva voz, ainda que alguns já possam estar ausentes, nos evidenciaram como viva está a Cultura que se exprime nas várias Línguas, cuja matriz de base é o Português.

Gosto de ver os elencos de todos os participantes nas obras apresentadas, até porque no final, enquanto passa o genérico, aproveito para usufruir da música e é extraordinário constatar a imensidão de gente que é necessária para produzir qualquer documentário ou filme!

 

E não posso deixar de frisar que o acesso a todos estes espetáculos foi livre!

 

Talvez alguns reparos.

Bem sei que já está toda a gente com ar de férias, mas alguns destes espetáculos talvez merecessem algum debate posterior, não sei… digo eu.

Independentemente do eventual ou hipotético debate, que até poderá ser considerado excessivo, porque o importante é, de facto, fruirmos dos espetáculos, contudo acho que poderiam fazer uma breve avaliação, através de um simples questionário facultativo, a ser apresentado aos espetadores, no final.

 

Do conjunto de obras que vi, categorizam-se em dois grupos.

 

- Os filmes: “Vendo ou Alugo”, “Divã”, “Os 12 Trabalhos”, “Tapete Vermelho”.

- Os documentários:  “Nós Somos um Poema”, “Língua – Vidas em Português”, “Augusto Boal e o Teatro do Oprimido”.

 

Dos últimos filmes que vi, destaco o último, com que a Mostra fechou com chave de ouro!

Tapete Vermelho. in wikipedia.jpg

 

Uma excelente comédia, de 2006, do realizador Luiz Alberto Pereira, cujos atores principais mal conhecia. Matheus Nachtergaele, no papel excecional de Quinzinho, cujo sonho é levar o filho a ver um filme de Mazzaropi (1912 – 1981), o “Carlinhos”/Charlot, brasileiro, num cinema de uma qualquer cidade do Estado de São Paulo, onde ele esteja passando… No cumprimento de uma promessa que fizera a seu pai, que também o levara a ver filmes desse cómico.

No objetivo de realizar esse sonho, deixa a sua rocinha, no interior sertanejo de São Paulo, arrastando a família: a mulher - Zulmira, o filho - Neco e o burro, Policarpo, quatro Jecas ingénuos, trasladados de um tempo remoto dos anos cinquenta, confrontando-se com as realidades de um Brasil em constante transformação, do início do século XXI.

Num mundo em que os seus sonhos têm um difícil cabimento, mas em que apesar de tudo ainda são suscetíveis de realização, usando precisamente as armas do mundo globalizado. Pois, no final, todos reveem, com alegria, os filmes do cómico, numa sala lotada de um cinema Pathé.

O filme é suscetível de múltiplas leituras.

Uma delas é a homenagem a esse astro do cinema brasileiro, cuja carreira se desenrolou precisamente a partir de 1959, até à sua morte, 1981.

Mazzaropi

Também o encararia, numa perspetiva de “realismo fantástico”. A mulher, Zulmira, mulher de poderes; as personagens episódicas, sugestionando o “Maléfico”.

Não poderei deixar de frisar, nesses curtos trechos do filme, a relação dessas crendices com as superstições portuguesas de igual teor. Os pés de cabra do demo, o seu esfumar-se, os supostamente poderes que ele daria a quem se deixasse por ele pertencer. A mamadeira da cobra…Tradições medievas, ainda e também há pouco tempo presentes na cultura popular do interior de Portugal.

As personagens também me lembram o universo felliniano. A sua ingenuidade, o seu calcorrear de saltimbancos anacrónicos em busca da realização de um sonho, o percorrer de um espaço e de um tempo, num mundo a que já não pertencem, mas em que procuram um lugar para materializar as suas aspirações, sem desistirem de sonhar.

A criança, na sua vitalidade e deslumbramento só me lembra Giulietta Masina.

E à realização do sonho de verem projetado o filme do seu ídolo e herói, segue-se o projeto de outro: cumprir a promessa à Senhora da Aparecida.

E aqui ouçam a canção.

Romaria Elis Regina

Nestes filmes, as músicas são algo de extraordinário!

 

Se tiver oportunidade, não deixe de assistir a este filme, num cinema perto de si! Ir-se-á divertir imenso!

 

Para além deste, os filmes, “Vendo ou Alugo” e “Divã”, também se integram no género comédia.

Com elencos de atores excecionais. (O que me custa escrever esta palavra sem o p!)

vendo ou alugo www.adorocinema.com..jpg

Vendo ou Alugo”, de 2013, realização de Betse de Paula, relata as peripécias para a venda de uma mansão carioca antiga, junto da qual foi sendo construída uma favela, o que dificulta a respetiva transação.

Pertença de uma família de quatro mulheres, de quatro gerações, coabitando o mesmo espaço já um pouco decrépito, sem recursos suficientes para viverem segundo os seus antigos padrões de vida. Pelo que a avó sobrevive de expedientes, mais ou menos legais.

Contracenam nos correspondentes papéis familiares: Nathália Timberg, bisavó; Marieta Severo, avó; Sílvia Buarque, mãe e Beatriz Morgana, neta. E ainda, para além de outros atores, Marcos Palmeira, no papel de habitante e traficante da favela.

Há ainda o pastor, a empregada, o “coisa ruim”, as artistas do jogo da “canastra”…

História de múltiplas peripécias cheias de humor.

Imperdível de ver!

Só como nota final, gostaria de referir que alguns dos intervenientes neste filme têm também laços de parentesco na vida real.

 

Divã. in wikipédia.jpg

Divã, de 2009, do realizador José Alvarenga Jr, tem como atriz principal Lília Cabral, num soberbo desempenho, contracenando com José Mayer, para além de outros atores, também conhecidos das novelas.

É também uma excelente comédia de uma mulher de meia-idade, bem casada, bem vivida, aparentemente feliz consigo mesma e com a vida que leva, que de uma forma muitíssimo divertida e inteligente se (re)descobre a si mesma, através da psicanálise.

Cinco estrelas!

 

“Os 12 Trabalhos”

Os 12 Trabalhos. in wikipedia.jpg

O título reporta-nos para o mito grego dos doze trabalhos de Hércules.

Porque o herói desta saga se chama de Héracles, papel principal desempenhado pelo jovem e promissor artista, Sidney Santiago e porque o seu trabalho de moto-boy na selva da cidade de São Paulo é um trabalho hercúleo dos tempos atuais.

Insere-se no género drama e mostra-nos como se desenrola a vida humana (humana?) na selva urbana desta metrópole brasileira e de como é crescer, fazer-se homem ou herói (?) da mitologia moderna.

E, este é um filme que também não deve perder, logo que esteja num cinema junto a você!

Ver filme em cinema não tem comparação com ver em TV e muito menos na internet.

É de 2007, realizado por Ricardo Elias.

 

Para além dos filmes resumidamente analisados, também projetaram os seguintes documentários:

 “Nós Somos um Poema

 “Língua – Vidas em Português

 “Augusto Boal e o Teatro do Oprimido”.

Através deles muito perpassou do Brasil, de Portugal e de Países de Expressão Portuguesa.

 

in www.tvsinopse.kinghost.net.jpg

Nós Somos um Poema”, de 2007, é um pequeno documentário, mas extremamente rico de história da Música Popular Brasileira - MPB. Dos realizadores, Sergio Sbragia e Beth Formaggini.

Relata episódios da gravação do filme “Sol Sobre a Lama”, de 1963, de Alex Viany, incidindo sobre a parceria entre Pixinguinha e Vinicius de Moraes que compuseram a respetiva banda sonora, que ficara inédita.

Com imagens do próprio filme, gravações da época, por ex. a cantora Elza Soares a interpretar uma das modas num programa de rádio; para além de gravações atuais dessas canções, por netos dos referidos parceiros da MPB. E relatos de figuras significativas sobre esse trabalho desses dois génios da Música.

 

Lingua... in www.interfilmes.com

Língua – Vidas em Português”, do realizador Victor Lopes,de 2002.

Um extraordinário documentário sobre a Língua Portuguesa. Ou melhor, parafraseando Saramago, é sobre as Línguas que se expressam em Português.

Não direi que é um documentário completo e exaustivo. E será isso possível, dada a riqueza da nossa Língua e a sua dispersão e difusão pelo Mundo, numa escala global?

Mas documenta, significativamente, como as Línguas que se expressam em Português se disseminam pelos vários Continentes e documenta-nos novidades completamente desconhecidas.

Ignorava de todo que, no Japão, houvesse para cima de cem mil pessoas que falam o Português. Migrantes de torna viagem, provenientes do Brasil.

Apresenta depoimentos de escritores e artistas, Mia Couto, João Ubaldo Ribeiro, Martinho da Vila, José Saramago, para além de cidadãos comuns que fazem as suas vidas expressando-se nesta Língua centenária, mas em constante transformação.

Na Índia, em Moçambique, no Japão, no Brasil, em Portugal…

Aqui, no Continente, não só o depoimento dos autóctones, mas também de imigrantes de Países das Comunidades de Língua Portuguesa, sediados ou em trânsito pela “Capital do Reino”, expressão antiga e desatualizada, mas que traduz a caraterística de Lisboa como cidade de acolhimento, desde a época dos Descobrimentos.

Significativa a opinação de Saramago, prestada com imagens de Lisboa em fundo…

E em que local foram feitas as filmagens?!

Pois, precisamente. Em Almada. No Cais do Ginjal!

 

Este é um filme documentário, é um registo histórico-social que não direi completo.

Precisa de documentar outros registos espaciais de expressão do Português, por ex. nos países de emigração de portugueses: na Europa, nas Américas, na África.

Também em Timor-Leste. Também em São Tomé… 

Documentar também outros contextos sociais de expressão da Língua e das Vidas em Português.

 

Mas acho que é um recurso ótimo em salas de aula, nas Escolas, e não só em Portugal.

 

Oxalá! Titulo da canção de Teresa Salgueiro e dos “Madre de Deus”.

 Oxalá. Teresa Salgueiro. Madre de Deus

 

Augusto Boal. in wikipedia.jpg

- “Augusto Boal e o Teatro do Oprimido”,2010, do realizador Zelito Viana.

Outro documentário histórico e social, imperdível sobre este modelo de Teatro e o seu criador e continuadores. As suas várias facetas intervencionistas, os seus espaços, tempos e modos de atuação cultural à escala global.

A sua ação político-social em contextos diversificados, no Brasil, em Países da América, da Europa, da África, da Ásia.

Com depoimentos do próprio Augusto Boal e familiares seus, de artistas como Edu Lobo e Chico Buarque e de outros intervenientes e seguidores, para além de excertos de dramatizações efetuadas por grupos que agem e interagem segundo este modelo de Teatro, pelos mais diversos locais do Mundo.

 

 

Todos estes documentários e filmes são de alto valor, tanto no plano artístico como documental, no conteúdo e forma como expressam estéticas e éticas das diferentes épocas, desde a segunda metade do século XX.

E que transcendem, em muito, o Brasil, pois neles se espelham também outras expressões culturais, com especial relevância as de matriz portuguesa e sul-americana.

 

O principal defeito que encontrei nesta Mostra.

O facto de só para o próximo ano ela voltar!

 

 

 10a-mostra-de-cinema-brasileiro

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D