Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Voltamos à Saga dos “Durrells”!

Mais alguns pormenores...

Desde que aprendi a retroceder nos programas da TV, e quando posso fazê-lo, é isso que faço. Revejo os programas.

 

Neste documentário, de facto, o filho mais novo, Gerald / Gerry é aquele sobre quem mais incide a narrativa. Certamente porque é o personagem sobre quem existe mais documentação, pois participou em múltiplas e diversificadas atividades, relacionadas com a sua condição de “naturalista”. Tanto na TV, como também em filmes, documentários, entrevistas.

A sua participação no programa televisivo, em que foi homenageado “This is your life” terá acontecido em 1983, pelas minhas contas, face às informações prestadas. (O irmão Leslie havia falecido em 1982.) Foi nesse programa em que também esteve Theo. Bem como a irmã de Gerry, Margot e um filho desta.

 

E falando em filiação, algo que no documentário poderia talvez ser referido era sobre a possível descendência desta família.

De Margot, vimos a neta a prestar depoimento e um filho, acompanhando-a nessa homenagem ao irmão.

E de Gerry, casado duas vezes, há descendência?

(Ele, tão preocupado com o prosseguimento das espécies de animais não humanos, esqueceu-se de dar continuidade à sua própria espécie?! Ou estou apenas a especular?)

E Larry?! Com tantas aventuras amorosas e sexo, não deixou descendentes?!

(A propósito. Referi que, em 61 e 62, o escritor era um dos candidatos a Nobel. No documentário, a investigadora da respetiva obra refere que uma das razões para ele ter sido preterido, se deveu ao facto de a sua escrita estar muito impregnada de sexo. Não estou a citar textualmente.)

E Leslie? Apesar de não ter tido uma vida tão preenchida cultural e socialmente, não poderiam ter mencionado algo mais sobre a sua pessoa e vivências? Viveu no Quénia, onde se dedicou à agricultura, foi praticamente o que referiram.

 

E voltando a Gerry e ao seu Zoo, em Jersey.

A cena da criança caída no fosso dos gorilas e a forma como o macho dominante defendeu o menino de eventuais ataques de outros símios foi bem marcante! Bem inteligente! Mais humana que muitos comportamentos de humanos!

 

Ainda mais alguns pormenores da saga da família.

Segundo a narradora, abalaram de Corfu, no Outono de 39. Assim, já depois da invasão da Polónia e da declaração de guerra. (Pensara ter sido um pouco antes.)

A mãe de família regressou apenas com Leslie e Gerry.

Margot ficou em Corfu, mais algum tempo, tendo abalado mais tarde, quando um namorado inglês a levou. Finalmente!

Larry viveu a guerra em Alexandria, de onde colheu inspiração para o seu célebre livro “O Quarteto de Alexandria”. Foi diplomata, tendo desempenhado missões em diversos países. (Diplomata e Serviços Secretos combinam.) No final da vida, fixou-se no Sul de França.

Um dos livros mais famosos de Gerry é “A minha família e outros animais”, de 1956. Deve ser interessante. Teve muito êxito.

Hei-de ver se o encontro nalguma livraria!

The-durrells-e-cidadania

The-durrells-4a-temporada-

 

“… Todo o mundo é seu!”

“Era uma uma vez... uma folha de couve. Veio uma ovelha e comeu-a.”

Foto Original. 2020. 05. jpg

 

 J. J. no Benfica! C. Ferreira na TVI!

 

Há dias que ando para escrever sobre as transferências mediáticas deste início de verão quente. Quentíssimo! Não gosto muito de escrever na berra do calor. Que é o que mais afronta. E porquê a relutância na escrita?!

 

Primeiro, porque considero que as pessoas são livres de escolher e aproveitar as melhores oportunidades que se lhes oferecem. Têm livre arbítrio para decidir, conforme os casos. É um direito que assiste a qualquer cidadão.

Segundo, porque não sendo nenhuma destas personalidades das minhas preferências, porque perorar sobre os ditos cujos?! Ademais tenho alguma antipatia, primária, reconheço, sobre os mesmos.

Relativamente a J. J., não gosto daquele ar enjoado, cumulativamente a mascar pastilha. Após a célebre ida para a concorrência leonina, fiquei a detestar. Pela atitude do próprio, não pelo clube, que aceito como qualquer outro, nada me move contra. Já as atitudes de dirigentes, de treinadores, de jogadores, dos balúrdios que os movem, das atitudes de muitos adeptos fanáticos, das claques, é outra coisa. De qualquer clube!

Quanto a C. Ferreira, detesto aquelas risadas sem jeito, antipatia também primária, aceito. Vejo pouca televisão, raramente a TVI ou a SIC, acho-as muito iguais, concorrem uma contra a outra, muitas vezes na estupidez. Mas são as preferidas da maioria dos telespetadores!

Ambos inundam as redes sociais, a comunicação social adora estas picardias.

 

(E os provérbios?! Alentejanos, talvez nacionais, não sei. “Era uma vez... uma folha de couve, veio uma ovelha e comeu-a.” “… Todo o mundo é seu.” Isto é, de quem não tem a dita folha de couve.)

 

Mas cá está a escrita. E porquê?

 

Pelo dinheiro que movimentam. Choca, quando falta tanto, em tantos locais. Poderia frisar na Saúde, mas já é um tema batido. Na casa de muito boa gente. Mas também poderá ser dito que será muito boa dessa gente que alimenta os egos destas vedetas, a concorrência destas televisões, a euforia dos futebóis. Das Futebolices!

E de onde provem toda essa dinheirama?! E como é que clubes, cheios de dívidas, ainda conseguem entrar nestas jogadas de contratações fabulosas?!

E onde vão TVIs e SICs buscá-lo?

E por aqui poderia ficar.

 

*****

Mas… Não posso deixar de frisar que acho deplorável que, em Portugal, ao mais Alto Nível dos Representantes Institucionais da Pátria Portuguesa, tenham andado, de gosto, a bajular estas personalidades. Lamentável!

 

*******

E para acabar, dois versos do Poeta dos Poetas, do livro que ando a reler, o exemplar velhinho do antigo 5º ano do Liceu!!! (Após “Tieta”)

 

«Ó glória de mandar, ó vã cobiça / Desta vaidade, a quem chamamos Fama! …»

In. Canto IV – 95 – Os Lusíadas – Luís de Camões – Porto Editora, Lda – 7ª Edição

 

*******

Ah! A foto…

Como O/A Caro/a Leitor/a pode ver, até na foto, a folha de couve mal se vê. Como se tivesse vergonha de se mostrar. Cumulativamente, ratada. Comida, picada, não sei se pelos pássaros, se pelos caracóis, ou outros animais, ou todos eles.

Destacável, em 1º plano, a açucena: pureza virginal. Também repetida em fundo. Entrelaçada com as folhas de uma amendoeira doce, muito nova. Ao lado direito, esporas de jardim, azuis. À esquerda e em terceiro plano, alecrins. Em último plano, acompanhando a parede cinzenta, murtas.

 

Tieta do Agreste :(Re) Leitura concluída

Obstáculos ultrapassados

Tieta. Capa livro. retirado internet. jpg

Os obstáculos anteriormente mencionados foram completamente ultrapassados. Aliás, no que me respeita, eles não existiam. Estive numa (re)leitura. Nalguns excertos até leio mais que uma vez. (Leitura saborosa, gostosa, como tantas vezes menciona o Autor. Apimentada, sem peias nem subterfúgios ou medos ou arremedos de linguagem. O Verbo sem grilhetas!)

Qualquer dos hipotéticos entraves são facilmente galgados, saltados os muros, tal como no folhetim, muitos muros, barreiras, foram ultrapassados pelos diversos protagonistas. Que o diga Ricardo, um dos personagens marcantes da narrativa, talvez quem mais barreiras derrubou. Leia, se faz favor e concordará comigo.

 

Também explicitei o caso da expressão linguística, em Português do Brasil! Postei um perfeito disparate. Tenho-me apercebido, há algum tempo, que uma parte dos leitores, destes meus postais, são originários do País Irmão. (Acho que tem muito a ver com a série “El Príncipe”…) Logo estão por demais habituados às respetivas expressões escritas e faladas. Este suposto entrave não existirá, portanto.

 

Os outros também não existirão, nem terão razão de existir.

 

Até na cabeça de Ascânio alguns dos preconceitos se perderam, face a Leonora, nem todos e para bem da estória, porque estão a ver a rapariga a ficar por ali, a fazer de amásia?! Além de que Dona Antonieta, “francesa da Martinica”, é Mãezinha, mas também patroa. E mais não adianto.

Tieta abalou segunda vez da Terra Natal, mais ou menos escorraçada pelos preconceitos, mas desta vez levando cajado do Pai, com que arreou no sobrinho. Guardadora de cabras! Senhora do Destino!

Ficou Dona Carmosina, despedindo-se segunda vez da amiga de peito, sem olhar a preconceitos e maledicências. Ela e a Mãe, Dona Milú, acima dessas minudências.

 

As ideias preconcebidas terão ficado na cidadezinha ou esta terá sido abalada nas respetivas convicções retrógradas e moralistas, apenas de aparências?!

 

Poderia conjeturar uma finalização, ou várias, do enredo, como o Autor sugere no final, talvez até venha a executar tal tarefa, não sei. Presunção minha…

 

Por agora fico por aqui, sem realçar mais aspetos do enredo e personagens…

 

O resto (?!), que é o tudo, quinhentas e noventa páginas de bons pitéus e sobremesas, de palavras mais doces ou amargas, substantivas, sem rodeios, fica para Si, Caro/a Leitor/a, poder saborear ao se embrenhar na tarefa de desbravar a leitura deste “enorme folhetim” como escreve o “pai da criança”.

 

E  sobre ele, se transcreve da contracapa: “Na planura da literatura brasileira, Jorge Amado vai ficar como um bloco súbito de montanha híspida, cheia de alcantis, de cavernas, de precipícios, de massas brutas da natureza.” – Monteiro Lobato.

 

E, por agora, terminada a releitura, um mês, também finalizo este postal. E já estou de saudades. “De saudades se vive, não se morre…” Diz a protagonista, várias vezes, no enredo.

 

 

Tieta do Agreste: Uma leitura contra os preconceitos…

Ou contra os obstáculos / barreiras à Leitura?!

Foto Original. 2018. 07.jpg

 

Recomecei a ler este livro, no início do mês passado, sensivelmente quando escrevi o postal sobre o tema, mas ainda não acabei. Quinhentas e noventa páginas, é mesmo uma coisa de Quinhentos…Página 499, subcapítulo “A Rival de Deus”, é precisamente aí que estou, em leitura sossegada, continuada e seguida.

Seguida, sim, porque já avancei em subcapítulos subsequentes, em leituras espaçadas, já li os finais e outros entretantos até lá, porque não sou leitor ordenado, tenho pressa em saber os finalmentes. Neste caso, relembrar, pois já lera o livro, há quase quarenta anos e já vira a novela, quase há trinta. Estou a reler! E com muito agrado. Apesar de enorme calhamaço, lê-se muitíssimo bem, com tempo, porque tendo cinco capítulos grandes, quase um livro cada, tem imensos subcapítulos, curtos, que podem ser lidos espaçadamente. Vou chegar a um mês de leitura.

E este é o primeiro obstáculo a vencer: o tamanho, a dimensão da narrativa.

 

Outra barreira ou preconceito poderá ser o facto de estar escrito em “português do Brasil”. Neste ponto, a palavra que mais me faz impressão é “fato”, pelo nosso facto. (Mesmo para quem segue o “normativo de escrita”, resultante do “Acordo 90”, em Portugal, escreve-se facto, não esquecer!)

Muitos estrangeirismos, transpostos para português, segundo a fonologia. Alguns termos resultam bem engraçados: “bói, reibam, uiquiende, randevu,…”. Um verdadeiro tratado.

Em contrapartida, uso de frases completas, em francês, na boca de Mirco Stéfano.

Também vocabulário típico, algumas palavras não figurando no Dicionário.

Mas também se ultrapassa muito bem este obstáculo.

A narrativa é fluente e apelativa, não se perde o fio à meada, as/os personagens são interessantes, motiva-nos ir descobrindo a sua caraterização e desenvolvimento. (Daí o facto de ir aos trechos finais, para saber, relembrar, como termina a estória.)

 

Obstáculos, estes, mais em termos formais.

 

A nível de conteúdo, poderá chocar-lhe o facto de a personagem principal, Tieta, ser uma caftina, dona dum “randevu” em São Paulo, exploradora de mulheres, dona de casa de putas. Poderá! Sem que o Autor veja algum mal nisso.

JAmado, do que julgo conhecer, trata muito bem as suas personagens, humaniza-as, enquadra-as no seu contexto sócio familiar, económico. A pobreza quase sempre como pano de fundo.

No caso vertente, valoriza o respetivo “métier”, realça a sua importância social na comunidade, no aplacar de conflitos familiares e essa perspetiva, muito dele, está bem presente no papel e função atribuídos a Zuleica Cinderela, em Santana do Agreste.

O choque maior, pelo incesto entre Tieta e Ricardo, seu sobrinho e seminarista.

Mas interessante que, no Escritor Baiano, estes assuntos tabus, conseguem ser desmitificados, escritos e contados com ligeireza, até otimismo, um certo ar luminoso, sem causarem demasiado choque ou vistos como malditos pelo Leitor. (Contrariamente ao que acontece, por ex., com Eça, em que estas temáticas se sentem demasiado pecaminosas. Também separam – nos um século, um oceano e muitas miscigenações culturais.)

 

E para concluir este postal, que ainda voltarei a Tieta, na leitura e em postal, talvez (?!) o preconceito ideológico. Muito boa gente não lida bem com Jorge Amado e Outros Escritores, pela respetiva ideologia marxista, que subjaz nas suas narrações, menos ainda pelo facto, (cá estamos novamente na palavra facto,) de ter militado em partido comunista.

 

E tenho dito sobre muros, barreiras, obstáculos a ultrapassar em “Tieta…”. (Sem concluir.)

Que quero continuar a reler. Que estou a gostar. Leitura muito agradável e interessante.

Se puder, não deixe de ler. SFF!

Covid: Portugal – Espanha – Inglaterra – Brasil

“Cada macaco no seu galho...”

 

Um postal com este título até parece que estamos num grupo do campeonato mundial de futebol. Que seria o “grupo da morte”, já se vê.

 

Voltamos ao blogue, que ando a adiar este postal há dias. Estou farto do Covid, por isso retardo em escrever. Espero que o faça de forma sintética. Tanta a coisa a dizer…

Figueira da Índia. 2019. 05.jpg

 

Caro/a Leitor/a, já sabe que eu sou contra estes desconfinamentos apressados, cujos resultados negativos estão bem à vista. Só não vê quem não quer ver!

 

Relativamente à nossa Vizinha Espanha, que o digamos nós, aqui mesmo ao pé e bem que gostamos de dar um pulinho a Valência. Tal como “nuestros hermanos” gostam de vir a este lado. Estas visitas entre vizinhos serão frequentes por toda a raia, digo eu. Mas dadas as circunstâncias pandémicas em que vivemos, acho melhor que cada um no seu lado. Como diz o ditado: “Cada rato no seu buraco…”

Por isso não vejo o porquê de tanta celebração e regozijo pela (re)abertura das fronteiras terrestres com Espanha. Já basta os que por cá andam sem quaisquer cuidados. Digo eu! Que até gosto muito de Espanha.

 

Menos ainda vejo razão para o “despeito” face ao facto de o Reino Unido não ter incluído Portugal no corredor aéreo para acesso direto ao reino de Sua Majestade. (Eu nomeei Inglaterra propositadamente.)

Mas o que esperavam?!

Em Portugal, em certos círculos bem pensantes, acha-se que entre Portugal e Inglaterra há (?) a “Velha Aliança de Séculos” a ligar-nos à Velha Albion. Uma relação privilegiada?! (…)

Vindo para factos mais recentes. Já este mês, foi divulgada uma foto, em que o atual Primeiro Ministro britânico recebia o enfermeiro português e a enfermeira neo zelandesa, que o acompanharam no respetivo “covidamento”, os três numa risota pegada. Riso, talvez pela ironia do destino, de quem tanto desvalorizou o corona e de quem se serviu dos argumentos anti imigração, para levar os ingleses ao Brexit! E acabaram por ser imigrantes quem o ajudou. Digo eu! Que não decifro pensamentos de ninguém.

 

Quanto ao nosso “País Irmão” - Brasil, não vamos lá como quem vai à vizinha Espanha. Aliás nunca lá fui. Mas posso dizer que estou a reler “Tieta, hei-de escrevinhar sobre o romance.

Bem, nesse querido País, o respetivo “Manda Chuva”, isto foi ele que disse sobre o dito corona, que ele diz que o infetou e que é como se fosse uma chuva… O cara é um tratado para inventar ideias metafóricas, um poeta certamente, pois, para cúmulo de delírio, anunciou publicamente, ao modo e como só ele sabe, que está contagiado pelo Covid!

Para ser sincero, e até prova em contrário, não acredito!

O dito cujo “Manda Chuva” tem no nome Messias, mas julga-se MESSIAS! E mais não digo, nem falo.

 

E para finalizar, volto ao Rincão Natal.

Acham que os transportes públicos não contribuem para disseminação do vírus?!

Pois façam o favor de os frequentar nas horas de ponta. É ver pra crer!

 

E as rapaziadas e festas do covid?!

E as manifestações sem jeito nestes tempos que correm?!

 

Pois, mantenham-se resguardados, saiam para o que é realmente preciso. Protejam-se. Protejam os Outros.

E não nos façam a vida ainda mais cara, pois, para além da propagação… estão todas as despesas referentes a testes, internamentos, eu sei lá…

E quando a fatura nos for apresentada?!

Porque vai ser. E com juros. Não pense que é tudo de graça, como agora…

 

Todavia e para finalizar, friso, que percebo que é preciso desbloquear a Economia. Pôr o País a funcionar. Mas nas atividades realmente necessárias e importantes.

E é preciso reequacionar o País, para ser mais de produção do que prestação de serviços.

Veja-se o turismo, os alojamentos locais…

 

E a foto?!

É para dar umas palmatoadas ao pessoal que anda nas festanças e quejandos de covid e associados.

Umas palmadas de figueiras da índia, nesta época de calor… não lhe digo nem lhe conto!

 

«O Sino da Nossa Aldeia»

 

«O SINO da NOSSA ALDEIA»

(rancho)

Sino da Aldeia. Foto original. 2019. 07.jpg

 

«O sino da nossa aldeia

Sabe sentir como nós

Ri ou chora, canta ou reza,

O clamor da sua voz.

 

(Coro)

Vê o que tu fazes

Escuta o que eu digo

                         Espreita os meus passos                   (bis)

Se passo contigo

 

E se eu rio faz dlim dlim

Mas se eu choro faz dlão, dlão

O sino da nossa aldeia

Parece ter coração.

 

Mora no alto da torre

Toda cheia de luar!

Como firme sentinela

Que esta aldeia quer guardar.

 

Quando nós nos batizámos

Fez assim: dlim, dlim, dlim, dlim

Mas quando um dia casarmos

Fará: dlão, dlão, dlão, dlão, dlim.

 

No adro da nossa igreja

Brincámos em pequeninos

E ali, sem q’rer aprendemos

A gostar da voz dos sinos.

 

Quando estou longe d’Aldeia

Do sino, tenho saudades

Mas quando chego, me alegro

Com o toque das trindades!»

 

(Aldeia da Mata, Verão de 1960.)

In.

De Altemira Fiz Um Ramo – 2018 – (pag. 94) – “Cantigas de Dona Maria Águeda.

 

Torre Igreja. 2019. 07.jpg

 

A publicação desta “Cantiga” é uma Homenagem a esta Srª Professora de Aldeia da Mata, que exerceu o Magistério Primário em Vila Viçosa, terra natal de Florbela Espanca.

É também uma Homenagem à “Nossa Aldeia”!

Ilustrada com foto original, do Sino e da Igreja da “Nossa Aldeia”! - Memórias de “Outros Tempos”.

Quem detinha, na sua posse, estas “Cantigas” e, indiretamente, no-las fez chegar a nós, era D. Francisca Fonseca. O nosso Muito Obrigado!

Ai! A minha Aldeia! A minha Aldeia!

Gosto muito da “minha” Aldeia!

Foto original. Aldeia. 2019. jpg

Antes de mais o “minha”. Minha é uma força de expressão. É apenas uma apropriação afetiva, pelo muito, muitíssimo, que nos liga a ela. Que a “minha” Aldeia, é também “sua”, é também “tua”, é também “vossa” é também “dele” é também “dela”, é primordialmente “nossa”! Todos os que de algum modo estamos ligados a Aldeia, a consideramos “nossa”. A nossa Aldeia!

 

Foto Original. Aldeia. 2019. jpg

 

Neste blogue, que conta 757 postais, há uma boa percentagem deles diretamente dedicados a Aldeia da Mata. Muitos indiretamente, quase todos. Imensas fotos! A primeira etiqueta (tag) é precisamente aldeia da mata.

O pseudónimo que uso, há vários anos, ainda muito antes de entrar neste universo dos blogues, antes de saber que existiam ou mesmo antes da respetiva existência, desta parte não tenho a certeza, tem referência a Mata, precisamente uma homenagem à nossa Aldeia.

 

Rosa de Alexandria. 2019. 05. jpg

 

Tenho postais de Poesia: Tradicional, recolhida em Aldeia, da minha autoria, de pessoas de Aldeia da Mata.

Postais sobre o lançamento do livro: “De Altemira…”, na nossa localidade, da apresentação em Lisboa e em Almada.

Tenho textos sobre pesquisas históricas: “As Alminhas…”, o “Topónimo…”, “As Memórias Paroquiais…”.

Postais sobre ocorrências peculiares na Aldeia, sobre locais interessantes paisagisticamente.

Estórias e histórias...

E, muitas, muitas fotografias.

Rosa "Damascena". 2019. 05. jpg

 

E alguns postais sobre Pessoas que nos são por demais queridas e amadas.

 

Ricochetes de Covid?!

Padre António Vieira?!

 

Quando publiquei o postal “Passeio Virtual por Cidades… e Aldeias”, em Maio, fi-lo precisamente porque estava e estou, farto de Covid. E quem não estará? Escrever sobre o dito cujo ainda me saturava e satura mais.

 

Entretanto passaram-se tantas coisas e qual delas mais estranha.

O “desconfinamento” atingiu proporções, a meu ver, exageradas e não só em Portugal.

 

Manifestações, de motivações justas, mas que descambaram em efeitos injustificados.

Em Portugal, as ações têm sempre uma escala proporcional à nossa dimensão. Alguns cartazes despropositados.

 

Nos States, após aqueles descalabros, previsíveis, dadas as assimetrias gritantes entre estratos populacionais, acentuadas pelos efeitos de Covid; na Velha Albion, onde a Covid também tem feito grande mossa; inépcia e incoerência dos respetivos governantes, em ambos os estados anglófonos, deu-lhes, aos manifestantes, para derribarem e apearem estátuas. (Não haviam bastado os talibans!…)

Sem qualquer sentido.

Porque, reflita, SFF. Que seria da América se não tivesse havido Colombo? Ou de Inglaterra sem colonialismo(s)? Onde estariam esses sujeitos a quem lhes dá esses amoques?! Existiriam sequer, enquanto seres humanos?!

Porque se fossem os contestatários, ameríndios nos States; ou os anglos, ou os saxões, ou os celtas, em Inglaterra, ainda se perceberia… mas sendo quem são, que seria dos ditos se não tivesse havido todos esses horrores, que de facto foram: escravatura, esclavagismo, colonialismo, tráfico negreiro… Que não defendo nenhum destes retrocessos históricos, friso!

Que existem atualmente, sim! Com outras variantes e cambiantes, sim!

 

A História não se apaga, não deixa de existir por ser negada ou escondida ou submersa nos rios, enterrada nos pântanos da ignorância. Bem pelo contrário! Deve estar visível para ser aprendida, apreendida, interpretada, estudada, ensinada. Para ajuizarmos com discernimento e espírito crítico o que tem valor ou não, ao nosso olhar atual, sem deixar de perceber o enquadramento epocal.

Tudo o que é Humano tem que ser contextualizado no tempo e no espaço. Não se pode emendar o que foi ou deixou de ser mal feito em tempos passados, porque o “tempo não volta para trás”!

 

Cá pelo burgo, melhor, na Grande Cidade, também lhes deu para vandalizarem monumentos! E logo do Padre António Vieira!

Não sou especialmente apreciador de estatuária laudatória na via pública. Muita é inestética, mal colocada no espaço, os respetivos personagens suscetíveis de valoração ou não, positiva ou negativa. Todavia, já que expostos, permitem-nos opinar, ajuizar sobre os mesmos. São lições de História!

Não têm que ser consensuais. Muito menos estragados, destruídos. Para estragação e achincalhamento, basta o que lhes fazem os pombos, diária e continuadamente.

Que nos digam os Grandes: Camões, lá do alto do seu pedestal e Eça, mais terra a terra, mais a sua Verdade, um pouco mais em baixo.

De modo que, e um pouco mais acima, esborratar o Vieira é completamente incongruente.

Açucenas quintal. 2019. 05. jpg

 

António Vieira (Lisboa – 1608 / Baía – 1697): Orador e Escritor português. De pais de condição modesta, sua avó paterna era mestiça, serviçal na casa dos condes de Unhão.

Foi para o Brasil aos 6 anos. Estudou no Colégio dos Jesuítas, na Baía. Entrou na respetiva Companhia.

Distinguiu-se na catequese dos índios, de quem foi defensor intransigente.

De 1641 a 1652, esteve na Europa, nomeadamente ao serviço de D. João IV, de quem foi embaixador em França, Holanda e Itália.

Voltou ao Brasil, onde permaneceu de 1652 a 1661.

Levou o decreto real de libertação dos "índios", que provocou violentas reações dos colonos e o seu desterro para Lisboa.

Na sua segunda estada na Europa, 1661 – 1681, foi preso em Coimbra, em 1665, nos cárceres da Inquisição.

Viveu em Roma de 1669 – 1675. Regressaria ao Brasil em 1681, onde morreria em 1697.

Foi um Cidadão do Mundo, atravessou sete vezes o Atlântico, percorreu milhares de quilómetros, muitas vezes a pé.

Distinguiu-se especialmente nos sermões. Profundo conhecedor do coração humano. F. Pessoa o intitulou “Imperador da Língua Portuguesa”. Elogiado por A. Sérgio “nunca se escreveu em português mais claro, mais próprio, mais natural…”

Arrebatava tanto a gente inculta do Brasil, como o requintado mundo dos cardeais da Cúria Romana.

“Expoente da oratória sacra portuguesa e um dos maiores da oratória universal, foi político, missionário, defensor dos fracos, crítico audaz dos poderosos e patriota visionário.”

*******

(Para este excerto sobre P. António Vieira, mais uma vez, me baseei na Lexicoteca – Moderna Enciclopédia Universal – Círculo de Leitores - Tomo XVIII – pag.s 164, 165, 166.

Manias pré históricas!!!)

*******

E ainda...

Relacionado com o postal anterior, dizer que continuei com Tieta. Apaixonante a narração. Dá vontade de não parar. É sempre assim com Jorge Amado.

*******

E a foto?!

Original, como gosto que sejam. De flores, ou de plantas, pela(s) sua(s) simbologia(s).

Repare, SFF:

Hoje é dia 13 de Junho. Dia de Sto António. A respetiva flor simbólica é o lírio branco. (Na minha terra, também chamamos a estes lírios, açucenas.) E qual foi o celebérrimo sermão de Padre António Vieira? De Santo António... aos peixes. Que é isso que também ando a fazer... Mais valia ao pessoal que, em vez de desconfinar por dá cá aquela pallha, fosse tratar de jardins, que bem precisam. Nem sabem como é relaxante, tratar de um jardim ou de uma horta. Experimente, SFF.

 

Tieta do Agreste - Pastora de Cabras

Ou a Volta da Filha Pródiga, Melodramático Folhetim em Cinco Sensacionais Episódios e Comovente Epílogo: Emoção e Suspense!

Tieta. in. estantevirtual.com.br. jpg

Jorge Amado

Editora Record – 2ª Edição – 20/8/77

Capa de Carlos Bastos

Ilustrações de Calasans Neto

Retrato do autor por Flávio de Carvalho

Foto do autor por Zélia Amado.

 

Comprei o exemplar que tenho, numa Feira do Livro de Lisboa, em 6/6/80, há 40 anos! Li-o nessa data. Mais tarde, vi a novela que passou na TV portuguesa - (89 / 90).

Agora, resolvi voltar a lê- lo. Apenas comecei. Mas interessante (!), ao fazê-lo e imaginar as personagens, associo aos artistas que lhes deram corpo na novela, de que gostei muito, aliás.

Betty Faria na personagem principal, Tieta; a célebre Perpétua, representada por Joana Fomm e assim por diante.

Questiono-me: Quando li pela primeira vez, antes da novela, como imaginaria as personagens?! Será que as associava às de Gabriela que já vira em 77?! (Mistério… como diria Dona Milu.)

 

Jorge Amado (1912 - 2001) é, de entre os escritores brasileiros, aquele de que mais tenho lido. Certamente será dos mais conhecidos, mercê também da sua divulgação através dos audiovisuais: televisão, cinema.

Além do supracitado, também Gabriela…, duas apresentações novelísticas, e também cinema; Dona Flor… Mar Morto… pelo menos estes de que me lembro.

No caso de Gabriela… considero que o livro e as duas novelas subsequentes são três obras artísticas ricas e peculiarmente diferenciadas, embora partindo do mesmo universo narrativo. Não sei de qual delas mais gostei. Se ler, se visualizar as tramas novelísticas!

 

Voltando ao Escritor. Cidadão envolvido social e politicamente na vida do seu país, apesar da trama narrativa dos livros mais emblemáticos se situar geográfica e culturalmente no universo do seu Nordeste / Baía – Região do Cacau, consegue transpor nos seus personagens os sentimentos universais do Ser Humano.

Partindo dum contexto muito particular, alcança a universalidade no conteúdo da sua trama narrativa. Também gosto, na sua escrita, como transparece o sentimento geral do Amor e a luminosidade otimista da Vida de um país cheio de sol!

 

(Livro escrito em português do Brasil, frise-se, com quase 600 páginas.

No final da sua narração, o Autor, após registar “FIM”, escreve: “Bahia, Londres, Bahia – 1976 / 1977”.

Quer dizer que o escreveu no período da ditadura militar: 1964 - 1985.

Havia Portugal saído há pouco da sua dita dura e, aliás o Autor refere isso logo no início pag. 16: “… ninguém sabe o que pode acontecer no dia de amanhã, recente, aí está, o exemplo de Portugal, quem poderia prever?”

Também já Chico Buarque editara “Tanto Mar” – 1975 - e cantava: “Sei que estás em festa, pá / …”

Esta 2ª edição fora de 50.000 exemplares – A 1ª, de 120.000, datada de 3/8/77. Distribuição: Centro do Livro Brasileiro, Lda)

 

Divulgados todos estes dados o melhor é recomeçar a ler.

 

Mas antes e ainda, referir que a ação decorre “… nos idos de 1965 – data tão próxima, ainda ontem, parecendo contudo distante passado ante as transformações do mundo; …” (pag. 333)

 

E também, que Jorge Amado, após conclusão da escola primária, em Ilhéus, aos 10 anos, vai estudar para Salvador de Baía, como interno no Colégio António Vieira… de onde foge. (Esta informação tem a ver com a atualidade de ontem em Portugal!)

Imagem: in. https://www.estantevirtual.com.br

“Sete anos de pastor Jacob servia / …”

Homenagem a Luís Vaz de Camões

(1525? – 10/06/1580 - Lisboa)

 

Rosa de Alexandria. Foto original. 2019. jpg

 

“Sete anos de pastor Jacob servia

Labão, pai de Raquel, serrana bela;

mas não servia ao pai, servia a ela,

e a ela só por prémio pretendia.

 

Os dias, na esperança de um só dia,

passava, contentando-se com vê-la;

porém o pai, usando de cautela,

em lugar de Raquel, lhe dava Lia.

 

Vendo o triste pastor que com enganos

lhe fora assi negada a sua pastora,

como se a não tivera merecida,

 

começa de servir outros sete anos,

dizendo: - Mais servira, se não fora

para tão longo amor tão curta a vida.”

 

 

In:

“ALMA  PÁTRIA – PÁTRIA ALMA”

“Pelo Mundo em Pedaços Repartida”

4º / 5º ANO

PORTO EDITORA LDA

Domingos R. Pechincha - J. Nunes de Figueiredo

*******

SONETOS – pag. 122

 

Notas Finais:

A escolha deste Poema para além dos diversos óbvios e, de certo modo, também a partir do universo dos blogues, também se enquadra no momento político atual e dos "servilismos" ou serão "oportunismos" (?) & Associados. -  POLITIQUICES!!!

Já no dia 11/06, resolvi inserir uma foto de uma rosa de alexandria, certamente condizente com o objeto de Amor de Jacob: Raquel. Calculo que haveria rosas destas lá para as terras de Jacob e Raquel. Digo eu.

Segundo a tradição biblica, deduzo que terão vivido no início do segundo milénio antes de Cristo. Portanto, há perto de 4 mil anos! Jacob, terceiro patriarca bíblico, é o pai dos epónimos das 12 tribos de Israel. Esteve casado com Lia, de quem teve seis filhos. Mais tarde acabou por casar com Raquel, valeu a espera e o "servir", de quem teve dois filhos: José e Benjamim. Jacob acabou por emigrar para o Egipto e o seu filho José tornou-se figura importante na hierarquia dos faraós, chegando a ministro! 

(É sempre importante sabermos estas coisas de ministros importantes nessa época, tal como agora. Estas informações não as soube na net, mas certamente lá estarão. Eu busquei-as na velhinha Lexicoteca - Moderna Enciclopédia Universal - Círculo de Leitores. Anos oitenta do século XX - 1986.

Em termos comunicacionais, reportam-se quase ao tempo dos faraós!)

E dou por findas as notas do postal, que gostaria de colocar outro novo.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D