Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

“Simone, Força de Viver”

Costa Caparica. foto original. 2020. 08. jpg

Simone de Oliveira com Patrícia Reis – 3ª Edição: Novembro de 2013, Matéria-Prima Edições.

 

Tinha curiosidade em desbravar o livro.

E assim foi. Entre 5º e 6ª feira, foi lido, nalguns excertos relido. Muito bem escrito, muito bem contado, estórias da vida da Artista, multifacetada, umas mais apimentadas que outras. Simone é incontornavelmente uma figura pública da Cultura Portuguesa, desde os inícios dos anos sessenta. Música, teatro, canções, espetáculo.

 

Tinha pica na leitura, ademais bem contado e bem escrito, melhor se lê.

(Só assisti, melhor, assistimos, a um espetáculo ao vivo com a Simone, aí pelos inícios dos anos noventa, 91 ou 92 (?), nas Ruínas do Convento do Carmo.)

Mas em televisão, na rádio, desde meados de sessenta, principalmente 65, passou a fazer parte do nosso universo musical e do nosso imaginário.

Tinha uma voz que arrepiava. Em 69, foi aquele deslumbramento, aquela canção, aquele poema, aquela música, aquela interpretação. Arrebatadora!

Interessante a explicação, dada pela própria, sobre essa interpretação e o relacionamento dela com Henrique Mendes (pag. 46).

 

Anos sessenta, início dos setenta… a vivermos em ditadura, com todas as restrições à Liberdade, em todas as suas vertentes: pessoais, cívicas, sociais, políticas, culturais. Computadores, internet, redes sociais, revistas cor de rosa, “big brother”, tudo isso era ficção. Jornais, revistas, meios de comunicação, jornalistas tinham outra postura. Também estavam condicionados à censura, não havia liberdade de expressão. Falava-se nas ligações dos artistas, de boca em boca, exagerava-se até, mas pouco publicavam sobre a vida particular. Menos ainda os próprios a divulgavam, como agora, que mostram tudo, da raiz do cabelo até à unha do pé.

 

Bem, no livro, passados tantos anos, é interessante ler o que a Artista conta sobre essa emblemática interpretação com que ganhou o festival de 1969! Os acontecimentos tinham outra repercussão. Presenciámos, vimos em direto na TV, aquela atuação! Aquela garra!

Depois, a perda da voz, acompanhámos essas truculências da vida. A recuperação, numa forma diferente. Lembro-me perfeitamente do festival de 73, em que voltou a participar. (Até houve um concurso, promovido não sei se pela Emissora Nacional se pelo Rádio Clube Português, sobre uma das canções, penso que “Minha Senhora das Dores”.) O Ary quase monopolizou o Festival, escrevendo a maioria das letras.

 

Também fala da “rivalidade” com Madalena. E também da amizade entre ambas. Existindo, certamente. À data, realçava, de facto, essa picardia entre as duas. Existisse ou não, era muito alimentada pelos meios de comunicação da altura. Rainhas da Rádio, Rainhas disto e daquilo. Nunca votei nesses concursos, não tinha acesso aos respetivos cupões, não abundava o dinheiro para gastar em trivialidades, nem elas existiam no fim de mundo aonde vivia, aonde vivíamos todos, nesses tempos obscuros. O mundo da época, segunda metade da década de sessenta, não tinha nada a ver com o de hoje. Mas lembro-me, era miúdo, do Festival de 66, ganho pela Madalena e, eu, na altura, torcia por ela e pelo “Ele e Ela”.

Estas coisas podem parecer futilidades sem importe, mas naqueles tempos, pouco havia com que se interessar. Houve o célebre Mundial de 66, nesse ano na Inglaterra. E como foi empolgante e como se criaram tantas expectativas, goradas no fatídico jogo com a equipa anfitriã. E como Eusébio chorou e com ele chorámos.

Mas estou a perder-me do livro…que não aborda o futebol.

 

Mas aborda muitas mais coisas e mais importantes. Mas fará o favor de procurar o livro, adquirir, para oferecer às suas Velhotas ou Velhotes. E lê-lo, primeiro, antes de oferecer.

Vai gostar!

O “meu não – momento” Eusébio!

Pior que fazer, ainda que errando, é não fazer!

 

Foto Original. Sesimbra. 2019. 04. jpg

 

Ao delinear o postal “O meu momento Amália”, que já vinha congeminando há algum tempo, pensara entrosá-lo juntamente com o “Não – momento Eusébio”.

Mas algo que tenho aprendido nos blogues: limitar a narrativa a uma página. Sugestão até de conceituado Jornalista de “Delito de Opinião”, quando me convidou para escrever um postal – Pedro Correia. A partir daí, tenho procurado limitar-me a essa dimensão. Em vez de um postal, escrevo dois.

 

Curiosa associação: Amália – Eusébio.

 

Não me vou explanar nesta dualidade, que daria pano para mangas. Apenas afirmar que, atualmente, considerar-se que Amália e Eusébio são duas figuras incontornáveis da nossa Cultura, não só nacional, até universal, atrevo-me a dizer que será uma opinião consensual. Digo eu! Nem sempre foi assim. Também o digo!

 

Também nunca vi Eusébio jogar ao vivo. Nunca fui ver um jogo de futebol, em grande estádio, nem um jogo entre grandes. Nem tenho projetado ir, embora a Vida nos proporcione surpresas inimagináveis. Jogos ao vivo, apenas de amadores. Também nunca tive jeito para a bola.

 

Mas tenho admiração por Eusébio, desde miúdo. E quem não terá, da minha geração?! Eusébio proporcionou-nos, enquanto miúdos, no célebre Mundial de 66, momentos mágicos, de alegria, redenção, entusiasmo, sublimação da vida pacata, nesse recôndito Portugal de antanho, de subsistência, inverosímil aos olhos de hoje.

 

Ah! O “meu não – momento” Eusébio!

 

Já neste milénio, resolvemos ir passar uns dias a Sesimbra. Como estávamos perto e não lido muito bem com marcações vias nets e que tais, fomos à papo-seco, sem marcação de alojamento. Procuraríamos in loco.

Um dos hotéis que procurámos situa-se no centro da vila, na parte baixa, bem frente ao mar. Não me lembro do nome.

Entrei na receção, aproximei-me do balcão, para ver se estava rececionista, mas não estava ninguém. Junto do balcão, não pude deixar de reparar nuns documentos colocados e neles ler aquele nome tão conhecido: Eusébio da Silva Ferreira!

Fiquei estupefacto! O Eusébio!!! Disse para mim: o Eusébio está aqui neste hotel!!!!

 

Naquela visão lateral que todos temos, vislumbrei provindo do lado esquerdo, pessoas descendo as escadas para o átrio.

Olhei! Era o Eusébio, mais a esposa, que vinham descendo! Dirigiram-se ao rececionista, entretanto chegado, estiveram mesmo ao meu lado, à minha beirinha, trataram das papeladas, pertinho de mim, e saíram para a avenida.

 

E porquê o meu não momento?!

 

Porque gostaria de ter tido a lata que tivera com Amália e tê-lo cumprimentado, ter-lhe dito, como o admirava desde aquele celebérrimo Mundial. Daqueles jogos que nos empolaram, o mais que emocionante com a Coreia, o seu desempenho, o nosso embalar nas vitórias subsequentes, a criação de ilusões sobre a possível vitória final, a frustração da derrota face a Inglaterra, já na meia final, como chorámos com ele, como achámos injusto. Ainda assim, a superação, após a vitória perante a poderosa URSS e o inabalável Yashin.

 

Tudo isto lhe poderia ter dito, ter-lhe agradecido pelas alegrias que nos proporcionou, em tempos tão cinzentos, mesmo com a televisão a preto e branco. Poderia ter dito, mas não disse! Porque fui vencido pela minha proverbial timidez e vergonha.

 

Este é daqueles momentos de que me arrependo. Pior que fazer mal é não fazer!

 

Ao longo da Vida tenho tido momentos desses, que acabam por ser não momentos.

 

E também lhe poderia ter pedido um autógrafo!

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais Comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D