Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Amoras!!

Amoras nesta altura do ano?!

Amoras pretas e vermelhas. Foto Original. 2021.07.21.jpg

Bem sei que cada coisa no seu tempo e agora já não é tempo de amoras. Nem floridas?!

Cacho em flor. Foto Original. 2021.07.21.jpg

A não ser que as tenha conservado em compota, deliciosa(!), ou guardado na arca e as reaproveite agora. Em compota, ficam muitíssimo agradáveis. O crocante das amoras caramelizadas é muitíssimo apelativo.

Mas hoje apresento-vos fotos de cachos de amoras, fotos tiradas em Julho. No mesmo balsedo, conjunto de silvas, silvado que bordeja o “Caminho da Fonte Das Pulhas”. Tirei fotos em diferentes estádios de maturação.

Amoras. Foto Original. 2021.07.21.jpg

No mesmo cacho observam-se bagos de amoras já pretas, umas vermelhas, outras ainda verdes. São assim as amoras! (Comparo-as muito com as pessoas. No mesmo conjunto familiar, há pessoas mais velhas, umas mais novas… Em diversos momentos das suas vidas evolutivas. Em diferentes estádios do seu desenvolvimento pessoal e social.)

Simultaneamente noutros cachos estão ainda todas verdes.

Amoras verdes. Foto Original. 2021.07.21.jpg

Noutros, os cachos estão floridos.

Cacho florido. Foto original. 2021.07.21.jpg

Ainda, noutros totalmente em botão.

Cacho em botão. Foto Original. 2021.07.21.jpg

São assim as amoras!! As seguintes, já em Agosto.

Amoras em Agosto. Foto original.2021.08.06.jpg

E, para finalizar, um cesto de amoras já colhidas, também em Agosto. 

Amoras para compota. Foto original. 2021.08.07.jpg

Que mãos hábeis transformaram em compota. Deliciosa!!

E um último cacho, já em Setembro.

Amoras. Foto Original. 2021.09.06.jpg"Gostas de amoras?! …

Vou dizer ao teu Pai que já namoras!"

Muita Saúde. Muito Obrigado. E muitas amoras. Agora, em compota!

 

Memorieta a Poeta José Duro

Jardim da Corredoura – “Cidade de Régio” -Portalegre

Homenagem José Duro. Foto Original. 2021.11.04.jpg

“Portalegre a Cidade e a Serra”, de Ângelo Monteiro, com Introdução, revisão e notas de Luís Bacharel. Edição de “A CIDADE” – Revista Cultural de Portalegre” – 1982.

Vista da Cidade. Foto original. 2021.01.08.jpg

Este livro debruça-se sobre a temática citada, englobando “Resenha histórica, Roteiro urbano, Descritivo, Volta à Serra, Freguesias rurais, Triângulo turístico e Notas.»

Memorieta José Duro. Foto original. 2021.11.04.jpg

Nele, fazem-se referências ao monumento evocativo do Poeta José Duro. E, pelo descritivo e foto apresentada, constatam-se algumas alterações ao modelo inicial. (Tal como o Jardim e equipamentos da Corredoura que sofreram grandes alterações na sequência da intervenção do Programa Pólis: 2004, …).

Algumas citações do livro:

«… encontra-se em ampla praceta, a memorieta a José Duro (XVI)»… pag.20

(...)

«XVI – Duro (Memorieta ao poeta José Duro)

Por justa iniciativa dos estudantes portalegrenses, em 23 de Julho de 1944, foi inaugurada a memorieta que homenageia o notável e infeliz poeta José Duro, nascido nesta cidade em 27 de Outubro de 1878. Depois de uma curta vida, torturado pela doença e quase esquecido, veio a falecer em 1899, em Lisboa, no dia 18 de Janeiro.» pag. 41

(Nesta página 41, contendo a breve descrição anterior, figura também uma foto do medalhão com a efígie do poeta e subscrevendo a imagem, os seguintes dizeres: «HOMENAGEM DOS ESTUDANTES».)

«Nota (41) – O projecto da memorieta é do pintor portalegrense João Tavares e o trabalho em bronze de Inácio Perdigão.» pag. 82

Assinatura I. Perdigão. Foto original. 2021.11.04.jpg

Este postal completa o anterior sobre o assunto, esclarecendo um pouco mais sobre o monumento evocativo, de que me lembro das diferenças, nomeadamente o texto evocativo da homenagem dos estudantes, que não figura atualmente no monumento.

Medalhão José Duro. Foto original. 2021.10.15.jpg

Face também à Autoria do monumento, João Tavares, não seria justo figurar uma placa evocativa dos promotores da homenagem, da autoria do singelo, mas sugestivo monumento e a data da respetiva concretização?! (Digo eu... Sei lá!)

E quem foi Ângelo Monteiro?!

(...)

Grato pela atenção. Votos de muita saúde!

 

“Momentos de Poesia”: 15º Aniversário

"Cidade de Régio" / Portalegre: Hotel José Régio

Cartaz Momentos de Poesia Nov 21.jpg

Parabéns a “Momentos”.

Aos seus Organizadores, com realce para Drª Deolinda Milhano que tem mantido a “Chama da Poesia” na “Cidade de Régio, ao longo destes quinze anos. Desde 2006! Interrompidas as sessões poéticas durante estes tempos confusos de “Covid”, retorna à Cidade este evento cultural multifacetado: Poesia, Música, Canto.

Parabéns a todos os Participantes. Que corra tudo pelo melhor! Com Saúde!

Vista de Portalegre das "Portas do Crato". Foto Original. 2021.07.22.jpg

Ilustração também com um “quadro” da Cidade. A Serra, a que chamo “Serra de Portalegre”, onde pontificam espaços icónicos que percorremos em Caminhadas.

Um excerto da “Cidade Nova”. Um local emblemático e histórico: o célebre “Palácio Amarelo”. E um quintal, locais característicos da “Cidade de Régio” e que tanto a valorizam. Bem que podiam organizar “Percursos pelos Quintais”!

E, Caro/a Leitor/a, sabe identificar o local de onde se têm estas lindas vistas?!

Não nos tirem as vistas, por favor!

 

Eleições antecipadas: 30 de Janeiro de 2022!

E, a seguir, um 31?! De Janeiro! "Um trinta e um"!?

Uns bitaites, umas metáforas, uns provérbios… e sondagens.

Questões pertinentes ou perguntas impertinentes?

Arco do bispo. Foto original. 2021.07.22.jpg

31 de Janeiro?! Até há uma rua, na “Cidade de Régio”, com a designação de “Rua 31 de Janeiro”, antiga “Rua dos Canastreiros”! Com a República e como forma de “condicionar/doutrinar” à causa republicana, muitas ruas, artérias e avenidas adquiriram outros nomes: Ruas ou Avenidas da República, de Cinco de Outubro é o que mais há por aí ... Em Lisboa, nem se fala. Mas essa “moda” ou imposição (?) foi reproduzida por todo o país.

E sabe a que ano se reporta esse 31 de Janeiro?! Pois, a 1891! Um trinta e um, a noventa e um!

Mas na Monarquia também os nomes das ruas identificavam o regime. A Avenida Almirante Reis era Dona Amélia. Qual seria o nome mais bonito, para a Avenida: Almirante Reis ou Rainha Dona Amélia?

Mas tudo isto a propósito do trinta e um e do trinta de Janeiro. E, a seguir... Um 31?!

Já o afirmei. Não concordo nada com estas eleições antecipadas. Fossem os interesses do país que norteassem os partidos e eles teriam deixado passar o orçamento. Como?! Abstinham-se, pura e simplesmente, os que votaram contra.

Só alguns?! Não! Todos! E o orçamento teria passado.

Se as afirmações de Sua Excelência, o Senhor Presidente, tiveram influência? O que acha?!

Quanto ao discurso de Sua Excelência, o Senhor Presidente, a 4 de Novembro, é com se costuma dizer: “Fala bem, mas não me alegra”! Que o Senhor Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa “sabe mais que o Mestre da Música”!

Agora já anda tudo num rebuliço.

E uma das “pragas” das campanhas eleitorais e pré-eleitorais, são as sondagens.

Mal foi decidida a data das eleições, logo a RTP1 apresentou uma. Pelo célebre pivot… dos Santos. Foi cá uma peroração!

Uma pergunta impertinente, melhor, várias perguntas impertinentes.

A escalpelização minuciosa, pormenor a pormenor, conjetura a conjetura, pergunta a pergunta, questão a questão, será notícia?! Será informação? Ou será, preferencialmente, propaganda, manipulação, condicionamento informativo e especulativo?!

O que acha, Caro/a Leitor/a?!

E por aqui me fico, que ainda faltam praticamente três meses até à concretização do ato eleitoral. Até lá, que haja paciência, benevolência e muita saúde! Sem Covid!

*******

A foto?! Não, não se reporta à Rua 31 de Janeiro. Não tenho nenhuma foto disponível. É Na "Cidade de Régio". É o "Arco do Bispo", antiga "Porta do Crato".

Não sei se será uma metáfora ou várias, sobre este nosso País. Precisamos de alguma "Luz ao fundo do túnel" ou do Arco, neste caso. Menos "terra queimada", como a que avistamos, ao fundo da imagem, na Serra. Da Penha. Mais portas que se abram ao futuro deste nosso querido e risonho País!

 

Portalegre: Valorização da Poesia!

E dos seus Poetas!

Não tenho dúvidas que Portalegre é uma Cidade de Poesia! Por muitas, diversas e variadas razões. E situações.

De Poetas! E, entre todos, Portalegre: “Cidade de Régio”.

Se quiser ter a amabilidade de navegar em Aquém-Tejo, terá essa confirmação.

Hoje, Caro/a Leitor/a, trago-lhe esta singela Homenagem prestada, na “Cidade de Régio”, a José Duro, postada num banco, de “sentar”, no Jardim da Corredoura.

Banco na Corredoura. Foto original. 2021.10.15.jpg

Tentarei saber mais sobre o Poeta e sobre o banco.

De “sentar”, friso. Que os outros…

José Duro. Portalegre. Foto Original. 2021.10.15.jpg

Excertos Poéticos...

Excerto poético I. Foto original. 2021.10.15.jpg

Preste atenção à mensagem e à ortografia, S.F.F.

Excerto Poético. Foto original. 2021.10.15.jpg

E que saudades de “Momentos de Poesia”!

Mas com “Isto da Covid”…

Obrigado pela sua atenção. Votos de muita Saúde!

 

Outonalidades 21: Folhas e Frutos

Sabe que Planta(s) é / são (XVII)?!

Falsa vinha. Foto original. 2021.10.15.jpg

Acabado o “Verão dos Marmelos”, o Outono instalou-se. E as respetivas tonalidades. Os últimos três dias de Outubro presentearam-nos com a chuva, tão desejada. Simultaneamente, depressa nos aborrecemos com ela. Faz-nos falta, é-nos imprescindível, mas também faz os seus estragos. Que o diga o “Vale de Baixo”!

As fotos são da “Cidade de Régio”, a primeira e a última. Da mesma planta, que cobre parte da muralha, junto à antiga “Porta de Elvas”. Uma trepadeira, que pelo fruto parece o que não é.

A 2ª foto só nos apresenta as folhas. Que é o que parece.

Videira. Foto original. 2021.10.31.jpg

Os frutos, saborosíssimos, já se foram há algum tempo. São o que os da primeira e última foto parecem.

A 3ª foto se calhar parece o que também não é.

Zambujeiro. Foto original. 2021.10.30.jpg

Mas parece!

E a quarta o que é?

Murta e murtinhos. Foto original. 2021.10.31.jpg

E a quinta já sabe o que é. Um Arbusto de um fruto só: ... Unedo.

Medronho. Foto original. 2021.10.31.jpg

Porque só se deve comer, um e um só!

Conseguiu saber o nome de todas as plantas?!

Falsa vinha. Foto original. 2021.10.15. jpg

Os nomes vulgares, não a designação em latim, que também não sei.

(A 3ª foto é do "Vale de Baixo". A 2ª, a 4ªe a 5ª são do Quintal.)

Parabéns!

Muita Saúde!

Encontro Literário no Cinco de Outubro!

Onde?! …Na Cinco de Outubro?!

…Não!

No cruzamento da “Azinhaga do Poço dos Cães” com a “Azinhaga da Fonte das Pulhas” ou do “Porcosunho”

Entroncamento de Azinhagas. Foto original. 2021.02.21.jpg

Encontro Literário com a Escritora Lénia Rufino.

Querem dióspiros?! (…)

Dióspiro. Foto Original. 2021.10.07.jpg

Ao final da tarde de cinco de Outubro, mais um dia de vaidades lá para Lisboa, vinha eu de um dos meus “escritórios”, quando estou na Aldeia. Neste caso, do “Vale de Baixo”. Não trazia as “canetas”, pois já deixara a ferramentaria e as colheitas, no “Quintal do Chão”.

Azinhaga do Porcosunho. Foto original. 2021.02.21.jpg

Observei um casal descendo a “Azinhaga do Poço dos Cães”.

Azinhaga do Poço dos Cães. Foto original. 2021.05.22.jpg

Parei, porque pareceu-me conhecer a rapariga, apesar da distância e de nunca a ter visto pessoalmente.

O casal também parou, hesitando na continuação da marcha.

Instei-os que prosseguissem, pois gostaria de falar com eles.

Ao aproximarem-se, tomei a liberdade de perguntar o nome à rapariga.

Confirmava-se a minha perceção. Era Lénia Rufino, sobre cujo livro “O Lugar das Árvores Tristes” teci algumas considerações neste blogue.

No breve colóquio encetado, referi que conhecia os pais, que a mãe era da minha idade e fizéramos a 4ª classe no mesmo ano. Que lera o livro de Lénia e de que gostara.

Lénia agradeceu e tive oportunidade de abordar mais alguns aspetos da narrativa.

(Aliás, a Escritora, conforme frisou, vinha explicando ao companheiro, sobre as ambiências do livro e aqueles espaços inspiradores para o enquadramento do enredo, que faziam parte das suas memórias de infância, quando vinha para a Aldeia com os pais.)

Peculiar e simbólico, que tenha encontrado a Escritora, num espaço de contexto da história e não em qualquer salão literário ou livraria!

Quanto à “Fonte dos Pulos”, a fonte inspiradora foi a “Fonte do Salto” e não a “Fonte das Pulhas”. Contrariamente ao que eu, inicialmente, supusera.

Sobre a continuidade da condição de escritora, mencionou estar a escrever outro livro.

Face à questão que lhe coloquei se seria saga do primeiro, referiu que não. A continuar, se o fizesse, seria sobre o filho de Lurdes, o João.

Questionada sobre o “violador”, explicitou que a ele se refere na página duzentos. Não tendo eu, de momento, o exemplar do livro na minha posse, vou continuar na dúvida, sem saber se a minha suspeita do possível autor do crime será quem eu penso ou não.

A conversa foi breve, que ainda iam para Lisboa. Não sei que Lisboa. Que para nós, quando estamos no Interior, Lisboa é toda a Grande Lisboa!

Dióspiro. Foto original. 2021.10.07.jpg

Querem dióspiros?! Finalizei quase em remate de conversa. Recusaram e engelharam a cara. Pelos vistos não gostarão. Eu, pelo contrário, este ano tenho-me lambuzado com os dióspiros.

Diospireiro. Foto Original. 2021.10.07.jpg

Tinha colhido alguns e, caso gostassem, faria gosto em oferecer-lhes.

Continue a saga… ainda lembrei.

(P.S. - As fotos não se reportam ao dia referido. Foram tiradas em momentos diferentes. Fazem parte do acervo, vasto, que tenho. Os locais são os mencionados. Os dióspiros... bem, também já se foram.

Lá para Óbidos também estão a decorrer "Encontros Literários". )

Montado e Serra em fundo!

Montado e Serra I. Foto Original. 2021.10.09.jpg

"Ao longe... a Serra!

Serra ao longe. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Uma miragem...

Serra miragem. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Duma impossível viagem!"

Montado e serra. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Os "versos" anteriores fazem parte de um poema que escrevi...há muitos anos!

Agora, exemplo de "Montado de Azinho"

Montado de azinho. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Montado de Sobro.

Montado de Sobro. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Uma árvore está truncada!

Um Sobreiro! O montado em fundo. E um vislumbre da Serra!

Sobreiro. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Obrigado pela sua atenção. Muita Saúde! Bons Passeios.

 

Pedras… Pedras… Pedras… Pedras… (IV)

Intervenções Humanas!

Neste postal nº 977, apresento imagens de rochas que, de algum modo, foram sujeitas a intervenções do Homem.

A primeira tem os cinco círculos que observamos e que são por demais intrigantes.

Pedra dos 5 círculos. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Terão sido elaborados há milhares de anos? Supostamente sim! Por que povos? Com que finalidades? Com que instrumentos? Que utilidade teriam?! Muitas mais questões poderiam ser levantadas. As respostas seriam certamente escassas.

Ainda tentarei limpar a pedra, para visualizar melhor os círculos.

A 2ª foto é de um muro de uma propriedade.

Muro tradicional. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Observe, S. F. F., o trabalho arquitetónico: a forma e a função / funções. O conjunto e as partes. As pedras e cada pedra, no respetivo lugar.

Na 3ª, umas escadinhas, para subir à pedra maior.

Escada de pedras. Foto Original. 2021.10. 09.jpg

Hei-de pedir ao proprietário para me deixar entrar no terreno, para observar e fotografar melhor. (Espero que não tenha cães bravos.) E, subir à pedra, se conseguir.

Na 4ª foto, também intervenção humana, no aproveitamento de um espaço natural para utilização funcional. Também trabalho antigo!

Pedras estruturadas. Foto Original. 2021.10.09.jpg

E este “corte”, nas pedras seguintes, terá resultado de intervenção humana?

Pedras cortadas. Foto Original. 2021.10.09.jpg

E estas pedras, aparentemente espalhadas a esmo, terão resultado de intervenções de humanos com vista a alguma utilização?

Pedras a esmo. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Terão constituído alguma estrutura funcional? Terão sido desativadas dessa primitiva função? ... ?...?

E, a “Pedra da Cantareira”!

Pedra da Cantareira. Foto Original. 2021.10.09.jpg

Esta tem nome, que é designada, como mencionei. Tal como a propriedade que delimita. Não me pergunte porquê, que não sei!

Se visitar, respeite a Natureza! Não deixe lixo, SFF!

****

P. S. - O "Verão dos Marmelos" parece estar a terminar. Ontem, o céu esteve sempre coberto de nuvens. Hoje, um capacete cerrado de nuvens cobre completamente a Serra. Parece que chuviscou.

Saúde. Muita! E Obrigado!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D