Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Outono / 23: De “Verão de S. Martinho” para Inverno!

Choupo negro. Foto original. Nov. 23

Nos Campos - Vale de Baixo, e num Quintal de Aldeia da Mata!

Choupo e freixos. Nov. 23

Hoje, 30 e Novembro, tem-se fartado de chover! A expressão é mesmo essa. O “Mês dos Santos” despede-se com chuva. Abandona o modo de Outono – “Verão de São Martinho” e entra no ciclo de Outono – Inverno.

Se continua assim a chover, com esta quantidade e ritmo, durante vários dias, será que vamos ter novamente cheias na Ribeira?! A ver vamos. Aguardemos!

Com esta chuva, tocada a vento, o que irá acontecer será que as árvores de folha caduca perderão completamente as folhas.

No Vale de Baixo, os renques de árvores, que temos no lado leste das valetas transversais, são deste tipo de folhagem: caduca. Quando as fui plantando, essa escolha foi intencional. Que, no Outono, proporcionassem precisamente essa imagem de conjunto de folhagem colorida de amarelos e laranjas. Mas este foi um processo de aprendizagem. Aprendi, por ex. que as árvores não são todas iguais, têm folhagens diferentes, de tipos e cores e o processo de amadurecimento outonal não é simultâneo. Por ex., agora, enquanto o choupo e as romãzeiras ainda têm folhas, bem coloridas, os freixos já as perderam há várias semanas. O mesmo se passa com outras árvores, de tão variadas que são!

freixos e choupo. Original. Nov. 23

Talvez venha a plantar mais choupos, mas que têm sido difíceis de abacelar. Os verões são muito quentes e secos. Vou fazendo, aprendendo por tentativa e erro, emendando, errando, mas fazendo sempre, sem desistir!

Nos últimos anos também tenho plantado e semeado árvores de folhagem persistente: sobreiro, azinheiras, loureiros, sanguinhos. Bem, pinheiros mansos já plantei há vários anos!

As fotos documentam Outono, ainda, mas Inverno a chegar! São da minha modesta autoria! São de 27 de Novembro todas.

As duas seguintes são de um quintal, no Bairro de Santo António.

De um diospireiro, ainda com folhas...

Diospireiro. Original. Nov. 23

e de outro, quase sem folhagem e ainda um apetitoso dióspiro:

Diospireiro. Original. Nov. 23

Bons passeios Outonais, com saúde!

Rosas de Outono 23 – Aldeia da Mata

Rosa acetinada. Original. 11 Out.

Outubro outonal / Belo roseiral!

Ontem e hoje, o postal que publiquei anteontem – 29/10, em “Apeadeiro da Mata” sobre rosas, tem estado destacado nos blogues do SAPO. Obrigado à Equipa.

Mas não é por isso que volto a publicar um postal de rosas, desta vez em “Aquém-Tejo”. Quando, anteontem, organizei as fotos, pensei logo em publicar dois postais. Mas não tive oportunidade. Vai hoje.

 (Aproveito para frisar o que venho escrevendo há meses!... Os postais de Aquém Tejo nunca aparecem em “Últimos postais”!!!!!)

Fotos:

Titulando o postal, foto de uma “rosa acetinada” (11/10). Numa perspetiva invulgar e enquadrada pela folhagem das plantas que rodeiam a roseira: folhas de videira, a das melhores uvas do quintal; ramagem de jasmineiro e de outras plantas cujo nome desconheço.

Rosa da Gulbenkian

Rosa Gulbenkian. Original. Out.23.

Rosa Branca

Rosa Branca. Quintal de cima. Foto original.

Rosa rosa

Rosa rosa. Foto original. Out 23

(As 3 fotos anteriores são de 20 de Outubro.)

Em seguida:

Botão de rosa de Stª Terezinha

Botão de rosa. Foto original. Out 23.

(4 de Out.)

Rosa acetinada

Rosa acetinada. Foto original. OUT. 23

(8 de Out.)

E uma “rosa” que não é rosa.

Hibisco. Original. out. 23

(Que não está no meu quintal. E que não fui eu que plantei.

Está no jardim junto do prédio de Almada, plantada por um vizinho, que a recolheu do lixo.)

(É a flor de um Hibisco, mas o vizinho chamava-lhe “rosa”!)

Falamos de rosas, para não falarmos de coisas tristes, que todos os dias nos atormentam, ademais nesta fase de transição da hora, de redução dos dias, de pôr-do-sol cada vez mais cedo e que me perturba sempre um pouco esta adaptação!

Saúde, Paz e bom Outono!

 

Pôr - do - Sol / 14 Outubro 23

Aldeia da Mata - Chão da Atafona

Vistas para os lados do sul do Porcozunho.

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

O sol já se põe cada vez mais cedo. Hoje, cerca das 18h 55'.

E cada vez mais a Sul!

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

 

Ontem anunciava-se chuva . E choveu bastante, de noite e de madrugada.

Também se prenunciava o Outono. Mas, a modos que ainda parece Verão. Continua o sol quente, não tanto como até ao dia doze, mas ainda assim, calor! Verão dos marmelos?!

Ou Verão verão?!  

Saúde, Paz, que tarda e se complica cada vez mais. E bons passeios outonais ou estivais!

 

O Outono se prenuncia!

Outono. Original. 13.10.23.

Poesia outonal!

 

A chuva se anuncia

Dando um ar outonal

E o astro qu’alumia

Esconde o seu astral.

 

Tanta nuvem não se via

Há tempos em Portugal

Toda a gente dizia

A seca não tem igual!

 

Hoje, sexta, treze – dez

Parece ser esta vez

Finalmente vai chover!

Alentejo lés a lés

Já basta tanto sofrer

Nova erva vai nascer!

 

Outono. Original. 13.10.23.

(Fotos e poema de minha autoria. De hoje, 13/10/23 - 6ª feira. Poema inspirado no tempo retratado pela foto, em que a chuva parece vir a chegar! Que saudades da chuva! O dia já esteve muito mais fresco, nada do calor que, ainda ontem, nos atormentava!)

Votos de muita saúde, bons passeios outonais. E que venha a Paz. Que as guerras destroem a Humanidade!

 

Primavera do Outono! Set/23.

Em que estação do ano estamos?!

Outono! Verão? Primavera?!

Catalpa florida. Original. 24.09.23.

A fotos, todas originais são elucidativas:

Todas a partir de 24 de Setembro, Outono, apesar do imenso calor e muitas plantas floridas!

Rosa. Original. 26 Set. 23.

(Roseira florida - 26/09/23. Foto da rosa sob efeito sombra.)

Rosa acetinada. Foto original. Set 23

(A mesma rosa, no mesmo dia, mas sob o efeito da luz solar.)

 Em qual das fotos a rosa fica melhor?!

*******

Rosa Branca:

Rosa Branca. Quintal de cima. Foto original.

Alecrim florido:

Alecrim. Foto original. 24.09.23.

Despedidas de Verão, sem o Verão se despedir, já bem no Outono:

Despedidas de Verão. Foto original. 24.09.23.

Outono, sim! Verão, também! Primavera?! Talvez...

Ou seja: Primavera do Outono!

*******

Os Gatos são quem menos se preocupa com isso.

A Dona Mi-Dú, com os 2 filhotes na mesa de amesendação:

Gatos no quintal. Foto original. 28.09.23.

(Repare que um dos gatos, pela idade, já "adolescente", come que se farta... e ainda mama!)

Ricas Vidas!!!!!

 

Cheias nas Ribeiras – Aldeia da Mata

Ribeiras que são apenas uma Ribeira!

De Cujancas, nome oficial, mas com vários nomes particulares. Assim, como se fossem “anexins”!

A maior cheia de que há memória! 20 de Dezembro de 2022, 3ª feira.

Ribeira das Pedras!

Ribeira das Pedras. Foto original. 20.12.22

Ribeira do Salto!

Ribeira do Salto. Foto original. 20.12.22

Ribeira do Porcozunho!

Ribeira do Porcozunho.  Foto original. 20. 12.22

Quem me haveria de dizer que em Janeiro, deste ano, quando andei a limpar a pedra onde está gravado o registo das cheias de 1941 e de 1959, haveriam de ocorrer neste mesmo ano de 2022, cheias tão grandes! Sim, porque neste final de Outono, que findou ontem, já houvera outra no pretérito dia treze, 3ª feira. Também ainda no Outono, a findar. As fotos dão testemunho dos factos. E não são dos momentos maiores da cheia, que, quando fotografei, a água já teria descido cerca de um metro. De qualquer modo são elucidativas da grandeza, da força das águas e da Natureza!

Foto da pedra com os registos pictográficos de 1941 e de 1959 e, agora, assinalado a branco, o nível da cheia de 20/12/22.

Pedra com registos das cheias. Foto original. 21.12.22.

Sinal do nível das águas no poste e no muro da ponte.

Nível das águas. Foto original. 21.12.22

Quase chegou ao tabuleiro. Não o alcançou por pouco. Se o tivesse alcançado...?! Os parapeitos precisam de obras. A ponte precisa ser alargada, corrigida. Já referi isso noutros postais.

Ponte e arcos. Foto original. 21.12.22

Na foto anterior, apresentando imagem da ponte e respetivos arcos e parapeito de jusante, lado oeste, é por demais visível que são necessárias obras.

Quando andei fotografando as Ribeiras, percorrendo também os terrenos da margem esquerda, Tapada das Freiras, Tapada do Rescão, nunca me aproximei demasiado das águas.

Nem na Ribeira das Pedras me atrevi a passar a ponte, quando a cheia estava no auge.

Algo que, pelos vistos, não assustou o transeunte que  a foto documenta.

Ponte Ribeira das Pedras. Foto original. 20.12.22

É da Proteção Civil. Frise-se.

*******

Para si, Caro/a Leitor/a, que teve a amabilidade de nos acompanhar até aqui, Votos de um Excelente e Santo Natal!

E que venha menos chuva!

São Pedro...?!

Bufa de Lobo ou Bufa de Velha?!

 

A Saga dos Cogumelos: (III)

Estes, na Serra de São Mamede – 26/11/22 – (sábado)

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

Na sequência do mostruário sobre estes seres, em “Aquém-Tejo” e no “Apeadeiro da Matta”, apresento nova série.

Não sei o nome científico de nenhum. (Já havia referido essa minha lacuna?! Desculpe. Obrigado por me lembrar.)

Nomes comuns só sei o da 2ª foto, que pode ser designado como “Bufa de Lobo ou Bufa de Velha”. Terá outras nomenclaturas, conforme as regiões ou países. Antigamente, usavam os esporos deste cogumelo para sarar feridas.

Bufa de lobo. Foto Original. 26.11.22.

Não tutela o postal, apesar do título, porque não tem uma imagem muito apelativa.

Escolhi outro cogumelo que é mais fotogénico!

Repare não só no item fundamental, como em toda a envolvência. Sempre materiais em decomposição. Folhas variadas, alguns ramitos de árvores, que eles vão transformando. São decompositores.

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

O seguinte, enquadrado no mesmo ambiente: folhas de azinheira ou sobreiro, raminhos secos. E umas ervitas. Este até pode ser facilmente confundido com o tortulho. Mas não me parece que seja!

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

O que se segue, assemelha-se ao anterior, desabrochado. Será?! O mesmo enquadramento, mas com um novo elemento. Uma bolinha vermelha, à esquerda. (Se fosse à direita e na TV, sabíamos o que era!) Neste caso, nesta foto, o que será?! Adiante, SFF!

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

Na foto subsequente, a envolvência observa-se bem. Mas o cogumelo?! Está apenas "em botão" e, realmente, é difícil de descobrir!

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

A seguir, um bem original! Enquadrado por várias "bolinhas vermelhas". O que serão?! 

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

Pequeno, mas com um chapéu bem interessante!

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

Uma colónia de seres minúsculos, bem disfarçada no ambiente!

Cogumelos. Foto original. 26.11.22

E este, será um tortulho?!

(Enquadra-o uma planta trepadeira, que conheço como pegamassa.)

Cogumelo. Foto original. 26.11.22

Como pode observar, Caro/a Leitor/a, desconheço o nome científico de todos. A quase totalidade dos respetivos comuns. Além do mais, não sei sobre perigosidade, toxicidade, se venenosos ou não. Daí, os especiais cuidados. Não os apanhar! Não os colher! Fotografar, basta!

Se alguém, que ler este postal, souber os respetivos nomes científicos ou mesmo os comuns e quiser ter a amabilidade de os nomear, agradeço. Obrigado!

E, como escrevi em postal anterior, também sei o nome comum de um outro. Mas este ano ainda não encontrei nenhum. Tem um cheiro muito característico. Senti-o, quando andámos na Serra. Mas não localizei. Tem um nome comum muitíssimo peculiar e penso que o científico remete para a mesma significação. Mas... quando encontrar, postá-lo-ei. 

Obrigado pela sua atenção. Bons passeios Outonais, com menos chuva!

 

País de secas e de enxurradas!

Nestes últimos dias tem chovido água que Deus a mandou! Ou São Pedro!

"Deixa estar, que ela não fica lá". Dizia a Mãe, quase centenária, quando nos verões se falava da seca!

Tem chovido tanto que tem havido enxurradas pelos mais diversos lugares do nosso País. Este Outono tem tido características que, há vários anos, não observávamos. Depois de secas persistentes e de um ano particularmente quente no Verão, choveu ainda no final desta estação. Continuou chovendo regularmente, no Outono. As terras sequiosas foram absorvendo as águas. Pouco foi chegando às barragens, apesar de se irem compondo face à escassez de água que fomos lamentando todo este ano e anterior(es). Não chovia! As barragens não tinham água! Este drama atormentou-nos até há bem poucas semanas. E, era um facto!

Ponte moderna de Benavila. Foto Original. 03.10.19.

Posso exemplificar. Ainda no passado dia 7, do corrente mês, nem há oito dias vai, passámos por Benavila, junto à Barragem do Maranhão. Pudemos constatar como a represa estava vazia. A norte desta localidade, corre a Ribeira de Serrazola, que desagua na Ribeira de Seda, represada na mencionada Barragem, cujas águas chegam até bem longe de Benavila, quase até Seda, quando o reservatório está cheio. Não era, nem de longe nem de perto, o caso. Esse ramo poder-se-ia atravessar a pé, partindo do Santuário da Senhora D’Entre-Águas, localizado a norte, em colina sobranceira às duas ribeiras, que aí confluem. Ribeira de Serrazola desagua na Ribeira de Seda. A ponte antiga que atravessa aquela ribeira, habitualmente submersa, estava completamente descoberta. Permitiria atravessar, a quem o quisesse fazer. (Tive pena de não ter tirado foto, mas estávamos com muita pressa, já era tarde e estava ameaçando chuva, como já dura há dias. As fotos ficariam semelhantes às que tirei em Outubro de 2019, já postadas.)

Benavila. Barragem do Maranhão. Foto original. 03.10.19.

Em poucos dias, especialmente desde o final de semana, a chuva tem sido de tal intensidade que provocou estragos especialmente nas localidades. Particularmente nas ribeirinhas. Para essa situação, em especial na Grande Lisboa, contribui a orografia dos terrenos, sobremaneira o asfaltamento, a betonização. O deficiente Urbanismo! Mas o “mau tempo” continua por todo o lado.

Ontem, quando regressávamos a Portalegre, particularmente a partir de Estremoz, ainda mais após Monforte, os terrenos alagadíssimos. Regatos eram ribeiros! Estes, ribeiras! E aquelas, quase rios! Todas estas águas Monfortenses, Portalegrenses, irão desaguar direta ou indiretamente para a Ribeira de Seda e respetiva Barragem do Maranhão. Será que agora a barragem irá fazer o seu pleno?! Numa próxima viagem já a veremos completamente cheia?!

Av. Pio XII. Foto Original. 13.12.22.

Ainda Portalegre. Aqui as chuvas têm sido intensíssimas! Avenida Pio XII, descendo da Serra, tem parecido uma verdadeira ribeira!

Bem gostaria de ir ver a Ribeira das Pedras e do Salto – Aldeia da Mata - que já galgaram as respetivas pontes!

 

“Momentos de Poesia”: Um Hino à Amizade!

Uma Ode à Alegria!

Centro de mesa. XVI Aniversário Momentos Poesia. 26.11.22.

Decorreu, ontem, 26 de Novembro de 2022, a Tertúlia do XVI Aniversário de “Momentos de Poesia”. No Hotel José Régio, numa das Cidades do Poeta: Portalegre.

O título e subtítulo do postal evidenciam duas vertentes identitárias do evento: Amizade – Alegria. Acompanhadas de Poesia, Canto, Música, Fado. Belíssimos acompanhamentos! Durante duas horas viveram-se bonitos momentos de partilha entre os vários Tertulianos. Que quiseram ofertar-nos dádivas dos seus dotes artísticos nas áreas mencionadas.

Ouvimos canto e fado à capela, “soprando-nos ao vento” poemas próprios ou de outros autores, originais ou já publicados. Fado de Coimbra, de José Afonso. Poesia, Poesia, nunca é demais sublinhar e repetir, nos Fados e nos Cantos, mas também e muito especialmente, per si, que essa é a matriz e raiz fundamental do evento: “Momentos de Poesia”!

Foram tempos mágicos, em que já não participava, na Cidade de Régio, há três anos! Em Almada, em 2020! Foi a primeira Tertúlia que partilhei nestes tempos pós-Covid. (Pós-Covid?! A Covid já acabou?)

Poesia, para público, dissera na Rádio Portalegre, em Março – Abril. E, em público, no lançamento de livro na minha Aldeia, no mês passado.

Obrigado aos organizadores, colaboradores, participantes, tertulianos, espetadores, donos do espaço. Muito especialmente a Drª Deolinda Milhano, Alma-Mater destes saraus. Não será decente sugerir que não desista, que persista, pois temos consciência que as contrariedades são sempre muitas.

Ilustro com fotos do original centro de mesa, por demais sugestivo. Folhas outonais. No Outono da Vida, que constatamos na maioria dos presentes.

Centro de mesa. Foto original. 26.11.22.

E, por falar em presença e por Amizade, documento também com foto da rúbrica de um Amigo do Amigo João Banheiro que muito bem leu um Poema dedicado ao Alentejo de um Amigo que ele não sabe quem é.

Rúbrica desconhecida. Foto original. 26.11.22

É caso para se escrever: “Mas que raio de Amigo(s)!” Viva a Amizade!

Ainda voltarei a “Momentos”. Saúde e Paz!

 

Momentos de Poesia - Portalegre - Nov. 2022

Momentos de Poesia Nov 22

É sempre com grata satisfação que divulgo as realizações Poéticas. Ademais "Momentos de Poesia".

Votos de excelente qualidade, como é marca identitária do evento.

Parabéns a todos os Organizadores, Participantes, Colaboradores.

Bem Hajam, por engrandecerem a Poesia. A Cidade! A Cidade de Régio! Portalegre.

Vivam a Poesia, o Canto, a Música!

Saúde e Paz!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D