Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Antigamente era assim!!!...

Rua do Norte  - Fundão. Foto FMCL. Anos 80. jpg

 

«Antigamente era assim!!!...»

 

I

«O Povo da minha Aldeia,

Em tempos, que já lá vão,

Trabalhava sol a sol,

Para  ganhar o seu pão.

 

II

Nobre povo, gente boa,

Povo pobre e sofredor,

Que trabalhava com frio,

Com gelo, chuva ou calor.

 

III

Que levavas no alforge?

Pão, azeitonas, toucinho,

Vinagre, sal e azeite,

P’ra salada de pepino.

 

IV

Era a azeitona, era a ceifa,

Era o milho era a cortiça;

Com frio ou com calor,

Não podia haver preguiça.

 

V

Remendava, remendava,

Sempre, sempre, a remendar,

Porque a roupa nova,

Não a podia comprar.

 

VI

Chega a casa, do trabalho,

Acende o lume faz a ceia;

E, depois, arruma a casa

E sempre à luz da candeia.

 

VII

E foi assim que outrora,

O nosso povo viveu;

Aqui lhe presto homenagem,

Por aquilo que sofreu.»

 

*******

 

Esta poesia é de autoria de uma Srª da Aldeia e faz parte de um conjunto de poemas que me foram confiados, como sucedeu com textos de outras Pessoas.

Neste, conforme já aconteceu noutra situação no blogue, não identificamos a autoria, a pedido da Pessoa, que me fez essa cedência e, em ambos os casos, por razões semelhantes, que supostamente deveriam estar erradicadas nestes nossos tempos em que houve tantas alterações, em tantos e tão variados aspetos, nomeadamente sócio – culturais. Mas, de facto, não estão! Persistência de tempos antigos.

As situações descritas fizeram parte da vivência quotidiana ainda dos nossos pais e da nossa infância também. A candeia já não, mas enquanto estudante, o candeeiro a petróleo foi o meu guia iluminante!

Parabéns à Autora do texto poético, muito elucidativo e bonito. Obrigado à Srª que fez chegar o poema às minhas mãos.

Ilustro com uma foto de um recanto da Aldeia, o mais antigo e, para mim, também o mais belo! De certo modo, é premonitório. A foto é dos anos oitenta (84?) e o despovoamento visível, infelizmente, já se concretizou. Como é imperioso e urgente repovoar o nosso Interior!

Como recordação e homenagem relembro Pessoas que viveram neste recanto e que ainda conheci:

O Ti Tonho Rei, inspirador de um dos meus poemas, que figura na 1ª Antologia em que participei, organizada por Luís Filipe Soares e a Srª Catarina; a Prima Antónia Caldeira e Primo Joaquim Mendes, a Srª Rosária Trindade, a Srª Maria Rosa Velez e Ti Zé Levita, a Srª Rosinda e Ti Brites; a Srª Catarina Matono, de quem tenho cantigas e contos gravados e transcritos e de que penso publicar alguns e o Ti Aníbal; a Avó Rosa, que tantas estórias e contos tradicionais me contou e o Padrinho Joaquim; a Srª Augusta, a Srª Dolores, que figura na foto e o Ti Manel Albano; a Srª Joaquina Calado e o Ti Olímpio, a Prima Rosa dos Remédios e o Primo Felizardo, a Srª Maria dos Remédios e a Srª Maria do Rosário, que ultrapassou a centena de anos! E ainda, o Ti Manel Henrique, que morava na Cunheira e vinha, em carro de mula, à Aldeia tratar dos terrenos.

(Algumas destas pessoas figuram na foto das "Maias").

E, por hoje, e do Alentejo da minha infância, me quedo por aqui.

E continua calor, apesar de algumas trovoadas molhadas!

VÁ – VÁ: Tertúlia e Resistência Poéticas

Alentejo Azinheira Original DAPL. 2016.jpg

 

PARA ALÉM DO PENSAMENTO 

( LISBOA - 2018 – Setembro – 09 – Domingo)

 

No passado domingo, um grupo de resistentes, ainda, se aventurou na projeção da Poesia, no VÁ – VÁ. Resistentes e aventurosos, sim, porque as condições técnicas são, de facto, muito adversas. O barulho é, realmente, muito incomodativo. E inicio esta crónica exatamente por este lado negativo, contrariamente ao que é meu apanágio, que gosto de valorizar o lado bom da realidade, mas não posso deixar de mencionar esta situação. A Poesia merece melhor tratamento! O VÁ – VÁ também, ademais sendo uma “Loja com História”. Como seria agradável dizermos Poesia sem aquele ruído tão incomodativo.

 

Mas adiante, que a Poesia está acima, até do ruído, do comunicacional, inclusive, que só transmitem notícias de “barulho(s)” e ignoram totalmente a beleza poética!

 

Pois, no Domingo passado, a Poesia, no seu lado mais belo e sob diversas vertentes, perspetivas e temáticas, mais uma vez, disse “Presente!”, no VÁ – VÁ!

Ademais acompanhada pelo Fado, pela Canção Tradicional (alentejana)…

Parabéns a todos os presentes: Alzira Vairinho Borrêcho, Maria do Céu Borrêcho, que apresentaram o livro “PARA ALÉM DO PENSAMENTO”; Rogélio Mena Gomes, Carlos Cardoso Luís, Fernando Afonso, também organizadores, enquanto membros da Direção da APP e a todos os Poetas e Poetisas, além dos mencionados, que cantaram, disseram e nos encantaram com a sua Poesia ou de Autores clássicos e consagrados (Antero de Quental, há que realçar). A saber: Daniel Costa, Fernanda Beatriz, Suzete Viegas, Sofia Romano, Júlia Pereira, Bento Durão, Rosângela Marrafa, João de Deus Rodrigues.

 

E voltamos a “PARA ALÉM DO PENSAMENTO”, cuja apresentação iniciou a Tertúlia.

Cada um dos presentes disse, leu, declamou, a seu jeito e modo, um poema do livro.

Havendo vários poemas dedicados ou inspirados no Alentejo, onde a autora viveu algumas dezenas de anos, aproveitei para dizer, precisamente, um inspirado nessa temática e que transcrevo.

 

«Alentejo das casas caiadas

Que não me sais da memória.

As saudades redobradas

Na mente me fazem história.

 

As saudades redobradas

Que aparecem na lembrança

Deste coração sofrido.

 

Que a memória não descansa

Vai lembrando o tempo ido.»

 

Alzira Vairinho Borrêcho

 

E poderia continuar a cronicar que haveria muito a noticiar e referir. Nunca é demais realçar que estes encontros poéticos são sempre mágicos e preciosos. Renovados votos de continuação destas tertúlias, redobradas felicitações a todos os participantes e organizadores. A todos os “resistentes”, que continuem na divulgação da Poesia. Obrigado a todos por nos proporcionarem estas “vivências poéticas”.

OBRIGADO muito especial à gerência do VÁ – VÁ!

(Cada um dos presentes apresentou um poema seu, ou dois, para quem ficou para a 2ª parte. Lamento não referir o título de cada um dos apresentados, mas não consegui registá-los todos.

Pela minha parte, disse “Selfie” e outro ainda não divulgado no blogue.)

"Marchas da Minha Terra" - Lançamento Livro

João Francisco da Silva (Poeta d'Arruda)

Lançamento do livro: "Marchas da Minha Terra"

Convite "Marchas da Minha Terra" "Poeta d'Arruda". png

 Clube Recreativo Desportivo Arrudense

Arrudense emblema. in. facebook.com. jpg

 

2 de Setembro de 2018 - 15h 30'.

 

Clube Arrudense. in. chafariz.weebly.com. jpg

Arruda dos Vinhos

(Notas Finais:

João Francisco da Silva já figura neste blogue com trabalhos seus.

No âmbito da XIII Antologia do CNAP.

E da XX Antologia da APP.

As imagens do emblema e frontaria do Clube, in. facebook.com e chafariz.weebly.com.

A do convite, cortesia do Autor.)

*******

Está também prevista a divulgação do livro na habitual Tertúlia do CNAP - Círculo Nacional D'Arte e Poesia, no Centro de Dia de São Sebastião da Pedreira, em Lisboa, no dia 9 de Outubro 2018.

E também na Tertúlia de final do mês, em 28 de Outubro 2018, na sede da APP - Associação Portuguesa de Poetas, na Rua Américo de Jesus Fernandes, aos Olivais, Lisboa.

"TONS DA VIDA"

Papoilas. 2017 Aldeia. Foto original DAPL. jpg

 

«TONS DA VIDA»

 

«A vida tem momentos.

Momentos de várias cores.

Às vezes tons de tormento,

outras vezes são tons d’amor.

 

Tem dias muito rosados,

p’ra contemplar a ternura.

Tem outros acinzentados,

pintados de amargura.

 

Cada dia é uma bênção,

que queremos entender.

Há dias de desilusão,

outros de bem-querer.

 

As estórias que se tecem,

são contadas com critério.

Pontuadas como merecem

em livro pleno de mistério.

 

Como os romances d’autores,

que tocam o sentimento.

Escrevem vidas d’amores

que envolvem o pensamento.

 

Tantas cores que usei

nesta tela retocada.

Os momentos que pintei,

deram-lhe luz renovada.»

 

In.

“Tons da Vida”. Ana Carita. Poesia. Euedito. 2018.

 

(Notas Finais:

Neste post nº 601, volto à Poesia de outros Autores.

De livro recentemente lançado, no transato mês de Julho, na Aldeia, escolhi o poema final, que também intitula o livro: “Tons da Vida”.

Parabéns à Autora, Ana Carita. Livro de fina sensibilidade poética!

Ilustrei com uma foto original de DAPL, 2017, de papoilas bordejando o caminho!)

 

“Entre o Céu e a Natureza” – uma “Mensagem de Paz”!

Original DAPL. Gulbenkian. 2017.

 

«Entre o Céu e a Natureza»

 

«As ondas no seu marulhar

Num vai e vem constante,

Num trabalho incessante

Os rochedos vão beijar.

Gaivotas dançam ao largo

E num intenso piar

Esvoaçam querendo abraçar

A natureza, o céu e o mar.

O sol brilha e aquece-nos,

A alma fica mais forte,

Se não perdermos o norte

A caminhada é diferente.

As dunas de branca areia

Escondem mágoas e medos,

Guardam também os segredos

De vidas em desalinho.

Os rochedos cobertos

Por ondas de branca espuma,

O vento também se esfuma

E a paz interior regressa.

A simbiose perfeita

Entre o sol, o céu e o mar,

Fazem-nos também sonhar

Que o paraíso existe.»

 

Foto original DAPL. Costa Caparica.jpg

 

“Entre o Céu e a Natureza”, título e poema de abertura de livro recentemente lançado por Maria Gertrudes Novais, em Almada, na Sala Pablo Neruda, no Fórum Romeu Correia, a dois de Junho, deste ano de dois mil e dezoito. Edição SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada, com apoio da respetiva Câmara Municipal. Com prefácio de Eng.º António Matos e capa com reprodução de pintura a óleo, de Maria Manuel Pires.

 

Convite Mimi. 2018. Autoria Organização lançamento livro. JPG

 

Apresentação a que tive o grato prazer de assistir, numa sala muitíssimo bem composta, como se costuma dizer. Perto de uma centena de pessoas. Se tivesse que perspetivar o evento num contexto de Valores, destacaria dois: Amizade e Solidariedade. Valores e Mérito de Gertrudes Novais, Mimi, como gosta que a tratem. E, no decurso das intervenções, por vezes se ouvia uma criança correndo pela sala, chamando “Mimi! Mimi!”.

 

E ainda sobre Solidariedade, no final houve a participação de Francisco Naia, um cantor de quem já falámos aqui neste blogue, a propósito de outras ocorrências em Almada. E lembro-me de ter ouvido do Professor Alexandre Castanheira, num sarau sobre Ary dos Santos, no CIRL – Laranjeiro, em dois mil e quinze, precisamente referir-se a Francisco Naia, como uma pessoa sempre muito solidária.

Não pude assistir, com muita pena minha, mas nesse dia ainda tive que “migrar” para o Alentejo!

 

(Mas com tudo isto estou-me a desviar do móbil da crónica.)

 

Maria Gertrudes Novais, algarvia de nascimento, Aljezur, almadense de coração, residente desde 1973.

Publica desde 1987: “Poemas do Meu Sentir”, seu primeiro livro. Seguiram-se outros, individuais e coletivos e múltiplas, diversas e variadas atividades ligadas à Poesia e Cultura, conforme consta na contracapa do supracitado livro em apresentação.

Na mesa, além da Autora, o Prefaciador, já referido; a Professora Maria Adelaide Silva, que analisou a obra e os Amigos, Poeta e Poetisa: Luís Alves e Clara Mestre.

Todos, a seu modo e ver, falaram sobre a Autora e o seu trabalho desenvolvido, enaltecendo e reconhecendo-lhes o valor merecido. A Pessoa, a Poetisa, a Mulher de Causas! A Poesia, a SCALA, Almada!

 

Mimi, como gosta que a tratem e afinal a apresentação era também uma celebração da Amizade, agradeceu a todos os presentes, a todas as Entidades envolvidas: SCALA, Juntas, Vereadores, Câmara Municipal, Família, Amigos, às várias Pessoas que tornaram possível o evento. À Autora da capa, Maria Manuel Pires, que foi apresentada à assistência, chamando-a à mesa.

E, de pé, que a Poesia diz-se de pé, alguém frisou da assistência, disse: “Ninfa do Tejo”!

 

E este foi o mote estrutural para se abrir um cenário dedicado à Poesia, dita pelos vários Poetas, Poetisas, Dizedores presentes. De, e a partir de “Entre o Céu e a Natureza”!

 

E num entrecruzar de sensibilidades poéticas, ouvimos os Dizedores, Luís Alves e a Esposa; Clara Mestre, a própria Gertrudes e mais duas Senhoras, que também costumam frequentar as sessões de Poesia da SCALA e, que me perdoem, ainda não consegui fixar o nome.

De Utopia a Novo Amanhecer, Grito de Alma, Espelho, O Teu Sorriso, Saber Ouvir, A Cidade, Princesa e ainda homenagens a Fernando Pessoa e Alexandre Castanheira, de quem já aqui falámos também, foi gratificante, como sempre, ouvir, escutar Outros a dizerem Poesia!

Obrigado!

E António Matos finalizou esta parte do evento, iniciando com “Era branca a pomba, …” primeiro verso do Poema que transcrevo e que encerra o livro.

 

 

«Mensagem de Paz»

 

«Era branca a pomba,

Que vinha do espaço,

Voava baixinho

Pousou no terraço.

Fiquei a olhá-la

E então reparei

Que pomba igual

Eu nunca encontrei!

Veio lembrar ao mundo

Que há falta de paz

E que o homem de hoje

Não sabe o que faz.

Parem de matar!

Juntem vossas mãos

E num abraço fraterno

Sintam-se todos irmãos.

Lutem pela paz,

Sejam bem unidos,

Pousem vossas armas

Como bons amigos.

A pomba sorriu,

Seu recado deixou

E batendo as asas

Para o espaço voou.»

 

 

 

 

E “Entre o Céu e a Natureza”, num diálogo de sentimentos nobres e bons, finalizámos com uma “Mensagem de Paz”!

 

E ouvir Francisco Naia, as suas belas músicas e a sua poderosa voz de tenor, ficará para próxima oportunidade…

 

 

*******

 

Notas Finais:

 

E, em paz, também fico eu que, finalmente, consegui ter oportunidade para publicar mais um post. Que isto da Vida, nem sempre é como a gente quer!

Que não é por falta de ideias…

Ainda gostaria de escrever…

Sobre doutorices…

Sobre o Paciente que mordeu o Dentista…

E os cães que morderam a mão do dono!

E sobre as limpezas dos campos…

Sobre o cântico do rouxinol…

Sobre politiquices…

E a essência da natureza deste governo…

 

Eu sei lá! Tanta ideia que vai ficando perdida…

 

(Fotografias originais DAPL.)

Tertúlia do C.N.A.P. – Maio 2018: Arte e Poesia!

Arte e Poesia em semana de Eurovisão!

 

O Círculo Nacional D’Arte e Poesia continua na sua meritória caminhada, há quase trinta anos, desde 1989, na divulgação da Arte e da Poesia.

 

No passado dia oito de Maio, como tem ocorrido nos últimos anos, graças à amabilidade da Direção do Centro de Dia de São Sebastião da Pedreira, aí decorreu mais uma Tertúlia dedicada à Poesia, irmanada com uma bonita Exposição de Pintura.

 

De entre os vários artistas, com obras expostas na improvisada galeria, estiveram presentes na inauguração (que piada eu acho à palavra “vernissage”!), digo, deram-nos a honra da sua comparência, D. Josefina Almeida, D. Fernanda de Carvalho, D. Maria Ivone Azevedo e D. Teresa Filipe. Autodidatas da arte de pintar, com alguns cursos de tempos livres, não académicos, mas nem por isso menos primorosas no seu labor!

Pintura original Josefina Almeida.jpg

 

D.Josefina apresenta-nos trabalhos paisagísticos, da sua região natal: Ponte Manuelina, na vila de Góis; Rio Ceira, na aldeia do Colmeal e “Cai neve”, em Viseu.

Pintura figurativa, em tons escuros, a que não são alheios os estados de alma e a tristeza vivida nas tragédias, ainda bem presentes, dos recentes incêndios que devastaram as áreas da “Zona do Pinhal” e das Beiras!

Mas o verde também sempre poeticamente presente, de esperança!

Pintura original Josefina Almeida. jpg

 

Essa nostálgica tristeza também se reflete em “Rio Turvo” “…meus desenganos…”, título e excerto de poema de sua autoria que nos deu a conhecer.

Já em “Mulher vais ser Mãe!”, “poema que escreveu há quase sessenta anos”, impregnado de realismo vivenciado, a que Mãe se referirá o sujeito poético?!

 

D. Fernanda de Carvalho opta por uma estética surrealista. Expõe duas peças artísticas. Uma “Sem Título”, que ela própria não consegue muito bem decifrar o que pretende mostrar-nos, segue o que o seu estro ordena, embora na obra vislumbre parte de mulher, uma pata de touro… Deixa-nos a nós, a capacidade e primazia de lermos o desenho e a pintura, segundo a nossa perspetiva de observadores.

Pintura original Fernanda Carvalho.jpg

Cores alegres, bem presentes também no sugestivo Rosinha dos Limões”. Lembrou-se deste título, pois veio-lhe à memória essa célebre canção, que eu desconhecia. (Mas vale-nos a net!) Na cara da “Rosinha” um lagarto pintado. (Lagarto pintado, quem te pintou?! A D. Fernanda que por aqui passou…)

Pintura original Fernanda Carvalho.jpg

Leu-nos poesia de índole pessoal. “…caminho passo a passo…”, ”Retalhos de uma Vida” e o sempre divertido, irónico, alegre: “Os meus namorados”.

 

Pintura original Maria Ivone Azevedo. jpg

D. Maria Ivone Azevedo, algarvia, traz-nos além de uma versão de “Girassóis” de Van Gogh, uma peculiar e icónica pintura do seu Algarve, com alguns elementos parcelares e temáticos desta província do sul de Portugal. Como se estivessem a ser visualizados a partir da estrutura de uma casa, envidraçada ou aberta à paisagem figurativa. A luz, a cor, as imagens… Os elementos marcantes do Sul: amendoeira, alfarroba, chaminé, moinho, o sol e a lua. E assim constrói a sua poesia!

Pintura original Maria Ivone Azevedo. jpg

 

D.Teresa Filipe apresenta-nos também uma pintura sobre uma paisagem, um ribeiro imaginário, correndo entre margens verdejantes. Não faz um plano prévio sobre o que pretende, vai inventando e dando largas à sua imaginação, à medida que vai construindo o quadro… também a sua forma de se expressar poeticamente!

(Desta pintora, não temos, por agora, imagem elucidativa. Lapsos do senhor fotógrafo! As novas tenologias permitir-nos-ão corrigir o problema, logo que possamos.)

 

Em termos picturais, está também exposto um quadro de Vitor Hugo: uma paisagem realista de Marvão, perspetivada a partir de uma das portas góticas.

Pintura original Vitor Hugo. jpg

 

De Elmanu: pintura no domínio do imaginário, atrevo-me a integrá-la também num conceito de surrealismo, bebido igualmente em Miró(?)

Pintura original  Elmanu. jpg

Tente o caro/a leitor/a expressar-se opinativamente!

 

Estão ainda expostos os seguintes sugestivos e festivos quadros.

O primeiro mais abstrato e algo impressionista.

Pintura original.jpg

 

E o segundo, um verdadeiro Hino à Primavera!

Pintura original. jpg

 (Autoria: Méli - Amélia Figueiredo.)

 

E refiro, aqui, como seria sempre importante a presença dos Artistas, que nos dessem um vislumbre pessoal da sua Arte!

 

E como no C.N.A.P. a Poesia é uma das vertentes primordiais, também esta Arte teve o seu papel.

D. Olívia Diniz Sampaio, a Alma-Mater do Círculo, trouxe-nos “Noctívago”, de Fernando Pinto Ribeiro e “Cântico e Súplica de Louvor a Deus”, de Amélia Figueiredo. Ambos figurando no recente Boletim Cultural (Nº 131 – Ano XXIX – Março 2018.)

 

Também de Pinto Ribeiro, o seu irmão, Carlos, presença habitual nestas tertúlias, assumindo quase a missão de divulgar a obra do irmão falecido, Fernando, nos leu o poema “Bendito Amor”, de canção gravada por José Mourão, com música de Jorge Fontes.

 

Igualmente do mesmo poeta, Drº Santos Silva também leu poemas do livro “O Cisne Submerso”: “… foi Deus quem de mim te raptou…”

E de Alberto de Serpa: “Há instantes tão longos…”, que também figura no citado Boletim nº 131 do CNAP.

 

Pela minha parte, desta vez, li a fábula “O HOJE e o Amanhã”.

E na sequência de Drº Santos Silva nos ter reportado para o JL e para um comentário de José Carlos Vasconcelos sobre o Facebook, acabei por dizer Meu Amor do Facebook!”. Que encerrou a Tertúlia!

 

Rolando Amado, que, de novo, colabora com as fotografias, a quem desde já agradeço, por esta vez não cantou! Reportou-nos, via telemóvel, para a audição do clássico: “Ninguém é de ninguém.” (Vantagens das novas tecnologias!)

Em contrapartida, tendo-nos enviado o seu último poema, é este que encerra esta crónica.

 

(Dir-me-á, caro/a leitor/a que estes são eventos culturais que passam quase despercebidos. E, infelizmente, é verdade!

Mas o que é que os nossos meios de comunicação divulgam?!

E a quem dão direito à palavra as nossas TVs?!

Há por aí uns quantos, que nem o bê-á-bá sabem soletrar, em que não há dia nem canal que não tenham direito de antena exclusivo!!!

É só estar atento, caro/a leitor/a.

E acha isso bem, estarmos a ouvir tantas calinadas diárias?!)

 

Bem, mas nem tudo é mau!

Esta crónica veio sendo escrita no contexto do espetáculo único que foi a realização do Festival da Eurovisão em Portugal!

E, na minha opinião, passe algumas futriquices de somenos importância, a realização portuguesa não ficou nada a dever às anteriores! Parabéns Portugal!

AH! A classificação da canção portuguesa… E o que posso eu dizer?! (…)   (…)

 

*******       *******       *******       *******       *******       *******       *******

 

«PORQUE AGORA É NOITE»

 

«Atravesso a noite e estremeço

Ainda temo essas sombras que sussurram,

O eco dos passos que produzo.

Porque a noite é longa,

Porque a noite é tudo.

A noite é ventre, é mãe, é princípio

É sonho, fuga, caos, turbilhão, redenção.

É a noite que nos agarra e devora

É ela que nos possui.

Embarco no navio da noite

À boleia de alguma tentação

Vestida de poesia sedutora

De pensamentos errantes

Porque sendo noite são memórias

De outras noites transformistas

De mil e uma noites eternas.

Atravesso a noite, densa, absoluta

Pelas ruas desertas de luzes tristes

E pintadas de sonhos dos sem-abrigo

Dos meus fantasmas e fantasias,

Que persistem.

É noite de bandidos e inocentes

De histórias intermináveis

De amores vendidos, de amores falsos

De sexo, amizade e ternura.

De navalhas em riste, crime e sangue

De vingança e de perdão

De grandes verdades e colossais mentiras.

É noite que transfigura,

De predadores e de santos

Dos animais das trevas, que nos miram

Expectantes, pelo medo que também sentem.

É noite, espelho de cada um

Que me abraça em seu mistério

Cada vez que navego em noite.

Do princípio e fim de tudo

Porque a noite é de ninguém

A noite é o sono da vida.»

 

ROLANDO AMADO RAIMUNDO

 

"... E Cai a Noite"!

Poesia de Rolando Amado Raimundo

 

Continuamos na "onda" da Poesia.

Hoje, divulgamos dois bonitos poemas do confrade supracitado: 

"Na cidade e cai a noite" e "Canção que transcende". Ambos de 2012.

 

Ginjal 2017. Original DAPL. jpg

 

       *******

 

«NA CIDADE E CAI A NOITE»

 

«A penumbra trouxe agora acalmia aparente

Já tudo se vestiu para a noite, como as aves

As portas trancadas, os alarmes precavidos

Lá ao longe

O grito de ambulância fere lancinante

Aproxima-se. Homem, mulher?

Quem lá irá, que lhe aconteceu

Acidente, algum suicídio, mais um?

Junto à linha férrea, ratinhos banqueteiam-se

Sem pejo nem temor

Nos caixotes da avenida.

Velhas espreitam atrás dos vidros

Pela vez derradeira

Janelas com luzes dentro

Onde se faz sexo

E talvez amor

Há promessas de não cumprir

Ou maquinações tenebrosas

Gente feliz, gente contente

Gente a nascer e gente a morrer

Menos carros indiferentes

Tudo a girar como a bola mundo.

 

Há insónias, rezas

Pensamentos impuros

Intenções fraternais

E pensamentos lúbricos

A lassidão é companhia

Como mulher que seduz

Lânguida, impulsiva, quase empurra

Para os braços de Morfeu

É hora dos bichos nocturnos e sua rotina

Dos olhos dos gatos reflectidos

Das ratazanas e dos ladrões

Tudo atento, em seu lugar

Perfeito, como em êxtase.

 

Nalguns cantos espetam-se seringas de raiva e de alívio

E de viagens, nem sempre de retorno

Há restolhar do oculto e de segredos

De árvores, de pedras, de espíritos

De dentro das casas

De dentro da alma das casas

 

Agarrados um casal, tropeça

De álcool ou algo mais.

 

Beijam-se, há desejos carnais

Iluminados pelo luar

Sedentos de prazer

Felizes de juventude, que o tempo foge

Com todos os sonhos possíveis.

 

Querem viver e embriagar-se disso e agora.

- Depressa, antes que amanheça.»

 

       *******

 

«CANÇÃO QUE TRANSCENDE»

 

«De súbito, como janela que se abre

A deixar entrar suave, suavemente

A fresca brisa que toca a reviver

Uma cantora vivencia e é sublime

Nessa voz que penetra fundo

Vai ao limbo do que sabemos nosso

Adormecido sono existencial.

 

E consola e abraça, como uma mãe

A cantar esses instantes

Esses sopros de vida remexidos

A despertar lembranças, sensações

 

Numa canção, todo esse mundo

Que revisitamos a pulsar

Voz de surpresa, canção que transcende

Voz tão suave, do coração

Tão perto e tão amiga

Voz que podíamos beijar…de gratidão.»

 

       *******

(Fotografia original DAPL - 2017: Cais do Ginjal, ao entardecer.)

 

Tertúlia Poética da APP no “Vá – Vá” - Uma Ronda de Poesia!

Associação Portuguesa de Poetas – APP

Restaurante, Café, Pastelaria, Snack – Bar,  “Vá – Vá”

Lisboa

11 Fevereiro 2018 (Domingo) – 16h. 30’

 

2018. Carlos Cardoso Luís. Lisboa. jpg

 

No Restaurante – Café – Pastelaria, Vá – Vá, em Lisboa, são organizadas tertúlias, há décadas.

 

Algumas estão documentadas, através de cartazes emoldurados nas paredes da sala onde habitualmente se realizam.

É esse facto que a fotografia apresentada, a documentar este post, nos atesta.

Alguns dos cartazes em que figuram algumas das personalidades homenageadas: os atores Rui de Carvalho e Eunice Muñoz, Lili Caneças, padre Feytor Pinto, maestro Victorino de Almeida… Ainda e também no lado oposto da sala, figura outro conjunto de posters, com outras personalidades: Herman José, Júlio Isidro, Lauro António, Lia Gama, Lurdes Norberto, Nicolau Breyner, e até o atual Presidente da República, Professor Marcelo Rebelo de Sousa. (Noutro contexto, evidentemente!). Também António Sala, Carlos do Carmo, Maria Eduarda Colares…

Estas tertúlias e/ou homenagens, que não sei de todo como funcionam, não pertenço a esse “meio” em que se enquadram estas Personalidades, têm um nome sugestivo “VÁ.VÁ.DIANDO”!

Mas não é sobre elas que lhe quero falar, Caro/a Leitor/a.

 

Antes de mais, e “o seu a seu dono”, frisar que a fotografia é um original de Carlos Cardoso Luís, atual Presidente da Associação Portuguesa de Poetas – APP.

 

E é sobre as Tertúlias da APP – Associação Portuguesa de Poetas, no Vá – Vá, que eu quero dizer de sua justiça!

Já se realizam também há anos, não sei desde quando, mas até seria interessante saber. (Caso tenha conhecimento, agradeço…).

Sei que já se realizavam quando, a saudosa, D. Maria Ivone Vairinho era Presidente.

Não me recordo se alguma vez terei comparecido nessa época, tinha muito menos disponibilidade… Mas compareci nesta última Tertúlia, dizendo poesia.

 

E, tal como eu, estiveram outros Poetas e Poetisas, também dizendo, declamando, lendo, cantando, os seus poemas, as suas canções ou de outros Autores, consagrados ou não.

 

Abençoados os Dizedores de Poesia!

Que transportam e difundem a Luz, que a Poesia representa e significa, culturalmente!

 

Dizer, Declamar, ler POESIA é quase um ato de “transgressão” Social!

Choca esta afirmação?!

Explicito: No sentido de ser um ato minoritário, quiçá ‘marginal’, perante o enquadramento e o destaque que outras atividades culturais têm na nossa sociedade.

(Se perspetivarmos o assunto reportando-nos ao destaque que os mass-media concedem à Poesia, as televisões, as rádios, os jornais, as redes sociais… Bem…

Em contraponto, observe-se a peroração nos “media”, sempre que um qualquer árbitro dá uma canelada no regulamento… Ou que um jogador dá uma cabeçada na bola!

Sem menosprezo pelo futebol, mas que acho hipervalorizado sob todos os ângulos de análise!)

 

*******

 

E vamos então à Tertúlia.

 

Como é habitual nestes eventos, cada Poeta ou Poetisa, Leitor ou Leitora, “Diseur”, Dizedor ou Dizedora, apresenta um dos seus trabalhos, original ou não, completando uma rodada, de modo que todos tenham a sua oportunidade. A não ser que queiram “passar”, como aconteceu desta vez com algumas pessoas.

 

Havendo ocasião, dependendo dos presentes, vai-se a uma segunda rodada ou até terceira, conforme o número de presenças e a disponibilidade de cada um e da Instituição onde se realiza o “sarau”.

 

Nas Tertúlias da APP, conforme tenho observado, há sempre um número razoável de presenças, quase sempre se chega a uma segunda volta, mas nem sempre todos voltam a participar, porque algumas pessoas têm que se ausentar, dado que a primeira ronda é mais demorada.

É também habitual fazer-se um pequeno lanche. Aliás, realizando-se numa Instituição particular de restauração, esse comportamento é mesmo de norma social! “Faz-se sempre despesa.”

Pessoalmente, prefiro chegar mais cedo e, antes de iniciar, tomar a minha bebida e bolo ou salgado e, no final, repetir.

 

Então… dirá… nunca mais diz quem esteve ou não esteve, que disse ou não disse, que cantou ou não cantou… e se encantou ou não?!

 

Bem, meu caro, se encantou ou não, fica à consideração de cada um. Que eu, por norma, não ‘adjetivo’ estas atuações. Não formulo juízos de valor. Todos contribuem, a seu modo, para o grande valor que têm estas ocorrências poéticas.

Que pena e que desperdício os media não lhes darem a merecida importância. Ademais, nelas comparecem Pessoas, Poetas e Poetisas que já têm alguma idade, alguns com mais de noventa anos, apesar de jovens de espírito e extremamente criativos!

 

E, nem a propósito, quem iniciou propriamente a ronda dos Poetas presentes a dizerem Poesia foi precisamente João Baptista Coelho, (1927), um dos decanos dos Poetas, sócios da APP. Quatro sonetos: “Tetralogia do Amor – Primavera… Verão… Outono… Inverno!”

 

Bem… dirá o/a caro/a amigo/a… mas não foi assim que se iniciou a Tertúlia…

E tem toda a razão!

 

É de praxe referir que a mesa era constituída por três elementos da Direção da Associação: Carlos Cardoso Luís, a presidir e que fez a apresentação do evento e a coadjuvar, Maria Graça Melo e Rogélio Mena Gomes.

 

Que, também como é habitual nas Tertúlias APP, são lidos poemas de ausentes, que, por dificuldades logísticas, não podendo comparecer, os enviam para serem lidos aos presentes. “Os Poemas do Mês”!

Foram lidos textos de Valquíria Imperiano, de Manuel Canela e Cassiano Santos Cabral, de Porto Alegre, Brasil. De Valquíria, "Batalha" e dos seguintes, refiro respetivamente: “Da minha janela” e “Sol e café”.

 

Ainda antes de se iniciar a ‘Ronda dos Poetas Presentes’, Carlos C. Luís leu um texto sobre a significação da quadra do Carnaval e uma quadra de Gilberto Gil.

E foi continuando as apresentações dos Poetas, intercalando com pequenos excertos, pensamentos e epigramas (?) sobre a temática carnavalesca e também alguns improvisos seus (?)

Ah! Esquecia-me de frisar que, estando nós, à data, no Carnaval - “Domingo Gordo”, esta temática do “Entrudo” foi sendo abordada por vários dos presentes.

 

Talvez por isso mesmo, quando chegou a sua vez, que foi logo em segundo, Rogélio Mena Gomes leu um seu poema, de um conjunto de "poemas do absurdo", que considerou o mais pequeno de todos, do seu livro “In Verso”, intitulado “Gargalhada”: Há? Há. Ahhh...!"

 

E foi com esta boa disposição que o sarau e convívio foi continuando.

 

Pais da Rosa disse “Perdido no tempo”.

Tereza Pais da Rosa, “É dia de Carnaval”.

Vitor Camarate, “Carnaval: Sai-me um bafo do coração…”

Felismina Mealha não disse, “passou”… estava de férias de Carnaval!

Esmeralda, “Mar de mulher”.

Alcina Magro, “Do vermelho dos poentes…”

Graça Balsa trouxe-nos Fernando Pessoa e “Comboio descendente”.

Júlia Pereira, Carnaval.

E, chegando a minha vez, fui dizer “Meu amor do facebook”.

Conceição Serra, de António Nobre, apresentou “Menino e moço”.

Carlos Cardoso Luís, de Sidney Poeta dos Sonhos, “Terno Carnaval”.

Maria Melo, “Pastor do monte”.

José Branquinho disse “Por uma vida em flor” e cantou “Amo-te desde criança… Portalegre”.

Maria Isilda Gonçalves deu-nos a conhecer um poema de Ruy de Carvalho, seu filho, não o ator anteriormente mencionado, intitulado “Máscara”, do livro “Matizes da Vida”.

Aurélio Tavares, outro dos decanos presentes, “Fui pai, agora avô…”

Outro senhor que também “passou” e, que me desculpe o próprio, mas não fixei o nome…

João Coutinho disse “Diferente de mim”, in. “Sonetos”.

Ana Herédia, “Férias de Verão”.

E Bento Durão, supostamente fecharia este primeiro ciclo, dizendo, “Gosto do Bairro da Graça” e cantando o fado “Carmencita”.

E Bento não fechou a primeira ronda, porque, entretanto, aparecera Márcia Rocha que nos disse que “Sei que vivo num mundo maravilhoso…”

 

*******

 

E, seguidamente, surgiu a oportunidade para se provarem os préstimos da Casa, tomando as suas bebidas e degustando os doces e salgados, ação que já executara previamente, antes do início da tertúlia.

Aproveitei para esclarecer nomes e títulos de poemas e canções… e mesmo assim terá saído esta crónica “transgressora” da realidade, porque certamente, imperfeita.

 

E na segunda parte…

 

José Branquinho cantou “Bairro negro”: “Olha o sol que vai nascer… anda ver o mar…” E quem sabia, acompanhou.

Pais da Rosa disse “o Vento”, “Formosa serra da Estrela”.

Tereza Pais da Rosa, “Vivendo como velhos…”

Vitor Camarate, “Sauda” (?).

Graça Balsa disse “Balada da neve”, de Augusto Gil.

Alcina também “passou” desta vez.

Júlia Pereira disse “No hospital”.

Esmeralda, “Ela a passar na rua…”

Eu disse a ‘alegoria’ ao telemóvel, texto dos finais de noventa, que nunca publiquei, inspirado numa canção de Ágata, integrado num programa televisivo chamado “Paródia Nacional”. (Texto que também não enviei para o Programa.)

Carlos Cardoso Luís disse “Chinela de varina”.

Maria Melo disse um poema de Amor: “Vazio”.

José Branquinho cantou “… Na margem da ribeirinha…”, que cantara pela primeira vez, quando tinha catorze anos!

Maria Isilda Gonçalves disse “Verde paz”, poema igualmente do filho, Ruy de Carvalho.

Aurélio Tavares disse/‘leu’ “Minha cidade está triste”, a partir da boina, que metaforicamente funciona como tampa da “caixa” onde tem os poemas guardados, a sua, dele, memória.

João Coutinho, “Aqui um homem de qualquer cor…”, “Estão aqui…”

Carlos Cardoso Luís, “Um palerma como tu”.

E Márcia Rocha terminou: “Uma nova decoração”!

 

*******

E assim decorreu e se concluiu a Tertúlia da APP no Vá – Vá.

 

(O local é ótimo, porque bem situado no centro de Lisboa. A Entidade, pelo que observo, é bastante recetiva. Os funcionários são atenciosos e alguns até manifestam interesse nas intervenções poéticas, como pude constatar. Também clientes se manifestam curiosos.

Pena é que as portas, com os enfeites sugestivos que têm, não possuindo vidros, permitem que o ruído exterior entre na sala.

Mas até essa dificuldade a Poesia consegue superar!)

 

Importa mencionar que estas tertúlias ocorrem, por norma, nos segundos domingos de cada mês, a partir das 16h e 30’.

Preste bem atenção, caso queira comparecer.

Informar ainda que a APP organiza outra tertúlia, na sua sede, aos Olivais – Lisboa, no último domingo de cada mês, a partir das 15h.

 

Compareça nas Tertúlias da APP.

 

Bem como nas de outras Instituições Poéticas que conheço:

CNAP – Círculo Nacional D’Arte e Poesia, em Lisboa;

SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada, em Almada;

Momentos de Poesia”, em Portalegre;

“Mensageiro da Poesia”, no concelho do Seixal.

 

E para terminar: Um Viva à Poesia!

 

E, esta crónica é ou não, de certo modo, algo “transgressora”, face ao contexto opinativo geral e generalizado entre “fazedores de opinião”?!

(Este último parágrafo tem o seu quê e porquê, que tem a ver com a publicação desta crónica… que se foi atrasando e só hoje foi dada a lume!)

 

E o meu muito obrigado, por me ter lido, até aqui.

Volte sempre, S.F.F.

 

 

"Tertúlia Poética América Miranda” - Homenagem

Auditório Carlos Paredes

3 de Fevereiro de 2018 – 17h.

 

DQzImTbW4AIE5RE América Miranda.jpg

 

Decorreu ontem, sábado, em Benfica, uma homenagem à distinta Poetisa, América Miranda.

Sendo igualmente sócia da Associação Portuguesa de Poetas – APP e do Círculo Nacional d’ Arte e Poesia CNAP, participámos nalgumas Antologias.

Da IX Antologia do CNAP, transcrevo o seguinte poema, também como uma minha singela Homenagem!

 

«QUEM SEREI EU?

 

Quando olho a natureza em meu redor

sinto-me mais perto de ti, meu Deus,

analiso meu coração tão sofredor

e tiro da alma os erros meus.

 

Procuro ser melhor do que os ateus

mas se peco, eu só peco por amor

pedindo perdão por esse amor aos céus

e por amor a Ti, meu Criador.

 

Já me sinto neste mundo tão perdida

rio com a boca e a alma ferida

tentando enganar o que é só meu.

 

Vivo o dia-a-dia por viver

gargalhando encubro o meu sofrer

e não sei, afinal, já quem sou eu!»

 

In. – IX ANTOLOGIA DO CÍRCULO NACIONAL D’ARTE E POESIA – 2006.

 

*******

E vou iniciar uma crónica sobre o acontecimento, avisando-o/a, caro/a Leitor/a que esta resenha é parcelar, incompleta, quiçá imprecisa nalguns aspetos, conforme poderá constatar após a leitura total e talvez a sua colaboração seja preciosa, no sentido de corrigir ou colmatar imprecisões ou faltas.

Obrigado, desde já!

 

Em tarde de jogo do “glorioso” Benfica, no seu Estádio da Luz, decorreu no Auditório Carlos Paredes, nome de insigne músico, uma Tertúlia, não menos gloriosa ou ilustre, homenageando a distinta Poetisa, América Miranda.

Um programa notável, dedicado à Poesia, ao Canto, ao Fado, à Música, no palco do auditório referido!

 

Na Abertura do evento, a gravação de um poema de autoria da homenageada, declamado pela própria.

Seguidamente, Frassino Machado iniciou a apresentação da Tertúlia, que passará a ostentar o nome da Poetisa, que figurará como presidente honorária da mesma, traçando uma breve resenha da sua intervenção cultural.

Previamente agradeceu a todos os espetadores, pela sua comparência e, antes de entregar a subsequente apresentação a Mário Valejo, agradeceu igualmente aos técnicos presentes na logística de apoio ao espetáculo.

 

Foram convidadas a testemunhar, pessoas que o quisessem fazer, tendo comparecido, em diferentes enquadramentos, diversas personalidades.

João Coelho dos Santos, que também leu um poema seu; Carlos Cardoso Luís, na qualidade de Presidente da Associação Portuguesa de Poetas; uma Senhora, que conviveu largos anos com América Miranda, de quem leu um texto e o irmão do Poeta Fernando Pinto Ribeiro, também já falecido.

 

A sequente apresentação coube a Mário Valejo, já mencionado, que, segundo julgo saber, é irmão da célebre fadista Maria Valejo.

Interessante mencionar que este cavalheiro, antes de se iniciar o espetáculo, foi interrogando alguns dos presentes sobre uma peculiar e primordial questão, procurando conhecer o respetivo parecer! Eu apenas lhe respondi que tivesse cuidado, que estava muito frio e se podia constipar!

 

E o evento iniciou-se propriamente, na sua função principal e com Fado.

Mário Rodrigues fadistou: “Quero e não quero…”, “Saudade vive em nós…” e “Tempo parado”, este, com letra de América Miranda.

 

Seguiu-se Poesia. E também Canções – Baladas e Música!

Armando David disse um poema de América e um poema humorístico, de sua autoria: “Primo Zé”.

Luís Alves disse poema seu “Entre a vida e a morte” e a celebérrima “Toada de Portalegre”.

Os “Jograis da APP” , iniciando com o Hino da APP, continuaram com: “Hoje é dia de Poesia” – Carlos Cardoso Luís, “Poeta quase louca” – Maria Melo, “Ser poeta” – São Santos, “Neste dia de Poesia” – Carlos Cardoso Luís, “O poeta” – Aline Rocha e finalizaram com poema de Maria Melo, versando a “Liberdade”.

 

Manuel Pereira e Ricardo Cardoso cantaram e tocaram: “Senhora, partem tão tristes…”, “Não há machado que corte…”, “A cidade…”.

 

Fernando Marinho disse “Meu lindo Tejo” e “Palhaço”.

Benjamim Falcão, ator, disse: “Força das palavras”, de América Miranda e “Jogos de luz e luar”, de Jaime Cortesão.

Maria José e Francisco Assis cantaram, tocaram e disseram poesia. “Barco do amor”, de América; um soneto acróstico, também dedicado à Poetisa homenageada e cantaram “Poeta não tem tempo” e “Hino do tempo novo”.

Mário Valejo disse um poema dedicado a Bocage.

Fátima Arnauth disse, também de América, “Já lá vem a alvorada” e de sua autoria, “Amor imortal”.

Maria Graça Melo disse poema dedicado a América, “Poeta e força magia” e “Modernices”.

 

*******

E tendo feito eu, um pequeno intervalo e quase a ausentar-me, porque já eram dezanove horas e o espetáculo já começara às dezassete e sem haver uma pausa, que será ou não necessária nestes eventos(?!)… Bem!

Ainda entrei no anfiteatro e já se iniciara outro interveniente, cujo nome não consegui apanhar, não sei se seria Fernando Silva…

Só sei que também disse poesia e também cantou: “Eu canto para ti o mês das giestas…”, de Adriano Correia de Oliveira; “A chuva”, de Jorge Fernando; (E a falta que a chuva faz!) e uma canção de Zeca Afonso.

E ausentei-me.

Ouvi que a seguir iria atuar, Luís Filipe Rodrigues

…   …   …

 

E ao sair do edifício… não é que estava mesmo a chover?! Pedido do cantor, já se vê! Pouco, poucochinho, é certo, mas que apanhou muita gente desprevenida, eu, incluído.

E até ao Metro…

E o jogo estaria ainda no começo da segunda parte e a goleada viria só mais para o final.

Gostaria de ter ouvido o eco de um golo no estádio, mas não tive essa satisfação.

Aliás, a minha saída pelas 19h., resultou do facto de não querer ir no Metro, na avalanche previsível da saída do estádio.

No Metro, junto às bilheteiras e entradas, já estavam vários polícias… Para o que desse e viesse… Mas julgo que correu tudo bem!

 

*******

 

O meu pedido de desculpas a todos os intervenientes no evento de homenagem de quem não pude apreciar a respetiva atuação. (Quem ficou a perder fui eu!)

 

E também lamento possíveis lacunas ou omissões, involuntárias, nesta crónica.

Caso queira ter a amabilidade de fazer sugestões, agradeço.

Obrigado!

(Com a devida vénia, o cartaz foi retirado da internet. In. Twitter.com/tertúliamiranda)

 

Uma Equipa de Jovens… Com alguma Idade!

Associação Portuguesa de Poetas

 

Momentos Original Helena Cruz APP Out. 2017. jpg

 

Dinamismo. Trabalho. Competência.

Juventude!

 

Retorno à Poesia!

Também para falar da Associação Portuguesa de Poetas. E para continuar na divulgação dessa nobre Arte, a Poesia!.

 

A APP é uma Associação, com uma enorme vitalidade.

De certo modo, só faz sentido que assim seja, dado que está nos seus trinta e dois anos, mas esse facto também se deve ao dinamismo dos Associados e, obviamente, da respetiva Direção. Ao seu trabalho e competência.

 

Consultando as atividades mensais desenvolvidas e as previstas de realizar, verificamos uma grande azáfama, tanto da Associação, como dos Associados:

- Lançamentos de antologias coletivas, de livros individuais, de boletins culturais; organização de tertúlias variadas, eventos diversos de caráter cultural, por todo o Portugal e também no Brasil, centrados ou com a participação de sócios; prémios de poesia; reconhecimento do mérito e do trabalho de poetas e poetisas associados da APP, em ambos os Países irmãos, por diversas, diferentes e prestigiadas Instituições; programas de rádio, workshops poéticos, palestras, peças de teatro, blogues… artes plásticas, música, canto. Eu sei lá!

 

*******

 

Vou falar apenas e um pouco de três eventos a que assisti e/ou participei, no finado mês de Outubro.

 

A vinte e nove, (29/10), a habitual Tertúlia da APP, de final do mês, na sede da Associação: Rua Américo de Jesus Fernandes, nº 16 - A, aos Olivais, Lisboa.

 

Helena Cruz APP 2017.jpg

 

Integrada e inaugurada nesse contexto, uma bela Exposição de Pintura, “Momentos”, da associada, pintora Helena Cruz.

São de sua autoria, os quadros, que tomei a liberdade de enquadrar como ilustradores deste post.

Obrigado!

 

Também nesse enquadramento, foi apresentada a XXI Antologia, “A Nossa Antologia”, com 89 Autores. (Quase a bater o record da “V Antologia de Poesia Contemporânea”, organizada por Luís Filipe Soares, sócio nº 1 da APP, em 1988! Com 97 autores.)

 

XXI Antologia APP capa. Original Teresa Maia. jpg

 

Com uma sugestiva capa, ilustrada a partir de “Camões”, desenho a tinta-da-china, de Teresa Maia. (Composição e arranjo gráfico de João Luís.) Editor: Euedito.

 

No decurso da Tertúlia, todos os Poetas e Poetisas presentes, a maioria participantes da Antologia, tiveram oportunidade de ler/dizer/recitar/declamar um dos seus poemas. Alguns até nos demonstraram o seu estro de cantantes!

Obrigado a todos. Belos momentos vivenciados!

Também li um dos meus poemas publicados: «Empresta-me um Sonho».

 

*******

 

No dia quinze, (15/10), reiniciou a APP a já tradicional “Tertúlia do VÁ VÁ”.

Evento já com história, dado que proveniente de anteriores Direções da Associação. Interrompido algum tempo, devido às obras no café – restaurante.

 

Oportunidade para a apresentação do livro de poemas de Alcina Viegas, “Versos Do Meu Sul”, Edições OZ, 2017.

A imagem de capa reproduz um óleo s/ tela, também da Autora. (A capa e paginação são de Paulo Reis e a revisão de Paula Oz.)

 

Deste livro, tomei a liberdade de transcrever o poema “Além do Tejo”, pag. 22.

 

«Para além do Tejo,

os campos que vejo

são de sol dourado…

Os verdes trigais

e o chão semeado

são pão amassado

com dores e com ais.

E os verdes fatais,

cor dos olivais

são belos poemas,

às moças morenas.

Tem de Florbela

a dor e a candura

são amores em chama,

de uma alma pura,

alma alentejana.»

 

(Já conhecia a poesia desta Autora do blogue “Rumo ao Sul”.)

 

(Neste evento, de sala cheia, com mais de quarenta pessoas, apenas assisti. Não participei na tertúlia.

Tenho a realçar que a sala, per si, é adequada. Mas é pena que a porta que dá para o café, tendo um bonito rendilhado na sua estrutura, este não esteja coberto com algum material, vidro, por ex., de que resulta que, mesmo estando fechada, é como se estivesse permanentemente aberta…

Mas lá diz o ditado: “ a cavalo dado…”)

 

A APP prevê continuar a realizar estas tertúlias, mensalmente, nos segundos domingos.

A próxima está prevista para 12, do corrente mês, pela 16h. 30’.

Café – restaurante "VÁ VÁ", Lisboa, cruzamento da Avenida de Roma, com a dos Estados Unidos da América!

 

*******

 

Ainda no domínio das tertúlias também a APP iniciou recentemente uma nova.

Em Almada, a “Tertúlia Almadam”: terceira 3ª feira de cada mês.

No Café “Le Bistrô”, Rua dos Espatários, 2.

(Junto da Igreja de S. Sebastião, bonita de visitar, diga-se e perto da paragem de Metro, precisamente de Almada.)

Tem coordenação de Maria Melo e responsabilidade de Maria Leonor Quaresma.

A próxima será dia vinte e um, (21/11), pelas 16 horas.

 

Participei, com muito gosto, na anterior, a segunda a ser realizada, no transato dia dezassete, (17/10/17).

 

Apresentei: “Aquém – Tejo” e “Retalhos do Alentejo”.

 

Participaram:

Felismina Mealha: “Lisboa, Sonho Contigo” e “Clara Mestre”.

Clara Mestre: “Jovem Senhora” e “Maria Campaniça”, de Manuel da Fonseca.

Maria Melo, de “Aldravias”: “Meu Verso” e “Estrela Guia”.

Maria Petronilho: “Frágil Força” e “Como gostaria de ser Poesia”.

Carlos Cardoso Luís: “Auto Apresentação em Verso” e “Viagem pela Cidade”.

Márcia Cabral da Rocha: “Nesse Instante” e “Bela é a dor no peito do Poeta”.

Mabel Cavalcanti: “Eu sou” e “Apolo e Atena”.

Su Sam: “Ganhar corpo” e “Acrobatas”.

 

Excelentes “dizedores” de Poesia. (Que me sinto pequenino!)

 

Oportunidade ainda para mostrarem outros talentos.

 

Clara Mestre leu e cantou o belíssimo poema de Maria Guinot, “Silêncio e Tanta Gente”, canção que venceu o Festival da Canção de 1984.

 

Mabel Cavalcanti também cantou uma canção sobre um pássaro da Amazónia, que, quando canta, todos os outros se calam, cujo nome não consegui fixar. Não sei se é “irapunu”!

 

E era tempo de eu calar-me também… Não fora que Mabel ainda cantou “Só nós dois é que sabemos”.

 

E Clara Mestre ainda leu uma engraçadíssima anedota alentejana.

 

Resumindo: uma tarde belissimamente passada. Uma Tertúlia Interessantíssima. E que promete!

 

Apareça: terceiras terças-feiras do mês, no local já referido!

 

E assim termino esta crónica sobre a APP.

 

E longa vida à Associação Portuguesa de Poetas!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D