Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

01.Nov.17

Uma Equipa de Jovens… Com alguma Idade!

Francisco Carita Mata
Associação Portuguesa de Poetas  Dinamismo. Trabalho. Competência.Juventude! Retorno à Poesia!Também para falar da Associação Portuguesa de Poetas. E para continuar na divulgação dessa nobre Arte, a Poesia!. A APP é uma Associação, com uma enorme vitalidade.De certo modo, só faz sentido que assim seja, dado que está nos seus trinta e dois anos, mas esse facto também se deve ao (...)
20.Out.17

E que venha a Primavera!

Francisco Carita Mata
Crónica de Outubro (II) Crónica de Descontentamento (V) E Desalento  Ao escrever a crónica anterior, datada de 14/10/17, referi a possibilidade de eventualmente voltar a escrever mais alguma crónica ainda neste mês.Mas estava a milhas de imaginar que ainda voltaria a abordar o tema dos incêndios. Pois quem haveria de supor vir ainda a acontecer tal tragédia!Mais de quinhentas ignições de fogo, (...)
14.Out.17

Ação! Imbecilidades... E Raposices!

Francisco Carita Mata
Crónica de Outubro I, em sete Pontos!Algumas ações positivas – outras tantas imbecilidadesCrónica de Descontentamento(s) (IV)E alguns Contentamentos Intitulo esta crónica, de Outubro, desconhecendo se ainda virei a publicar mais alguma referente a este mês.  *******(I) Começo por uma ação de lado positivo, que observámos na passada 6ª feira, 13 de Outubro. Na estrada de Estremoz – Vimieiro, constatámos algo de muito positivo.Já perto da povoação do Vimieiro andavam (...)
07.Out.17

« Alentejo, Meu Alentejo»

Francisco Carita Mata
«ALENTEJO, MEU ALENTEJO»  «Alentejo, meu Alentejo!(boca fechada) mmmmmm Alentejo dos loiros trigaisOnde os ceifeiros cantam madrigaisAlentejo, planura sem fimQue, todo, cabes dentro de mim Mais do que a neve da serraMais do que a espuma do marO Alentejo é brancuraÀ luz branca do luar.Solidão do AlentejoFontes, cruzeiros e alminhasCantam rolas e cigarrasNo silêncio das tardinhas! O pastor do AlentejoEncostado ao seu cajadoVai namorando a campinaQue é a mesa do seu gado!Olhos (...)
07.Out.17

«ESCUTA!...»

Francisco Carita Mata
POESIA de João Guerreiro da Purificação.  «ESCUTA!...» «Se à Bíblia deres razãoMuda a tua vida de vezNão faças que a tua mãoVeja o bem que a outra fez. Se tu pousares com amorA mão num ombro qualquerNão toques sino nem tamborQue tal bem morre ao nascer. Se levares pela mãoAlguém em rude caminhoNão digas ao teu coraçãoNem fales disso ao vizinho. Se houver alguém que te piseOu te der algum encostoDesculpa-te com um sorrisoCom esse, do pé mal posto. Se tens arestas (...)